Pular para o conteúdo

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 25 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.709


Conseleite/SC
 
A diretoria do Conseleite Santa Catarina reunida no dia 22 de Julho de 2022 atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I, aprova e divulga os valores de referência da matéria-prima leite, realizados no mês de Junho de 2022 e a projeção dos valores de referência para o mês de Julho de 2022. Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão, bem como o maior e menor valor de referência, de acordo com os parâmetros de ágio e deságio em relação ao Leite Padrão, calculados segundo metodologia definida pelo Conseleite-Santa Catarina.


Períodos de apuração
Mês de Junho/2022: De 30/05/2022 a 03/07/2022
Parcial Julho/2022: De 04/07/2022 a 17/07/2022
O leite padrão é aquele que contém entre 3,50 e 3,59% de gordura, entre 3,11 e 3,15% de proteína, entre 450 e 499 mil células somáticas/ml e 251 a 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana e volume individual entregue de até 50 litros/dia. O Conseleite Santa Catarina não precifica leites com qualidades inferiores ao leite abaixo do padrão. (Conseleite/SC)


Mercado de leite em pó enriquecido pode crescer perto de 80%

O aumento da adoção do leite em pó enriquecido pelas indústrias de alimentos, junto com a crescente conscientização dos consumidores, são os principais fatores atrás do crescimento do setor, de acordo com a pesquisa.
 
Fábricas de leite em pó enriquecido vão procurar capitalizar uma série de oportunidades lucrativas de um segmento que pode ter uma expansão de 80% na próxima década.
 
A pesquisa de mercado da Fact.MR prevê que o mercado global, que atualmente vale US$ 8,63 bilhões, irá crescer à taxa anual de 5,9%, para chegar a US$ 15,38 bilhões no final de 2032.
 
A expansão do mercado será impulsionada pela conscientização do consumidor sobre os benefícios para a saúde e nutricionais do leite em pó enriquecido e o crescimento do seu uso pela indústria de alimentos é fundamental para adicionar nutrientes a vários produtos, inclusive sorvetes, iogurtes e fórmulas infantis.
 
Abordagens regionais
A Fact.MR prevê que 26,8% de todas as vendas de leite em pó enriquecido serão destinadas à América do Norte, onde atualmente o mercado está avaliado em US$ 2,31 bilhões. O mercado europeu deverá ficar com 23,3%, ou pouco mais de US$ 2 bilhões, e a China ficará com 7,3% do mercado, perto de US$ 630 milhões.
 
“O crescimento do mercado de leite em pó enriquecido na América do Norte será impulsionado pela prevalência de doenças relacionadas ao estilo de vida, a preocupação com saúde e nutrição, e aumento da disponibilidade de produtos com leite enriquecido em países como Estados Unidos da América (EUA) e Canadá”, afirmam os pesquisadores.
 
Concorrência
As indústrias de leite em pó enriquecido estão continuamente focando na expansão dos seus portfólios através da inovação de produtos, diz o relatório. Em 2020, a Jatenergy desenvolveu dois produtos com leite em pó enriquecido com lactoferrina com a marca Abbeyard e um leite de camela enriquecido com lactoferrina vendido com a marca Auveno.
 
No ano passado, a Lactalis Ingredients expandiu sua gama de leite em pó lançando o novo leite em pó integral orgânico. No último mês, a marca Anchor da Fonterra anunciou o lançamento de uma nova linha de produtos para o Oriente Médio, que inclui o creme de leite em pó fortificado.
 
Enquanto isso, novos players do mercado estão atentos ao que sairá dos departamentos de P&D para obter competitividade. Os pesquisadores destacam a estratégia da startup israelense de alimentos Remilk, que conseguiu US$ 120 milhões de financiamento liderado pela empresa de capital de risco Hanaco Ventures, para a produção de proteínas lácteas.
 
Um dos obstáculos para a expansão do mercado mundial poderá ser o aumento da disponibilidade de misturas não lácteas, que terão o potencial de reduzir o crescimento do mercado de leite em pó enriquecido, concluem os pesquisadores. (Fonte: DairyReporter - Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 
 
Aberta consulta pública sobre produtos de uso veterinário

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) abriu uma consulta pública, pelo prazo de 75 dias, para discutir a minuta do Decreto que aprova o regulamento de registro, emprego e fiscalização de produtos de uso veterinário.

A proposta busca atualizar o Decreto nº 5.053/2004 de forma a modernizar os procedimentos para o registro e importação dos produtos de uso veterinário por meio da simplificação e reformulação de requisitos com base em risco. Além disso, a minuta apresenta capítulos específicos para regulamentação de temas como o emprego e farmacovigilância.
 
O Mapa também disponibilizou para consulta pública, pelo prazo de 60 dias, a proposta de Portaria que consolida as proibições, em todo território nacional, da fabricação, manipulação, comercialização, importação ou uso de insumos ativos e produtos de uso veterinário específicos.
 
A Portaria tem por objetivo consolidar os diversos atos normativos atendendo às boas práticas regulatórias, assim como harmonização com a legislação nacional e com as recomendações internacionais para o tema.
 
Para ambas consulta públicas, as sugestões tecnicamente fundamentadas deverão ser encaminhadas por meio do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman), da Secretaria de Defesa Agropecuária, por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/sisman/. Para ter acesso ao Sisman, o usuário deverá efetuar cadastro prévio no Sistema de Solicitação de Acesso (SOLICITA), por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/solicita/. (MAPA)


Jogo Rápido 

ÚLTIMOS DIAS DO 1º LOTE do Feras da Sustentabilidade, inscreva-se com desconto!
 Você piscou e o Feras da Sustentabilidade é logo ali! Daqui 1 mês, durante seis encontros semanais online, entre os dias 26/08 e 30/09, desvendaremos como fazer do meio ambiente o protagonista de sucesso do negócio das fazendas de leite! Estamos nas últimas horas do 1º lote com os melhores preços, garanta já o seu! Já adiantamos: as possibilidades são muitas! Aí vai um pequeno spoiler sobre o que falaremos no MilkPoint Experts Feras da Sustentabilidade: fontes alternativas de energia; manejo de água; dejetos e solo; bionsumo; agricultura regenerativa; adubação verde; pegada de carbono; crédito de carbono; Integração Lavoura Pecuária Floresta e muito mais! Produtor, não perca essa oportunidade única de preparar a sua fazenda para o futuro. Técnico, não deixe escapar a chance de capacitar-se para atender o produtor de leite do futuro! Vem com a gente! Associados do Sindilat/RS têm 30% de desconto na inscrição, clicando aqui. (Milkpoint)


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 22 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.708


Preço do leite a ser pago em agosto teve alta de 18,39% em MG

Dados divulgados trazem valores de referência do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Maio a ser pago em Junho/2022, entregue em Junho para ser pago em Junho de 2022 e valores de referência do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Junho/2022 a ser pago em Julho/2022. 
 
Conseleite/MG - A diretoria do Conseleite Minas Gerais reunida no dia 20 de Julho de 2022, atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I e de acordo com metodologia definida pelo Conseleite Minas Gerais que considera os preços médios e o mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes, aprova e divulga: 
 
a) os valores de referência do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Maio a ser pago em Junho/2022 
b) os valores de referência do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Junho/2022 a ser pago em Julho/2022 
c) os valores de referência do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Junho/2022 a ser pago em Julho/2022 e valores de referência projetados do leite padrão maior e menor valor de referência para o produto entregue em Julho/2022 a ser pago em Agosto/2022.
 

 
Períodos de apuração: Mês de Maio/2022: De 29/04/2022 a 26/05/2022 Mês de Junho/2022: De 27/06/2022 a 30/06/2022 Parcial de Julho/2022: De 01/07/2022 a 14/07/2022 Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,30% de gordura, 3,10% de proteína, 400 mil células somáticas/ml, 100 mil ufc/ml de contagem bacteriana e produção individual diária de até 160 litros/dia. Os valores são posto propriedade incluindo 1,5% de Funrural. (Fonte: Conseleite - MG)


Plano Safra - Autorizada equalização de juros
 
O Ministério da Economia autorizou as instituições bancárias a pagar a equalização das taxas de juros anunciadas para o Plano Safra 2022/2023. Conforme a portaria 6454/22, publicada em edição extra do Diário Oficial na noite da última terça-feira, o subsídio será calculado a partir da Média dos Saldos Diários (MSD) do saldo devedor vincendo. 
 
O total de recursos equalizáveis soma R$ 115,8 bilhões. Onze instituições financeiras foram autorizadas a operar linhas de crédito: Banco do Brasil S.A. (Banco do Brasil); Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. (Banrisul); Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG); Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE); Caixa Econômica Federal (Caixa); Credialiança Cooperativa de Crédito Rural (Credialiança); Credicoamo Crédito Rural Cooperativo (Credicoamo); Confederação Nacional das Cooperativas Centrais de Crédito e Economia (Cresol Confederação); Banco Cooperativo Sicoob S.A. (Sicoob); e Banco Cooperativo Sicredi S.A. (Sicredi).
 
Conforme a portaria, os bancos podem iniciar imediatamente o atendimento às demandas. COnforme o Ministério da Agricultura, os recursos serão direcionados, principalmente, para os programas de investimento, como o Programa para a Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária (Programa ABC+), o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) e o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), além do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), dentre outros. (Correio do Povo)
 
 
BOLETIM INTEGRADO AGROMETEOROLÓGICO Nº 28/2022 – SEAPDR 
 
A última semana permaneceu com muita umidade e frio no RS. Entre a quinta-feira (14) e o domingo (17), a presença de uma área de baixa pressão e a propagação de um sistema frontal provocaram pancadas de chuva, com registro de temporais, e fortes rajadas de vento na maior parte do RS. 
 
Na segunda (18) e terça-feira (19), o ingresso de uma massa de ar seco e frio afastou a nebulosidade e provocou o declínio acentuado das temperaturas em todo Estado, com valores inferiores a 5°C na maioria das regiões e formação de geadas isoladas, porém o ingresso de umidade favoreceu a ocorrência de pancadas de chuva sobre os setores Norte e Nordeste. Na quarta-feira (20), o ar frio perdeu intensidade e favoreceu a elevação das temperaturas em todo Estado. 
 
Clique aqui e acesse os Boletins oficiais sobre clima e culturas elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Emater-RS e Irga. O documento conta com uma avaliação das condições meteorológicas da semana anterior, situação atualizada das culturas do período e a previsão meteorológica para a semana seguinte. (SEAPDR) 


Jogo Rápido 

Representa+
A Fecomécio-RS lançará plataforma digital que permite a participação de empresários nos projetos que tramitam no legislativo. Batizada de Representa+, a ferramenta oportuniza consultas de apoio ou rejeição em pautas que são do interesse da entidade representativa do terceiro setor no RS. (Zero Hora)


 
 
 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 21 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.707


Portaria oficializa valor de R$ 600 do Auxílio Brasil

O governo federal definiu os critérios para pagamentos dos benefícios sociais previstos na PEC promulgada no último dia 14 pelo Congresso, e que já está em vigor. Em portaria publicada no Diário Oficial da União de ontem foi autorizado o acréscimo de R$ 200 às parcelas de R$ 400 já pagas aos beneficiários do Auxílio Brasil. O adicional deverá estar disponível a partir de agosto, seguindo assim até o final do ano.

Com o aumento, as famílias beneficiadas vão receber mensalmente R$ 600. Foi regulamentada também a ampliação do valor do Auxílio Gás prevista na emenda. O texto da emenda constitucional detalha ainda que cada família beneficiária do Auxílio Gás passará a receber, a cada dois meses, o valor total da média nacional do botijão de 13 quilos de gás de cozinha e não mais a metade, que vinha sendo paga desde o início deste ano.

O valor médio nacional, conforme o último levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), é de R$ 112,34. Segundo confirmou a portaria, os beneficiários receberão o adicional extraordinário na data prevista no calendário de pagamentos do programa. O governo vinha informando ao longo da semana que estaria estudando antecipar estas datas. O primeiro pagamento é previsto para 18 de agosto, embora a intenção seja fazer os depósitos sempre na primeira quinzena de cada mês, em um período mais próximo daqueles em que são creditados salários de trabalhadores e de benefícios como aposentadorias e pensões.

Antecipar as datas, segundo o governo, seria uma necessidade diante do cenário de crise econômica. De acordo com os dados da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania, o Nordeste é a região com o maior número de beneficiários: quase 8,6 milhões de famílias. Na sequência aparecem as regiões Sudeste com 5,2 milhões, Norte com 2,1 milhões, Sul com 1,2 milhão e Centro-Oeste com 941 mil. Outras medidas previstas no pacote ainda precisarão ser regulamentadas pelos ministérios, entre estas o pagamento no valor de R$ 1 mil para caminhoneiros e o auxílio para os taxistas. Os critérios de cadastro destes beneficiários ainda deverão ser definidos. (Correio do Povo)

 


Lavouras tradicionais abrem espaço ao sorgo

Produtores da região de Frederico Westphalen estão encerrando neste mês a colheita de mais uma safra de sorgo, cereal que tem recebido atenção pela resistência climática e a pragas, baixo custo de produção e abertura de mercado para uso na fabricação de rações e processamento de etanol. Um projeto iniciado pela Emater/RS-Ascar há cerca de seis anos vem fomentando o plantio do grão, principalmente em áreas de encostas do Rio Grande do Sul, onde o milho é plantado e colhido mais cedo.

Como se trata de um cultivo não tradicional, a Emater não tem dados fechados quanto à área plantada, mas garante que neste ano de 2022 foi bem maior que nos últimos anos, em razão das perdas de outras culturas com a estiagem. O gerente regional da Emater/RS em Frederico Westphalen, Luciano Schwerz, explica que, nas áreas de encosta de plantio precoce ,o agricultor tem uma janela que vai do final de março até início de junho para fazer novas lavouras, de soja, feijão ou de sorgo.

A preferência pelo sorgo ocorre em razão do baixo custo de implantação da lavoura, que demanda investimentos em torno de R$ 2,2 mil por hectare (menos da metade do custo de implantação da soja, por exemplo), para uma expectativa de 50 a 55 sacos de produtividade por hectare. "Por ser muito rústica, a cultura demanda poucos tratos culturais, com boas sementes, uma adubação e uma aplicação de fungicida. Além disso, é bastante resistente no caso de falta de chuva e em áreas de milho onde há a presença da cigarrinha", explica. Schwerz ressalta que o preço do sorgo corresponde a cerca de 60% ou 70% da cotação da saca de 60 quilos do milho.

De acordo com a cotação semanal publicada pela Emater, a saca do cereal é comercializada. no Estado. a R$ 66,00. Desta forma, para cada hectare em que colhe 50 sacos do grão o produtor tem uma rentabilidade de mais de R$ 1 mil em relação ao custo. Do ponto de vista do mercado, tanto Schwerz como o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, são unânimes em dizer que ele é promissor. O sorgo pode ser utilizado como substituto do milho para a fabricação de rações destinadas à avicultura e à suinocultura; já está sendo plantado com objetivo de produzir silagem para o gado leiteiro; e encontra portas abertas para ser utilizado na produção de etanol. Conforme Rugeri, o sorgo é um grão complementar ao sistema de produção, inclusive para a preservação do solo. (Correio do Povo)

Formação superior tem alto valor na empregabilidade

O investimento na formação superior continua sendo muito importante para a empregabilidade, com 69% dos egressos de universidades empregados após até um ano da colação de grau. A taxa de ocupação no mercado é a mesma para recém-formados, independentemente da modalidade do curso – presencial ou a distância –, e a remuneração média geral é de R$ 3,8 mil. Esses dados constam no Indicador Abmes/Symplicity de Empregabilidade (Iase), divulgado ontem.

O levantamento foi realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) e a empresa Symplicity, com apoio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e de dez instituições privadas de Ensino Superior. A pesquisa avaliou a colocação profissional de quase 2 mil egressos que se formaram entre meados de 2020 e meados de 2021, período mais crítico para ocupação profissional durante a pandemia da Covid-19. O estudo ainda revela que 48,82% dos formandos estavam em ocupações formais; 10,86% trabalhando como autônomos ou profissionais liberais; 2,77%, como empresários; e só 2,82% estavam na informalidade.

O aproveitamento no mercado foi de 70%, entre os bacharéis; 69%, entre tecnólogos; e 61% junto a profissionais com licenciatura. E aqueles empregados na área de formação, tiveram melhores resultados na ocupação de vagas profissionais: 81%, quem fez bacharelado; 69%, os licenciados; e 51%, os tecnólogos. (Correio do Povo)


Jogo Rápido 

Em cúpula, Mercosul adota a redução da TEC em 10%
Os países do Mercosul concordaram em reduzir a Tarifa Externa Comum (TEC) em 10%, anunciou ontem o ministro de Relações Exteriores paraguaio, Julio Arriola, no âmbito da reunião de chanceleres do Conselho do Mercado Comum do bloco, que se realiza em Assunción. “O acordo sobre a Tarifa Externa Comum do Mercosul permitirá uma redução de 10% em um universo muito amplo de produtos”, disse o representante do Paraguai, que ocupa a presidência pro tempore do bloco. “É uma decisão histórica, principalmente em um momento de crise econômica e inflação internacional”, observou o chanceler brasileiro, Carlos Franca, que representou o presidente Jair Bolsonaro no evento. A redução da TEC, assinalou França, “fará do Mercosul o bloco mais aberto e integrado” do mundo. “É um passo importante para aumentar a competitividade dos estados partes e fortalecer processos produtivos regionais, a fim de promover uma inserção benéfica da produção do Mercosul nas cadeias globais de valor”, analisou. Ao mesmo tempo que houve redução na tarifa comum, outra decisão ampliou possibilidades do bloco. Arriola anunciou a conclusão das negociações para um acordo de livre comércio “de última geração” entre o Mercosul e Singapura, o que pode significar novas exportações do bloco no valor de 500 milhões de dólares. Em 2021 as exportações do Mercosul para o país asiático alcançaram 5,92 bilhões de dólares, enquanto as importações totalizaram 1,25 bilhão. Além de Brasil e Paraguai, o Mercosul é composto também por Argentina e Uruguai, os chamados estados “partes”. Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname são estados associados. (Correio do Povo)


 
 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 20 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.706


Energia Solar se torna a terceira fonte de energia em potência do Brasil
 
A energia solar ultrapassou em potência a geração das termoelétricas a gás natural e biomassa e se tornou a terceira fonte de energia do Brasil, disse a Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar). Agora, a geração pelo sol só fica atrás da potência das hidrelétricas e da fonte eólica, informou a entidade. 
 
Segundo mapeamento inédito feito pela Absolar, ao todo são 16,4 gigawatts (GW) de energia solar em grandes usinas e em pequenos projetos de geração própria, ante os 16,3 GW do gás natural e os 16,3 GW da biomassa.
 
De acordo com a associação, desde 2012, a fonte solar já trouxe ao Brasil mais de R$ 86,2 bilhões em novos investimentos, R$ 22,8 bilhões em arrecadação aos cofres públicos e gerou mais de 479,8 mil empregos acumulados desde 2012.
 
“Com isso, também evitou a emissão de 23,6 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade”, informou a Absolar.
 
Segundo o diretor da Absolar, Carlos Dornellas, as usinas solares de grande porte geram eletricidade a preços até dez vezes menores do que as termoelétricas fósseis emergenciais ou a energia elétrica importada de países vizinhos, duas das principais responsáveis pelo aumento tarifário sobre os consumidores.
 
“A fonte ajuda a diversificar o suprimento de energia elétrica do País, reduzindo a pressão sobre os recursos hídricos e o risco de ainda mais aumentos na conta de luz da população”, afirmou Dornellas. (Canal Rural)


Feras da Sustentabilidade, inscreva-se!

Pare e pense: quantas vezes, nos últimos tempos, você escutou falar sobre sustentabilidade? Muitas, correto? Mas, o que você realmente conhece sobre o assunto? Apesar de ser um tema crescente e de grande relevância, ainda há muito do que aprendermos, efetivamente, sobre sustentabilidade, inclusive como podemos aplicá-la na pecuária leiteira.
 
É justamente essa a proposta do MilkPoint Experts Feras da Sustentabilidade. Com uma programação inédita, atualizada e aprofundada, durante seis encontros semanais online, entre os dias 26/08 e 30/09, traremos a sustentabilidade ambiental de uma maneira jamais abordada. Traduziremos na prática os conceitos, fazendo do meio ambiente o protagonista de sucesso do negócio das fazendas de leite.
 
Veja a seguir o que será abordado em cada dia do Feras da Sustentabilidade:
Painel 1 (26/08) - Entendendo os porquês
Painel 2 (02/09) - Pecuária e mudanças climáticas
Painel 3 (09/09) - De vilões a oportunidade: como reduzir carbono e metano e ainda ter retorno financeiro?
Painel 4 (16/09) - Manejo de solo e cultivares
Painel 5 (23/09) – Água, dejetos e energia
Painel 6 (30/09) - Crédito, programas governamentais e casos de sucesso
 
Associados do Sindilat/RS têm 30% de desconto na inscrição, clicando aqui. (Milkpoint)

  
Petrobras anuncia redução no preço da gasolina 
 
A Petrobras anunciou ontem redução no preço da gasolina em cerca de 5% a partir de hoje nas refinarias. O valor do litro, sem tributo e margens, será de R$ 3,86, R$ 0,20 menos frente ao valor anterior de R$ 4,06.

O diesel, entretanto, não teve alterações. A baixa na gasolina segue movimento de queda moderada da cotação do petróleo no exterior e ocorre após a Acelen, controladora da Refinaria de Mataripe, na Bahia, reduzir o preço em 7%. Ontem o petróleo, embora com leve alta, se manteve na faixa dos 100 dólares na Bolsa de Nova Iorque. “Considerando-se a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 2,96, em média, para R$ 2,81 a cada litro vendido na bomba”, detalhou a estatal em nota.

O governo vinha fazendo pressão para que a empresa reduzisse o preço da gasolina nas refinarias, o que junto com a limitação do ICMS em um teto entre 17% e 18% deve ajudar a frear a inflação. “Essa redução acompanha a evolução dos preços internacionais, que se estabilizaram em patamar inferior para a gasolina, e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca equilíbrio dos preços com o mercado global, mas sem repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”, acrescentou a nota. O corte no valor de R$ 0,20 nas refinarias deverá baixar a inflação em 0,20 ou 0,25 ponto percentual, estima o economista-chefe do Banco Alfa, Luís Otávio de Souza Leal.

Os efeitos no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, deverão ocorrer ainda em julho e, majoritariamente, em agosto. A projeção feita por Leal é de deflação entre 0,6% e 0,7% neste mês e de variação perto de zero no próximo. “É tanto impacto junto nos combustíveis que fica difícil mensurar como vai ficar”, concluiu o economista. Atualmente a inflação medida pelo IPCA, pesquisa do IBGE, está em 11,89% no acumulado de 12 meses. (Correio do Povo)


Jogo Rápido 

Atualizado piso mínimo do frete
A Agência Nacional de Transportes Terrestres aprovou ontem nova tabela com preços mínimos de frete rodoviário, com reajuste médio de 0,87% a 1,96%. A reguladora deve atualizar a tabela até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, mas um último ajuste ocorreu há menos de um mês, quando o órgão divulgou índices de 7,06% a 8,99%. Naquela ocasião, porém, a alteração foi feita após ser constatada variação superior a 5% no preço do diesel na bomba em relação aos valores de referência usados na tabela do frete anterior. A variação média para transporte rodoviário de carga/lotação é de 1,96%. Para contratação só de veículo automotor de carga, 1,51%. Já no transporte rodoviário de carga/lotação de alto desempenho, a alta média é de 1,3%. As atualizações consideram o valor do diesel S10 de R$ 7,583 por litro, divulgado pela ANP. (Correio do Povo)


 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 19 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.705


GDT - 19/07/2022
 
(Fonte: GDT)


De onde virá o consumo no RS

Porto Alegre e Caxias do Sul seguem no topo do ranking das cidades com maior potencial de consumo no Rio Grande do Sul. Depois, porém, houve algumas trocas de posição. Na sequência, Canoas e Santa Maria subiram, enquanto Pelotas caiu. Novo Hamburgo também avançou.
 
