Pular para o conteúdo

Câmara Setorial debate estratégias de comunicação sobre o leite

Reunida durante agenda da Fenasul, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), a Câmara Setorial do Leite do RS debateu, nesta sexta-feira (20/5), estratégias de comunicação para informar os benefícios do consumo de lácteos a um maior número de consumidores. O caminho, de acordo com o coordenador da Câmara Setorial, Eugênio Zanetti, é uma forma de fortalecer o setor. Durante o encontro, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, sugeriu investimento em ações de fomento à comunicação sobre o leite em âmbito local. “Temos que ser vistos pelo lado social. Precisamos nos aproximar da população”, ponderou.

Na reunião, os representantes também trataram sobre o Projeto Leite Seguro, da Embrapa Clima Temperado. O projeto é baseado na implementação de uma plataforma que poderá ser utilizada diariamente pelos consumidores como banco de referência e consulta sobre a qualidade do leite e seus derivados. A iniciativa deve ser implementada como protótipo ainda em 2022 e foi apresentada pelo analista da Embrapa Gado de Leite, Rogerio Dereti.

Dereti alertou, contudo, que a plataforma isoladamente não terá eficiência se não for conhecida pelo consumidor. Para divulgar esse projeto inovador, será realizada uma caravana de eventos híbridos nas capitais da Região Sul (Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis) para levar informação às famílias sobre o processo produtivo e princípios nutricionais. “Queremos orientar o consumidor sobre alimentação saudável e sobre concepções equivocadas que se divulga sobre o leite. A Plataforma Leite Seguro é para o consumidor manter-se informado”.

Durante o encontro, o assistente técnico da Emater/RS, Jaime Ries, apresentou o livro “O Menino Davi e a Terneirinha Bibi”. A obra, voltada ao público infantil, será lançada no dia 24 de maio em live e busca levar a realidade da produção de lácteos a crianças do Ensino Fundamental. Com tiragem de 8 mil exemplares, o livro foi direcionado para as regionais da Emater para que as professoras da rede de ensino possam trabalhar em sala de aula.

Crédito: Carolina Jardine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.