Pular para o conteúdo

08/10/2020

 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 08 de outubro de 2020                                                      Ano 14 - N° 3.322


Balança comercial: volume importado é o maior em quatro anos

Segundo dados divulgados nessa terça-feira (06/10) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), as importações brasileiras de derivados lácteos apresentaram, novamente, um aumento significativo no mês de setembro, atingindo o maior patamar desde setembro/16.

No total, foram cerca de 184 milhões de litros de leite equivalente internalizados no mês, o que representa um aumento de 31% em relação ao volume do mês anterior e de 81% em relação a setembro/2019. Em relação às exportações, o volume foi de 8,4 milhões de litros, uma retração de 5% em relação a agosto/20; ao compararmos esse valor com o mesmo mês no ano passado, houve um aumento de 49%. Dessa forma, o saldo da balança comercial de lácteos foi de -176 milhões de litros (em equivalente leite), um aumento de 34% no déficit quando comparado a agosto/20 e de 83% em relação a setembro/19. Assim como nas importações, esse saldo é o menor (mais negativo) em quatro anos.

Gráfico 1. Saldo da balança comercial brasileira de lácteos, 2017 a 2020.

balan

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados do COMEXSTAT

As importações têm apresentado volumes crescentes desde julho/20, resultado de um cenário de baixos estoques de derivados lácteos na indústria e de uma demanda final até então aquecida. Além disso, o cenário de preços dos produtos nacionais em forte elevação a partir de julho estimulou a entrada de importados, dado que os valores destes produtos, mesmo com os altos patamares do dólar, ainda são competitivos no mercado nacional – este efeito inclusive deve ter impactado as negociações dos derivados lácteos nas últimas semanas, nas quais foram observadas quedas, notadamente para o leite UHT e para a muçarela.

Por exemplo, ao considerarmos o preço médio do leite em pó integral importado em setembro (US$ 3.024/ton) no Brasil e a taxa de câmbio média do mês (R$ 5,40), é possível chegar ao preço médio do leite importado equivalente leite fresco aqui no Brasil de R$ 1,94 por litro – competitivo em relação aos valores praticados pelo leite no mercado interno. Vale destacar que cerca de 94% do total de volume importado pelo Brasil teve origem da Argentina e Uruguai.

Entre os derivados de leite comprados pelo Brasil, o leite em pó integral, queijos e leite em pó desnatado são aqueles com maior participação na pauta importadora. Estes produtos apresentaram aumento de volume em comparação com o mês anterior: 24% e 38% e 46%, respectivamente.

Em relação às exportações, os produtos que têm maior participação no volume total exportado são o leite condensado e cremes de leite, que juntos, representam 58% da pauta exportadora. A retração de volume foi de cerca de 20% para cremes de leite e 5% para o leite condensado. Embora o volume vendido no comércio internacional venha se reduzindo desde julho/20, ao considerarmos o total acumulado no ano e compararmos com o ano anterior, temos, ainda, um aumento expressivo de 45%.

Na tabela 2, é possível observar as movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de setembro deste ano.

Tabela 2. Balança comercial láctea em setembro de 2020.

bala2

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados COMEXSTAT.
(Fonte: Milkpoint)
 

Como está seu grau de informação para se planejar para o mercado de leite e derivados em 2021?

Empresas e produtores entram numa fase crítica do ano: olhar para o que está acontecendo HOJE no mercado (fortes movimentações no mercado de UHT, perspectivas difíceis para a muçarela, leite spot com fortes quedas e necessidade de rápida definição sobre as políticas futuras de preços ao produtor) ou ANALISAR e PLANEJAR o futuro, pensando em 2021?

O cenário do leite para 2021 é pleno de incertezas: Demanda, Produção de leite, Comércio exterior e tantos outros temas que são parte do nosso dia a dia e precisam de planos estratégicos consistentes. Mais do que nunca, entender as variáveis envolvidas e avaliar possíveis cenários é fundamental para decisões embasadas, seja para o planejamento de empresas de insumos, seja para compra ou venda de leite.

É isso que faremos em nossa discussão sobre os cenários futuros do leite brasileiro em 2021 no Fórum MilkPoint Mercado Online, que será realizado nos próximos dias 13 e 14 de outubro. Além de todo o conteúdo preparado para esse ano, todos os participantes terão acesso a um bônus pack: 2 webinares exclusivos com atualizações sobre o mercado, a ocorrerem em novembro e dezembro, como parte do pacote da sua participação no evento.

É isso mesmo! Você se inscreve no fórum e terá acesso a conteúdos exclusivos nos próximos dois meses. Aproveite a oportunidade, faça sua inscrição agora mesmo e participe ativamente desta rica discussão sobre o mercado do leite em 2021! (Milkpoint)

Mapa lança programa Ater Digital

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promove nesta quinta-feira (8), às 14h, o webinar de lançamento do programa Ater Digital, com a presença da ministra Tereza Cristina, do secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo, Fernando Schwanke, do diretor de Desenvolvimento Comunitário, Pedro Arraes, e do presidente da Anater, Ademar Júnior.

Durante o evento online, serão apresentadas as atividades a serem desenvolvidas no âmbito da nova política pública, que visa fortalecer o Sistema Brasileiro de Assistência Técnica e Extensão Rural, promovendo a utilização de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) nas atividades de empresas públicas e privadas, buscando ampliar o acesso dos produtores rurais a serviços mais modernos e eficientes. Para isso, o Mapa destinará, inicialmente, recursos na ordem de R$ 40 milhões.

Dentre os benefícios esperados com o programa Ater Digital, estão o de garantir agilidade no atendimento aos produtores rurais, acesso mais rápido aos conhecimentos tecnológicos e inovadores sobre produção agrícola, apoio à integração entre as ações de pesquisa com a extensão rural e assistência técnica, como também incentivo à produtividade e competitividade da agricultura brasileira.

O evento de lançamento será transmitido pelo canal do Mapa no YouTube e terá como convidados o diretor-geral do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Manuel Otero; o representante no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), Rafael Zavala; a vice-presidente da Região Sul da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), Edilene Steinwandter; o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara; o vice-presidente de Operações para a América Latina da Corteva, Carlos Hentschke; o presidente da John Deere no Brasil, Paulo Hermann; e a presidente da Divisão de Crop Science da Bayer, Malu Nachreiner.

Serviço:
Webinar de Lançamento do Programa Ater Digital
Data: 8 de outubro de 2020
Horário: 14h (horário de Brasília)
Canal do Mapa no Youtube: https://bit.ly/30FcJy8
(As informações são do Mapa)

 

Jogo Rápido
Pandemia jogará 150 milhões na pobreza extrema, diz Banco Mundial
Até 150 milhões de pessoas poderão mergulhar na pobreza extrema, vivendo com menos de US$ 1,90 por dia, até o fim do ano que vem, dependendo do grau de encolhimento das economias durante a pandemia de covid-19. O alerta foi dado ontem pelo Banco Mundial, que vê um panorama mais assustador que antes. A maioria dos novos miseráveis, mais de 110 milhões, estará no Sul da Ásia e na África subsaariana. A pandemia interrompeu abruptamente anos de progressos no combate à pobreza extrema no mundo, que deverá aumentar neste ano, pela primeira vez em mais de duas décadas. Ela também ameaça piorar a desigualdade no mundo e tornar mais “difícil para os países voltar ao crescimento inclusivo”, disse o presidente do Banco Mundial, David Malpass. “Esse é o pior revés visto em uma geração”, disse Carolina Sanchez-Paramo, diretor mundial do Banco Mundial, em uma teleconferência ontem. “As ações... precisam ser rápidas, significativas e sustentadas se quisermos responder efetivamente à crise urgente que enfrentamos no momento, mas elas também precisam ser focadas em alguns desafios críticos de desenvolvimento no longo prazo.” O crescimento econômico global deverá cair 5,2% neste ano, mais do que nas últimas oito décadas. Quase um quarto da população mundial vive com menos de US$ 3,20 por dia. A recuperação, segundo especialistas, poderá levar uma década - um golpe devastador para as pessoas que tinham superado a linha da pobreza e tinham perspectivas de vida melhores. O Banco Mundial estima que entre 88 milhões e 115 milhões de pessoas poderão cair na pobreza extrema neste ano, com outros 23 milhões a 35 milhões seguindo o mesmo caminho em 2021. (Valor Econômico)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *