Pular para o conteúdo

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 14 de fevereiro de 2024                                                   Ano 18 - N° 4.083


Importações de lácteos crescem em janeiro

A importação de lácteos do Mercosul começou em alta em 2024, mas o setor leiteiro está esperançoso de que um decreto federal em vigor desde 1º de fevereiro consiga mudar o panorama. 

Em janeiro, as compras de leite, creme de leite e laticínios totalizaram 72,63 milhões de dólares, 14,8% acima do apurado no mesmo mês de 2023. Em volumes, foram 21,7 mil toneladas, incremento de 27,8%, enquanto o preço por quilo diminuiu 10,2% (3,33 dólares/kg). A boa notícia é que os Estados da Região Sul reduziram as compras externas, tendo o Paraná à frente, com queda de 75,3%, seguido pelo Rio Grande do Sul (-21,2%) e Santa Catarina (0,1%). Na ponta compradora, Minas Gerais atingiu variação mensal de 101,8%. Os dados são da plataforma Comex Stat, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

A expectativa do segmento recai sobre o decreto 11.732, publicado em outubro passado e valendo desde o dia 1º, com benefícios tributários para agroindústrias, laticínios e cooperativas que adquirem produto nacional. A medida permite a utilização de até 50% dos créditos presumidos de PIS/Pasep e Cofins para a compra do leite in natura por empresas habilitadas no Programa Mais Leite Saudável, do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). 

Conforme o decreto, os laticínios que beneficiam produtos a partir de leite in natura ou de derivados lácteos terão direito à totalidade do desconto. Já as pessoas jurídicas ou cooperativas não habilitadas no programa e/ou importadoras da matéria-prima terão 20% de concessão, conforme já prevê o regime fiscal vigente. O saldo poderá ser utilizado para compensação tributária ou ser ressarcido em dinheiro.

“O mês de fevereiro vai nos indicar se realmente o decreto vai surtir efeito ou efetivamente não vai trazer nenhum benefício a mais e somente uma penalização para indústrias de laticínios, lembrando que mais de 80% das importações são feitas por tradings, destinadas para a indústria de alimentação, e não para laticínios”, disse o secretário executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Darlan Palharini.

Ao analisar a performance do segmento em janeiro, Palharini destacou que janeiro teve redução de 16% na importação de leite em pó integral, em relação a dezembro. “Já no leite em pó desnatado aconteceu o contrário: aumentamos as importações em quase 35% em janeiro”, afirmou. O dirigente do Sindilat pontuou que também chamou a atenção o incremento de cerca de 40% na importação de soro de leite na variação mensal de janeiro com dezembro e janeiro de 2023. Palharini cogita que o crescimento nessas importações possa ser uma antecipação de compras externas antes da entrada em vigor do decreto federal.

O vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), Eugênio Zanetti, contou que a alta de janeiro já era esperada. “Já era de nosso conhecimento que iria bater todos os recordes, a exemplo do que foi dezembro”, disse. Zanetti recebeu relato de uma cooperativa de que as compras de leite em pó estão aquecidas, indicando uma mudança de rumo para o setor. Em 2023, a Fetag/RS promoveu atos em municípios fronteiriços com Uruguai e Argentina e pressionou politicamente o governo a adotar medidas com cotas de importação e aumento das alíquotas, para socorrer os produtores. 

“Então, é bem possível que, a partir de fevereiro, dê uma baixa nas importações e finalmente o preço comece a reagir devido à melhora na procura”, avaliou o vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS), Eugênio Zanetti.

O secretário do Sindilat disse que a cotação do leite em pó está reagindo no mercado internacional, o que torna o produto brasileiro mais competitivo, mas há preocupação com a importação de queijos. “O parmesão da Argentina e do Uruguai chega hoje ao Brasil ao mesmo custo do nosso custo de produção”, comparou.

As informações são do Jornal da Manhã.


Preço de referência do leite na mão do produtor

Conseleite/RS e entidades estruturam calculadora virtual para que pecuaristas estimem o preço de referência da própria produção de acordo com os padrões de qualidade entregues por seu rebanho

Os produtores de leite do Rio Grande do Sul deverão ganhar, ainda ao longo do ano de 2024, uma ferramenta para projetar o preço que receberão da indústria pela matéria-prima que entregam. Amplamente utilizada por pecuaristas leiteiros dos estados do Paraná e de Santa Catarina, a calculadora virtual, como está sendo chamada pelo Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Rio Grande do Sul (Conseleite/RS), voltou à pauta de entidades, produtores e laticínios gaúchos.

“A planilha foi criada pela Universidade de Passo Fundo em 2012 e 2013. Era um projeto-piloto. Mas, na época, o conselho entendeu que o setor não estava maduro para utilizá-la”, recorda o novo coordenador do Conseleite/RS, Allan André Tormen. O produtor, que também é presidente do Sindicato Rural de Erechim e integra a Comissão do Leite e Derivados da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), retomou o assunto ao recentemente assumir a gestão do grupo para o biênio 2024/2025.

A ideia é que o instrumento seja disponibilizado nos sites do Conseleite/RS e das entidades representativas de produtores e de indústrias. O objetivo é permitir que o produtor entenda os parâmetros de remuneração de acordo com avaliação da qualidade do leite regida pelas instruções normativas 76 e 77 do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). “O produtor vai digitar, na planilha, os índices de gorduras, proteínas, a contagem de células somáticas (CCS), a contagem bacteriana total (CBT) e o volume comercializado por dia. A partir disso, terá um valor de referência para o leite produzido na sua propriedade”, explica Allan Tormen.

A calculadora virtual também deve revelar ao criador a representatividade de cada um dos itens de qualidade avaliados na formação do seu preço de referência. “O preço que a calculadora vai dar é para 100% do leite, mas será possível saber quanto por cento do ágio ou do deságio compete à gordura, à proteína, aos sólidos, à CCS e à CBT”, esclarece Tormen. De acordo com a legislação vigente, o leite padrão deve conter 3,5% de gordura, 3,1% de proteína, entre 400 mil e 500 mil células somáticas e menos de 300 mil CBT.

O secretário executivo do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat), Darlan Palharini, informa que o tema está, agora, na Câmara Técnica e Econômica (Camatec) do Conseleite. “Estamos discutindo a calibração dos padrões de qualidade que serão adotados. O valor referencia será diferente para o produtor que vende, por exemplo, até 200 litros de leite por dia e para o que vende 500 litros por dia”, pontua. A estimativa é que o formulário esteja disponível ao campo até o final do primeiro semestre. Por enquanto, o trabalho se concentra na atualização de indicadores essenciais à inteligência da ferramenta.

De acordo com o vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag/RS), Eugênio Zanetti, a iniciativa valorizará o leite produzido no RS. “Estamos enxergando como uma boa ferramenta para dar suporte ao produtor, até para melhorar a questão da negociação com as indústrias”, avalia.

As informações são do Correio do Povo.

Prévia IBGE: captação de leite em sutil recuperação

De acordo com os dados preliminares da Pesquisa Trimestral do Leite do IBGE, divulgados nesta sexta-feira (09/02), no 4º trimestre de 2023 a captação formal de leite no Brasil enfrentou uma recuperação em relação ao mesmo trimestre de 2022. Com uma estimativa de 6,43 bilhões de litros captados no último trimestre do ano, a recuperação anual foi de 1,8%, como mostra o gráfico 1, com uma diferença de mais de 112 milhões de litros de leite em relação ao ano anterior.

Gráfico 1. Captação formal: Variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint Mercado com base em dados do IBGE. 

É importante destacar que os dados para o 4º trimestre, que são prévios, poderão ser reajustados para a publicação dos dados oficiais (que devem ser publicados no dia 15/03).

Essa variação positiva de 1,8% se dá principalmente em relação à menor base comparativa do mesmo período de 2022, que tinha apresentado uma queda de 2,8%. Entretanto, quando comparamos o resultado do quarto trimestre de 2023 com os anos anteriores, o resultado obtido ainda ficou abaixo do observado no mesmo período entre 2017 e 2021, como pode ser observado no gráfico 2.

Gráfico 2. Volume da captação formal de leite no Brasil

Fonte: IBGE – elaborado pelo MilkPoint Mercado

Desta forma, com os resultados prévios do 4º trimestre, o ano de 2023 encerra com uma captação de leite 1,9% maior do que o resultado de 2022, com mais de 24,36 bilhões de litros de leite captados no ano. No entanto, assim como citado para o 4º trimestre, apesar da variação anual positiva, 2023 encerra com o 2º menor resultado anual desde 2018, ficando atrás somente de 2022. Evidenciando que, apesar da variação positiva, o resultado não mostra um avanço expressivo na captação formal de leite no Brasil frente ao histórico dos anos anteriores.

Em relação aos resultados mensais do 4º trimestre de 2023, outubro registrou a maior variação mensal, de 2,5%, obtendo um resultado muito semelhante com o mês de dezembro em relação ao volume captado.

Os resultados de cada mês podem ser observados na tabela a seguir:

Tabela 1. Captação mensal de leite no Brasil (Prévia)

Fonte: IBGE - elaborado pelo MilkPoint Mercado

Para 2024, ainda devem ser sentidos alguns reflexos da diminuição da principal fonte de renda (preço recebido pelo leite) dos produtores no 2ª semestre de 2023, sendo esperada uma aceleração do crescimento da produção de leite somente mais para o final deste ano, após um período que deve ser de melhora no rendimento dos produtores de leite.

Observação: os dados acima mencionados são em relação à prévia divulgada pelo IBGE, que pode ser acessada clicando aqui. A publicação definitiva, que será divulgada no próximo mês, poderá sofrer alterações. 

As informações são do Milkpoint


Jogo Rápido

Super Bowl dá grande impulso ao queijo americano
Quando chega o domingo do Super Bowl todo mês de fevereiro, Wisconsin Cheese sabe que os olhos estão voltados tanto para a TV quanto para o que está na mesa. Se você fizer as contas do queijo, Wisconsin produz 600 tipos, estilos e variedades de queijo, o que significa que há 600 opções de queijo. Com 126 milhões de lares nos EUA, os spreads de dois dias de jogo não precisam ser iguais. “Com amigos reunidos em torno da TV e papilas gustativas desejando algo extraordinário, Wisconsin Cheese está aqui para elevar a experiência do dia de jogo com queijos artesanais para uma vasta gama de combinações de tábuas de queijos”, disse Suzanne Fanning, CMO da Wisconsin Cheese. "Wisconsin fabrica 50% dos queijos especiais do país, o que significa que o The State of Cheese tem os queijos premiados para fazer com que cada spread marque pontos para os torcedores de qualquer time." (The Dairy site)


 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 09 de fevereiro de 2024                                                   Ano 18 - N° 4.082


Checkoff apresenta novo programa de leite com chocolate quente para escolas

Nada se compara a uma xícara fumegante de chocolate quente para ajudar a se livrar do frio do inverno. É por isso que uma parceria da Dairy Checkoff está colocando leite com chocolate quente nas mãos dos alunos durante um piloto com uma empresa líder em serviços de alimentação escolar.

O National Dairy Council (NDC) e o Chartwells K12, que serve mais de 2 milhões de refeições diariamente em 700 distritos escolares dos EUA, lançaram o programa Leite com Chocolate Quente em 58 escolas. O piloto, que vai até o final do ano letivo, traz leite achocolatado – com coberturas como canela e hortelã – servido quente no café da manhã e no almoço.

A NDC começou a trabalhar com Chartwells K12 no ano passado, depois de desenvolver um programa de smoothies à base de laticínios. De acordo com o NDC, o programa piloto de smoothies foi um enorme sucesso e agora se tornou um recurso permanente para todas as escolas de Chartwells.

Lisa Hatch, vice-presidente de desenvolvimento de negócios do canal escolar da NDC, disse que o sucesso do programa de smoothies levou a uma pergunta “qual será a próxima grande novidade?” discussão entre os parceiros. Eles se concentraram no chocolate quente, que tinha um mercado global avaliado em US$ 3,8 bilhões em 2022 e deverá crescer para US$ 5,77 bilhões até 2030. Além disso, o chocolate é o segundo sabor de bebida mais popular no TikTok, com mais de 10,1 milhões de visualizações relacionadas a # Bebida de chocolate.

Hatch disse que algumas equipes de verificação estaduais e regionais já possuem estratégias bem-sucedidas de chocolate quente. Ela disse que esses programas tiveram, em média, aumentos de 14% nas vendas de leite e um salto de 11% na participação no café da manhã.

“Estamos sempre investigando oportunidades para melhorar a experiência do leite escolar, e foi daí que veio o piloto do smoothie”, disse Hatch. “Isso nos levou a observar as tendências e o chocolate quente surgiu da mesma forma que os smoothies. E olhando para os programas estaduais e regionais de chocolate quente, os resultados foram muito impressionantes.”

Chartwells K12 diz estar otimista de que o programa piloto de leite com chocolate quente será popular entre os estudantes e ajudará a aumentar a participação geral nas refeições nas escolas.

“A popularidade das bebidas especiais está aumentando e estamos trazendo uma opção saudável para atender a essa demanda nos refeitórios escolares”, disse Lindsey Palmer, nutricionista registrada que atua como vice-presidente de nutrição e relações industriais da Chartwells K12. “Com nosso novo conceito de leite com chocolate quente, os alunos podem desfrutar de uma bebida quente e divertida, repleta de nutrientes essenciais, tornando-a um deleite delicioso e saudável para ajudar as crianças a se fortalecerem durante o dia.”

Katie Bambacht, vice-presidente de assuntos de nutrição da NDC, disse que a pesquisa mostra que o leite com chocolate é a escolha de leite mais popular nas escolas e leva a um maior consumo total de leite e a uma melhor qualidade geral da dieta. O leite aromatizado oferece os mesmos 13 nutrientes essenciais que o leite branco e ela sente que esta parceria proporcionará um impulso muito necessário às escolas, que lutam para que os alunos tomem o pequeno-almoço.

“Os programas de alimentação escolar enfrentam inúmeras prioridades e a inovação em laticínios nem sempre está em primeiro lugar”, disse Bambacht. “Se não fizermos isso, acho que ninguém o faria. Desempenhamos um papel fundamental ao trazer estas melhores práticas e estudos de caso para ajudar a garantir que o leite atraia os alunos como parte dos cardápios escolares.

“As escolas alcançam apenas metade das crianças no café da manhã e no almoço, portanto há uma grande lacuna na participação e foi demonstrado que esses programas estimulam a participação. Qualquer coisa que possamos fazer para oferecer opções simples, como aquecer leite com chocolate, pode ajudar a aumentar a participação e o consumo de leite.”

As escolas participantes do programa piloto receberam um kit de leite com chocolate quente fornecido pela NDC por meio da Hubert, fabricante de equipamentos para serviços de alimentação. O kit inclui carrinho de transporte com painéis da marca, dispensador de bebidas isolado, termômetro digital e muito mais. (Dairy Herd)


Espera-se que a China seja o motor de crescimento do comércio global de queijos

A China é esperada para ser o motor de crescimento do comércio global de queijos. A demanda global por queijos está em ascensão. Na verdade, o consumo global de queijo é projetado para alcançar um novo recorde de 21,6 milhões de toneladas métricas, ou 47,7 bilhões de libras, até o final deste ano. E de acordo com um relatório recente do Rabobank, a China pode ser um motor de crescimento para o comércio global de queijos contínuo.

Atualmente, o consumo per capita anual de queijo na China está em 0,2 kg, ou menos de meio quilo. No entanto, espera-se que esse número mostre um crescimento gradual nos próximos anos, com o mercado chinês de queijos apresentando um pipeline saudável de atividade de investimento.

"Baixo consumo per capita, expansão de restaurantes de serviço rápido, padarias e casas de chá, e inovação de produtos fornecem uma plataforma para um aumento gradual na demanda chinesa por queijos", diz Michelle Huang, Analista de Laticínios do Rabobank.

Em seu relatório, o Rabobank prevê que a demanda por queijos crescerá a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 9,1% de 2023 a 2030, com a demanda total por queijos alcançando 495.000 toneladas métricas em 2030. De acordo com Huang, os impulsionadores desse crescimento incluem o aumento da renda disponível entre os consumidores da classe média, o crescente apetite por cadeias de restaurantes de serviço rápido no estilo ocidental e usos inovadores de cream cheese e muçarela, o que levou à crescente popularidade do queijo no canal de serviços de alimentação.

De 2012 a 2022, o relatório observa que as vendas de queijo no setor de serviços de alimentação representaram de 60% a 75% do consumo total de queijo, com as vendas de 2022 alcançando 154.000 toneladas métricas.

"Estimamos que o crescimento das vendas de queijo no canal de serviços de alimentação seja em média de 10,3% ao ano entre 2023 e 2030, com a demanda alcançando 375.000 toneladas métricas até 2030", diz Huang.

Além disso, a produção doméstica de queijos provavelmente representará de 35% a 45% do consumo total de queijos, deixando uma participação de 55% a 65% das importações.

"Estimamos que as importações anuais de queijo da China alcancem de 270.000 a 320.000 toneladas métricas até 2030. Embora as oportunidades comerciais permaneçam favoráveis, o potencial para um aumento na produção doméstica de queijos pode impactar nossa previsão de crescimento das importações", acrescenta Huang.

Apesar do aumento do consumo de queijos, a oferta doméstica da China provavelmente não será capaz de satisfazer suas necessidades, apresentando aos comerciantes globais de queijos a oportunidade de capturar parte dessa demanda crescente. No entanto, o crescimento previsto também depende do enfraquecimento da economia chinesa.

"As condições econômicas mais fracas representam riscos de baixa para o crescimento da demanda", observa Huang. "Embora o consumo de queijos tenha um longo caminho a percorrer, ele será sensível a preços e ao poder de compra do consumidor." (Dairy Herd)

Governo federal descarta alterar alíquota sobre leite importado do Mercosul

Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Neri Geller, diz, no Show Rural Coopavel, que problema do setor é estrutural

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), Neri Geller, disse, durante o Show Rural Coopavel, que o Brasil não pode entrar com alíquota na importação de leite. “Temos uma parceria com o Mercosul. Não podemos fazer uma intervenção irresponsável para salvar produtores de leite”, frisou.

Segundo ele, o governo adotou medidas que beneficiam os produtores e a indústria de leite. Além dos benefícios fiscais para os laticínios que adquirirem matéria-prima nacional, Geller citou a linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) específica, de mais de R$ 2 bilhões, anunciada para cooperativas.

O secretário ainda salientou que outras medidas foram tomadas pelo Executivo, como as aquisições de leite para fomentar o mercado interno, por meio dos programa de Aquisição de Alimentos (PAA), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

“Essas ações vão amenizar (a situação do setor), mas o problema nosso é estrutural. Vamos discutir com cooperativas programas de correção de solo para aumentar produtividade, fazer melhorias em genética para sermos competitivos no mercado internacional. O leite ainda, infelizmente, é uma atividade que está aquém da produção internacional. Vamos estar atentos, sem fazer loucura”, destacou. (Correio do Povo)


Jogo Rápido

Onda de calor e possibilidade de chuvas intensas
A semana promete altas temperaturas e mudanças climáticas no Rio Grande do Sul. Entre quinta-feira (08) e sábado (10), uma massa de ar quente mantém o tempo firme e os termômetros elevados, com temperaturas próximas a 40°C em várias regiões. No domingo (11), apesar do calor persistir, a presença de um sistema de baixa pressão pode provocar chuvas intensas e temporais isolados, especialmente no Sul, Campanha e Fronteira Oeste. A partir de segunda-feira (12) até quarta-feira (14), uma frente fria avança sobre o Estado, trazendo chuvas generalizadas. Os acumulados podem variar entre 20 e 35 mm na maioria das áreas, com valores mais altos, entre 35 e 50 mm, no Oeste e Sul. Regiões como Planalto, Serra do Nordeste, Campos de Cima da Serra e Litoral Norte podem registrar volumes superiores a 60 mm. Esteja preparado para as condições climáticas e acompanhe as atualizações meteorológicas para garantir a segurança e o bem-estar. (SEAPI)


 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 02 de janeiro de 2024                                                        Ano 18 - N° 4.056


GDT - 02/01/2024

(Fonte: GDT)


Caravana da Rede ILPF irá capacitar produtor gaúcho

O Rio Grande do Sul deve receber, neste ano, a Caravana ILPF. A ação itinerante é promovida pela Rede ILPF, parceria público-privada que busca aumentar a adoção de sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta no Brasil. “A caravana (…) já passou por vários estados brasileiros, reunindo técnicos e pesquisadores da Embrapa para desenvolver ações de capacitação, transferência de tecnologia, além de identificar os gargalos e construir parcerias e projetos locais para alavancar a adoção da ILPF”, disse o gerente técnico da Rede ILPF Felipe Martini, durante a apresentação do balanço do comitê gestor estadual do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC+RS), em dezembro. 

“Entendemos que estamos bastante alinhados com as demandas apresentadas pelo comitê gestor, no sentido de promover mais capacitações para agentes públicos e privados, bem como para os produtores rurais”. pontuou Martini. Integrado por 17 órgãos e entidades, o ABC+RS, vinculado à Secretaria da Agricultura (Seapi), encerrou 2023 com uma atuação considerada positiva pelos participantes. Somente a Emater/RS-Ascar capacitou cerca de 80 mil produtores no período, segundo a Seapi. Já o Senar-RS, reuniu e treinou em torno de 40 mil produtores gaúchos. (Correio do Povo)

 
Argentina: cai a produção de leite em novembro

A produção de leite na Argentina em novembro foi de 1,004 bilhão de litros, registrando uma queda de 2,7% em relação aos litros produzidos em outubro. Da mesma forma, em termos anuais, a queda foi de 4% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Enquanto isso, a produção no período de janeiro a novembro deste ano foi 1,5% menor do que no mesmo período de 2022. 

Com relação às exportações, entre janeiro e outubro, houve queda de 18,3% em comparação com o ano anterior. O volume representou 281.432 toneladas, gerando receitas de US$ 1,0895 bilhões. Os produtos lácteos mais vendidos pela Argentina continuam sendo o leite em pó integral (30%) e o soro de leite (18%). Também se destacam a mussarela (13%), os queijos semiduros (7%) e outros produtos (17%). Os principais destinos são o Brasil, com mais de 130 mil toneladas, registrando um aumento de mais de 32% em relação ao ano anterior. O Chile, com 21.825 toneladas, 23% a menos, a China, com 18.596 toneladas, representando 1% a mais do que no ano passado e, finalmente, a Argélia, com 17.048 toneladas, 79% a menos. 

Quanto às vendas no mercado interno, o leite fluido apresentou uma pequena queda de 0,2% em comparação com o mesmo mês do ano passado. Da mesma forma, o leite em pó apresentou um aumento de 14%, enquanto o queijo e outros produtos apresentaram um aumento de 3,1% e 2,5%, respectivamente. (As informações são do Cadena de Valor, adaptadas pela equipe MilkPoint)


Jogo Rápido

Bolsa fecha 2023 com alta de 22%
O saldo anual do Ibovespa foi bastante positivo e o principal índice da Bolsa (B3) manteve o patamar recorde de 134 mil pontos. Quanto ao dólar, em 2023 foi registrada a maior desvalorização anual da moeda norte-americana em relação ao real desde 2016. O Ibovespa fechou 2023 com alta de mais de 22%, revertendo com folga os temores do início do ano, quando o índice chegou a descer a 97 mil pontos em março, no pior momento. No último pregão de 2022 a B3 havia fechado em 109.734 pontos. Entre todos os papéis da bolsa, os que mais subiram em 2023 foram os dos setores de construção e incorporação e varejo, favorecidos pela queda dos juros no segundo semestre e, no caso do setor de construção, pela perspectiva de reaquecimento do mercado via programa Minha Casa Minha Vida do governo federal. Depois da nova máxima histórica, existe a possibilidade de realizações de lucro em 2024. Fabio Perina, estrategista de Ações do Itaú BBA, destaca que não houve nenhuma realização desde o início de novembro, quando o Ibovespa começou a disparar, o que pode acontecer nas próximas semanas. “Em um cenário de realização de lucros no curto prazo”, diz. (Correio do Povo)


 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 27 de dezembro de 2023                                               Ano 17 - N° 4.053


Conseleite indica valor de referência projetado para dezembro de R$ 2,0619

O valor de referência projetado para o litro do leite no mês de dezembro é de R$ 2,0619, 0,95% abaixo do consolidado de novembro (R$ 2,0817). Os dados foram apresentados pela Universidade de Passo Fundo (UPF), entidade licitada para tabular as informações do setor, durante a última reunião do Conseleite de 2023, realizada nesta quarta-feira (27/12) de forma virtual. A previsão apresentada leva em conta os primeiros 20 dias do mês. 

Segundo o coordenador do Conseleite, Darlan Palharini, o recuo apontado é reflexo do cenário de fim de ano. “Estamos em um período de festas e férias, o que fez com que o valor projetado para o mês de dezembro fosse inferior ao consolidado de novembro. No entanto, as perspectivas são positivas para o próximo ano”, sinaliza. (Assessoria de imprensa SINDILAT/RS)


Argentina: Ministério da Economia informa que lácteos terão tarifa zero para exportação

O Ministério da Economia informou nessa semana que fará alterações no projeto de lei enviado ao Congresso: está previsto que a exportação de todos os produtos lácteos terá tarifa zero, como proposto para quase vinte atividades ligadas às economias regionais.

Essa questão foi levantada hoje por Juan Pazos, Secretário de Coordenação do Ministério da Economia da Nação, juntamente com Fernando Vilella, da Secretaria de Bioeconomia, para líderes da Mesa de Enlace Agropecuário e várias câmaras de negócios do setor agroindustrial.

Como Vilella explicou por meio de suas redes sociais: "depois de um intenso trabalho com o Ministério da Economia - disse Vilella por meio de suas contas em redes sociais -, a partir da Secretaria (de Bioeconomia) estamos buscando um caminho alternativo para a decisão comunicada na semana passada" de aumentar todas as retenções para 15%.

O funcionário acrescentou que agora "vamos comunicar uma diferença no projeto que será levado ao Congresso, onde a taxa de subprodutos da soja (farinha e óleo) é elevada de 31 para 33% e que compensa parcialmente o custo que teria que reduzir a zero setores como: oliva, arroz, couros bovinos, laticínios, frutas, exceto limão, horticultura, feijão, batata, alho, grão de bico, ervilha, lentilha, mel, açúcar, erva-mate, chá, equinos e lã."

A alíquota de imposto para o setor vinícola também será reduzida para 8%, e a situação dos complexos de produção como suínos, pesca, milho e milho pisingallo será revisada.

A queda nessas receitas, conforme explicou Vilella, será compensada pelo aumento da alíquota de imposto de 31 para 33% para os subprodutos da soja, como farinha e óleo. Enquanto isso, o restante do complexo de cereais e girassol pagará 15% de taxas de exportação.

As informações são do Infortambo, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint. 

Leite/Europa
Como previsto, a entrega de leite semanal na Europa começou o aumento sazonal. No entanto, a avaliação sobre a produção de leite em 2023 é de que ela ficou abaixo das expectativas. 

O verão quente e seco prejudicou a produção na França e na Itália. Os números divulgados sobre a produção mensal na Alemanha e Holanda mostraram queda em relação aos níveis dos anos anteriores. Também, a produção mensal de leite na União Europeia (UE) ficou abaixo da de 2022. De acordo com o site CLAL, a produção de leite de vaca na UE, em outubro de 2023, foi estimada em 11.505 mil toneladas, queda de 1,6% em relação a um ano antes. No acumulado do ano, janeiro a outubro, o bloco registrou 122.332 mil toneladas de leite, representando aumento de 0,3% em relação ao período jan-out/2022. Entre os principais países produtores do bloco a produção de leite acumulada no ano e a variação percentual em relação ao mesmo período de 2022, foram: Alemanha, 27.269 mil toneladas (+2%); França, 19.647 mil toneladas (-2,7%); e Holanda, 11.679 mil toneladas (+1,7%).

Informações preliminares sobre a produção de leite de vaca no Reino Unido no mês de outubro foi de 1.221,600 toneladas, -2,6% em relação a outubro de 2022. No acumulado do ano, janeiro a outubro de 2023, o volume é de 11.862.000, 0,3% a mais em relação ao mesmo período de 2022.

Com o aumento sazonal da produção, a pressão sobre o mercado spot diminui. Embora ainda existam regiões onde o preço esteja em 50€/100 kg, em outras o valor caiu e já está sendo negociado a 40 €/100 kg, se aproximando do preço do leite ao produtor.

As indústrias de laticínios da UE estão vendo muitos riscos de mercado. A produção restrita de leite nas fazendas fez com que os processadores mantivessem o preço do leite ao produtor elevado, para não desestimular a produção. No entanto, a quebra generalizada na demanda por ingredientes lácteos colocou em dificuldades econômicas algumas empresas. Uma grande cooperativa europeia anunciou, recentemente, seus planos de cortar 1.800 postos de trabalho em suas operações em todo mundo para reduzir custos e melhorar a lucratividade.

Partes do Leste Europeu continua registrando crescimento constante da produção. Fontes da indústria sugerem que, além da Ucrânia, que provavelmente teve uma produção de leite mais baixa em decorrência do conflito com a Rússia, a Comunidade dos Estados Independentes (CEI) aumentou consistentemente a produção de leite no decorrer de 2023. Na Bielorrússia, de janeiro a outubro de 2023 a produção de leite foi estimada em 6.812 mil toneladas, um aumento de 6% em comparação com o mesmo período do ano anterior. De acordo com o site CLAL, entre os maiores produtores de leite do Leste Europeu, a captação de leite acumulada de janeiro a outubro de 2023 e a variação percentual em relação ao mesmo período de 2022 foram: Polônia 10.895 mil toneladas (+1,5%); República Checa, 2.700 mil toneladas (+1,6%) e Hungria, 1.373 mil toneladas (-4,1%).  Fonte USDA


        ___________________________________________________________________________________

 

Jogo Rápido

EUA: relatório mostra 44.000 vacas a menos em relação ao ano anterior
A produção de leite nos 24 principais estados em novembro totalizou 7,84 bilhões de quilos, representando uma queda de 0,5% em relação a novembro de 2022. A produção revisada de outubro, de 8,12 bilhões de quilos, caiu 0,6% em relação a outubro de 2022. A revisão de outubro representou uma redução de 16,8 milhões de quilos, ou 0,2%, em relação à estimativa preliminar de produção do mês passado. A produção por vaca nos 24 principais estados teve uma média de 883,6 quilos em novembro, 1,36 quilos abaixo de novembro de 2022. O número de vacas leiteiras nas fazendas dos 24 principais estados foi de 8,90 milhões de cabeças, 26.000 cabeças a menos que em novembro de 2022 e 9.000 cabeças a menos que em outubro de 2023. O número de vacas leiteiras em fazendas nos EUA foi de 9,36 milhões de cabeças, 44.000 cabeças a menos em relação ao ano anterior e 10.000 cabeças a menos do que em outubro de 2023. De acordo com Phil Plourd, presidente da Ever.Ag Insights, considerando que o abate de vacas leiteiras tem estado abaixo da média desde o final do verão, o declínio contínuo no número de vacas reflete a oferta mais restrita de novilhas e vacas. "Com o número de vacas caindo 44.000 cabeças em relação ao ano anterior, é difícil ver a produção de leite ficar muito mais forte no curto e no médio prazo", disse ele. Dois estados foram responsáveis pela maior parte da queda na produção. O Novo México teve queda de 25,4 milhões de quilos em relação ao ano passado, com 27.000 vacas a menos. A Califórnia diminuiu 24,94 milhões de quilos, com 11.000 vacas a menos. O Texas teve uma queda de 13,6 milhões de quilos e 18.000 vacas. A produção da Pensilvânia por vaca caiu 9,07 quilos, levando a uma queda de 4,98 milhões de quilos de leite, embora o número de vacas tenha diminuído em apenas 1.000 cabeças. No lado positivo do registro, Dakota do Sul aumentou 10,88 milhões de quilos e 13.000 vacas. Michigan aumentou em 8,16 milhões de quilos com 8.000 vacas a mais. O Arizona acrescentou 6.000 vacas e 6,35 milhões de quilos de leite, enquanto Ohio registrou um ganho de produção de 4,98 milhões de quilos com 5.000 vacas a mais. As informações são do Dairy Herd Management, traduzido e adaptas pela equipe MilkPoint. 


 

Com o objetivo de fortalecer as iniciativas que buscam ampliar a presença da tecnologia no campo, o Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS) passará a integrar o grupo que está participando das discussões e cocriação do Centro de Inteligência do Agro. O projeto é liderado pela Secretaria Estadual de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict) em parceria com a Secretaria da Agricultura do Governo gaúcho e conta, ainda, com a colaboração da iniciativa privada, academia, atores ligados à cadeia do agro e sociedade civil.

A intenção é que o centro seja sediado no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, e lançado oficialmente durante a Expointer, no RS Innovation Agro, espaço da Febrac com apoio estratégico da Sict. “É muito importante que o sindicato que representa as indústrias de lácteos no Rio Grande do Sul esteja conosco nestas iniciativas, inclusive como painelista tratando as inovações no setor”, destacou a titular da pasta de Inovação, Ciência e Tecnologia, Simone Stülp

A articulação aconteceu nesta segunda-feira (24/07), durante encontro no Centro Administrativo do Estado em Porto Alegre (RS). Darlan Palharini, secretário-executivo do Sindilat/RS, lembra que a assimilação de tecnologias nos tambos é fundamental para o desenvolvimento do setor, principalmente quanto à garantia de produtividade e competitividade do leite gaúcho. “Para o Sindilat, a tecnologia é essencial no impulsionamento de toda a cadeia leiteira. Isso passa pela facilitação para aquisição de robôs de ordenha, de sistemas de monitoramento e automação nas propriedades rurais, de seleção de genética A2A2 e até pela produção de baixo carbono. Com o suporte da tecnologia, os produtores podem otimizar os processos, identificar desafios, tomar decisões embasadas e elevar a competitividade”, assinala.

No encontro, que contou com a participação de Everaldo Daronco, diretor de Ambientes de Inovação da Sict, Palharini reforçou que as pautas já estão inseridas no cotidiano do Sindilat/RS que irá premiar, também durante a Expointer, as iniciativas que se destacam durante a segunda edição do Prêmio Referência Leiteira. A premiação irá reconhecer os melhores cases nas categorias de Protagonismo Feminino, Inovação, Gestão da Atividade Leiteira, Sucessão Familiar, Sustentabilidade Ambiental e Bem-estar Animal, além da Propriedade Referência em Produção de Leite.

Foto: Gisele Ortolan

 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 11 de julho de 2023                                                        Ano 17 - N° 3.941


Kit rápido de identificação de leite A2 simplifica seleção nos rebanhos leiteiros

Já está disponível no mercado brasileiro um teste rápido para a identificação da proteína do leite A2. Entre as vantagens, o mecanismo consegue fazer a distinção de animais com o fenótipo através de um kit simples e fácil de ser aplicado, exigindo apenas uma pequena amostra de leite. “Em apenas 20 minutos é possível determinar se o alimento é livre de beta caseína A1, facilitando a triagem dos rebanhos”, explica Maria de Lourdes Borba Magalhães, professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

O kit foi desenvolvido a partir de estudos elaborados pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). Além de revolucionar o processo de classificação, dispensando a coleta de amostras de sangue ou de pelos para exames de DNA, também tem se mostrado eficaz no controle de qualidade dos derivados. “É capaz de detectar nos produtos derivados de leite A2 qualquer contaminação com leite beta caseína A1. Este processo é fundamental, uma vez que o leite A2 é conhecido por sua melhor digestibilidade", assinala Maria de Lourdes.

O sistema é comercializado pela empresa Scienco Biotech desde fevereiro deste ano e vem sendo utilizado na seleção dos úberes A2 em fazendas nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Tocantins, Espírito Santo e Rio Grande do Sul. “Em solo gaúcho, são cerca de dez propriedades fazendo a utilização deste mecanismo e, de acordo com o que se tem observado acerca dos resultados, em torno de 40% dos animais destas fazendas já puderam ser selecionados para produzir exclusivamente o leite A2A2”, diz Maria Magalhães.  

Recentemente a tecnologia foi aprovada para participar do programa Sistema InovaLácteos (SIL) formado por quatro Núcleos de Inovação de Minas Gerais. “Nosso objetivo é produzir testes rápidos, com custos reduzidos e facilidade de operação para identificar genótipos de interesse da produção leiteira, para que todo produtor tenha acesso a este tipo de ferramenta para o melhoramento genético de seu rebanho em características específicas, aumentando assim a sua produtividade e contribuindo para o desenvolvimento de toda a cadeia láctea”, destaca Maria Magalhães. 

Segundo o secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS, Darlan Palharini, o teste é um avanço muito importante para o setor lácteo, sendo uma tecnologia avançada e de manuseio direto pelo produtor rural e que agrega valor ao leite. “Com a capacidade de identificar a presença da proteína A2, os produtores podem selecionar animais que produzem exclusivamente o leite A2A2, atendendo a demanda de consumidores que buscam produtos livres da proteína A1 por questões de saúde. O kit está entre os produtos e equipamentos que estarão em demonstração no seminário sobre inovações tecnológicas promovido no espaço do Sindilat na Expointer”, assinala. (Assessoria de imprensa SINDILAT/RS)


Importação de lácteos cresce 240% no semestre

Entidades de pecuaristas e indústrias buscam medidas de apoio dos governos federal e estadual para fazer frente à concorrência de produtos da Argentina e do Uruguai, que entram no mercado com preço menor

O Brasil importou no primeiro semestre deste ano quase 116 mil toneladas de leite, creme de leite e lácteos (exceto manteiga e queijo), volume 240% superior ao registrado no mesmo período de 2022, de acordo com dados da plataforma ComexStat, do governo federal. Em valores, essas importações corresponderam a cerca de 443 milhões de dólares, um crescimento de 268,7% na mesma base de comparação. A maior parte dos negócios envolveu compras da Argentina e do Uruguai.

A disparada das importações é motivo de apreensão dos pecuaristas gaúchos, que nos últimos dois anos enfrentaram prejuízos com estiagens e reclamam de desvantagem na competição com o produto estrangeiro. De acordo com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS), o leite em pó argentino e o uruguaio, por exemplo, entram no país com preços de R$ 19,25 e R$ 21,06 o quilo, enquanto o produto brasileiro custa em média R$ 26. Isso ocorre porque os pecuaristas dos países vizinhos contam com subsídios e incentivos governamentais, o que lhes permite reduzir custos de produção, diz a entidade. (Correio do Povo)

Leite/Europa

O declínio sazonal da produção de leite continua através da Europa. Várias fontes das indústrias sugerem que a captação de leite mensal vem caindo. Na semana 25, o volume captado na Alemanha teve redução de 0,5% em relação à semana anterior.

No Reino Unido, a entrega de leite caiu 1,7% em comparação com a semana anterior. Mesmo diante dessa queda semanal, a tendência é de que o volume total captado na Alemanha, Holanda e Reino Unido esteja acima do volume de um ano atrás. No entanto, a seca e o calor no início do verão reduz a captação na França, Itália e Espanha. Também a coleta de leite na Irlanda está menor do que a registrada em 2022.

Por enquanto, os baixos volumes semanais estabilizaram o preço do leite ao produtor. Depois de reduções constantes no primeiro semestre do ano, algumas indústrias mantiveram em julho, os mesmos preços de junho. No mercado spot os preços também ficaram estáveis, ou, em alguns casos, até subiram. 

Incertezas em relação à oferta de leite no segundo semestre do ano, fizeram com que alguns participantes tentassem determinar a direção do mercado. De um modo geral, o ambiente está calmo, com a maioria dos europeus iniciando suas férias de verão. Mas, existe pessimismo diante das incertezas sobre a demanda futura, as pressões econômicas, e a continuidade do conflito na Ucrânia. As pressões econômicas e regulamentos ambientais sobre os agricultores, fazem com que muitos participantes do mercado acreditem que haverá queda no volume de leite no segundo semestre do ano na Europa Ocidental.

Começou o declínio sazonal no volume de leite semanal no Leste Europeu, mas, na Bulgária, Romênia e Polônia os volumes são maiores na comparação interanual. De acordo com fontes de informação online, a produção de leite na Polônia cresceu em todos os meses de 2023, quando comparada com 2022. A Polônia é o maior produtor de leite da região, exportando significativas quantidades de produtos lácteos para os mercados internacionais. Regionalmente, a Polônia fornece para a Ucrânia 69% do leite fresco por ela importado. (Fonte: Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

 

Jogo Rápido

Inflação cai pela primeira vez em 2023 e tem a menor variação para junho em seis anos
A inflação oficial do mês de junho caiu 0,08%, ficando 0,31 ponto percentual abaixo da taxa de 0,23% registrada em maio. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), trata-se da menor variação para o mês de junho desde 2017, quando o índice foi de -0,23%, e da primeira queda em 2023. No ano, o IPCA acumula alta de 2,87% e, nos últimos 12 meses, de 3,16% — abaixo dos 3,94% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em junho de 2022, a variação havia sido de 0,67%.Alimentação e bebidas (-0,66%) e Transportes (-0,41%) foram os grupos que mais contribuíram para o resultado do mês, de deflação. Também registraram quedas os Artigos de residência (-0,42%) e Comunicação (-0,14%).No lado das altas, o maior impacto e a maior variação vieram de Habitação. Os demais grupos ficaram entre o 0,06% de Educação e o 0,36% de Despesas pessoais. No grupo dos Transportes, o resultado de junho deve-se ao recuo nos preços dos automóveis novos (-2,76%) e dos automóveis usados (-0,93%). O IBGE destaca, ainda, o resultado de combustíveis (-1,85%), com as quedas do óleo diesel (-6,68%), do etanol (-5,11%), do gás veicular (-2,77%) e da gasolina (-1,14%). No lado das altas, as passagens aéreas subiram 10,96%. Já a queda do grupo Alimentação e bebidas deve-se, principalmente, ao recuo nos preços da alimentação no domicílio (-1,07%), que havia registrado estabilidade em maio. Destacam-se as quedas do óleo de soja (-8,96%), das frutas (-3,38%), do leite longa vida (-2,68%) e das carnes (-2,10%). No lado das altas, batata-inglesa (6,43%) e alho (4,39%) subiram de preço. (Zero Hora)


 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 05 de julho de 2023                                                        Ano 17 - N° 3.937


PIONEIRA NO SUL DO BRASIL, RAR LANÇA PRODUTOS COM SELO DE BEM-ESTAR ANIMAL

O CEO da RAR, Sergio Martins Barbosa, anuncia que os produtos derivados 100% do leite produzido na empresa agora são certificados e possuirão o selo de bem-estar animal em suas embalagens. 

Os produtos da RAR que utilizam 100% o leite produzido na fazenda da empresa, passam a ter um selo de bem-estar animal emitido pela Integral Certificações - uma das mais reconhecidas empresas de programas de certificação no Brasil. Após uma minuciosa auditoria e rastreabilidade do leite, desde a captação da matéria prima  até o processamento final, foi emitida a certificação e com isso o creme de leite e manteiga RAR, passarão a exibir o selo nos rótulos.

“Essa conquista reforça o nosso compromisso em garantir qualidade e cuidado em todas as etapas de produção, priorizando o bem-estar dos animais envolvidos em nossa cadeia produtiva”, enfatiza o CEO da RAR, Sergio Martins Barbosa, ao comentar que todos os colaboradores têm como missão o respeito aos animais e à natureza.

A fazenda da RAR recebeu recentemente a mesma certificação de bem-estar animal, destacando-se como a primeira do sul do país a alcançar esse reconhecimento. Agora estamos em um novo momento e comemoramos a chegada do selo aos nossos produtos”, afirma Sérgio Barbosa. Após o tempo de maturação necessário, o Gran Formaggio, primeiro queijo tipo grana produzido fora da Itália, e o parmesão RAR também exibirão o selo em suas embalagens. 

SOBRE A CERTIFICAÇÃO
Para receber a certificação, a RAR teve que passar por uma criteriosa avaliação. Através do protocolo de certificação de domínio e gestão da Integral Certificações, o órgão certificador que faz o papel da terceira parte efetua a auditoria e a verificação do cumprimento dos requisitos para então recomendar a concessão do selo A RAR atendeu integralmente aos critérios que foram avaliados. O programa de certificação foi desenvolvido baseado nas normas  da Organização Mundial de Saúde, bem como em pesquisas desenvolvidas por Universidades e Instituições nacionais e internacionais, adaptadas para a realidade da pecuária brasileira. A certificação de terceira parte  é importante para trazer garantias e informações independentes ao consumidor quanto a origem e rastreabilidade do alimento.

RAR
A RAR foi idealizada por Raul Anselmo Randon na década de 1970, com origem na fruticultura, especialmente o cultivo e a exportação de maçã. Atualmente é uma das maiores produtoras e comercializadoras da fruta no Brasil. Já em 1990 a empresa montou a primeira fábrica de queijo Tipo Grana fora da Itália, com a marca Gran Formaggio. O portfólio possui uma linha de importados composta por queijos e acetos italianos, charcutaria italiana e espanhola, além de azeites de oliva chilenos. A parte de derivados é constituída por creme de leite pasteurizado, manteiga e queijo parmesão. 

A empresa, com sede em Vacaria (RS), ainda conta com linha de 31 vinhos e espumantes, sendo 18 rótulos de produção Nacional e 13 rótulos importados da Itália e da Argentina, fruto da parceria com a vinícola MASI. A RAR também produz azeite de oliva extravirgem de alta qualidade e vinagre orgânico de maçã. Esses e outros produtos com a qualidade RAR podem ser encontrados na loja virtual www.spacciorar.com.br (As informações são da RAR)


UR – Exportações crescem 6% no 1º semestre

Exportações/UR – As exportações de lácteos no 1º semestre de 2023 totalizaram US$ 413,7 milhões, 6% a mais em relação aos primeiros seis meses de 2022, de acordo com os dados do Uruguai XXI, com base nos dados da Alfândega.

Em junho o setor lácteo exportou US$ 70 milhões, 2% menos na comparação com o mesmo mês do ano passado, principalmente pela redução dos embarques de manteiga.

O Brasil se consolidou como o principal destino das exportações de lácteos em 2023: 72% da exportação mensal de junho (US$ 50 milhões) e 53% no acumulado anual (US$ 220 milhões). 32% de tudo o que foi exportado para o Brasil em junho correspondeu a produtos lácteos.

Um ano atrás o Brasil era o terceiro mercado para os lácteos uruguaios, com 19% da exportação mensal em junho de 2022 e 13% no acumulado semestral. (Fonte: Blasina y Asociados – Tradução livre: www.terraviva.com.br )

No primeiro mês, menos de 10% fizeram Declaração Anual de Rebanho no RS

A Declaração Anual de Rebanho é uma obrigação sanitária de todos os produtores rurais gaúchos que trabalhem com agronegócios de produção animal. Porém, com o prazo correndo desde 1º de junho, foram feitas apenas 8,8% das 380 mil declarações esperadas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi).

O prazo para declaração termina em 31 de outubro. Desde 2022, a atualização cadastral está mais completa, com informações mais detalhadas sobre a propriedade rural e os sistemas de produção animal, o que torna a declaração mais extensa. Por isso, não é aconselhável que seja protelada até a última hora.

O município em que a Declaração Anual de Rebanho está mais avançada é São Domingos do Sul, com 78,15% de propriedades com declarações entregues.

Como fazer
Os formulários estão disponíveis no link www.agricultura.rs.gov.br/declaracao e podem ser entregues de duas formas. 

Na primeira, o produtor comparece à Inspetoria ou Escritório de Defesa Agropecuária de referência e informa verbalmente os dados a serem lançados. Com a opção de geração de senha de Produtor Online, ele assina digitalmente a declaração. 

Na segunda opção, o produtor baixa os formulários no site da Seapi, preenche e os entrega na IDA ou EDA do seu município. 

Estrutura e finalidade
A Declaração Anual de Rebanho conta com um formulário de identificação do produtor e características gerais da propriedade. Formulários específicos devem ser preenchidos para cada tipo de espécie animal que seja criada na propriedade, como equinos, suínos, bovinos, aves, peixes, entre outros. No formulário de caracterização da propriedade, há campos como situação fundiária, atividade principal desenvolvida na propriedade e somatória das áreas totais, em hectares, com explorações pecuárias. Já os formulários específicos sobre os animais apresentam questões sobre finalidade da criação, tipo de exploração, classificação da propriedade, tipo de manejo, entre outras.

Os dados captados pela Declaração Anual de Rebanho permitem delinear um perfil mais completo sobre a produção pecuária no Rio Grande do Sul, contribuindo para a manutenção do status sanitário dos rebanhos do Estado ao fornecer subsídios para as ações dos programas de saúde animal e demais políticas públicas direcionadas. (SEAPDR)

 

Jogo Rápido

Bem da Terra 05/07/2023 | Terraviva
Confira CLICANDO AQUI a entrevista do Secretário Executivo do SINDILAT/RS, Darlan Palharini, para o programa Bem da Terra, exibido hoje, 05/07/2023. (As informações são do Terra viva, adaptadas pelo SINDILAT/RS)


 
 
 

As inscrições para a segunda etapa do 2º Prêmio Referência Leiteira se encerram no dia 30 de junho. O mérito tem como objetivo reconhecer o trabalho realizado por produtores que estão vinculados à indústria de laticínios do Rio Grande do Sul. Para participar, é necessário enviar o material de apresentação por e-mail para jries@emater.tche.br ou sindilat@sindilat.com.br.

Os cases serão reconhecidos em seis categorias, sendo elas Inovação, Sustentabilidade Ambiental, Bem-estar Animal, Protagonismo Feminino, Sucessão Familiar e Gestão da Atividade Leiteira. Os vencedores receberão um troféu, certificado e um notebook. A revelação dos resultados e a entrega dos prêmios acontecerão durante a Expointer que, neste ano, ocorre de 26 de agosto a 3 de setembro no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS).

A iniciativa é promovida pelo Sindicato das Indústrias de Laticínios do RS (Sindilat), pela Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS) e pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi). O regulamento completo e a ficha de inscrição estão disponíveis no site do Sindilat. 

Foto: Fernando Kluwe Dias 

Com foco na análise dos dados econômicos colhidos pela Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul (Sefaz) sobre os laticínios gaúchos, a segunda rodada do programa Diálogos Setoriais contará com a participação de representantes do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat/RS). A live ocorrerá no dia 4 de maio, a partir das 9h, no canal da Sefaz no Youtube e se debruçará sobre os números contidos para o setor na edição número 06 da Revista RS 360, publicada no dia 20/04.

O presidente do Sindilat/RS, Guilherme Portella, assim como o vice-presidente, Alexandre Guerra, e o secretário-executivo, Darlan Palharini, integrarão o conjunto de auditores da Receita Estadual no exame dos indicadores. “Com estes dados, estamos agregando mais um conjunto de informações que pode balizar a definição de ações e estratégias pelas indústrias a fim de desenvolver a cadeia leitera”, assinala Portella.

Os números, com previsão de divulgação trimestral pelo Executivo Estadual, fazem parte do programa Diálogos Setoriais e se agregam como mais uma importante ferramenta para a análise e tomada de decisões com vistas ao crescimento do setor.

Links:
Revista RS 360 clique aqui 
Site Receita.DOC clique aqui 
Acompanha a live clique aqui