Pular para o conteúdo

08/09/2020

 

Porto Alegre, 08 de setembro de 2020                                              Ano 14 - N° 3.301

Balança comercial de lácteos

Segundo dados divulgados nessa sexta-feira (04/09) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), as importações brasileiras de derivados lácteos tiveram aumento expressivo no mês de agosto, atingindo o maior patamar desde novembro/2018. No total, foram cerca de 139,8 milhões de litros de leite equivalente internalizados no mês, com crescimento de 47% em relação ao volume do mês anterior e 83% maior que em relação a agosto/2019.

Por outro lado, as exportações brasileiras apresentaram retração; foram 15,7 milhões de litros exportados no mês, 6% menores que julho/2020. Porém, esse valor é superior ao exportado no mesmo mês do ano passado em cerca de 77%. Tendo em vista esse cenário, o saldo da balança comercial de lácteos foi de -124 milhões de litros (em equivalente leite), um aumento de 58% no déficit quando comparado a julho/20 e de 84% em relação a agosto/2019. Esse saldo é o menor (mais negativo) desde final de 2018, como é possível verificar no gráfico 1.

Gráfico 1. Saldo da balança comercial brasileira de lácteos, 2017 a 2020.


 
Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados do COMEXSTAT

O cenário de crescimento das importações, que já vinha sendo observado em julho/2020, é resultado da forte demanda por produtos lácteos no mercado brasileiro, assim como dos baixos estoques de derivados lácteos na indústria – que levaram ao aumento das cotações de leite no país.

O leite spot, levantado pelo MilkPoint Mercado, apresentou média de preços nacional de R$ 2,63/litro na primeira quinzena de setembro, por exemplo – este valor acumula elevação de 73% desde a primeira quinzena de janeiro/2020. Dessa forma, essa tendência de aumento de preços no mercado nacional tem tornado o produto importado cada vez mais competitivo. Ao considerarmos o preço médio do leite em pó integral importado em agosto (US$ 2.946/ton) no Brasil e a taxa de câmbio média do mês (R$ 5,46), é possível chegar ao preço médio do leite importado equivalente a R$ 1,91 – competitivo em relação aos valores praticados pelo leite no mercado interno.

Entre os derivados de leite comprados pelo Brasil, o leite em pó integral e queijos são aqueles com maior participação na pauta importadora. Estes produtos apresentaram significativo aumento de volume em comparação com o mês anterior: 195% e 89%, respectivamente. O leite em pó desnatado também apresentou um aumento expressivo: 120%.

Em relação às exportações, houve redução significativa para o leite condensado, que representa cerca de 27% da pauta exportadora. A retração de volume foi de cerca de 23%. Por outro lado, cremes de leite, que também possuem peso significativo nas exportações brasileiras, tiveram aumento expressivo em relação ao mês anterior. Mesmo com a redução das exportações em equivalente leite para agosto, no acumulado do ano foram exportados 106 milhões de litros em equivalente leite, contra 78 milhões em litros equivalentes do mesmo período em 2019 – um aumento de 35%.

Na tabela 2, é possível observar as movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de agosto deste ano.

Tabela 2. Balança comercial láctea em agosto de 2020

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados COMEXSTAT.

                      

Fiergs não fecha posição sobre reforma tributária gaúcha
A posição de confronto aberto adotada pela Federasul em relação à proposta de reforma tributária do Piratini não é consenso entre entidades empresariais do Estado. A Federação das Indústrias (Fiergs), segundo o coordenador do Conselho de Assuntos Tributários, Legais e Cíveis, Thomaz Nunnenkamp, mantém o diálogo e não fechou posição:

- O impacto nos setores é bem diverso, uns consideram positivo, outros veem perdas.

Os que têm mais dificuldades, observa, estão conversando com a Secretaria da Fazenda em busca de solução. As objeções do setor, conforme Nunnenkamp, são específicas: o aumento do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD) e do ICMS sobre a cesta básica.

- Vamos negociar para ver se melhoramos o projeto - afirma Nunnenkamp.

O empresário diz admirar "a coragem e a vontade política" do governo do Estado de realmente mudar algumas coisas e não pedir apenas a prorrogação de alíquotas maiores.

- Nesse sentido, o presidente da Fiergs e boa parte da diretoria buscam manter o diálogo.

Ressalva, porém, que o projeto representa "perpetuação de um aumento de carga tributária que deveria ser transitório". Observa que uma reforma tributária feita quando o Estado está com falta de caixa equivale a ir ao supermercado quando se está com fome: compra mais do que precisa. Ou cobra, no caso.

Apesar de considerar "drástica" a mudança na tributação de cesta básica, que sai de zero para 17%, trazendo preocupação com alta de preços, pondera que é uma discussão que será enfrentada também na reforma federal, porque as duas propostas de emenda constitucional (PECs) em análise, a 45 e 110, não preveem regime especial para a cesta básica.

Diz não ver erros matemáticos na proposta de devolução do ICMS às camadas de menor renda, mas adverte:

- Acho que para de pé, mas um dos temas é como blindar o fundo para que, se faltar dinheiro, não deixe de ser pago. O Estado tem histórico muito ruim em devolução de impostos. Essa é uma preocupação que deveríamos ter como sociedade. (Zero Hora)

Embrapa apresenta proposta para Ideas for Milk 2020 ao Mapa
Na tarde de quinta-feira (3), a Embrapa irá apresentar aos membros da Câmara Setorial do Leite e Derivados, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a proposta de realização do Ideas for Milk 2020. O evento, que entra na sua quinta edição, terá pela primeira vez participantes de instituições internacionais. Segundo o chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo do Carmo Martins, o hackathon (chamado de “Vacathon”, num trocadilho de “vaca” com “hackathon”), um dos eventos que integra o Ideas for Milk será intercontinental. Além de 27 universidades brasileiras, participarão equipes de Portugal (Universidade de Évora), Angola (Instituto Superior Politécnico de Tecnologias e Ciências – ISPTEC) e Argentina (Bolsa de Commodities de Rosário).

O Vacathon é uma imersão de estudantes voltados para a tecnologia e o agronegócio. As universidades e instituições participantes montam equipes, que orientadas por mentores, propõe soluções para os problemas da cadeia produtiva do leite. O evento ocorria de forma presencial nas edições anteriores, mas neste ano será totalmente virtual, devido à pandemia de Covid-19. “O Vacathon é um exercício prático de inovação aberta, onde as equipes interagem com empresas, e profissionais do setor”, explica Martins. O Vacathon será realizado dos dias 22 a 31 de outubro, com transmissão ao vivo pelo canal da Embrapa no Youtube, Facebook e Repileite (rede social da Embrapa Gado de Leite na internet).

Três outros eventos integram o Ideas for Milk: Caravana 4.0, o Desafio de Startups e o Premio Ideas for Milk de Inovação. A Caravana 4.0 é voltada para universidades, com objetivo é difundir informações relativas ao setor lácteo, da produção ao varejo. Em outros anos, a Caravana ocorria de forma presencial. “Para substituir os encontros presenciais, realizaremos Ideas for Milk Lives, com as universidades e instituições envolvidas. Qualquer pessoa pode participar, mas as informações se destinam basicamente aos estudantes e professores dos cursos de Agronomia, Veterinária, Zootecnia, Administração, Economia, Ciência da Computação e todas as Engenharias”, informa Martins. As lives ocorrerão sempre as terças-feiras, às 17h, no canal da Embrapa no Youtube, com início no dia oito de setembro, encerrando-se no dia 20 de outubro.

O Desafio de Startups reúne soluções criadas por jovens empreendedores para os desafios do setor lácteo. A final do desafio será no dia quatro de dezembro e também será virtual. “Nos últimos dois anos, as finais do Desafio ocorreram em São Paulo, no Cubo, a maior casa de eventos de inovação da América do Sul, mas, devido à pandemia, o evento presencial ficou impraticável; mas já podemos afirmar que toda a final também será transmitida pelo Youtube, Facebook e Repileite”, informa Martins.

Por fim, o Prêmio Ideas for Milk de Inovação é concedido a empresas que apresentam inovações em produtos e processos que impactem o consumidor, sob a ótica do foodtech. As vencedoras de 2020 foram as empresas Betânia, Cotrijal, Danone, Nestlé, Tirolêz e Verde Campo. A premiação também será entregue no dia quatro de dezembro.

Anuário do Leite – Durante a reunião da Câmara do Leite e Derivados, a Embrapa também fará o lançamento do Anuário do Leite – 2020. Essa é a terceira edição da publicação que, segundo Martins, tem cumprido um papel ao apresentar as principais estatísticas do setor, além de ser uma agenda temática sobre as questões debatidas no agronegócio do leite. Nesta edição, o Anuário aborda temas como biosseguridade em tempos de pandemia e no pós-Covid; ações da pesquisa voltadas para a vaca do futuro; lácteos mais valorizados e com inovações constantes, além de trazer os números do mercado, preço, produção e consumo do leite. (As informações são da Embrapa Gado de Leite)
               

 
Produtos exclusivos para exportação passam a ter registro automático
Produtos destinados exclusivamente à exportação passaram a ter registro automático. Com a mudança, sinalizada em circular do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura, os fiscais federais deixarão de analisar previamente os registros, ficando sob responsabilidade das empresas o atendimento à legislação do país importador. Para controlar o processo, as equipes do Mapa realizarão auditorias das determinações previstas em lei. A decisão está prevista no decreto 10.468 de 18 de agosto, que alterou o decreto 9.013 de 29 de março de 2017. (Assessoria de imprensa Sindilat/RS)
 
 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *