Pular para o conteúdo

05/03/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 05 de março de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.416


 
Próxima semana pode ter volumes expressivos de chuva na Metade Norte do Estado

A próxima semana poderá ter volumes expressivos de chuva na Metade Norte do Rio Grande do Sul. É o que indica o Boletim Integrado Agrometeorológico nº 09/2021, divulgado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), em parceria com a Emater-RS e o Irga.

Entre a quinta (4) e a sexta-feira (5), a passagem de uma área de baixa pressão atmosférica e uma frente fria deverão provocar chuva na maioria das regiões, com possibilidade de temporais isolados, sobretudo entre o Centro e o Norte do Estado. No sábado (6), a circulação de umidade do mar para o continente ainda deverá provocar chuvas fracas e isoladas no Litoral Norte, enquanto nas demais regiões o ingresso de ar seco afastará a nebulosidade e manterá o tempo firme. No domingo (7), o tempo seco, com temperaturas amenas, predominará em todo o Rio Grande do Sul.

Entre a segunda (8) e quarta-feira (10), o tempo firme e com grande amplitude térmica seguirá prevalecendo, com temperaturas amenas durante a noite e valores elevados no período diurno.

Os totais de precipitação esperados deverão oscilar entre 15 e 30 mm na maior parte das localidades da Metade Sul. No restante do Estado, os valores deverão variar entre 35 e 50 mm, mas poderão superar 60 mm em alguns municípios do Alto Uruguai, Planalto e dos Campos de Cima da Serra.

O boletim também avalia as condições atuais das culturas de soja, feijão primeira safra, milho, batata, moranga Cabotiá, citros, figo, morango, bovino de corte, ovinos, mel e arroz. O documento completo pode ser consultado clicando aqui. (SEAPDR)

 

 
Emater/RS: Informativo Conjuntural - Bovinocultura De Leite 

A oferta satisfatória de pastagens, especialmente de forragens cultivadas perenes e anuais de verão, tem proporcionado a redução dos custos da atividade leiteira devido à menor necessidade de insumos comprados, cujos preços seguem altos. Com a redução na frequência das precipitações, as condições higiênicas dos locais de circulação dos animais melhoraram, diminuindo a incidência de problemas na qualidade do leite e de casos de mastites ambientais. 

Na regional da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, os produtores seguem realizando a confecção de silagem de milho da safra; porém, em algumas propriedades houve a necessidade de elevar a altura de corte do milho, como forma de reduzir o nível de toxina. 

Na de Pelotas, em Rio Grande, o milho silagem sofreu perdas significativas na maioria das propriedades leiteiras, devido ao volume de chuvas de fevereiro. 

Na de Frederico Westphalen, apesar da sobra de pasto nas lavouras, os produtores enfrentaram problemas de ataque de pragas como pulgão, cigarrinha, lagarta, e foi necessária intervenção para controle. 

Na de Santa Maria, em Nova Palma e Restinga, a produção de leite sofreu uma leve queda, principalmente nos rebanhos que estão em campo nativo, mesmo sendo suplementados com rações específicas. 

O Informativo Conjuntural foi produzido e divulgado nesta quinta-feira (04/03), pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural. Clique aqui e acesse o informativo na íntegra. (Seapdr)

Leite/América do Sul

No início de março, chuvas adicionais ajudaram no crescimento das pastagens. Há relatos de aumento da produção de leite no sul do Brasil, na Argentina e Uruguai. Existem relatos sobre a redução do rebanho leiteiro em algumas regiões. 

O custo da ração afeta a produção, dizem analistas. As indústrias estão preferindo o empacotamento do leite para atender a demanda do varejo. As fábricas estão recebendo menos leite para secagem. 

Algumas fábricas de chocolate pressionam a produção para atender a demanda sazonal de páscoa. A demanda de manteiga se mantém firme competindo com o creme de leite destinado às fábricas de sorvetes e sobremesas congeladas. (Fonte: Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

 
 

Jogo Rápido

Produção/Chile
A produção do leite que é enviado para as indústrias de laticínios subiu 6,1% durante 2020, e chegou a 2.275,3 milhões de litros, o que representa 130 milhões a mais em relação ao registrado em 2019, segundo dados elaborados pela Federação Nacional de Produtores de Leite (Fedeleche), com base nos dados publicados pelo Departamento de Estudos e Políticas Agrárias (Odepa). O crescimento veio das regiões de maior produção de leite do país, Los Lagos e Los Ríos, cujo volume em conjunto, representou 82,9% do leite produzido no país, e foi uma resposta à condições favoráveis do mercado que estimularam a atividade dos produtores de leite. Entre janeiro de 2020 e dezembro de 2020, o preço real do leite ao produtor aumentou 13,2% em relação ao ano anterior, subindo, nacionalmente, de $ 259,05, [R$ 2,00/litro], para $ 293,2, [R$ 2,26/litro], pesos chilenos por litro. (Fonte: Portalechero – Tradução livre: www.terraviva.com.br)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *