Pular para o conteúdo

22/10/2020

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 22 de outubro de 2020                                                      Ano 14 - N° 3.331


Exportação é estratégia para buscar mais estabilidade no mercado

Os países árabes e o Leste europeu são promissores mercados para fomentar as exportações de produtos lácteos brasileiros, estratégia essencial para buscar mais estabilidade de mercado. A colocação foi feita por Carlos Cogo, consultor da Cogo Inteligência em Agronegócio, no segundo encontro do Conselho Nacional Agroindustrial (Conagro) da gestão 2020/2023 realizado na tarde desta quarta-feira (21/10) por teleconferência. Em conversa com representantes de diversos segmentos do agronegócio gaúcho, Cogo declarou que, após alcançar um bom nível de produtividade, o setor de lácteos do Estado tem a oportunidade de alavancar a exportação.

Segundo o consultor, o segmento também tem espaço para aumentar a produtividade, a produção e a captação de leite. Hoje, são 129.877 estabelecimentos produtores no RS, 50,6 vinculados às indústrias. “A captação média diária das maiores indústrias está privilegiando os volumes maiores, ou seja, está subindo de 200 para mais de 400 litros/produtor dia. Isso é um gargalo que vai ter que ser enfrentado com trabalho de base feito pelas instituições”, pontuou.

O Valor Bruto da Produção (VBP) de leite no Estado é de R$ 4,2 bilhões e são captados 4,3 bilhões de litro/ano, de acordo com os dados apresentados por Cogo. Atualmente, o RS é o terceiro maior produtor de leite no país, representando 10,9% do VBP. “O RS é um Estado tipicamente da agricultura familiar. E o setor lácteo é muito importante quando se fala em agricultura familiar”, afirmou Cogo.

Para o coordenador da Conagro e presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Alexandre Guerra, o agronegócio gaúcho apresenta diversos desafios, mas também muitas oportunidades. “Temos que superar os gargalos e aproveitar as situações propícias para abrir novos mercados e ampliar a competitividade”. O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, também esteve presente na reunião.

Durante o encontro, Cogo ainda discorreu sobre os cenários, as oportunidades e as dificuldades enfrentadas por outros setores do agronegócio gaúcho como arroz, soja, milho e frutas. Entre os gargalos, está a necessidade imediata da ampliação das áreas irrigadas no Estado. (Assessoria de Imprensa Sindilat)


Conseleite/MG

A diretoria do Conseleite Minas Gerais reunida no dia 21 de outubro de 2020, atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I e de acordo com metodologia definida pelo Conseleite Minas Gerais que considera os preços médios e o mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes, aprova e divulga: a) os valores de referência projetados do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Agosto/2020 a ser pago em Setembro/2020. b) os valores de referência projetados do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Setembro/2020 a ser pago em Outubro/2020. c) os valores de referência projetados do leite padrão, maior e menor valor de referência para o produto entregue em Outubro/2020 a ser pago em Novembro/2020.

MG

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,30% de gordura, 3,10% de proteína, 400 mil células somáticas/ml, 100 mil ufc/ml de contagem bacteriana e produção individual diária de até 160 litros/dia. Os valores são posto propriedade incluindo 1,5% de Funrural. (Conseleite/MG)

 

Inmet lança aplicativo com informações meteorológicas para o setor agrícola

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) lançou a versão do aplicativo SISDAGRO (Sistema de Suporte à Decisão na Agropecuária) para celular. O aplicativo foi desenvolvido para apoiar usuários do setor agrícola em suas decisões de planejamento e manejo agropecuário. A plataforma atende aos técnicos agropecuários, produtores do setor agrônomo, bem como gestores governamentais que executem políticas públicas voltadas ao setor agrícola.

O sistema oferece informações meteorológicas registradas em uma rede de Estações do Inmet, bem como de dados obtidos por modelos de previsão numérica do tempo, referentes às variáveis: temperatura, precipitação, umidade relativa do ar, velocidade e direção do vento e radiação solar.

Além disso o usuário poderá acompanhar:
Graus Dia: O crescimento e desenvolvimento de cultivos, assim como o desenvolvimento de pragas estão relacionados com a temperatura do meio ambiente, sendo esta relação, baseada no conceito de graus-dia.

Conforto Térmico Bovino: O animal exige do meio em que habita condições satisfatórias para que seus processos fisiológicos não sejam afetados negativamente, repercutindo no rendimento obtido na produção de carne, leite, ovos, lã, etc.

Além do monitoramento Agrometeorológico, o SISDAGRO conta com a previsão de condições favoráveis à formação de geada, sendo classificadas como forte, moderada e fraca.

A versão já está disponível para o sistema Android, e em breve estará disponível para IOS. (MAPA)

inmet

Ministra da Agricultura diz que crianças são mal ensinadas sobre agronegócio

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou hoje que as crianças brasileiras estão sendo mal informadas nas escolas sobre a realidade do agronegócio e que existe uma “vontade” de mostrar que o setor é atrasado. Em entrevista a uma rádio de Cuiabá (MT), ela sugeriu mostrar material didático com mensagens pejorativas sobre os produtores ao ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Segundo relatos do Agroligadas, grupo de mulheres do agronegócio de Mato Grosso, o conteúdo de algumas escolas destinado às crianças transmite informações atrasadas e incorretas de que o setor é responsável por trabalho escravo, por exemplo. “Não sei se é só atraso ou vontade de mostrar que o agro é atrasado”, ponderou a ministra. “Posso tentar marcar reunião com o ministro da Educação para mostrar [esse material]”.

Tereza Cristina ainda sugeriu que sejam feitas palestras nas escolas por representantes do setor para esclarecer a realidade das atividades no campo. “Existe muita desinformação para as crianças. As escolas formam pessoas que serão formadoras de opinião no futuro. Se não estivermos atentos, é complicado consertar a cabeça das crianças [depois]”, acrescentou. A ministra comentou ainda que a “desinformação” também atrapalha o avanço de propostas cruciais para o setor produtivo em Brasília.

Um dos casos é o projeto de lei 6299/2002, que pretende mudar a legislação sobre os agrotóxicos. “Venderam uma imagem diferente do que era o âmago do projeto. Há polarização e ideologização de um assunto técnico e científico, muitas vezes colocado em debate raso, desinformando a população”, afirmou. “Recebi muitos ataques dizendo que eu estava colocando veneno no prato do brasileiro”, lembrou. Ainda sem previsão para votação, a proposta precisa de “pressão” para entrar na pauta, disse a ministra. “Ele dá celeridade para poder aprovar novas moléculas e produtos e diz que não pode ter nenhum produto aprovado que seja menos seguro que aqueles que já estão em uso”, concluiu. (Valor Econômico)


Jogo Rápido
Alimentação puxa custo de produção do leite
O Índice de Custo de Produção de Leite da Embrapa que mede a variação mensal do custo de produção de leite em propriedades localizadas em Minas Gerais teve um fator inédito em setembro. A maioria dos grupos que compõe o indicador apresentou estabilidade de preços, como energia e combustível, reprodução, mão-de-obra, ou sal mineral, com pequena variação de 0,02% e produção e compra de volumosos (0,80%). Ocorreu até deflação com o grupo qualidade do leite (-1,47%). Por o outro lado o grupo alimentação concentrada teve variação de 14,10% em apenas um mês, o que levou o ICPLeite/Embrapa para o valor de 5,75%. Em agosto o ICPLeite registrou alta de 0,90%. O terceiro trimestre de 2020 acumulou inflação de 11,66%. O grupo alimentação concentrada, registrou alta de 25,04%, seguida pelo grupo qualidade do leite, 6,98%. A variação de mão-de-obra se manteve em 4,69%, o grupo sanidade acumulou 3,21% e energia e combustível que também não variou, continua com o acumulado de 3,08%. sal mineral, variou 2,80% e produção e compra de volumosos aumentou 1,58%. O único grupo que variou negativamente foi reprodução, apresentando queda de -1,28%. A variação do acumulado de 12 meses foi 15,97%. A alimentação concentrada variou 36,59% no período. (Agrolink)


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *