Pular para o conteúdo

29/01/2021

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 29 de janeiro de 2020                                                  Ano 15 - N° 3.394


Participação do produtor e da indústria no valor da cadeia

Com base na análise mensal realizada pelo Instituto Argentino de Professores Universitários de Custos - IAPUCo que faz referência à valoração na cadeia do Valor por Litro de Leite Equivalente - VLE, o gráfico a seguir mostra o valor adicionado em cada etapa do cadeia em termos relativos de participação em relação ao preço final total do sistema (mercado interno e exportação).

Participação do Setor Primário

A participação do produtor no sistema total foi de 36,0% para dezembro de 2020, 0,7 ponto acima do mês anterior ( é o valor máximo da participação do produtor na série de 8 anos junto com junho de 2019 ) e bem acima da média de 30,5%. Aumento da participação nos valores finais do mercado interno (0,7 e atingindo também o máximo da série) e uma diminuição de 0,1 pontos percentuais na participação dos valores no mercado externo. A participação do produtor no valor de saída da fábrica (preço pelo qual a indústria vende) foi de 54,3%, superior ao mês anterior (0,5) e acima da média das séries disponíveis (52,3%). Deve-se lembrar que a série histórica de valores de saída de fábrica possui uma extensão de tempo maior que as demais.

Aqui fica claramente evidenciado, tanto na participação do produtor no valor final do mercado interno quanto no valor de saída da fábrica, que não se trata de um problema de participação, mas de uma forte deterioração dos valores finais dos laticínios (atraso de 10 a 20% para preços máximos e preços cuidadosos) . As participações são altas, mas os VLE são baixos, o que significa que o preço do produtor não atinge o preço de equilíbrio ou mesmo os custos de produção como pode ser visto em nosso relatório:

Participação do Setor Industrial

O setor mantém em dezembro de 2020; Seu desempenho de participação no mercado interno também mantém o percentual de participação no mercado externo, tudo isso também a faz manter sua participação no mix dos dois mercados. O faturamento total de saída da fábrica por litro de leite equivalente foi de US $ 0,48 (igual ao mês anterior), 12 centavos por litro abaixo da média e 26 centavos a menos que o máximo alcançado em maio e outubro de 2013, o que mostra os problemas de competitividade enfrentados pelo setor , principalmente devido ao comportamento das variáveis econômicas.

A conjunção dos efeitos de preços cautelosos e preços máximos no mercado interno e dos direitos de exportação (retenções) e a redução das devoluções de impostos internos, deterioram a receita da cadeia que por sua vez recebe aumento de custos por conta da inflação, desvalorização do câmbio acordo de tarifas e salários a que se soma para o setor primário a elevação dos preços internacionais dos insumos básicos para alimentação do rebanho.

Renda da cadeia de valor em dólares por litro do sistema total

O gráfico acima fica evidenciado ainda pelo problema setorial, o valor final pago pelo consumidor em ambos os mercados, tem uma deterioração de 30 centavos por litro equivalente, que, distribuído por terceiro (Produtor-Indústria-Resto) é 10 centavos que faltam no elo primário e no industrial para apresentar resultados positivos que a cadeia gera mas não percebe , devido à série de causas mencionadas e que não são próprias, embora haja também muitas coisas a melhorar dentro da cadeia que poderiam ainda melhorar o resultado do negócio. (Elaborado pela OCLA com informações do IAPUCo)


Sooro Renner completa 20 anos com foco na expansão 

Com três unidades industriais no Brasil, a primeira localizada em Marechal Cândido Rondon (PR) em 2001, além de Estação (RS) e Campinas (SP), a Sooro Renner completa no próximo mês 20 anos de fundação apostando no potencial humano e na força da tecnologia e da inovação no setor industrial.

Responsável pelo processamento equivalente a 3,4 milhões de litros de soro de leite fluído por dia e prestes a chegar a 4 milhões de litros, a empresa atua nos segmentos de nutrição esportiva, ingredientes e nutrição animal, proporcionando ao mercado produtos alimentícios de alta qualidade, como permeado de soro de leite, soro de leite em pó, whey protein 80%, 60% e 34%. Além disso, é a única indústria da América Latina a produzir o whey protein isolado 90%.

O diretor-presidente da Sooro Renner, William da Silva, destaca que as duas décadas de trabalho são resultado de ações bem-sucedidas, somadas a uma visão de futuro e investimento em pessoas, que hoje chegam a mais de 450 colaboradores em suas unidades. “Éramos uma pequena indústria e agora somos uma das indústrias mais modernas do ramo na América Latina. Foram prósperos anos e muitos outros de crescimento vêm pela frente", pontuou. 

A sinergia ocorrida em 2019 com o grupo Renner Herrmann S.A. proporcionou capital para investimentos e reunião de esforços. Naquele ano, dentro do processo de expansão, o grupo assumiu a planta industrial que hoje é a fábrica gaúcha de Estação. Para 2021, a empresa mantém foco na ampliação da unidade paranaense – ainda no primeiro trimestre será inaugurada a linha que permitirá o processamento de 4 milhões de litros de soro fluido por dia, com capacidade de produção de mais de 220 toneladas de pó/dia. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 

Sindilat integra ação publicitária com foco na importância dos lácteos na economia brasileira

O Sindicato da Indústria dos Laticínios do RS (Sindilat), ao lado de diversas entidades representativas do setor lácteo, participa de uma campanha que visa promover a relevância da cadeia produtiva do leite na economia brasileira e debater os impactos da Reforma Tributária para os laticínios. Além disso, a ação, que também se dá através das redes sociais e é liderada pela Associação Brasileira das Pequenas e Médias Cooperativas e Empresas de Laticínios (G100), visa esclarecer a população sobre a importância nutricional do leite e seus derivados para a saúde.

Ainda em 2020, no dia 21 de dezembro, lideranças do setor foram recebidas em uma audiência pelo Relator da Reforma Tributária no Congresso Nacional, Dep. Agnaldo Ribeiro, e sua equipe técnica. Foi o segundo encontro desde o início dos trabalhos desta Comissão.

Na ocasião, foi entregue um documento com todas as informações a respeito da importância do setor para a sociedade brasileira e sobretudo da crucial contribuição que o Congresso Nacional e o Executivo têm dado ao setor lácteo nacional. O documento reivindica que, na Reforma, se mantenha o setor sob a atual situação tributária de Pis e Cofins instituída pelo Congresso Nacional nos últimos 20 anos, em que um dos principais benefícios é o Programa Mais Leite Saudável. O sistema vigente é baseado no crédito presumido para compra de leite do produtor.

Além do Sindilat, a ação tem apoio dos sindicatos dos estados da Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia e Santa Catarina. A Associação Brasileira das Indústrias de Queijo (Abiq), Associação Brasileira de Leite Longa Vida (ABLV), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Viva Lácteos e o Terra Viva complementam a iniciativa. (Assessoria de Imprensa Sindilat, com informações Assessoria G100)


Jogo Rápido

Próxima semana terá grande volume de chuvas no Estado
A próxima semana deverá ter volumes elevados de chuva no Rio Grande do Sul, de acordo com o Boletim Integrado Agrometeorológico nº 04/2021, divulgado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), em parceria com a Emater-RS e Irga. Entre a sexta (29) e o domingo (31), o deslocamento de uma área de baixa pressão manterá as instabilidades e a chuva em todas as regiões, com risco de novas tempestades, associadas com fortes rajadas de vento e altos volumes acumulados. Na segunda-feira (1º/2), a nebulosidade seguirá predominando com pancadas isoladas de chuva. Entre a terça (2) e a quarta-feira (3), a propagação de uma área de baixa pressão novamente intensificará as instabilidades e provocará chuva em todo o Estado, com possibilidade de temporais isolados, especialmente no Oeste e na Metade Sul. Os valores previstos serão elevados na maioria dos municípios. Somente entre a Região Metropolitana e o Litoral Norte são esperados volumes inferiores a 60 mm, enquanto nas demais regiões os totais deverão variar entre 80 e 100 mm. No Extremo Sul, Fronteira Oeste, Missões e no Alto Uruguai os valores deverão superar 150 mm, podendo alcançar 200 mm em algumas localidades. O boletim também avalia as condições atuais das culturas de soja, milho, feijão, milho verde, tomate, abacaxi, maçã, morango, nogueira, oliveira e arroz. O documento completo pode ser consultado em www.agricultura.rs.gov.br/agrometeorologia. (SEAPDR)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *