Pular para o conteúdo

10/10/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre,  10 de setembro de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.498


Balança comercial: estabilidade nas importações lácteas em agosto

Segundo dados divulgados nessa quarta-feira (08/09) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), o saldo da balança comercial de lácteos foi novamente de -61 milhões de litros em equivalente leite no mês de agosto, indicando estabilidade quando comparado a jul/21. Em relação ao mesmo período do ano passado, o saldo foi menos negativo, sendo que o valor em equivalente leite no mês de ago/20 foi de -131 milhões de litros. Confira a evolução no saldo da balança comercial láctea no gráfico 1.

As importações ficaram praticamente estáveis em relação a julho, com pequeno aumento de 3% e volume de 74,8 milhões de litros (equivalente). A média do preço nacional do leite spot coletado pelo MilkPoint Mercado em agosto foi de R$ 2,49/litro; enquanto o leite importado foi internalizado a um preço médio equivalente de R$ 2,26/litro — considerando o valor médio do leilão GDT em agosto (US$ 3.575/ton — leite em pó integral) e a média do dólar no mês de ago/21 (R$ 5,25). Os produtos com maiores volumes importados em agosto foram creme de leite, leite condensado e leite em pó desnatado que, somados, responderam por 49% do volume total importado.

Os produtos que tiveram maior variação de volume em relação a julho de 2021 foram o doce de leite (+91%) e manteiga (+28%). Já o volume exportado em agosto foi de 14,2 milhões de litros de leite (equivalente), aumento de 24% em relação a julho. Em relação ao mesmo período do ano passado o aumento foi ainda mais expressivo, de 61%. A baixa demanda interna que vem sendo observada nos últimos meses pode ser um dos motivos para este aumento do volume de exportações. Ainda que a disponibilidade de leite interna venha sendo menor que os números históricos observados, a baixa adesão da demanda também vem sendo muito abaixo do que é normalmente relatado. No acumulado do ano foram exportados 112,5 milhões de litros em equivalente leite, contra 63,7 milhões em litros equivalentes do mesmo período em 2020.

A tabela 2 mostra as principais movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de agosto deste ano.

O que podemos esperar para os próximos dias?

Considerando os resultados do leilão GDT, desta terça-feira (07/09) (US$ 3.691/ton — leite em pó integral) e o fechamento do dólar no dia 08/09/21 (R$ 5,30), chegamos a um preço interno máximo de R$ 2,15/litro para que as exportações continuem competitivas. Ao compararmos esse valor com o preço spot na primeira quinzena de setembro (R$ 2,53/litro) e, também, com o preço do leite pago ao produtor no mês de agosto - fechado na média de R$ 2,35/litro (CEPEA/ESALQ) -, conclui-se que o envio do leite brasileiro ao exterior não se mostra atrativo. Por outro lado, se considerarmos os mesmos valores para a análise de importação, chegamos a um preço máximo a ser pago pelo leite importado de R$ 2,23/litro — isso pode significar um aumento nas importações para os próximos meses, dependendo da taxa de câmbio (que tem se mostrado bastante oscilante) e dos preços internacionais. (Milkpoint)


Na tradicional abertura com o Desfile dos Campeões, 44ª Expointer é reconhecida como a “feira da retomada”

Em mais uma edição especial, com público limitado e focado no perfil de negócios, técnico e profissional, a 44ª Expointer foi oficialmente aberta nesta sexta-feira (10/9), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Entre diversas adaptações e protocolos sanitários rigorosos por conta da pandemia, a maior feira agropecuária a céu aberto da América Latina manteve o tradicional Desfile dos Campeões, as homenagens e a presença de autoridades no antepenúltimo dia. Entre os presentes na abertura, estavam o governador Eduardo Leite e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

A Expointer 2021 é uma das poucas feiras agropecuárias realizadas neste ano no país, graças a rigorosos cuidados sanitários, restrição de 15 mil visitantes por dia e atividades de conscientização. Ainda que o evento siga por mais três dias, até domingo (12/9), as avaliações são positivas, tanto em termos sanitários como nos resultados dos negócios. “O agronegócio ousou fazer a Expointer da retomada, impulsionado por uma safra recorde e pelas oportunidades incríveis de mercado abertas pelo novo status sanitário do RS como zona livre de aftosa sem vacinação. Certamente, a Expointer de 2021 é uma feira de colheitas.

Colhemos aqui, também, os frutos de uma aposta que se mostrou certeira: fazer uma feira ainda sob os rigores da pandemia, mas de forma controlada, com todos os cuidados. A rigidez e as normas, por certo, mudaram a Expointer que conhecíamos, mas não retiraram a sua alma: ser um espaço para a celebração da vitória do esforço de quem acredita que é possível criar e produzir”, afirmou o governador Leite em seu pronunciamento.

Ao destacar os avanços na superação da crise fiscal colhidos pelo seu governo, que estão possibilitando o Estado voltar a investir, com um amplo programa de investimentos organizado no Avançar RS, Leite reforçou o anúncio feito na quinta-feira (9/9): o Rio Grande do Sul acumula crescimento do PIB de 4,7% desde o início da gestão, bem acima do resultado de 1,5% alcançado pelo país no mesmo período. “Parte da explicação para este desempenho positivo da economia gaúcha encontramos aqui mesmo nesta Expointer histórica, a Expointer da retomada, em que o setor primário e a indústria que o abastece reafirmam sua tradição, inovação e resiliência”, afirmou o governador.

Durante a cerimônia de abertura, 115 animais, de 89 raças diferentes, exibiram suas rosetas e faixas de campeões ao lado de seus cabanheiros e criadores. Todos passaram pelos julgamentos que começaram meses antes da feira, em etapas classificatórias que determinaram o melhor da genética de cada espécie entre os 2.820 animais de argola inscritos.

Também foram entregues a Medalha Assis Brasil, honraria destinada a personalidades com relevante contribuição ao agronegócio, para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e ao superintendente do Senar-RS, Eduardo Condorelli. Em seu discurso, a ministra citou números expressivos do agronegócio gaúcho e destacou a sua importância para o país e para o mundo como produtor de alimentos. Além disso, Tereza Cristina entregou em mãos para o governador o certificado oficial da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que reconheceu o RS como área livre de febre aftosa sem vacinação.

“Entrego oficialmente em mãos para lembrar sempre da importância que tem a pecuária do RS para o nosso país. Obrigada pelo esforço dos produtores rurais. Se não fosse por eles, junto com o esforço do governo do estado e da nossa equipe do ministério, não teríamos chegado a este resultado, que representará novas aberturas de mercado e mais competitividade e renda para o agro gaúcho”, afirmou Tereza Cristina.

Em sua manifestação, a secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti, destacou o esforço conjunto de todos os órgãos do governo do Estado, especialmente das secretarias da Agricultura e da Saúde, com destaque para o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), que lideram a equipe de monitores e agentes da saúde que cuidam da segurança sanitária da feira. “A 44ª Expointer tem a marca da união, da solidariedade e da superação. Além de garantir a segurança sanitária com protocolos, testagem e organização impecáveis, a Expointer deu um recado importante a todo o Brasil: chegou a hora de apostar na retomada. Chegou a hora de se inspirar na força do agro para seguir em frente e olhar para o horizonte”, afirmou Silvana.

Além do Desfile dos Campeões, o evento incluiu apresentação musical da banda da Brigada Militar, uma exibição do 3º Regimento de Cavalaria de Guarda – Regimento Osório e discursos, entre eles do prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal, e dos presidentes das entidades parcerias: da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), Leonardo Lamachia; da Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (Ocergs), Vergilio Perius; do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no RS (Simers), Claudio Bier; da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS), Carlos Joel da Silva; e da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Pereira. (ExpointerFoto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini)

Exportação de laticínios - Rabobank adverte que o “pico nos preços dos laticínios provavelmente está atrás de nós”

“Com a expectativa de que a oferta supere a demanda na China à medida que a produção interna e os estoques aumentam, as importações do país devem começar a diminuir no segundo semestre deste ano”, disse o relatório. “Os mercados globais serão capazes de absorver algumas vendas não realizadas em 2021, mas a pressão começará a ser sentida em 2022, primeiro na Oceania, mas eventualmente se espalhando para outros”, disse a instituição financeira. Com base nesta leitura do mercado, diz que, dado que os preços são altamente dependentes da demanda de importação, “o pico de preços a curto prazo dos laticínios provavelmente está atrás de nós”.

Do lado da oferta, a expectativa é que a trajetória de crescimento continue, embora a um ritmo mais moderado. Mas com esta situação, “qualquer desaceleração na demanda levará rapidamente a um aumento dos estoques”. Do ponto de vista das margens de produção primária, o Rabobank diz que, embora os preços sejam geralmente altos, as margens são impactadas por altos valores de grãos de ração. Mas embora “todos os olhos” estejam voltados para o que está acontecendo com a China, problemas logísticos, pressões inflacionárias – não apenas a nível da fazenda, mas em toda a cadeia leiteira – e o impacto das novas variantes do Covid-19 continuarão a ter impacto no crescimento da economia global. (eDairynews/Traduzido com a versão gratuita do tradutor – www.DeepL.com/Translator)


Jogo Rápido

Portaria nº 392, de 09/09/2021

Foi publicado no Diário Oficial da União, em 10/09/2021, a Portaria nº 392 que estabelece os critérios de destinação do leite e derivados que não atendem aos padrões regulamentares, na forma em que se apresentem, incluídos o seu aproveitamento condicional, a destinação industrial, a condenação e a inutilização quando seja tecnicamente viável. Para acessar a Portaria, CLIQUE AQUI. (DOU)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *