Pular para o conteúdo

         

 
 


 

Porto Alegre, 16 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.127

 

Setores reforçam posição de manter os 100% dos créditos presumidos
Em reunião do dia 15/10, coordenada pelo secretário da Agricultura Ernani Polo juntamente com os secretários Carlos Burigo e Tarcisio Minetto e o deputado relator da PL 214/2015 Elton Weber, os presidentes das cadeias produtivas do leite, frangos, bovino de corte e suínos reiteraram que os setores não tem espaço para nenhuma redução dos créditos presumidos, caso contrário a indústria gaúcha vai perder a competitividade com os outros estados e consequentemente reduzir os seus investimentos bem como os produtores rurais poderão desistir das suas atividades. O secretário geral do Governo Sartori, Carlos Búrigo, informou que o Executivo não trabalha com corte de 30% dos créditos presumidos de forma integral a todos os setores envolvidos no PL 214. A matéria está em tramitação na Assembleia Legislativa. Segundo ele, o projeto em questão visa apenas dar condições do governo Sartori  fazer alterações naqueles segmentos onde há espaço para ajustes fisicais. E garantiu que qualquer mudança levará em conta as dificuldades enfrentadas pelos diferentes segmentos. "Não temos nada certo sobre as mudanças para os setores. Sabemos das dificuldades e que esse setor não tem nenhum espaço a ser mexido. Vamos levar isso em conta. O governador reconhece que esse é um setor importante", pontuou, referindo-se ao agronegócio.  Ao lado dos colegas  Ernani Polo (Agricultura), e Tarcísio Minetto (Desenvolvimento Rural) e do deputado Elton Weber, Búrigo ainda reconheceu a importância do setor primário para a economia do RS e a relevância dos setores ali representados. Contudo, pontuou as dificuldades financeiras do Estado e o esforço que vem sendo feito para evitar colapso nos serviços e das contas públicas. "O Rio Grande do Sul tem que ser competitivo. Tem que ser, no mínimo, igual aos outros estados. Esse conceito temos que divulgar entre as pessoas que trabalham com as legislações.", salientou. 
Durante o encontro, o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, juntamente com o seu primeiro vice-presidente Guilherme Portella e o diretor da Italac Lenormand da Silva pontuou a incerteza que tal projeto traz ao empresariado que pretende investir no Rio Grande do Sul. "Se tenho um investimento a ser feito, isso me traz uma grande insegurança. Nossos setores precisam de uma definição. Caso contrário, não se mexem", alertou ao lado do secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini. Guerra ainda sugeriu aos líderes do Executivo a ampliação da fiscalização sobre as agroindústrias de "beira de estrada", o que permitará uma concorrência mais justa entre os diferentes agentes de mercado. Tal medida, salienta o executivo, ainda ampliaria o potencial de arrecadação tributária do Estado, uma vez que incluiria diversas empresas que, hoje, atuam na ilegalidade. Pelo setor produtivo, também se fizeram presentes dirigentes da Asgav, Sips, Sicadergs e Apil. (Assessoria Sindilat)
 
(Caroline Jardine)
 
 
Chuva sobre chuva

O tamanho exato dos estragos causados pelo tempo na produção gaúcha só será conhecido depois que a chuva der trégua. Neste momento, equipes da Emater têm dificuldade até de chegar nas localidades afetadas para fazer um levantamento dos prejuízos. O mau tempo também impediu que o sistema criado para a comunicação de perdas por parte dos escritórios regionais fosse acessado ontem. Entre as culturas afetadas estão trigo, arroz, frutas, folhosas e tabaco (leia ao lado).
- Os pedidos de Proagro devem aumentar bastante - avalia Lino Moura, diretor técnico da Emater, em relação às solicitações de seguro feitas à entidade para o trigo, que chegavam a 1.862 há duas semanas. Prejudicado pela geada de setembro, o trigo deverá ter colheita reduzida em volume e qualidade. Nas lavouras de arroz, o plantio está atrasado. Ainda há tempo para recuperação e a possibilidade de replantio - isso, claro, quando o tempo colaborar. O diretor técnico da Emater estima que a retomada do trabalho só possa ocorrer dentro de 10 dias. Na Ceasa de Porto Alegre, antes mesmo dos temporais do últimos dias, a oferta de alface havia sido reduzida à metade, ainda reflexo do mau tempo registrado há duas semanas, e o preço estava 115% mais caro.- O produtor havia tido problemas com as chuvas registradas entre 20 de setembro e 1º de outubro. Alguns chegaram a perder 100%. Agora, esperava-se a recuperação. Mas a maioria está com as lavouras debaixo d'água - explica Ailton dos Santos Machado, que é diretor técnico e operacional da Ceasa. Também produtor de folhosas em Águas Claras, em Viamão, ele teve quebra de 70% na propriedade. Assim como a Emater, Machado estima que ainda serão necessários dias - pelo menos de dois a três - para que se tenha avaliação precisa dos danos causados pelos temporais de agora. (Fonte: Zero Hora)

Horário de verão começa no próximo domingo em nove Estados e no DF

BRASÍLIA ¬ 15/10/2015 às 14h45 Horário de verão começa no próximo domingo em nove Estados e no DF Atualizada às 16h45 para corrigir a informação sobre o Tocantis. O Ministério de Minas e Energia, diferentemente do que havia afirmado mais cedo, esclareceu que o Estado não terá a mudança de horário. Abaixo a nota corrigida: O horário de verão 2015/2016 terá início à zero hora do próximo domingo, dia 18, quando a população de nove Estados e do Distrito Federal deverá adiantar relógios em uma hora. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), a mudança de horário vai durar até a meia¬noite do dia 21 de fevereiro de 2016, quando os ponteiros deverão ser atrasos em uma hora. O horário especial entrará em vigor nas regiões Sul, Sudeste e Centro¬Oeste: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. No Brasil, o horário de verão tem como principal objetivo racionalizar a infraestrutura energética, com postergação de investimentos em novas fontes de produção, conforme informou nesta quinta¬feira o ministério. Em nota, o órgão federal destacou que o horário diferenciado, no período do ano de maior incidência de raios solares, é adotado há décadas em dezenas de países do mundo, muitos deles com o propósito de economizar energia em sistemas onde a geração termelétrica, mais cara, é predominante. "Embora seja importante a economia absoluta no consumo de energia, especialmente no atual período de estiagem que levou ao acionamento de usinas térmicas mais caras, o horário de verão se justifica principalmente pela mudança do horário de pico de consumo, que normalmente ocorre das 18h às 21h", informou o MME. O ministério ressaltou que, além de poupar investimentos no sistema elétrico, o horário de verão traz outros benefícios, tais como: o aumento da segurança operacional ao evitar a sobrecarga das redes de transmissão, a maior flexibilidade operativa em manutenções e a redução de cortes no fornecimento em situações de emergência. O governo estima que o horário de verão evita um custo de investimento de R$ 7 bilhões no sistema elétrico. Este recurso seria necessário para atender a uma demanda adicional de 2.610 megawatts (MW). Ainda segundo o MME, a adoção da medida nos últimos dez anos tem possibilitado uma redução média de 4,5% na demanda no horário de pico e uma economia total de 0,5%, o que equivale ao consumo mensal de energia da cidade de Brasília - com 2,8 milhões de habitantes. (Valor Econômico)

Supremo barra inclusão de 'emendas jabutis' em MPs

O Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional ontem a inclusão das chamadas "emendas jabutis" na votação de medidas provisórias (MPs) pelo Congresso, para conversão em lei. Os "jabutis" são emendas incluídas por parlamentares que não têm qualquer relação com o tema original da norma encaminhada pelo Executivo. A decisão do STF só vale daqui para a frente, ou seja, não anula emendas anteriores. Os ministros entenderam que, se o julgamento invalidasse artigos incluídos no passado, isso levaria à revogação de milhares de dispositivos legais, causando insegurança jurídica. O Supremo analisou ontem uma ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Confederação Nacional das Profissões Liberais para contestar o artigo 76 da Lei 12.249/2010, que altera regras do exercício da profissão contábil. O artigo foi inserido pelo Congresso na conversão em lei da Medida Provisória 472/2009, encaminhada pelo Executivo para tratar de um assunto totalmente diverso: a instituição de um regime especial de incentivos para o desenvolvimento da indústria petrolífera nas regiões Norte, Nordeste e Centro¬Oeste. Por sete votos a três, os ministros negaram o pedido da confederação de anular o artigo, mantendo sua validade. Ficaram vencidos os ministros Rosa Weber, Marco Aurélio Mello e o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, que concordavam com a demanda da ação de derrubar o dispositivo. "Introduziu¬se um artigo nesta MP que não tem nada a ver com a profissão de contabilista. Contrabandearam uma matéria absolutamente estranha", sustentou Lewandowski. "Inconstitucionalidade mais clara que esta não pode existir. Essa introdução de matéria absolutamente estranha e que não tem nenhuma urgência", acrescentou. Mas a maioria dos ministros entendeu que não seria possível anular todas as emendas incluídas como jabutis no passado. O ministro Edson Fachin sugeriu que, para garantir segurança jurídica, o STF deveria deixar claro que o entendimento só vale para o futuro. Ao proclamar o resultado do julgamento, os ministros explicaram que a ação foi julgada "improcedente", mas com "cientificação do Poder Legislativo que o Supremo Tribunal Federal afirmou", com efeitos daqui para a frente, "não ser compatível com a Constituição a apresentação de emendas sem relação de pertinência temática com medida provisória submetida à sua apreciação." Diversos ministros criticaram a inclusão, nos textos de MPs, de artigos sem qualquer relação com o tema original da norma. "É um costume parlamentar que claramente se formou contra a Constituição e se mostrando juridicamente inadmissível", disse o ministro Celso de Mello. "Pela primeira vez estamos considerando inconstitucional um costume parlamentar, o que é interessante", comentou Lewandowski. O presidente do STF classificou a inclusão de contrabandos como "verdadeiro abuso legislativo, que distorce a função da medida provisória", ou seja, tratar de temas urgentes. (Valor Econômico)

Fundesa amplia indenizações

O Fundesa vai indenizar os criadores por casos de tuberculose e brucelose em bovinos machos com mais de 24 meses. A proposta do Conselho Técnico Operacional de Pecuária Leiteira foi homologada ontem. Até agora, eram indenizados apenas os casos de fêmeas com diagnóstico positivo. (Fonte: Correio do Povo)
 
No radar
O deputado Gabriel Souza (PMDB) tenta mediar acordo para os dois projetos de lei do leite - um na Assembleia e outro em análise na Casa Civil. Na segunda, reúne-se com representantes do setor e, depois, da Secretaria da Agricultura.
 (Fonte: Zero Hora) 

         

 
 


 

Porto Alegre, 14 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.126

 

Livro "Por que bebemos leite - Nutrição e História", de Almir Meireles, será lançado nesta semana

Vivemos uma era de extremos e radicalismos alimentares. Atualmente, as redes sociais e a internet propagam numa velocidade inédita teorias, receitas e dietas da moda que, sem qualquer fundamento, elegem produtos milagrosos, que passam a ser vistos como panaceia para todos os males. Para contrabalançar é preciso apontar vilões. Nos últimos anos, com a moda antilactose, o leite e seus derivados assumiram esse papel. 

É com conhecimento de causa que o especialista Almir Meireles, esquenta o debate no livro "Por que bebemos leite - Nutrição e História". Além de economista, o autor trabalhou como executivo de grandes empresas na área de laticínios no Brasil. Sua expertise o levou a escrever artigos em revistas e a publicar sete livros sobre o assunto. Mas ele é o primeiro a reconhecer que não tem sentido levantar bandeiras: "Eu não penso ou defendo que o leite seja um alimento perfeito e completo, como fui levado a crer durante muito tempo, capaz de suprir o organismo, infantil ou adulto, com tudo de que ele precisa em termos nutricionais, sem quaisquer restrições. Como todo o alimento, ele tem qualidades e limitações. Mas é uma alternativa importante numa dieta equilibrada".

Com esse ponto de partida, Almir Meireles viaja pela história do leite, cujo consumo iniciou-se há cerca de 7.500 anos. Fala dele na nutrição humana, levanta aspectos de conservação, cita as contribuições da pasteurização, aborda a questão das embalagens e da sustentabilidade na produção. A obra fala ainda de qualidade, do mercado e do desafio das empresas. Do ponto de vista industrial, explica características e diferenças do leite em pó, do esterilizado e do ultrapasteurizado, conhecido como longa vida.

Depois de acompanhar o que se publicou na última década sobre a intolerância à lactose, o autor aborda o tema sem constrangimento ou preconceito. E fala também de algo óbvio: dos benefícios do leite. Essa pluralidade, somada a informações precisas e relevantes, faz da obra uma referência no debate contemporâneo sobre o assunto. (Fonte: Milk Point)

 
 
Exportações do campo caíram 12% até setembro
Em queda desde janeiro nas comparações com os mesmos meses de 2014, a receita das exportações brasileiras do agronegócio não fugiu à regra em setembro, ainda pressionadas pela tendência de queda das cotações de grande parte das commodities agrícolas no mercado internacional. Mas o tamanho do tombo foi um pouco menor. De acordo com estatísticas da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic) compiladas pelo Ministério da Agricultura, os embarques do setor somaram US$ 7,24 bilhões, 12,7% menos que em setembro do ano passado. As importações registraram retração de 33,1%, para US$ 954 milhões, e como resultado o superávit mensal do campo diminuiu 8%, para US$ 6,28 bilhões. Segundo informou, em comunicado, a Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, apesar da queda observada a participação dos produtos no setor na receita total das exportações brasileiras aumentou de 42,3%, em setembro de 2014, para 44,8% no mesmo mês deste ano". No caso do chamado "complexo soja" (inclui grão, farelo e óleo), que lidera o ranking das exportações de produtos do agronegócio brasileiro, as vendas externas registraram em setembro deste ano uma redução de 1,2% sobre o mesmo mês de 2014, para US$ 1,97 bilhão. E, depois de meses consecutivos em queda na comparação com iguais períodos do ano passado, o item mais vendido desse grupo, a soja em grão, registrou um crescimento de 6,2%, para US$ 1,4 bilhão. Essa alta foi mais uma vez sustentada pela aquecida demanda da China, maior país importador da matéria-prima do mundo (ver matéria abaixo). A receita das exportações de óleo e de soja também aumentaram em relação a setembro do ano passado ¬ 87%, para US$ 11 milhões, segundo o ministério. Em volume, as vendas externas de soja em grão aumentaram 38,8% em setembro frente o mesmo mês do ano passado, enquanto as de óleo de soja cresceram 137,6% ¬ já os embarques de farelo de soja recuaram 10,2%. A receita das exportações de carnes (inclui bovina, de frango e suína), por sua vez, caiu 15,7% em setembro, para US$ 1,27 bilhão, ao passo que a dos embarques de açúcar e etanol diminuiu 36,8%, para US$ 614,5 milhões, e as das vendas externas de café caiu 17,5%, para US$ 507 milhões. Dos grupos que lideram as exportações do agronegócio, apenas os produtos florestais tiveram resultado mensal positivo. Seus embarques renderam 4,8% mais e alcançaram US$ 878 milhões. Principal mercado para as exportações brasileiras do agronegócio brasileiro, por causa da soja, a China importou do setor US$ 1,9 bilhão em setembro, alta de 20,7% frente ao mesmo mês de 2014, e reverteu a tendência de baixa observada nos últimos meses. Com isso, sua participação na balança comercial brasileira subiu de 18,9%, em setembro de 2014, para 26,1% no mês passado. Com os resultados de setembro, as vendas externas do agronegócio nacional caíram 11,8% nos primeiros nove meses do ano em relação a igual intervalo de 2014, para US$ 67 bilhões. As importações custaram US$ 10,1 bilhões, em queda de 20,1%, e o saldo positivo da balança do setor caiu 10,1%, para US$ 56,8 bilhões Sempre na comparação entre os nove primeiros meses deste ano e de 2014, as exportações brasileiras de soja e derivados (farelo e óleo) recuaram 16,3%, para US$ 24,4 bilhões, as de carnes caíram 14,5%, para US$ 10,9 bilhões e as de açúcar e etanol diminuíram 21,1%, para US$ 5,9 bilhões. (Fonte: Valor Econômico)

A América Latina é a segunda potência mundial em produção de proteína animal

Para 2050, deverão ser produzidas mais de 200 milhões de toneladas de proteína animal para satisfazer a demanda da crescente população mundial.
A região produz mais de 144 milhões de toneladas de carne, ovos e leite por ano. 
Somente o Brasil produz mais de 62 milhões de toneladas de proteína animal por ano.
 
 
Garantir a segurança alimentar no mundo é hoje, mais do que nunca, de vital importância e, para conseguir isso, a proteína animal é fundamental. A alimentação é um direito humano e a América Latina pode contribuir para a nutrição adequada da população.
 
No âmbito do Dia Mundial da Alimentação, a produção da proteína animal ganha relevância na região, que ocupa o segundo lugar mundial na produção de carne, leite e ovos - com mais de 144 milhões de toneladas anuais -, somente abaixo da Ásia, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Inclusive, dentro da América Latina, apenas seis países - Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Costa Rica e México - contribuem com 81,6% da produção desse tipo de proteínas, o que equivale a 118 milhões de toneladas. Diferentes associações e empresas dessas nações formam o Conselho Latino-americano de Proteína Animal (COLAPA), cujo objetivo é promover de modo proativo os benefícios da proteína animal, impulsionar sua produção e fomentar seu consumo.

"Contribuir para combater a fome e a desnutrição, cuidando dos recursos naturais com uma produção sustentável de proteína animal, é prioridade para os países nos quais o Conselho está presente, entre eles, o Brasil. A Assocon dá sua contribuição a esse processo multiplicando conhecimento e tecnologias aos pecuaristas, que estão na base da cadeia da oferta de alimentos, para que eles produzam mais e melhor", Alberto Pessina, Vice-Presidente da Associação Nacional dos Confinadores (ASSOCON), uma das entidades membro do COLAPA no Brasil.

Para o ano de 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que a população mundial será de 9 bilhões de pessoas. Para alimentar este crescente número de indivíduos, a produção anual de carne deve aumentar em mais de 200 milhões de toneladas até alcançar os 470 milhões, de acordo com a FAO.  

Do total da produção de carne, ovos e leite na América Latina, o Brasil contribui com mais de 26 milhões de toneladas de carne - bovina, suína, de frango, entre outras -; mais de 34 milhões de toneladas de leite; e mais de 2 milhões de toneladas de ovos. Segundo números da FAO, o Brasil tem uma produção anual de mais de 62 milhões de toneladas de proteína animal.

"As proteínas animais devem ser consumidas diariamente, pois nos permitem produzir mais defesas, ganhar massa muscular, melhorar a circulação, calcificar e enriquecer nossos ossos. A deficiência proteica é considerada um estado de desnutrição. Seus sintomas podem tornar-se muito graves e afetar todo o organismo. Nesse sentido, a cadeia produtiva deve estar alinhada para potencializar a oferta de proteínas animais de qualidade, envolvendo todos os elos - do produtor à indústria", conclui Pessina.

Produzir mais proteína animal, de qualidade e sustentável, permitirá enfrentar com maior eficácia a insegurança alimentar e romper o ciclo da pobreza, ação que a FAO impulsiona este ano no âmbito do Dia Mundial da Alimentação. (Fonte: Agrolink com informações de assessoria)

 
Queda forte do comércio eleva temor com a China
As exportações e importações da China caíram em setembro com a continuidade da fraca demanda global, um sinal de que a segunda maior economia do mundo ainda está enfrentando dificuldades, quando o fim do ano se aproxima. As exportações recuaram menos do que alguns economistas previam. Ainda assim, eles disseram que os dados são mais um sinal de que os dados do crescimento da China no terceiro trimestre, que devem ser divulgados na próxima semana, provavelmente ficarão abaixo da meta de Pequim, de cerca de 7% para todo o ano. "As exportações em setembro foram um pouco melhor que o esperado", disse o economista Ma Xiaoping, do HSBC, para quem os dados de comércio no fim do ano tendem a melhorar devido às vendas de Natal. "Mas se você excluir fatores sazonais, não vejo muita melhora na demanda global." Segundo dados oficiais, as exportações chinesas em dólar caíram 3,7% em setembro ante o mesmo período do ano anterior, depois de recuar 5,5% em agosto. Já as importações em setembro caíram 20,4% em relação a um ano antes, comparado com uma queda de 13,8% em agosto, informou a agência alfandegária. O superávit comercial em setembro subiu para US$ 60,3 bilhões ante US$ 60,2 bilhões em agosto. O Fundo Monetário Internacional divulgou que espera que a economia mundial cresça 3,1% este ano, o ritmo mais lento desde a crise financeira global e abaixo da previsão de 3,3% que o FMI fez em julho. A incerteza econômica generalizada está alimentando a volatilidade nos mercados de dívida, ações e câmbio em todo o mundo. As exportações da China foram bem melhores que as dos vizinhos Taiwan e Coreia do Sul, que tiveram fortes quedas em setembro, o que indica que a China está se aguentando num mercado fraco, segundo economistas. "Isso mostra a competitividade das exportações chinesas", afirma Shen Jianguang, economista da Mizuho. Huang Songping, porta¬voz da Administração Geral da Alfândega, disse que as exportações chinesas devem voltar a subir no quarto trimestre, após caírem no segundo e terceiro trimestres do ano. Ela disse ainda que a queda das importações tende a diminuir no quarto trimestre do ano, citando medidas adotadas por Pequim nas últimas semanas ¬ incluindo procedimentos mais fáceis de importação e impostos reduzidos ¬ destinadas a impulsionar o comércio. As economias com sede de crescimento estão preocupadas com o cenário da China, depois que o colapso no mercado acionário e a inesperada desvalorização do câmbio sacudiram os mercados globais. Pequim já cortou os juros cinco vezes desde novembro do ano passado, reduziu repetidamente o compulsório bancário e elevou os gastos do governo, em sua tentativa de impulsionar o crescimento. Até agora, o efeito dessas medidas tem sido limitado. As exportações chinesas, que já foram o principal motor de crescimento do país, vêm enfrentando mais obstáculos com a alta dos salários e dos preços da terra, além da ascensão de concorrentes de baixo custo do Sudeste Asiático. Economistas disseram que as exportações em setembro provavelmente teriam sido mais fortes caso não tivesse ocorrido uma explosão no porto de Tianjin, no nordeste do país, em agosto, e o fechamento temporário de fábricas no mês passado, antes de um desfile militar em Pequim, com o objetivo de reduzir a poluição do ar. A China não deve atingir este ano a sua meta de crescimento anual de 6% no comércio exterior, em relação ao ano passado, já menor que a meta de 7,5% estabelecida em 2014 e de 8% em 2013, ambas também não cumpridas, segundo economistas. Os dados de exportação de ontem são os mais recentes em uma série de números econômicos fracos da China nas últimas semanas. O índice oficial de gerentes de compras do país caiu em setembro pelo segundo mês consecutivo, as reservas estrangeiras recuaram em mais de US$ 40 bilhões no mês passado e o setor imobiliário continua enfrentando dificuldades. (Colaboraram Olivia Geng e Grace Zhu.) (Fonte: Valor Econômico)
 
Oferta de Petróleo
A agencia internacional de energia prevê que o excesso de oferta de petróleo continuará em 2016, refletindo desaceleração do crescimento de demanda. (Fonte: Valor Econômico)

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 13 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.125

 

Balança comercial: mesmo com dólar em alta, importações de leite em pó cresceram em setembro
A balança comercial de produtos lácteos teve um déficit de 1.800 toneladas em setembro, queda de 7,4% no déficit em relação a agosto. No entanto, em dólares, a balança comercial de lácteos apresentou superávit e, inclusive, teve aumento de 60% no saldo positivo. O superávit que havia sido de US$4,6 milhões em agosto, subiu para US$ 7,4 milhões em setembro. 

Tabela 1 - Balança comercial de lácteos - Setembro de 2015.

(MilkPoint)

Novamente, o maior volume das exportações foi de leite em pó integral, com cerca de 5.600 toneladas exportadas a um preço médio de US$5.761/ton, com quase todo o volume destinado ao mercado venezuelano.

Houve um crescimento expressivo nas importações de leite em pó em setembro: na soma dos volumes importados de leite em pó integral e desnatado, o crescimento foi de 53,7%, saindo de cerca de 5 mil toneladas em agosto para, aproximadamente, 7.700 toneladas em setembro. As importações de leite em pó, tanto integral quanto desnatado, tiveram origem majoritariamente do Uruguai (57,3%), seguido por Argentina (42,7%). Desde julho deste ano, Uruguai e Argentina tem mantido praticamente as mesmas participações nas importações brasileiras de leite em pó. A redução nas importações de queijos aliviaram o aumento nas importações de leite em pó: de agosto para setembro, o volume importado foi 42,4% menor, saindo de 2.700 toneladas para pouco mais de 1.500 toneladas importadas em setembro. Analisando as quantidades em equivalente-leite (a quantidade de leite utilizada para a fabricação de cada produto), a quantidade importada foi de 86,2 milhões de litros em setembro, alta de 9,9% em relação a agosto. Na mesma direção, as exportações em equivalente-leite tiveram alta de 7,4%, totalizando 65,7 milhões de litros. De janeiro a setembro deste ano, o déficit acumulado da balança comercial de lácteos em equivalente-leite é de cerca de 396,2 milhões de litros, mais do que o dobro do déficit apresentado ao longo do ano inteiro de 2014, que foi de 159 milhões de litros. O gráfico 2 a seguir apresenta este cenário, mostrando o histórico mensal do saldo da balança de lácteos 2014 x 2015.(Fonte: Milk Point)

MP que muda lei trabalhista deve ser votada na Câmara

A Câmara dos Deputados e o Senado Federal pautaram para esta semana quatro projetos com impacto econômico que têm alta ou muito alta probabilidade de se tornarem leis nos próximos 180 dias, segundo levantamento do grupo Estudos Legislativos e Análise Política do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap/Ello) para o Valor Política. Os principais destaques estão na Câmara, que analisa três propostas, sendo duas medidas provisórias (MPs) com chance de aprovação muito alta. A primeira (MP 680/2015) institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). A medida permite a redução da jornada de trabalho em até 30%, com redução proporcional do salário pago pelo empregador. A segunda proposta (MP 678/2015) amplia o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para ações no âmbito da segurança pública. O terceiro projeto (PL 6953/2002) diz respeito à proteção e à defesa do usuário dos serviços públicos. No Senado, outro projeto que tem chance alta de ser aprovado, de acordo com o Cebrap/Ello, é a Lei de Responsabilidade das Estatais, que estabelece regras de governança e indicação de integrantes para os conselhos administrativo e fiscal. Ao todo, 36 projetos com relevância econômica estão na pauta de votação em plenário ou em caráter terminativo nas comissões (quando não precisam passar pela análise do plenário). A projeção sobre o potencial de estas matérias virarem leis foi feita com base em modelo estatístico que considera o histórico de votações do Legislativo desde 1988. As comissões do Senado marcaram cinco audiências públicas para debater temas economicamente relevantes. Entre os destaques está a ida do prefeito do Rio, Eduardo Paes, nesta terça-feira, à Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI), que debate o papel da inteligência na segurança dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. Também na terça a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) discute o impacto das propostas sobre os contratos de terceirização em audiência com representantes da Confederação Nacional da Industria (CNI), Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC); Força Sindical e Central Única dos Trabalhadores (CUT); entre outros. Na quarta-feira, a Comissão de Serviços de Infraestrutura debate o processo de outorga para o uso do espaço físico sobre águas públicas, a cobrança sobre os atuais e futuros portos e as limitações aos investimentos em portos. Entre os convidados estão o diretor ¬geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Mário Povia. As comissões da Câmara dos Deputados marcaram 13 audiências públicas para debater temas economicamente relevantes. Entre os destaques está a convocação, pela CPI da Petrobras, do presidente da estatal, Aldemir Bendine, para audiência pública na quarta-feira. Nesta terça, a CPI dos Fundos de Pensão ouve o presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp) José Ribeiro Pena Neto. Na quinta-feira, está prevista a participação do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, no debate sobre a autorregularão do mercado de capitais brasileiro, na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio (CDEIC). No mesmo dia, a Comissão de Viação e Transportes discute a elevação da participação do capital estrangeiro com direito a voto das empresas de transporte aéreo. Entre os debatedores está o ministro-¬chefe da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha. Na quarta, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, vai à Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural para debate sobre o custo das sementes de milho, soja e outros produtos agrícolas. Na quinta, a Comissão de Educação debate o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, desenvolvido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O Decisão Legislativa é um serviço exclusivo, desenvolvido em parceria com o grupo Estudos Legislativos e Análise Política do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap/Ello), para acompanhar o processo decisório no Congresso Nacional sobre temas relevantes para a economia.(Fonte: Valor Economico)

Nobel de Economia premia análise de pobreza e consumo

Angus Deaton, economista britânico da Universidade de Princeton, nos EUA, é o vencedor do Nobel de Economia deste ano por seu trabalho pioneiro sobre o que determina a pobreza e como as pessoas tomam decisões de consumo. A Real Academia Sueca de Ciências disse que Deaton foi premiado "por sua análise sobre o consumo, a pobreza e a prosperidade". "Sua pesquisa mostra fôlego impressionante em suas abordagens: teoria básica; métodos estatísticos para teste de teorias; conhecimento aprofundado sobre a qualidade dos dados existentes; e amplo trabalho sobre a produção de novos tipos de dados." Deaton ingressa no grupo seleto de acadêmicos que venceram sozinhos o prêmio de 8 milhões de coroas suecas (US$ 980 mil). A obra de Deaton emprega técnicas estatísticas inovadoras para a compreensão do que motiva as pessoas em seus hábitos de consumo e como os governos podem melhorar o estímulo ao desenvolvimento econômico. Ele liderou o uso de dados microeconômicos mais precisos para entender o que ocorre numa economia como um todo, questionando hipóteses conhecidas e ajudando a resolver paradoxos aparentes na relação entre o consumo e a renda. "Os cientistas frequentemente torcem o nariz [para o Nobel de Economia] por não considerá¬lo científico", diz John Muellbauer, economista da Universidade de Oxford que já trabalhou com Deaton. "Esta é uma exceção, pois se trata de economia do mais alto nível, baseada em evidências." Por exemplo, junto com Muellbauer, Deaton compilou um sistema de equações que ajuda a entender como decisões do consumidor em relação a bens diferentes interagem. Isso é essencial para governos planejarem mudanças de políticas, como o corte de imposto sobre valor agregado de alguns produtos, uma vez que essas decisões têm efeitos variados sobre diferentes grupos de consumidores, dependendo do que eles compram. Ele construiu seu trabalho analisando a ligação entre consumo e renda abordada pelos vencedores do Nobel Franco Modigliani e Milton Friedman, para entender como mudanças na renda motivam mudanças no consumo. Ele alertou contra o uso de dados agregados para a economia como um todo para justificar decisões de política econômica importantes e expôs como é essencial entender o que acontece a diferentes grupos de consumidores, dependendo de suas idades ou níveis de renda. Orazio Attanasio, economista do University College, de Londres, disse: "Deaton é uma das poucas pessoas que entendem a fundo o comportamento de consumo, dos indivíduos e ao longo do tempo". Deaton defende a importância da formação de grandes conjuntos de dados sobre padrões de consumo para que se possa entender as determinantes da pobreza. Ao contrário do que se supunha, ele mostrou que o aumento da renda da população leva a uma melhor ingestão de alimentos. Como resultado, há pouca razão empírica para orientar programas de ajuda em direção apenas aos alimentos, em vez do crescimento da economia, conforme algumas agências recomendam.(Fonte: Valor Economico)
 
Lácteos: oferta global deve ser mais apertada no 1º semestre de 2016
Recuo das cotações estão freando produção, enquanto a demanda aumenta O Rabobank avaliou nesta semana que os fundamentos no mercado de lácteos devem apresentar mudanças a partir do primeiro semestre de 2016. Apesar do superávit atual, o banco espera "um estreitamento do mercado, uma vez que os preços baixos na Nova Zelândia e o recuo das cotações internacionais frearam a produção de leite, enquanto a demanda aumenta, em virtude justamente, dos preços mais baixos", afirmou o estrategista global de laticínios do Rabobank, Tim Hunt. Ele alerta que o fenômeno climático El Niño aumenta as chances de tempo desfavorável em importantes regiões produtoras. Em contrapartida, o fim das cotas da União Europeia e a desvalorização do euro podem levar a um aumento maior que o esperado na oferta. Hunt alerta também que "os riscos atualmente são exacerbados pela fraqueza da economia mundial, com a possível volatilidade dos mercados financeiros". Em compensação, o economista Tobin Gorey, do Commonwealth Bank of Australia, alerta que o mercado deve pelo menos esperar para avaliar os níveis de produção, já que, segundo ele, ainda não há notícias de queda. Segundo Gorey, a redução da produção é "apenas conceitual" até o momento e a "queda na safra da Nova Zelândia depende do abate de vacas e do declínio sazonal". (Fonte: Canal Rural)
 

 

    

         

 
 


 

Porto Alegre, 09 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.124

 

GEA detalha sistema de medição 
O Sindilat se reuniu nesta sexta-feira (9/10) com representantes da empresa alemã GEA para conhecer e avaliar o sistema de medição e coleta de amostras de leite, presente em mais de 25 países, para instalação em caminhões transportadores no Rio Grande do Sul. O objetivo é identificar um modelo que possa atender ao mercado lácteo local de forma eficiente a fim de melhorar o processo de coleta e transporte do alimento. "Para que possamos acessar cada vez mais o mercado internacional, precisamos melhorar a eficiência do processo de coleta de leite. Consequentemente, isso ira refletir no produto final", destacou o secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini.

Desenvolvido pela GEA Diessel, setor da empresa que atua junto à industria de bebidas, cervejeira e de laticínios, o sistema permite a coleta automática de dados importantes para o controle do processo de transporte do leite, desde o produtor até a industria. "Permite identificar desde a rota percorrida pelo transportador, a quantidade de leite coletado em cada fazenda até a temperatura que ele foi transportado", explicou o engenheiro de vendas da GEA, Rafael José Francisco. 
O encontro foi realizado na sede do Sindilat em Porto Alegre e contou também com a presença do gerente de vendas da GEA no RS e SC, Iloi Wasen e a consultora técnica do Sindilat, Letícia.(Assessoria Sindilat)

 
(Crédito: Vinicius Sparremberger)
 
 
Produção de leite longa vida subirá 1,5% em 2015 
A Associação Brasileira da Indústria de Leite Longa Vida (ABLV) espera desaceleração no crescimento da produção e nas vendas este ano. A organização estima que 2015 se encerre com 6,7 bilhões de litros de leite produzidos, um avanço de 1,5% em comparação com os 6,6 bilhões de litros verificados no ano passado. A receita do segmento deve subir 6,6% e somar R$ 16 bilhões - crescimento que deve ficar abaixo da inflação. De janeiro a setembro, o IPCA já acumula alta de 7,64%, segundo o IBGE. Em nota, a ABLV afirma que a menor taxa de crescimento da produção "não é nada confortável" para um segmento que vive com menor rentabilidade. - Por ser um produto de alto giro e margens baixas, esse quadro se agrava em momentos de crise, mas eu sou otimista - afirma, em nota, o presidente da associação, Cesar Helou. A razão para o otimismo é a confiança de que a crise econômica no Brasil não vai resultar em queda no consumo interno. - O leite longa vida vai se adequar ao bolso do consumidor - garante. Dentre os fatores positivos para o longa vida, a ABLV destaca o crescimento vegetativo no País e a substituição do leite pasteurizado e em pó de consumo direto pelo UHT. Além disso, o declínio do leite de consumo informal favorece o consumo de outros produtos, dentre eles o Longa Vida. A ABLV destaca que o market share do segmento alcançou 61,5% em 2014, alta de 4,9 pontos porcentuais desde 2005. Custo Separadamente, a Scot Consultoria informou que o custo de produção da pecuária leiteira subiu 1,4% em setembro, na comparação com o mês anterior. Este é o quarto mês consecutivo de alta nos custos. De acordo com a consultoria, a alta veio principalmente dos alimentos concentrados energéticos e proteicos, com destaque para o milho e o farelo de soja. O bom desempenho da exportação e o dólar valorizado têm sustentado os preços desses produtos. Na comparação anual, o custo de produção da pecuária leiteira teve alta de 8,8%. 
Fonte: Alcides Okubo Filho / Embrapa (8 de Outubro Canal Rural)

IBGE: produção de leite cresceu 2,7% em 2014; 

Sul tornou¬-se a maior região produtora O IBGE divulgou nesta sexta-¬feira (09/10) os dados da Pesquisa Pecuária Municipal, com informações sobre a produção brasileira de leite em 2014. Em 2014, a produção de leite foi de 35,17 bilhões de litros, representando um aumento de 2,7% em relação à registrada no ano anterior. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture ¬ USDA), o Brasil ocupou a quinta posição no ranking mundial de produção de leite em 2014, atrás da União Europeia, Índia, Estados Unidos e China. A Região Sul, pela primeira vez na série de dados, foi a região com maior produção do país. Em 2014, foi responsável por 34,7% da produção nacional, enquanto a região Sudeste produziu 34,6% do total. O Estado de Minas Gerais permaneceu como o principal produtor de leite em 2014, com 9,37 bilhões de litros, o que corresponde a 77,0% de toda a produção da Região Sudeste e a 26,6% do total da produção nacional. Na segunda colocação, figurou o Estado do Rio Grande do Sul, seguido pelo Estado do Paraná. A Região Centro¬ Oeste participou com 14,1%, com o Estado de Goiás na quarta posição nacional. Em termos municipais, a primeira posição continuou com Castro (PR), seguido pelos Municípios de Piracanjuba (GO) e Patos de Minas (MG). O preço médio nacional do litro do leite foi de R$ 0,96, gerando um valor de produção de R$ 33,78 bilhões em 2014. O maior preço médio foi encontrado na Região Nordeste, R$ 1,11, enquanto o menor, na Região Norte, R$ 0,82. A aquisição de leite por estabelecimentos industriais sob inspeção sanitária (municipal, estadual ou federal), em 2014, foi de 24,75 bilhões de litros. A diferença entre o total de leite produzido no Brasil, apurado pela Pesquisa da Pecuária Municipal, e a quantidade de leite cru adquirida pelos laticínios sob inspeção sanitária. Em 2014, a produção informal de leite foi de 29,6% do total produzido. É a primeira vez que o volume de leite informal fica abaixo de 30% A produtividade média da produção de leite no Brasil foi de 1.525 litros/vaca/ ano, em 2014, correspondendo a um crescimento de 2,2% em relação à observada em 2013 (1.492 litros/vaca/ano). A Região Sul apresentou a maior produtividade nacional, 2 789 litros/vaca/ano, um aumento de 4,3% em 2014, comparado ao ano anterior. As maiores produtividades ocorreram no Sul do País, destacando¬-se o Estado do Rio Grande do Sul com a maior produtividade nacional (3.034 litros/vaca/ano), seguido pelos Estados de Santa Catarina (2.694 litros/vaca/ano) e Paraná (2.629 litros/vaca/ ano). A menor produtividade foi encontrada no Estado de Roraima (345 litros/vaca/ano). Os Municípios de Araras (SP), Castro (PR) e Carlos Barbosa (RS) apresentaram as três maiores produtividades. Vacas ordenhadas. Do efetivo total de bovinos em 2014, 10,9% corresponde a vacas ordenhadas, um aumento de 0,5% comparado ao ano anterior, com as Regiões Sudeste e Nordeste apresentando as maiores participações: respectivamente, 34,4% e 20,6% do total nacional. Quanto às Unidades da Federação, Minas Gerais, Goiás e Bahia apresentaram os maiores rebanhos, com, respectivamente, 25,2%, 11,5% e 9,0% do total de vacas ordenhadas. O Brasil ocupou, em 2014, a segunda posição mundial em relação ao efetivo de vacas ordenhadas, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture ¬ USDA), ficando atrás apenas da Índia, que possui o maior rebanho de bovinos do mundo. As informações são do IBGE. (Fonte: MilkPoint)
 

Preços dos alimentos sobem pela 1ª vez em 18 meses, diz FAO
SÃO PAULO ¬ 08/10/2015 às 16h23 Preços dos alimentos sobem pela 1ª vez em 18 meses, diz FAO Os preços globais dos alimentos registraram em setembro a primeira alta em 18 meses, puxados pelos segmentos de açúcar e lácteos, afirmou hoje a Agência para Agricultura e Alimentação da ONU (FAO). Em seu Índice Preços dos Alimentos, divulgado mensalmente, os preços subiram do patamar de 155,1 para 156,3 no mês passado. Apesar do ganho de menos de 1%, é uma guinada na comparação com agosto, quando o indicador recuou 5,2%, na mais brusca queda em quase sete anos. Segundo a FAO, apesar do leve repique, o indicador ainda se mantém 18,9% inferior ao mesmo período do ano passado e também no patamar mais baixo em quase seis anos, devido à superoferta e demanda menor. A alta se deveu sobretudo aos preços mais elevados dos laticínios e do açúcar. No caso do açúcar, o índice registrou uma elevação de 3,2% em relação a agosto -- quando havia caído 10%. Os temores do impacto climático El Niño sobre a produção de açúcar no Brasil,l maior produtor mundial, têm pressionado as cotações internacionais, disse a FAO. A redução da safra tende a elevar o déficit do produto. Já o índice referente aos produtos de laticínio ficou 5% maior que em agosto, quando também havia caído 9,1%. Neste caso, a decisão de enxugar a oferta na Nova Zelândia, em resposta aos preços baixos, influenciou a reversão do indicador. (Fonte: Valor Economico)

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 08 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.123

 

Indústria de Leite Longa Vida mantém crescimento
 
Sem se abalar com o clima de pessimismo, a indústria de Leite Longa Vida (UHT) espera crescimento de vendas de 1,5% para este ano. Apesar de estar abaixo do ritmo histórico do setor (crescimento de 3,0 a 4,0% ao ano), o cenário é de otimismo. "Por ser um produto de alto giro e margens baixas, esse quadro se agrava em momentos de crise, mas eu sou otimista", diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Leite Longa Vida (ABLV), Cesar Helou. "Vamos fazer nosso dever de casa bem feito e manter um bom nível de crescimento", garante.
 
A projeção foi assunto de encontro na tarde desta quinta-feira (8/10) no Jockey Club São Paulo, onde os industriais reuniram-se para comemorar os 21 anos de fundação da ABLV, associação que reúne as 34 maiores empresas do setor, ou seja, 75% de todo o Leite Longa Vida processado e consumido no País. O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, representou o setor lácteo gaúcho no evento.
 
 Segundo a ABLV, o consumo de leite é bastante regular e os números mostram que a perda do poder aquisitivo da população não implicará redução de consumo porque os preços irão se adaptar ao poder de compra do consumidor. "O Leite Longa Vida vai se adequar ao bolso do consumidor", garante Helou.
O Leite Longa Vida já está presente em quase 90% dos lares brasileiros, representa 84% do leite fluido de consumo, categoria em que faz parte junto com o leite pasteurizado (16%). Quando o leite em pó de consumo direto é incluído na estatística, o Leite Longa Vida representa 61,5% do total de leite consumido no Brasil.
Hoje, 30% da captação do leite inspecionado - ou 6,5 bilhões de litros/ano - vai para a produção de Leite Longa Vida. Esse volume oferece à cadeia produtiva do leite um enorme alcance social - mais de 1 milhão de produtores, seus empregados e suas famílias, bem como milhares de trabalhadores nas áreas de transporte, indústria e comércio. Para 2015, estima-se uma produção de 6,7 bilhões de litros, um crescimento aproximado de 1,5%. Em 2014, a produção foi de 6,6 bilhões de litros, 3,4% a mais do que 2013 (6,385). O mercado movimentou perto de R$ 15 bilhões em 2014. Para 2015, espera-se R$ 16 bilhões.
(Com informações ABLV)
 
Crédito: Darlan Palharini

Leite em pó se aproxima de US$ 3 mil a tonelada
 
O mercado internacional está registrando altas consecutivas para os produtos lácteos. O pregão da GlobalDairyTrade dessa terça-feira (06.10) indicou alta de 9,9% nas cotações, com preços médios de lácteos em US$ 2.834,00 por tonelada. O leite em pó integral, principal item da balança internacional do setor, teve nova alta, chegando a US$ 2.824,00/tonelada, aumento de 12,9%. O leite em pó desnatado foi o que mais subiu, com crescimento de 13,4% alcançando valorização de US$ 2.267/tonelada.

O secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Darlan Palharini, pontua que os números indicam um forte aquecimento em função da queda na safra da Nova Zelândia e da menor oferta de produto no mercado internacional. Segundo ele, o Brasil precisa alinhar estratégias que permitam aos laticínios nacionais explorar esse mercado de forma a valorizar a produção. "O mundo hoje é um mercado só. O Brasil deve investir na exportação de lácteos para manter sua competitividade e elevar a rentabilidade da atividade, fortalecendo a todo o setor", pontua. (Fonte: Agrolink)

 
Itambé passa a integrar o Sindilat/RS
 
Reunião de associados realizada no dia 28 de setembro aprovou o ingresso da Itambé Alimentos no quadro do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat/RS). A empresa, formada pela parceria entre a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR-MG) e a Vigor, deve começar em breve a captação de leite no Rio Grande do Sul. Segundo o diretor de gestão e relações institucionais da Itambé, Ricardo Cotta, a empresa cresceu muito nos últimos dois anos, a taxa de 20% ao ano, e não poderia ficar fora do Rio Grande do Sul.

Atualmente, a Itambé capta 100 milhões de litros mês, que são processados em cinco plantas (quatro localizadas em Minas Gerais e uma em Goiás). O faturamento estimado é de R$ 3 bilhões/ano, com participação expressiva do processamento de leite em pó e um mix de mais de 120 produtos. (Assessoria Sindilat.)
 

 
GEA lança no Brasil seu sistema robotizado de ordenha MIone
 
A GEA está trazendo para o Brasil o seu sistema de ordenha robotizado MIone, solução focada na ordenha automática de alto desempenho, no conforto e segurança dos animais e na produção de leite de alta qualidade. O equipamento será apresentado ao mercado brasileiro durante a Agroleite 2015, evento que acontece entre os dias 20 e 24 de outubro, em Castro. (PR). 

Muitos são os benefícios proporcionados pelo MIone. Para as vacas, além da segurança, conforto e higiene, o sistema proporciona uma ordenha livre, sem horários programados. Por vontade própria, elas se encaminham ao equipamento pela necessidade de esvaziar o úbere e pelo estímulo de serem recompensadas com uma dose calculada de ração durante a ordenha. Essa nova dinâmica acaba com a necessidade dos horários fixos de ordenha, gerando flexibilidade para o produtor, redução da carga de trabalho, melhor qualidade de vida e otimização da mão de obra, que pode ser empregada em outras frentes do negócio.

Dentre os diferenciais do MIone, um dos destaques é o sistema Multibox, onde um único braço robotizado pode atender até cinco módulos de ordenha. "Dessa forma, o produtor tem a possibilidade de integrar novos boxes de acordo com o crescimento do rebanho", explica o gerente de produtos da GEA, Evandro Schilling.

Com relação ao braço robotizado do MIone, este é uma das principais marcas do sistema. Tal componente vem integrado com câmera 3D, que facilmente faz a leitura do teto e a memoriza, promovendo um acoplamento rápido e preciso das teteiras. Feito isso, todo o processo que envolve a estimulação, limpeza, secagem, pré-ordenha e ordenha acontece automaticamente em um único passo, dentro da própria teteira. E, adicionalmente, a boca da teteira é higienizada a cada ordenha e opcionalmente desinfetada em um processo de alta eficiência. "Caracterizado pela leveza e robustez, o braço robotizado ainda é silencioso e não permite que o conjunto de ordenha caia no chão. Isso impede a contaminação por bactérias e garante um alto nível de higiene na ordenha", completa Schilling.

De acordo com o gerente comercial da GEA, Pedro Hepp, a empresa optou por lançar esta inovação no Brasil por causa do atual estágio de desenvolvimento dos produtores de leite. "Percebe-se que eles estão cada vez mais abertos para investir em tecnologias que garantam eficiência, profissionalização e o total gerenciamento do negócio", esclarece o gerente da GEA. "Com o MIone, o produtor conta com múltiplos benefícios, pois a ordenha robotizada da GEA automatiza não apenas o processo de ordenha, mas todo o sistema, incluindo a detecção do cio, enfermidades e monitoramento alimentar. Assim, proporciona ao produtor e a sua equipe maior liberdade além de garantir uma produção com mais qualidade, sempre pautada no conforto e bem-estar animal." finaliza Hepp.
O papel do MIone, no entanto, não se limita à função de ordenha. Por meio de sensores precisos e robustos, o sistema realiza análises de alta precisão da qualidade do leite, individuais por teto, com base na condutividade, medição de cor, fluxo e volume. Um monitor touchscreen também lista todas as atividades da ordenha e do desempenho dos animais, possibilitando ainda que informações relevantes sejam transferidas via internet para o smartphone cadastrado. 

No quesito mobilidade, o MIone traz ainda o sistema Farm View, que permite o acesso remoto dos especialistas da GEA e viabiliza que estes analisem o processo de ordenha e, até mesmo, controlem as válvulas individuais, tudo de forma online. Para completar, é possível integrar o MIone ao sistema de gerenciamento de rebanho DairyPlan C21. Com ele, o produtor tem acesso à totalidade das informações estratégicas do seu rebanho.  (Fonte: Milkpoint)

 
NO RADAR
Como antecipou a coluna, o projeto de lei elaborado pela Secretaria da Agricultura para o leite, que engloba produção, coleta, transporte e venda, foi protocolado ontem na Casa Civil. A ideia é que o Executivo possa apresentar a proposta na próxima semana.

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 07 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.122

 

 Leite com Café
 
Reunido com o setor lácteo nacional, o representante da Receita Federal, apresentou na manhã desta quarta-feira (7/10), em Brasília, estudo desenvolvido com o objetivo de simplificar a forma de apuração e o aproveitamento dos créditos presumidos de PIS/Cofins. Representando o Sindilat, o diretor tesoureiro Angelo Paulo Sartor acompanhou o leite com café da manhã, que também reuniu parlamentares e lideranças. A ideia da Receita Federal é reduzir as diferenças de apuração e cobrança entre os diferentes setores e produtos.representante da receita federal 

Produção de leite da Nova Zelândia cai no ritmo mais rápido desde pelo menos os anos noventa

A queda na produção de leite da Nova Zelândia, cujas perspectivas de declínio têm sido um importante fator na recuperação dos preços globais, deverá ocorrer ainda mais rápido do que se pensava anteriormente - em seu nível mais acentuado desde pelo menos os anos noventa.

O Banco da Nova Zelândia (BNZ) expandiu para 6%, de 4%, a expectativa de queda nessa estação na produção de leite na Nova Zelândia. A previsão veio duas semanas depois de a Fonterra ter revisado sua previsão para queda na produção de leite em 2015-16, que começou em junho, para 5%, de 2%. A produção declinou em três estações até agora nesse século, mas nunca em mais de 3%, mostraram dados do BNZ.

O banco disse que essa redução nas expectativas seguiu uma produção menor do que a esperada de leite até agora nesse ano, até este mês, que tipicamente marca o pico sazonal na produção, o chamado "flush da primavera", ajudado pelas fortes condições de pastagens.

"A Fonterra notou que sua ingestão de leite caiu 8% em uma base semanal até setembro", disse o BNZ, citando condições de seca e o desincentivo aos produtores devido ao preço do leite, que alcançou seu menor valor em 13 anos no começo da estação. "A menor produção nesse ponto reflete uma combinação de clima desfavorável no inverno e começo da primavera, provavelmente menos vacas em lactação e baixo preço do leite".

O El Niño, que tem uma história de causar seca em algumas áreas importantes de produção leiteira, está gerando dúvidas sobre o futuro da produção. "A maior variação na oferta de leite anual ocorre na segunda metade da estação, durante o verão e o outono [no hemisfério sul]. É aí que as condições atuais do El Niño deverão prejudicar mais a produção, se de fato prejudicarem em alguma extensão".

Esses comentários seguem uma forte recuperação nos preços dos lácteos, que aumentaram 48% desde o começo de agosto nos leilões da GlobalDairyTrade, da Fonterra. "As expectativas de menor produção de leite na Nova Zelândia são pelo menos parte do forte aumento nos preços dos lácteos nos últimos dois meses".

A melhor previsão de preços tem potencialmente aumentado em NZ$ 2 bilhões (US$ 1,28 bilhões) as previsões de receitas com lácteos da Nova Zelândia, levando-as para um valor acima das de 2014-15. Entretanto, o valor "ainda será de mais de NZ$ 5 bilhões (US$ 3,21 bilhões) a menos do que o obtido nas duas estações anteriores e quase NZ$ 2 bilhões (US$ 1,28 bilhões) a menos que a média dos últimos cinco anos. 
Em 05/10/15 - 1 Dólar Neozelandês = US$ 0,57382 
1,54878 Dólar Neozelandês = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)
(Fonte: Agrimoney, traduzidas pela Equipe MilkPoint.)

PREÇO INTERNACIONAL DE LÁCTEOS TEM NOVA ALTA

Cotação do leite em pó integral em leilão subiu mais 12,9%, para um valor médio de US$ 2.824 por tonelada.
Os preços dos lácteos no mercado internacional voltaram a registrar valorização expressiva ontem no pregão quinzenal da plataforma Global Dairy Trade (GDT), que tem entre seus principais participantes a cooperativa neozelandesa Fonterra.

A cotação do leite em pó integral subiu mais 12,9% sobre o leilão anterior, para um valor médio de US$ 2.824 por tonelada, enquanto o leite em pó desnatado teve alta de 13,4%, para um preço médio de US$ 2.267, conforme dados divulgados pela plataforma. Os preços negociados nesse leilão são referência para o mercado internacional de lácteos.

O pregão de ontem teve 180 participantes e vendeu 35.243 toneladas de produtos lácteos. No leilão anterior, no dia 16 de setembro, houve 186 participantes e 36.050 toneladas de lácteos foram vendidas.

Com a nova valorização, o leite em pó brasileiro fica mais competitivo no mercado internacional, apesar de o dólar ter baixado em relação ao real nos últimos dias, dizem analistas.

Depois de atingirem baixas históricas em agosto, os preços dos lácteos no leilão da plataforma GDT começaram a subir em meados daquele mês, depois que a Fonterra, maior exportadora de lácteos do mundo, anunciou que reduziria suas ofertas nos pregões. O efeito foi imediato e houve alta em todos os leilões desde o anúncio.

Para Laércio Barbosa, do Laticínios Jussara, a nova valorização ainda reflete a estratégia da Fonterra de reduzir as ofertas de lácteos. Mas Valter Galan, analista da consultoria especializada em lácteos MilkPoint, considera que a alta de ontem já é resultado do aumento da demanda por lácteos por parte de países africanos e do Oriente Médio.

Além disso, segundo o analista, também há negociações com lácteos a preços mais elevados fora do leilão, o que influenciou os valores no pregão. Na Europa, por exemplo, tem havido negócios com leite em pó integral por entre US$ 2.600 e US$ 2.800 e na Oceania, a US$ 3.000 por tonelada.

A China, no entanto, um dos clientes que têm capacidade de influenciar os preços internacionais, continua fora do mercado, de acordo com Galan. Para o analista, a redução da oferta pela Fonterra tem influência nas cotações negociadas no leilão, mas não é mais a principal razão. Ele acrescentou que também começa a haver queda nos estoques de lácteos dos EUA, outro importante exportador de lácteos.
(Fonte: Valor Econômico, adaptado pela Equipe Milknet)
 

 
Estudo aponta que se governo concedesse à iniciativa Privada 42% dos R$ 198 bi anunciados, PIB avançaria R$ 256 bi
A concessão de apenas uma parte do Programa de Investimento
em Logística (PIL), lançado em junho pela presidente Dilma Rousseff, seria suficiente para dar novo gás ao Produto Interno Bruto(PIB), que neste ano deve cair 2,85%. Cálculos da GO Associados mostram que se o governo conseguisse conceder à iniciativa privada 42% dos R$ 198 bilhões anunciados, havería um incremento de R$ 256,4 bilhões no PIB do Brasil. Os dados, constantes no 5º Boletim Trimestral da Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (Apcop), mostram que, para cada R$ 1 investido, há um aumento de R$ 3 no PIB. A concessão de R$ 84 bilhões em estradas, aeroportos, ferrovias e portos criaria 4,9 milhões de novos postos de trabalho - até o segundo trimestre o setor havia perdido 700 mil empregos formais e informais por causa da crise econômica. "Quando uma empresa faz uma obra, ela compra insumos e contrata gente. É um círculo virtuoso, que terá impacto numa série de setores e atividades", afirma o sócio e economista da GO Associados, Gesner Oliveira. Segundo ele, os números que incluem apenas projetos considerados mais fáceis de serem implementados - são uma demonstração de como a infraestrutura pode contribuir para o crescimento da economia. Mas, apesar dos benefícios claros para combater a atual crise econômica, o governo empacou na agenda de concessões. Na melhor das hipóteses, apenas um leilão será realizado este ano: a Rodovia do Frango, entre o Paraná e Santa Catarina. Segundo o Ministério dos Transportes, os estudos foram encaminhados ao Tribunal de Contas da União (TCU) em 31 de agosto, com expectativa de ser liberado em 45 dias. Só a partir daí o governo poderia lançar o edital e marcar o leilão das rodovias, de R$ 3,5 bilhões. "O investidor olha com pessimismo para a economia brasileira, mas tem apetite por esses projetos", afirma o presidente da Apeop, Luciano Amadio. Para ter ideia do interesse da iniciativa privada, apesar da crise que assola o setor, a entidade formou79 grupos, cada um com três ou quatro empresas, para analisar projetos em 35 áreas diferentes. "Mas está tudo parado, seja em concessões do governo federal ou estadual. "Segundo o Ministério dos Transportes, duas rodovias estão em fase de audiência pública e outra deve ter os estudos enviados em breve para o TCU. Há ainda 11 lotes de estradas que estão em processo de procedimento de manifestação de interesse (PMI), em que as empresas frisem os estudos e apresentam para o governo fazer o leilão. Nas ferrovias, as PMIs começam a ser entregues pela iniciativa privada. O projeto mais avançado é o trecho Rio de Janeiro- Vitória. No setor de portos, o governo avançou na autorização de renovação antecipada de alguns contratos de arrendamentos. Até agora a Secretaria de Portos liberou a prorrogação do contrato de seis terminais, que devem representar investimentos de R$ 5 bilhões nos próximos anos. Há ainda expectativa de que o governo consiga fazer os leilões de áreas no Porto de Santos e Pará ainda este ano. "Temos de correr atrás para recuperar o prejuízo que o setor teve até agora", afirma Amadio. (Fonte: CNI)
 
 
Minas Gerais eleva ICMS sobre energia elétrica
A partir de 2016, vários segmentos econômicos no Estado de Minas Gerais vão pagar mais ICMS. Foram publicados no Diário Oficial do Estado o aumento da alíquota da energia elétrica para comerciantes e prestadores de serviços, de 18% para 25%, e a revogação de benefícios fiscais concedidos para uma série de produtos ¬ tratores, medicamentos, lâmpadas e uniforme escolar, entre outros. A alíquota do ICMS sobre a energia elétrica foi alterada por meio da Lei nº 21.781. A norma também inclui na legislação mineira a tributação sobre o comércio eletrônico interestadual ¬ bens ou serviços destinados a consumidor final não contribuinte. Estabelece os percentuais da nova partilha entre os Estados de origem e destino, segundo a Emenda Constitucional nº 87, publicada este ano. Já o Decreto nº 46.859 revogou benefícios fiscais que reduziram a alíquota do ICMS ¬ de 18% para 7% ou 12% ¬ recolhido em operações internas de uma lista longa de produtos, que inclui ainda telhas, embalagens, fios têxteis e água sanitária (12%) e blocos pré¬fabricados (7%). "Com a revogação dos benefícios, automaticamente volta a vigorar a alíquota original de 18%", afirma o advogado Marcelo Jabour, presidente da Lex Legis Consultoria Tributária. Ambas as novidades entram em vigor em janeiro. "O mais temerário é que as medidas, especialmente a relacionada à energia elétrica, vão aumentar o custo das empresas, o que deverá ser refletido no preço dos produtos comercializados ou serviços prestados", afirma Jabour. Segundo ele, porém, não há ilegalidade ou inconstitucionalidade nas normas.

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 06 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.121

 

Leilão GDT: leite em pó integral sobe e se aproxima dos 3 mil dólares por tonelada
 
O resultado do leilão GDT desta terça-feira (6/10) apresentou novamente uma alta, dessa vez de 9,9% sobre o leilão anterior, com preços médios de lácteos em US$2.834/tonelada.
O leite em pó integral apresentou alta de 12,9%, sendo comercializado a US$ 2.824/tonelada. O leite em pó desnatado também continuou a subir, apresentando 13,4% de crescimento (US$2.267/tonelada) e, no mesmo caminho, o queijo cheddar também mostrou leve alta, com preços de US$3.234/tonelada (0,5% sobre o último leilão).
 
Apesar da alta, os volumes de venda no leilão GDT não apresentaram recuperação, inclusive sendo menores que os apresentados no ultimo leilão. Na comparação com o primeiro leilão de outubro de 2014, os volumes comercializados foram 36% menores. 
Os contratos para entrega futura de leite em pó integral apontam para uma manutenção dos preços no patamar entre US$2.800 e US$2.900/ton. 
Tabela 1 - Preços de leite em pó integral para entregas futura
 
Fonte: Global Dairy Trade, elaborado pelo MilkPoint Inteligência.

A Fonterra prevê uma redução na produção de leite na Nova Zelândia, estimando uma queda de 2 - 3% no ano safra entre 2015/16, o que tem estimulado as cotações de leite no mercado internacional. (Fonte:  MilkPoint & Global Dairy Trade)

 
 
 
Sperotto é reeleito presidente da Farsul

O atual presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Carlos Sperotto, 77 anos, venceu a eleição da entidade para o triênio 2016/2017/2018 ocorrida hoje (5/10), em Porto Alegre, na sede da Federação. Sperotto recebeu 104 votos de um total de 133 sindicatos que participaram do pleito. João Batista Silveira, candidato da outra chapa, teve 29 votos. 
A vitória conduz Sperotto ao seu sétimo mandato consecutivo à frente da Farsul, consolidando-o como o líder que mais tempo permaneceu no comando da entidade. O novo mandato tem início em 1º de janeiro de 2016. 
Em seu discurso após o resultado do pleito no auditório da entidade, Sperotto destacou a posição de grandeza dos participantes do processo eleitoral, seguindo princípios de lealdade. "Essa conduta permeada pela dignidade e postura faz parte da história de 88 anos da Farsul, uma entidade que não tem inimigos", afirmou. O presidente eleito ressaltou que a sua gestão estará aberta para ouvir e receber proposições de todos para serem analisadas no conjunto. "Mantemos uma sequência de gestões com propostas diferentes. Neste novo mandato, avaliaremos o que foi cumprido e o que faltou realizar de nosso planejamento estratégico em vigência, e fazer as adequações necessárias", disse. 
Sperotto destacou que a atividade agropecuária vive hoje um momento excepcional, em que demais setores de economia estão amargando uma situação difícil. No entanto, esse cenário não reduzirá os seus esforços e da sua equipe na busca constante de um melhor ambiente de negócios para o setor. "Já temos uma reunião marcada em 14/10 na CNA para buscar um modelo de seguro agrícola efetivo", informou. Ao final, Sperotto fez um agradecimento especial para a sua diretoria, que tomou para si a responsabilidade de montar a chapa. Oito dos 31 integrantes são novos, decisão tomada com objetivo de ampliar a representatividade geográfica do Estado para melhor atender aos pleitos regionais. (Farsul)

Para CNI, novo bloco comercial vai afetar exportações brasileiras e reforça isolamento do país

BRASÍLIA (Reuters) - A Parceria Transpacífico, acordo comercial que une os Estados Unidos e outros 11 países da costa do Pacífico, acendeu um sinal de alerta na indústria brasileira, que prevê um impacto negativo nas exportações aos países que integram o bloco e reforça o isolamento comercial do Brasil.
Em nota a ser divulgada nesta terça-feira, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirma que acompanha "com preocupação" as negociações para o mega-acordo comercial e teme a perda de competitividade no mercado norte-americano e nos países da Ásia incluídos no acordo.
A Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) une Estados Unidos, Canadá, México, Chile, Peru e Colômbia, Japão, Austrália, Vietnã, Brunei, Malásia e Cingapura em um acordo que derruba barreiras tarifárias e não tarifárias e reúne 40 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. O acordo foi anunciado na segunda-feira.
De acordo com a CNI, no último ano o Brasil exportou para essas economias 31 bilhões de dólares em produtos manufaturados, o que corresponde a 35 por cento de toda a pauta de exportação industrial do país.
"Com a assinatura do tratado, esses países terão cada vez menos barreiras, tarifárias e não tarifárias, no comércio intrabloco", diz a nota da CNI, alertando que o acordo é mais uma mostra "de que o mundo se fecha em grandes blocos e o Brasil e o Mercosul continuam isolados".
A CNI tem cobrado que o Brasil expanda suas tentativas de acordos comerciais, independentemente da ação do Mercosul. Uma das preferências dos empresários é justamente acelerar tratativas com os Estados Unidos -- não de um acordo comercial, impedido pelas regras do bloco sul-americano, mas de derrubada de barreiras não tarifárias.
O próprio ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro, tem defendido essa postura, alegando que os Estados Unidos têm uma tarifa média de importação de 5 por cento, o que, na prática, funciona como uma abertura comercial.
As barreiras maiores são as não tarifárias, de padrões de qualidade, inspeção e sanitárias. O governo recomeçou este ano, depois de um congelamento de quase dois anos nas relações, a negociar acordos de padronização da produção para ampliar o acesso ao mercado norte-americano.
Na nota, a CNI defende ainda que o governo brasileiro acelere as negociações do acordo Mercosul-União Europeia, que poderá ter uma troca de ofertas este ano depois de mais de um ano praticamente sem evoluções. 
Depois de uma retomada promissora em 2012, por iniciativa dos europeus, o acordo perdeu fôlego. Entre outras razões, porque enquanto esperavam uma ação do Mercosul, emperrada pela má vontade argentina em negociar uma proposta que atingisse os 90 por cento das linhas tarifárias acertadas inicialmente, a União Europeia iniciou também uma negociação com os Estados Unidos para um acordo Transatlântico.
Inicialmente com atenção voltada para América do Sul, os europeus passaram a concentrar esforços nas conversas com o governo norte-americano.
(Reportagem de Lisandra Paraguassu Fonte:br.reuters.com)

Aumento do custo de vida das famílias de baixa renda supera 10% em 12 meses

As famílias de menor renda podem esperar por um aumento do seu custo de vida nos próximos meses. Quem faz a afirmação é o economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), um dos responsáveis pelo Índice de Preços ao Consumidor Classe 1 (IPC¬C1). O indicador mede o avanço dos preços dos produtos consumidos pelas famílias que recebem até 2,5 salários mínimos por mês. Em relatório divulgado nesta segunda-feira, o IPC¬C1 aponta inflação de 10,4% ao longo dos últimos 12 meses. No mesmo período, o IPC¬BR, índice mais amplo, teve aumento de 9,65%. Ou seja: os mais pobres estão com dificuldades maiores do que a população em geral para manter o padrão de consumo. Nos próximos meses, a situação ainda deve se agravar, de acordo com Braz. O economista calcula que o IPC¬C1 se aproximará de 11% até o final do ano. Ele cita o aumento do preço da energia elétrica no Rio de Janeiro programado para novembro e o diesel mais caro como os principais itens a pressionar o indicador. "Como boa parte do nosso transporte é rodoviário, o aumento do combustível deve gerar algum reflexo nos alimentos", diz. Itens como habitação (no qual é incluída a energia elétrica) e a alimentação têm maior peso na cesta da camada de menor renda. O quadro deve começar a ser revertido no ano que vem, justamente por causa dos alimentos. Os principais índices de inflação devem continuar acima de 6,5%, o teto da meta, segundo Braz. Mas o IPC¬C1 deve diminuir em certa medida, principalmente por causa de uma menor pressão dos alimentos. "Provavelmente, teremos chuvas mais regulares, o que torna também mais regular a oferta de alimentos", afirma. A tendência do preço dos laticínios, por exemplo, é de queda, segundo Braz. A lógica é a mesma: as chuvas beneficiam os pastos e, consequentemente, a quantidade de produtos derivados do leite. Por outro lado, o preço do pão deve subir, já que o trigo importado fica mais caro com o real desvalorizado. De qualquer jeito, André Braz diz que a parcela de menor renda da população é quem mais tem sofrido com a inflação. "O rico tem como se proteger com aplicações. O pobre não tem essa opção", afirma. (Fonte: Valor Econômino)

Ministério corre para fazer oferta de redução de tarifas a europeus

Preocupados com a Parceria Transpacífico, Mercosul e União Europeia tentam retomar as negociações para abrir seus mercados, que se arrastam há 16 anos. Segundo o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, os dois blocos devem trocar ofertas de redução de tarifas de importação no próximo mês. "O acordo Transpacífico põe pressão sobre os europeus, que não podem ficar a reboque dos Estados Unidos", disse Monteiro à Folha. A UE é o destino de 18% das exportações brasileiras. Segundo Monteiro, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai já têm pronta uma proposta única de abertura de mercado. A Venezuela não vai participar do acordo. Europa e EUA também estão em tratativas para outro grande acordo comercial, a Parceira Transatlântica. Para o ministro brasileiro, os europeus perderam poder de barganha e precisam se aliar a outras regiões do mundo. Especialistas avaliam que o Brasil também ficou isolado e tem que correr para selar o acordo com os europeus.

 
 
G100 & Frente Parlamentar em Defesa da Bovinocultura de leite promovem café da manhã 
para debater o projeto para o novo PIS/Cofins
A Associação Brasileira de Pequenas e Médias Cooperativas e Empresas de Laticínios (G100)- presidida pelo Senhor Guglielmo Agostini da Matta e a Frente Parlamentar em Defesa da Bovinocultura de Leite - presidida pelo deputado federal Celso Maldaner (PMDB-SC) - realizam no próximo dia 7 de outubro, às 8h, na Câmara dos Deputados, em Brasília, um café da manhã que irá debater questões relativas à mudanças no modelo de tributação do PIS e Cofins.
Na ocasião, estarão presentes parlamentares membros da Frente e representações de entidades do setor agroindustrial de lácteos de todas as partes do País. Na oportunidade o G100 apresentará informações a respeito da política tributária de Pis e Cofins que paulatinamente passou a se praticar desde 2004 e os seus benefícios para a cadeia láctea.
SERVIÇO: Café da manhã com palestra do Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil, Dr. Paulo Cardoso | Data: 07/10/2015 (quarta-feira) Horário: 8h | Local: Câmara dos Deputados, Anexo IV, 10º andar (Salão Vip) 
(Fonte: Terra Viva)

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 05 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.120

 

Comitê conhece estudo de impacto da nutrição na qualidade do leite
 
O comitê técnico da Fundesa (Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS) conheceu, nesta segunda feira (5/10), a proposta de estudo sobre o impacto da alimentação na produção do leite. O encontro ocorreu em Porto Alegre na sede do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat), que integra o grupo. O projeto de estudo dos professores Eduardo Schmitt e Márcio Nunes Correa, do Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária (NUPEEC) da Universidade Federal de Pelotas, visa à análise do impacto da nutrição das vacas na qualidade do leite. 
Segundo os professores, dependo do tipo de alimentação, o animal pode ter seu metabolismo alterado. Se aprovado, o projeto deverá ter duração de um ano, sendo que no período de 70 dias, um grupo de animais selecionados passaria por dietas específicas e pela reiterada de amostras de leite e sangue, para as análises. A viabilidade do projeto voltará a ser discutida na próxima reunião do comitê.
Segundo o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, essa é mais uma oportunidade de aproximação do Sindicato com a produção acadêmica, além da valorização do trabalho desenvolvido nas universidades. "Como na parceria entre o Conseleite/RS e a Universidade de Passo Fundo (UPF), acreditamos ser importante promover a ligação entre a academia e o setor produtivo", afirmou. Além de integrantes do comitê, o encontro teve a presença de convidados da indústria láctea. (Assessoria Sindilat)
 
(Foto: Mauren)
 
 
Emater e Santa Clara planejam ações com produtores de leite

Visando obter um diagnóstico da situação das famílias que participam do Grupo Pró-Leite, nos municípios de Cotiporã, Fagundes Varela, Vila Flores e Veranópolis, e planejar as atividades para o próximo ano, extensionistas da Emater/RS-Ascar, técnicos da Cooperativa Santa Clara e cerca de 40 produtores estiveram reunidos, nesta quinta-feira (01), no Sindicato dos Trabalhadores Rurais, em Veranópolis.

Conforme o técnico em agropecuária da Santa Clara, Jones Treviso, a proposta do Grupo Pró-Leite, que foi lançado neste encontro, é reunir famílias que realizaram investimentos na bovinocultura de leite nos últimos anos e auxiliá-las no desenvolvimento da atividade.

Na ocasião, o assistente técnico estadual de sistemas de produção animal da Emater/RS-Ascar, Jaime Eduardo Ries, falou sobre o cenário e as perspectivas do leite, deixando alguns desafios diante desse cenário, para os produtores debaterem em grupos (por município), a partir de perguntas orientadoras. O grupo formado por nove produtores de Fagundes Varela manifestou o desejo de manter-se na atividade, investir mais e buscar a sucessão familiar, apontando para isso a necessidade de melhorar principalmente os custos, a alimentação e a reprodução animal e a genética.

O diagnóstico realizado com os produtores dos quatro municípios irá nortear a definição das prioridades e o planejamento das atividades coletivas que a Emater/RS-Ascar e a cooperativa irão desenvolver com o Grupo Pró-Leite, durante o próximo ano.(Fonte: Emater/RS)

G100 & Frente Parlamentar em Defesa da Bovinocultura de leite promovem café da manhã para debater o projeto para o novo PIS/Cofins

A Associação Brasileira de Pequenas e Médias Cooperativas e Empresas de Laticínios (G100)- presidida pelo Senhor Guglielmo Agostini da Matta e a Frente Parlamentar em Defesa da Bovinocultura de Leite - presidida pelo deputado federal Celso Maldaner (PMDB-SC) - realizam no próximo dia 7 de outubro, às 8h, na Câmara dos Deputados, em Brasília, um café da manhã que irá debater questões relativas à mudanças no modelo de tributação do PIS e Cofins.
Na ocasião, estarão presentes parlamentares membros da Frente e representações de entidades do setor agroindustrial de lácteos de todas as partes do País. Na oportunidade o G100 apresentará informações a respeito da política tributária de Pis e Cofins que paulatinamente passou a se praticar desde 2004 e os seus benefícios para a cadeia láctea.
 
O evento contará com uma palestra do Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil, Dr. Paulo Ricardo de Souza Cardoso. Em sua explanação, Cardoso abordará o projeto para o novo PIS/Cofins com foco no impacto para a agroindústria de leite e produtos lácteos, entre outros temas de interesse do setor. 
 
SERVIÇO: Café da manhã com palestra do Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil, Dr. Paulo Cardoso | Data: 07/10/2015 (quarta-feira) Horário: 8h | Local: Câmara dos Deputados, Anexo IV, 10º andar (Salão Vip) 
(Fonte: Terra Viva)
 
NE eleva impostos para reforçar caixa em 2016
Diante de um cenário adverso para arrecadação no curto prazo, os Estados do Nordeste estão recorrendo ao aumento de impostos para compensar a frustração de receitas neste ano e fortalecer o caixa para 2016. Sete dos nove Estados da região já mexeram nas alíquotas de tributos como ICMS, IPVA e Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD). Em Sergipe, um dos Estados mais pobres da região, o pacote tributário não deve ser suficiente para evitar um deficit primário no próximo ano. Os Estados têm agido de forma praticamente coordenada nas modificações das alíquotas, seguindo orientações do Consórcio Nacional de Secretarias de Fazenda (Consefaz). As mudanças não são idênticas, mas seguem diretrizes semelhantes como a de escalonar o ITCD e o IPVA por faixas. 
O movimento de alta de impostos começou de forma discreta no Ceará, que em junho alterou as alíquotas do ITCD, e se intensificou em setembro, prazo limite para aprovar as mudanças a tempo de que elas comecem a vigorar em janeiro. Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Piauí e Sergipe já acionaram pacotes fiscais para enfrentar a crise e os únicos da região que ainda não mexeram nas alíquotas, Bahia e Alagoas, não descartam a possibilidade. No Rio Grande do Norte, o governo apresentou um projeto de lei de reordenação fiscal duas semanas atrás. O objetivo é compensar parte da frustração de receitas do ano, estimada em R$ 487 milhões até agora, com incremento da arrecadação de R$ 230 milhões. 
O projeto mexe com IPVA e ITCD, que se tornam escalonados, e com ICMS de alguns setores, como gasolina e álcool. A alíquota básica do ICMS subiu de 17% para 18%, se igualando a de São Paulo e Paraná. Mesmo com as medidas, ainda sobra déficit de R$ 257 milhões. Segundo o secretário de tributação do Rio Grande do Norte, André Horta, da mesma forma que o Estado não pode deixar de pagar servidores e fornecedores sob risco de o mercado afundar, o Executivo também não pode aumentar muito a arrecadação para que a economia não se ressinta. Ele diz que se nada fosse feito agora o Estado pararia de funcionar. Em Pernambuco, foi aprovado na semana passada um pacote tributário para melhorar em R$ 487 milhões a arrecadação do Estado em 2016. Houve aumento do IPVA, ITCD e ICMS, em formato semelhante ao do Rio Grande do Norte. 
O aporte era de 3,07% da receita corrente líquida em 2008 e no atual exercício esse índice deve chegar a 15,21%. Gama diz que o déficit primário é comum quando um ente público realiza um grande volume de investimentos a partir de operações de crédito, como ocorreu nos últimos cinco anos em Sergipe. Estado mais rico do Nordeste, a Bahia diz que "vai avaliar com cuidado o movimento de outros Estados" para não perder o poder de atratividade de empreendimentos já instalados. Segundo a secretaria de Planejamento do Estado, a Bahia está conseguindo manter seu equilíbrio fiscal com "muita dificuldade" e em "um ambiente de incertezas". No início da gestão, o governo baiano cortou 1,9 mil cargos e quatro secretarias ¬ obtendo uma economia de R$ 200 milhões anuais. Novos cortes devem ser anunciados, informa a secretaria. Assim como a Bahia, Alagoas informa que não propôs reforma tributária "até o momento". O governo do Ceará, que até agora mexeu apenas no ITCD, disse que "o Estado está continuamente avaliando a conjuntura e os cenários econômicos e lançará mão, sempre que necessário, dos instrumentos fiscais de que dispõe para manter seu equilíbrio orçamentário". (Valor Econômico)
 
FARSUL ELEGE HOJE NOVA DIRETORIA
Sai ainda hoje o resultado da eleição para a nova diretoria da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), uma das principas entidades do setor, no triênio 2016-2018. A votação, feita em cédula de papel, vai das 9h às 16h e ocorre na sede da entidade, na Capital. A previsão é de que por volta das 17h já se conheçam os números. Ao todo, 135 sindicatos rurais do Estado estão aptos a participar da escolha. Dois candidatos participam da disputa. O atual presidente, Carlos Sperotto, 77 anos, busca o sétimo mandato à frente da entidade por ele comandada nos últimos 18 anos. O desafiante é o ex-presidente do Sindicato Rural de Passo Fundo João Batista da Silveira, 57 anos.  Em zhora.co/giseleloeblein, confira as visões dos dois candidatos sobre o agronegócio e o futuro da entidades, como publicado na sexta-feira. (Jornal Zero Hora)

 

    

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 02 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.119

 

2º Simpósio Nacional da Vaca Leiteira 

O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, recebeu na tarde desta sexta-feira (02/10) representantes da Comissão Organizadora do 2º Simpósio Nacional da Vaca Leiteira, evento que será realizado nos dias 23, 24 e 25 de outubro na Uniritter, Campus Fapa. Luiza Mendes e Pedro Mallmann falaram sobre a programação do encontro que trará cinco palestrantes internacionais a Porto Alegre.

O Sindilat está apoiando o evento, ação que, segundo Palharini, busca estar mais próximo de quem faz o agronegócio gaúcho. Mais informações sobre o evento podem ser obtidas no site do evento: www.simposiovacaleiteira.com.br. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
Reunião com organizadores do II Simpósio da Vaca Leiteira 
Crédito: Carolina Jardine
 
 
Consumidor entre 18 e 24 anos movimenta 57% das compras no país
Estudo realizado pela B2 apresenta ao mercado os principais hábitos e preferências de brasileiros, entre 18 e 24 anos. De acordo com o levantamento, os jovens são responsáveis por 57% da movimentação financeira do país, o que corresponde um poder de compra de R$ 32 bilhões por ano. Por esse motivo, se tornou um dos principais alvos das empresas. 

A pesquisa Radar Jovem está na sua terceira edição e trás números significativos para o varejo e operadoras de cartão. O Jovem brasileiro, na sua grande maioria prefere fazer suas compras à vista. Segundo o estudo, mais da metade usa o cartão de débito. Na seqüência, dinheiro (46%), cartão de crédito - única parcela (18%) e apenas 17% preferem parcelar suas compras. Entre as prioridades de compra, celular e tv a cabo aparecem bem citadas (55%), seguidos de transporte (53%) e vestuário, com 48%.

De forma quantitativa, o estudo é realizado com jovens de todo o Brasil e aborda temas como fonte de renda, marcas consumidas X desejadas, perfil de compra, posicionamento sobre o cenário político e econômico do país, entre outras informações valiosas que causam grande impacto no consumo e comportamento desse perfil, que já é responsável por 57% da movimentação financeira do país, o que corresponde a um poder de compra de mais de R$ 32 bilhões ao ano.

A B2 diz que "diferente das tradicionais pesquisas, o Radar Jovem 2015 apresenta informações relevantes e diferenciadas de forma que as empresas se comuniquem com esse consumidor".
- Hoje, os jovens são bombardeados de informações e sugestões de consumo. Para dialogar com esse público, é preciso ser assertivo - explica Ricardo Buckup, sócio-fundador da B2.

A metodologia do estudo acontece em três fases: Módulos 1 e 2 e acompanhamento. No Módulo 1 o participante responde uma pesquisa etnográfica, dividida em dados pessoais, de consumo (aquisição de informações, relação com política e lazer), bens de consumo (produtos que costuma comprar e marcas que admira), alimentação e transporte. O Módulo 2 abrange intenções de comportamento do participante para um determinado período (rotina). Já o acompanhamento ocorre, em tempo real, por meio de mídias sociais, o que auxilia a compreender e a comparar as intenções e atitudes do jovem, e mostra o que há por trás das pesquisas. A consolidação das informações é realizada com base no cruzamento das intenções de comportamento e das ações efetivamente realizadas.

Criado em 2012, o Radar Jovem teve como finalidade abranger os principais polos universitários, primeiro em São Paulo, posteriormente para todo o país. Em 2014, o objetivo era mapear talentos e proporcionar experiências reais para aproximar os jovens de uma rotina de mercado. O projeto surgiu de uma necessidade de que as empresas reclamavam do despreparo do jovem e esse, por sua vez, achava que a faculdade deveria ser uma base profissional, mas que acabava desistindo no meio do processo. Essas duas expectativas motivaram a pesquisa.
 
Educação financeira na infância é fundamental para 88% dos brasileiros
Os consumidores consideram importante a educação financeira das crianças. Pesquisa nacional realizada pela Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) para mapear hábitos de consumo para o Dia das Crianças e a Educação Financeira na Infância revelou que 88% dos brasileiros consideram "muito importante" a educação financeira para crianças. No ano passado, essa porcentagem foi de 76%.
Entre os entrevistados, 18% adotaram o sistema de mesada ou de semanada. Nesse grupo, 52% optaram por essa prática para estimular a educação financeira, enquanto 26% fizeram essa opção para ajudar as crianças a comprar lanches e outros produtos para alimentação. Para 21%, a mesada é uma recompensa pelo bom comportamento.

O levantamento da Boa Vista SCPC mostrou que em 96% dos casos as mesadas são pagas em dinheiro e que os demais optam pelo cartão, como forma de estimular os filhos a organizarem suas despesas.
Além disso, o levantamento revelou que 49% têm o hábito de poupar para os filhos. Desse grupo, 63% guardam dinheiro para apoiar as crianças nos estudos (escolas, faculdades e cursos extras). Destes, 38% poupam até R$ 50 por mês e 62% conseguem guardar acima desse valor.

Apesar dessa preocupação, 57% dos pesquisados pela Boa Vista SCPC revelaram que recorreriam aos recursos poupados para os filhos em caso de emergência financeira. Desse total, 54% utilizariam apenas parte da poupança em situações de necessidade, mas 46% admitem que poderiam recorrer ao total investido para resolver pendências financeiras urgentes.

Quase metade dos entrevistados (47%) disseram que podem substituir o tradicional presente do Dia das Crianças por uma aplicação financeira. Nesse caso, a principal opção é a caderneta de poupança, com 74% das menções. A amostra obtida foi de 1.034 respondentes. (Monitor Mercantil)

Embargo russo deve permanecer até 2018, diz especialista em lácteos

A Rússia não deverá remover o atual embargo às importações de alimentos ocidentais até "pelo menos 2018", previu o editor chefe do site russo The Dairy News, Mikhail Mishchenko, durante o World Dairy Summit, da Federação Internacional de Lácteos (IDF), realizado na semana passada em Vilnius, Lituânia. Segundo ele, é improvável que a Rússia remova o embargo até depois das eleições de março de 2018. "Na minha opinião, eles não removerão isso até pelo menos 2018. Isso é devido a diferentes razões, mas a principal razão é a política, porque temos uma eleição nesse ano".

O Primeiro Ministro russo, Dmitry Medvedev, introduziu um embargo de um ano às importações de carne bovina, suína, de frango, frutas, vegetais, leite e produtos lácteos da União Europeia (UE), Estados Unidos, Austrália, Canadá e Noruega em agosto de 2014. Em junho de 2015, a Rússia estendeu seu embargo até 5 de agosto de 2016. Entre julho de 2014 - um mês antes da Rússia introduzir o embargo - e julho de 2015, o preço médio do leite na UE por 100 quilos caiu de €36,97 (US$ 41,46) para €29,70 (US$ 33,31).

No mês passado, a Comissão Europeia anunciou um pacote de €500 milhões (US$ 50,78 milhões) para "resolver problemas" no setor de lácteos e carne suína. A Comissão também aumentou o Auxílio ao Armazenamento Privado (PSA) para leite em pó desnatado em mais de 100% e reintroduziu esse auxílio para queijos. Durante o World Dairy Summit, o vice-diretor geral para Agricultura e Assuntos Rurais da Comissão Europeia, Joost Korte, falou positivamente sobre o pacote de ajuda. "Esperamos que com nossas políticas - pacote de Phil Hogan - e as medidas tomadas, possamos colocar um piso no mercado, de forma que os produtores competitivos sobrevivam".

"Nós também temos uma série de sinais positivos. Há definitivamente resultados muito melhores do leilão Global Dairy Trade - nos últimos três nós basicamente vimos os preços aumentando no mundo todo. Os preços dos lácteos estão aumentando também e há um aumento nos preços do leite spot". Durante sua apresentação, Korte também revelou que a Comissão Europeia está trabalhando em medidas para combater os baixos preços varejistas do leite na Europa. 

Em 01/10/15 - 1 Euro = US$ 1,12157
0,89148 Euro = US$ 1 (Fonte: Oanda.com) (As informações são do Dairy Reporter)

 
Nova Zelândia quer mais avanços no comércio de produtos lácteos
O ministro do Comércio da Nova Zelândia, Tim Groser, disse que ocorreram "vislumbres de avanços" quanto à abertura de mercados para produtos lácteos na última reunião do Acordo Transpacífico, mas que as condições ainda não são satisfatórias. De acordo com uma emissora de rádio da Nova Zelândia, Groser afirmou que ainda precisa ver propostas importantes para o acesso dos lácteos a outros países que formam o acordo. Representantes dos Estados Unidos, Japão, Canadá, México, Austrália, Nova Zelândia e outros seis países esperam conseguir entrar em acordo quanto aos últimos detalhes para fechar a Parceria Econômica Estratégica Transpacífico (TPP). No entanto, disputas sobre o comércio de carros, remédios e lácteos estão dividindo os países da TPP. Além disso, o processo eleitoral no Canadá e o início das campanhas nos Estados Unidos e no Japão dificultam as discussões. (As informações são do Estadão Conteúdo)

 

    

 

 

         

 
 


 

Porto Alegre, 01 de outubro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.118

 

Regulamentada a lei dos créditos do PIS/COFINS para lácteos 
 
Como esperado, o governo federal publicou, nesta quinta-feira (1º/10), a regulamentação da lei 13.137/2015, que trata dos créditos presumidos do PIS/COFINS para as empresas lácteas e cooperativas. Conforme o decreto n. 8.533 do Diário Oficial da União, a lei prevê a concessão de crédito presumido de 50% para empresas e cooperativas que apresentarem propostas de melhoria da qualidade do leite com investimento de 5% do benefício.  A medida integra o programa Mais Leite Saudável, lançado nesta semana pelo Ministério da Agricultura, em Brasília.

Ao comemorar a regulamentação, o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Alexandre Guerra, ressaltou que os projetos irão elevar a qualidade do leite, uma vez que estimula as empresas e cooperativas a desenvolverem ações neste sentido. Além disso, são importantes neste momento em que há abertura de novos mercados internacionais.  "É uma lei muito inteligente porque promove o desenvolvimento da cadeia leiteira e garante o ressarcimento de recursos, que vão permitir um incremento no fomento da qualidade do produto por parte das empresas", afirmou Guerra. A comemoração também ocorre porque o Sindicato esteve presente desde o início e mobilizado para garantir, primeiro, a aprovação da lei e, em seguida, a sua regulamentação.

O Sindilat alerta ainda os seus associados que, conforme o decreto, somente depois da apresentação de projeto terá início a geração dos créditos. As propostas deverão ser protocoladas diretamente nas regionais ou postos do Ministério da Agricultura (MAPA), que terá prazo de 30 dias para análise. "É importante que os associados não percam tempo e elaborem as suas propostas, atentando ao fato de que deve ser detalhada a iniciativa, assim como apontadas as ferramentas que permitam identificar os seus resultados", enfatizou. O Sindilat colocou à disposição dos associados assessoria jurídica e técnica para auxiliar na elaboração das propostas. No site do Sindicato (www.sindilat.com.br) o associado terá acesso à legislação atualizada, parecer da assessoria jurídica e modelo de projetos. (Assessoria de Imprensa)

 
 
LEITE/CEPEA: Captação aumenta e preço ao produtor cai após 6 meses de alta

Depois de seis meses de altas consecutivas, o preço do leite pago ao produtor registrou queda em todas as regiões que compõem a "média Brasil" (MG, PR, RS, SC, SP, GO e BA), de acordo com pesquisa do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.

O valor líquido (sem frete e impostos) recebido pelo produtor ("média Brasil", ponderada pelo volume captado em agosto nos sete estados) recuou 1,2% de agosto para setembro, fechando a R$ 0,9844/litro. Na comparação com setembro/14, o preço está 9,9% inferior em termos reais (deflacionados pelo IPCA de agosto/15). O preço bruto médio (inclui frete e impostos) pago pelos laticínios/cooperativas foi de R$ 1,0667/litro, redução de 1,62% em relação ao mês anterior.

Conforme pesquisadores do Cepea, as quedas foram influenciadas, principalmente, pelo aumento da captação em todos os estados que compõem a "média Brasil" e também pela demanda enfraquecida por derivados lácteos. Em algumas praças, no entanto, há competição entre laticínios por produtores e isso ajudou a manter a estabilidade ou mesmo a proporcionar elevação dos preços nessas localidades.

Em agosto/15, o Índice de Captação do Cepea (ICAP-L/Cepea) teve alta de 4,62% em relação a julho e de 8,0% na comparação com agosto/14. Santa Catarina teve o maior aumento de captação, de 12,3%, seguido por Goiás (8,1%), Paraná (6,2%), São Paulo (4,2%), Bahia (2,8%), Rio Grande do Sul (2,5%) e Minas Gerais (1,5%).

Para o próximo mês, a expectativa da maior parte dos representantes de laticínios/cooperativas é de queda nos preços. Entre os compradores consultados pelo Cepea, 85,4% deles, que representam 93,9% do leite amostrado, acreditam que haverá novo recuo em outubro, enquanto apenas 14,6% dos agentes, que representam 6,1% do volume captado, sinalizam estabilidade para o próximo mês. Essas expectativas refletem o aumento da disponibilidade de leite nas principais regiões produtoras, principalmente nos estados da região Sul.

Gráfico 1 - Preços brutos pagos ao produtor - Média Brasil

Levantamentos do Cepea também sobre derivados lácteos negociados no segmento atacadista do estado de São Paulo mostram que o leite UHT e a muçarela se desvalorizaram em setembro pelo terceiro mês seguido. Agentes desse mercado relatam aumento dos estoques por parte da indústria e a necessidade de "promoções" no fim do mês para compensar a falta de demanda que tem sido observada. Com isso, muitas empresas tentam baixar seus estoques, o que influencia na queda dos preços.

Em setembro (até o dia 29), o leite UHT teve média de R$ 2,2458/litro e o queijo muçarela, de R$ 13,7817/kg, quedas de 2,96% e 1,28%, respectivamente, em relação a agosto/15. Esta pesquisa de derivados do Cepea é realizada diariamente com laticínios e atacadistas e tem o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). (As informações são do Cepea/USP)

 
STJ determina que ao menos 30% dos fiscais federais continuem trabalhando

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu nesta quarta-feira (30) a medida liminar requerida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que busca preservar a continuidade de serviços essenciais para a população durante a greve dos fiscais federais agropecuários, em especial as atividades que visam a proteger a saúde e a segurança alimentar.

A liminar foi analisada pela ministra Regina Helena Costa, que deferiu a solicitação do Mapa de que seja mantido percentual mínimo de 30% dos fiscais federais agropecuários nas atividades em geral. A magistrada determinou multa diária de R$ 100 mil por dia de descumprimento da decisão.

Nas atividades do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), foi determinado que seja mantido pelo menos um fiscal com formação em medicina veterinária e um fiscal com formação em engenharia agronômica por turno de funcionamento de cada uma das 111 unidades do Vigiagro. Já em relação à atividade de inspeção permanente nos estabelecimentos de abate, deve ser conservado pelo menos um fiscal agropecuário com formação em medicina veterinária por turno em cada estabelecimento.

A liminar foi ajuizada em 25 de setembro pela Consultoria Jurídica do Mapa, por meio da Procuradoria-Geral da União, contra o Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical). (As informações são do Mapa)

 
Senar dará assistência técnica no Programa Leite Saudável em 5 estados

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), através da sua metodologia de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), será o responsável pela assistência técnica e capacitação dos produtores rurais participantes do Programa "Leite Saudável". A iniciativa - que pretende aumentar a competitividade do setor lácteo e melhorar a qualidade do leite produzido no Brasil - foi lançada nesta terça-feira (29), pelo Ministério da Agricultura e pelo Sebrae.

Dentro dos sete eixos de ações definidos pelo Leite Saudável - assistência técnica e gerencial, melhoramento genético, política agrícola, sanidade animal, qualidade do leite, marco regulatório e ampliação de mercados - o serviço prestado pelo Senar terá um papel fundamental. A ATeG trabalha de forma sistêmica em cinco passos para que a propriedade rural produza mais e melhor: diagnóstico produtivo individualizado; planejamento estratégico; adequação tecnológica; capacitação profissional complementar e avaliação sistemática de resultados.

Ao todo, nesta primeira etapa, o serviço oferecido pela entidade vai atender 3.560 propriedades de cinco Estados - Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Goiás. O convênio prevê visitas mensais de 4h/propriedade/mês e capacitações para os produtores (120h/propriedade/ano). Os critérios para seleção das propriedades que serão assistidas pela ATeG são: volume de produção (mínimo de 50 litros/dia e máximo desejável de 200 litros/dia), permanência do produtor por dois anos (assinatura de um termo de compromisso com o Mapa), comprovar o potencial para implementar as melhorias propostas pelo Programa e estar inserida nas rotas de comercialização.

Na opinião do coordenador nacional de Assistência Técnica e Gerencial do Senar, Matheus Ferreira, esse segmento é muito demandante e possui grande capilaridade no País, tendo ainda muitos produtores trabalhando de forma pouco profissional. Ferreira também destaca a importância das outras linhas de ações do Programa, que vão complementar a assistência técnica e contribuir para melhorar a produtividade, a renda e a sustentabilidade do setor lácteo nacional.

"Esses cinco Estados são muito representativos na produção de leite. Foi muito rico o Mapa ouvir o setor produtivo durante o desenvolvimento do Programa Leite Saudável e, assim, foi possível criar uma perspectiva de melhor produtividade e rentabilidade para o produtor. Já temos um software próprio de gestão da atividade leiteira, materiais técnicos, como o Caderno do Produtor de Leite, além de apostilas de capacitação da equipe técnica. O Senar está pronto para começar a atuar e contribuir para o sucesso do Programa Leite Sustentável", destaca.

O atendimento oferecido pelo Senar também contemplará a qualificação, difusão de tecnologia e melhoria dos processos de gestão - por meio da assistência técnica e formação profissional rural aos produtores, trabalhadores, transportadores e técnicos multiplicadores da cadeia produtiva do leite, com adoção de boas práticas agropecuárias para melhoria da segurança e qualidade do leite produzido. (Fonte: Senar)

 
Balança comercial tem maior superávit para setembro desde 2011
A balança comercial brasileira teve um superávit de US$ 2,944 bilhões em setembro, divulgou nesta quinta-¬feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Esse é o melhor resultado para o mês desde 2011, quando o saldo foi de US$ 3,074 bilhões. O resultado foi puxado por uma queda maior das importações do que das exportações. Em setembro deste ano, foram US$ 16,148 bilhões em exportações e US$ 13,204 bilhões em importações. Desta maneira, o superávit no ano chegou a US$ 10,246 bilhões, o melhor desde 2012, quando o saldo acumulado foi de US$ 15,7 bilhões. Nos primeiros nove meses do ano passado, a balança acumulava um déficit de US$ 742 milhões. Somente na quarta semana, o superávit da balança comercial brasileira foi de US$ 879 milhões. (Valor Econômico)