Pular para o conteúdo

23/02/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 23 de fevereiro de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.408


Conseleite/RS: Alta de custos e importações desafiam setor lácteo

A alta de custos de produção no campo e na indústria preocupa o setor lácteo gaúcho, que se reuniu na manhã desta terça-feira (23/02) em encontro mensal virtual do Conseleite. O colegiado informou que a projeção do valor de referência do litro para fevereiro é de R$ 1,3710, queda de 4,40% em relação ao consolidado de janeiro (R$ 1,4341). Apesar da redução, o indicador está 17% acima do patamar do mesmo mês de 2020. “A expectativa é que os preços fiquem estáveis ao longo do ano”, ponderou o professor da UPF Eduardo Finamore.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, alertou que as indústrias estão trabalhando com margens negativas como resultado de um mix de fatores, como a retirada do auxílio emergencial, a suspensão da volta às aulas e uma elevação generalizada de custos, além da concorrência com os produtos importados. “Estamos vivendo um cenário incerto. Nossa única certeza é o custo elevado.

Diferentemente de anos anteriores, não temos aquela expectativa de que, depois do Carnaval, o ano vai decolar”, lamentou. Com a recente alta dos combustíveis, o dirigente teme por um efeito em cascata e forte impacto na inflação. “O ano de 2021 será de margens ajustadas para todo mundo”, confirmou.

Presidindo a reunião, o secretário do Conseleite, Tarcísio Minetto, prevê um cenário delicado para o futuro. “Os desafios são grandes principalmente com a alta do dólar e dos insumos”. Ele confia na retomada do auxílio emergencial, valor que pode ajudar a reaquecer o consumo das famílias. Por outro lado, espera que as restrições da pandemia possam ser flexibilizadas em breve com o avanço da vacinação.

Para aliviar a pressão sobre a produção, o setor acredita que será preciso chamar o governo, o varejo e as redes de fornecedores para o debate. “A indústria está no meio do mercado. Precisamos chamar setores paralelos para conversar. Vai sair produtor do setor, mas, se continuarmos assim, vai sair indústria também”, alertou Guerra.

Presente ao encontro, o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, clamou por maior união do setor lácteo por pautas coletivas e informou que os produtores estão com muita dificuldade de se manter no mercado, o que deve resultar em uma nova debandada da atividade. “Não temos a receita pronta, mas esse colegiado tem que se preocupar com as pessoas, com as famílias que estão no meio rural”, pontuou. E pediu maior diálogo com o poder público. “Temos que fazer o governo entender que a importação nos mata”, disse.

Mudança na Coordenação: O Conseleite também aprovou, nesta terça-feira, a mudança em sua coordenação, conforme já definido em estatuto. A partir da próxima reunião prevista para o final de março, a presidência será assumida pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) e a vice-presidência, pela Federação da Agricultura do RS (Farsul), invertendo as posições mantidas até então. (Assessoria de imprensa Sindilat/RS)


Conseleite/PR: projeção de queda de 5,96% no preço do leite entregue em fevereiro

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 23 de Fevereiro de 2021 atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Janeiro de 2021 e a projeção dos valores de referência para o mês de Fevereiro de 2021, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Fevereiro de 2021 é de R$ 2,8247/litro.

Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)

 

 

Rússia: consumo de lácteos deve aumentar no país
O consumo de lácteos da população russa deve aumentar para 36 milhões de toneladas em 2025, ou 245,5 litros per capita, 2% acima em relação a 2020, previu o banco agrícola estatal Rosselhozbank. O crescimento deverá ser impulsionado pela crescente demanda por manteiga e queijo.
Esta tendência abrirá caminho para que o setor lácteo russo expanda sua capacidade de produção. Em 2023, o país deve apresentar novas fazendas de leite com um desempenho de produção total projetado de 1,2 milhão de toneladas de leite por ano. A longo prazo, a indústria de laticínios deverá aumentar a produção de leite de 5 milhões de toneladas por ano, estimou o Rosselhozbank. Em 2020, a indústria de laticínios nacional se tornou a segunda mais atrativa para o segmento de investimentos da pecuária russa. “Por muito tempo, o principal impulsionador desse processo de crescimento do consumo de proteína animal na Rússia foi a indústria avícola, produção de frango e peru. Desde 2015, a carne suína tem desempenhado um papel cada vez mais importante na ingestão de proteína na Rússia.
Em geral, o país ainda está atrás dos países europeus em termos de consumo de laticínios. Em 2020, o consumo per capita subiu para 239 kg, 30% abaixo das recomendações oficiais do Ministério da Saúde russo. Autoridades do governo russo acreditam que o consumo doméstico de lácteos pode alcançar o nível europeu na próxima década. Embora a Rússia já tenha alcançado a autossuficiência em aves e suínos, este não é o caso com laticínios.
Em 2020, o país importou 18% de todos os laticínios comercializados no mercado interno. Em 2025, o Rosselhozbank prevê que este valor diminua para 16%. Em 2020, o preço médio dos produtos lácteos no mercado russo aumentou 3,9%, abaixo da taxa média de inflação dos alimentos de 4,9%. De acordo com Dalnov, esse fator impulsiona a demanda por lácteos entre a população russa, pois estão se tornando mais acessíveis. "Prevemos que com a recuperação econômica e a melhoria dos padrões de vida, a competição entre as diferentes fontes de proteína aumentará", acrescentou Dalnov.

Nesse cenário, os investimentos estão fluindo não só na produção de leite, mas também no segmento de beneficiamento de leite. "Uma parcela significativa dos projetos neste campo está associada a investimentos de grandes produtores em capacidade de processamento de leite e ao estabelecimento de complexos de produção de ciclo completo. Essa tendência é mais comum na Rússia Central e na Sibéria Ocidental, onde, de acordo com nossas previsões, o segmento de processamento tem potencial para expandir a capacidade em 600.000 toneladas por ano até o final de 2021 ", disse Dalnov. (As informações são do Dairy Global, traduzidas pela Equipe MilkPoint)


Jogo Rápido

Jogo Rápido
Ajude na pesquisa sobre silagem de milho em propriedades leiteiras e ganhe acesso ao MilkMonitor
A Agripoint Consultoria tem o intuito de investigar o uso de silagem de milho em fazendas leiteiras. A pesquisa será realizada através de um questionário online, de participação voluntária e os respondentes que fizerem uso de silagem de milho irão ganhar 2 meses de acesso ao Milk Monitor. Para quem não conhece, o Milk Monitor é um aplicativo focado em te manter informado sobre tudo o que ocorre no mercado lácteo brasileiro. São vídeos, áudios, PDF's e textos com informações de preços de derivados, preços de insumos, dicas de gestão e muito mais. Gostaríamos do seu auxílio com a coleta de respostas e se possível, com a divulgação do questionário com outros profissionais da área. Você pode responder o questionário clicando aqui. A sua contribuição fará toda a diferença na obtenção do diagnóstico quanto ao uso de silagem de milho na produção de leite no Brasil. (Milkpoint)
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *