Pular para o conteúdo

11/02/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 11 de fevereiro de 2021                                                  Ano 15 - N° 3.402


Equipamento qualifica pesquisa sobre produtividade do leite

A academia e a iniciativa privada gaúcha uniram-se em busca de ferramentas para elevar a competitividade do setor lácteo gaúcho. Em parceria com a Laticínios Stefanello, de Rodeio Bonito (RS), a propriedade experimental do Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária (Cepagro) da Universidade de Passo Fundo (UPF) adquiriu uma ordenhadeira canalizada de três conjuntos da marca Ordemax, além de um sistema de placas solares, que representa economia no consumo de energia e a preocupação do setor lácteo com o meio ambiente. A ordenhadeira, instalada no início de fevereiro, servirá para mensurar os diferenciais da tecnologia tanto na produtividade quanto no dia a dia para a multiplicação dos resultados junto às famílias que trabalham na atividade leiteira e são fornecedoras da Laticínios Stefanello.

Para se ter uma ideia, com a ferramenta, os produtores reduzem o tempo de ordenha, garantem o bem-estar dos animais e conseguem armazenar diversas informações sobre a produção, além de outros aspectos gerenciais diretamente nos painéis eletrônicos instalados. Com um histórico geral e individual do desempenho de cada vaca, a propriedade tem ferramentas para gerenciar oferta nutricional, por exemplo, que é fundamental no resultado da propriedade rural.

Associada do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), a Stefanello assumiu a área da produção de lácteos da propriedade experimental da UPF no início de 2020 e pretende ter os primeiros dados para análise em 30 dias. Atualmente, a produção na unidade é de 30 litros/vaca/dia, o que representa uma produção por lactação próxima aos 9000 litros/ano/vaca. “O espaço de tempo ainda é muito curto para que possamos comparar a produção antes e depois dessa ordenhadeira”, ressaltou o gerente de Fomento da Stefanello, Adão Laércio Castro.

Com a chegada da pandemia, o trabalho acabou sendo dificultado e colocado realmente em prática em setembro. Alunos de Medicina Veterinária, Agronomia e Engenharia de Alimentos utilizam o espaço para seus estudos.

O equipamento foi produzido pela empresa Ordemax, de Lajeado (RS). Um dos responsáveis pela área comercial da empresa, Eder da Costa, explica que “há um sensor que quando não passa mais leite, a ordenhadeira entende que não tem mais leite no úbere e o próprio equipamento recolhe o conjunto”. Além disso, segundo Costa, ela reduz o tempo de ordenha, conforme o próprio relato do responsável pela atividade na propriedade da UPF.

Segundo Castro, o projeto da Stefanello é uma propriedade modelo, onde está prevista a chegada de mais animais, e com isso se tornar um centro de difusão e desenvolvimento de novas tecnologias. Para o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, as iniciativas da Laticínios Stefanello junto ao projeto de custos de produção da Emater e aos projetos de irrigação que a Secretaria da Agricultura tem realizado são o caminho viável para enfrentar a competitividade dos produtos lácteos do Mercosul e tornar as propriedades leiteiras do Rio Grande do Sul ainda mais lucrativas. (Assessoria de imprensa Sindilat/RS)

Créditos da imagem: Gabriel Stefanello


Preços do leite cru nos principais países e blocos

Preço do leite ao produtor em dólares por litro:

Preços em reais, euros e NZ $, convertidos para dólares pelo câmbio oficial, bem como preços por 100 libras esterlinas, divididos por 45.359.

Preço do leite ao produtor em dólares por litro, corrigido para sólidos úteis (gordura butirose + proteína):

Observações: os preços do gráfico acima foram corrigidos apenas para os sólidos úteis (nata e proteína) e não para os demais componentes que compõem a qualidade higiênica e sanitária, nem para o câmbio real bilateral com cada um desses países / blocos .

Preço do Leite ao Produtor em dólares por litro, corrigido pelos Sólidos Úteis (Gordura Butiros + Proteína) e pela Taxa de Câmbio Bilateral Real (BCRA):

Neste último gráfico, são apresentados os preços do segundo gráfico (corrigidos para sólidos úteis) e ajustados pelo Índice de Taxa de Câmbio Real Bilateral que a Argentina tem com cada um desses países / bloco. (OCLA)

Painel do Observatório Europeu

Os preços:

• Manteiga : € 3.540 / ton. ( US $ 4.280 / t ), + 3,3% a mais nas últimas 4 semanas.

• Leite em pó desnatado : € 2.340 / ton. ( US $ 2.830 / t .), + 3,1% a mais nas últimas 4 semanas.

• Leite em pó integral : € 2.860 / ton. ( US $ 3.460 / t .), + 2,7% a mais nas últimas 4 semanas.

• Cheddar : € 3.080 / ton. ( US $ 3.725 / t ), + 0,2% a mais nas últimas 4 semanas

• O preço spot do leite ao produtor voltou a subir para € 0,368 / kg. (0,458 / litro), 07/02/2021.

• Aumento nos custos de alimentação (+ 3,0%) e custos de energia (+ 2,3%) na semana 5 em comparação com as 4 semanas anteriores.

• A Oceania tem preços competitivos no LPE e os EUA na manteiga, LPD e queijo cheddar.

A produção:

• Em dezembro de 2020, a produção de leite aumentou na Nova Zelândia (+ 0,7% ) e diminuiu na Austrália ( -1,9% ).

• A produção de leite do Reino Unido aumentou + 3,1% em dezembro e + 2,1% em 2020.

Traduzido por OCLA do boletim informativo European Milk Market Observatory


Jogo Rápido

EUA: produção de leite segue superando a demanda por lácteos
A produção de leite dos EUA está aumentando mais rápido do que a demanda está se recuperando, de acordo com o último relatório da Federação Nacional dos Produtores de Leite do país (NMPF). Peter Vitaliano, vice-presidente de Política Econômica e Pesquisa de Mercado da Federação Nacional dos Produtores de Leite, disse que as coisas estão melhorando um pouco no que diz respeito à demanda por lácteos, mas ainda estão aquém do aumento da taxa de produção de leite. “O varejo não está tão forte como nos primeiros meses da pandemia, onde todos estocavam compras nos supermercados, mas ainda é daí que vem grande parte do aumento”, disse Vitaliano. “Precisamos de mais um mês de dados, mas é quase certo que o ano passado será um ano recorde nas exportações de lácteos dos Estados Unidos em termos de volume total do produto. O food service vai continuar deprimido, mas pode não ficar daqui para frente este ano, pois isso foi no auge [da pandemia]. Na verdade, tivemos duas grandes ondas de paralisação da pandemia na primavera passada e depois novamente no outono passado. ” Mas uma recente alta no mercado de laticínios é um sinal bem-vindo. Especialistas dizem que agregou valor significativo a vários meses. (As informações são do Dairy Herd Management, traduzidas pela Equipe MilkPoint)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *