Pular para o conteúdo

09/02/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 09 de fevereiro de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.400


Saldo da balança comercial brasileira de lácteos NCM 04 – janeiro de 2021

Saldo – Acompanhando o saldo da balança comercial brasileira de lácteos nos últimos cinco anos, constata-se que o crescimento do déficit em janeiro de 2021 acompanha uma tendência iniciada em setembro de 2020, quando o mês se aproximou do recorde histórico de setembro de 2016. Desde então, os déficits foram consistentes em níveis bem superiores aos anos anteriores, em equivalente litros de leite.

As importações caíram 18% em relação a dezembro, mas foram 82,4% superiores às compras realizadas em janeiro de 2020, em equivalente litros de leite. Já as exportações de produtos lácteos NCM 04 no mês de janeiro de 2021 representaram menos de 7% das nossas importações.

Em um primeiro momento, as importações poderiam sugerir que foram realizadas em decorrência do aumento do preço do leite ao produtor. Em um primeiro momento, as importações poderiam sugerir que foram realizadas em decorrência do aumento do preço do leite ao produtor.

No entanto, existem outras variáveis que influenciariam o movimento em sentido contrário. Os aumentos das cotações do leite em pó integral (+17%), leite em pó desnatado (+22%), manteiga anidra (40%), manteiga (+42%) e cheddar (+19%) do início de setembro até 19 de janeiro de 2021, encarecendo razoavelmente as importações. Junto com isso, um real desvalorizado em mais de 30% entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021.

Exportações em valores
Os principais compradores de produtos lácteos brasileiros no mês de janeiro foram os Emirados Árabes Unidos (Leites e cremes fluidos); Trinidad e Tobago (Leites e cremes concentrados); Rússia (Queijos); Taiwan (Formosa) (Queijos) e Estados Unidos (Leites e cremes concentrados).

Os principais produtos exportados foram: Leites e cremes concentrados, US$ 1.816.773 (33,7%); Queijos US$ 1.729.360 (32,1%); e Leites e cremes fluidos US$ 1.697.693 (31,4%).

Importações em valores
Os principais fornecedores de lácteos para o Brasil no mês de janeiro de 2021 foram Argentina (52,7%) e Uruguai (38,7%). Esses dois países fornecem todos os produtos lácteos, exceto Leites e cremes fluidos.

Os produtos mais importados são os da categoria Leites e cremes concentrados, que representam 64,9% de nossas importações, vindo em seguida Queijo (26,1%).

Acesse aqui as estatísticas de Importação Brasileira de Lácteos por Países 

Fonte: Terra Viva com dados do Ministério da Economia


Chile: importações em alta e exportações em queda em 2020

O setor de lácteos chileno registrou uma balança comercial negativa em 2020 em relação à 2019. Segundo dados divulgados pela Secretaria de Estudos e Políticas Agrárias (Odepa), as importações de lácteos somaram US $ 349,0 milhões entre janeiro — dezembro de 2020, o que em relação à 2019 representa um aumento de 15,3%, e um aumento anual de US $ 46,2 milhões na compra de lácteos no exterior.

A principal origem das importações de lácteos foram os Estados Unidos, com uma participação de mercado que atingiu 22,5% em 2020, o que implica compras de US $ 78,6 milhões, valor que representa uma variação negativa de 1,9% em relação ao ano anterior, e um ano — queda no ano de US $ 1,5 milhão.

Em segundo lugar, com participação de 21,5% no total das importações, consolidou-se a Argentina, com crescimento de 40,3% em relação ao ano anterior, para US $ 75,1 milhões, o que implica em um aumento interanual de US $ 21,6 milhões.

As importações de lácteos da Nova Zelândia também registraram um avanço importante em 2020. Com um faturamento de US $ 60,1 milhões, as vendas neozelandesas no país aumentaram 48,3% em relação ao ano anterior, com um aumento anual de US $ 19,5 milhões. Em todo caso, sua participação de mercado alcançou 17,2%.

Em quarto lugar, ficaram as importações de produtos lácteos da União Europeia, entre os quais a Holanda atingiu uma participação de mercado de 7,2%, graças a um aumento nas vendas de 73% com relação a 2019, e com um volume de negócios de US $ 25,1 milhões. Em relação ao ano passado, eles registraram um aumento anual de US $ 10,5 milhões.

Com aumento sustentado no segundo semestre, as importações de lácteos do México concluíram em 2020 com um aumento de 30,9% em relação ao ano passado, atingindo US $ 24,2 milhões em valor o que representa o valor de US $ 5,7 e uma participação de mercado de 7,0%.

Ressalte-se que entre esses cinco países, 75,4% das compras internacionais de lácteos se concentraram entre janeiro e dezembro de 2020.

Produtos importados
Por categoria de produtos, dados da Odepa revelam que os queijos foram o principal laticínio importado durante 2020, com participação de mercado de 58,2%, somando um valor total de US $ 203,2 milhões, o que significa um aumento de 17,3% em relação ao mesmo período de 2019. Em termos físicos, as importações de queijos cresceram 21,6%, para 52.933 toneladas.

Em segundo lugar ficaram as importações de leite em pó desnatado, com uma participação de mercado de 9,7% e vendas no valor total de US $ 34,0 milhões, o que se traduz em um aumento de 5,0% em relação ao ano passado. As vendas físicas aumentaram para 13.776 toneladas.

O terceiro produto mais importado do ano, com uma participação de mercado de 8,7%, foi o de leite em pó integral, cujo faturamento em relação ao ano passado aumentou 258%, para US $ 30,4 milhões. Nesse caso, as vendas físicas do produto aumentaram 266%, para 9.330 toneladas.

Em quarto lugar ficaram as importações de soro de leite com uma participação de mercado de 8,5% e vendas de US $ 29,6 milhões, o que representa um aumento de 10,4% em relação ao ano passado e um aumento anual no seu faturamento de US $ 2,7 milhões.

Por outro lado, as fórmulas infantis somaram US $ 14,7 milhões, com queda de 19,0% em relação ao ano anterior. Em termos de participação de mercado, atingiu 4,2%.

Exportações
O valor das exportações de lácteos do Chile ficou 3,5% abaixo do ano anterior, atingindo um total de US$ 155,8 milhões, segundo dados divulgados pela Odepa. Isso representa uma queda anual de US$ 3,5 milhões.

O principal mercado de destino das exportações chilenas de lácteos foram os Estados Unidos em 2020, com participação de 24,3%, equivalente a embarques de US $ 37,9 milhões. Na comparação com 2019, os embarques aumentaram 10,2%, mais US $ 3,5 milhões.

Apesar da queda de 2,5% que experimentou em 2020, o Peru permaneceu como o segundo mercado para as exportações de lácteos chilenos, totalizando US $ 22,4 milhões, que por sua vez representam 14,4% do mercado. Os embarques para o país vizinho caíram em US $ 579 mil.

O México terminou como o terceiro país de destino dos laticínios chilenos, alcançando uma participação de mercado de 12,7%. As vendas para o país asteca somaram US $ 19,7 milhões, o que equivale a uma variação de 0,5% em relação ao ano anterior. Isso representa um aumento de US $ 90 mil com relação ao ano anterior.

A Rússia continua sendo o quarto mercado para embarques de lácteos nacionais, com participação de 6,9% dos embarques totais, apesar de em 2020 ter registrado queda de 34,7% agregando um valor de US $ 9,6 milhões. Isso representa uma queda de cerca de US $ 5,6 milhões.

O quinto destino das exportações de lácteos foi a Costa Rica, com 5,6% de participação no total das exportações. Os embarques cresceram 4,7% e somaram US $ 8,7 milhões. Em relação ao ano anterior, isso se traduz em um aumento de US $ 388 mil.

Vale ressaltar que esses cinco países representam cerca de 63,9% dos embarques totais de lácteos.

Produtos exportados 
Segundo dados da Odepa, as exportações de lácteos continuam sendo lideradas pelo leite condensado, com participação de 30,9%. As vendas do produto totalizaram US $ 48,2 milhões, representando um aumento de 15,0% em relação ao ano anterior. Em volume, os embarques de leite condensado aumentaram 13,7%, para 28.805 toneladas.

Em segundo lugar, com 21,8% do mercado, vêm as exportações de queijos. No período de janeiro a dezembro de 2020, os embarques dessa categoria acabaram caindo 16,0%, atingindo o valor total de US $ 33,4 milhões. Em termos físicos, os queijos sofreram queda de 14,1%, para 7.874 toneladas.

As fórmulas infantis ficaram em terceiro lugar, concentrando 17,0% do valor total das exportações. As vendas do produto não sofreram alteração em relação ao ano anterior, atingindo US $ 26,4 milhões, enquanto em volume subiram 4,0%, para 7.213 toneladas.

Por fim, o soro de leite foram reduzidas em 14,6% em relação ao ano passado, somando um total de US $ 12,3 milhões. Em volume, caíram 8,3%, para 15.047 toneladas. Em termos de participação de mercado, representam 7,9%.

Fonte: Comunicaciones Fedeleche FG com a história da Odepa com informações do Diario Lechero, traduzidas pela Equipe MilkPoint

 

Jogo Rápido

Consulta Pública
Foi aberta nova consulta pública no Sistema de Monitoramento de Atos Normativos - SISMAN , referente à proposta de Ato Normativo "REQUISITOS MÍNIMOS PARA DEPENDÊNCIAS E AOS EQUIPAMENTOS PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE POSTOS DE REFRIGERAÇÃO". Acesse o SISMAN para tomar conhecimento e, caso seja do seu interesse, participar da referida consulta pública. (MAPA)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *