Pular para o conteúdo

O valor de referência projetado para o leite no mês de julho é de R$ 1,7086, 1,35% abaixo do consolidado de junho (R$ 1,7319). Os dados apresentados nesta terça-feira (27/07) pelo Conseleite levam em conta os primeiros dez dias do mês e refletem o início da safra aliado a um período de custos elevados no campo e na indústria, o que garantiu estabilidade de preços. Segundo o professor da UPF Marco Antônio Montoya, o cenário de insumos em alta deve segurar os preços em um patamar mais estável durante a safra, garantindo um cenário atípico com dois anos seguidos de valores mais altos (2020 e 2021). “Os gráficos mostram o impacto da pandemia, com valorização do preço do leite puxado pela elevação das commodities no mercado internacionais”, explicou.

Lideranças dos produtores indicam que grãos, silagens, medicamentos e arrendamento de terras tiveram reajustes, prejudicando a margem da atividade leiteira. Situação similar à vivenciada na indústria, com alta de embalagens, insumos, combustíveis e, principalmente, pela necessidade de repasse aos produtores. “Precisamos que os preços do leite ao mercado consumidor permaneçam nesses níveis. Depois de um primeiro semestre operando sem margens na indústria, o setor está no fio da navalha. Não há como voltar ao preço do leite de um ano atrás”, ressaltou o coordenador do Conseleite, Alexandre Guerra.

As dificuldades de receita fizeram com que muitos criadores deixassem a atividade nos últimos meses o que, de certa forma, deve evitar excedentes demasiados na safra. A opção foi substituir o leite por atividades mais lucrativas, como o cultivo de grãos e oleaginosas.

Enquanto isso, o setor segue o debate na tentativa de enxugar custos. Uma das opções debatidas durante a reunião do Conseleite foi a ampliação do uso de pastagens cultivadas, o que reduziria os desembolsos com grãos e silagem. Apesar da tentativa, os produtores alegam que o desenvolvimento está aquém do esperado em função de fatores climáticos.

Foto em destaque: Carolina Jardine 

O valor de referência previsto para o leite no Rio Grande do Sul em junho é de R$ 1,7150, alta de 5,28% em relação ao mês anterior (R$ 1,6289). A projeção foi apresentada na reunião virtual do Conseleite desta terça-feira (22/06) e leva em conta os primeiros dez dias do mês. Segundo o professor da UPF Marco Antônio Montoya, a elevação foi puxada por vários produtos do mix, incluindo leite UHT e queijos. A tendência fica mais evidente na comparação dos últimos 12 meses, quando vários produtos acumularam alta de mais de dois dígitos (junho 2020/junho 2021). “De abril a junho, tivemos uma recuperação significativa dos preços”, frisou, alertando que o movimento reflete o aumento de consumo.

A série histórica de preços do Conseleite, acrescentou Montoya, coloca 2021 com o maior patamar já registrado pelo colegiado no Rio Grande do Sul. Considerando valores corrigidos pelo IPCA, o leite em 2021 atingiu o pico de R$ 1,5230. A marca anterior era de 2020, com R$ 1,4862.

O coordenador do Conseleite, Alexandre Guerra, explicou que o movimento de recuperação é somatório de diferentes fatores: o aumento do consumo, a injeção de recursos do auxílio emergencial, a volta às aulas presenciais e a queda na produção no campo. Contudo, alertou que o consumidor brasileiro está menos capitalizado neste ano. “Com a inflação, o brasileiro tem menos recursos do que tinha em 2020”. Para os próximos meses, indicou Guerra, a expectativa é de manutenção do mercado nesse patamar. “O leite é um produto muito volátil. Precisamos que esses parâmetros se mantenham para recuperar a margem do setor, que vem operando com custos muito elevados”. Entretanto, a reversão da questão cambial e o aumento do custo do leite nacional podem voltar a estimular as importações e, consequentemente, atingir os preços logo adiante.

Guerra lembrou que o valor divulgado pelo Conseleite é apenas um parâmetro e serve como uma tendência para as tabelas das empresas, que geralmente operam acima desse patamar. “É preciso entender que os custos das indústrias subiram muito. Os primeiros cinco meses do ano foram muito difíceis no setor industrial”, ponderou.

Foto em destaque: Carolina Jardine 

O valor de referência do leite projetado para maio com base nos primeiros dez dias do mês é de R$ 1,5260 no Rio Grande do Sul. O indicador foi divulgado na manhã desta terça-feira (25/05) durante reunião virtual do Conseleite e já foi calculado com base nos novos parâmetros de custo aprovados pela Câmara Técnica.  O valor indica elevação em relação ao consolidado divulgado para abril (R$ 1,4509). O coordenador do Conseleite, Alexandre Guerra, explicou que a alta justifica-se basicamente pela mudança de parâmetro, que impactou em 6% o valor de maio uma vez que, se calculado nos padrões anteriores (2016), o litro ficaria em R$ 1,4393.

Até abril, o Conseleite trabalhava com parâmetros de custo de 2016. A partir de maio, o colegiado passa a utilizar indexadores referentes a 2019. O professor da UPF Marco Antonio Montoya salientou que a mudança no valor de referência ocorreu na segunda casa decimal. Contudo, no acumulado do ano, as oscilações se mantêm em estabilidade. “Foi um trabalho árduo de recálculo aprovado por unanimidade na Câmara Técnica”, ponderou Montoya.

A tendência do mercado lácteo gaúcho é de recuperação. “A volta às aulas presenciais, o pagamento do auxílio emergencial e a redução da produção nacional são fatores que, somados, ajudaram a retomada”, ponderou Guerra. No campo, também há sinais de recuperação com elevação da captação no Rio Grande do Sul. Apesar do otimismo com o clima que vem favorecendo as pastagens, a situação da pandemia ainda exige atenção para possíveis instabilidades no consumo.
 
Foto: Carolina Jardine

Em plena entressafra, o valor de referência do leite para abril no Rio Grande do Sul está projetado em R$ 1,4330. O indexador representa elevação de 0,85% em relação ao consolidado de março (R$ 1,4209). A previsão foi apresentada na manhã desta terça-feira (27/04) na reunião mensal do Conseleite e considera dados coletados nos primeiros 10 dias do mês de abril.

Segundo o professor da UPF Eduardo Finamore, o primeiro quadrimestre de 2021 indica estabilidade do valor de referência, com índices um pouco acima dos praticados em 2020 em função da inflação. Descontando o IPCA do período, os indicadores estão abaixo dos patamares praticados em 2020. “Em 2020, os preços tiveram elevação impulsionados pela pandemia e pela alta dos custos de produção”, justificou.

O coordenador do Conseleite, Alexandre Guerra, indicou que, diferente do movimento tradicional de alta característico deste período do ano, o cenário é de equilíbrio. “Tínhamos a expectativa de que o mercado desse uma reagida, mas não é o que está acontecendo. Estamos com retração puxada pelo cenário nacional que vem do centro do Brasil”, argumentou. Segundo Guerra, há registro de alta de custos expressiva no setor industrial, com variações de 35% a mais de 100% dependendo do item em apenas um ano.

Durante a reunião, Farsul e Fetag manifestaram-se pela urgência na atualização dos custos de produção utilizados para cálculo no Conseleite. O presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, alertou que os parâmetros utilizados pelo Conseleite são de 2016. Frente a isso, Farsul e Fetag abstiveram-se de validar os dados do Conseleite de abril, sendo os mesmos aprovados por maioria no colegiado. O professor da UPF Marco Antonio Montoya informou que a equipe técnica que atua nos indexadores já está trabalhando em uma revisão e que os novos parâmetros serão implementados nos dados a serem apresentados na reunião de maio. Os novos custos remontam ao ano de 2019, o que exige o início imediato de mais uma revisão. Segundo Guerra, o trabalho deve começar já na sequência com previsão de atualização para breve.

Crédito da foto em destaque: Carolina Jardine

Uma ferramenta que vem sendo utilizada em seis estados brasileiros na tentativa de estabelecer um diálogo permanente entre produtores de leite através de suas entidades, indústrias de laticínios também representadas por suas entidades foi o tema em foco na manhã desta quarta-feira (14/04), no 1° Seminário Conseleites, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que teve o objetivo de ouvir experiências dos colegiados já estabelecidos, subsidiar os recém formados e incentivar sua adoção a partir da união de outras entidades do país. O encontro reuniu mais de 50 instituições que têm presença efetiva no setor lácteo, o que deve fomentar o debate sobre o propósito do Conseleite no estabelecimento de referências de valor do produto em uma cadeia produtiva responsável por 34 bilhões de litros de leite por ano, presente em 98% dos municípios brasileiros e com aproximadamente 4 milhões de produtores.

O evento on-line transmitido pelo YouTube foi aberto pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que manifestou conhecimento sobre o trabalho que vem sendo feito pelo fórum de entidade no sentido de garantir segurança ao produtor em termos, custos de produção e projeção de cenários. “Essa é uma ferramenta para auxiliar toda a cadeia produtiva, mas mais importante ainda é que consegue promover a organização e união das entidades no fortalecimento da atividade", destacou. O secretário de Política Agrícola do Mapa, Cesar Halum, reforçou que o Conseleite tem como diferencial permitir tratar de forma mais incisiva as demandas do setor, principalmente nos quesitos custos de produção e precificação ao produtor. Lembrou ainda que o Mapa está formatando o Plano de Competitividade do Leite, com 25 metas estabelecidas, entre elas, está a consolidação do Conseleite.

A primeira parte da programação foi focada nos métodos utilizados para a formação de preços pelos Conseleites, cada um com suas peculiaridades uma vez que a produção de leite se difere bastante entre as regiões do país. Em comum a quase todos, no entanto, está a participação no colegiado de uma entidade independente, ou seja, que não tem o menor interesse comercial na questão dos preços (sem privilegiar produtor ou indústria). Esse é basicamente o papel técnico que as universidades exercem nos conselhos, a exemplo da UPF, no Rio Grande do Sul, e da UFPR, no Paraná. “O Conseleite traz informações de forma independentes aos entes da cadeia, não define preços, apenas indica valores de referência que são de livre adesão”, pontuou José Roberto Canziani, professor da UFPR, destacando como ponto positivo seus fundamentos básicos que permitem sua existência até hoje em prol da cadeia produtiva.

De acordo com Vânia Guimarães, também professora da UFPR e integrante do conselho técnico do Conseleite daquele estado, os Conseleites têm estatuto, regulamento e sem voto de minerva, apenas acordos entre as entidades. "Valores de referência são gerados a partir do faturamento das indústrias participantes, em um modelo técnico-econômico construído em conjunto”, reforçou a professora. Segundo ela, os parâmetros utilizados na formação do preço de referência levam em conta a qualidade e o volume do leite entregue. "Valor de referência não é preço mínimo, mas serve de base para a livre negociação", disse.

Marco Antonio Montoya, professor da UPF e responsável pela parte técnica que leva à formação de preços de referência no Conseleite RS, destaca que em sua análise são considerados parâmetros como custos e sistemas de produção e que a divulgação dos preços se dá sobre um amplo mix de produtos. Também indica qual a participação da matéria-prima na composição do produto. “É um trabalho totalmente isento, transparente e que não beneficia a ninguém”, sustentou. O coordenador do Conseleite RS, Alexandre Guerra, destacou que o colegiado gaúcho reúne 18 integrantes, entre entidades representativas de produtores, indústria e câmara técnica que é composta por Emater e a UPF, essa responsável pelos cálculos. “Nos reunimos mensalmente em encontros onde os números são abertos, tanto de valor como em volume, fazemos análises de mercado, projeções e tendências com base em cenários. Sendo divulgado somente a circular com os valores de referência por newsletter, redes sociais e aos veículos de comunicação", afirmou. Segundo Guerra, um dos pontos positivos do fórum, além de traçar cenários e estabelecer preços de referência para livre negociação, é a união de diferentes entidades.

Ronei Volpi, presidente do Conseleite PR, lembrou que o trabalho do colegiado do seu estado tem repercussão em programas de governo, caso Leite das Crianças, iniciativa em que o governo compra até 200 mil litros de leite por dia e distribui às famílias paranaenses e utiliza os valores de referência divulgados pelo Conselho. Segundo Volpi, a região Sul foi pioneira na criação dos Conseleites, destacando que a atividade leiteira em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná cresce acima da média anual de outros estados. “Boa parte dessa evolução diz respeito à perseverança do bom relacionamento entre produtor e indústria".

Para o coordenador geral de Planos e Cenários da SPA/Mapa, Eduardo Mazzoleni, o encontro nacional buscou ampliar a harmonização entre produtores e indústrias e estimular a adesão das entidades na formação de colegiados semelhantes em todo o país. Para o dirigente, que mediou o debate na manhã de hoje, os Conseleites já instalados têm desempenhado um papel importante na consolidação da cadeia láctea e, por isso, são exemplos a serem seguidos para que outras representações possam iniciar processo de implantação em seus estados.
O 1° Seminário Conseleite foi uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Política Agrícola (SPA), Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados e Embrapa Gado de Leite.  

A reunião pode ser conferida na íntegra pelo link https://www.youtube.com/watch?v=ixYkZXzARIg

Municiar representantes da cadeia produtiva de lácteos de diversas partes do Brasil sobre o trabalho que vem sendo realizado pelos Conselhos Paritários Produtores/Indústrias de Leite dos Estados (Conseleites) e incentivar a formação de novos colegiados em outras regiões do país. Com essa proposta, acontece nesta quarta-feira (14/4), a partir das 8h30, em formato on-line, o 1° Seminário Conseleites, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Política Agrícola (SPA), Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados e Embrapa Gado de Leite. O encontro poderá ser acompanhado em tempo real pelo link https://www.youtube.com/watch?v=ixYkZXzARIg.

De acordo com o coordenador geral de Planos e Cenários da SPA/Mapa, Eduardo Mazzoleni, o encontro tem a pretensão de ampliar a harmonização entre produtores e indústrias, algo que tem avançado nos últimos anos com a instalação dos conselhos, especialmente nas regiões Sul e Sudeste do país. “Costumo dizer que a cadeia láctea é como um trem. Quando um vagão apresenta problemas compromete todos os demais’, sintetiza para mostrar a importância da interação e redução dos conflitos de interesses entre todos os elos da cadeia.

Segundo Mazzoleni, os conseleites em atuação hoje no Brasil têm desempenhado um papel importante na consolidação da cadeia láctea e, por isso, devem servir de exemplo positivo para outras representações estaduais para que também possam iniciar processo de implantação do colegiado. “Queremos fortalecer e ampliar a proposta do Conseleite, um fórum permanente de discussões sobre assuntos de interesse tanto do produtor como da indústria", afirmou.

Para o coordenador do Conseleite RS, Alexandre Guerra, o encontro vai oportunizar a cada um dos conselhos presentes relatar suas experiências, dificuldades e conquistas ao longo dos anos, espelhando a atuação para os demais representantes que pretendem implantar o mesmo fórum de entidades em seus estados. "O Conseleite fornece ferramentas para que se entenda melhor a questão do mercado atual e traçar cenários dentro das expectativas colocadas por todos os agentes da cadeia láctea", destacou, ao salientar que o colegiado está consolidado como uma referência estratégica nas discussões e ações do segmento nos estados onde já existe.

Programação

08h30 às 08h40 - Abertura

08h40 às 09h20 - Método dos Conseleites - Vania Di Addario Guimarães e José Roberto Canziani - Professores – Universidade Federal do Paraná (UFPr)

09h20 às 09h30 - Método dos Conseleites - Marco Antonio Montoya - Professor - Universidade de Passo Fundo (UPF)

09h30 às 10h00 - Método de formação dos indicadores Cepea - Natália Salaro Grigol - Pesquisadora - Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP)

10h00 às 10h15 - Perguntas

10h15 às 10h25- Experiências do Conseleite PR - Wilson Thiesen e Ronei Volpi - Presidente e Vice-Presidente - Conseleite Paraná

10h25 às 10h35 - Experiências do Conseleite MG - Yago Silveira Sartori, Eduardo Pena e Ronaldo Scucato - Presidente e Vice-Presidentes – Conseleite Minas Gerais

10h35 às 10h45 - Experiências do Conseleite RS - Alexandre Guerra e Rodrigo Rizzo - Presidente e Vice-Presidente – Conseleite Rio Grande do Sul

10h45 às 10h55 - Experiências do Conseleite MS - Eliamar Oliveira e Paulo Fernando Pereira Barbosa - Analista Técnica da Federação Agricultura Pecuária Mato Grosso do Sul (Famasul) e Vice-Presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Mato Grosso do Sul (Silems)

10h55 às 11h10 - Experiências da Câmara Técnica e de Conciliação da Cadeia Láctea de Goiás - Antônio Carlos de Souza Lima Neto, Edson Alves Novaes e Alcides Augusto de Fonseca - Secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás, Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) e Presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado de Goiás (Sindileite-GO)

11h10 às 11h20 - Experiências do Conseleite SC - Valter Antonio Brandalise e José Carlos Araujo - Presidente e Vice-Presidente – Conseleite Santa Catarina

11h20 às 11h30 - Conseleite: coordenação e gestão de risco na cadeia do leite - Glauco Carvalho - Pesquisador – Embrapa Gado de Leite

11h30 às 12h05 – Encaminhamento

12h05 às 12h15 - Encerramento

A alta de custos de produção no campo e na indústria preocupa o setor lácteo gaúcho, que se reuniu na manhã desta terça-feira (23/02) em encontro mensal virtual do Conseleite. O colegiado informou que a projeção do valor de referência do litro para fevereiro é de R$ 1,3710, queda de 4,40% em relação ao consolidado de janeiro (R$ 1,4341). Apesar da redução, o indicador está 17% acima do patamar do mesmo mês de 2020. “A expectativa é que os preços fiquem estáveis ao longo do ano”, ponderou o professor da UPF Eduardo Finamore.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, alertou que as indústrias estão trabalhando com margens negativas como resultado de um mix de fatores, como a retirada do auxílio emergencial, a suspensão da volta às aulas e uma elevação generalizada de custos, além da concorrência com os produtos importados. “Estamos vivendo um cenário incerto. Nossa única certeza é o custo elevado. Diferentemente de anos anteriores, não temos aquela expectativa de que, depois do Carnaval, o ano vai decolar”, lamentou. Com a recente alta dos combustíveis, o dirigente teme por um efeito em cascata e forte impacto na inflação. “O ano de 2021 será de margens ajustadas para todo mundo”, confirmou.

Presidindo a reunião, o secretário do Conseleite, Tarcísio Minetto, prevê um cenário delicado para o futuro. “Os desafios são grandes principalmente com a alta do dólar e dos insumos”. Ele confia na retomada do auxílio emergencial, valor que pode ajudar a reaquecer o consumo das famílias. Por outro lado, espera que as restrições da pandemia possam ser flexibilizadas em breve com o avanço da vacinação.

Para aliviar a pressão sobre a produção, o setor acredita que será preciso chamar o governo, o varejo e as redes de fornecedores para o debate. “A indústria está no meio do mercado. Precisamos chamar setores paralelos para conversar. Vai sair produtor do setor, mas, se continuarmos assim, vai sair indústria também”, alertou Guerra.

Presente ao encontro, o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, clamou por maior união do setor lácteo por pautas coletivas e informou que os produtores estão com muita dificuldade de se manter no mercado, o que deve resultar em uma nova debandada da atividade. “Não temos a receita pronta, mas esse colegiado tem que se preocupar com as pessoas, com as famílias que estão no meio rural”, pontuou. E pediu maior diálogo com o poder público. “Temos que fazer o governo entender que a importação nos mata”, disse.

Mudança na Coordenação

O Conseleite também aprovou, nesta terça-feira, a mudança em sua coordenação, conforme já definido em estatuto. A partir da próxima reunião prevista para o final de março, a presidência será assumida pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) e a vice-presidência, pela Federação da Agricultura do RS (Farsul), invertendo as posições mantidas até então.

Foto em destaque: Carolina Jardine

Operacionalizando um projeto que há anos vem sendo gestado, foi apresentado ao Conseleite o plano de criação de um indexador de custo de produção do leite no Rio Grande do Sul. Reunidos na manhã desta terça-feira (26/01), integrantes do colegiado validaram a sugestão de metodologia para o indexador desenvolvida pela Emater em parceria com o Departamento de Economia e Estatística (DEE) do governo do Estado, antiga FEE. O trabalho está sendo capitaneado pelo economista e pesquisador do DEE Rodrigo Feix e pelo gerente  técnico da Emater, Jaime Ries. A partir de agora, a proposição entra em fase de ajuste fino.

A ideia é ter um levantamento robusto com dados coletados em todo o Rio Grande do Sul. O indexador seguirá o sistema de outros indicadores de preço. A expectativa é que, em um primeiro momento, o levantamento seja avaliado internamente, e que a divulgação oficial ocorra ainda em 2021. “Esse é um projeto antigo dentro do Conseleite e será mais uma ferramenta, junto com o valor de referência, para que o setor possa avaliar e planejar as suas ações e auxiliar principalmente o produtor que tanto necessita de uma previsibilidade”, colocou o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini.

A notícia, informou o presidente do Conseleite, Rodrigo Rizzo, é um grande avanço na compreensão sobre a rentabilidade da atividade leiteira. “Tínhamos duas metas claras quando assumimos o Conseleite: abrir novos mercados no exterior e a revisão dos dados da Câmara Técnica. Acho que avançamos bastante”.

Valor de referência

Durante a reunião do Conseleite, também foi divulgado o valor de referência projetado para o leite no Rio Grande do Sul. De acordo com dados apurados pela UPF, o litro no mês de janeiro foi estimado em R$ 1,4391, 4,92% abaixo do consolidado em dezembro de 2020 (R$ 1,5135).  O professor da UPF Marco Antonio Montoya pontua que, apesar da redução, o indicador está acima dos patamares históricos para o mês de janeiro. “Nos últimos três meses, os valores estão praticamente estáveis”, constatou.

A tendência é que o mercado se mantenha com estabilidade. Com a manutenção da pandemia, o teletrabalho persiste com impacto direto no consumo. Outro fator que preocupa é o encerramento do auxílio emergencial às famílias em dificuldade em função da Covid-19. “O cenário está delicado. Estamos com valores mais elevados, mas, por outro lado, os custos também estão impactando o produtor e a indústria”, alertou o vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, confiante de que a volta às aulas virá com a retomada do consumo.

Foto: Reprodução

O valor de referência estimado para o leite no Rio Grande do Sul em novembro é de R$ 1,4834, 1,89% abaixo do consolidado em outubro (R$ 1,5119). A projeção foi divulgada durante reunião virtual do Conseleite realizada nesta terça-feira (24/11). Apesar da leve queda, os preços estão acima dos patamares de 2019. Considerando a variação da inflação (IPCA), o valor de referência do leite no ano (janeiro-novembro) é de R$ 1,3992, 19,45% acima do índice do mesmo período de 2019. Contudo, alerta o professor da UPF Eduardo Finamore, o custo operacional do leite subiu mais do que o índice inflacionário em 2020. “Isso mostra um forte aumento dos custos de produção do setor lácteo em função das commodities dolarizadas”, ressaltou. 

O presidente do Conseleite, Rodrigo Rizzo, indicou que o setor lácteo viu subir a régua de preços em função do aumento de custos e do consumo das famílias em 2020. A grande dúvida, agora, é sobre a tendência nos próximos meses uma vez que a captação no campo está em queda na casa de 10% . O professor da UPF Marco Antonio Montoya indicou que o mercado deve passar por ajustes nos próximos meses, mas não há indicação de voltar aos patamares de 2019. “O que vai acontecer com o leite é um cenário que vamos ter que avaliar nos próximos meses”, ponderou confiante em um repique de desenvolvimento do PIB mundial.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, prevê um cenário de equilíbrio no final do ano, principalmente no leite UHT. E alertou: a certeza para 2021 é aumento de custos. “O milho e o farelo subiram, mas as embalagens também tiveram reajuste expressivo. Precisamos seguir produzindo e fazer as coisas girarem. Vamos viver cada mês de uma vez”, ponderou.

O secretário do Conseleite, Tarcísio Minetto, completou que, além dos custos, a seca nos campos gaúchos sinaliza para um verão de gastos adicionais com a nutrição das vacas. “Do ponto de vista da produção, é preocupante. Esperamos que a situação de clima se reverta”.  Um alerta é para a baixa qualidade da silagem que está estocada nas propriedades, o que exige investimento adicional em grãos e vem, inclusive, causando o descarte de animais.

Depois de quatro meses de elevação, o valor de referência do leite projetado para outubro no Rio Grande do Sul é de R$ 1,5482, retração de 5,18% em relação ao consolidado de setembro (R$ 1,6327). Apesar da redução, os valores seguem em patamares acima dos praticados em anos anteriores, fato motivado pela alta de custos no campo e na indústria. Os dados foram apresentados em reunião do Conseleite realizada nesta terça-feira (27/10) de forma híbrida, a primeira com presença física desde a chegada da Covid-19 ao Brasil. Coordenado pelo presidente do Conseleite, Rodrigo Rizzo, o encontro, ocorrido na sede da Farsul, em Porto Alegre (RS), seguiu as mais rígidas normas da prevenção.

O temor do setor é com o impacto dessa retração de preços frente à elevação de custos de insumos. Além dos grãos, há diversos outros itens com valores sendo reajustados rotineiramente, como embalagens, ingredientes e medicamentos. Também há preocupação, alertou Rizzo, com a falta de itens essenciais para manter a produção, já que produtores relatam dificuldade para aquisição de produtos básicos como o milho, por exemplo. “Ainda estamos sofrendo os efeitos da seca do último verão e isso se agrava com o alerta de La Niña”, informou Rizzo.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, ponderou que a redução do auxílio emergencial de R$ 600,00 para R$ 300,00 já traz impacto no mercado, além do aumento das importações de lácteos. Segundo Guerra, as aquisições de leite importado passaram de um patamar de 10 mil toneladas/mês, antes da pandemia, para mais de 23 mil toneladas em setembro. “Estivemos em reunião com o Ministério da Agricultura e pedimos para que o tema seja monitorado porque as importações estão vindo com mais força”, alertou. Guerra sinalizou que a alta do preço no mercado interno tornou os importados mais competitivos mesmo com a valorização cambial. Com maior escala por propriedade, Argentina e Uruguai, por exemplo, vêm conseguindo reduzir custos.

O professor da UPF Marco Antonio Montoya informou que há uma correlação direta entre o comportamento dos preços no Rio Grande do Sul e o verificado em outros estados, como Santa Catarina e Paraná, que também sinalizam retração para outubro.

Foto em destaque: Carolina Jardine