As 10 cidades gaúchas no topo da lista somam R$ 153 bilhões de potencial de consumo. É o que mostra o estudo IPC Maps, que foi atualizado para 2022. Há quase 30 anos, ele calcula os índices de potencial de consumo com base em dados oficiais.
 
No país, a Região Sul (17,9%) perdeu a segunda posição do ranking para o Nordeste (18,2%). A volta dos turistas e a injeção do auxílio emergencial com outros programas sociais ajudaram na mudança. Por outro lado, a estiagem afetou o Sul, avalia o IPC Marketing. Sudeste continua liderando o ranking das regiões, respondendo por 49% do consumo nacional. Assim como no ano passado, o quarto lugar segue ocupado pelo Centro-Oeste, reduzindo sua fatia para 8,5%, e por último, vem a Região Norte, que amplia sua atuação para 6%. (Zero Hora)

Corte de impostos puxa a desaceleração do IGP-10
 
A desaceleração do Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10), divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre) foi influenciada principalmente pelos efeitos da desoneração tributária sobre os preços ao consumidor. Em julho, o IGP-10 subiu 0,60%, contra 0,74% no mês anterior. Dentro do IGP-10, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice, teve alta de 0,42% em julho, contra 0,72% no mês anterior. Matheus Peçanha, economista do FGV Ibre, destaca que a redução de impostos foi o principal motor dessa desaceleração. Em julho, a gasolina recuou 1,49%, enquanto a energia caiu 1,45% dentro do IPC. “O IPC mostra que a redução do ICMS está fazendo efeito muito rápido. E tem espaço para cair ainda mais”, diz Peçanha, que não descarta um IPCA negativo em julho. 
 
Sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação entre junho e julho. As principais contribuições partiram dos seguintes itens: gasolina (0,24% para -1,49%), passagem aérea (16,35% para 6,99%), artigos de higiene e cuidado pessoal (1,64% para -1,34%), roupas (2,04% para 0,99%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-0,59% para -1,79%), serviços bancários (0,78% para 0,11%) e taxa de água e esgoto residencial (3,74% para 0%). Em contrapartida, apenas o grupo Alimentação (0,42% para 1,48%) apresentou acréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, a maior influência partiu do item laticínios, cuja taxa passou de 3,94% para 8,81%. “Laticínios ainda estão pressionados. A cadeia de laticínios sofre não apenas com a entressafra, houve desinvestimentos no setor”, diz Peçanha. 
 
Segundo ele, a expectativa é que a inflação ao consumidor fique mais controlada até o fim do ano, muito por conta dos benefícios tributários. O economista prevê um IPCA em torno de 7,5% ao fim de 2022, mas admitiu que em janeiro “não sabe como fica”. “Mas até dezembro vai segurar a desaceleração da inflação”, frisa. Já o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do IGP-10, subiu 0,57% em julho, contra 0,47% em junho. Os principais motivos para a aceleração do IPA foram alimentos e combustíveis, com destaque para o avanço de 16,3% do leite industrializado e a alta de 10,91% do diesel. “O IPA pega o combustível na refinaria, ou seja, a queda do imposto não afeta a medição. E o IGP-10 teve impacto cheio do último reajuste da Petrobras”, disse Peçanha. (Valor Econômico)


Jogo Rápido 

Câmbio - Argentina adota 13 cotações
 A Argentina tem atualmente ao menos 13 tipos de conversão de moeda. Restrições e tributos criaram cotações para diferentes segmentos da economia. Além do dólar comercial, paralelo e turismo, como no Brasil, o país vizinho usa os câmbios “vinho”, “trigo” e “bolsa”, entre outros. “Tantas cotações são resultados de controles, impostos às exportações e política econômica errática”, afirmou o economista-chefe da Fundación Libertad y Progreso, Eugenio Mari. Com reservas em baixa, de 3,2 bilhões de dólares, exatamente o mínimo definido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), a tendência é de mais desvalorização para o peso. No mercado fala-se até em nova maxidesvalorização da moeda de pelo menos 40%. “Pelo câmbio oficial, em 2019, R$ 1 equivalia a 7,50 pesos. Agora, são 24 pesos para cada R$ 1”, compara Mari. No entanto, observa, o câmbio oficial ainda é bem diferente do que se observa na rua, com valor acima de 55 pesos por R$ 1. (Correio do Povo)


 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 18 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.704


Leite A2: Uma nova alternativa no mercado de leite

Em um cenário no qual o nível de exigência do cliente e a competitividade de mercado são crescentes, ter um diferencial de negócio e trabalhar no processo de diversificação do produto podem ser ótimas alternativas para empresas no setor de leite.
 
E foi nesse processo de inovação e aperfeiçoamento que surgiu o leite A2, produto que, por ser de digestão mais fácil que o leite A1 (leite tradicional), aparece como boa alternativa para pessoas que sentem desconforto ao ingerir alimentos que tenham leite e seus derivados.
 
Mas afinal de contas, o que é o leite A2 e para quem é indicado?
O leite é composto por água, carboidratos, proteínas, gorduras, minerais e vitaminas. A caseína (sua proteína principal) possui duas variantes, sendo a β-caseína A1 e a caseína A2. O leite tipo A2 é produzido por vacas que, em sua genética, contém apenas a variante da caseína A2.
 
O primeiro país a trabalhar com ele foi na Nova Zelândia em 2015 e quando sua patente expirou, ficou livre para fazer parte do mercado internacional. Foi nesse momento que alguns produtores brasileiros começaram a pesquisar, fazer testes para compreender melhor essa oportunidade e, com base nos resultados obtidos, deram início a sua produção.
 
De olho no mercado e nas tendências que ele oferece, a empresa Piracanjuba lançou o primeiro leite de caixinha A2 do mercado. Semidesnatado, ultrapasteurizado (UHT), com 2,1% de gordura e em caixinhas de 1 litro, o leite A2 da Piracanjuba vem ganhando espaço na mesa dos consumidores. 
 
No processo de produção, o foco deve ser a seleção adequada. A genética é essencial na qualidade do leite, de modo que, para atingir a caseína A2, tanto a vaca que receberá o esperma como o gameta usado na fecundação devem ter a genética correta. Para isso, são essenciais espécimes A2A2 no processo. 
 
O consumo é indicado para pessoas que possuem problemas de digestibilidade com leite tradicional. Porém, por não ser livre de lactose, a ingestão não é sinalizada para quem tem intolerância a lactose ou alergia.
 
Sobre o assunto, a ANVISA lançou a Resolução-RE n.º 4.769, de 22 de Dezembro de 2021, onde deixa claro a contraindicação do produto e a proibição de divulgação inapropriada. Para leitura da resolução, clique aqui. 
 
Para mais informações sobre o tema, basta entrar no aplicativo X-Lei, carrossel número 6- ANVISA e você terá acesso à legislação do A2A2. (Fonte: Terra Viva)


Protagonista ou coadjuvante?

Nas novelas, séries, minisséries, peças de teatro e filmes as narrativas giram em torno do protagonista. O personagem principal é aquele que, de algum modo, diferencia-se dos demais, isto é, dos coadjuvantes.
Saindo do imaginário, a vida real também tem seus protagonistas e coadjuvantes. A todo momento, estamos cercados por oportunidades e desafios que atravessam a nossa história. Porém, atenção neste ponto: atravessam, porque para fazer parte depende de nós.
 
No leite, o contexto atual traz um período desafiador marcado pela forte alta conjuntural de custos de produção de leite. Contudo, uma análise mais ampla e criteriosa, abordada no artigo, “Leite virou produto de luxo?” mostra haver um processo de pelo menos doze anos de elevação dos custos de produção acima da inflação geral da economia.
 
Este ano, no primeiro semestre, os dados divulgados pelo IBGE, apontaram uma queda recorde de aproximadamente 10,3% na captação de leite cru resfriado, em relação ao mesmo período de 2021. Essa é a maior queda registrada da série histórica, desde 1997. A combinação de fatores como produção, eventos climáticos adversos e ambiente econômico foram apontadas pelos especialistas como causa dessa queda expressiva.
 
Em meio a este cenário, o futuro bate à porta do leite brasileiro. As agendas ambiental e de sustentabilidade deixaram de ser uma realidade distante, já permeando os diversos elos da cadeia e com forte tendência de crescimento.
 
O que, esperar então, do futuro do setor? Como ser protagonista em uma história complexa, dinâmica e desafiadora? Como transformar os desafios em oportunidades? Como diferenciar-se dos coadjuvantes? Como fazer parte da história?
 
Entre todas as possíveis respostas para os questionamentos acima, sem dúvidas, a informação e o conhecimento são essenciais para um primeiro passo. Entender o que nos trouxe até aqui e o que pode nos continuar levando adiante é de suma importância.
 
É neste contexto que chegamos a 20ª edição do Interleite Brasil, simpósio referência sobre a cadeia láctea nacional. Com 24  palestras, o Interleite Brasil trará as principais pautas do leite nacional como sistemas de produção, mercado, índices de eficiência e produtividade, gestão, tecnologia, agenda ambiental e muito mais! Uma verdadeira jornada de conhecimentos para quem acredita no leite brasileiro e quer transformar os desafios em oportunidades.
 
Com os apoios do Sistema Faeg/Senar – GO, do Sebrae-GO e demais parceiros, o Interleite Brasil 2022 será sediado em Goiânia, nos dias 03 e 04 de agosto. Pela primeira vez em formato híbrido, o evento também será transmitido ao vivo online em plataforma exclusiva para os participantes.
 
Antecedendo o Interleite Brasil 2022,  dia 02 de agosto, também em Goiânia, teremos três eventos paralelos: Fórum MilkPoint Mercado, Jantar dos Top 100 e workshop exclusivo da Agroceres Multimix  com tema "estratégias, manejo e ferramentas nutricionais com impacto no período pós-parto," ministrado pelo Prof. Felipe Cardoso e por Gilson Dias. 
 
O Interleite Brasil, idealizado pelo MilkPoint. Acesse o site, confira a programação completa e se inscreva. Associados do Sindilat/RS tem 20% de desconto. (Milkpoint)
 
 
Fundesa encerra semestre com mais de R$ 112 mi em reservas

As contas semestrais do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS foram aprovadas na manhã desta sexta-feira em assembleia geral virtual. O saldo atual do Fundesa é de R$ 112,4 milhões. No semestre, foram arrecadados R$ 11,4 milhões, entre contribuições de produtores e indústrias, e receitas financeiras. “Houve uma recuperação expressiva dos rendimentos em função do aumento da Taxa Selic”, explica o presidente do Fundo, Rogério Kerber. Também, segundo os números, houve um aumento de 4,8% na arrecadação de contribuições, o que é considerado normal já que alguns setores vêm elevando os abates, conforme o presidente.
 
A aplicação dos recursos no primeiro semestre de 2022 reflete o que está na diretriz de fortalecimento do sistema de defesa sanitária do Fundesa. Foram aplicados mais de R$ 3,8 milhões em indenizações, capacitações de técnicos do Serviço Veterinário Oficial e aquisição de insumos e equipamentos. Conforme Kerber, isso é fundamental para que qualquer evento sanitário seja registrado. “É preferível fazer investimento, fortalecer o sistema de defesa sanitária preventivamente e não ter a necessidade de fazer aplicação de recursos na contenção de alguma enfermidade que acabe trazendo problemas e perdas econômicas e sociais.” (Fundesa)


Jogo Rápido 

EUA confiam em aumento na produção de petróleo 
 Um representante do departamento de energia dos Estados Unidos disse estar confiante de que os produtores do Golfo aumentarão a produção de petróleo após a visita do presidente Joe Biden à Arábia Saudita, onde se reuniu com líderes regionais. “Com base no que ouvimos na viagem, estou bastante confiante de que veremos mais alguns passos nas próximas semanas”, disse ontem Amos Hochstein, consultor sênior do Departamento de Estado para segurança energética, no programa “Face the Nation” da “CBS”. Hochstein, que fez parte da delegação de Biden na visita, também citou os produtores de petróleo do Kuwait e os Emirados Árabes Unidos. “Não se trata apenas da Arábia Saudita”, disse ele. “Há capacidade extra adicional. Há espaço para aumentar a produção”, destacou Hochstein. Biden visitou a Arábia Saudita na sexta-feira como parte de sua primeira viagem ao Oriente Médio como presidente dos EUA, na esperança de fechar um acordo sobre a produção de petróleo para ajudar a reduzir os preços da gasolina. O presidente dos EUA Biden está sob pressão política como consequência dos altos preços da gasolina e consequente alta da inflação, a mais alta no país em quatro décadas. Durante a visita, Biden disse que espera mais aumentos na oferta de petróleo pela Arábia Saudita. Autoridades sauditas destacaram, porém, que qualquer decisão seria feita no âmbito da Opep+, que realizará a próxima reunião em 3 de agosto. A inflação se tornou um problema político para os democratas e o governo Biden com as eleições de meio de mandato em novembro. Embora a guerra da Rússia contra a Ucrânia tenha abalado os mercados de energia, Biden também tem criticado os “lucros crescentes” das empresas de petróleo e gás, acusando-as de “manipular preços e especular”. (Valor Econômico)


 
 
 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 15 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.703


Consumo nos lares brasileiros sobe 0,39% em maio, aponta Abras

O consumo nos lares brasileiros subiu 0,39% em maio deste ano em relação ao mesmo período de 2021. Na comparação com o mês de abril, houve queda de 3,47%, influenciada pela sazonalidade. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (14), são da pesquisa Consumo nos Lares Brasileiros da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

O vice-presidente institucional da associação, Marcio Milan, afirma que, até o momento, a projeção de crescimento de 2,8% no ano de 2022 permanece, mas pode ser revisada em junho ou julho. Até o momento, o setor acumula alta de 2,02% de janeiro a maio. A cesta Abrasmercado, com 35 produtos de largo consumo, teve alta de 17,2% nos últimos 12 meses. Na comparação de maio com abril deste ano, a alta de foi de 0,94%. No ano de 2022, a alta é de 9,32%.

Milan afirmou também que o setor ainda estuda os possíveis impactos nas vendas da PEC dos Auxílios, aprovada na Câmara dos Deputados na quarta-feira. A estimativa é de que cerca de 50% dos recursos sejam destinados para gastos nos supermercados. Durante a fase mais aguda da pandemia, 70% do Auxílio Emergencial teve esse destino. Milan pontua, porém, que agora serviços como bares e restaurantes estão abertos, o que deve redirecionar o dinheiro da população mais vulnerável. (Jornal do Comércio)


BOLETIM INTEGRADO AGROMETEOROLÓGICO Nº 27/2022 – SEAPDR 
 
A previsão é da formação de um ciclone extratropical e chuva distribuída em momentos distintos por todo Estado até o fim da noite de sábado (16/7). Estas chuvas devem ocorrer de maneira irregular, horas com rajadas de vento fortes, horas com raios e trovoadas em forma de temporal. No domingo (17/7) o tempo fica seco e dura até a tarde de segunda-feira (18/7) quando volta a chover na fronteira norte divisa do Rio Grande do Sul com Santa Catarina. Na terça (19/7) e quarta-feira (20/7) tempo firme. 
 
Os maiores acumulados previstos devem ocorrer na fronteira oeste do RS e nas Regiões Central e Metropolitana. Por causa da massa de ar frio que atua no RS as temperaturas seguem baixas até o final da próxima semana com mínimas negativas previstas para ocorrer na quarta-feira (20/7) principalmente nas localidades mais altas do Estado. E as máximas previstas durante toda semana não passam dos 22,0°C. 
 
Clique aqui e acesse os Boletins oficiais sobre clima e culturas elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Emater-RS e Irga. O documento conta com uma avaliação das condições meteorológicas da semana anterior, situação atualizada das culturas do período e a previsão meteorológica para a semana seguinte. (SEAPDR)  

 
Ministério da Economia eleva projeção do PIB de 2022 para 2%
 
Enquanto o mercado tem revisado para cima suas expectativas para o crescimento da atividade econômica em 2022 e para baixo as projeções para 2023, o Ministério da Economia aumentou seu otimismo para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e manteve as premissas para o próximo. Na grade de parâmetros divulgada nesta quinta-feira (14) pela Secretaria de Política Econômica (SPE), a estimativa para a expansão da atividade em 2022 passou de 1,50% para 2%. 
 
A projeção anterior havia sido mantida no relatório de maio. Segundo o Boletim Macrofiscal, a revisão da atividade econômica de 2022 decorreu das pesquisas mensais do IBGE já divulgadas, como a Pesquisa Industrial Mensal, a Pesquisa Mensal de Serviços e a Pesquisa Mensal de Comércio. “Outro fator que fundamenta a mudança da projeção do PIB neste ano se deve às alterações no mercado de trabalho e na massa de rendimento real”, justificou o documento. 
 
Na contramão do mercado, porém, o ministério manteve as projeções de crescimento da economia de 2023, 2024, 2025 e 2026: todas em 2,50%. “Os dados de mercado de trabalho e de investimento auxiliam na fundamentação das projeções de crescimento para 2022 e 2023. Ao mesmo tempo, existem riscos a serem monitorados, como a guerra na Ucrânia e seus impactos na economia brasileira e no crescimento global, possíveis quebras de cadeias globais de valor afetando a oferta, efeitos do conflito sobre o comércio internacional e o balanço de pagamentos do Brasil. Além disso, os impactos da pandemia sobre o crescimento econômico e a inflação continuam sendo avaliados”, ressaltou a pasta. 
 
No último relatório Focus, os analistas consultados pelo Banco Central estimaram alta de 1,59% para o PIB de 2022. Para 2023, a estimativa é de alta de apenas 0,50%. (Jornal do Comércio)


Jogo Rápido 

No radar
Em 45 dias, menos de 10% dos produtores fizeram a Declaração Anual de Rebanho no RS. No total, a Secretaria da Agricultura espera 380 mil declarações de todo o Estado. O documento é uma obrigação sanitária de todos que trabalham com produção animal. E o prazo para cumprir a exigência termina em 31 de outubro. Os formulários estão disponíveis pelo site www.agricultura.rs.gov.br/declaracao. (Zero Hora)


 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 14 de julho de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.702


Leite: Brasil pode ser o maior produtor do mundo, diz ministro
 
O ministro da Agricultura, Marcos Montes, disse que o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking mundial de produção de leite e tem capacidade para ocupar o primeiro posto. “Temos tudo para ser o maior produtor de lácteos do mundo. Os números do leite são impressionantes”, afirmou o ministro, durante a abertura do 1º Fórum Nacional do Leite, realizado em Brasília, nesta terça-feira (12).
 
Em seu discurso, Montes ainda destacou a importância do setor de laticínios para a economia e na geração de empregos. Além disso, aproveitou o evento para relembrar o lançamento do Plano Safra 2022/23, que classificou como “robusto”.
 
“O Brasil apresentou ao mundo um Plano Safra para atender não só à produção do Brasil, mas para atender ao mundo, com preferência especial para os pequenos e médios produtores”, disse.
 
Fórum Nacional do Leite
O Fórum Nacional do Leite foi realizado em comemoração aos cinco anos da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite) e aos 50 anos do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).
 
Além de Marcos Montes, o evento contou com a presença do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e dos ex-ministros da Agricultura Roberto Rodrigues e Alysson Paolinelli.
 
O presidente da Abraleite, Geraldo Borges, reforçou a importância de o Brasil ampliar o mercado de exportação. “O Brasil é um grande consumidor de lácteos, temos também que ser grandes exportadores, mas precisamos ajustar muita coisa dentro da cadeia produtiva do leite”, declarou.
 
Borges também destacou a importância do fórum para debater políticas públicas. “Um evento com o ministro da Agricultura, o ministro do Meio Ambiente, além de outras grandes lideranças e entidades. Essas entidades nos ajudam, mas precisam ser cobradas para continuar ajudando. O evento é uma oportunidade para discutir e debater tudo que o setor precisa em termos de políticas públicas”, disse.
 
Em dois dias de evento, foram realizados debates, exposições de produtores de leite e uma feira de queijos artesanais, aberta ao público. O presidente do Sebrae Nacional, Carlos Melles, destacou o papel fundamental dos pequenos produtores e o potencial da produção artesanal dos queijos brasileiros, reconhecidos mundialmente.
 
“Noventa por cento dos produtores de leite têm até cem animais em suas fazendas. Os nossos queijos artesanais são uma marca registrada brasileira, como é o caso do queijo canastra, reconhecido como um dos melhores do mundo em diversas premiações”, disse.
 
Mercado
Apesar dos aumentos de custo de produção de leite e dos altos preços nos estabelecimentos, o Brasil é um grande produtor de lácteos. De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil obtém mais de 34 bilhões de litros por ano, com produção em 98% dos municípios do país, tendo a predominância de pequenas e médias propriedades e empregando perto de 4 milhões de pessoas. (Canal Rural)


Câmara aprova em 2º turno texto da PEC dos Benefícios Sociais
 
A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (13), em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15, de 2022, que cria um estado de emergência para ampliar o pagamento de benefícios sociais até o fim do ano. Foram 469 votos a 17.
 
A Câmara rejeitou um destaque do PT ao texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos benefício sociais.
 
O partido tentava retirar o estado de emergência – incluído para blindar o presidente Jair Bolsonaro (PL) de punições da Lei Eleitoral, que proíbe a concessão de benesses às vésperas da eleição, exceto em casos de calamidade pública e estado de emergência.
 
Para garantir o quórum de deputados da base governista e impedir a oposição de emplacar mudanças no texto, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) fez uma manobra e permitiu que os parlamentares votassem de forma virtual, por meio de um aplicativo.
 
No início da tarde desta quarta-feira, deputados concluíram a votação da proposta em primeiro turno iniciada na noite de terça-feira (12).
 
A sessão de terça-feira foi suspensa em razão de um apagão no sistema de informática da Câmara.

A PEC dos Benefícios Sociais gera R$ 41,2 bilhões em despesas excepcionais, ou seja, fora do teto de gastos, divididos entre benefícios sociais. As medidas valem de 1° de agosto até 31 de dezembro de 2022.
 
O texto prevê um aumento de R$ 200 no Auxílio Brasil até dezembro. A PEC também propõe, até o fim do ano, um auxílio de R$ 1 mil para caminhoneiros, vale-gás de cozinha e reforço ao programa Alimenta Brasil, além de parcelas de R$ 200 para taxistas, financiamento da gratuidade no transporte coletivo de idosos e compensações para os estados que reduzirem a carga tributária dos biocombustíveis.
Estado de emergência

Para tanto, a PEC estabelece um estado de emergência “decorrente da elevação extraordinária e imprevisível dos preços do petróleo, combustíveis e seus derivados e dos impactos sociais deles decorrentes”.
 
Na prática, é como se o governo declarasse que o país vive um momento excepcional, como ocorreu durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19).
 
Segundo a legislação, não pode haver concessão de novos benefícios ou distribuição de valores em ano eleitoral, a não ser em casos excepcionais, como o estado de emergência. Por isso, há um dispositivo na PEC que prevê a decretação de estado de emergência no país até 31 de dezembro, justificado pela elevação “extraordinária e imprevisível” dos preços do petróleo, combustíveis e seus impactos sociais. (Canal Rural)
 

Nova fonte de crédito à irrigação
 
O governo federal criou uma nova alternativa de crédito para investimento em irrigação. Publicada pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), a portaria nº 2.127 estabelece requisitos e procedimentos para a aprovação e o acompanhamento de projetos de infraestrutura prioritários, que poderão captar recursos no mercado por meio de emissão de debêntures incentivadas. O objetivo é facilitar a expansão das áreas irrigadas no Brasil, que, hoje, somam 7 milhões de hectares. “Há potencial para mais de 30 milhões (de hectares)”, destacou o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira. 
 
As debêntures incentivadas, também chamadas de “debêntures de infraestrutura”, são títulos privados de dívida que financiam exclusivamente projetos nessa área, com isenção ou redução de Imposto de Renda (IR) sobre os lucros obtidos pelos investidores. 
 
Os projetos deverão ser apresentados ao MDR, de forma individual, por pessoas jurídicas constituídas como sociedades por ações ou por suas sociedades controladoras. As propostas serão enquadradas como prioritárias após edição de portaria de aprovação do MDR, no Diário Oficial da União (DOU). Poderão ser financiadas obras de infraestrutura que criem, direta ou indiretamente, condições adequadas à irrigação em cultivos agrícolas. No escopo, entram aquisição ou construção de obras civis; estruturas mecânicas, elétricas e componentes para a instalação; ampliação, recuperação, adequação, modernização e operação do sistema de irrigação, incluindo equipamentos e componentes; estruturas de captação de água, elevação, condução, reservação, distribuição, drenagem agrícola, sistematização e correção do solo; benfeitorias de apoio à produção agrícola; e vias de acesso. 
 
Para o economista-chefe da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Antônio Da Luz, a novidade reforça a tendência de financiamento da agropecuária via mercado de capitais e oferece fonte alternativa para investimentos, frente à limitação de recursos oficiais. “É uma medida bem-vinda e coerente com o que acontece, de cada vez mais o mercado de capitais apoiar o agronegócio.”. Porém, lembra ser necessário aguardar mais informações sobre o tema. “Ainda não há detalhes sobre como vai funcionar, se vai ser no mercado aberto ou vai entrar em operações estruturadas de crédito”, afirma. (Correio do Povo)


Jogo Rápido 

No Radar
R$ 1,2 bilhão é a cifra que deve ser liberada para agricultores familiares de MS, PR, SC E RS que tiveram perdas em razão da seca, conforme medida provisória 1.111/2022, aprovada ontem pelo Senado. O texto segue para promulgação. O dinheiro servirá para o rebate (desconto) de até 58,5% nas parcelas de financiamentos do Pronaf, com vencimento entre 1º de janeiro e 30 de junho, de produtores sem seguro. (Zero Hora)


 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 13 de julho de 2022                                                          Ano 16 - N° 3.701


Após empate, governo tem derrota na Assembleia
 
Considerado o mais polêmico da pauta da última sessão deliberativa antes do recesso parlamentar, o projeto de lei 51/2022, que previa investimentos estaduais em rodovias federais, foi rejeitado por 26 votos contrários a 25 votos, ontem, em uma sessão tensa e com mais de cinco horas de discussão.
 
O resultado representou dura derrota para o governo, que tentava pela segunda vez aprovar o texto. Como a votação nominal terminou empatada, com 25 votos a favor e 25 contra, o voto de Minerva foi do presidente da Casa, Valdeci Oliveira (PT), que posicionou-se contrário ao texto. Encontrando restrição na oposição e também em bancadas que vinham votando em consonância com o governo, o texto recebeu críticas por não prever contrapartidas no valor de R$ 495,1 milhões destinados ao DNIT através do Daer para obras em estradas federais. O líder do governo, Mateus Wesp (PSDB), chegou a protocolar uma emenda afirmando que o Estado postularia esse ressarcimento, prevendo a possibilidade de abatimento da dívida do Estado, mas sem garantias. Mesmo assim, não foi suficiente. O projeto foi contestado também por prefeitos de municípios cortados por estradas estaduais carentes de duplicações e melhorias. 
 
Dada a importância do projeto, visto como estruturante, o chefe da Casa Civil, Artur Lemos, compareceu à Casa. A presença foi vista como uma “pressão aos deputados” por alguns parlamentares, como Rodrigo Lorenzoni (PL), que se somou às críticas ao governo. “O RS não é um Estado com condições de fazer doações dessa magnitude”, criticou Tiago Simon (MDB), que pediu que os parlamentares não “cedessem à pressão”, posicionando-se contrário. Juvir Costella (MDB), que esteve à frente da secretaria de Logística e Transportes na atual gestão, fez defesa veemente do texto, cobrando “coerência com a responsabilidade ao povo gaúcho”, externando o racha na bancada emedebista. O líder da bancada do PL, Paparico Bacchi, chegou a sugerir a retirada da urgência. Fábio Ostermann (Novo) criticou o projeto, sendo contrário ao Estado assumir compromissos federais, além de cobrar clareza sobre a alocação dos recursos junto às empreiteiras. 
 
A oposição antecipou o voto contrário. A deputada Luciana Genro (PSol) defendeu que o RS tenha uma postura “altiva e não subserviente” com a União. Líder do PT, Pepe Vargas afirmou que o Executivo deveria ter dialogado com a União ao invés de aplicar recursos. VOTOS. No MDB, dos oito, três votaram com o governo: Beto Fantinel, Gilberto Capoani e Juvir Costella (que foi secretário de Transportes). Carlos Búrigo, Patrícia Alba, Tiago Simon e Vilmar Zanchin foram contrários. Gabriel Souza não votou. No PP, dos sete, dois foram contrários: Sérgio Turra e Silvana Covatti. Cinco foram favoráveis: Adolfo Britto, Ernani Polo, Frederico Antunes, Issur Koch e Vilmar Lourenço. No PL, dos cinco deputados, três foram contrários: Capitão Macedo, Paparico Bacchi e Rodrigo Lorenzoni. Eric Lins foi o único da bancada favorável. Kelly Moraes, que anunciou posição favorável ao texto, não compareceu devido ao nascimento da sua neta. A bancada tucana, Any Ortyz (Cidadania) e Gaúcho da Geral (PSD) foram favoráveis, assim como Luiz Marenco (PDT), único voto destoante da bancada. Foram contrários ao texto as bancadas do PT, Novo e PSol. Além de Gabriel e Kelly, Airton Lima (Podemos) e Dalciso Oliveira (PSB) não votaram. (Correio do Povo)


 

Comissão organizadora prepara 6° Avisulat

A 6ª edição do Congresso e Central de Negócios Brasil Sul de Avicultura, Suinocultura e Laticínios (Avisulat) está sendo preparada para reunir conteúdo mais direcionado, compacto, estratégico e relevante, organizado em palestras e painéis. Na reunião do dia 06 de julho, os representantes do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) e do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado do RS (SIPS), além de entidades organizadoras do evento se reuniram na Sede da Asgav para debater os trâmites operacionais, organizacionais e programação prévia do evento que acontecerá de 28 a 30 de novembro na FIERGS em Porto Alegre (RS).

O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, destaca que o evento trará uma nova dinâmica para refletir o cenário atual e as perspectivas de cada setor. “Teremos uma programação para refletir e apontar novos caminhos”.

Participaram da reunião pela Asgav, o presidente executivo, José Eduardo dos Santos, e a gerente Administrativo/Financeiro Patricia Khamis. Representando o Sindilat estiveram o secretário-executivo, Darlan Palharini, e a gerente Administrativa, Julia Bastiani. O diretor executivo, Rogério Kerber, e a gerente Financeira, Rejane Kieling, representaram o SIPS. Confira aqui o vídeo de apresentação do evento. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

Oportunidades: se você as desperdiça, alguém as aproveitará no seu lugar!

O mundo está de olho na sustentabilidade e não é diferente na pecuária de leite. A busca por uma produção de alimentos sustentável que permita a garantia de  recursos para as gerações futuras ao mesmo tempo que se produz alimentos em quantidade e qualidade suficiente para as pessoas de hoje tem sido um grande desafio. A sustentabilidade tem se adentrado nas nossas vidas de diversas formas, inclusive na cadeia do leite. Seja consumidores exigindo, ou laticínios e produtores se adequando, a adoção de manejos sustentáveis é uma realidade.

Dados da pesquisa realizada pela MilkPoint das Top 100 maiores fazendas brasileiras produtoras de leite, mostram que todas as propriedades que compõem o Top 100 adotam ao menos um manejo voltado para a sustentabilidade. Dentre os manejos empregados, o armazenamento de dejetos em esterqueiras para posterior utilização para adubação do pasto e lavouras, a utilização de fontes alternativas de energia, o controle do uso da água e armazenamento de água da chuva, são ações mais realizadas por esse grupo de fazendas.

Além dos manejos mais adotados pelas fazendas Top 100, outros podem e devem ser empregados no processo produtivo. Bioinsumos e adubação verde, por exemplo, são oportunidades ímpares para seu negócio se tornar mais sustentável e seu produto mais atraente para o mercado. Ainda, entender as oportunidades e possibilidades frente ao manejo de dejetos, gestão da água e uso de energias renováveis, permite encontrar o manejo mais adequado para a realidade da sua propriedade.

Conhecer o conceito e os pilares envolvidos na sustentabilidade é fundamental para entender a importância da visão holística da propriedade, aplicar estratégias e ter sucesso no seu negócio. É importante entender, por exemplo, que sistemas convencionais podem englobar manejos sustentáveis. Ao mesmo tempo, sistemas como ILPF, orgânico e a agricultura regenerativa podem ser a chave para o sucesso do seu negócio!

A sustentabilidade, hoje,  é uma possibilidade que em breve será obrigatória para a manutenção dos produtores na atividade. Por isso, a hora de entender o que é a sustentabilidade, suas oportunidades e desafios, é agora!

A oportunidade que você não pode perder é participar do MilkPoint Experts: Feras da Sustentabilidade! É a chance de aprender com especialistas quais são as possibilidades, as novidades do setor, aprender as ferramentas para aplicar na sua propriedade e muito mais. Vamos te ajudar a fazer do meio ambiente o protagonista do seu negócio! 

Encontros semanais a partir do dia 26 de agosto a 30 de setembro. Associados do Sindilat/RS têm 30% de desconto na inscrição, clicando aqui. (Milkpoint)


Jogo Rápido 

Duas Safras
Mais de 620 pessoas participaram, em Pelotas, na Zona Sul, da terceira etapa do ciclo de seminários realizados pelo Senar-RS sobre programa Duas Safras. O roteiro contemplará 10 cidades até o final do ano. A próxima parada está marcada para 16 de agosto, em Alegrete, na Fronteira Oeste. - Todo mundo enxerga uma oportunidade no ar. Já se criou uma expectativa, uma curiosidade (sobre o programa) - observa Eduardo Condorelli, superintendente do Senar-RS.  As palestras abordam aspectos econômicos e técnicos do Duas Safras, lançado em abril, em esforço que reúne entidades e governo para ampliar a produção. Poderá gerar acréscimo de R$ 31,9 bilhões à economia. (Zero Hora)


 
 
 
 
 
 

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 12 de julho de 2022                                                          Ano 16 - N° 3.700


PESQUISA ANP: Queda no preço do combustível
 
O preço dos combustíveis voltou a registrar queda nos postos pela segunda semana seguida, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). 
 
Os valores refletem a redução de tributos do ICMS nos estados. 
 
O valor médio do litro de gasolina caiu 8,9%, de R$ 7,13 para R$ 6,49. O do etanol recuou 4,3%, de R$ 4,72 para R$ 4,52. 
 
Já o preço médio do diesel declinou de R$ 7,55 para R$ 7,52 (0,39%). O diesel continua superando o preço da gasolina após o último reajuste de 14,2% no óleo, autorizado pela Petrobras nas refinarias. 
 
De acordo com o IPCA de junho, no grupo de transportes a alta de 0,57% representa desaceleração ante o mês anterior, que havia registrado 1,34%. 
 
Lei sancionada no dia 23 de junho fixou um teto para a cobrança do imposto sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte urbano. Assim como o Rio Grande do Sul, outros 20 estados anunciaram redução. (Correio do Povo)


Prêmio Exportação RS anuncia empresas vencedoras da 50ª edição

O Conselho do Prêmio Exportação RS divulgou as empresas que serão reconhecidas na 50ª edição da premiação. Serão 67 empresas ao todo, o maior número da história do prêmio.

A distinção, que completa 50 anos, reconhece as empresas gaúchas que obtiveram os melhores resultados mercadológicos e desenvolveram estratégias inovadoras para expor e comercializar produtos no mercado internacional. Mais de 700 empresas já foram agraciadas na história do prêmio.  

A cerimônia de entrega das distinções está marcada para o dia 11 de agosto, na Casa NTX, em Porto Alegre. No evento também serão entregues a Distinção Especial de Exportador Diamante para a CMPC, por conquistar 10 edições, e também a Distinção Especial de Exportador Ouro para a Docile, Kuehne Nagel Serviços Logísticos, Rasip, Fante Bebidas, Sena Madeiras, FCC e Maria Pavan, por vencerem cinco vezes.  

O Conselho do Prêmio Exportação RS é formado por lideranças da ADVB/RS, ApexBrasil, Badesul, Banco do Brasil, Banrisul, BRDE, Farsul, Fecomércio, Federasul, FIERGS, Lide-RS, Portos RS, Sebrae-RS, Secretaria do Desenvolvimento Econômico (Sedec), Hub Transforma RS e UFRGS.  

Entre os agraciados do 50º  Prêmio Exportação RS em 2022, estão três associados do Sindilat/RS.

Destaque Setorial - Agropecuário

  • Vibra
  • CCGL
  • SLC Agrícola S.A.
  • Rasip

Destaque Setorial - Alimentos

  • Dubai Alimentos
  • Peccin
  • Conservas Oderich
  • Nutrire Indústria de Alimentos Ltda
  • Cooperativa Languiru Ltda

Confira a lista completa clicando aqui. (Zero Hora - adaptado Sindilat/RS)

 

Exportações de queijo são as maiores para um 1º semestre, desde 2013

Exportações – No 1º semestre de 2022, as exportações brasileiras de produtos lácteos NCM04, em valores, subiram 24,3% em relação ao mesmo período de 2021. 

Os queijos, NCM 0406, no mês de junho, tiveram o melhor desempenho desde 2013, em valores. Isto já havia ocorrido nos meses de janeiro e fevereiro, contribuindo para que as vendas do 1º semestre de 2022 fossem as maiores em dez anos. De acordo com as estatísticas semanais do Ministério da Economia, o preço médio de exportação dos queijos no mês de junho foi de US$ 5.399 a tonelada, superando em 13% o preço médio registrado em junho de 2021, que foi de US$ 4.773 a tonelada. 

Cabe ressaltar que em junho de 2021 o faturamento com a exportação de queijos representou 12,3% das divisas brasileiras de produtos lácteos, e pularam para 32,7% no mês passado. Em compensação, a categoria NCM 0402 que respondeu por 64,5% dos valores exportados em junho de 2021, caiu para 30% em junho de 2022. (Terra Viva)


Jogo Rápido 

Jornal da Pampa | 11/07/2022
Clique aqui e confira a entrevista do Secretário-Executivo do Sindilat/RS para o Jornal da Pampa, veiculada ontem, 11 de julho de 2022. (Youtube-Pampa)