Pular para o conteúdo

22/06/2022

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 22 de junho de 2022                                                          Ano 16 - N° 3.687


Leite: Nota de conjuntura Emater/RS
 
Apesar do baixo desenvolvimento das pastagens devido ao frio e à baixa insolação, os rebanhos estão em bom estado sanitário e mantêm boas condições corporais. A volta da ocorrência de chuvas provocou a formação de lama nos corredores e ao redor das instalações, o que causou um aumento nas despesas com insumos e mão de obra para a higienização dos animais ordenhados. No aspecto sanitário, houve diminuição da presença de carrapatos nos rebanhos. 
 
Os produtores estão sendo sempre orientados a vacinar e a manter o monitoramento em caso de qualquer sinal de raiva dos herbívoros, devendo comunicar os serviços veterinários oficiais locais. Inicia o período de parições nas propriedades que concentram a temporada reprodutiva no final do inverno. Esse processo irá refletir em significativa elevação na produção de leite ao longo dos próximos meses. Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, a produção de leite apresentou um leve aumento devido ao incremento na oferta de pastagens de inverno na dieta das matrizes, além de uma pequena melhoria do clima, que favoreceu o seu desenvolvimento, especialmente no final do período com o retorno dos dias ensolarados. Em Uruguaiana, a suplementação dos animais é realizada com fardos de palha de arroz, que é um alimento útil para a manutenção do estado corporal, porém tem pouca participação no incremento da produção de leite devido à baixa qualidade. 
 
Em São Gabriel, onde o campo nativo tem participação importante na dieta do gado leiteiro, os produtores precisam aumentar a quantidade de ração e o fornecimento de silagem para garantir a produtividade do rebanho. Na regional de Caxias do Sul, com a ocorrência de temperaturas muito baixas, houve relatos de interrupção do fornecimento de água aos animais por congelamento. Também houve dificuldade de aquecimento da água para o manejo na ordenha. A implantação dos cereais de inverno para a silagem também está atrasada e deve ser intensificada na próxima semana. 
 
Na regional de Santa Rosa, o excesso de chuvas tem dificultado o pastejo, fazendo com que os animais tenham que permanecer muito tempo nas instalações. As chuvas excessivas também dificultam aos produtores o processo de desensilagem e de oferta da silagem no cocho. Além disso, aumentam os problemas de casco, casos de mamite e provocam o aumento da contagem de células somáticas.  Na regional de Soledade, os produtores encerram a ensilagem de milho.
 
Em propriedades localizadas no alto da Serra do Botucaraí, algumas lavouras tardias foram prejudicadas pelas geadas e por problemas fitossanitários. (Emater/RS)     


Conseleite Paraná

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 21 de Junho de 2022 atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Maio e a projeção dos valores de referência para o mês de Junho de 2022, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Junho de 2022 é de R$ 4,2448/litro. 

Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite PR)

Consumo diário de leite superior a 260 ml reduz risco de morte por doenças cardiovasculares

Estudo da Faculdade de Medicina desenvolvido com base nos dados do Elsa Brasil resultou em artigo premiado pela American Heart Association

Tese defendida no Programa de Pós-graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG demonstrou a correlação entre o consumo de leite e a diminuição do risco de morte por doenças cardiovasculares. Parte dos resultados do estudo está publicada no European Journal of Nutrition.

A pesquisa, que se valeu de dados do Elsa-Brasil, levantamento longitudinal desenvolvido por seis instituições de ensino e pesquisa do país, incluindo a UFMG, resultou na tese de doutorado da nutricionista Fernanda Marcelina Silva, orientada pelas professoras do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina Sandhi Maria Barreto e Luana Giatti. Foram avaliados o grupo dos chamados laticínios totais (leite, queijos, iogurtes, requeijão, manteiga, sobremesas lácteas e sorvete), alguns subgrupos (fermentados e lácteos com alto e baixo teor de gordura) e componentes do leite em separado.

Os resultados mostram que o consumo de leite superior a 260 ml para homens e 321 ml para mulheres diminui em até 66% o risco de morte por doenças cardiovasculares. Resultados parecidos foram encontrados também para laticínios totais. Entretanto, os melhores resultados foram com o alimento in natura e revelaram diferenças importantes no consumo entre os sexos.

“Por muito tempo, o leite foi tratado como alimento nocivo à saúde, mas esses resultados mostram o contrário e corroboram outros estudos mais recentes realizados ao redor do mundo”, afirma Fernanda Marcelina, que é mestre em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto e doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Medicina da UFMG.

A pesquisadora explica que, nos últimos anos, os alimentos in natura vêm perdendo espaço na alimentação do brasileiro, o que despertou o interesse para o tema. “As Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF/IBGE) detectaram aumento significativo de alimentos prontos para consumo na dieta dos brasileiros, ao passo que há queda de produtos in natura, incluindo o leite. Essa mudança no padrão alimentar ao longo dos anos vem acompanhada do aumento das doenças crônicas não transmissíveis e do risco de morte por essas doenças”, aponta.

A maior parte dos estudos disponíveis sobre o tema é proveniente de países desenvolvidos, cujo padrão de consumo alimentar difere dos hábitos no Brasil. “O brasileiro consome relativamente pouco leite e seus derivados se comparado com habitantes de países desenvolvidos, embora sejamos um país com participação importante na produção mundial desse alimento. Em outros estudos, observamos que há relação entre a renda e o consumo de leite, então provavelmente há uma restrição no acesso a esse alimento no Brasil”, analisa.

Desenho do estudo
O estudo incluiu aproximadamente sete mil participantes do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA Brasil), uma corte que acompanha cerca de 15 mil servidores públicos, com idade de 35 a 74 anos, desde 2008-2010. O Elsa-Brasil é realizado em seis capitais: Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS).

A tese defendida analisou dados coletados ao longo de oito anos de seguimento dos participantes do estudo. As informações sobre consumo alimentar habitual, incluindo leite de vaca e outros laticínios, foram obtidas por meio de questionário no início do estudo. Também foram coletados dados sociodemográficos, sobre comportamentos, como tabagismo e atividade física, e sobre a saúde em geral. As informações sobre óbitos foram obtidas durante as ligações telefônicas feitas anualmente para atualizar o estado de saúde dos participantes.

A análise feita contempla o uso de modelos estatísticos que possibilitam avaliar se o consumo de laticínios prediz o risco de morte no período do estudo e se a associação entre consumo de laticínios e risco de morte por doenças cardiovasculares independe de fatores sociodemográficos e comportamentais dos participantes, como idade, prática de atividade física, tabagismo, consumo de frutas e vegetais, entre outros.

O Elsa Brasil é a maior pesquisa latino-americana sobre o desenvolvimento de doenças crônicas, como as doenças cardiovasculares, câncer e doenças metabólicas (obesidade, diabetes, dislipidemia etc.), entre outras.

Novo artigo
Ainda será publicado um segundo artigo com base na tese de doutorado de Fernanda Marcelina. Os dados estão sob embargo, mas os resultados reforçam evidências anteriores sobre os efeitos nocivos do consumo de alimentos prontos, especificamente os ultraprocessados, e o risco de morrer de doenças crônicas não transmissíveis

Para Fernanda, o mais importante é priorizar uma alimentação saudável, balanceada e rica em alimentos in natura. Além disso, políticas públicas podem melhorar o acesso a alimentos saudáveis. “Nossos dados indicam a necessidade de se incentivar o consumo de leite e de reduzir a ingestão de alimentos ultraprocessados. O consumo de laticínios entre os brasileiros é baixo em comparação com países desenvolvidos. Esse incentivo pode contribuir para prevenção de mortes por doenças cardiovasculares. Precisamos também de políticas públicas mais rigorosas para controlar o consumo de alimentos ultraprocessados, com taxação de alimentos e restrição da publicidade, e, ao mesmo tempo, subsidiar e promover alimentos saudáveis”, conclui.

O trabalho foi premiado na Scientific Sessions 2021, da American Heart Association, com a referência Paul Dudley White International Scholar de melhor resumo brasileiro. A pesquisa também foi agraciada como o melhor tema livre oral na categoria Jovem Pesquisador do Congresso Brasileiro de Cardiologia, promovido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Financiaram a pesquisa o ministérios da Saúde e da Ciência, Tecnologia e Inovações, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Saúde do adulto
O Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto é uma investigação multicêntrica composta de 15 mil servidores de seis instituições públicas das regiões Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil. A pesquisa tem o propósito de investigar a incidência e os fatores de risco para doenças crônicas, em particular, as cardiovasculares e o diabetes.

Em cada centro integrante do estudo, os voluntários – com idade entre 35 e 74 anos – fazem exames e entrevistas quadrienais para avaliar a saúde e obter informações sobre aspectos como condições de vida, trabalho e comportamentos que podem afetar a saúde, como a dieta. Em Minas Gerais, o Centro de Pesquisa fica no Hospital Borges da Costa, anexo ao Hospital das Clínicas da UFMG. Ele é coordenado pelas professoras Sandhi Maria Barreto e Luana Giatti, da Faculdade de Medicina.

Tese: Consumo de laticínios e alimentos ultraprocessados e risco de morte: resultados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil)
Autora: Fernanda Marcelina Silva
Orientadora: Sandhi Maria Barreto
Coorientadora: Luana Giatti Gonçalves
Data da defesa: 26 de maio de 2022

Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG


 

Jogo Rápido 

Feras da Sustentabilidade: o meio-ambiente como protagonista de sucesso do seu negócio!
Nos últimos tempos, a sustentabilidade tem feito cada vez mais parte da vida das pessoas. Garantir recursos para as gerações futuras deixou de ser apenas uma ideia e vem determinando como se deve produzir e o que será consumido. No “futuro”, não haverá espaço para produções insustentáveis e um número cada vez maior de consumidores já escolhe os produtos se baseando neste conceito. A questão é: vamos esperar o “futuro” chegar para “nos mexermos” quanto a isso? A agropecuária, sobretudo a bovinocultura, já vem sendo alvo de diversas provocações neste sentido. Isso faz com que, além dos consumidores, as empresas olhem com mais critério para a matéria-prima que adquirem e, neste contexto, o pagamento por sustentabilidade passa a ser uma realidade tão distante assim. Contudo, por ser um tema ainda distante da realidade da maioria das fazendas, o conhecimento de muitas pessoas sobre sustentabilidade é raso. Muito se fala da importância do meio ambiente, de garantir recursos, mas, na prática, é possível que o produtor tenha também retorno financeiro que justifique o investimento? A resposta é sim! Não é à toa que todas as fazendas Top 100 — que sempre estão na vanguarda da inovação — aplicam pelo menos uma medida sustentável em suas propriedades. Mas como explorar este conceito na sua fazenda ou nas que atende? Descubra no MilkPoint Experts, Feras da Sustentabilidade! Nesta imersão online vamos explorar, de modo holístico, as formas como os produtores de leite brasileiros podem, dentro de suas realidades, adotar técnicas de sustentabilidade ambiental. Mas vamos além: falaremos como eles podem ganhar dinheiro com isso. O futuro vai chegar e ter um conhecimento superficial sobre este assunto não será o suficiente. Nós apostamos que a sustentabilidade será mais que um diferencial em pouco tempo, passando a ser um determinante para produzir alimentos. Quando este “futuro” chegar, como você, produtor de leite, vai estar? Através de um programa inédito, traremos o que há de mais atualizado no tema, indo bem além da superficialidade que normalmente acompanha esse assunto. Clique aqui para saber mais sobre o evento! Reuniremos o que você precisa saber hoje sobre o tema. Traduziremos na prática os conceitos. Associados Sindilat/RS tem 20% de desconto, clicando aqui. (Milkpoint)
 

 
 
 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.