Pular para o conteúdo

30/06/2022

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 30 de junho de 2022                                                          Ano 16 - N° 3.693


Argentina: rebanho leiteiro perdeu mais de 30% das vacas nos últimos 15 anos
 
Em 2006 e 2007 o rebanho leiteiro argentino tinha 2,15 milhões de animais. Depois veio a seca de 2008/09, as múltiplas intervenções do kirchnerismo (filosofia política atribuída a Néstor Kirchner e sua esposa Cristina Fernández de Kirchner, ambos ex-presidentes da Argentina) no mercado interno e nas exportações de lácteos e o desastre econômico geral em que o país está preso desde pelo menos 2011 até aqui.
 
Ao longo dos últimos 15 anos, esse conjunto de condicionantes gerou diversos períodos de perdas econômicas e desestimulou investimentos entre produtores que possuem menor escala ou produtividade de suas fazendas leiteiras. É por isso que em 2021 o rebanho de vacas leiteiras somou apenas 1,5 milhão de animais.
 
O que aconteceu com aquelas vacas? Isso acontece toda vez que atingem sua vida útil como produtoras de leite e são encaminhadas ao abatedouro para descarte. Os argentinos as comeram. Muitas delas também acabaram no mercado de exportação da chamada vaca velha para a China, um negócio que aumentou significativamente de 2018 até hoje.
 
O número de vacas é fundamental para a possibilidade de crescimento da produção e do rebanho futuro. As medições feitas por analistas como Marcos Snyder mostram que o aumento da oferta de leite é muito maior e mais rápido pela incorporação de animais do que pela melhoria produtiva dos animais ordenhados.
 
A Argentina tem caminhado nos últimos 15 anos na direção oposta. Eles têm vacas mais produtivas, mas muito menos quantidade e é por isso que a oferta de leite não dá o salto que deveria.
 
Essa queda no número de vacas foi ainda mais intensa do que a perda no número total de fazendas leiteiras. Há 15 anos eram 11.500 unidades de produção e no ano passado eram 10.070. A queda foi de 12%.
 
Mas quando a atividade dos estabelecimentos leiteiros é segmentada por porte, observa-se que continua ocorrendo um intenso processo de concentração, o que implica a saída dos menores produtores e o aumento das unidades maiores e mais tecnológicas.
 
A esse respeito, destaca o relatório da OCLA: “Pode-se verificar que as 360 fazendas leiteiras do estrato com mais de 10.000 litros de produção diária produziram uma média de 18.408 litros por dia durante o mês de maio. Eles representam 3,6% do total de fazendas leiteiras e contribuem com 22,9% da produção total. Isso é quase 28% a mais do que o leite fornecido pelas 5.400 fazendas leiteiras de menos de 2.000 litros por dia, e que são 53,6% do total de fazendas leiteiras, que representam 17,9% da produção nacional”.
 
O relatório, por sua vez, indica que entre 2010 e 2021 as pequenas propriedades leiteiras que produzem menos de 2.000 litros reduziram sua participação na produção nacional em 34%, enquanto as grandes, que oferecem mais de 10.000 litros por dia, multiplicaram sua participação na oferta total por 4. (As informações são do Bichos de Campo)


Linhas de crédito do Plano Safra auxiliam no fomento da sustentabilidade agrícola brasileira, diz CBI
 
Certificadora de títulos verdes avaliou as principais linhas de financiamento oferecidas e o alinhamento destas à taxonomia verde da Climate Bonds Initiative
 
Uma análise da Climate Bonds Initiative (CBI) mostrou que aproximadamente R$ 9 bilhões, ou seja, 69% das linhas classificadas como linhas de apoio à agricultura de baixa emissão de carbono e linhas de apoio às práticas sustentáveis, tomadas dentro do Plano Safra 2020/2021, estão alinhadas com os critérios de elegibilidade da certificadora, indicando parâmetros de adicionalidade compatíveis com uma economia de baixo carbono. Outras linhas analisadas foram classificadas pela CBI como parcialmente alinhadas à taxonomia da CBI e não foi identificada linha completamente desalinhada com a taxonomia da CBI.
 
A CBI firmou um Memorando de Entendimento com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para analisar a destinação de recursos de algumas linhas de crédito oferecidas pelo Plano Safra e o alinhamento destas à taxonomia verde da CBI. O documento foi assinado em 2019 e renovado este ano, visando apoiar o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo aos empreendimentos agrícolas que adotam práticas sustentáveis e processos produtivos.
 
Segundo avaliação da CBI, a maior parte das linhas apontadas pelo estudo da Secretaria de Política Agrícola “A Contribuição do Plano Safra para o Fortalecimento de Sistemas Produtivos Ambientalmente Sustentáveis” estão integralmente alinhadas à taxonomia da CBI, favorecendo o crescimento da agricultura com bases sustentáveis, gerando benefícios, como o aumento da produtividade (efeito poupa-terra), redução de emissão de gases estufa, prevenção e recuperação de perdas na produção agropecuária, racionalização do uso dos recursos naturais e de insumos, recuperação e conservação dos solos, tratamento de dejetos e resíduos da agricultura, reflorestamento, recomposição de áreas de vegetação nativa, redução do desmatamento, adequação das propriedades à legislação ambiental e geração de energia limpa nas propriedades.
 
A CBI tem expertise no desenvolvimento de padrões, políticas e estruturas de certificação de títulos climáticos, sendo a única certificadora de títulos verdes no mundo. Criada em 2013, a taxonomia da CBI é uma ferramenta cujo principal objetivo é orientar os agentes na identificação de projetos e ativos que contribuam para uma economia de baixo carbono alinhados com as metas do Acordo de Paris e da limitação ao aumento das emissões de gases de efeito estufa a 1,5 graus Celsius até o final do século.
 
O alinhamento dos parâmetros de sustentabilidade dessas linhas em consonância com a taxonomia da CBI demostra a relevância do Plano Safra para o crescimento da produção agropecuária e para adoção e disseminação das tecnologias sustentáveis no Brasil.
 
Estudo
No ano passado, a Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Mapa elaborou o estudo “A Contribuição do Plano Safra para o Fortalecimento de Sistemas Produtivos Ambientalmente Sustentáveis”. No levantamento, foi analisado quais as linhas de financiamento e qual o montante de recursos que foram tomados pelos produtores rurais e por elos das cadeias produtivas do setor que contribuíram para a adoção de tecnologias sustentáveis, fundamentais para o constante aumento da produtividade, redução do custo da alimentação e conservação ambiental.
 
Foram identificados como mais sustentáveis o Programa ABC (Programa de Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura), Pronaf Floresta (Crédito de Investimento para Sistemas Agroflorestais), Pronaf Agroecologia (Crédito de Investimento para Agroecologia), Pronaf Bioeconomia (Crédito de Investimento em Sistemas de Exploração Extrativistas de Produtos da Sociobiodiversidade, Energia Renovável e Sustentabilidade Ambiental), Pronaf Semiárido (Crédito de Investimento para Convivência com o Semiárido), Proirriga (Programa de Financiamento à Agricultura Irrigada e ao Cultivo Protegido), Moderagro (Programa de Modernização da Agricultura e Conservação dos Recursos Naturais), Moderfrota (Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras), Inovagro (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária), PCA (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns) e Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira).  (MAPA)

Plano Safra vai ter R$ 340,88 bilhões
O governo federal anunciou, ontem, o novo Plano Safra para o período 2022/2023. Com R$ 340,88 bilhões para o financiamento do setor agropecuário, os recursos são 36% superiores aos recursos do ciclo passado.
 
- É o plano mais robusto da história - definiu Guilherme Bastos Filho, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, ao afirmar que o desenho do programa foi um trabalho intenso entre equipes.
 
O lançamento do programa foi realizado no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro, dos ministros Paulo Guedes, da Economia, e Marcos Montes, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e do presidente do Banco do Brasil, Fausto Ribeiro, entre outras autoridades.
 
O montante total prevê R$ 246,28 bilhões para custeio e comercialização e R$ 94,60 bilhões para investimentos. O volume dos juros controlados será de R$ 195,70 bilhões. O percentual é 18% superior ao do ano passado.
 
A agricultura familiar, por meio do Pronaf, terá R$ 53,61 bilhões - também o maior volume da história. O incremento é de 36% sobre os valores de 2021/2022. Os juros, antes de 3% e 4,5% ao ano, foram elevados para 5% e 6% ao ano.
 
Os médios produtores, via Pronamp, contarão com R$ 43,75 bilhões, com juros de 8% ao ano, também superiores aos 5,5% ao ano do ciclo passado. Já os demais produtores contam com R$ 243,52 bilhões e taxas de 12% ao ano - ante 7,5% ao ano no último Plano Safra.
 
Ao apresentar as cifras, Bastos destacou que os juros aplicados no plano são todos abaixo da taxa básica da economia, a Selic, que serve de referência para o crédito.
 
Definida às vésperas da virada do novo ano safra, que tem início amanhã, a costura do programa lançado ontem foi marcada por incertezas, principalmente em relação à capacidade orçamentária para garantir o volume de recursos aportados. O aumento da Selic também pesou na definição. O ciclo 2021/2022 chegou a ter linhas suspensas devido ao esgotamento de recursos.
 
O ministro da Agricultura destacou que o montante é adequado ao momento em que o setor enfrenta altos custos de produção e dificuldades de abastecimento por produtos que vêm do Exterior. (Zero Hora)

                                         


Jogo Rápido 

Desemprego recua a 9,8% em maio e tem menor taxa para o trimestre desde 2015, diz IBGE
 A taxa de desemprego no Brasil manteve a trajetória de queda registrada nos últimos meses e caiu para 9,8% no trimestre finalizado em maio de 2022, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo diante do recuo, o percentual ainda representa que 10,6 milhões de profissionais estão fora da força de trabalho, um recuo de 11,5% ante o trimestre anterior, ou 1,4 milhão de pessoas a menos no grupo de desempregados no país. No ano, a queda do desemprego é 30,2%, menos 4,6 milhões de pessoas desocupadas. De acordo com os dados apresentados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o número de pessoas ocupadas, de 97,5 milhões, é o maior da série histórica, iniciada em 2012, e mostrou alta de 2,4% na comparação com o trimestre anterior e de 10,6% na comparação anual. Isso equivale a um aumento de 2,3 milhão de pessoas no trimestre e de 9,4 milhões de ocupados no ano. Para a coordenadora de pesquisas por amostra de domicílios do IBGE, Adriana Beringuy, houve um crescimento expressivo e não isolado da população ocupada no trimestre encerrado em maio. "Trata-se de um processo de recuperação das perdas que ocorreram em 2020, com gradativa recuperação ao longo de 2021. No início de 2022, houve uma certa estabilidade da população ocupada, que retoma agora sua expansão em diversas atividades econômicas", avalia ela. A pesquisadora ressalta ainda que os aumentos da ocupação vêm ocorrendo em diversas formas de inserção do trabalhador, tanto entre os informais quanto entre os com carteira de trabalho. "O contingente de trabalhadores com carteira vêm apresentando uma recuperação bem interessante, já recompondo o nível pré-pandemia", diz Adriana. Os dados mostram que, a partir do quarto trimestre de 2021, começou a se observar um processo de recuperação da população ocupada em atividades como construção, indústria, agricultura e serviços relacionados à tecnologia da informação e comunicação e serviços financeiros. (Correio do Povo)
 

 
 
 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.