Pular para o conteúdo

04/08/2022

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 04 de agosto de 2022                                                        Ano 16 - N° 3.716


Pequenos laticínios movimentam economia local

Dos cerca de 12 milhões de litros de leite que o Rio Grande do Sul produz todos os dias, em torno de 2 milhões de litros são destinados à produção de queijos. No Estado, são fabricadas 250 toneladas de queijos por dia, 60% das quais em laticínios de médio e pequeno porte. Tradicionalmente, são estas agroindústrias que têm no queijo e outros derivados seus produtos principais, uma vez que não conseguem volume e nem capacidade de investimento para industrializar leite UTH ou leite em pó. 

O presidente da Associação das Pequenas e Médias Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil), Humberto Doering Brustolin, afirma que a entidade congrega 35 laticínios que concentram esta produção. Segundo ele, as indústrias de médio porte, com litragem maior, atuam nos queijos commodity (muçarela e prato), e as pequenas em queijos especiais, que demandam mais mão de obra e menos matéria-prima. 

Doering acredita que o aumento do interesse na produção de queijo atende às regras do mercado no caso de laticínios, mas vê o movimento das grandes empresas neste sentido como um entendimento das oportunidades que o produto oferece. O dirigente destaca a importância das pequenas queijarias, na parceria que fazem com a agricultura familiar para a captação do leite e naquilo que contribuem para a economia dos municípios onde atuam. "São empresas genuinamente gaúchas, que fomentam o comércio local e geram empregos e renda", defende. 

O presidente da Apil também destaca a relevância da atualização nos custos do produtor para fixar o preço de referência do leite, hoje por volta de R$ 3,00 o litro. Para Doering, a melhor remuneração do produtor é fundamental para a sobrevivência da cadeia leiteira, que vem lidando com o abandono do homem do campo à atividade. "Se não houver produtor interessado em produzir leite, não haverá o que industrializar e o consumidor vai sentir a falta dos alimentos", pondera. 

Um dos exemplos de agroindústria que representa o papel citado por Doering, é a Queijaria Somacal, localizada na Vila Caravaggio, em Farroupilha. Inaugurada há 15 anos, a queijaria tem parceria com sete famílias que lhe entregam diariamente 3 mil litros de leite, os quais garantem a produção diária de 300 quilos de queijo. Marcelo Somacal, proprietário do laticínio, diz que dá preferência aos produtores que alimentem o gado leiteiro com mais pastagens do que com suplementação. 

Um veterinário do estabelecimento acompanha as famílias no manejo dos animais, para assegurar um leite de alta qualidade, apto a produzir queijos de elevado padrão. O leite mais rico em sólidos e gorduras entregue pelos parceiros a Somacal é utilizado na produção de queijos especiais, como o colonial, os queijos temperados, o queijo coalho. O soro do queijo o produtor usa em produtos como as ricotas e ricotas temperadas, destinando o restante para o mercado de nutrição animais. A família Somocal já teve o próprio tambo, mas há alguns anos decidiu se especializar na produção dos queijos. Estudo e experiência foram compensados neste ano com a premiação de dois queijos da marca na Expoqueijo 2022, em Araxá, no Triângulo Mineiro. 

O queijo colonial ao vinho ganhou a medalha de ouro no Araxá International Cheese Awards, na categoria queijos aromatizados de massa cozida jovem. O queijo parmesão ficou com a medalha de bronze, na categoria queijo de leite de vaca pasteurizado de casca lisa madurado. “São produtos de grande valor agregado, que têm dado destaque para o nosso trabalho”, encerra. (Correio do Povo)


Parque Assis Brasil já em ritmo de Expointer
 
Das licitações que precisam ser feitas para colocar a 45ª Expointer de pé, uma foi 100% concluída e já está em execução pela empresa vencedora. É a que fica no guarda-chuva infraestrutura. A subsecretária do parque Assis Brasil, Betty Cirne Lima, resume:
 
- Isso aqui (parque) está um canteiro de obras.
 
Quando apresentou a proposta para licitação com três eixos temáticos, aos moldes do formato usado para a realização do Brazil South Summit, Betty tinha como meta chegar ao início deste mês já com as contratações feitas. Embora não tenha sido possível, a subsecretária avalia que o processo tem sido muito bem-sucedido. Ela conta que o trabalho seguiu com rigidez o cronograma estabelecido:
 
- Quando a gente fez a projeção, os prazos eram muito justos. Por mais que não se tenha 100% pronto, está tudo bem encaminhado.
 
A contratação da empresa que ficará responsável pela bilheteria está quase pronta. A para fornecimento de bebidas, "no final". As licitações para o parque de diversões e os voos panorâmicos resultaram desertas nas primeiras tentativas. Se necessário, poderá haver dispensa.
 
Com o novo modelo, além da agilidade (com a redução do número de processos), a ideia é ter melhores resultados.
 
- Pelo andamento, a gente tem a indicação de que de fato teremos benefícios financeiros e uma melhor otimização de processos e economia de sistema e hora-homem. Considero que a gente atingiu a meta - diz Betty.
 
O secretário de Agricultura, Domingos Velho Lopes, acrescenta que há grande procura pelos espaços da feira. Sobre as inscrições de animais de argola (5.093), avalia:
 
- É a vontade do produtor de se reencontrar. (Zero Hora)
 

EUA: produção de leite deve terminar o ano abaixo dos níveis de 2021

A produção de leite dos EUA está a caminho de terminar o ano levemente abaixo de um ano atrás. O relatório de produção de abril a junho do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) mostra que a produção de leite caiu no trimestre. Os produtores dos EUA coletaram 26,26 bilhões de quilos, meio por cento abaixo do mesmo trimestre do ano passado. A queda se deve em parte a menos vacas leiteiras - 87.000 cabeças a menos que no ano passado. 
 
A quantidade de leite por vaca também está crescendo a um ritmo mais lento devido aos custos de alimentação mais altos, à seca contínua no oeste e ao estresse térmico. A indústria ainda conseguiu aumentar a produção de leite por vaca em quatro dos primeiros seis meses de 2022. 
 
Enquanto isso, o último relatório de armazenamento a frio mostra que, no final de junho, os estoques e armazéns totais de queijo caíram em relação ao mês anterior, mas ainda estão 5% acima do ano anterior. Esse é o maior relatório de armazenamento total de queijos de junho que já vimos. Mas é um pouco menor do que no mês passado. 
 
Do outro lado desse espectro, todas as categorias de queijo, exceto o suíço, mostraram um aumento de 5%. Há mais de um ano, o queijo suíço aumentou 9%. Então, ainda está sendo registrado ganhos ano após ano. Ainda assim, existem alguns indícios de baixa, mas ainda está mostrando alguma luz no fim do túnel. Os estoques de manteiga subiram 3% em relação ao mês passado, mas estão 20% abaixo do mesmo mês do ano passado. (As informações são do Dairy Herd Management, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint)


Jogo Rápido 

Expointer - Gadolando contabiliza 175 animais
A raça Holandesa participará da 45ª Expointer com 175 exemplares. A feira, que ocorre de 27 de agosto a4de setembro, no Parque Assis Brasil, em Esteio, contará com 19 criadores de 16 municípios gaúchos e de um paranaense. Conforme a Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), a grande novidade será o espaço para as vacas de pelagem vermelha e branca, que ganharão destaque. O julgamento da raça ocorrerá nos dias 31 de agosto e 1º de setembro. “Há uma grande expectativa para esta iniciativa, que será bastante útil ao desenvolvimento dessa variedade no Estado e servir para aumentar sua participação em exposições”, observa o vice-presidente técnico da Gadolando, José Ernesto Ferreira. O julgamento estará a cargo do norteamericano Marc Bolen, produtor e analista de touros da Select Sires. (Correio do Povo)


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.