Pular para o conteúdo

 

Porto Alegre, 30 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.870

DOU: Instruções Normativas aprovam Regulamentos para Qualidade do Leite

Foram publicadas no Diário Oficial da União de hoje, 30 de novembro, as seguintes Instruções Normativas sobre a qualidade do leite:

- IN 76/2018: aprova os Regulamentos Técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite pasteurizado tipo A. Confira a publicação completa.

- IN 77/2018: estabelece os critérios e procedimentos para a produção, acondicionamento, conservação, transporte, seleção e recepção do leite cru em estabelecimentos registrados no serviço de inspeção oficial. Confira a publicação completa. (MilkPoint)
 
 
Alemanha - O que se passa no setor leiteiro?

Custos/UE - Estudos realizados de 2013 a 2018 mostram os custos reais dos últimos cinco anos. Então é uma boa pergunta: o que se passa verdadeiramente dentro do setor lácteo? Comecemos com alguns números: 32,58 e 34,68 centavos/quilo. Esse é o valor médio dos preços do leite na Bélgica e na Alemanha nos últimos cinco anos.

O que pode ser deduzido da situação do setor lácteo? Pouca coisa. É preciso acrescentar os custos nesse mesmo período. Na Bélgica, eles chegam à média de 44,58 centavos/kg, e na Alemanha 43,15 centavos/kg de leite produzido. Conclusão: com um déficit médio de 12 centavos na Bélgica e de 8,50 centavos/kg de leite na Alemanha, não é de se admirar que a renda das pessoas que trabalham na produção de leite seja inferior à média da população. Devemos este panorama preciso da situação a uma série de estudos do BAL (Departamento de Sociologia Agrícola e Economia Rural da Alemanha) iniciados cinco anos atrás. Graças a esses cálculos realistas na Alemanha, desde 2013 tem sido possível determinar claramente a situação real das propriedades leiteiras alemãs. Dois outros países, a França e a Holanda também foram incluídos nos estudos no mesmo ano. Depois vieram Bélgica, Luxemburgo e Dinamarca, ficando os estudos do BAL disponíveis para seis países produtores de leite.

Porque os estudos são tão especiais?
Eles são:
Regulares e atuais: revisados e atualizados a cada ano, e às vezes a cada trimestre.
Precisão: o valor do tempo de trabalho destinado à produção de leite está incluído nos custos, levando em consideração a função e a qualificação dos trabalhadores. Isso parece óbvio, mas frequentemente esses dados são omitidos dos cálculos.

Representatividade: os estudos utilizam parâmetros reconhecidos pela Rede Contábil de Informações Agrícolas (RICA) da União Europeia (UE), e se baseiam em um banco de dados europeu muito abrangente.

 Comparáveis: Graças ao banco de dados comum da UE, é possível comparar os cálculos nos diferentes países.

O que significam esses estudos para os produtores de leite europeus?
Eles tornam possível confrontar os líderes políticos sobre a situação atual e mostrar que as condições do setor lácteo são de déficit estrutural. Representantes das marcas Leite a Preço Justo utilizam esses números nas negociações com os supermercados para determinar o preço do litro de leite. A vice-presidente da EMB - Entidade que representa o setor lácteo europeu - Sieta van Keimpema, avalia que esses cálculos podem desempenhar um papel importante nas discussões: "eles permitem conduzir debates públicos. Mas, também servem de alerta para nós, os produtores de leite. Nós vemos o verdadeiro valor do nosso trabalho e dos nossos animais. E, para sermos honestos, esses números mostram a dolorosa realidade e quão mal pagos somos. Isto tem consequências para o futuro da agricultura. Apenas 6% dos produtores da UE e 1,68% dos holandeses têm menos de 35 anos de idade. Na faixa etária de 35 a 44 anos, esse número é de apenas 15%".

Segundo a Drª Karin Jürgens, pesquisadora da BAL, o balanço dos custos de produção e do preço do leite em todos os países estudados mostra o dilema: "Durante anos, os produtores de leite tiveram que viver com os preços do leite que não atendiam os requisitos atuais de desenvolvimento e suas qualificações profissionais."  

Deve mudar. Essa situação deficitária poderia ser mitigada por meio de um instrumento que protegeria o setor de laticínios das crises. Os produtores de leite da EMB defendem a implementação do Programa de Responsabilidade do Mercado (MRP). Sieta van Keimpema acrescenta: "Queremos participar construtivamente na melhoria da situação do mercado de leite. É por isso que apresentamos esses estudos de custo para mostrar exatamente qual é a situação do setor. Adicionamos o MRP para indicar o que pode ser feito para eliminar crises". (EMB - Tradução livre: www.terraviva.com.br)

Neozelandeses criam centro de treinamento em produção de leite em Anápolis

Centro de treinamento - A Nova Zelândia é um dos líderes do agronegócio no mundo e tem o desafio crescente de produzir alimentos de qualidade para a população em rápida expansão. Na primeira semana de dezembro a embaixada neozelandesa inaugura um Centro de Treinamento em Produção de Leite, em Anápolis, na Kiwi Pecuária.

A propriedade é uma fazenda modelo, que segue a produção de leite a pasto igual ao da Nova Zelândia, só que adaptada as condições climáticas do cerrado.

45 técnicos de campo do Senar Goiás, que atendem principalmente o pequeno e médio produtor, através do Programa Senar Mais, vão passar pelo treinamento feito por especialistas neozelandeses. O país da Oceania tem métodos de trabalho com pastagem, ordenha e saúde animal que são referências globais. O primeiro modulo de treinamento acontece entre o os dias 03 e 08 de dezembro. A parte prática de demonstração das técnicas será na quinta-feira, dia 06/12. Nesse dia o trabalho vai ser acompanhado também pelo embaixador da Nova Zelândia no Brasil, Chris Langley.(Faeg)

LEITE/CEPEA: "Média Brasil" recua 8 centavos/litro

Preço Cepea - Seguindo o movimento de desvalorização iniciado em setembro, os preços do leite no campo registraram novas quedas em novembro. De acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a "Média Brasil" líquida de novembro (referente à captação de outubro) chegou a R$ 1,3624/litro, diminuição de oito centavos ou de 5,4% em relação ao mês anterior. Esse foi o recuo mais intenso desde outubro do ano passado, quando a queda chegou a 7,7%, em termos reais (valores foram deflacionados pelo IPCA de outubro/18).

A diminuição dos preços esteve atrelada à maior captação em outubro, favorecida pelo retorno das chuvas e pela consequente melhora das pastagens - principalmente no Sudeste e Centro-Oeste. A demanda retraída, no entanto, segue influenciando com força os valores no campo. Há alguns meses, observa-se um consumo enfraquecido de lácteos, associado à lenta recuperação econômica. Por conta da necessidade de realizar promoções para garantir liquidez, houve redução nos valores negociados para todos os derivados acompanhados na pesquisa quinzenal do Cepea.

O mercado de leite UHT é muito importante para a formação do preço ao produtor - nota-se que as cotações praticadas para o derivado num mês influenciam as negociações no campo no mês seguinte. Por isso, as variações dos preços ao produtor em novembro estão relacionadas ao desempenho das vendas do UHT em outubro. Vale lembrar que, de setembro para outubro, o preço médio do UHT recebido pela indústria no estado de São Paulo recuou 4,6% (quase 12 centavos), chegando a R$ 2,49/litro, segundo pesquisa diária do Cepea realizada com o apoio da OCB.

As perspectivas para os próximos meses são de continuidade no movimento de queda dos preços ao produtor, mas com maior intensidade. Além da progressiva elevação da captação (que sazonalmente atinge pico em dezembro), as negociações de UHT no correr de novembro foram pressionadas pelos canais de distribuição. A queda acumulada neste mês (até o dia 28) chegou a 12,7%, o que pode resultar em diminuição de mais de 35 centavos na média mensal do UHT (que, por enquanto, está em R$ 2,12/litro). Essa desvalorização deve intensificar o recuo do preço do leite ao produtor de dezembro (referente à captação de novembro).

Colaboradores consultados pelo Cepea informam que os estoques de UHT estão normalizados e que o consumo, na ponta final da cadeia, não está menor do que no mesmo período do ano passado. Essas observações abrem espaço para argumentar que a expressiva queda do UHT em novembro também ocorre por conta de especulação dos agentes. Para os atacados e varejos, promoções do UHT chamam a atenção e atraem os consumidores - vale lembrar que, neste ano, a greve dos caminhoneiros causou desabastecimento e elevou os preços do derivado em 20,2% entre junho e julho. O UHT é o lácteo mais consumido do Brasil e, por isso, é um item estratégico para os canais de distribuição. Nesse momento, fica evidente que não é apenas um possível enfraquecimento da demanda por lácteos que tem levado à queda nos preços do UHT, mas também a desaceleração do consumo em geral e a tentativa dos canais de distribuição de aquecer a demanda via redução de preços de itens importantes da cesta de alimentação do brasileiro. (Cepea)

 
 
 
 Santa Clara lança leite pasteurizado integral homogeneizado na versão garrafa
A Cooperativa Santa Clara apresenta mais uma novidade para os consumidores. Chega ao mercado a nova embalagem do Leite Pasteurizado Integral Homogeneizado - Leite C. Agora o produto pode ser encontrado em garrafa de 1 litro, mais prática para o dia a dia. O leite é integral, fresco e possui 3% de gordura, o que garante cremosidade para preparações e receitas. Também pode ser encontrado na versão saquinho, já tradicional no mercado. Além do Leite Pasteurizado Integral 3% (tipo C), a linha de leites frescos Santa Clara é composta por Leite Pasteurizado Integral Homogeneizado 3,3% de gordura (tipo B) e Leite Light Form (Pasteurizado Semidesnatado), todos disponíveis em garrafa ou saquinho com 1 litro. Os leites pasteurizados Santa Clara tem seu frescor em virtude da coleta diária em propriedades associadas próximas à Usina de Beneficiamento e o envase ainda cedo pela manhã, chegando no ponto de venda no mesmo dia. O processo rigoroso de qualidade resulta em uma validade de 8 dias para todas as versões. Os leites frescos Santa Clara estão disponíveis nos mercados do Rio Grande do Sul. (As informações são da Assessoria de Imprensa Santa Clara)
 

 

Porto Alegre, 29 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.869

Empresa lança aplicativo de pesagem do gado por meio de fotografia

A Agroninja Beefie desenvolveu um aplicativo de smartphone que possibilita ao produtor determinar o peso do gado com até 95% de precisão apenas tirando uma foto. A tecnologia da startup húngara chegou ao mercado no verão e está se expandindo globalmente.

A equipe Beefie realizou mais de 5.000 testes de pesagem de gado com seu aplicativo, e concluiu uma taxa de precisão de 95%, como já dito. Depois de estrear em alguns mercados durante o verão, ele agora está se expandindo para a Grécia, Alemanha, França, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Brasil e EUA.

A tecnologia pretende ser uma solução para o procedimento arriscado, caro e difícil de pesar gado", explicou a empresa. "Métodos típicos são estressantes e, ocasionalmente, prejudiciais para os criadores de gado e seus rebanhos, e o aplicativo elimina esse estresse, mantendo todos os dados em um smartphone. Os produtores precisam apenas fotografar cada animal individualmente. Os resultados são entregues em menos de meio minuto sem tocar no animal ou fazer qualquer preparação especial", completou. 

"As fotografias podem ser tiradas de 2 a 6 metros de distância com sistemas Android 5.1 e Android padrão", disse Beefie. O aplicativo leva em consideração fatores como raça, sexo, idade e aparência geral do animal, criando um número de identificação individual. Funciona mesmo quando o animal está em movimento ou parcialmente obscurecido. Além disso, o Beefie fornece instruções para uma melhor captura das imagens. "Dez fotos serão tiradas e o aplicativo lhe dará a escolha de selecionar a foto certa para a medição", explicou a companhia. Gergely Boromisza, co-fundador da Beefie, disse que depois de muitos testes, toda a equipe está confiante satisfazer a demanda de centenas, se não de milhares de produtores. O Beefie atualmente roda em dispositivos Android 5.0 ou mais recentes com suporte para câmera e OTG. Confira o vídeo que explica tudo sobre essa inovação no campo!  (As informações são do Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint) 

 

Preço garantido da FrieslandCampina - dezembro de 2018

FrieslandCampina - O preço garantido do leite cru da FrieslandCampina para o mês de dezembro de 2018 é de € 37,25/100 kg de leite, [R$ 1,72/litro]. Foi mantido estável em relação ao mês anterior. O preço dos produtos lácteos básicos está apresentando, atualmente, teve leve tendência de queda. O preço garantido incluiu uma correção de € 0,73 em decorrência de valores subestimados nos últimos meses.

 

O preço garantido pela FrieslandCampina para o leite orgânico em dezembro de 2018, assim como o leite convencional, foi mantido o mesmo em relação ao mês anterior, € 47,00 por 100 quilos, [R$ 2,17/litro]. O preço garantido do leite orgânico tem mantido relativa estabilidade. A variação em real foi decorrente de movimentos cambiais. 


 
O preço garantido é aplicado a 100 quilos de leite que contenha 3,47% de proteína, 4,41% de matéria gorda e 4,51% de lactose, sem o imposto de valor agregado (IVA). O preço é garantido a produtores que entreguem acima de 800.000 quilos de leite por ano. Até 2016 o volume era de 600.000 quilos. A alteração do volume base de bonificação e o esquema da sazonalidade foi, então, descontinuado, iniciando novos parâmetros em 2017. (FrieslandCampina - Tradução livre: Terra Viva)

Prêmio SomosCoop - Programa de Inclusão Social e Produtiva da Languiru é referência nacional em fidelização de associados

Cooperativa teutoniense é a única representante do Rio Grande do Sul premiada pela Organização das Cooperativas do Brasil. As cooperativas brasileiras estão dando um "show" na execução de ações voltadas para o desenvolvimento social, tendo em vista um modelo econômico mais justo e sustentável. Esse panorama foi celebrado na noite de 30 de outubro, quando foram anunciadas as vencedoras do 11º Prêmio SomosCoop - Melhores do Ano, uma iniciativa da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB). A solenidade ocorreu em Brasília e foi prestigiada por lideranças cooperativistas, autoridades políticas e parceiros do sistema. A Cooperativa Languiru foi uma das organizações premiadas com seu Programa de Inclusão Social e Produtiva no Campo. A cooperativa teve papel de destaque na premiação, conquistando o 1º lugar na categoria "Fidelização". O troféu e certificado foram recebidos pelo presidente Dirceu Bayer, que esteve acompanhado do diretor-administrativo, Euclides Andrade. A Languiru foi a única representante gaúcha consagrada com o prêmio. Na solenidade, também ocorreu o lançamento nacional do selo SomosCoop, que poderá ser utilizado na identificação de produtos e serviços de cooperativas.
 
Paixão por cooperativismo
Em seu pronunciamento no evento de premiação, Bayer mencionou a diversificação das atividades e a agregação de valor à matéria-prima como aspectos que contribuem para o êxito da Languiru. Também destacou o expressivo percentual de pessoas ligadas ao cooperativismo na área de atuação da Languiru.  "É o reconhecimento de um trabalho que, ao invés de excluir, busca a inclusão social e produtiva. Somos apaixonados por esse sistema, tanto que nossos associados possuem vínculo muito forte com a Languiru", salientou.

 
Bayer (2º esquerda p/ direita) e Andrade (2º direita p/ esquerda) participaram da solenidade de premiação na capital federal (Foto: Guilherme Kardel)
 
Cooperativas estão construindo um país melhor
O presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, agradeceu o esforço e apoio das unidades estaduais do sistema cooperativo brasileiro na tarefa de enviar os projetos à Brasília. "Toda cooperativa desse país merece esse prêmio, em virtude do que vem fazendo nos seus respectivos estados. O nosso movimento transforma a realidade das comunidades e das regiões onde estamos inseridos. Tenho certeza que estamos construindo um Brasil muito melhor, cada um do seu jeito", afirmou.

Foram reconhecidos 21 projetos. Ao todo, a comissão avaliadora analisou 437 iniciativas de 267 cooperativas de estados como Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Santa Catarina.
Além da categoria Fidelização, outras modalidades premiadas foram Comunicação e Difusão do Cooperativismo; Cooperativa Cidadã; Cooperjovem; Desenvolvimento Sustentável; Intercooperação; Inovação e Tecnologia. Em cada uma delas, foram laureadas três cooperativas.
 
Inclusão Social e Produtiva no Campo
Oferecer novas perspectivas no agronegócio para reintegrar ou disponibilizar suporte àquele produtor de leite que esteja enfrentando dificuldades em função de seu reduzido volume produtivo na pequena propriedade. Esse é o foco principal do Programa de Inclusão Social e Produtiva no Campo, lançado oficialmente em maio de 2017. Idealizado pela Cooperativa Languiru, conta com o apoio e o envolvimento da Emater/RS-Ascar; do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Teutônia e Westfália; das Secretarias Municipais da Agricultura de Teutônia, Westfália e Estrela; do Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA); do Centro Regional de Treinamento de Agricultores (CERTA); da Fundação Agrícola Teutônia (FAT); e da Sicredi Ouro Branco.

Além do trabalho de assistência técnica aos associados para o incremento e qualidade na produção leiteira, a iniciativa também estimula a diversificação com integrações, o cultivo de milho e a produção de hortifrutigranjeiros, essas duas últimas, novas alternativas produtivas para as pequenas propriedades da agricultura familiar na área de atuação da Languiru. A partir do novo programa e como um de seus desdobramentos, a Languiru também viabilizou o Cartão Verde, modalidade de associação oferecida aos produtores rurais com cultivo de milho, possibilitando inúmeros benefícios ao agricultor como integrante do quadro social. O documento vem se somar ao tradicional Cartão Azul, fornecido aos produtores da cadeia leiteira e integrados de aves e suínos.

Considerando todo esse contexto, o Prêmio SomosCoop - Melhores do Ano na categoria Fidelização é o reconhecimento nacional de uma iniciativa de efetiva inclusão social e produtiva no campo. A premiação leva em consideração o trabalho de cooperativas brasileiras que melhoraram seu atendimento, disponibilizaram mais benefícios aos seus cooperados, alcançando com isso a satisfação dos mesmos e melhorando os índices de fidelização.
 
Prêmio SomosCoop
A cada dois anos, um seleto grupo de cooperativas recebe do Sistema OCB o título de "Cooperativa do Ano", reconhecimento à criatividade, à visão e aos resultados obtidos por elas ao longo do biênio. A partir de 2016, a premiação passou a se chamar Prêmio SomosCoop - Melhores do Ano, marca que reforça o orgulho cooperativista e uma forma de reconhecimento público das boas práticas de cooperativas com benefícios comprovados aos seus cooperados e à comunidade onde estão inseridas. O prêmio visa reconhecer o mérito de projetos capazes de gerar ou influenciar mudanças positivas no ambiente de atuação das cooperativas. A iniciativa é da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop). (Assessoria de Imprensa Languiru)

 
SC - Secretaria da Agricultura inaugura Centro de Referência Tecnológica do Leite em Campos Novos

Centro Tecnológico do Leite - Santa Catarina terá um Centro de Referência Tecnológica do Leite. Nesta quarta-feira (28), a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca e a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) inauguraram a estrutura que atuará na capacitação de profissionais na área de bovinocultura de leite. O evento aconteceu junto ao Dia de Campo na Estação Experimental da Epagri de Campos Novos. A inauguração  contou com a presença do secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies. O Centro de Referência Tecnológica do Leite (CRT) é fruto de um convênio entre a Epagri e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Leite em Santa Catarina
O leite já é a atividade agropecuária com o maior crescimento em Santa Catarina. Envolvendo 45 mil produtores em todo o estado, a produção girou em torno de 3,4 bilhões de litros em 2017 - um incremento de 8% em relação a ano anterior. Os números consolidaram o estado como o quarto maior produtor de leite do país. Os três estados do Sul produziram 12,8 bilhões de litros de leite em 2017 - 38% do total produzido no país. E as expectativas são de que até 2020 a região produza mais da metade de todo leite brasileiro. A região formada pelo Sudoeste do Paraná, Oeste Catarinense e Noroeste do Rio Grande do Sul pode ser chamada de a "Nova Meca" do leite no Brasil já que apresenta o maior crescimento na produção e é também onde as indústrias de lacticínios têm feito os maiores investimentos nos últimos 10 anos. (Governo de SC)
 
 
 Leite: Aumento na oferta provoca queda no valor do litro de leite no RS 
 

 

Porto Alegre, 28 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.868

Longa vida ao leite, que está mais barato

RECUO NO VALOR do alimento é resultado de aumento da produção e representa um alívio para famílias e para o comércio. 

 

Se fim de ano é sinônimo de despesas extras, a boa notícia é que pelo menos um item básico da alimentação está com o preço em queda. Parceiro do achocolatado no café da manhã e de variadas receitas de doces, o leite longa vida está mais barato na prateleira.

Levantamento da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) mostra que, depois de custar R$ 3,26 (preço médio) em julho, o valor médio do litro chegou a R$ 2,93 na terceira semana de novembro, um recuo de 10,1%. O relatório do Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas da UFRGS (IEPE-UFRGS) também mostra praticamente a mesma redução em período semelhante: 10,4% de julho a outubro (os dados de novembro só são disponibilizados em dezembro).

O motivo da queda nos preços é o aumento da oferta do produto no mercado brasileiro. O excesso de produção em Minas Gerais, principal Estado leiteiro do país, ajudou a derrubar o valor nas gôndolas.

- As interferências do clima aumentaram a produção e houve necessidade de baixar os preços em função do excesso. Leite é perecível: ou vende ou joga fora - destaca o presidente da Agas, Antônio Longo.

Na prática, essa redução pode representar uma economia de cerca de R$ 20 por mês, em uma família de quatro pessoas, considerando consumo diário de dois litros.

- Em famílias com crianças em idade escolar, o consumo médio é de dois litros a dois litros e meio por dia. Em casas com crianças menores, esse consumo aumenta - indica a nutricionista Cláudia Marchese Strey.

Além da folga no orçamento familiar, a baixa do preço também dá uma mãozinha para os comerciantes, principalmente aqueles que usam o leite como insumo para outras preparações. É o caso de Luís Fernando de Oliveira, proprietário de uma padaria no bairro Menino Deus, em Porto Alegre:

- Tudo vem aumentando, a luz, a farinha... A baixa no leite está dando uma ajuda. A gente trabalha muito com o leite longa vida na produção de doces e salgados. Tudo, praticamente, usa leite.

A expectativa tanto da indústria quanto dos supermercadistas é de que os preços se mantenham no mesmo patamar nos meses de verão enquanto a produção estiver alta e o consumo menor. Bom para o consumidor e para parte do comércio. Contudo, os valores mais baixos podem não chegar até o outono.

- Não é salutar ficar nesse patamar de preço, há necessidade de valor superior em função de custos do produtor e da indústria. O leite é um dos itens com menor margem no supermercado - avalia Antônio Longo, da Agas. (Zero Hora)

 

Europa: com queda na produção de leite, países acreditam em efeito positivo no mercado

Os produtores de leite em toda a Europa tiveram uma produção menor durante o outono e o início do inverno - o que eles acreditam que causará um efeito positivo nos mercados. O presidente nacional dos Produtores Rurais Irlandeses, Tom Phelan, também acredita na ideia e comentou sobre isso na conferência sobre leite na Bélgica.

Em conversa após a reunião do COPA Milk Group em Bruxelas, Phelan disse que os produtores no continente relataram uma queda nas tendências de produção devido à seca, escassez de forragem e preços mais baixos, e que a maioria dos produtores presentes na reunião previu os preços do leite estáveis ou mais firmes no final do ano. Assim, ele espera que as cooperativas irlandesas acompanhem essa tendência. "Na reunião, nossos colegas representantes de produtores europeus nos disseram que, na França, a seca e os preços decepcionantes do leite fizeram a produção de leite cair 4% em setembro e 5% em outubro", disse Phelan.

Vários outros países também foram atingidos por uma desaceleração na produção, informou Phelan. "A produção de leite holandesa caiu 2,5% devido às restrições de fosfatos, mas também a uma escassez de forragens relacionadas à seca de 10% a 20%", observou ele, acrescentando que, na Alemanha, "produtores de leite esperam que a produção em 2018 caia 1,45% em relação a 2017".

Para ele, a consequência será que muitos produtores de leite em toda a Europa terão dificuldade em sustentar a produção em face da escassez de forragem e das rações caras. "Isso significa volumes mais baixos para os próximos meses e a escassez sempre aumenta os preços", concluiu.

Outros países atingidos por um abrandamento da produção incluem a Áustria, a Itália e a Finlândia - o último perdeu boa parte da sua pastagem durante o período de seca de verão em todo o continente. Os únicos locais que tiveram um nível estável de oferta ao longo do ano foram a Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte, enquanto a Polônia conseguiu aumentar a produção.

Phelan afirmou que a queda geral na produção e a consequente demanda significam que as cooperativas devem ter confiança para, pelo menos, manter seus preços. "Neste contexto, as cooperativas podem, e devem, comprometer-se a manter seus preços do leite pelo menos até o final do ano", concluiu o presidente. (As informações são do AgriLand, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint)

Tetra Pak inicia operação de 1ª planta piloto da empresa na América Latina

Centro de inovação - A Tetra Pak iniciou as operações de uma planta para testes de novos produtos. Parte de um investimento de R$ 40 milhões em um centro de inovação ao cliente, esta é a primeira instalação do tipo da empresa na América Latina.

"Trata-se de uma mini fábrica para testes de novos produtos. Todos os nossos clientes têm acesso e há requisição principalmente por empresas do Brasil e da América do Sul", explica a diretora de serviços de marketing da Tetra Pak para as Américas, Julia Sotera.

A estrutura integra o centro de inovação ao cliente da empresa, localizado em Monte Mor (SP) e é voltada para lácteos (leites e achocolatados), bebidas geladas (sucos, águas de coco e bebidas saborizadas) e alimentos preparados. "Algumas empresas procuram testar novos ingredientes ou uma nova fornecedora de matéria-prima", aponta Julia. De acordo com a executiva, a instalação traz a vantagem operacional de evitar que a empresa do cliente interrompa sua linha de produção para testar um produto ainda em desenvolvimento. "Assim, é possível produzir resultados próximos à realidade, mas com custos reduzidos", esclarece.

A Tetra Pak estima que a planta suporta cerca de 900 amostras por teste, o equivalente a cerca de 250 litros por tanque de armazenamento. "A ideia é que seja um intermediário entre a produção comercial e a escala de laboratório", conta Julia.

O centro de inovação ao cliente é o 4º da companhia no mundo e integra uma estratégia global para auxiliar a indústria a idealizar, desenvolver e testar novos produtos. "Os equipamentos são configurados de acordo com as demandas locais. Também oferecemos treinamento para as equipes de clientes."

Além do centro de inovação ao cliente, a Tetra Pak possui duas fábricas no Brasil: uma em Monte Mor e outra em Ponta Grossa (PR) A operação no País é a segunda maior da companhia, ficando atrás apenas da China.

Reciclagem
Julia afirma que a Tetra Pak procura oferecer aos seus clientes a possibilidade de integrar a cadeia recicladora, oferecendo embalagens com maior valor agregado. "Faz parte da inovação interna da empresa e convidamos nosso cliente a fazer parte."

Ela acredita que atualmente há uma demanda maior em razão de legislações ambientais mais restritivas. A empresa atua no desenvolvimento do mercado de papel reciclado e de telhas ecológicas, e recentemente começou a trabalhar com o segmento de produtos fabricados à base de plástico, buscando substituir as matérias-primas convencionais por plástico-alumínio reciclados. "Trabalhamos para garantir que a embalagem pós-consumo seja vista como fonte de recursos e não como resíduo. Isso é essencial para que novos processos produtivos sejam estabelecidos e, assim, mantenham a circularidade das matérias-primas", informa a diretora de meio ambiente da Tetra Pak, Valéria Michel.

Atualmente, diversas iniciativas de banir o plástico da composição de embalagens e utensílios têm ocorrido no País. Em julho deste ano, o Rio de Janeiro tornou-se a primeira cidade brasileira a proibir o uso de canudos de plástico em estabelecimentos comerciais.

No Senado, tramita o Projeto de lei 263/2018, que bane a fabricação, importação, distribuição e venda de sacolas plásticas para envase e transporte de mercadorias e consumo de alimentos. Um exemplo de mudança na indústria provocada pela preocupação ambiental são empresas de refrigerantes voltando a usar garrafas de vidro, em substituição ao pet. Além do apelo ambiental, o uso do vidro representaria redução de custos, pela reutilização do vasilhame. (DCI)

Nove meses sem rentabilidade
Preço/AR - Segundo boletim elaborado pelo Instituto Nacional Tecnologia Agropecuária (INTA), o custo de produção de leite foi de 8,72 pesos em outubro de 2018, e o preço médio recebido pelo produtor argentino, segundo a Agroindústria, foi de 8,42 pesos. Segundo o Instituto de Economia do INTA e os dados publicados pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA), o resultado médio ponderado da produção de leite foi -0,6%, e é o nono mês seguido no vermelho. "Supondo uma taxa de rentabilidade exigida para remunerar o capital de 5%, deveria gerar um faturamento líquido de 11.103 pesos/hectare/ano (148.047 pesos mensais sobre a área padrão considerada), que dividido pelos 7.576 litros de leite médio produzido, deveria resultar em um ganho líquido de 1,47 pesos por litro de leite", analisou a OCLA. Portanto, o preço de equilíbrio deveria ser de 10,19 pesos por litros de leite (8,72 pesos do custo + 1,47 de remuneração do capital", o que chegaria a US$ 0,28/litro. (Infortambo - Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 

 

Porto Alegre, 27 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.867

Sindilat anuncia vencedores do Prêmio Destaques 2018
 

Consolidado na agenda de premiações do agronegócio gaúcho, o 'Prêmio Destaques 2018' promovido pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) divulgou nesta xxx, a relação dos vencedores desta edição. A distinção consagra as personalidades que mais se destacaram no setor ao longo do ano.  São pessoas reconhecidas pela atuação em prol do desenvolvimento do agronegócio gaúcho e brasileiro nas seguintes categorias: Agronegócio Nacional; Agronegócio Estadual; Liderança Política; Personalidade; Servidor Público; Setor Público; Inovação; Pesquisa; Responsabilidade Social e Industrial.

Para o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, os nomes escolhidos representam com maestria o setor do agronegócio brasileiro "É um reconhecimento para os profissionais e empresas da área que, através do seu campo de atuação, fomentam iniciativas para ampliar o desenvolvimento do campo", ressalta. Os vencedores serão premiados durante evento de fim de ano do Sindilat, no dia 12 de dezembro, no Hotel Plaza São Rafael em Porto Alegre (RS).
 
Confira a lista dos Destaques 2018:
 
Agronegócio Nacional
Luiz Carlos Heinze
 
Agronegócio Estadual
Antonio Cettolin
 
Liderança Política
Onix Lorenzoni
 
Personalidade
Roberto Tavares
 
Servidor Público
Karla Pivato 
 
Setor Público
Bernardo Todeschini (Ministério da Agricultura)
 
Inovação
Lactalis
 
Pesquisa
Tetra Pak
 
Responsabilidade Social  
Colégio Teutônia
  
Industrial
Rasip (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
Conseleite/MS
 

Preço/MS - A diretoria do Conseleite - Mato Grosso do Sul reunida no dia 23 de novembro de 2018, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima, referente ao leite entregue no mês de outubro de 2018 e a projeção dos valores de referência para leite a ser entregue no mês de novembro de 2018.

A diretoria informa que neste mês de novembro houve atualização dos parâmetros para o cálculo dos valores de referência para a matéria-prima leite e alteração no formato da resolução, que a partir de agora contempla apenas valores de referência para o leite padrão. Outros valores de referência podem ser visualizados por meio de simulador, disponível no portal do Sistema (Famasul)

 
 

Entrada do leite uruguaio via Mercosul precisa ser revista, diz Tereza Cristina

Em entrevista exclusiva à Globo Rural, na última sexta-feira (23/11), a futura ministra da Agricultura, deputada Tereza Cristina (DEM-MS), voltou a dizer que o Mercosul tem que ser revisto, mas não significa que precisa acabar. Para ela, que preside a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a entrada do leite em pó do Uruguai no Brasil é um tema que precisa ser melhor tratado no bloco. Tereza Cristina reconhece que não são apenas as regras do Mercosul que influenciam o mercado brasileiro e que há outras questões a serem discutidas. Mas pontua que a oscilação no preço do produto afeta os produtores brasileiros, na grande maioria pequenos.
 
"Quando o produtor vai melhorando o preço do leite, entra o leite em pó, derruba o preço e aí o produtor [brasileiro] vende suas vacas. Enfim, é um círculo muito danoso para essa cadeia produtiva de lácteos. Eu não sou favorável à acabar o Mercosul não, mas eu acho que tem que sentar à uma mesa e ter essa discussão", disse ela.
 
A futura ministra da Agricultura lembrou que, na bancada ruralista, o deputado Alceu Moreira, que deve substituí-la na liderança da FPA, há um grupo para discutir questões relativas ao Mercosul. Para Tereza Cristina, esse debate não deve envolver só o agronegócio, mas ele é necessário.
 
"Não pode ter a visão só de um setor, uma visão setorial porque uma coisa leva à outra e são vários produtos ligados à agropecuária, mas nós temos que rever. Talvez até fortalecer o Mercosul, mas nós temos que colocar os problemas de cada lado. Hoje nós temos o problema muito sério do leite. O arroz praticamente acabou no Rio Grande do Sul. O arroz é parte dessa pauta de diálogo e de uma revisão do Mercosul", afirmou. (As informações são da Revista Globo Rural)

 
Paraná fechará divisa para ter novo status sanitário
O Paraná vai fazer o fechamento sanitário de divisas territoriais, principalmente com Mato Grosso do Sul, para se tornar em 2021 área livre de febre aftosa sem vacinação. A ideia já foi incorporada pelo governador eleito Ratinho Júnior (PSD), que deseja encerrar a imunização obrigatória de bovinos no primeiro semestre de 2019. "O Paraná recebe muitos bois de Mato Grosso do Sul para engorda antes do abate, então vamos criar barreiras para impedir esse trânsito, pois não poderemos ter animais vacinados no Estado", reforça. Após deixar de vacinar, os paranaenses terão de buscar o reconhecimento do novo status sanitário pelo Ministério da Agricultura e, em seguida, pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE). (As informações são do jornal O Estado de S. Paulo)

 

 

 

Porto Alegre, 26 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.866

Por mais Ivânias no campo gaúcho

Um tanto quanto tímida e com resumo de sua fala à mão, a produtora de leite Ivânia Binda (foto abaixo), de Fagundes Varela, na Serra, conquistou o público do 7º Fórum Itinerante do Leite, em Teutônia, Vale do Taquari. Ela era "a prova viva" da experiência, desenvolvida com a Emater, que tem o objetivo de usar a gestão como ferramenta de garantia de renda.

Quem acompanha o setor de leite sabe que a atividade é marcada pela sazonalidade. Anualmente, seguindo o ciclo da produção, os preços pagos ao produtor oscilam muito. O problema é que, às vezes, se somam a essa tradicional variação outros fatores. Agora, por exemplo, o valor pago por litro deveria estar estabilizado. Mas segue caindo. O percentual de recuo é de 5,44%, segundo o Conseleite. Há relatos, no entanto, de reduções maiores.

A crise do setor nos últimos anos levou cerca de 20 mil famílias a abandonar a atividade no Rio Grande do Sul, segundo levantamento da Emater. Ainda assim, outras 65 mil permanecem na atividade. E precisam encontrar um meio de garantir renda.

Dona Ivânia está nesse contingente. Sem cerimônias, reconheceu que ela e a família não faziam "nenhuma conta" até serem abordados pelo agrônomo Leandro Ebert, da Emater.

- Na primeira vez que fizemos, nos apavoramos - confidenciou a produtora no fórum.

Ao ganhar a confiança dessa e das outras famílias que integram a ação, Ebert plantou a semente do conhecimento. Usou a tecnologia - um aplicativo - para ajudar os produtores a terem consciência da importância de ter a atividade sob controle.

A produtora contou do estranhamento quando ganhou um smartphone:

- O que é que eu vou fazer com isso?

Ivânia poderia ter se intimidado e parado por aí. Decidiu, no entanto, que precisava vencer aquela barreira. E "fuçando" no celular, vai aos poucos, domando a tecnologia, transformando-a em aliada.

Os resultados já aparecem na propriedade das 15 famílias do GT do Leite. A receita mensal, menos despesa com ração, quase duplicou de abril a setembro.

A maior conquista de Ivânia está em não se intimidar. Ela poderia recuar e ficar só reclamando das dificuldades - que existem. Decidiu ir além. E vem fazendo a diferença na vida da família e da atividade. (Zero Hora) 

Campo Futuro mostra pecuária leiteira competitiva em relação a outras atividades

Custos leite - Em contrapartida ao estigma da baixa remuneração da pecuária leiteira, análise realizada pelo Projeto Campo Futuro mostra que a atividade pode ser competitiva em relação a outras, como pecuária de corte, cana de açúcar, soja e mandioca, e superar os valores oferecidos pelo arrendamento.

A premissa para que esse cenário ocorra é que o produtor invista em gestão e em ganhos de produtividade, por meio de nutrição adequada e mão de obra qualificada, para atingir eficiência produtiva e econômica. Em 2018, o Projeto Campo Futuro visitou 16 regiões nos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Na maioria dessas localidades, foi relatado o abandono da atividade leiteira em função da baixa remuneração. Com base nesse cenário, a equipe de Custo de Produção do Cepea realizou uma análise comparativa de competitividade entre a pecuária de leite e outras atividades apontadas como possibilidade de arrendamento nas regiões visitadas pelo Projeto Campo Futuro. Dentre as 16 propriedades típicas levantadas, 9 apresentaram margem bruta por hectare superior ao valor recebido pelo arrendamento mais comum da região, foram elas: Pompéu (MG), Uberlândia (MG), Cascavel (PR), Castro (PR), Chopinzinho (PR), Umuarama (PR), Cruz Alta (RS), Pelotas (RS) e Três de Maio (RS) - Figura 1. Analisando o estado de Minas Gerais, que registra grande heterogeneidade nos sistemas de produção, duas das cinco propriedades típicas se mostram competitivas, ou seja, a margem bruta por hectare superou o valor de arrendamento. Nestas propriedades, os diferenciais foram o uso de uma estratégia nutricional adequada, que atende às exigências do rebanho e permite a expressão do potencial produtivo dos animais, e a presença de mão de obra qualificada e especializada na atividade.

 

Os bons desempenhos produtivo e econômico das propriedades competitivas, por sua vez, se refletem nos indicadores de participação dos custos com alimentação do rebanho e mão de obra contratada (terceirizada ou com carteira assinada) em relação à receita da atividade. Esses dois itens representavam, respectivamente, 50,8% e 13,6% da receita. Tais valores convergem com os indicadores tidos como ideais para propriedades economicamente equilibradas: os custos com alimentação do rebanho equivalendo a 50% da receita e os com mão de obra, entre 10% e 15% da receita. Quanto à eficiência produtiva, as regiões competitivas se destacam. Nesses locais, a produção de leite por lactação foi 31% maior em comparação aos números obtidos nas regiões não competitivas; a produção por hectare foi 92% superior e a produção por colaborador, 39% maior (Figura 2). Os números de produtividade evidenciam que a melhor eficiência produtiva torna as propriedades competitivas na medida em que permite diluição dos custos fixos da produção e retornos atrativos a investimentos na atividade. (Cepea)

 
 

Produtores gaúchos pedem antecipação da retirada da vacina contra febre aftosa

Pecuaristas do Rio Grande do Sul pediram ao secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eumar Novacki, a antecipação da retirada da vacina contra a febre aftosa do rebanho gaúcho. O secretário explicou que o Mapa está tratando do assunto, mas que o estado ainda precisa fazer uma série de procedimentos até chegar a fase de auditoria que precede a retirada da vacina.

Novacki foi recebido na Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), pelo diretor administrativo da federação Francisco Schardong e por entidades ligadas ao setor de Proteína animal, onde foram discutidos temas do segmento como sanidade animal e comércio internacional, além da febre aftosa.

O secretário executivo também esteve reunido com representantes da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetag), onde relatou o estágio de desenvolvimento dos principais programas do Mapa para o setor.

No Palácio Piratini, sede do executivo gaúcho, Novacki foi recebido pelo governador do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori, e pelo vice-governador, José Paulo Cairoli, onde destacou a relevância e o dinamismo da agropecuária gaúcha. (As informações são do Mapa.)

 

LEITE | ESTUDO REFORÇA COMPETITIVIDADE DA PECUÁRIA LEITEIRA

Em contrapartida ao estigma da baixa remuneração da pecuária leiteira, análise realizada pelo Projeto Campo Futuro, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq USP) mostra que a atividade pode ser competitiva em relação a outras, como pecuária de corte, cana de açúcar, soja e mandioca, e superar os valores oferecidos pelo arrendamento. A premissa para que esse cenário ocorra é que o produtor invista em gestão e em ganhos de produtividade, por meio de nutrição adequada e mão de obra qualificada, para atingir eficiência produtiva e econômica.

Em 2018, o Projeto Campo Futuro visitou 16 regiões nos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Na maioria dessas localidades, foi relatado o abandono da atividade leiteira em função da baixa remuneração. Com base nesse cenário, a equipe de Custo de Produção do Cepea realizou uma análise comparativa de competitividade entre a pecuária de leite e outras atividades apontadas como possibilidade de arrendamento nas regiões visitadas pelo Projeto Campo Futuro.

Dentre as 16 propriedades típicas levantadas, 9 apresentaram margem bruta por hectare superior ao valor recebido pelo arrendamento mais comum da região, foram elas: Pompéu (MG), Uberlândia (MG), Cascavel (PR), Castro (PR), Chopinzinho (PR), Umuarama (PR), Cruz Alta (RS), Pelotas (RS) e Três de Maio (RS).

Analisando o estado de Minas Gerais, que registra grande heterogeneidade nos sistemas de produção, duas das cinco propriedades típicas se mostram competitivas, ou seja, a margem bruta por hectare superou o valor de arrendamento. Nestas propriedades, os diferenciais foram o uso de uma estratégia nutricional adequada, que atende às exigências do rebanho e permite a expressão do potencial produtivo dos animais, e a presença de mão de obra qualificada e especializada na atividade.

Os bons desempenhos produtivo e econômico das propriedades competitivas, por sua vez, se refletem nos indicadores de participação dos custos com alimentação do rebanho e mão de obra contratada (terceirizada ou com carteira assinada) em relação à receita da atividade. Esses dois itens representavam, respectivamente, 50,8% e 13,6% da receita. Tais valores convergem com os indicadores tidos como ideais para propriedades economicamente equilibradas: os custos com alimentação do rebanho equivalendo a 50% da receita e os com mão de obra, entre 10% e 15% da receita.

Quanto à eficiência produtiva, as regiões competitivas se destacam. Nesses locais, a produção de leite por lactação foi 31% maior em comparação aos números obtidos nas regiões não competitivas; a produção por hectare foi 92% superior e a produção por colaborador, 39% maior. Os números de produtividade evidenciam que a melhor eficiência produtiva torna as propriedades competitivas na medida em que permite diluição dos custos fixos da produção e retornos atrativos a investimentos na atividade. (Fonte Portal DBO) 

Lácteos: demanda continua robusta e preços estão em queda, diz ANZ
A demanda por commodities lácteas continua robusta, e os preços em queda são, principalmente, uma consequência do aumento da produção global de leite, segundo nota da ANZ Research. "A oferta mundial de leite tem sido reforçada este ano pelo crescimento constante da produção nos Estados Unidos e na Europa, combinado com excelentes condições de crescimento na Nova Zelândia." No entanto, a instituição observa que, embora o excedente de leite tenha pressionado os preços, ele está sendo absorvido pelo mercado, e os estoques globais estão começando a ser utilizados. "Em algum momento durante os próximos meses, os mercados devem recuar em favor dos fornecedores." (As informações são do Dow Jones Newswires, publicadas no Estadão)
 
 

 

 

Porto Alegre, 23 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.865

Conseleite SC 
 
A diretoria do Conseleite Santa Catarina reunida no dia 22 de Novembro de 2018 na cidade de Chapecó, atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I, aprova e divulga os preços de referência da matéria-prima leite, realizado no mês de Outubro de 2018 e a projeção dos preços de referência para o mês de Novembro de 2018. Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão, bem como o maior e menor valor de referência, de acordo com os parâmetros de ágio e deságio em relação ao Leite Padrão, calculados segundo metodologia definida pelo Conseleite-Santa Catarina. (FAESC)
 
 
 
LEITE EM METRO
 
Leticia Szczesy / Jardine Comunicação
 

Não basta produzir leite. É preciso saber apreciar o alimento. Com essa máxima, o 7º Fórum Itinerante do Leite substituiu o tradicional chope e realizou a competição do leite em metro. Josué Teston acabou levando a melhor. O competidor, que trabalha na Fundação Agrícola de Teutônia, contou o segredo para vencer a competição:

- A calma. Na primeira vez, foi rápido demais, daí derramou.

A prova foi um momento de descontração do evento que reuniu cerca de 600 pessoas no Ginásio da Sociedade Esportiva e Recreativa Gaúcho, em Teutônia. Assuntos como gestão, tecnologia, sanidade e rentabilidade estiveram em foco nas palestras e nas quatro oficinas.

A preocupação com a queda nos preços pagos ao produtor também ficou evidenciada na rodada de debates. Mas as alternativas para driblar a sazonalidade existem. Para comprovar que a proposta desenvolvida em Fagundes Varela, na Serra, onde um aplicativo tem ajudado na gestão das propriedades, deu certo, a produtora Ivânia Linda foi chamada a dar um depoimento:

- A gente não tem de pensar só em quantidade e, sim, em qualidade. E planejar. Temos de evoluir com o uso da tecnologia. (Zero Hora)

Estado oferece parcelamento e desconto em dívidas de ICMS

Diante do acúmulo de contas no fim de ano, o governo do Estado decidiu recorrer novamente à renegociação de dívidas de ICMS. Com o Programa Especial de Quitação e Parcelamento (Refaz) lançado ontem, o Piratini espera arrecadar R$ 500 milhões ainda em 2018.

Mesmo se cumprido, o montante será insuficiente para saldar os compromissos financeiros. O valor equivale a um terço da folha de pagamento do funcionalismo - somente para quitar os salários de outubro, o governo ainda precisa de R$ 300 milhões.

Publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) ontem, o Refaz já está valendo. O maior desconto será para as empresas que paguem seus débitos até 26 de dezembro. Para as companhias enquadradas no Simples Nacional, o abatimento será de 40% nos juros e de 100% nas multas. Para as demais, a dedução nos juros também será de 40%. Porém, a redução nas multas ficará entre 50% e 85% - quanto menor o número de parcelas, maior o desconto.

Podem aderir ao programa os devedores de ICMS com vencimento até 30 de abril deste ano. De acordo com a Receita estadual, as dívidas de empresas em atividade são de R$ 21,91 bilhões. Fica de fora quem ingressou no programa de troca de débitos por precatórios (Compensa-RS). (Zero Hora) 

 

Evento tem data marcada

A Associação de Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) e a Federação Brasileira das Associações 
de Criadores de Animais de Raça (Febrac) decidiram, em reunião realizada ontem, que a próxima Expoleite/Fenasul ocorrerá de 15 a 19 de maio de 2019, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. O presidente da Gadolando, Marcos Tang, disse que os criadores possuem identificação com a exposição. "É uma feira de outono mais curta e se consegue trazer os animais em maior número", destacou. 

Para o presidente da Febrac, Leonardo Lamachia, a feira é de grande importância para todos os criadores de gado leiteiro. "Vamos fazer uma feira envolvendo outras raças de equinos e bovinos. A definição da data com esta antecedência vai nos proporcionar a mobilizar o maior número de associações possível", observou. Entre as atividades que deverão ser confirmadas na Expoleite/Fenasul estão a Feira de Terneiros da Farsul e uma Classificatória Aberta ao Freio de Ouro, no Complexo do Cavalo Crioulo. (Correio do Povo)

Nova invenção promete detectar doenças em rebanho por meio de sensor

Pesquisadores irlandeses desenvolveram um novo sensor de testes em animais que pode detectar doenças em bovinos e permitir que pecuaristas e veterinários isolem um animal afetado antes que a infecção possa se espalhar para o resto do rebanho. Segundo artigo publicado no site Ireland Farmer, o sensor é do tamanho de uma moeda e pode ser preenchido com vários soros de detecção de doenças que podem  ser diagnosticadas no local uma infecção. A velocidade do sensor poderia acabar com o tempo de espera de uma semana entre o diagnóstico por um veterinário de um problema na fazenda e a obtenção dos resultados dos testes dos laboratórios.  A tecnologia portátil "transformará veterinários em laboratórios ambulantes", de acordo com o químico analítico líder do projeto, Alan O'Riordan.

O cientista disse à publicação que o desenvolvimento era parte da iniciativa geral de "digitalizar a agricultura" e reduzir drasticamente os tempos de resposta a problemas de doenças na fazenda. O sensor foi usado com sucesso para detectar condições como diarreia viral bovina e Rinotraqueíte Infecciosa Bovina (IBR) e está sendo testado para verificação de fasciolose.

Na pesquisa secundária, o dispositivo foi usado para testar fungos e bactérias em cevada e sementes de batata. Há esperanças de que ele possa eventualmente ser usado para identificar a poluição em cursos de água. O sensor já foi patenteado na Irlanda, Europa e Estados Unidos, e O'Riordan espera que o produto seja lançado no mercado até o final de 2019.

"Até agora, o sensor mostrou resultados bem-sucedidos na detecção de doenças em bovinos, principalmente no setor lácteo, e acelerou a maneira como lidamos com esses surtos de infecção", disse. Embora o programa de testes tenha sido principalmente em rebanhos leiteiros, o dispositivo pode ser usado para identificar todos os tipos de doenças e infecções com bovinos em geral e com ovelhas. (Canal Rural)

ANTT atualiza tabela do frete
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou no Diário Oficial da União (DOU) os novos preços para o frete, com redução que varia de 1,2% a 5,32%. A alteração ocorreu por conta do disposto que instituiu a política nacional de pisos mínimos para o transporte rodoviário de cargas. A lei determina que a tabela seja reajustada sempre que preço do óleo diesel tenha oscilação superior a 10%. De acordo com os novos valores, o preço mínimo do frete para carga geral caiu de R$ 2,16 para R$ 2,11 até cem quilômetros, considerando um caminhão com três eixos. A mudança se deu por causa de variação no preço do óleo diesel no fim de outubro. Ontem, 75 entidades enviaram ao presidente eleito Jair Bolsonaro carta aberta contra o tabelamento, instaurado pelo governo de Michel Temer após a paralisação dos caminhoneiros em maio. Segundo elas, a medida pode trazer de volta "fantasma" do tabelamento, usado na década de 1980. (Zero Hora)

 

 

Porto Alegre, 21 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.863

Conseleite PR
 
A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 20 de novembro de 2018 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em outubro de 2018 e a projeção dos valores de referência para o mês de novembro de 2018, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes. (Faep)
 

Maior oferta e demanda enfraquecida pressionam cotações

Derivados lácteos - A oferta ainda elevada da matéria-prima e a fraca demanda por derivados lácteos mantiveram a pressão sobre os valores pelo terceiro mês consecutivo no atacado do estado de São Paulo. A média de preço do leite UHT em outubro foi de R$ 2,4746/litro, 5,03% abaixo da de setembro/18, mas 17,07% superior à de outubro/17.

Colaboradores do Cepea relataram que as chuvas elevaram a oferta de leite, resultando na queda dos preços e na desaceleração da produção de alguns laticínios para evitar o crescimento de estoque. Em relação ao queijo muçarela, a média fechou em R$ 18,33/kg em outubro, aumento de 0,50% na comparação com setembro/18 e de 24,84% frente a outubro/17. Para novembro, as expectativas ainda são de preços enfraquecidos. Com base nas duas primeiras semanas do mês, os preços do leite UHT diminuíram 12% na comparação com outubro/18, fechando em R$ 2,1910/ litros. Para o queijo muçarela, a redução foi de 2,5% na mesma comparação, fechando em R$ 17,95/kg. Essa pesquisa diária de preços tem o apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras). (Cepea)

 
 

Alta nas importações aumenta o déficit da balança comercial

Importação de lácteos - Após dois meses consecutivos em queda, as importações brasileiras de leite em equivalente leite aumentaram 64,8% de setembro para outubro, somando 154 milhões de litros e gerando receita de US$ 57 milhões, conforme dados da Secex.

Frente ao mesmo período de 2017, as compras externas de produtos lácteos cresceram 114,2%. O principal derivado lácteo importado foi o leite em pó, totalizando 127 milhões de litros em equivalente leite. A Argentina liderou as vendas ao Brasil, com 76 milhões de litros em equivalente leite e participação de 60% no total importado pelo País. O preço médio do leite em pó importado da Argentina em outubro foi de US$ 2,82/kg, estável frente ao de setembro. No Brasil, o valor médio do leite em pó, calculado pelo Cepea, ficou em US$ 4,67/kg em outubro. Já o preço médio do produto brasileiro exportado foi de US$ 3,95/kg, valores superiores aos pagos pela Argentina. Apesar do recuo de 12,8% frente ao volume adquirido em setembro, o queijo foi o segundo produto mais importado pelo Brasil em outubro, somando 25 mil litros em equivalente leite. A participação do queijo nas aquisições totais de derivados em outubro foi de 16,2%. A Argentina também foi a principal vendedora do produto, com participação de 68,6% nas importações brasileiras, que somaram 17 milhões de litros em equivalente leite. As exportações brasileiras de leite em equivalente leite, por sua vez, recuaram 48,7% em relação ao mês de setembro, registrando 5 milhões de litros em volume e US$ 4 milhões em receita. Em relação a outubro de 2017, os embarques de produtos lácteos diminuíram 27,8%. O queijo continua sendo o derivado mais exportado pelo Brasil, com 48,7% de participação no total das vendas ao mercado externo, o que corresponde a 2 milhões de litros em equivalente leite. 

A Rússia ocupa o primeiro lugar nas compras do queijo brasileiro, com participação de 28,2% no total, ou 703 mil litros em equivalente lente. O segundo derivado brasileiro mais demandado pelo mercado internacional foi o leite condensado, com 33% de participação no total exportado pelo País em outubro, ou 1 milhão de litros em equivalente leite. Assim, o déficit da balança comercial aumentou 55% de setembro para outubro, fechando com saldo negativo de US$ 53,5 milhões. Em volume, o déficit foi de 149 milhões de litros em equivalente leite em outubro, 78,2% maior que o de setembro. (Cepea) 
 

 

NZ: preços ao produtor devem cair mais, dizem analistas

A cooperativa neozelandesa Fonterra está prevendo um preço final do leite ao produtor entre NZ$ 6,25 (US$ 4,27) e NZ$ 6,50 (US$ 4,44) por quilo de sólidos do leite, o que equivale a NZ$ 0,52 (US$ 0,35) a NZ$ 0,54 (US$ 0,37) por quilo de leite, quando a estação terminar no ano que vem. Isso é uma redução com relação às previsões anteriores, disse Mark Lister, que dirige a pesquisa privada para a Craigs Investment Partners. Ele disse que há uma pressão crescente sobre o setor, principalmente devido aos preços mais baixos dos produtos lácteos em todo o mundo. "Já vimos derrapagens nos resultados do leilão global de lácteos. Isso se deve em parte à maior oferta de produtos lácteos provenientes de muitas partes do mundo. Em segundo lugar, o dólar da Nova Zelândia está muito forte".

Os números colocam o dólar neozelandês mais baixo do que no início do ano, mas ainda assim 4 centavos acima do nível do início de outubro, quando medidos em relação ao dólar norte-americano. Esse dólar mais alto encareceu as exportações da Nova Zelândia. Lister explicou que esses dois fatores tornariam mais difícil para a Fonterra sustentar suas últimas previsões. Embora não tenha declarado uma previsão formal, para ele uma previsão de NZ$ 6 (US$ 4,10) por quilo de sólidos do leite [NZ$ 0,50 (US$ 0,34) por quilo de leite] seria um número mais realista. "Isso pode ser menor do que as pessoas esperam nos últimos seis meses, mas ainda não é tão ruim em relação à história."

Outro analista, Mark Brunel, da OMF, fez uma previsão ainda mais baixa de NZ$ 5,80 (US$ 3,96) por quilo de sólidos do leite [NZ$ 0,48 (US$ 0,32) por quilo de leite]. Ele observou que o volume de produção mundial pressionaria os preços para baixo, com a produção da indústria da Nova Zelândia subindo 6% e a produção americana 1% no ano. (As informações são da Radio New Zealand, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint)

Alta do dólar encarece adubo e eleva custos em outubro
Custo de produção - As valorizações de 6,46% dos adubos e corretivos e também de 3,3% dos combustíveis em outubro elevaram os custos de produção da pecuária leiteira no mês. Na "média Brasil" (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP), o Custo Operacional Efetivo (COE), que considera os gastos correntes das propriedades, registrou alta de 0,82% em outubro. No acumulado de 2018, os custos já subiram 8,66%, muito próximo ao IGP-DI que, de janeiro a outubro, subiu 8,82%. Entre os estados acompanhados pelo Cepea, a maior alta no COE em outubro, de 1,5%, foi observada em Minas Gerais, seguido por São Paulo e Rio Grande do Sul, com elevações de 0,82% e de 0,66%, respectivamente. Goiás foi o único estado que teve recuo no COE no mês, de 0,93% - neste caso, a baixa esteve atrelada à desvalorização de 2,9% do concentrado. As altas nos preços dos adubos e corretivos, por sua vez, se devem à valorização do dólar em setembro - vale lembrar que esses insumos têm parte da matéria-prima importada. Em outubro, o dólar teve média de R$ 3,76, mas, em setembro, atingiu R$ 4,11, devido ao período eleitoral brasileiro. Quanto ao combustível, a Petrobras subiu em 2,8% o preço do diesel em outubro - contexto que também elevou os valores dos fretes. ALIMENTAÇÃO - A alta desses grupos de insumos impacta diretamente nos custos com a implantação e reforma de pastagens e também nos gastos envolvendo o cultivo das lavouras de milho para silagem, que será fornecida em 2019. Nesse cenário de custos de alimentação mais elevados, cabe ao produtor se planejar. Por enquanto, em outubro, o concentrado permaneceu praticamente estável (ligeira alta de 0,13%) na "média Brasil". (Cepea)
 

 

Porto Alegre, 20 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.862

Indústrias mobilizadas para o 7º Fórum Itinerante do Leite

As indústrias gaúchas de leite estão mobilizadas para participar, nesta quinta-feira (22/11), do 7º Fórum Itinerante do Leite, que será realizado a partir das 8h30min no Ginásio da Sociedade Esportiva e Recreativa (SER) Gaúcho, em Teutônia (RS).  A programação do evento e a necessidade de unir produtores e indústrias em prol do desenvolvimento da cadeia foi tema da reunião de associados do Sindilat realizada na tarde de hoje (20/11), em Porto Alegre. O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, informou que o evento debaterá novas ferramentas tecnológicas que auxiliam na gestão e rentabilidade das propriedades leiteiras. Também haverá oficinas sobre eficiência energética, balanceamento de dietas para vacas leiteiras e controle de doenças reprodutivas. "Esperamos que a programação atenda à necessidade da região porque foi construída a partir das demandas das empresas e dos produtores locais".  O evento será transmitido ao vivo pelo Facebook. 

O presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, salientou a importância do Fórum Itinerante do Leite como um encontro para debater as melhorias e desenvolvimento do produtor e da indústria. "Precisamos mobilizar as equipes técnicas das empresas para entrar no debate", conclamou. O 7ª Fórum Itinerante do Leite é uma promoção do Sindilat, Secretaria da Agricultura, Ministério da Agricultura, Emater, Fundesa, Fetag, Farsul e Colégio Teutônia e tem o patrocínio do BRDE. Em paralelo, ocorrerá o Fórum Tecnológico do Leite, evento do Colégio Teutônia com a participação da Emater, Fetag e as cooperativas Languiru, Certel e Sicredi.

Durante a reunião desta terça-feira, Palharini ainda relatou recente visita técnica realizada à Embrapa Gado Leiteiro, em Juiz de Fora (MG), onde conferiu as inovações e projetos de pesquisa, como o uso de novos equipamentos e controle do carrapato. Palharini disse que alinhou com o diretor da Embrapa, Paulo Martins, para que seja feita apresentação das ações da entidade para as indústrias gaúchas em evento técnico que será realizado pelo Sindilat, em Porto Alegre (RS), no dia 12 de dezembro, no Hotel Plaza São Rafael. (Assessoria de Imprensa Sindilat) 


FOTO: Carolina Jardine
 
 

Leite chega a R$ 1,09 no Rio Grande do Sul

O valor de referência do leite no Rio Grande do Sul em novembro ficou em R$ 1,0920, o que representa queda de 5,44% em relação ao valor consolidado do mês de outubro (R$ 1,1548). Os dados foram divulgados na reunião do Conseleite, realizada na sede da Fecoagro, em Porto Alegre (RS). Segundo o professor da UPF, Eduardo Finamore, a redução reflete baixa dos preços de diversos derivados, principalmente do leite condensado (-11,84%) e do leite UHT (-9,66%). A diminuição só não foi maior devido ao leite em pó, que teve redução de apenas 0,38%. Apesar de estarem em queda, ressalta ele, os valores nominais obtidos em 2018 para os principais produtos do mix (leite UHT, leite em pó, requeijão, queijo prato e iogurte, por exemplo) são os maiores da série histórica do Conseleite, que compara valores desde 2006. "Considerando a correção da inflação, o preço de referência no acumulado de 2018 está 14,39% maior do que o praticado no mesmo período de 2017", complementa Finamore.

Apesar da tendência de queda, explica o economista, a questão essencial é qual será o ponto de inflexão da curva do leite uma vez que os próximos meses são, tradicionalmente, de queda de consumo em função do período de férias. O presidente do Conseleite, Pedrinho Signori, alertou que, no campo, os produtores estão sentindo queda maior do que os números indicados pelo Conseleite. "Essa instabilidade é terrível para o produtor e para a indústria. Como o produtor vai investir para motivar e deixar a juventude no campo desse jeito?", questionou.

O presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, argumenta que é preciso entender que o setor industrial está pressionado pelo varejo e que os preços estão todos em queda. "O setor precisa ganhar competitividade, mas a indústria não tem como absolver a redução sem reportar parte dela ao produtor. É a regra do mercado".  (Assessoria de Imprensa Sindilat) 

Foto: Carolina Jardine
 
 
GDT 
 
Fonte (GTD) 
 

Setor de lácteos é nova "vaca leiteira" da economia indiana

Na recém-concluída sessão anual da World Dairy Summit da International Dairy Federation na cênica cidade de Daejeon, na Coreia do Sul, a Índia foi o destaque do mundo. De um mercado em grande parte cativo - apesar de ser o maior produtor de leite do mundo - o país está emergindo como um grande exportador agora, com a produção devendo superar o consumo doméstico em breve. Cheio de orgulho evidente, o representante da Índia na conferência RS Sodhi, diretor-gerente da Federação de Marketing de Leite Cooperativa Gujarat (GCMMF) - a cooperativa mais conhecida pelo nome Amul -, disse que o crescimento da produção de leite na Índia da década, indexado a 4,8% CAGR, é o dobro da produção mundial de leite, que está crescendo a 1,8% CAGR. "Nos últimos cinco anos, isso melhorou ainda mais, para 5,4% CAGR "contou.

Embora a produção mundial de leite em 2017 tenha sido de 849 milhões de toneladas ou 2,32 bilhões de litros por dia, a Índia sozinha representou quase 20% disso, com 174 milhões de toneladas, seguida pelos EUA com 97,7 milhões de toneladas. Indo adiante, a produção de leite da Índia deverá superar a produção global e crescer para 185 milhões de toneladas por ano e ultrapassar a UE para emergir como o maior produtor de lácteos até 2020. O leite, informa Sodhi, "é o produto agrícola mais importante da Índia em termos de valor; é avaliado em cerca de Rs 6,5 lakh crore (US$ 89,26 bilhões), que é mais do que o valor total de arroz e trigo juntos. Além de estar contribuindo com cerca de 26% para o total do PIB agrícola". Ele acrescenta que, nos próximos cinco anos, "enquanto o volume adicional líquido projetado que será gerado por todos os países produtores de leite será de cerca de 25 milhões de toneladas por ano, a Índia adicionará volume adicional de 32 milhões de toneladas por ano".

Além disso, com quase todos os países vizinhos do Nepal a Bangladesh e Paquistão e até a China enfrentando o espectro da deficiência de leite, a Índia está pronta para colher dividendos enormes com o aumento da produção de leite, permitindo que ela se torne um grande exportador de leite em um futuro não tão distante. "Embora as exportações de lácteos da Índia tenham sido insignificantes até alguns anos atrás, dado que o país produz principalmente leite de búfala e que os produtos de valor agregado indiano são consideravelmente diferentes daqueles dos países desenvolvidos, a crescente deficiência nesses países abriu novas perspectivas. Também estamos investindo consideravelmente na criação de produtos de valor agregado mais em sincronia com os requisitos dos países desenvolvidos, o que contribuirá significativamente para nossas receitas de exportação", explicou Sodhi.

O que é mais significativo, no entanto, é o fato de que a indústria de lácteos deverá ultrapassar o setor de tecnologia da informação como o maior gerador de empregos. Na próxima década, o setor deverá gerar 20 milhões de empregos anualmente, afirma Sodhi. "Mas, embora o setor de TI seja em grande parte um gerador de empregos urbanos, os lácteos proporcionarão emprego nas áreas rurais", disse ele. Os cálculos indicam que 11.000 pessoas são empregadas em aquisições, processamento e embalagem de 100.000 litros de leite. E cerca de 60 milhões de famílias rurais na Índia dependem dos lácteos para subsistência e renda, mais de 70% dos quais são produtores pequenos e marginais e famílias sem terra.

Não é de admirar, então, que a indústria de lácteos esteja se expandindo exponencialmente, com o número de novos membros locais e regionais aumentando rapidamente. O fato de as grandes metrópoles possuírem de 30 a 100 marcas de produtos lácteos é um indicador claro de como o setor está sendo direcionado para a lucratividade pelo setor privado. "Porque é lucrativo, mais e mais pessoas estão levando para a produção leiteira,", disse Sodhi. O consumo doméstico está aumentando, em grande parte por melhorar a acessibilidade, mudar os hábitos alimentares graças ao aumento da saúde e à qualidade e ao aumento do consumo de produtos de valor agregado com uma disponibilidade de leite per capita de 370 gramas por pessoa, por dia - muito à frente da disponibilidade mundial de leite per capita de cerca de 260 g por pessoa, por dia.

Tanto os players nacionais quanto os internacionais estão entrando na indústria de lácteos, atraídos pelo tamanho e potencial do mercado indiano. O foco é em produtos de valor agregado, como queijo, iogurte, bebidas probióticas, etc. Produtos inovadores também estão sendo rotineiramente introduzidos, levando em conta as exigências específicas dos consumidores indianos, bem como do mercado de exportação. Esses players estão melhorando sua rede de aquisição de leite, o que está facilitando ainda mais o desenvolvimento da indústria de lácteos na Índia. Olhando para o futuro, espera-se que o mercado atinja um valor de Rs 18.599 bilhões (US$ 255,42 bilhões) até 2023, exibindo um CAGR de 15% durante 2018-23.

Um relatório recente da CRISIL prevê um crescimento 50% mais rápido no setor de produtos de valor agregado nos próximos anos, e sugere que tais produtos registrariam um crescimento anual de 14-15% nos próximos três anos fiscais. O relatório conclui que as receitas de produtos de valor agregado continuarão a se beneficiar do aumento da urbanização. O relatório, baseado em estudos de caso de 100 empresas de laticínios que juntas respondem por mais de 60% da receita do setor, também prevê um futuro saudável para o setor como um todo, com um crescimento constante nas vendas de leite. Embora a concorrência seja difícil, as empresas de grande porte, como a GCMMF, estão fazendo de tudo para garantir sua posição de liderança. "Nosso mantra é aumentar constantemente as aquisições, a capacidade de processamento, a rede de distribuição e a eficiência da cadeia de suprimentos", explica o diretor da GCMMF.

Hoje, 18 sindicatos membros de Gujarat, cobrindo todos os 33 distritos, estão comprando 21 milhões de kg de leite por dia, de 36 membros produtores de leite de mais de 18.600 cooperativas de laticínios de aldeias. GCMMF alcançou vendas de 29.225 crore (US$ 4 bilhões) durante 2017-18. O volume de negócios acumulado e não duplicado do GCMMF e dos seus sindicatos membros é superior a Rs 41.000 crore (US$ 5,6 bilhões). O governo também introduziu vários esquemas e iniciativas visando o desenvolvimento do setor lácteo. O Plano Nacional de Lácteos (Fase I) visa melhorar a produtividade do gado e aumentar a produção de leite, expandir a infraestrutura de aquisição de leite rural e proporcionar maior acesso ao mercado para os produtores.

Sodhi sente que muito mais pode ser feito para melhorar a viabilidade do setor. "Precisamos de mais políticas para motivar e incentivar os produtores de leite. O excesso de matéria-prima no setor de leite é uma ruína para eles, com os preços de compra se tornando cada vez mais não-remunerativos. Além disso, os governos estadual e central precisam aumentar as alocações orçamentárias para o setor de pecuária para aumentar a produção de leite", disse ele. Ele acrescenta que os análogos lácteos também estão criando uma concorrência insalubre de preços, "dificultando a venda de nossos produtos. Isso afeta o sustento dos produtores de leite porque, se vendermos nossos produtos a um preço baixo (a par dos análogos), não poderemos pagar preços adequados aos nossos produtores de leite", ele lamenta. A GCMMF fez várias representações para a FSSAI para restringir o uso de análogos e formular regras para eles. Também sugeriu projetos de regras para embalagem e rotulagem dos produtos. Em última análise, como Sodhi resume de forma sucinta, "para ganhar mais, você precisa dar mais - tanto para seus fornecedores quanto para os consumidores". Essa é a única maneira pela qual o setor de lácteos continuará a ser a 'vaca leiteira' da economia indiana. (As informações são do Financial Express, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint) 

Vendas da Fonterra aumentam 31% em evento on-line de compras chinesas
As vendas da Fonterra cresceram 31% durante o Double 11, o maior evento de compras 24 horas que ocorreu na China. Todos os produtos da Fonterra estavam disponíveis durante a promoção. As vendas do leite Anmum aumentaram em 41% em relação ao ano passado. As vendas de cremes, queijos e manteigas da Anchor nas plataformas on-line (JD e Tmall) dobraram para mais de 5 milhões de yuan chinês (US$ 717.915). A presidente da Fonterra China, Christina Zhu, disse que a companhia alcançou um resultado muito alto de vendas, com um total estimado de 132 milhões de yuan chinês (US$ 18,9 milhões), e as marcas mais vendidas no evento foram Anchor, Anmum e Anlene. "O Anchor UHT é o favorito do público e ficou em primeiro lugar na sua categoria por mais um ano. Depois de nossos esforços contínuos na construção da marca na China nos últimos cinco anos, a popularidade da Anchor entre os consumidores chineses vem aumentando", contou Zhu. De acordo com a presidente, o foco durante o evento foi entregar valor em escala - obtendo o melhor retorno e para alcançar o máximo de consumidores possível. "Embora algumas empresas tenham grandes descontos em suas marcas no Double 11, em geral, nossos preços foram 5% maiores do que no ano passado e 25% maiores do que nossos concorrentes". Mais de 30 milhões de pessoas visitaram a loja on-line da Anchor em 24 horas, levando a um equivalente de 8.400 toneladas de produtos vendidos. Zhu disse que a Fonterra se concentrou na construção da marca, com foco no marketing digital nos últimos cinco anos. "Estamos orgulhosos de levar o leite de nossos produtores para o mundo. O Double 11 é o maior evento de compras do mundo em um mercado de US$ 800 bilhões, mas para nós é importante construir a marca Anchor na China e vender mais leite de nossos produtores por meio de produtos de alto valor". O Double 11 é um evento de venda global varejista realizada no feriado 'Single's Day' da China. Segundo dados do Alibaba, o evento retornou US$ 31 bilhões em faturamento apenas este ano, com 1 bilhão de pedidos. (As informações são do Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint)

 

 

Porto Alegre, 19 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.861

Divulgados os finalistas do Prêmio Sindilat de Jornalismo
 

Reunida na tarde desta segunda-feira (19/11), na sede do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), em Porto Alegre (RS), a Comissão Julgadora do 4º Prêmio Sindilat de Jornalismo compilou os resultados e anunciou os finalistas das quatro categorias para 2018 (Impresso, Eletrônico, Online e Foto). Neste ano, foram 56 trabalhos inscritos, recorde desde que o mérito foi criado em 2015. Segundo o presidente da comissão, o jornalista e diretor cultural da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), Antônio Goulart, chamou atenção a qualidade dos trabalhos apresentados, principalmente nas categorias Impresso e Eletrônico. "Nos surpreendeu por obras importantes de veículos técnicos da área do leite. Levo uma impressão muito positiva desta minha estreia no Prêmio Sindilat de Jornalismo", pontuou o dirigente, que, pela primeira vez, é escalado pela associação para avaliar as reportagens. E completou: "Todos os trabalhos estão de parabéns". A Comissão Julgadora do 4º Prêmio Sindilat de Jornalismo foi composta pelos jornalistas Laura Glüer (Sindicato dos Jornalistas do RS), Antônio Goulart (ARI), Itamar Aguiar (Arfoc), Gerson Raugust (Farsul), Luiz Fernando Boaz (Fetag) e Carolina Jardine (Sindilat).

O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, pontuou a importância da premiação para reconhecer profissionais que têm um dia-a-dia atribulado e que, mesmo assim, buscam um olhar diferenciado em reportagens profundas e que ajudam o produtor e o próprio setor e enxergarem além. "Muitas matérias que lemos na imprensa especializada nos fazem pensar sobre nosso cotidiano, sem falar naquelas que ajudam o setor a difundir novas tecnologia de Sul a Norte do país", ressaltou o executivo. Os grandes vencedores serão anunciados em jantar de fim de ano do Sindilat, que será realizado no dia 12 de dezembro no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre. Além dos troféus, o primeiro colocado de cada categoria receberá um IPhone.

FINALISTAS DO 4º PRÊMIO SINDILAT DE JORNALISMO

IMPRESSO
Carlos Guimarães Filho / Revista Boletim Informativo - Reportagem: Mercado Internacional na mira do leite sulista
Cristiano Vieira / Revista Press Agrobusiness - Reportagem: Renda baixa com o tarro cheio
Fernando Soares / Zero Hora - Reportagem: Soberanas da produtividade

ELETRÔNICO
Alessandra Bergmann / SBT - Reportagem: Pesquisa muda lei sobre colostro
Bruna Essig / Canal Rural - Reportagem: Censo Agropecuário - Há cada vez mais mulheres na produção rural
Juliano Zarembski e equipe / Band TV - Reportagem: Aumenta o consumo de leite de ovelha no Brasil

ONLINE
Danton Júnior / Correio do Povo - Reportagem: Novos Tempos do Leite
Fernando Soares /Pioneiro - Reportagem: O robô tira o leite
Giseli Furlani / Destaque Rural - Reportagem: Tecnologia avançada na produção leiteira

FOTO
Alina Souza / Correio do Povo
Leandro Augusto Hamester / Jornal Informativo Languiru
Lidiane Mallmann / O Informativo do Vale (Assessoria de Imprensa Sindilat)
 

Na foto: Comissão Julgadora Crédito: Carolina Jardine

Leite competitivo

Leite competitivo - Na última segunda-feira (12/11) a coordenação da Aliança Láctea Sul Brasileira, fórum que reúne produtores e indústrias do setor leiteiro nos três Estados da região Sul do país, passou para o secretário estadual de Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies. A transferência do comando acontece por meio de um rodízio onde se revezam dirigentes do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em 2018 o coordenador foi o diretor executivo do Fundo de Desenvolvimento da Agropecuária do Estado do Paraná (Fundepec) e assessor da presidência da FAEP, Ronei Volpi.

Um dos principais objetivos da Aliança Láctea Sul Brasileira é promover a competitividade do setor de leite e derivados dos três Estados do Sul, harmonizando procedimentos técnicos e sanitários a fim de melhorar a qualidade dos produtos e ganhar mais mercados. Segundo Volpi, a região já responde por 38% da produção brasileira, se consolidando como principal bacia leiteira do país e devendo alcançar 50% nos próximos anos. "É fundamental também que os nossos produtos tenham acesso a novos mercados, uma vez que a produção cresce em ritmo mais acelerado que a demanda e o aumento da população", afirma, Volpi.

Neste sentido, a Aliança tem obtido apoio da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e de outras instituições voltadas à exportação para estruturar um projeto único de exportação do leite brasileiro e seus derivados. Esta iniciativa - ainda em formato piloto - teve como primeiras ações a participação de representantes do fórum em uma missão à China, na qual foram identificados potenciais mercados e hábitos de consumo do país asiático, que deverá ser um dos principais destinos dos lácteos brasileiros.

Outro ponto de destaque em 2018, foi a atuação decisiva da Aliança Láctea e da FAEP para que a voz do setor produtivo fosse ouvida na elaboração da legislação que rege a qualidade do leite nacional. Nesse episódio foram feitas - e acatadas - diversas contribuições às portarias nº 38 e 39 do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. A sanidade, outra preocupação da Aliança Láctea Sul Brasileira, esteve constantemente em pauta nas reuniões do fórum. No último encontro, dia 12 de novembro, foi decidido por unanimidade reivindicar a retomada da produção de antígenos para o diagnóstico de brucelose e tuberculose pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), interrompido em 2016. "O programa nacional de controle e erradicação de brucelose e tuberculose depende desses insumos para combater essas doenças, é fundamental que o instituto retome essa produção que atendia 95% da demanda nacional", disse Volpi. (Faep)

Projeto de automação da produção de leite impressiona comitiva catarinense na Alemanha

Ordenha automatizada - Desde a sexta-feira, 16, uma comitiva catarinense está na Alemanha para participar de um Encontro Econômico entre os dois países.  Na próxima segunda, o estado de Santa Catarina e o estado alemão da Turíngia assinam acordo de irmanamento e, já no primeiro dia de estadia no país europeu, a comitiva catarinense ficou impressionada com um projeto que torna a ordenha do gado leiteiro automatizada. O projeto é pioneiro no mundo e foi implantado numa pequena cooperativa agropecuária em Rema-Teichel, uma pequena comunidade alemã no estado da Turíngia. A comitiva catarinense foi a primeira missão oficial de um país latino-americano a ter acesso à tecnologia. "Vamos estudar as características deste projeto para avaliar formas de parcerias que possam levá-lo para Santa Catarina, onde as cooperativas agropecuárias de pequeno porte são bem comuns, especialmente neste momento em que nos aproximamos da Turingia", disse o secretário de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond. 

O Projeto é inovador pelo fato de desenvolver um carrossel com espaço para 40 vacas serem ordenhadas ao mesmo tempo. O espaço foi projetado de forma que as próprias vacas se dirijam até os locais sem interferência humana, o que deixa o animal mais tranquilo e o processo mais eficiente e organizado que os processos atuais. Além disso, a máquina já faz a avaliação do corpo do animal para se ajustar e, assim, garantir uma ordenha ideal para cada animal do rebanho. Após extrair o leite, a própria máquina faz o teste e, não estando dentro das normas, o leite é descartado pelo equipamento. De acordo com a empresa que desenvolveu o equipamento, o custo de implantação do carrossel foi de 45 mil euros por cabeça de gado.

Como se já não tivesse inovações suficientes, a planta ainda aumenta a lucratividade da cooperativa com a geração de energia a partir dos dejetos dos animais. É que o equipamento foi projetado com uma usina de biogás com capacidade de geração de 500kW, o suficiente para o abastecimento de cinco mil residências. A usina abastece toda a propriedade e a energia excedente, que não é consumida ali é vendida para a distribuidora de eletricidade local, aumentando ainda mais os ganhos da cooperativa. Ao todo, o investimento consumiu 8 milhões de euros ao longo de dois anos para a conclusão do projeto. (CONews)

Produção de leite nas principais regiões exportadoras

Produção mundial - A produção de leite das cinco principais regiões exportadoras, UE-28, Argentina, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos mostra a tendência para a oferta de leite. 

Essas cinco regiões são responsáveis por 65% da produção mundial de leite e representam 80% do mercado global exportador de produtos lácteos, influenciando, decisivamente, no rumo dos preços internacionais.  

- A captação média de 802 milhões de litros/dia em setembro, ultrapassou em 0,6% a média apurada no mesmo mês de 2017.

- O crescimento da oferta de leite diminuiu nos meses mais recentes, e ficou abaixo das expectativas dada a baixa quantidade de pastagens na União Europeia e Austrália como resultado do tempo quente e seco. As outras regiões continuam apresentando crescimento na comparação anual.

- A produção de leite da Nova Zelândia teve um forte crescimento no período de pico de produção e a captação em setembro de 2018 foi 6% acima da captação de 2017, atingindo o maior nível desde 2014.

- A captação de setembro de 2018 na União Europeia está estimada em 1% a menos em relação ao mesmo mês de 2017. A maior parte dos principais produtores europeus registraram produção menor em setembro, ainda que o Reino Unido tenha produzido quase 1% a mais em relação ao ano passado. (DairyCo - Tradução livre: www.terraviva.com.br)

Arla Foods introduz solução à base de proteína de soro de leite
Queijo labneh - A Arla Foods Ingredients apresenta Nutrilac como solução para aumentar significativamente o rendimento da produção de queijo labneh sem afetar a qualidade do produto. O queijo Labneh é um queijo cremoso com sabor de iogurte que é amplamente consumido no Oriente Médio. O gerente da Cheese Systems, Claus Bukbjerg Anderson disse: "O queijo Labneh feito com Nutrilac quebra a tradição de baixo rendimento e resolve três grandes desafios: ineficiência na utilização do leite, redução no descarte de soro ácido, e dispensa de equipamentos caros de ultrafiltração. "Tudo isso para contribuir para um processo de fabricação de alto rendimento que oferece um produto final com sabor e textura clássicos". A produção tradicional de queijo labneh é considerada muito ineficiente, pois, apenas 30% do leite usado chega ao produto final. O restante é descarte de soro ácido. A Arla Foods garante que a solução permite que os laticínios aumentem o rendimento para até 100% do leite utilizado. Os testes realizados no centro de pesquisas da Arla, o queijo labneh feito com Nutrilac ficou com a mesma textura suave do queijo labneh produzido da forma tradicional. (Foods Processing - Tradução livre: www.terraviva.com.br)

 

Porto Alegre, 16 de novembro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.860

Comércio exterior brasileiro de produtos lácteos - NCM 04
 

Importação x Exportação - A balança comercial de lácteos das rubricas NCM 04, em outubro, confirma a condição de importador líquido de lácteos do Brasil.

 

Os produtos mais importados foram leite em pó e queijo. Argentina e Uruguai foram os principais fornecedores dos produtos. Cerca de 53% do leite em pó veio da Argentina, e o Uruguai foi responsável por 39% das remessas desse produto. O Chile, o Paraguai e os Estados Unidos preenchem parte do restante significativo do mercado brasileiro de leite em pó. O mercado de queijos é preenchido também prioritariamente pela Argentina (55,7%), Uruguai (22,4%), Holanda (9,4%), Itália (3,7%), e Alemanha (1,3%). (Terra Viva - Tradução livre: www.terraviva.com.br)

 
 
 
Como será a genética leiteira em 50 anos?

Genética leiteira - A iniciativa do projeto que estimou como o mercado de leite seria em 50 anos foi liderado por Jack Britt (North Carolina State University) e publicado no Journal of Dairy Science (Volume 101, Edição 5, pag. 3722- 3741).

 O artigo cobriu muita coisa, mas aqui destacaremos alguns tópicos sobre as mudanças que poderemos ver na seleção genética. Espera-se ver constantes ganhos em rendimento de gordura e proteína, estima-se que a produção do volume de sólidos, dobre nos EUA. Isso requer ganhos um pouco mais rápidos do que temos experimentado nos últimos 50 anos, mas seremos auxiliados pela seleção genômica que facilitará as taxas mais rápidas de mudança. Maiores rendimentos de sólidos necessitam de maior produção de leite. Dobrando a produção de leite seria igual a termos um rendimento médio de leite de aproximadamente 23.000 kg. Isso parece um número muito alto para a média dos EUA, mas tenha em mente que várias vacas já conseguiram produções superiores a 30.000 kg e alguns rebanhos já tem médias acima de 18.000 kg. Os níveis de produção de leite tendem crescer a uma taxa mais lenta do que a de sólidos, devido aos sistemas de pagamento que favorecem os sólidos sobre o leite fluido, podemos não dobrar a produção de leite, mas grandes ganhos estão estimados.

Quão baixo podemos ir?
Enquanto estimamos o crescimento das produções, os intervalos entre gerações se tornaram mais curtos. Já vimos um grande declínio no intervalo entre gerações, entre os touros e seus lhos, através dos intensos métodos de seleção usados pelas centrais de I.A. O atual intervalo de geração entre reprodutores, atualmente é um pouco mais de dois anos. . . quatro anos menos do que a uma década atrás. E um intervalo de 17 meses poderá ser possível com novilhas bem criadas e touros que já estejam férteis aos 8 meses de idade. Pode ser possível diminuir ainda mais o intervalo de geração no futuro, através de inovações na área da reprodução. De fato, pode ser possível que embriões se tornem pais de embriões. Oócitos viáveis e espermatozoides já foram produzidos a partir de células-tronco embrionárias em camundongos. Se tais métodos forem aperfeiçoados em bovinos, nós poderemos genotipar embriões e identificar aqueles que gostaríamos de "acasalar". Em teoria, poderíamos até "acasalar" um embrião com si mesmo. Se isso parece um pouco absurdo, você talvez esteja certo. Atualmente, tais técnicas não estão nem perto de serem implementadas, mas quem sabe daqui a 50 anos? Previsão genômica para múltiplas gerações de embriões seria impreciso hoje, dada a uma grande diferença entre a geração mais recente de embriões "pais" e a população prenunciada das vacas em lactação.

Resistência à doença
Tuberculose (TB) é endêmica em grande parte da população mundial de bovinos e é um perigo para as vidas das vacas infectadas e as pessoas com quem entram em contato. E se pudéssemos escolher eliminar a susceptibilidade à TB? Geneticistas do Reino Unido desenvolveram avaliações genômicas para resistência à TB, através da avaliação de dados de animais abatidos. Nós não poderemos ser capazes de eliminar a suscetibilidade em 50 anos, mas poderíamos ir bem adiante nesse caminho que é longo, para reduzir a suscetibilidade à tuberculose, tristeza bovina, febre aftosa e várias outras doenças infecciosas. Isso seria benéfico, particularmente nos países em desenvolvimento onde faltam os controles a doenças, que existem em países desenvolvidos. Resistência a doenças infecciosas são apenas uma das possibilidades que poderíamos desenvolver nos próximos 50 anos. Seleção de proteínas especializadas para produzir mais efetivamente queijo ou outros produtos, já pode ser avistado no horizonte. Estamos observando alguns desenvolvimentos nas avaliações genômicas para eficiência alimentar, e há possibilidade também de que poderemos ser capazes de selecionar para reduzir a poluição causada pelos dejetos das vacas. Avaliações genéticas para nitrogênio da ureia do leite pode ser usado como um caminho para selecionar vacas que venham a eliminar menos nitrogênio através das fezes, embora esse conceito é altamente especulativo, muitos geneticistas já consideram essa possibilidade.

Edição de genes
A edição de genes é viável para algumas características relativamente simples, como a criação de bovinos que já nascem sem chifre (mochos), alteração do alelo beta-caseína A1 para o alelo A2, criando o gene "SLICK" (pelo curto) para combater o estresse calórico em regiões quentes. Mas precisamos deixar claro, que no momento, a edição de genes ainda não foi aprovada para uso em animais destinados à produção de alimentos e talvez possa nunca ser, mas a possibilidade certamente existe. Nós podemos até ser capazes de ir além dessas mudanças relativamente simples e editar grandes porções do genoma para otimizar características como rendimento de leite e fertilidade. Cinquenta anos atrás, a inseminação artificial estava a caminho de se tornar a ferramenta que dominaria a reprodução de gado leiteiro, e a transferência de embriões estava prestes a emergir. Nós sabíamos a respeito de DNA e poderia ter previsto que os testes de DNA se tornariam importantes, mas nós não sabíamos nada sobre a ciência da genômica, que permitiu a criação de animais baseados em DNAs. Nós certamente veremos muitas mudanças na pecuária de leite durante o próximo meio século. E atentem que nem estamos citando o que pode acontecer nas áreas de epigenética e microbioma. Então, o que perdemos e o que antecipamos, que talvez não se realizará? Isso é difícil de dizer, pois a única coisa certa sobre prever o futuro é que, desconsiderando a intervenção divina, você errará muitas coisas! *Fábio Fogaça é gerente de produto leite importado da Alta. (Conexão TO)

Levantamento sobre Qualidade do Leite será realizado no Noroeste Gaúcho

Qualidade do leite - Duzentas amostras para análise da qualidade do leite produzido em propriedades do Noroeste gaúcho serão coletadas por técnicos da Emater/RS-Ascar, sem custo ao produtor, nos meses de novembro e dezembro deste ano.

A ação é uma proposição do Arranjo Produtivo Local (APL Leite) e abrange os 20 municípios da Fronteira Noroeste e cinco municípios das Missões, sendo estes Giruá, Guarani das Missões, Pirapó, São Paulo das Missões e Ubiretama.

As amostras serão encaminhadas para exames laboratoriais bacteriológicos e antibiogramas nos dias 21 de novembro e 13 de dezembro. Para a definição sobre como serão realizados os procedimentos de coleta e o número de propriedades participantes por município, uma reunião foi realizada em Santa Rosa ontem, com a gerência regional, Ademir Renato Nedel e José Vanderlei Waschburger, o assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar, médico veterinário Jorge Lunardi, e técnicos dos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar.

Segundo Lunardi, os resultados dos exames irão contribuir para a definição de estratégias de Assistência Técnica em bovinocultura de leite, assim como a adoção de práticas de produção limpa de leite contribuem para a sanidade animal e, sobretudo, para a promoção da saúde humana.

O trabalho se adequa à Instrução Normativa 62, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que é exigida atualmente por todas as indústrias que coletam o leite, sendo que o leite de qualidade passa a ter maior valor econômico e é uma questão de saúde pública. O processo de produção de leite de qualidade é oriundo da ordenha completa, em condições de higiene, com vacas sadias, bem alimentadas e descansadas, destacando-se neste contexto também o bem-estar animal. (Rádio Vera Cruz)

Evento detalha sucesso da Nova Zelândia na cadeia dos lácteos

Com o apoio do Sistema FAEP/SENAR-PR e outras entidades do agronegócio paranaense, a Embaixada da Nova Zelândia no Brasil e a New Zealand Trade & Enterprise (NZTE) promovem, no dia 21 de novembro, um workshop, no Auditório da Ocepar, em Curitiba (PR). O evento terá o título "Fundamentos de Produção e Qualidade do Leite da Nova Zelândia", voltado para lideranças e técnicos dos diversos elos da cadeia produtiva do leite no Paraná. O principal objetivo do encontro é detalhar sistemas e as tecnologias do país da Oceania que podem ser aplicadas em propriedades paranaenses.

O presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, Ágide Meneguette, aponta o workshop como uma oportunidade para intensa troca de informações, processo fundamental para promover o desenvolvimento ainda maior da cadeia de lácteos do Paraná. "Temos trabalhado nas últimas décadas para colocar o Estado em um nível superior na produção de leite. Hoje, temos no Paraná vários produtores que podem ser colocados de igual para igual entre os destaques mundiais e devemos seguir com esse trabalho para que possamos chegar também, em breve, à condição de exportador de lácteos", sinaliza.

Na programação do workshop estarão palestrantes como Chris Langley, embaixador da Nova Zelândia no Brasil; Nadia Alcântara, gerente de agronegócios da NZTE; representantes dos governos do Paraná e Santa Catarina, diretores de empresas de processamento de lácteos do país, além de pesquisadores do setor. Ainda, o evento contará com palestras e apresentações de estudos de caso de oito empresas neozelandesas: QCONZ, Tru-Test, PGW Sementes (PGG Wrightson Seeds do Brasil), Milkbar, Simcro, Gallagher e Grupo Kiwi.

Nadia Alcântara, da NZTE, explica que workshops como esse que será realizado no Paraná têm o objetivo de apresentar soluções que foram criadas na Nova Zelândia e que já estão disponíveis no Brasil. "Nossa intenção não é divulgar as empresas em si, mas as tecnologias que são utilizadas. Elas podem ser empregadas e adaptadas no sentido de melhorar a qualidade e produtividade leiteira aqui no Brasil", enfatiza. "Vemos o Paraná como uma referência. Começamos essa parceria por esse evento e esperamos que seja uma relação duradoura", completa. (Comunicação Social - Sistema FAEP/SENAR-PR)

Melhora na relação de troca ameniza queda no preço do leite
Preço do leite - Mantendo a expectativa para esse período de ano com a intensificação do período de safra, os preços do leite pagos ao produtor caíram pelo segundo mês consecutivo em outubro. Nesse último mês, o leite ao produtor fechou cotado a R$1,55 na média nacional, queda de 2,36% em relação ao mês anterior. Confira a análise completa no Boletim Indicadores Leite e Derivados. (Embrapa)