Pular para o conteúdo

04/07/2022

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 04 de julho de 2022                                                          Ano 16 - N° 3.695


Futuro aponta para alianças entre cooperativas
 
Ao contrário de muitos modelos de negócios que não conseguiram sobreviver ao turbilhão de mudanças desencadeadas pelo coronavírus, as cooperativas agropecuárias gaúchas saíram fortalecidas da pandemia. Representado por 121 organizações registradas no Rio Grande do Sul, o segmento emplacou uma receita de R$ 51 bilhões no ano passado, em um salto de 45,9% em relação ao faturamento alcançado em 2020, de acordo com dados do Sistema Ocergs/Sescoop/RS, divulgados no dia 28 de junho. Neste ano, apesar da valorização dos produtos agrícolas, a disparada dos custos operacionais expôs o sistema a um novo teste de resistência.
 
No topo da lista de preocupações dos cooperados, estão os aumentos de preços de combustíveis e fertilizantes, afirma o presidente da Ocergs, Darci Hartmann. A solidez do segmento também foi colocada à prova pelos impactos da estiagem nas culturas de verão, que em algumas regiões do Estado significaram perdas de 80%, obrigando os produtores a renegociar dívidas e a buscar fontes de recursos para financiar a lavoura de inverno. “A resiliência das cooperativas é muito grande. Se tivermos uma boa safra de trigo e depois uma boa safra de soja, conseguimos resolver parte desses desafios”, avalia Hartmann.
 
Segundo o presidente da Ocergs, muitas organizações do setor reagiram ao cenário adverso dos dois últimos anos estabelecendo alianças regionais, tendência que deve se acentuar nos próximos anos. “Para crescer, temos de fazer negócios em conjunto, reduzir custos operacionais, ganhar escala e, acima de tudo, enxergar oportunidades que, muitas vezes, uma cooperativa sozinha não enxerga”, diz Hartmann.
 
O presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (FecoAgro-RS), Paulo Pires, destaca o papel decisivo da industrialização no fortalecimento das organizações. Hoje, 60 das cooperativas no Estado desenvolvem alguma atividade agroindustrial como forma de agregar valor à produção dos cooperados – de fábricas de farinha, rações animais e fertilizantes a grandes unidades de laticínios e plantas frigoríficas. “No caso do leite, industrializamos praticamente tudo o que recebemos dos produtores. Já nos grãos, vemos movimentos para agregar valor”, afirma Pires.
 
Para o dirigente, a aposta na industrialização deve ganhar ainda mais força no Estado. Esse caminho, porém, pode se revelar mais complexo para as pequenas organizações do segmento, que necessitam de ganhos de escala para diluir os custos de uma operação industrial e se manter competitivas. “Então, é quase um processo excludente: ou a pequena cooperativa se alia a uma maior ou fica fora desse processo”, observa Pires.
 
Um dos pesos-pesados do cooperativismo no país, com 30 organizações reunidas sob sua marca, mais de 170 mil produtores associados e receita de R$ 34,7 bilhões em 2021, a gaúcha CCGL é um exemplo claro dessa vocação industrial do setor. Na sequência de um projeto para duplicar sua capacidade de processamento de leite, hoje de 2,2 milhões de litros diários, a organização de Cruz Alta concluiu neste ano a construção de uma unidade de leite condensado, que recebeu investimentos de cerca de R$ 70 milhões. Agora, planeja fortalecer o portfólio de produtos, segundo o presidente da cooperativa, Caio Vianna.

“Deixamos a planta de laticínios preparada para os próximos cinco anos, talvez não precisemos fazer nenhuma ampliação”, diz. A busca de sustentabilidade é outro foco da cooperativa, que está montando uma usina de energia solar com capacidade de 3,4 MW. “Serão cerca 7 hectares de painéis fotovoltaicos, e pretendemos até o final do ano estar com isso instalado para (suprir) quase toda a nossa necessidade de energia”, detalha o executivo. Os planos incluem ainda ampliação dos terminais graneleiros Termasa e Tergrasa, operados pela CCGL no Porto de Rio Grande e responsáveis pela movimentação de 10 milhões de toneladas de grãos na safra 2020/2021. No projeto, a organização planeja investir mais de R$ 700 milhões em recursos próprios. “As áreas de soja estão aumentando muito na Metade Sul. Precisamos ter saída e capacidade de expedição das safras agrícolas”, afirma Vianna. (Correio do Povo)

  
De Cruz Alta, a CCGL, que reúne 30 cooperativas, é um exemplo do potencial industrial do setor, tendo atingido mais de R$ 34,7 bilhões em receita no ano de 2021 e operando atualmente uma capacidade de processamento de leite de 2,2 milhões de litros por dia (Foto: MARKETING CCGL/DIVULGAÇÃO)


Regulamentação ambiental do Farm to Fork paralisa a produção de leite da UE

O USDA acredita que a regulamentação ambiental na Europa significa que o 'pico' de produção de leite foi alcançado no bloco em 2020. Ele previu a produção de leite de vaca da UE-27 de 144,6 milhões de toneladas até 2022, uma diminuição de 434.000 toneladas. em comparação com 2021 e 836.000 toneladas. abaixo de 2020. O número de vacas na UE-27 diminuiu mais de 1,4 milhão de cabeças desde 2016, incluindo uma perda de 800.000 cabeças desde 2019 , revelaram dados do USDA. "Aumentos contínuos ano após ano na produtividade (litros/vaca) não podem compensar essa perda de vacas leiteiras . "
 
A introdução de iniciativas Farm to Fork e mudanças na Política Agrícola Comum provavelmente agravarão a situação em 2023 e além , previu o relatório executivo.
 
“Os especialistas da indústria de laticínios da UE esperam que a produção de leite da UE diminua ainda mais em 2023 e além, quando a nova PAC e as condições do Farm to Fork exigirem que os produtores de leite da UE ajustem seus sistemas de produção.
 
“Do ponto de vista político, com o impacto do Brexit e do COVID-19 nos mercados de laticínios europeus agora atrás de nós, a implementação das novas iniciativas CAP e F2F em 2023 dominará as preocupações dos setores de laticínios da UE. O fortalecimento das políticas ambientais e de mitigação climática da UE apenas aprofundará essas preocupações ”.
 
Mas nem tudo são más notícias para os produtores de leite. Fora do leite de vaca, o USDA notou um aumento na produção, com “valorização do consumidor” por produtos lácteos derivados de cabras e ovelhas, principalmente queijos , apoiando a expansão.
 
Enquanto a produção de leite de vaca está sentindo a pressão das altas proteções ambientais, a produção de queijo deve aumentar este ano devido ao aumento do consumo . “A produção de queijo é o uso preferido das fábricas de laticínios da UE-27, e espera-se que essa tendência continue à medida que várias novas fábricas de queijo surgiram nos últimos anos. Principalmente para produzir mussarela industrial para a indústria de processamento de alimentos . O consumo de queijo na UE continua a aumentar ano a ano e deve continuar até 2022, mas a um ritmo mais lento devido ao aumento dos preços.
 
Os produtores da UE beneficiam do grande apetite do consumidor por queijos locais e protegidos pelo regime de Indicadores Geográficos (IG) . Isso “está ficando mais forte”, com “retornos mais altos para processadores e produtores locais”.
 
No entanto, com suprimentos limitados de leite cru, o USDA disse que "isso ocorre às custas da produção de manteiga, leite em pó desnatado (NFD) e leite em pó seco integral (WDP) " . Isto, prosseguiu o órgão do governo norte-americano, traduz-se numa diminuição das exportações e do consumo interno de manteiga, LPD e LPE, e num aumento dos preços no mercado da UE.
 
“Como os especialistas em laticínios antecipam uma nova onda de produtores de leite potencialmente saindo do setor, os principais players do setor já estão adaptando seus planos e estratégias corporativas à medida que se ajustam a essas novas realidades políticas da UE. Os suprimentos de leite disponíveis são redirecionados para seus interesses mais lucrativos e estratégicos no mercado doméstico e de exportação .” (Traduzido pela OCLA do boletim Dairy Reporter por Katy Askew)
 
 
União Europeia – Acordo da Nova Zelândia
 
Ontem, último dia da Presidência francesa, o acordo comercial entre a UE e a Nova Zelândia foi alcançado após 4 anos de negociações. Segundo estimativas da Comissão Europeia, com este acordo, o comércio bilateral poderá crescer até 30% com um potencial aumento nas exportações anuais da UE de até 4.500 milhões de euros.
 
Embora a CE o apresente como uma grande oportunidade para o setor agroalimentar, a COPA-COGECA (representação de agricultores e cooperativas da União Europeia), considera que este é o grande perdedor do acordo:
 
A CE destaca como uma conquista que as tarifas serão removidas desde o primeiro dia sobre as principais exportações da UE, como carne de porco, vinho e espumante, chocolate, doces e biscoitos. Para a COPA-COGECA, suínos e vinhos da UE já estão entrando no mercado neozelandês e não acreditam que haja muito espaço para crescimento.
 
Quanto aos produtos sensíveis , como diversos produtos lácteos , carne bovina e ovina, etanol e milho doce, a CE defende que apenas importações tarifárias zero ou reduzidas serão permitidas em quantidades limitadas . Para a COPA-COGECA, o acordo significa aumentar as cotas tarifárias já existentes para produtos sensíveis .
 
A Nova Zelândia já tem acesso ao mercado comunitário por 75.000 toneladas. de banha e 11.000 toneladas. de queijo, que aumenta com o acordo em 15.000 toneladas. de banha, 25.000 toneladas. de queijo, 15.000 toneladas. de leite em pó, o que aumentará substancialmente a pressão do mercado. 

Em azul, a cota tarifária existente e em vermelho, a cota adicional acordada no acordo. (Extraído e traduzido pela OCLA da Agrodigital)


Jogo Rápido 

Falta 1 mês para o Interleite Brasil 2022, junte-se aos 1000 inscritos!
 É isso mesmo que você leu, o tempo passou voando e falta apenas 1 mês para a volta do melhor e mais completo evento da cadeia láctea nacional, o Interleite Brasil! Com os apoios do Sistema Faeg/Senar - GO e do Sebrae-GO, nos dias 03 e 04 de agosto, em Goiânia, e também online, pela primeira vez em formato híbrido, o Interleite Brasil chega a sua 20ª edição para fazer deste momento um marco na história do leite brasileiro! O Interleite Brasil 2022 contará com uma grade de palestrantes formada por técnicos, produtores e especialistas, distribuídos em 5 painéis temáticos, totalizando 23 palestras e 14 horas de conteúdo. Serão abordados temas envolvendo sistemas de produção e rentabilidade; índices de eficiência econômica e produtividade; mercado do leite; gestão de pessoas e processos; tecnologia, agenda ambiental e das mudanças estruturais na produção de leite do país. Qual o retrato atual e o que esperar do futuro? Quais as oportunidades no mercado para quem quer se preparar? Se você pensou em ser um agente de transformação do leite brasileiro e fazer parte do futuro, o Interleite Brasil 2022 é o seu lugar! Confira a programação e faça sua inscrição, só falta um mês! Junte-se aos 1000 inscritos no Interleite Brasil 2022! Vamos juntos? Associados do Sindilat/RS têm 20% de desconto. (Milkpoint)

 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.