Pular para o conteúdo

21/09/2020

 

Porto Alegre, 19 de setembro de 2020                                              Ano 14 - N° 3.310

Reforma tributária – Como fica o projeto com as mudanças

                     

Adidos agrícolas encerram encontro virtual com cerca de 500 reuniões realizadas
Os adidos realizam iniciativas para abrir novos mercados, promover os produtos brasileiros e atrair novos investimentos

O 2° Encontro dos Adidos Agrícolas brasileiros, encerrado nesta sexta-feira (18), resultou em quase 500 reuniões em cerca de 90 salas virtuais, com a participação de 46 instituições. Os adidos, que estiveram reunidos durante toda semana, promovem iniciativas para abrir novos mercados, promover os produtos brasileiros e atrair novos investimentos.
Ao encerrar o encontro, o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, ressaltou o desempenho desses servidores nas negociações internacionais já que o Brasil se tornou uma potência agroambiental.
“Vocês, adidos, também são fiscais do nosso Ministério, mas vocês têm que sair pelo mundo convencendo da qualidade do nosso produto agrícola. Lamentavelmente, pela competitividade, muitas inverdades são ditas do nosso país e nós precisamos fazer esse processo de convencimento, ou seja, a consolidação e o reconhecimento do Brasil como potência do agronegócio. Vocês têm uma grande missão que é colocar o Brasil onde ele merece”, salientou Marcos Montes.
Para o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Orlando Leite Ribeiro, é o agricultor brasileiro que ganha com a maior sinergia entre o Mapa, o Itamaraty e a Apex. “Juntos, podemos mais e fazemos melhor. Os resultados estão aí: 92 mercados abertos desde o início do governo Bolsonaro e recordes mensais nas exportações, apesar da pandemia”, ressalta Orlando Leite Ribeiro, secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa.
O presidente da Apex-Brasil, Sergio Segovia, comemorou o resultado do encontro realizado em formato virtual por meio da plataforma MS Teams, que, segundo ele, permitiu construir um retrato único do atual estágio de parceria público-privada em relação ao agronegócio brasileiro. “O formato inédito do evento funcionou muito bem, sem prejuízo da consistência ou da fluidez das informações. Ao contrário, tivemos ganhos diferentes com as informações diferenciadas, discussões relevantes e principalmente interação de qualidade”, disse o presidente da instituição.
Segovia afirmou que a ação coordenada entre Apex-Brasil e os ministérios das Relações Exteriores e o da Agricultura, Pecuária e Abastecimento se consolida cada vez mais. “Saímos definitivamente do discurso para alcançar o terreno da ação e atuar de forma estruturada em favor da promoção do agronegócio brasileiro”, disse o presidente da Apex.
O Mapa conta, atualmente, com 24 adidos agrícolas lotados em 22 países (China e Bruxelas contam com dois adidos). A ministra Tereza Cristina, na abertura do encontro dessa segunda-feira (14), comunicou que irá ampliar novos postos de adidos para Paris (OIE e OCDE), Berlim (Alemanha) e Camberra (Austrália). Os países foram escolhidos por sediarem a Organização Mundial da Saúde Animal e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, para ampliar a comunicação do agro brasileiro na Europa e por serem importantes players no mercado agrícola mundial. (MAPA)

 

Leite/Europa
As discussões entre o Reino Unido (RU) e a União Europeia (UE) sobre as relações futuras tomaram uma nova direção recentemente. O RU propôs a rescisão de algumas partes do acordo prévio que afetava as fronteiras da Irlanda do Norte. Isso deixa um elevado grau de incertezas sobre as futuras relações comerciais.
A produção de leite depois da onda de calor do início de setembro é relatada como normal em alguns países. Fontes irlandesas disseram que mesmo em julho, o verão muito chuvoso ajudou no crescimento da produção de leite, e os volumes estão sendo relatados como maiores em comparação com o ano passado.
A mesma perspectiva vem da Alemanha neste início de setembro.

A demanda interna por queijo fatiado na UE é muito boa. Este fato, juntamente com a menor produção de leite durante a recente onda de calor na Alemanha e na França, em particular, comprimiu o fornecimento de queijo. Alguns queijos em maturação foram sacrificados para atender à demanda atual.
Um objetivo de longo prazo é aumentar os queijos em maturação, mas isso não poderá ocorrer agora. Os contratos atuais estão sendo cumpridos. Contratos novos não podem ser firmados.
Dados preliminares da Polônia indicam que a produção de leite em julho aumentou em relação ao mesmo mês do ano passado. A produção também foi superior à média dos últimos três anos. A instabilidade civil na Bielorrússia interrompeu algumas exportações de lácteos. As discussões giram em torno do momento em que a situação será normalizada. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

 

Nota de esclarecimento: Guia Alimentar para a População Brasileira
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) não encaminhou ao Ministério da Saúde sugestões para alteração no Guia Alimentar para a População Brasileira (edição 2014). O assunto está sendo debatido internamente, em Câmaras Setoriais do Mapa, tendo como referência princípios científicos. Os textos que circularam nas redes sociais são minutas de documentos internos. Sugerem a revisão do Guia Alimentar, incorporando, entre outros temas, a participação de engenheiros de alimentos na atualização do documento. Destacamos que o debate está em estágio inicial e certamente todos os setores da sociedade ligados ao tema serão ouvidos. (As informações são do Mapa)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *