Pular para o conteúdo

 

Porto Alegre, 27 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.765

  RS: Santa Clara destaca participação na 29º Festiqueijo, em Carlos Barbosa

A Cooperativa Santa Clara contará com novo estande no 29º Festiqueijo, que inicia na próxima sexta-feira, 29 de junho, em Carlos Barbosa. Durante o festival gastronômico, os visitantes poderão degustar a linha de produtos Santa Clara e novidades como a Raclette, preparação de origem suíça, onde o queijo é aquecido e, à medida que derrete, é raspado sobre um prato ou acompanhamento. Outras novidades desta edição são o Sorvete Zero Lactose de Doce de Leite e Nata e o Wrap com Temper Cheese.

Já o Churrasco contará com um espaço especial no estande, onde serão servidas linguiças, iscas de carne suína, Queijo Provolone no espeto e grill e Queijo de Coalho, demonstrando a versatilidade dos produtos Santa Clara.

No evento, estarão disponíveis em primeira mão o Queijo Emmental e o Queijo Coalho com orégano, pré-lançamentos da Cooperativa.

A Santa Clara também estará desenvolvendo uma ação com os óculos de realidade virtual, onde os visitantes poderão se sentir inseridos no Caminho do Leite, através de um vídeo 360°, passando pela propriedade até chegar na indústria, onde é feito o controle de qualidade e envase. O Festiqueijo será realizado de 29 de junho a 29 de julho, no Salão Paroquial. (Fonte: Cooperativa Santa Clara)
 
 

PIB do setor agropecuário deve crescer 3,71% em volume e cair 4,7% em receita

O Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário deve crescer 3,17% este ano em volume, projeta o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq-USP), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). O porcentual foi calculado tendo como base o desempenho do setor no primeiro trimestre do ano, informou o Cepea, em nota. “Em 2018, o impulso ao setor vem dos elos industriais, diante da relativa estabilidade prevista para o PIB-volume do segmento primário”, acrescentou o centro de estudos. “A agroindústria brasileira vem demonstrando reação desde o segundo semestre de 2017, influenciada pelos sinais de recuperação da economia brasileira".  O PIB-volume crescerá, mas os preços relativos do agronegócio têm apresentado queda, mostrando desvalorização em relação à média da economia. “Assim como observado em 2017, a pressão baixista da média de preços reais de produtos do agronegócio acabou suprimindo a evolução significativa em volume de produção e, com isso, estima-se queda de 4,7% no PIB-renda anual do setor”, diz o Cepea. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)

Elevação dos preços do leite no atacado sinaliza repasse mais expressivo ao produtor

Historicamente, a produção brasileira de leite apresenta seus menores volumes entre abril e junho, enquanto o preço do leite pago ao produtor atinge seu pico entre junho e agosto. Entretanto, a magnitude do aumento de preços é muito variável a cada ano. Em 2015, o aumento do preço nominal do leite pago ao produtor de janeiro até o pico foi de 17%. No ano seguinte, esse aumento atingiu expressivos 59%. Já no último ano, o preço do leite subiu apenas 7%. Em 2018, de janeiro a maio, o preço do leite valorizou 26%, sendo essa elevação mais expressiva nos dois últimos meses. Esses aumentos refletiram principalmente os repasses de preço do leite no atacado e no varejo. No atacado, após aumento de 26,5% entre janeiro e abril, o preço do leite UHT ficou praticamente estável em maio, na média nacional. Entretanto, o cenário mudou completamente na primeira quinzena de junho. A greve dos caminhoneiros afetou a produção primária, paralisou as atividades da indústria e consumiu os estoques dos laticínios e dos varejistas. Esses fatores, somado a menor oferta de leite típica do período de entressafra, resultou na valorização do preço do leite UHT no atacado em São Paulo de 29,4% em apenas 15 dias, saltando de R$2,43 no fechamento de maio para R$3,15 no dia 15 de junho, segundo levantamento do CEPEA.

A expectativa agora é saber a magnitude do aumento que será repassado ao produtor. Entretanto, tal repasse servirá apenas para amenizar a situação dos pecuaristas que vem convivendo com preços reais do leite em patamares historicamente baixos e custo de produção elevado desde o final de 2017, agravada com as perdas oriundas da greve. Nos últimos 12 meses, o custo de produção, medido pelo ICPLeite/Embrapa, aumentou 11% devido, principalmente, ao incremento dos preços dos concentrados em resposta à expressiva valorização do milho e do farelo de soja no período. No entanto, é importante observar que o comportamento dos preços desses insumos nos primeiros meses de 2018 está diferente do comportamento histórico para o período, com uma consistente valorização em plena safra de grãos. Essa situação é resultado de um conjunto de fatores: quebra da safra argentina de grãos, a redução da safra brasileira de milho e a forte valorização do dólar frente ao real, além de reflexos da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Assim, mesmo que a relação de troca tenha melhorado para o produtor nos últimos dois meses, em função da maior valorização do preço do leite em relação aos preços do milho e do farelo de soja, esse indicador encontra-se desfavorável ao produtor de leite. A relação de troca em maio, de 41,4 litros de leite para aquisição de 60 kg de ração, comparada ao mesmo mês de anos anteriores, é melhor apenas que 2016, quando ocorreu uma explosão nos preços dos grãos em função da quebra da safra brasileira naquele ano.


Figura 1. Preços reais do leite ao produtor – média nacional de 2015 a 2018 – deflacionados pelo ICPLeite em R$/litro. Fonte: CEPEA / Embrapa Gado de Leite

Um fator adicional que pode contribuir para sustentar as cotações do leite pago ao produtor brasileiro é a desvalorização do real frente ao dólar associado a manutenção dos preços internacionais do leite em pó integral na faixa de US$ 3.200,00 por tonelada, reduzindo a competitividade do produto importado sobre o leite brasileiro. Assim, as importações de leite e derivados no acumulado de janeiro a maio foram 35% menores em relação ao mesmo período de 2017, em volume e valores.

Nesse cenário é esperado que haja um aumento mais consistente no preço do leite pago ao produtor em junho. Entretanto, a magnitude e a duração desse aumento dependerão da recuperação da oferta de leite ao fim da entressafra, dos impactos residuais da citada greve dos caminhoneiros na produção, da reação do consumo de lácteos e da capacidade de absorção desses aumentos de preços pelo consumidor. (Embrapa)

Leite/UE 

A captação de leite na União Europeia (UE) aumentaram 1,2% em abril de 2018 em comparação com abril de 2017, o que representa 167.000 toneladas de leite a mais. Na Espanha, a coleta de leite em abril também subiu em relação a um ano antes. Mas foi 1,4% (9.000 toneladas a mais).

A captação acumulada de janeiro a abril ne UE teve incremento de 2,1% em relação ao mesmo período de 2017. Na Espanha, o percentual foi +3%. Nos primeiros quatro meses de 2018 as entregas de leite aumentaram em 19 Estados Membros. Os maiores incrementos em volume foram registrados na Alemanha (+94.000 toneladas), Itália (+64.000 toneladas) e Polônia (+36.000 toneladas). Os maiores percentuais ocorreram na Romênia, Bulgária e Áustria. 

As maiores quedas no volume de leite captado foram registradas na Irlanda (-52.000 toneladas), na Holanda (-21.000 toneladas) e França (-19.000 toneladas). As maiores quedas percentuais ocorreram na Suécia, Letônia e Croácia. Quanto aos preços, a média registra em abril na UE subiu para 32,6 €/100 kg, o que representou baixa de 2,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior. (Agrodigital – Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 

AGO G100
O G100 realizou ontem, 25 de junho de 2018, a sua 15ª AG0 (Assembleia Geral Ordinária). Os associados do G100 elegeram os seus 28 membros do Conselho Deliberativo para um mandato de 3 anos. Em seguida, realizou-se a reunião do Conselho Deliberativo para eleger a sua Diretoria. A Diretoria, com mandato de um ano, ficou assim composta: Presidente - Vasco Praça Filho (Cemil-MG); 1° Vice-Presidente - Izis Madruga (Belo Vale-PB); 2° Vice-Presidente - João Marcos Machado (Selita-ES); 3° Vice-Presidente - Ananias Justino Jayme (Citale-GO). (Assessoria de imprensa G100)
 
 

 

Porto Alegre, 26 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.764

  Sucessão exige gestão profissional

Manter as novas gerações no campo e garantir a sucessão nos tambos gaúchos passa por uma gestão profissional, com definição de atribuições, metas e, inclusive, de pró-labore para os integrantes da família. A posição foi defendida pelo presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, durante o 6º Fórum Itinerante do Leite, que reuniu cerca de 800 pessoas nesta terça-feira (26/6), em Santa Rosa (RS). Segundo Guerra, não há mais espaço para amadorismo na atividade. "Os produtores hoje são gestores de seu próprio negócio." Otimista, Guerra disse que há amplo potencial para crescimento do setor lácteo a ser desenvolvido pelos jovens no mercado interno e externo.

A importância de maior estabilidade na remuneração da atividade foi pontuada pelo representante da Fetag e presidente do Conseleite, Pedrinho Signori, como essencial para tornar a atividade mais atrativa às novas gerações. "A oscilação na cultura do leite é muito grande. Isso traz desestímulo para o jovem seguir na atividade. Temos que ter em mente que o leite muito barato hoje ao consumidor pode significar um preço muito caro amanhã", salientou. Em coro, o diretor da Farsul Jorge Rodrigues citou a relevância de mão de obra qualificada e estudo para melhoria contínua da produção. "Os jovens têm que saber que esse é um trabalho dignificante."

Mais que isso, pontuou o assistente técnico em Criações da Emater Ivar Kreutz, é preciso diálogo e visão. "Sucessão não se faz quando os jovens já foram. Eles não vão voltar. É quando são pequenos que é fundamental se pensar em sucessão".

A importância de integração de gerações para o sucesso dos tambos leiteiros gaúchos foi exemplificada na apresentação realizada pela jovem Mariane Moz, sócia da Agropecuária Moz, de Tuparendi (RS). Ao lado dos pais, do namorado e de quatro funcionários, ela administra a propriedade com olhos no futuro e na qualidade. Segundo ela, diferentemente do que comumente se diz, sucessão rural na Agropecuária Moz não significa "substituir o velho pelo novo". "Na Moz é diferente. Usamos a experiência dos meus pais aliada ao meu conhecimento técnico e à orientação de gestão e administração de custos de meu namorado", pontuou.

O tambo, que começou de forma tímida a integrar a renda da família em 1994, hoje é a principal atividade da propriedade, que produz 4,3 mil litros por dia com 115 animais em lactação de um rebanho de 280 animais. O amor de Mariane pela produção começou ainda criança. Com 12 anos já ordenhava os animais e ajudava a família. Alguns anos depois, é ela que pilota os projetos de qualidade do leite e transferência de embriões, além do sistema de Compost Barn que garante bem-estar animal e bons lucros aos Moz.

Terceirização da recria
Um grupo de 20 produtores da região de Tuparendi (RS) vem obtendo excelentes resultados com a terceirização de alguns processos produtivos que permitam aos tambos focar sua atuação exclusivamente na obtenção do leite. A sócia da Fazenda Bom Sucesso, Marjorie Ghellar, relatou o processo de terceirização da recria de terneiras realizado pela Cooperativa de Produtores de Leite Fronteira Noroeste (Cooperlat). "Isso nos permite foca apenas na produção de leite e abrir espaço na propriedade."

Pelo sistema, as terneiras são remetidas a Uruguaiana (RS) para recria e só retornam com sete meses de prenhez prontas para a produção. Além disso, informa ela, a cooperativa vem ajudando muito com prestação de serviços de maquinário a seus associados. Criada em 2006, a Cooperlat tem um total de 1,8 mil animais e produz 26 mil litros/dia. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
Foto: Carolina Jardine
 
 
 

Planejar a produção é segredo para férias no tambo

O descanso é visto como essencial para garantir motivação ao produtor e um trabalho bem feito. Consciente da necessidade de aliviar o peso do dia a dia dos tambos - atividade reconhecida por trabalho ininterrupto ao longo do ano -, o médico veterinário da macrorregião Norte da Emater Paraná, Paulo Hiroki, garante que pensar a produção e planejar o ciclo reprodutivo dos animais pode ser feito de forma a viabilizar férias até para quem trabalha com o leite. "Se eu posso planejar eu posso ter descanso", citou ele durante painel na manhã desta terça-feira (26/6), durante o 6º Fórum Itinerante do Leite.

Com um calendário definido e rebanho estabilizado, ele sugeriu a criadores do Paraná diminuir a estação de partos para que o produtor pudesse planejar seu descanso para meses de dezembro ou janeiro, quando se tem muito leite no mercado e baixo consumo. O sistema, garante ele, dá certo: "Leva três anos para preparar suas férias." Também é importante prever corte de despesas em determinados períodos para compensar a interrupção de lactação durante as férias.

O painel ainda apresentou o case do produtor Ezequiel Nólio, proprietário do Tambo Nólio, de Paraí (RS). Enfrentando falta de mão de obra qualificada para exercer a atividade, adotou a robótica para manejar o rebanho. "Agora, os donos podem sair para passear, podem estar aqui dando palestras", relatou o produtor.

De acordo com ele, o uso de robô na ordenha exigiu poucos ajustes de estrutura do pavilhão do gado, o que, ao lado do custo da máquina, somou R$ 900 mil. Essa mecanização, cita ele, é alternativa para viabilizar a sucessão no campo porque alivia o trabalho e pode eliminar a contratação de funcionários. Em dois anos, ele conta que a produtividade média do Tambo Nólio passou de 28 litros vaca/dia para 35 litros por vaca/dia. O manejo, antes feito por um empregado e duas pessoas da família, hoje é realizado apenas por uma pessoa e pelo robô. O número de vacas em lactação caiu de 75 para 63, mas a captação se manteve em 2,2 mil litros/dia, garantindo otimização do uso de concentrado e melhor rentabilidade. Ao mudar a ordenha para o sistema mecanizado, Nólio teve redução imediata de 130 quilos de consumo de concentrado/dia. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
Foto: Carolina Jardine

Grande Santa Rosa perde produtores mas eleva captação e produtividade

A região da Grande Santa Rosa perdeu 3,6 mil produtores de leite entre 2015 e 2017 (37%), movimento registrado em todos os 20 municípios que integram a área de atuação do APL Leite Fronteira Noroeste. O abandono da atividade ocorreu tanto em tambos pequenos, com captação diária de 50 litros, quanto naqueles maiores, na faixa de 1 mil/dia. Segundo levantamento do APL Leite realizado com base em dados da Emater e divulgado na noite desta segunda-feira (25/06), durante programação preliminar do 6º Fórum Itinerante do Leite, em Santa Rosa (RS), no mesmo período, os que ficaram na atividade conseguiram se tornar ainda mais competitivos, elevando a produção da região de 415,2 milhões de litros ano para 431,6 milhões de litros.

O faturamento das propriedades também cresceu: de 50 para 84 salários mínimos ao ano. "Quem ficou está recebendo mais, mas também está produzindo mais", garantiu o gestor do APL Leite, Diorgenes Albring. A realidade da produção gaúcha e os desafios para torná-la mais lucrativa são temas do 6º Fórum Itinerante do Leite nesta terça-feira (26/06) que pretende reunir mais de 500 pessoas no Instituto Federal Farroupilha em Santa Rosa.

O desafio agora é refinar os números sobre os custos de produção, que hoje oscilam entre R$ 0,80 e 0,90 para criação a pasto e R$ 1,10 a R$ 1,20 para confinamento na região. "Está sobrando tanto dinheiro como sobrava antes, mas esse dinheiro tem menos poder de aquisição do que antes. Aí se cria uma sensação de fracasso na atividade. O produtor não faz a conta do que é custo de produção e o que é custo da família". Durante apresentação na noite desta segunda, Albring frisou que há muito a pleitear junto aos administradores municipais no intuito de conseguir incentivos para qualificar a produção e fomentar avanços na criação de gado leiteiro. E lamentou que boa parte da captação de leite realizada na Grande de Santa Rosa não seja processada na região, minimizando a possibilidade de geração de renda e emprego local.

Coordenando o projeto, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, citou que o setor ainda precisa enfrentar a baixa produtividade por vaca, que, muitas vezes, está abaixo de 20 litros/dia. Contudo, frente às dificuldades do mercado, resta ao produtor controlar seus custos de produção de forma a manter-se competitivo. "O produtor de leite é uma mini-indústria em cada município, um empreendedor que gera ICMS como qualquer outro empresário da cidade", salientou.

Anfitriã do evento, a diretora geral do Instituto Federal Farroupilha - Campus de Santa Rosa, Renata Rotta, reforçou a relevância de receber um evento do porte do Fórum Itinerante no município. "É muito importante essa aproximação da cadeia produtiva com as atividades que realizamos na instituição", disse. Relevância que também foi pontuada pelo assistente técnico da Emater na área de criações Ivar José Kreutz: "É um momento de parar e repensar a fora de realizarmos atividades junto a esses produtores". Autoridades oficializaram a abertura dos trabalhos para o evento com brinde de leite em uma noite que contou com a presença de prefeitos, secretários municipais e dirigentes. Representando o Conseleite, seu presidente Pedrinho Signori enalteceu a força do setor leiteiro para a economia da região de Santa Rosa.

O 6º Fórum Itinerante do Leite é uma realização do Sindilat, do Canal Rural, do Fundesa, do Sistema Farsul e da Fetag. O evento tem apoio técnico do Instituto Federal Farroupilha - Campus de Santa Rosa, da Emater-RS e da Embrapa. O apoio institucional reúne AGL, AMGSR, APL, Apil, Gadolando, Jersey-RS, Coopermil, Cotrimaio, Fahor, Famurs, Fecoagro, Fema, Instituto Senai, Ministério da Agricultura, Ocergs- Sescoop, Prefeitura de Santa Rosa, Secretarias Estaduais da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi) e Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Setrem, Sicredi e Unijuí. (Assessoria de Imprensa Sindilat)
   
Foto: Carolina Jardine

Produção mundial 

Nos quatro primeiros meses do ano a produção mundial de leite de vaca cresceu 2% em relação a igual período de 2017. Por outro lado o Instituto Nacional do Leite (Inale) publicou que é projetado para 2030 um aumento da produção mundial de leite de 35%, ano em que a população crescerá 16% e o consumo per capita também crescerá 16%. 

Na tabela elaborada pelo site especializado em lácteos Clal.it aparece que a produção mundial de leite nos primeiros 4 meses do ano cresceu 2% em comparação com igual período de 2017. O dado surge ao analisar a produção dos principais países produtores e importadores que representam aproximadamente 60% da produção mundial de leite de vaca. 
 

Nos Estados Unidos (EUA) e na União Europeia (UE) a produção continua crescendo 1,3% e 2%, respectivamente mas, a menores taxas, enquanto que a Nova Zelândia apresenta queda de 1,8%, mas está se recuperando. O comportamento da produção ponderada de ambos hemisférios é praticamente idêntico em termos relativos, mas, existe uma preeminência em termos absolutos do Hemisfério Norte (EUA, UE, Ucrânia, Bielorrússia e Turquia) em relação ao Hemisfério Sul (Nova Zelândia, Austrália, Argentina, Chile, Uruguai e Brasil). Na América Latina a produção é liderada pela Argentina (9,4%).

Estimativa da produção mundial em 2030: 35% a mais que em 2017
O Inale publicou uma estimativa da produção mundial em 2030 em relação a 2017. A expectativa é de que o crescimento da produção mundial de 304 milhões de toneladas de leite (que representa elevação de 35%) é equivalente a três vezes a produção atual dos EUA.

Em 2030 a população mundial será de 8,7 bilhões de pessoas (16% a mais que hoje). Portanto, haverá 1,2 bilhões de potenciais consumidores de lácteos; além disso, o consumo per capita deverá crescer também 16%.

O crescimento estimado da produção, por região entre 2017 e 2030 é a seguinte:
Ásia do Sul: 400 milhões de toneladas de leite (crescimento de 64%).
Europa Ocidental: 200 milhões de toneladas de leite (14%).
América do Norte: 150 milhões de toneladas de leite (26%).
Europa Oriental e Países da Comunidade Independente: 150 milhões de toneladas de leite (22%).
América Latina: 120 milhões de toneladas de leite (33%).
Oriente Médio e Próximo: 100 milhões de toneladas de leite (27%)
África: 60 milhões de toneladas de leite (36%).
Oceania: 50 milhões de toneladas de leite (22%). (TodoElCampo - Tradução livre: www.terraviva.com.br) 

Preços/NZ 
O preço dos lácteos caíram de leve outra vez na semana passada, no GDT, mas os resultados foram mistos, disse Emma Higgins, analista do Rabobank. Antes do leilão a expectativa era de queda nos preços. A média do índice caiu 1,2% (US$ 3.481/tonelada) acompanhando a tendência do evento anterior. O índice do leite em pó integral (WMP) perdeu 1% de seu valor e fechou em US$ 3.189/tonelada, enquanto que o índice da manteiga subiu 0,8%, fechando com a cotação de US$ 5.611/tonelada. "A Fonterra elevou o volume ofertado de leite em pó desnatado (SMP) com uma oferta extra de 200 toneladas, e os volumes aumentaram nos próximos 12 meses em 6.000 toneladas. "Dimuíram ligeiramente os preços do SMP e WMP. Os preços da manteiga mantiveram-se estáveis, mas, estão sendo negociados na Oceania com valores inferiores aos europeus, enquanto oos preços do cheddar registraram as maiores quedas, 3,6%."Este é um período de fraca produção de leite na Nova Zelândia, que fica esperando agosto, então outros discretos eventos nesta época do ano não são incomuns". Os números da produção de leite da Nova Zelândia em maio de 2018 foram divulgados na semana passada. Os dados confirmaram um forte final de temporada, com crescimento de 6,2% no volume em relação ao mesmo mês do ano anterior (aumento de 5,7% nos sólidos do leite na mesma comparação). "Isso deixou a temporada 2017/2018 no mesmo nível em relação a 2016/2017, havendo alta de 0,1% em volume de leite, e queda de 0,6% nas toneladas de sólidos do leite", diz Higgins. O economista agrícola do banco ASB, Nathan Penny, disse que a queda dos preços deve ter sido resultado da recuperação da produção no final da temporada e a desvalorização do dólar kiwi. A moeda norte-americana subiu 1% desde o último leilão, tornando os lácteos mais caros na moeda local. O ASB está mantendo a previsão de que a próxima safra 2018/2019 será iniciada com o preço ao produtor de NZ$ 6,50/kgMS, [R$ 1,30/litro]. (Dairy News - Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 

 

Porto Alegre, 25 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.763

  Leite/Oceania 

As expectativas para a próxima temporada dos lácteos na Austrália são positivas. A forte demanda, particularmente da China, por leite em pó é tida como a impulsionadora do setor. 

O Japão se apresenta como um grande comprador de queijos e manteiga. Mesmo assim as condições climáticas atuais são preocupantes, e devem provocar aumento no custo de produção. O outono, atipicamente quente e seco, afetou a produção de feno e grãos, elevando o preço dos insumos. A seca é uma preocupação constante, especialmente em New South Wales. Se não houver forma de remediar o atraso no plantio de feno, a disponibilidade de feno será reduzida nesta próxima safra.

Na Nova Zelândia são divulgados os dados de maio, mostrando que 2017/18 produziu praticamente o mesmo volume de leite e de sólidos em relação a 2016/2017. De junho de 2017 a maio de 2018, a produção de sólidos de leite caiu 0,64% em relação à temporada anterior, enquanto o volume de leite subiu 0,15%. A produção de leite em maio de 2018 na Nova Zelândia foi de 6,2% superior à de maio de 2017, enquanto os sólidos do leite subiram 5,7%, de acordo com a DCANZ.

Observadores da Nova Zelândia percebem o mercado de lácteos em crise, com pouca possiblidade de alteração nas expectativas nas próximas semanas. A produção está em seu menor volume sazonal e isso mantém em baixa a atividade das fábricas em relação aos outros meses do ano. A temporada encerrada em 31 de maio foi muito irregular em termos de desafios para os produtores de leite. No início da estação, fora de qualquer expectativa as condições úmidas da primavera prejudicaram o crescimento das pastagens. Em seguida veio muita seca. No finalzinho da temporada as condições climáticas foram mais propícias, havendo recuperação na produção de leite nos meses de abril e maio. (Usda - Tradução Livre: Terra Viva)
 
 
 

Blairo Maggi determina processo de troca no comando da Embrapa

Após determinação do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o Conselho de Administração da Embrapa decidiu ontem abrir o processo de troca na Presidência da estatal, que é comandada desde 2012 pelo pesquisador de carreira da empresa, Maurício Lopes. O mandato de Lopes se encerra em outubro, porém ele ainda tinha direito de ser reconduzido à frente do cargo. Para Maggi, "cada um tem seu tempo" e a mudança no posto se encontra dentro da normalidade, já que Lopes já havia sido reconduzido à Presidência uma vez nos últimos anos.

O atual presidente da Embrapa vem acumulando recentes desgastes como a demissão no início deste ano do pesquisador Zander Navarro - que foi revertida pela Justiça - e críticas de servidores por um grande processo de reestruturação em curso desde o fim de 2017 que pretende enxugar gastos e remodelar unidades e centros de pesquisa da empresa.

O ministro foge de qualquer possível polêmica e diz que pediu pessoalmente a Lopes que tocasse o processo de reestruturação para que a empresa seja mais eficiente e enfrente a falta de recursos orçamentários.

"Esses dias o convidei para conversar junto com a diretoria da Embrapa e pedi para iniciar o processo de escolha do novo presidente, dentro da Lei das Estatais e do estatuto da empresa que prevê uma seleção bastante grande", disse o ministro ao Valor por telefone da África do Sul, onde participa de um encontro dos Brics. "Vencendo o mandato dele, é seguir o jogo, não tem nada de anormal, pelo contrário, gosto muito do Maurício. Mas, assim como o meu tempo chegará ao final, o dele está chegando".

Conforme o estatuto da Embrapa, podem se inscrever para o cargo de presidente tanto servidores da estatal quanto profissionais de fora da empresa. No entanto, o processo de seleção impõe regras rígidas de currículo e histórico profissional, que geralmente impedem "forasteiros" no comando. Funcionários da empresa pública dão conta de apenas um caso de presidente com indicação política que não tinha trajetória na área científica, mas que durou meses no posto, no fim da década de 1980.

O Valor apurou que os candidatos naturais para substituir Maurício Lopes são os diretores da estatal, Cléber Soares, da área de Inovação e Tecnologia, e Celso Luiz Moretti, de Pesquisa e Desenvolvimento. (As informações são do jornal Valor Econômico)

FrieslandCampina: leite a pasto é produzido por 80% das fazendas fornecedoras

A FrieslandCampina disse que a proporção de suas fazendas que estão utilizando pastagens ao ar livre cresceu pelo quarto ano consecutivo, ultrapassando a marca de 80%. O percentual de fazendas com pastos ao ar livre subiu para 81%, acima dos 77,9% em 2015. A cooperativa holandesa de lácteos pretende restaurar esse número para 81,2% - o mesmo nível de 2012 - o que significa que está no caminho certo para alcançar seus objetivos de gado criado em pastagem.

A popularidade dos produtos lácteos orgânicos e produzidos ao ar livre está crescendo, com os consumidores cada vez mais interessados no lado ético dos alimentos e bebidas que consomem.

Frans Keurentjes, presidente do conselho da cooperativa FrieslandCampina, disse: "é uma notícia extremamente positiva que mais produtores de leite queiram fazer um esforço para manter as vacas nos campos. Com este esforço, o setor lácteo permanece visível para as pessoas e as características da paisagem holandesa".

O marco significa que a proporção de fazendas da FrieslandCampina utilizando pastagens ao ar livre cresceu continuamente nos últimos quatro anos: o número foi de 77,9% em 2015, aumentando para 78,2% em 2016, 79,4% no ano passado e agora 81% em 2018.

A FrieslandCampina se aproximou de membros que não usam pastagens ao ar livre para suas vacas durante os últimos meses. Centenas deles receberam conselhos feitos sob medida ou participaram de uma reunião especial sobre pastagem, que resultou em 303 fazendas-membro extras que escolheram ter suas vacas pastando esse ano. O efeito preciso do aumento dos números será conhecido até o final do ano, disse a FrieslandCampina.

Seus produtores receberão um prêmio referente à pastagem de € 1,50 (US$ 1,73) por 100 kg de leite produzido quando suas vacas leiteiras pastam nos campos pelo menos 120 dias por ano por um mínimo de seis horas por dia. Os produtores que possuem apenas algumas de suas vacas em pastagem durante esse tempo receberão um prêmio parcial de € 0,46 (US$ 0,53) por 100 kg de leite, portanto, enquanto o progresso é recompensado em uma escala móvel, há um claro incentivo para os produtores colocarem mais vacas no pasto.

Atualmente, cerca de 8,6% das fazendas recebem o prêmio parcial de pastagem ao ar livre, disse a FrieslandCampina.

Em 21/06/18 - 1 Euro = US$ 1,15862
0,86310 Euro = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)
(As informações são do FoodBev.com, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

IFCN projeta crescimento mundial de 35% na produção de leite até 2030 com ajuda da tecnologia

A rede de pesquisa de lácteos, IFCN, disse que, entre agora e 2030, a demanda mundial por leite e produtos lácteos será três vezes maior do que a atual produção de leite dos EUA. Essa foi uma das principais descobertas da mais recente publicação da IFCN discutida na 19ª Conferência de Lácteos da IFCN, que foi realizada recentemente na Teagasc em Cork, Irlanda.
Hoje, cerca de 876 milhões de toneladas de leite são produzidas em todo o mundo, e o Dr. Torsten Hemme, diretor da IFCN, disse que o aumento da demanda não se deve apenas a mais pessoas vivendo no mundo, mas também porque o consumo per capita aumentará devido à prosperidade crescente e investimentos mundiais no desenvolvimento de produtos lácteos.

Aumento da demanda
O fundador da IFCN acrescentou que o aumento da demanda será coberto pela maior oferta global de leite. A dinâmica das mudanças estruturais das fazendas leiteiras a nível internacional continuará e as fazendas intensificarão seus sistemas agrícolas. Hemme disse que, até 2030, a IFCN prevê um aumento na produção e demanda de leite no total de 35%.

Trevor Donnellan, chefe do departamento de economia agrícola e pesquisas agrícolas da Teagasc, disse que a conferência permitiu que pesquisadores internacionais entendessem melhor como a recente expansão da produção irlandesa de leite foi alcançada. "Os visitantes ficaram particularmente impressionados com a maneira pela qual a expansão dos lácteos foi alcançada a um custo relativamente modesto", disse Donnellan. Os participantes da conferência incluíram pesquisadores e representantes de empresas de lácteos. Um tópico chave para discussão foi o futuro papel das novas tecnologias na produção de leite.

 

Novas tecnologias
Os desenvolvimentos mais significativos esperados no futuro são em biotecnologia e big data. Robert Walker, da Alltech Company, disse: "novas tecnologias virão da capacidade de coletar mais dados. Pense em drones, blockchains, análise de imagens. Uma melhor tecnologia também ajudará a interpretar os dados para tornar a produção mais eficiente e ajudar a proteger os recursos".

Georg Kaufman, da DSM, acrescentou que novas tecnologias também serão importantes na redução das emissões de gases de efeito estufa do setor de lácteos.

A perspectiva de curto prazo do IFCN aponta para um aumento contínuo da oferta de leite em todo o mundo. Em 2017, a produção mundial de leite cresceu quase 4%, significativamente superior ao nível de crescimento em 2016. No entanto, o crescimento começou a desacelerar significativamente em 2018. Fatores-chave no crescimento mais lento em 2018 são anomalias climáticas na Nova Zelândia, UE e Argentina e uma situação econômica desafiadora para os produtores de leite nos EUA.

Para o segundo semestre de 2018, a IFCN espera que o crescimento da oferta e da demanda esteja mais alinhado, com um nível mundial de preço do leite esperado de US$ 35-37 por 100 kg. (As informações são do Dairy Reporter e da IFCN, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

 

6º Fórum Itinerante do Leite
Especialistas, produtores, autoridades e líderes de entidades do setor discutem a importância da mão de obra e os desafios da cadeia leiteira em uma série de painéis e oficinas em Santa Rosa. O presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, diz que é preciso união para qualificar a mão de obra disponível no campo e elevar o treinamento das equipes aos novos padrões de qualidade exigidos do produtor e da indústria com o uso da tecnologia. "O Fórum é uma oportunidade de integrar representantes da indústria, do setor de produção e da área acadêmica para trabalharem em busca de novas oportunidades para o setor", afirma. (Correio do Povo)
 

 

Porto Alegre, 22 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.762

  Impacto da greve eleva preço do leite no Rio Grande do Sul 

Como resultado da redução de captação durante a greve dos caminheiros no final de maio, o preço do leite registrou alta de 6,76% no Rio Grande do Sul. Segundo dados dos primeiros 10 dias de junho, divulgados pelo Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite (Conseleite) nesta quinta-feira, o valor de referência projetado para o mês é de R$ 1,1781, acima do consolidado de maio (R$ 1,1035). 

O aumento foi puxado diretamente pelo leite UHT, produto de maior expressão no mix gaúcho, que teve valorização de 14,71%. O movimento foi acompanhado por diversos outros itens: requeijão (10,54%), queijo muçarela (8,74%), leite condensado (8,33%) e queijo prato (6,78%). A tendência é que os valores se mantenham nesse novo patamar motivados pelo aumento de consumo típico dos meses de inverno e pela alta do dólar que impacta diretamente nos custos e ajuda a travar a importação de lácteos. Além disso, explica o presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios (Sindilat), Alexandre Guerra, muitas vacas que estavam em fase de lactação foram “secas” propositadamente no período da greve, impactando no volume desta temporada. 

Levantamento do Conseleite indica que as indústrias gaúchas comercializaram um volume equivalente a 108 milhões de litros em maio de 2018, 16,7% menos do que os 126 milhões de litros de leite de abril. O presidente do Conseleite, Pedrinho Signori, acrescentou que a greve agravou a crise no campo. “Foi uma pá de cal em muitos produtores que já estavam com dificuldades por inúmeros outros fatores como estradas precárias, falta de energia e incentivo.” 

Apesar da alta no valor do leite em junho, Guerra destacou que os valores acumulados no Rio Grande do Sul ainda estão abaixo dos de 2017. Segundo levantamento semestral apresentado pelo Conseleite nesta quinta-feira, de janeiro a junho de 2018, 10 dos 13 produtos avaliados estão com valores abaixo do praticado no mesmo período do ano anterior: leite UHT (-5,48%), leite pasteurizado (-5,87%), leite em pó (-7,73%), leite condensa¬do (-12%), bebida láctea (-3,19%), queijo muçarela (-11,49%), queijo prato (5,03%), requeijão (-4,49%), nata (-2,36%) e outros queijos (-16,51%). Apenas iogurte (6,19%), doce de leite (0,94%) e queijo minas (1%) estão acima dos indexadores de 2017. (Jornal do Comércio)
 
 

Perspectivas do mercado lácteo – América do Sul 

Na América do Sul, especialmente no Cone Sul, as chuvas estão melhorando a umidade para o plantio de trigo e outras culturas em áreas de plantação. No entanto, em termos de produção de leite, o clima úmido tem um impacto mínimo nas principais bacias leiteiras, exceto no Paraguai e Uruguai. Nesses dois países, muitos produtores relataram que a umidade e a lama, dificultam o manejo do rebanho, e impacta negativamente na produtividade.

Na Argentina, as temperaturas mais baixas do inverno que se aproxima melhoram o conforto animal, e aumenta a produtividade. A expectativa é de que a produção de leite continue a crescer na maior parte do inverno. No momento, o fornecimento de leite e creme é suficiente para atender as necessidades das fábricas do país. No Uruguai, a produção de leite vem sendo instável, diante das dificuldades de manejo que muitos produtores encontram pela quantidade de lama e umidade. Os produtores que não enfrentam as adversidades climáticas relatam melhora no rendimento. No entanto, de um modo geral, a produção de leite deve melhorar durante o inverno. A fabricação de queijo e manteiga continua, relativamente, forte, e as exportações para o Brasil, Argélia e Rússia continuam ativas.

O governo uruguaio procura novas oportunidades de negócios através do Instituto Nacional do Leite (INALE) que avalia a elaboração de um Tratado de Livre Comércio (TLC) com a China, especialmente para o envio de lácteos.

Com o fim da greve de 10 dias dos caminhoneiros no Brasil, devido ao alto custo do diesel, o transporte de leite começa a retornar ao normal. A entrega de leite cru para as indústrias se normaliza aos poucos. O varejo vai novamente ocupando as suas prateleiras, principalmente com produtos de alto consumo, como o leite UHT/leite fluido e queijo. A expectativa é de que as indústrias de laticínios no Brasil voltem ao normal nas próximas semanas. As importações de lácteos pelo Brasil continuam aumentando, mas, em nível menor do que o verificado no ano anterior. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

  

Perspectivas do mercado lácteo – Europa

O calor no início de junho na Alemanha e em outras partes da Europa Ocidental resultou em queda significativa da produção de leite. A estimativa é de que a produção da Alemanha tenha ficado 1% abaixo da de um ano antes. 

Os componentes do leite também foram prejudicados. Na última semana de maio a coleta de leite foi 1,6% menor do que a realizada na semana anterior, de acordo com a Central de leite GmbH. De um modo mais amplo, os analistas projetaram aumento de 1,5% na produção de leite europeia até o final do ano em relação a 2017. Entretanto, conforme informação do site CLAL, de janeiro a abril a produção de leite europeia acumulada ficou 0,6% abaixo do período anterior.

Os estoques de queijos na Europa Ocidental, especialmente na Alemanha e na França, são frágeis. É forte a demanda de varejistas, grandes consumidores, consumidores individuais e exportações. As indústrias estão com as entregas atrasadas. Os queijos para cura também estão com estoques abaixo do nível aceitável. Não existe expectativa de que a oferta fique mais equilibrada no curto prazo. A mozarela já está em falta. As exportações de queijos pela União Europeia (UE) de janeiro a abril é apenas 0,1% maior do que a verificada no mesmo período do último ano. As maiores remessas foram para os Estados Unidos, o Japão e a Suíça, de acordo com a CLAL.

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) tomaram um outro rumo na semana passada, na UE. O regulamento atual da UE não exige a informação no rótulo de que o produto lácteo provém de leite produzido por vacas que não comem OGM. No entanto, a França estaria elaborando uma proposta a ser apreciada por toda a UE, exigindo a identificação no rótulo dos animais que são alimentados com OGM. Atualmente, a legislação francesa permite informar no rótulo os alimentos elaborados sem componentes OGM. A nova proposta deverá ser analisada pelo Senado francês no dia 26 de junho.   

EUROPA ORIENTAL
A Rússia parece ter reduzido a importação de lácteos este ano. De janeiro a abril, declinaram as compras de queijo, manteiga, leite em pó, tanto desnatado como integral, de acordo com a Eucolait. A Bielorrússia é um fornecedor importante de produtos lácteos para a Rússia. No entanto, no início de junho, a agência russa de controle da qualidade de alimentos, o Rosselkhoznadzor, introduziu restrições temporárias à importação de certos lácteos da Bielorrússia. A questão resultou em uma resolução submetida à Comissão Econômica da Eurásia (EEC), buscando resolver a situação. A análise do assunto foi retirada da pauta da EEC no dia 19 de junho, para que sejam reconsiderados os termos da resolução. A Eucolait informou que a produção de leite da Rússia aumentou 3% em 2017, o que pode ser um fator determinante para a redução das importações de lácteos. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

Remuneração no agro cresce mais que a da média brasileira

Entre 2012 e 2018, o salário médio pago ao trabalhador do agronegócio cresceu mais que o recebido pela média da economia brasileira como um todo, segundo cálculos realizados pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, com base em informações da PNAD Contínua.

Considerando-se as pessoas empregadas, para o agronegócio, o crescimento da remuneração foi de 10% de 2012 para 2018, enquanto que, para o Brasil, de 6,36%. Pesquisadores do Cepea destacam que, diante dessa dinâmica, a diferença entre os salários do setor (tipicamente menores) e os da média brasileira tem diminuído a cada ano. Esse aumento na média salarial do agronegócio, por sua vez, pode estar atrelado aos aumentos de rendimentos para indivíduos isoladamente e também a mudanças no perfil do indivíduo que trabalha nesse setor.

Segundo pesquisadores do Cepea, entre 2012 e 2018, caiu em 4,6 p.p. o peso do segmento primário, que tipicamente paga menores salários, no total de ocupados no agronegócio. Já para o segmento de agrosserviços, a participação nesse mesmo período aumentou em 3,8 p.p. Em relação ao nível de instrução, de 2012 para 2018, houve diminuição de 10,3 p.p. na participação da mão de obra com escolaridade inferior ao ensino médio no total de ocupados no agronegócio, enquanto que a participação dos indivíduos com ensino superior (completo ou incompleto) aumentou em 4,2 p.p. (As informações são do Cepea)

 
 

Mais de sete mil famílias do Rio Grande do Sul recebem leite em pó adquirido por meio do PAA
Um total de 88 toneladas de leite em pó foram doadas na última semana pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional no Rio Grande do Sul. O produto foi adquirido de 31 cooperativas por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), na modalidade de Compra Direta da Agricultura Familiar. Este lote de produtos foi destinado à Mitra Diocesana de Porto Alegre, sendo o estoque distribuído entre 77 paróquias que atendem a 7.400 famílias dos municípios de Porto Alegre, Gravataí, Viamão, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, Guaíba, Eldorado do Sul, Charqueadas, Alvorada, Nova Santa Rita e Butiá. Executado em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o PAA oferece a agricultores familiares, por meio de suas cooperativas ou associações, a garantia de compra de sua produção por preços remuneradores, gerando renda e inclusão social no meio rural. Somente em 2018, a Conab já doou no Rio Grande do Sul aproximadamente 900 toneladas de leite em pó. Outras doações estão previstas para ocorrer até o final desse ano. (As informações são da Assessoria de Imprensa Conab)
 

Porto Alegre, 21 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.761

Impacto da greve eleva preço do leite no RS
 
Como resultado da redução de captação durante a greve dos caminheiros no final de maio, o preço do leite registrou alta de 6,76% no Rio Grande do Sul. Segundo dados dos primeiros dez dias de junho, divulgados pelo Conseleite nesta quinta-feira (21/06), na sede da Farsul, em Porto Alegre (RS), o valor de referência projetado para o mês é de R$ 1,1781, acima do consolidado de maio, que ficou em R$ 1,1035. O aumento foi puxado diretamente pelo leite UHT, produto de maior expressão no mix gaúcho, que teve valorização de 14,71%. O movimento foi acompanhado por diversos outros itens: requeijão (10,54%), queijo mussarela (8,74%), leite condensado (8,33%) e queijo prato (6,78%). A tendência é que os valores se mantenham nesse novo patamar motivados pelo aumento de consumo típico dos meses de inverno e pela alta do dólar que impacta diretamente nos custos e ajuda a travar a importação de lácteos. Além disso, explica o vice-presidente do Conseleite e presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, muitas vacas que estavam em fase de lactação foram "secas" propositadamente no período da greve, impactando no volume desta temporada de outono.
 
O professor da UPF Eduardo Finamore explica que houve queda expressiva na quantidade produzida pelas indústrias em função da greve, algo que não há como ser recuperado. Levantamento do Conseleite indica que as indústrias gaúchas comercializaram um volume equivalente a 108 milhões de litros em maio de 2018, 16,7% menos do que os 126 milhões de litros de leite de abril. "Não se pode considerar que a valorização dos produtos foi boa porque, ao mesmo tempo, houve redução de produção com a greve. O prejuízo foi diferente de empresa para empresa, mas a queda de quantidade trouxe impacto direto no lucro das indústrias", pontuou Finamore. O presidente do Conseleite, Pedrinho Signori, acrescentou que a greve agravou a crise no campo. "Foi uma pá de cal em muitos produtores que já estavam com dificuldades por inúmeros outros fatores como estradas precárias, falta de energia e incentivo".
 
Apesar da alta no valor do leite em junho, Guerra destacou que os valores acumulados no Rio Grande do Sul ainda estão abaixo dos de 2017. Segundo levantamento semestral apresentado pelo Conseleite nesta quinta-feira, de janeiro a junho de 2018, dez dos 13 produtos avaliados estão com valores abaixo do praticado no mesmo período do ano anterior: leite UHT (-5,48%), leite pasteurizado (-5,87%), leite em pó (-7,73%), leite condensado (-12%), bebida láctea (-3,19%), queijo mussarela (-11,49%), queijo prato (5,03%), requeijão (-4,49%), nata (-2,36%) e outros queijos (-16,51%). Apenas iogurte (6,19%), doce de leite (0,94%) e queijo minas (1%) estão acima dos indexadores de 2017.  
IN 62 - Durante a reunião, representantes dos produtores e indústria ainda debateram o texto que está em consulta pública e propõe mudanças na IN 62, que regula os padrões de qualidade e produção no setor lácteo. O prazo para sugestões termina na segunda-feira (25/6), mas as lideranças do segmento entendem que há muito a ser debatido e ajustado. O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, apresentou, ponto a ponto, as principais dificuldades que o setor terá para adaptar-se ao que está sendo proposto e as alterações que estão sendo sugeridas pelo Sindilat, como ajustes na temperatura de leite na plataforma e no monitoramento de unidades formadoras de colônia. "O novo texto limpa inúmeras legislações que hoje regem o setor e concentra em apenas duas INs o regramento. A proposta desburocratiza o setor, mas precisa de ajustes", salientou Palharini. 
 
O produtor e diretor da Farsul Jorge Rodrigues questionou o alto rigor das medidas propostas, o que, segundo ele, é inviável de ser cumprido neste momento. "Essas regras foram feitas dentro de um gabinete, sem avaliar a realidade do campo. Há muitas coisas aqui que não poderão ser cumpridas e precisarão ser revistas daqui a dois anos", criticou. (Assessoria de Imprensa Sindilat)  

Foto: Carolina Jardine
 

Fórum Itinerante do Leite debate desafios da mão de obra em Santa Rosa

O 6º Fórum Itinerante do Leite, que será realizado na terça-feira (26/6), reunirá especialistas, produtores, autoridades e líderes de entidades do setor para debater a importância da mão de obra e os desafios da cadeia leiteira. Através de painéis, os palestrantes convidados mostrarão que uma produção em boas mãos pode gerar ótimos resultados. O evento, que também contará com oficinas, terá transmissão ao vivo pelo Canal Rural, das 9h às 12h, diretamente do Ginásio do Instituto Federal Farroupilha (UFFar) - Campus de Santa Rosa. O Fórum será apresentado pela jornalista Kellen Severo, do Canal Rural.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, é preciso união para qualificar a mão de obra disponível no campo e elevar o treinamento das equipes aos novos padrões de qualidade exigidos do produtor e da indústria, como o uso de tecnologia. "O fórum é uma oportunidade de integrar representantes da indústria, do setor de produção e da área acadêmica para trabalharem em busca de novas oportunidades para o setor", afirma. Guerra ressalta que, neste momento, é importante que as pessoas mantenham a atividade produtiva, porque o agronegócio é o futuro da economia brasileira. 

Na ocasião, serão realizados dois painéis técnicos. O primeiro enfocará a sucessão familiar, cooperação e terceirização de mão de obra. Já o segundo painel analisará gerenciamento, inovação e automação da ordenha. Os debates terão a participação do secretário-geral da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Pedrinho Signori; do coordenador da Comissão de Leite da Federação da Agricultura do RS (Farsul), Jorge Rodrigues, e do presidente do Sindilat. À tarde, ocorrerão oficinas técnicas sobre gestão da atividade leiteira, produção orgânica e bem-estar das vacas. Também está agendada uma reunião técnica sobre tuberculose e brucelose. Cada participante poderá optar por uma das quatro oficinas.

O Fórum é uma realização do Sindilat/RS, do Canal Rural, do Fundesa, do Sistema Farsul e da Fetag-RS. O evento tem apoio técnico do Instituto Federal Farroupilha - Campus de Santa Rosa, da Emater-RS e da Embrapa. O apoio institucional reúne AGL, AMGSR, APL, Apil, Gadolando, Jersey-RS, Coopermil, Cotrimaio, Fahor, Famurs, Fecoagro, Fema, Instituto Senai, Ministério da Agricultura, Ocergs- Sescoop, Prefeitura de Santa Rosa, Secretarias Estaduais da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi) e Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Setrem, Sicredi e Unijuí. 

As inscrições podem ser realizadas gratuitamente no site do Canal Rural. Durante o Fórum, os palestrantes irão responder ao público presente no evento e aos que o assistem, através do WhatsApp (11) 98524-0073 e/ou do Facebook do Canal Rural.

AGENDA DO EVENTO

8h - Credenciamento e welcome milk
8h30min - Saudações - Participação de representantes da prefeitura de Santa Rosa, da Famurs, da Embrapa, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Emater-RS e da Secretaria do Desenvolvimento Rural-RS.
9h - Abertura do 6ª Fórum Itinerante do Leite: Desafios da mão de obra - Quando a produção está em boas mãos, os resultados aparecem (transmissão ao vivo pelo Canal Rural) 
Renata Rotta, diretora-geral do Campus Santa Rosa do Instituto Federal Farroupilha (IFFar)  
Rogério Kerber, presidente do Fundesa -  Ações desenvolvidas pelo Fundesa
9h20min - Painel: Sucessão familiar, cooperação e terceirização
Ivar José Kreutz, assistente técnico regional em Criações da Emater-RS - Importância da mão de obra e desafios a serem enfrentados na atividade leiteira
Mariane Moz, médica veterinária e produtora de leite em Tuparendi, RS - Investindo na atividade leiteira para garantir a sucessão familiar 
Marjori Ghellar, gestora financeira e produtora de leite em Tuparendi, RS - Terceirização de atividades e cooperação entre produtores para viabilizar a produção de leite
Participação de debatedores: representantes da Fetag-RS, da Farsul e do Sindilat-RS
10h15min - Perguntas 
10h45min - Painel: gerenciamento, inovação e automação
Paulo Tadatoshi Hiroki, médico veterinário e coordenador da Macrorregião Norte da Emater-PR - Planejando o parto das vacas para garantir férias para os produtores de leite 
Ezequiel Nólio, administrador do Tambo Nólio, Paraí, RS - Porque investimos em robotização da ordenha (primeiro robô de ordenha do RS)
Participação de debatedores: representantes da Fetag-RS, da Farsul e do Sindilat-RS
11h30min - Perguntas 
12h - Encerramento do fórum ao vivo
12h15min - Almoço no local
12h35min - Programa Mercado & Cia ao vivo pelo Canal Rural
14h - Oficinas:

Oficina 1 - A atividade leiteira sob o olhar das mulheres
Local: Ginásio do IFFar Santa Rosa
Vanessa Matraszek Gnoatto, da Emater-RS, moderadora 
Adriana Deak, produtora de leite em Santa Rosa, RS
Sandra Dal Pai Gnatta, produtora de leite em Porto Mauá, RS
Maria Sivert, produtora de leite em Senador Salgado Filho, RS
Aline Traesel Angst, produtora de leite em Santo Cristo, RS

Oficina 2 - Produção orgânica de leite e laticínios
Local: Auditório do IFFar Santa Rosa
Edna Nunes Gonçalves, do Instituto Federal Farroupilha, moderadora
Michele de Castro Iza, Ministério da Agricultura - RS  
Eliseu Pelenz, produtor de leite em fase de transição para a produção orgânica em Santo Cristo,RS
Cleber Jonas Weschenfelder e Eliezer Augusto Werner, produtores de leite orgânico e diretores da Cooperflor, Guarujá do Sul, SC
Agaciel Fiorentin, especialista de região leiteira Nestlé, São Paulo e Paraná

Oficina 3 - O clima e o bem-estar das vacas leiteiras
Local: Sala 212 do IFFar Santa Rosa
Joney Cristian Braun, da Emater-RS, moderador
Vanderley Porfírio da Silva - Embrapa Florestas, Colombo, PR
Carlos Bondan, UPF, Passo Fundo, RS
Jandir Konzen, produtor de leite em Campina das Missões, RS
Adolar Kessler, produtor de leite em São Paulo das Missões, RS

Oficina 4 - Reunião técnica sobre tuberculose e brucelose
Local: Sala 213 do IFFar Santa Rosa
Gustavo Groff, prefeitura municipal de Senador Salgado Filho, RS, moderador
Ana Cláudia Groff, Seapi-RS
Rodrigo Pereira, Ministério da Agricultura
Roberto Lucena, Ministério da Agricultura
Rogério Kerber, Fundesa
Jair da Silva Mello, CCGL
16h - Encerramento da programação (Assessoria de Imprensa Sindilat) 

CONSELEITE - SANTA CATARINA

A diretoria do Conseleite Santa Catarina reunida no dia 19 de Junho de 2018 na cidade de Joaçaba, atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I, aprova e divulga os preços de referência da matéria-prima leite, realizado no mês de Maio de 2018 e a projeção dos preços de referência para o mês de Junho de 2018. Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão, bem como o maior e menor valor de referência, de acordo com os parâmetros de ágio e deságio em relação ao Leite Padrão, calculados segundo metodologia definida pelo Conseleite-Santa Catarina.

Nesta reunião o Conselho aprovou os resultados dos estudos da Câmara Técnica relativos aos custos de produção de produtores e indústrias que resultam em novos valores de referência para os derivados lácteos considerados no modelo. Foram alterados os parâmetros de qualidade do Leite Padrão de acordo com a legislação e as estatísticas relativas ao leite recebido pelas empresas participantes do Conseleite-Santa Catarina. Foram alteradas também as escalas de ágios e deságios para os parâmetros de qualidade e volume. (Faesc)

Fazendas brasileiras se preparam para produzir leite orgânico

Leite orgânico - Propriedades rurais de várias regiões do país estão se estruturando para produzir leite orgânico e algumas procuraram a Embrapa em busca de conhecimento técnico. O curso de Pecuária Leiteira Orgânica, que teve seu primeiro módulo realizado nos dias 15 e 16 de junho em Serra Negra (SP), recebeu produtores e técnicos do Rio de Janeiro, Mato Grosso, São Paulo, Rio Grande do Sul, Alagoas e Ceará. O grupo volta a se encontrar para o segundo módulo nos dias 27 e 28 de julho, na Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos.

Tecnologias serão detalhadas durante os cinco módulos, que vão até outubro. Mas a intenção é que os inscritos terminem a capacitação sabendo fazer a gestão das tecnologias mais adequadas para cada propriedade a partir de uma visão sistêmica. "Algumas técnicas estão sendo recomendadas a produtores de leite sem necessidade", disse o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pecuária Sudeste e líder do projeto Balde Cheio em Rede, André Novo.Segundo ele, é difícil analisar números frios da pecuária leiteira. "Um produtor que tirava 200 litros de leite e seis anos depois continua tirando 200 litros é um exemplo de fracasso? Nem sempre. Ele diversificou a propriedade? Produzia em 50 hectares e agora produz em 5 ha? Protegeu áreas de preservação permanente?", questionou. Ou seja, as condições de produção precisam ser conhecidas. Para isso, a anotação de dados zootécnicos e econômicos é fundamental.

André disse que há três pilares para se mudar uma propriedade que produz leite e que concentram a maioria dos problemas: alimentação (quantidade e qualidade), manejo (sombra, água, ordenha, período seco) e sanidade (verminose, esquema de vacinação). Além dessas dimensões fundamentais, o produtor de leite precisa estar muito atento à administração (controle e planejamento), estrutura do rebanho e melhoramento (reprodução e persistência).
 
DECISÃO
Na fazenda que recebeu o grupo, a Nata da Serra, o proprietário Ricardo Schiavinato contou sua história com os orgânicos. Ele aderiu ao modelo de produção por necessidade, e não por ideologia. "Foi meu último suspiro. Se não desse certo, teria que mudar de vida", afirmou. A propriedade vinha enfrentando dificuldades quando o pai de Ricardo, que é dentista, percebeu que o filho não permitia que a família consumisse a própria produção. "Tem alguma coisa muito errada. Você não come o que produz?", quis saber.
Ricardo começou a conversão para orgânicos em 1997, com hortaliças. O sucesso com os vegetais foi visível - "produzia com altíssima qualidade e produtividade" - mas a produção de leite permanecia no modelo convencional. No entanto, Ricardo havia percebido que o mercado demandava um leite diferenciado. Foi quando ele procurou a Embrapa em busca de conhecimento técnico. Isso aconteceu em 2007. Na primeira visita à fazenda Nata da Serra, André Novo ficou impressionado com a qualidade do morango e do tomate que Ricardo produzia. "Mas o leite realmente era ruim", lembra André. Como o centro de pesquisa de São Carlos não tinha experiência com pecuária leiteira orgânica, eles começaram naquela época a desenvolver uma experiência de aprendizado conjunto. Tecnologias foram testadas na propriedade e agora todo o conhecimento acumulado nesses 11 anos está sendo compartilhado no curso.

Nesse primeiro módulo, foram abordados temas conceituais da pecuária leiteira orgânica. Além de André e Ricardo, também fizeram palestras Carlos Armênio Khatounian, da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), e Sérgio Homma, da Fundação Mokiti Okada. Armênio fez um relato da agricultura desde a pré-história até a atualidade e Homma falou, entre outros assuntos, das diretrizes da natureza para criar e manter a fertilidade do sistema. Em seguida, o anfitrião levou os convidados para um breve passeio pela propriedade. Todos puderam ver a recuperação de mata ciliar, piquetes com diferentes tipos de forrageiras, diversificação de culturas, animais com qualidade genética, sistema de irrigação, silagem de capim, bebedouros e cochos, entre outras estruturas.

As 40 vagas foram esgotadas e já existe fila de espera para uma próxima capacitação. O curso foi articulado pela Secretaria de Inovação e Negócios, da Embrapa, e está sendo realizado pela Embrapa Pecuária Sudeste e Fazenda Nata da Serra. As empresas Nestlé e Socil, do Grupo Neovia, são patrocinadoras. Esalq, Fundação Mokiti Okada, Gold Seeds Agronegócio e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento apoiam o evento. As fotos do primeiro módulo podem ser conferidas aqui. (Embrapa)

 
 

Produção, consumo e importações de lácteos cresceram na China
Leite/China - A produção de leite chinesa subiu perto de 2% em abril, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, de acordo com o último relatório do Rabobank, com a expectativa de que suba 2,5% no segundo semestre de 2018. O principal impulsionador foi o aumento da rentabilidade animal, uma vez que o número de vacas se mantém relativamente, estável entre 2017/2018. Além disso, grandes investimentos na cadeia de frio e melhoria na capacidade de armazenamento no verão incentivaram o crescimento da produção. O consumo permanece com crescimento forte acompanhando 2017, com a confiança do consumidor atingindo o maior nível dos últimos dez anos, no primeiro trimestre de 2018. Algumas processadoras nacionais registraram crescimento de 14% no lucro anual. Assim sendo, a demanda doméstica por leite fluido, queijo, manteiga e leite em pó desnatado deverá continuar aumentando. Com a demanda doméstica aumentando continuamente acima do crescimento da produção, o volume das importações líquidas também subiram 11% no primeiro trimestre de 2018 e a expectativa é de que atinjam níveis recordes similares aos observados em 2017. Enquanto as perspectivas de curto prazo para o mercado de lácteos chinês continuam melhorando, as tensões comerciais elevam o grau de incertezas para as previsões. A disputa comercial latente com os Estados Unidos poderá ter impactos negativos sobre o crescimento econômico, as taxas de câmbio e a demanda doméstica. (AHDB - Tradução Livre: www.terraviva.com.br)
 
 

Porto Alegre, 20 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.760

   Para Cade, tabela do frete contraria "interesse dos consumidores"

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal se colocando contra a proposta de tabelamento do preço do frete rodoviário, resultado de acordo entre governo e caminhoneiros após dez dias de paralisação. "Existem muitas evidências de que o que esta sendo proposto como tabelamento do preço do frete é claramente contrário ao interesse dos consumidores e dos próprios caminhoneiros, pois irá aumentar os preços dos bens finais no curto prazo e gerar graves distorções na dinâmica concorrencial do transporte rodoviário de cargas no médio e longo prazos", afirma o parecer assinado pelo presidente do Cade, Alexandre Barreto, pelo superintendente-geral do órgão, Alexandre Cordeiro, e pelo procurador da autarquia, Walter Agra. 

Segundo documento, o "tabelamento de preços mínimos acaba gerando, ao final, o resultado semelhante ao de uma cartelização, ou seja, a uniformização dos preços de agentes que deveriam concorrer no mercado por meio da oferta de melhores serviços". O parecer afirma que "embora seja a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) a agência que regula o preço mínimo do frete, tem-se que o processo de fixação dos preços mínimos contará, de agora em diante, com a participação de diversos concorrentes do setor, aumentando, assim, preocupações de caráter concorrencial derivadas de tais tabelas mínimas de preço". Para o Cade, "concorrentes sentando à mesa para debater custos setoriais comuns representa uma afronta ao princípio da livre concorrência, expresso na Constituição". 

O órgão reconhece que em determinadas situações, outros interesses da sociedade podem se sobrepor ao de livre concorrência, mas que esse não seria o caso nos fretes. Em Assunção, onde participou de reunião de cúpula do Mercosul, o presidente Michel Temer disse ontem não acreditar que o acordo alcançado com os caminhoneiros esteja ameaçado por causa da posição do Cade. Temer afirmou que a medida está sob análise da Justiça e que obedecerá ao que determinar o STF sobre o caso. "Acho que [o parecer do Cade] não [atrapalha uma solução definitiva para a crise]" disse Temer. "Nós fizemos uma grande composição com os caminhoneiros. [...] Agora, se o Supremo decidir de outra maneira, evidentemente vamos obedecer ao Supremo." (Valor Econômico)
 
 

GDT: índice de preços cai 1,2% com destaque para os queijos

Nesta terça-feira (19/06), ocorreu o 214º evento GDT (Global Dairy Trade), cujo índice de preços apresentou queda de 1,2%, fechando em US$ 3.481/tonelada. No leilão, foram negociadas 21.634 mil toneladas de lácteos, aumento de 0,3% ao compararmos com as 21.580 mil toneladas do leilão anterior. Também, houve aumento de 2,2% na comparação com as 21.171 mil toneladas negociadas no segundo leilão do mês de junho de 2017.

O motivo principal pela queda de preços neste evento é a variação negativa de um conjunto de produtos em relação ao leilão anterior. Podemos destacar os leites em pó, com o integral a US$ 3.189/tonelada (-1,0%) e o desnatado, a US$ 2.003/tonelada (-1,1%). Vale destacar que o leite em pó desnatado apresentou valorização de preços nos últimos quatro leilões. A alta demanda internacional por manteiga culminou em um excesso de oferta de leite em pó – principalmente o desnatado - fato que contribuiu para a pressionada nos preços.

O AMF (Anhydrous Milk Fat) foi negociado a US$ 6.060/tonelada (-2,5%) e os queijos, a US$ 3.847/tonelada, com estes, ‘carimbando’ a maior variação negativa de todo o leilão (-3,6%). Ao contrário desses produtos, a manteiga (com um preço médio de US$ 5.611/tonelada) e a lactose (com um preço médio de US$769/tonelada), apresentaram variações positivas em relação ao leilão anterior, de 0,8% e 8,2% respectivamente. (Milpoint)

Leite UHT 

Após três meses de altas consecutivas no mercado atacadista de São Paulo, o preço do leite UHT recuou 0,38% entre abril e maio, fechando a R$ 2,3986/litro, em média, em termos reais (deflacionados pelo IPCA de maio/18) – frente a maio de 2017, a baixa é de 10,77%. 

Os dados foram levantados por meio das pesquisas diárias realizadas pela equipe do Cepea com o apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras). De acordo com colaboradores do Cepea, na primeira quinzena de maio, os preços começaram a recuar, devido à baixa demanda pelo leite longa vida. Assim, a prática de promoções ganhou força e a concorrência entre empresas aumentou. Na segunda quinzena, os preços continuaram em queda, devido à paralisação dos caminhoneiros, que comprometeu tanto o fornecimento de matéria-prima quanto o transporte de derivados nos canais de distribuição, travando as negociações. 

Quanto ao queijo muçarela, o preço permaneceu em alta pelo terceiro mês consecutivo, fechando a R$ 16,88/kg, em média, em valores reais, elevação de 6,97% quando comparada ao valor de abril/18 e de 3,69% frente a maio/17. A baixa oferta de matéria-prima no campo e a procura aquecida levou ao cenário de aumento nas cotações. A pesquisa quinzenal de derivados lácteos também verificou a valorização dos queijos em maio, com aumento de 2,81% no preço da muçarela e 2,25% no do queijo prato, em relação ao mês anterior, fechando a R$ 16,09/kg e R$ 16,59/kg, em termos reais (deflacionados pelo IPCA de maio/18), respectivamente - considerando-se a média nacional (inclui GO, MG, PR, RS e SP). Para os outros derivados, houve variações menores que 1%. (Cepea)

  

Exportação de lácteos 

Em maio, o volume de lácteos vendido pelo Brasil ao mercado internacional chegou ao menor patamar desde 2010, totalizando 2,4 milhões de litros em equivalente leite. Entre abril e maio, a baixa é de 55,1% e, frente a maio de 2017, de 65,4%. Os embarques mais baixos são resultado da menor produção brasileira de leite, intensificada pelo início da entressafra, além do desestímulo de produtores frente aos baixos preços no início de 2018. Os lácteos mais exportados pelo Brasil foram os queijos, com 52,8% de participação no total, seguidos do leite condensado, com 41,1%. 

Os principais destinos dos produtos brasileiros foram o Chile, Paraguai e Rússia, com participações de 22,3%, 20,1% e 13,8%, respectivamente. Em contrapartida, a Argentina, que normalmente está entre os principais compradores de lácteos do Brasil, ficou em nono lugar em maio, com apenas 3,8%. Quanto às importações, o Brasil adquiriu 102 milhões de litros em equivalente leite em maio, 13,8% maior do que em abril, mas 14,9% menor do que em maio de 2017. Os principais produtos importados continuaram sendo o leite em pó, com 75,5% de participação no total e os queijos, com 22,3%. A Argentina e o Uruguai continuaram liderando as vendas de lácteos ao Brasil, com 50,3% e 40,7% de representação no total, respectivamente. 

A importação de leite em pó aumentou 15,1% se comparado a abril, mas recuou 8,5% frente a maio do ano passado. As compras brasileiras de queijos, por sua vez, foram 10,3% maiores em relação às do mês anterior; porém, estiveram 31,5% menores em relação a maio de 2017. Assim, considerando-se as importações de lácteos em geral, houve queda de 35,3% no volume total acumulado de janeiro a maio de 2018 em relação ao mesmo período de 2017. Com o aumento das importações e a diminuição das exportações, a balança comercial se manteve negativa em 99,4 milhões de litros de leite, ou 42,1 milhões de dólares. (Cepea)

 

PIB/AR
O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina subiu 3,6% no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec). O resultado ficou acima das estimativas da Trading Economics, que previam crescimento de 3,4%. Em termos dessazonalizados, o crescimento na passagem do quarto trimestre de 2017 para o primeiro trimestre deste ano foi de 1,1%. (Estadão)