Pular para o conteúdo

02/04/2020

Porto Alegre, 02 de abril de 2020                                              Ano 14 - N° 3.195

  Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo

Vendas voltaram a crescer em São Paulo, após desaceleração

As vendas dos supermercados voltaram a crescer após uma desaceleração mais forte no começo desta semana, segundo dados publicados ontem pelo setor. Pode ser sinal de uma nova onda de consumo nas lojas, após o último pico de demanda verificado quando a quarentena foi anunciada no país. A Associação Paulista de Supermercados (Apas), que tem divulgado o levantamento, informou em nota que as redes estão abastecidas para atender uma eventual nova escalada nas vendas.

Algumas redes estão alertas ao fato de que, a partir da data de ontem, há pagamentos de salários (entre os dias 1º e 5), e os consumidores podem voltar a reabastecer suas casas, levando eventualmente a uma nova corrida às lojas. Segundo os dados da associação, referentes ao Estado de São Paulo, em março, coletados às terças-feiras, no dia 31, frente ao dia 3, a expansão foi de 10%, retomando o ritmo mais forte de vendas na semana passada.

No começo da semana, foi verificada uma desaceleração no ritmo de demanda. No dia 30 de março, em relação ao dia 2, houve queda de 2,9% nas vendas. Também no período relativo aos dias 27 a 29 de março, versus 28 de fevereiro a 1º de março, houve um recuo, e mais intenso, de 7,7%. Essa perda de vigor já era prevista pelos consultores. As vendas desaceleraram porque houve uma forte antecipação de compras nas lojas após decretado o isolamento, e o consumidor, depois de ter feito estoque, reduziu a ida aos pontos de venda. Até o momento, o pico foi em 19 de março, com alta de quase 50%.

“A expectativa já era que, depois da queda dias atrás, a venda voltasse a subir novamente, numa nova onda de consumo, porém, menor que a do pico visto dez dias atrás. Depois dessa alta agora, é provável que volte a cair na segunda semana do mês”, disse o sócio-diretor da consultoria Martinez de Araújo, Manoel de Araújo. “Quem vai sofrer mais é quem depende de Páscoa, que será muito ruim neste ano”. A gerente de atendimento ao varejo da Nielsen Brasil, Fernanda Vilhena, disse que março apresentou um
comportamento dentro da tendência histórica de consumo. “Houve um pico de vendas na primeira semana do mês, quando os brasileiros recebem os salários, e desaceleração na semana seguinte”, afirmou.

Levantamento da Nielsen com 150 redes de supermercados, hipermercados e atacarejos indicou queda de 3% nas vendas no país, na semana de 9 a 15 de março, em comparação com a primeira semana do mês. Mas houve aumento em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde a quarentena começou mais cedo. E, nacionalmente, cresceram as vendas de produtos de higiene pessoal e limpeza, com destaque para álcool em gel (214%), álcool de limpeza (101%) e lenços de papel (54%). “O que vimos em outros países é que na terceira semana cresce a procura por itens básicos culinários. Depois, os consumidores vão se adaptando e fazendo compras menores. A expectativa é que o Brasil siga essa tendência”, disse Fernanda.

As vendas do setor supermercadista em São Paulo chegaram a superar taxas de crescimento diárias de 40%, com alguns produtos triplicando de venda no mês. No dia 19 de março versus 20 de fevereiro (portanto, na semana em que se decretou quarentena), a venda subiu 48,5%. De sexta a domingo, a alta foi de 45,6%. A partir do dia 23, houve queda contínua. A McKinsey prevê queda no consumo no país. Segundo pesquisa feita pela consultoria, 7 entre cada 10 pessoas (72%) dizem que estão deixando de gastar nas últimas semanas. Para efeito de comparação, no começo de 2015, o percentual era de 51%, caindo para 44% em 2019.

“Os efeitos da epidemia foram sentidos de forma muito rápida e de forma muito tangível, com a quarentena”, disse Tracy Francis, sócia sênior da McKinsey. Durante a quarentena, segundo a McKinsey, os brasileiros pretendem aumentar em 25% os gastos com comida, com destaque para o aumento de 111% na compra de grãos como arroz, feijão e pipoca, em 8% os gastos com produtos para casa, 6% com entretenimento em casa e 1% com produtos de higiene pessoal. De acordo com Fernanda Hoefel, sócia da McKinsey, essa é uma característica única do brasileiro já que, em todo o mundo, os gastos com produtos de higiene apresentam queda.

De forma geral, os brasileiros estão pouco otimistas com as perspectivas de recuperação. Para mais da metade das pessoas (51%), a economia nacional sofrerá os efeitos da atual situação por 6 a 12 meses. Outros 24% dizem acreditar que o impacto será de longo prazo. Já para um quarto das pessoas que mantém o otimismo, a recuperação virá em dois a três meses. As compras on-line crescem no Brasil, mas não no ritmo necessário para compensar a queda no varejo físico, diz a McKinsey. Muita gente que deve ter seu primeiro contato com o mundo digital neste momento, tende a acelerar a adoção desse canal depois da crise, opina Fernanda. (Valor Econômico)

                   

Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus na produção agrícola
Comitê irá propor ações para garantir o abastecimento de alimentos e bebidas do país durante a pandemia
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) instituiu o Comitê de Crise (CC AGRO-COVID19) para monitorar e propor estratégias a fim de minimizar os impactos da pandemia do Coronavírus na produção agrícola e no abastecimento de alimentos à população. A decisão foi publicada hoje (31), no Diário Oficial da União (DOU), por meio da portaria nº123, assinada pela ministra Tereza Cristina.  
Propor ações que contribuam para a manutenção do abastecimento em todo o país bem como analisar produção, mercado, infraestrutura estão entre as competências do comitê, formado por 14 integrantes de secretarias do Ministério, além da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O trabalho do CC- AGRO-COVID 19 vai subsidiar a ministra Tereza Cristina na tomada de decisões durante a pandemia do coronavírus.
De acordo com a portaria, o escopo de atuação do grupo está estruturado em duas linhas temporais: ações de monitoramento e encaminhamento de soluções a curto prazo e elaboração de soluções de ajuste estrutural a médio e longo prazo. Neste caso, uma das funções do comitê será projetar cenários e elaborar propostas sobre impactos que poderão ocorrer nos sistemas produtivos, mercados e demanda. 
Em relação ao trabalho imediato, o CC- AGRO-COVID 19 vai atuar no monitoramento do comércio varejista, o que inclui supermercados e redes de distribuição; casas agropecuárias; redes de transportes; varejões e feiras; rede de distribuição de produtos químicos; e redes de distribuição de nutrição animal. 
No caso da indústria e distribuição, o monitoramento será por meio de associações e irá envolver atividades de produção de insumos básicos ou intermediários para uso nas atividades industriais que alimentam ao setor; de insumos agropecuários e atividades de produtos finais. 
O CC- AGRO-COVID 19 será presidido e coordenado pelo secretário de Política Agrícola do Mapa, Eduardo Sampaio Marques. O comitê deverá também promover a interlocução com órgãos do governo federal, de estados e municípios a fim de viabilizar ações e estratégias de solução para a manutenção do abastecimento de alimentos e bebidas à população. (Mapa)
 
 
 

Não há notícia de falta de alimentos, diz ministra
Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, a ministra Tereza Cristina disse hoje (1°) que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está trabalhando, desde o início da pandemia de Coronavírus no Brasil, para garantir o abastecimento, a produção e distribuição de alimentos no país. Segundo ela, não há notícias de falta de alimentos em nenhuma cidade.

“Hoje nós temos no Brasil o abastecimento em todas as capitais e todas as cidades, não temos nenhuma notícia de que esteja faltando qualquer tipo de alimento nas prateleiras dos supermercados, das vendas. Essa é a missão hoje do Ministério”, disse. 

Segundo ela, o Mapa também está preocupado com a situação dos pequenos produtores e orientando associações e empresas para tirar dúvidas e garantir segurança para os trabalhadores do setor. Em outra frente, ela disse que tem trabalhado em parceria com ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, para garantir o transporte dos produtos do setor agropecuário. 
“Precisamos dessa categoria para que os alimentos saiam de dentro das porteiras, cheguem nos armazéns e depois se encaminhem para as fábricas, para as agroindústrias de transformação e se transformem em alimentos e cheguem até as prateleiras dos supermercados para que a gente dê tranquilidade aos brasileiros, para que não se tenha tumulto. Isso graças a Deus vem acontecendo” 
Tereza Cristina destacou a importância dos produtores rurais neste momento. “Temos os médicos, que fazem o trabalho na ponta, de cuidar dos doentes, e temos os produtores que estão produzindo e temos que fazer distribuição para que esses alimentos cheguem nos supermercado para que população que está em casa hoje tenha tranquilidade quando precisar de alimentos, as prateleiras estejam abastecidas”. 
A ministra também disse que o Ministério da Agricultura está monitorando os preços dos alimentos, que podem ter variações semanais por causa de questões logísticas. “Temos verificado, acompanhado, mas vamos ter que ter muita calma nessa hora. O que temos feito é checado se realmente existe falta para ter essa subida de preços ou não, em um gabinete de acompanhamento que o Ministério montou”. 

A ministra também citou a disponibilização de 84 laboratórios do Mapa e da Embrapa para ajudar na análise de testes do Coronavírus. (Mapa)

Ministra da Agricultura promete medidas de apoio ao agronegócio
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, confirmou ao Valor que deverá anunciar ainda esta semana “várias medidas” de apoio ao setor agropecuário por causa dos problemas causados pelo coronavírus no país. Ela negou que os produtores rurais estejam sendo preteridos pela equipe econômica na elaboração de pacotes emergenciais e disse que mantém “boas conversas” com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na busca por soluções. 

Segundo ela, a demora na implementação de ações voltadas ao campo se deve ao fluxo intenso de demandas, e lembrou que a prioridade no momento é o setor de Saúde. 
“O problema realmente é tempo. Eles [equipe econômica] estão lá com uma demanda enorme e precisam liberar. Não tem nada contra o agro, não vamos enxergar fantasma onde não existe. O que existe é um excesso de demandas”, disse. “O governo não assina um cheque e põe na conta das pessoas. Tem responsabilidade fiscal, tem burocracia, tem lei, tem portaria”, continuou. 
Desde a semana passada, o setor produtivo e o próprio Ministério da Agricultura pleiteiam a realização de uma reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN) para que medidas de apoio ao campo sejam aprovadas, mas até agora sem sucesso. 
Tereza Cristina afirmou que o problema do Rio Grande do Sul, que apresentou uma série de demandas de socorro aos produtores rurais prejudicados pela estiagem que afetou lavouras desde o fim de 2019, está “equacionado”. Ela participou hoje de uma videoconferência com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezzano, e entidades do Estado. 
O pacote de medidas, no entanto, também esbarra na falta de tempo da equipe econômica. “Estamos assegurando que eles vão receber [ajuda], mas infelizmente não é no nosso tempo". 
“Está tendo compreensão, estamos conversando todos os dias com a Economia e está fluindo. A partir dessa semana ainda várias medidas de apoio no Rio Grande do Sul e para enfrentar o coronavírus vão começar a sair da Economia”. (Valor Econômico)
Ministério da Agricultura busca formas de ampliar escoamento da produção de leite
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que o governo tem procurado alternativas para facilitar o escoamento da produção de leite do País. Como este setor é extremamente pulverizado, acaba sendo prejudicado por causa das dificuldades logísticas, decorrentes das paralisações causadas pela pandemia do coronavírus. "Temos preocupação com o pessoal do leite. Temos mais de um milhão de pequenos produtores. Os produtores estão muito ansiosos", disse Cristina, durante divulgação de boletim da situação da pandemia no País, em cerimônia no Palácio do Planalto. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Tereza Cristina disse que tem atuado com o Ministério da Infraestrutura para garantir que não haja paralisações do transporte feito por caminhões, que tem sofrido as consequências de fechamentos de restaurantes, hotéis, borracharias e mecânicas, toda rede instalada ao longo das estradas nacionais. Os caminhoneiros não falam em greve ou paralisação, mas sentem a falta de infraestrutura e de apoio para continuarem a prestar serviços. O aumento de demanda do leite nas prateleiras dos supermercados, com muitas pessoas fazendo estoque do produto, também dificultam a manutenção da oferta. (A Redação)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *