Pular para o conteúdo

30/07/2021

Newsletter Sindilat_RS

 

Porto Alegre,  30 de julho de 2021                                                         Ano 15 - N° 3.468


Emater/RS: custos de produção apresentam queda

Aumentou a produção de leite em propriedades mais especializadas na atividade.

A exceção se dá em sistemas baseados em áreas de campo nativo ou com insuficiência de pastagens cultivadas de inverno. Nesse sistema, alguns produtores suspendem temporariamente a atividade até meados da primavera, quando a recuperação de pastagens nativas permite a produção de maiores volumes e retomada na comercialização de leite.

O estado sanitário das matrizes bovinas em geral encontra-se satisfatório, com redução de ectoparasitos favorecida pelas baixas temperaturas. Com menos chuvas, não há formação de barro, diminuindo os riscos de contaminação do leite e de incidência de mastites ambientais.

Seguem as recomendações de vacinação contra brucelose bovina e, nos locais indicados pelas Inspetorias de Defesa Agropecuária, contra raiva herbívora.

Em relação à comercialização do leite, o preço em geral aumentou, e os custos de produção já apresentam queda devido à diminuição dos valores dos insumos.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, na Campanha, os produtores de Hulha Negra monitoram o rebanho, pois com as baixas temperaturas aumenta a ocorrência de rachaduras nos tetos das matrizes, o que pode causar mastites.

Na de Ijuí, o levantamento realizado pela Emater/RS-Ascar em todos os municípios indica diminuição do número de produtores, aumento da concentração de animais e adoção do sistema estabulado compost barn, sem redução da produção total.

Outro fato observado é o aumento da produtividade animal, atingido com a melhora da genética do plantel e com alimentação mais balanceada.

Na de Erechim, cresce o interesse dos bovinocultores em investir na infraestrutura das granjas leiteiras, intuito freado apenas pela significativa alta no preço dos materiais de construção. Aumentaram os casos de leite instável não ácido (LINA) em virtude das mudanças na dieta.

Na regional de Santa Rosa, os técnicos extensionistas da Emater/RS-Ascar constataram um aumento dos valores de nitrogênio ureico do leite (NUL), com valores acima de 22 mg/dL, indicando dietas com proteína bruta alta, provavelmente devido ao alto valor nutricional das pastagens anuais de inverno (aveia e azevém), junto com a oferta de concentrados. Diante disso, tem sido recomendado aos produtores que busquem o equilíbrio da dieta, diminuindo a suplementação proteica e substituindo por carboidratos mais energéticos e com maior teor de fibra. (As informações são da Emater/RS, adaptadas pela equipe MilkPoint) 

 
Soro de leite transformado em ácido cítrico para a indústria de Alimentos

Soro de leite – A partir do soro de leite pode-se obter produtos de alto valor agregado, como o ácido cítrico, composto sem calorias e que por sua pureza é utilizado nas indústrias de alimentos, farmacêutica e química, além de tecidos e pinturas.

O método para obter o ácido cítrico foi desenvolvido por Adriana Lorena Betancourt Garcés, engenheira química da Universidade Nacional da Colômbia (UNAL) Sede Manizales.

Cerca de 90% do fluido que se separa da coalhada, na fabricação dos queijos, é soro de leite, que apresenta um alto teor de proteínas e sua degradação exigem um alto consumo de oxigênio, fazendo com que a demanda química para as águas residuais da indústria de laticínios aumente.

A pesquisa foi realizada com o soro produzido na fábrica de queijos da Indústria Celema (Manizales), na qual foram utilizados 4 métodos de fermentação para encontrar o de melhor rendimento para produzir ácido cítrico.

“Este é o ácido orgânico mais utilizado no campo dos produtos alimentícios e farmacêuticos para ressaltar o sabor de uma extensa variedade de produtos. Além disso, a indústria de alimentos e farmacêutica utiliza o ácido para limpeza e polimento de ferro e aço, no acondicionamento e tratamento de águas residuais, na preparação de resinas, pinturas, tintas e vernizes e na estamparia de tecidos”, explica a pesquisadora.

Atualmente o ácido cítrico é obtido pela fermentação de soluções açucaradas por bolores, extração do caldo de limão e lima e do caldo dos resíduos do abacaxi que é gerado nas fábricas de conservas. (Fonte: Portalechero – Tradução livre: www.terraviva.com.br)




Meteorologia: Perspectivas do clima para o planejamento da lavoura serão pauta de encontro de associados da Languiru

Languiru promove evento virtual no próximo dia 11 de agosto

Estiagem no último verão com picos de temperatura, seguida de geada e ondas de frio histórico, inclusive com neve em diversos municípios gaúchos, marcam um clima instável. Os profissionais de meteorologia têm tido trabalho para trazer informações sobre o clima, dados muito importantes para as atividades do campo. Mais trabalho que o deles têm tido os produtores rurais, que precisam planejar sua safra em meio a essa instabilidade.

As condições climáticas para o segundo semestre de 2021 e início de 2022 serão abordadas no evento “Perspectivas do clima para planejamento da lavoura”, com a meteorologista e diretora geral da MetSul Meteorologia, Estael Sias, no Encontro de Associados da Cooperativa Languiru. Realizado no formato digital, ocorre no dia 11 de agosto, no período da tarde. De caráter técnico e de cunho informativo, o evento tende a se tornar periódico, com novas edições abordando temas de interesse do quadro social da Languiru

Programação: A programação inicia às 14h, com apresentação de projetos da Languiru para o segundo semestre de 2021 e a participação do presidente da Cooperativa, Dirceu Bayer; às 14h30min, a palestra “O que esperar do clima para planejar a safra de verão?”, com a meteorologista Estael Sias; e previsão de encerramento às 15h20min.

As inscrições podem ser realizadas diretamente com o Departamento Técnico da Languiru, pelo WhatsApp (51) 99678-4176, fones (51) 3762-5647 e 0800-645-3062. Concluintes e participantes de cursos de formação da Cooperativa já estão inscritos automaticamente. Demais vagas são destinadas para livre inscrição dos associados. O link do evento virtual será disponibilizado aos inscritos na véspera. (Languiru)

Jogo Rápido  

Frio e geada permanecem no Estado nos próximos dias
A próxima semana será marcada pelo frio e geadas no Rio Grande do Sul, de acordo com o Boletim Integrado Agrometeorológico nº 30/2021, produzido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), em parceria com a Emater/RS e o Irga. Até sábado (31), a presença da massa de ar frio manterá as temperaturas baixas, com formação de geadas na maioria das regiões. No domingo (01/8), o ar seco seguirá predominando, com ligeira elevação da temperatura e valores que deverão superar 20°C em diversas localidades. Na segunda (2) e terça-feira (3), o tempo seguirá seco na maioria das regiões, com aumento da nebulosidade e apenas nos setores Norte e Nordeste há possibilidade de chuvas fracas e isoladas. Na quarta-feira (4), o tempo firme, com grande amplitude térmica vai predominar, com maior elevação das temperaturas ao longo do dia. Os valores esperados são baixos e deverão ser inferiores a 5 mm na maioria das regiões. No Planalto e Serra do Nordeste os totais oscilarão entre 5 e 10 mm, e poderão alcançar 20 mm nos Campos de Cima da Serra. O boletim também apresenta as condições atuais das culturas de trigo, canola, tabaco, pastagens de inverno, campo nativo e pastagens de verão. O documento completo pode ser consultado clicando aqui. (SEAPDR)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *