Pular para o conteúdo

Sindilat debate papel da pecuária leiteira na redução das emissões

O setor lácteo pode ser uma importante ferramenta para intensificar a produção das propriedades rurais e garantir sistemas sequestradores de carbono. A proposta é utilizar áreas de pousio para plantio de pastagens consorciadas com culturas de verão e inverno. A tendência foi apresentada pelo Chefe-Geral da Embrapa Trigo, Jorge Lemainski, durante reunião mensal de associados do Sindilat realizada nesta terça-feira (26/07). Segundo o especialista, a expectativa é aumentar a rentabilidade da atividade agropecuária por hectare e estabelecer sistemas que sejam mais sequestradores de carbono do que emissores. O uso de pastagens de inverno é o diferencial para assegurar comida de qualidade ao gado e melhorar as condições do solo.

Conduzindo a reunião, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, reforçou a importância de elevar a eficiência do sistema produtivo e, com isso, garantir um aumento de leite produzido por vaca. “Os grãos de inverno podem ser essenciais para produzir matéria orgânica de qualidade e otimizar a alimentação do gado ao longo do ano”, salientou. Lemainski apresentou diferentes exemplos de ganho nesse sentido, como a produção de uma nova variedade de cevada ultraprecoce semeada em março, e que tem potencial para gerar 4.900 quilos de matéria seca e de 7.840 kg/ha de produção de leite.

Durante a reunião de associados, ainda tratou-se de questões tributárias ligadas ao Fator de Ajuste de Fruição (FAF).

(Assessoria de Imprensa Sindilat)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.