Pular para o conteúdo

09/09/2020

 

Porto Alegre, 09 de setembro de 2020                                              Ano 14 - N° 3.302

Máquinas para qualificar a atuação do Cepagro

O Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária (Cepagro) da Universidade de Passo Fundo (UPF) se destaca pelo intenso trabalho desenvolvido junto ao setor agropecuário. E como forma de qualificar ainda mais as atividades já realizadas no local, bem como a produção de conhecimento, nesta quarta-feira, 9 de setembro, foram entregues dois novos tratores e uma plantadeira, que serão utilizados nas várias ações do Centro.

A entrega dos equipamentos foi feita pela empresa AGCO, que atua no desenvolvimento, fabricação e distribuição de máquinas agrícolas, com o intuito de ampliar a parceria já firmada entre Cepagro/UPF e Razera Agrícola. Os tratores devem ser utilizados principalmente pela empresa Laticínios Stefanello, também parceira do Cepagro na área de produção de leite. Eles ainda poderão ser usados em atividades nas áreas de horticultura e plantio de soja, por exemplo.
Segundo o coordenador do Cepagro, professor Dr. Fernando Pilotto, o trabalho conjunto com as empresas visa proporcionar melhores condições de aprendizado para os estudantes, com equipamentos modernos e tecnológicos.

Oportunidade de crescimento: Na opinião do diretor da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da UPF, professor Dr. Eraldo Zanella, ao trazer estas parcerias para dentro da UPF, é possível interagir com as empresas das diferentes áreas do setor agropecuário e ter um contato próximo das necessidades para poder ter um crescimento mútuo, em especial realizar pesquisas e inovação na área. “Podemos, desta forma, melhorar a infraestrutura e oferecer maquinários de ponta para uso e/ou demonstração para nossos estudantes da graduação e pós-graduação”, comenta.

Ainda, conforme Zanella, também há o interesse em desenvolver trabalhos de pesquisa envolvendo os acadêmicos de graduação, com eles sendo estagiários, interagindo com as empresas e visando uma capacitação deles nas áreas com maior procura no futuro. “A parceria entre empresas privadas e academia deverá ter ganhos para todos os elos da cadeia do agronegócio”, finaliza.

                     

Santa Clara lança produtos em linha pouch 250g
Cozinhar tornou-se o hobby preferido de diversas pessoas. Sair do arroz com feijão e preparar pratos incrementados tem sido um desafio para algumas delas. Pensando nisso, a Cooperativa Santa Clara lança produtos já consolidados, porém em embalagens pouch (sachê) de 250 gramas, o que facilita o seu uso no dia a dia e é ideal para duas pessoas.

Os consumidores poderão encontrar sete produtos na nova versão: Cream Cheese, Molho Lácteo Branco e Molho Lácteo Quatro Queijos, que já integravam a linha Food Service, além do Requeijão Tradicional e Temper Cheese nos sabores Tradicional, Ervas Finas e Provolone. Além da nova versão da Manteiga com e sem sal que pode ser encontrada em potes de 400g. Todos os itens estarão disponíveis nos pontos de venda da região sul do país na próxima semana.
 
A novidade foi apresentada em primeira mão para os supermercadistas gaúchos ontem, durante a Expolive, evento on-line promovido pela Associação Gaúcha de Supermercados (Agas). No evento, também foi mostrado o Queijo Ralado em pote de 70g, que já está disponível no mercado.

Sobre a Cooperativa Santa Clara: Em 2020, a Santa Clara completou 108 anos de história, o que a faz a mais antiga cooperativa de laticínios em atividade no Brasil. A sua sede está localizada no município de Carlos Barbosa e está presente, através de seus mais de 5 mil associados, em mais de 135 municípios gaúchos, atuando nos ramos de Laticínios, Frigorífico, Fábrica de Rações, Cozinha Industrial, Farmácia e 27 unidades de varejo, entre supermercados e mercados agropecuários, nos municípios onde possui associados. Atualmente possui um mix de mais de 360 produtos, entre Laticínios, Frigorífico, Doces e Sucos. (Santa Clara)

China – Como a educação assegura o desenvolvimento do setor lácteo   
Educação/China – Educação de qualidade é parte vital para o desenvolvimento do setor de laticínios na China. Isso irá assegurar profissionais altamente qualificados em toda a cadeia láctea, de acordo com o último relatório da FIL/IDF – Dairy Sustainability Outlook.

A pesquisa mostrou a importância e os benefícios da educação de qualidade, e as vantagens do conhecimento sobre lácteos, trazendo benefícios para toda a cadeia de valor do leite – dos produtores às indústrias, passando pelas vendas. 

Para construir uma educação para o setor de laticínios, a Associação Chinesa da Indústrias de Laticínios, por exemplo, realizou 50 sessões de treinamento e 10 conferências anuais na última década, beneficiando 15.000 pessoas e treinando mais de 5.000 profissionais em laticínios. Em termos de educação universitária, existe a Universidade Rural da China por onde passaram, na última década, mais de 7.000 alunos que estudaram e receberam treinamento na área de laticínios. 

De acordo com o relatório da FIL, os benefícios serão:
- Produtores de leite cru: Através da educação em bases científicas e conceitos de segurança, os pecuaristas podem produzir leite de alta qualidade.

- Indústrias e Vendedores: Empregados treinados em plantas de processamento de leite resultam em produtos de qualidade superior, gestão mais eficaz da empresa, melhorando os resultados finais. 

- Consumidores: Com o aumento do conhecimento sobre o valor nutricional dos produtos lácteos, os consumidores podem aproveitar mais dos benefícios à saúde que são proporcionados pelos produtos lácteos. 
- Sociedade e o país todo: Aumentar a conscientização sobre a proteção ambiental construirá um país desenvolvido mais sustentável. 

Educação de qualidade lança no mercado profissionais qualificados e formados sobre os conceitos atuais de desenvolvimento sustentável. Eles podem aplicar esses conceitos em toda a cadeia de laticínios, construindo uma sociedade mais sustentável.  Acesse aqui o relatório completo FIL/IDF – Dairy Sustainability. (Dairy Global – Tradução livre: Terra Viva)
               

 
Programa de desenvolvimento de veterinários dos serviços de inspeção será realizado online
O programa será oferecido na forma de minicursos que serão disponibilizados a partir do dia 9 de setembro. Por causa da pandemia do coronavírus, os Departamentos de Suporte e Normas e de Inspeção de Produtos de Origem Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária irão promover o programa de desenvolvimento de médicos veterinários inspetores do Serviço de Inspeção Estadual (SIE) e do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) de forma online. O programa será oferecido na forma de minicursos que serão disponibilizados semanalmente, às quartas-feiras, a partir do dia 9 de setembro, pelo canal do Suasa no youtube. Serão quatro temas: registro de produtos, implementação de autocontrole, verificação oficial de autocontrole e registro de estabelecimentos.  "Trata-se de ações básicas e importantes para organização e aperfeiçoamento dos serviços de inspeção. Uma oportunidade fantástica de atualização e desenvolvimento", avalia a diretora do Departamento de Suporte e Normas do Mapa, Judi Nóbrega. (MAPA)
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *