Pular para o conteúdo

09/09/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre,  09 de setembro de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.497


Indústria investe em leite com funcionalidades imunológicas e relaxantes

Alinhada com a preocupação mundial de fortalecer as defesas naturais do corpo humano para garantir saúde e qualidade de vida, a indústria de laticínios vem investindo em produtos focados em reforço do sistema imunológico e até da saúde mental das pessoas. A tendência foi referendada pelo executivo da Tetra Pak, Luis Eduardo Ramirez, durante encontro com representantes de associados do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) na manhã desta quinta-feira (9/9), na Casa da Indústria de Laticínios no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

Ramirez lembrou que, de modo geral, os lácteos já têm essa função porque são fontes de sais mineiras e muitos nutrientes, mas há uma clara intenção em âmbito internacional das empresas focarem sua ação desses nichos, que agregam preço e valor adicional às marcas. Citou como exemplo o lançamento de itens antioxidantes e a expansão do mercado de Whey Protein. “Há um aumento da preocupação das pessoas com a saúde mental e com a consciência de como a dieta pode agir contra a depressão e até ajudando as pessoas a relaxar”. Ramirez pontuou rótulos de produtos lançados na Tailândia e da Eslovênia que trazem traços de mel e camomila com princípios calmantes. “O leite integral vai sempre existir, mas esses produtos de nichos nos trazem maior valor agregado porque o consumidor entende que foram feitos especialmente para ele. O produto super-democrático vai ser sempre o item de volume, mas os de nicho têm valor melhor e trazem um adicional às marcas”, completou. Para ele, segmentos como esse podem ser uma ótima opção para pequenos laticínios que conhecem a fundo seus consumidores.

Mediando o debate, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, lembrou que o Brasil não tem costume de consumir o leite saborizado, mas que esse é um mercado importante a ser explorado.

Durante sua apresentação, Ramirez ainda mencionou a força que a comunicação digital ganhou no setor lácteo, incluindo projeto bem sucedidos de e-commerce. “Não é o futuro, é o presente. E com a pandemia, esse processo só se acelerou”, completou. A Tetra Pak está pesquisando o mercado e trazendo inovações constantes nas embalagens, incluindo estratégias e códigos que permitam interação das marcas com o consumidor. “É uma tendência que vai ficar para depois da pandemia”. Acompanhando a reunião híbrida direto da Casa da Indústria de Laticínios, o coordenador de vendas do Escritório regional de Porto Alegre da Tetra Pak, Rodrigo Carvalho, ressaltou a importância do momento. “É uma oportunidade de estra próximo e escutar as demandas dos laticínios, mostrar-se parceiro de todo esse processo produtivo”.

Competitividade - A necessidade de profissionalização dos tambos brasileiros e de que esse processo ganhe velocidade também foi tema do encontro, que contou com a presença do deputado federal Alceu Moreira. “O leite é uma cadeia interligada. Os dentes da roda só funcionam se um dente tocar no outro”, pontuou. Nesse processo, citou ele, os avanços tecnológicos têm papel essencial. “A conectividade entrou no campo para nunca mais sair”. Entre as inovações projetadas pelo parlamentar no setor produtivo estão mudanças na logística de grandes volumes, uma vez que o e-commerce deve alterar a relação entre os diferentes elos da cadeia produtiva. Inovação que também deve ganhar corpo no processo produtivo, ampliando a gama de produtos derivados do leite. “Na França, há centenas de tipos de queijos. No Brasil, temos 20. É preciso ir para o mercado destacando cor, textura e sabor e fomentam novos nicho de mercado. Não tem espaço para quem não é competitivo”.

O diretor-tesoureiro do Sindilat, Angelo Sartor, corroborou a posição do deputado, reforçando que o mercado já mudou. “Não tem mais espaço para atuar em um modelo standard como antigamente. Não é uma questão de opção”, alegou, lembrando que o valor pago pelo leite no Brasil é o mesmo da Europa, onde o poder de compra da população é muito maior. “É uma conta que não fecha”, justificou. Por outro lado, Sartor frisou que as projeções para quem se profissionalizar são otimistas. “É um segmento que só vai crescer”. (Assessoria de Imprensa Sindilat/Fotos: Crédito: Carolina Jardine)

 

Uruguai: exportações de lácteos cresceram 26% em agosto

As exportações de lácteos do Uruguai registraram um aumento de 26% em termos anuais em agosto, para US $ 66 milhões, e cresceram 17% nos primeiros oito meses do ano, de acordo com o Uruguai XXI. Manteiga, leitelho e soro de leite foram os produtos com maior incidência positiva. Apenas os queijos e o requeijão tiveram um impacto negativo. Quanto aos principais mercados para esses produtos, destaca-se a participação da China e da Argélia (29%), ambas com US $ 19 milhões; Brasil (15%) com US $ 10 milhões e Rússia (9%) com US $ 5,6 milhões. Todos os destinos cresceram em relação ao ano anterior, exceto Brasil, de acordo com o Uruguai XXI. Em volume, o Uruguai exportou 19.294 toneladas de lácteos, com retração de 2% em relação ao mesmo mês do ano passado. Os maiores ganhos em moeda estrangeira foram devido aos melhores preços de venda no mercado externo. (As informações são do Tardaguila, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint)

Representantes do Brasil e do Uruguai debatem na Expointer acordo de vigilância sanitária nas fronteiras

Em reunião nesta tarde (08/09) no auditório da Farsul, na 44ª Expointer, para discutir a vigilância nas fronteiras e outras formas de cooperação entre o Brasil e o Uruguai, representantes dos dois países decidiram fortalecer estas trocas através de um memorando de entendimento. O documento está sendo elaborado e deverá ser assinado pela Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Tereza Cristina, e pelo Ministro de Agricultura, Pesca y Ganaderia do Uruguai, Fernando Mattos. A data ainda não está confirmada. Participaram da reunião representantes do Serviço Veterinário Oficial da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Superintendência do Mapa no Rio Grande do Sul, dos Ministérios de Agricultura e do Interior do Uruguai, do Consulado da República Oriental do Uruguai e da Farsul. Na abertura, a secretária Silvana Covatti destacou a importância desta estratégia de aproximação entre os serviços veterinários oficiais dos dois países. “Esta agenda é muito importante para estabelecer esta colaboração técnica, a definição de treinamentos, o controle nas nossas fronteiras, agora que somos um estado zona livre de aftosa sem vacinação”, destaca.

Reunião na casa da Farsul, na Expointer, sobre acordo de cooperação entre Brasil e Uruguai - Foto: Evandro Oliveira/Divulgação SEAPDR

Já o ministro do Uruguai, Fernando Mattos, parabenizou a conquista gaúcha de zona livre de febre aftosa sem vacinação. “Nós já temos um intercâmbio histórico-cultural muito intenso com o Rio Grande do Sul e que deve se fazer também na vigilância das fronteiras. Nós estamos aí para colaborar, para acompanhar”, afirma. O diretor administrativo da Farsul, Francisco Schardong, declarou que com o novo status é muito importante esta parceria. “Os problemas do Rio Grande do Sul e do Uruguai são os mesmos, mesmo com o status diferente dos dois países, já que o Uruguai é livre de febre aftosa com vacinação. O que surgir aqui, desta reunião, vai impactar na pecuária do Rio Grande, afirma. O fiscal estadual agropecuário Francisco Lopes, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), apresentou o trabalho desenvolvido pelo Programa Sentinela nas fronteiras do Rio Grande do Sul com a Argentina e Uruguai. De acordo com Lopes, coordenador do Programa, “o principal problema que existia na fronteira com o Uruguai é o gado de corredor, os animais que ficam nas margens das estradas e das rodovias.

Depois de três a quatro meses de trabalho do Sentinela, com ações de educação sanitária, autuações e recolhimento dos animais este problema diminui muito”, destaca. Já na fronteira com a Argentina, o maior desafio é o contrabando de animais. Segundo ele, ainda faltam duas metas importantes a serem alcançadas pelo Programa. “As atividades binacionais de cooperação, trabalho de parceria com os países de fronteira com o Rio Grande do Sul, como o que estamos debatendo hoje com o Uruguai. E a rastreabilidade individual dos bovinos, que já existe no Uruguai, em partes da Argentina e no estado vizinho de Santa Catarina”, destaca. O memorando de entendimento, que está sendo elaborado entre os dois países, vai permitir a formalização de um intercâmbio técnico, de informações e capacitações. E já está em discussão o desenvolvimento de uma atividade piloto na fronteira entre os dois países em outubro e a partir de novembro um serviço efetivo de cooperação na região de fronteira, com equipes trabalhando de forma simultânea e integradas. Também estão previstos simulados entre os dois países, a exemplo do que já ocorreu em 2016.

O local ainda não está definido. “A vigilância nas fronteiras é extremamente importante nesse novo status de zona livre de febre aftosa sem vacinação, porque quando não há mais vacina, outras ferramentas precisam ser potencializadas. A vigilância sanitária é a principal delas’, destaca Rosane Collares, diretora do Departamento de Defesa Animal (DDA) da Secretaria da Agricultura. Mais informações sobre o Programa Sentinela clique aqui. (SEAPDR)


Jogo Rápido

Sindilat participa da rádio A Plateia na Expointer

O secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Darlan Palharini, deu entrevista nesta quarta-feira (8/9) para a Rádio A Plateia diretamente da Expointer. A conversa ocorreu na casa da rádio no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Na ocasião, o dirigente discorreu sobre os desafios da atividade leiteira no país. (Assessoria de Imprensa Sindilat)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *