Pular para o conteúdo

18/11/2019

 

 

Porto Alegre, 18 de novembro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.110

Leite A2 é opção para intolerantes e alérgicos à proteína do produto

Bebida, produzida hoje em Estados como São Paulo e Paraná, começa a despertar interesse de produtores no Rio Grande do Sul 


Crédito: Fernando Gomes / Agencia RBS

Enquanto intolerantes à lactose contam com alimentos especiais, alérgicos à proteína do leite ainda terão de esperar mais um tempo pelo interesse de produtores e indústrias em colocar a bebida no mercado — pelo menos no Rio Grande do Sul. Hoje, Estados como São Paulo e Paraná disponibilizam aos consumidores o leite A2, que não tem um peptídeo (biomolécula) causador de alergia, presente no leite A1.

— Esse peptídeo é grande e o organismo, principalmente o das crianças, tem dificuldade para metabolizá-lo — explica Neila Richards, chefe do Departamento de Tecnologia e Ciências dos Alimentos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Ao contrário do A1, o leite A2 é de fácil digestão, segundo Neila. Tanto que, além de ser utilizado em dietas com restrição a proteínas específicas da bebida, pode ser opção para intolerantes à lactose.

De olho nesse mercado ainda pouco explorado no Estado, o produtor Jaime Francisco da Conceição, 69 anos, trabalha para certificar o rebanho. Desde 1989, ele cria animais da raça gir leiteiro em sua propriedade, localizada no limite de Novo Hamburgo e Gravataí, na Região Metropolitana. Atualmente, dos 130 bovinos, 87% têm genética A2A2, que produz o leite A2. Porém, para dar o próximo passo, precisa garantir que todos os exemplares tenham o mesmo perfil:

— Só insemino ou uso cobertura de touros A2A2. Agora, vou concluir os testes de beta-caseína (proteína geradora da biomolécula causadora de alergia) e buscar a certificação do rebanho — detalha.

Após essa fase, o produtor irá organizar licenciamentos legais e levar ao mercado produção mínima econômica.

— O litro do leite sem certificação é vendido por cerca de R$ 2 nos supermercados, enquanto o A2 tem preço entre R$ 8 e R$ 9. Posso ter rentabilidade maior com a mesma vaca — explica Conceição.

Estímulo a partir da regulamentação
Em setembro deste ano, o Ministério da Agricultura regulamentou a rotulagem do A2, com inclusão da denominação de origem do leite proveniente de vacas A2A2. Para isso, o produtor precisa comprovar genotipagem (que determina o DNA) dos animais, origem do leite, segregação do rebanho e higienização das linhas de ordenha.

— Como o rebanho é de origem europeia, uma das alternativas para o produtor é comprar sêmen A2A2 — afirma Darlan Palharini, secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat-RS).

O valor do investimento é apontado pelo dirigente como um dos motivos pelos quais esse mercado ainda não avançou no Estado:

— É um processo, talvez ainda demore, pois grande parte das propriedades não é grande. Além disso, falta a participação da indústria para disponibilizar o produto ao consumidor.

A bebida zero lactose é comercializada em larga escala nos supermercados há cerca de cinco anos. Segundo Palharini, sua fabricação é mais em conta, pois utiliza a mesma matéria-prima do leite tradicional.

— Existem dois processos para retirada de lactose. No país, as indústrias adicionam a lactase no leite para quebrar mais de 90% da lactose. Há ainda a ultrafiltração, que não é usada no Brasil — esclarece Neila, também diretora científica da Associação Gaúcha de Laticinistas (AGL).

Produção/EUA
Os número dos lácteos em setembro revelam que a produção da indústria continua acima da verificada no mesmo período do ano passado. Mas, o setor lácteo está dando sinais de tensão em meio a falências e fechamentos. 
 
Em setembro a produção total de queijo foi 2,1% acima do volume registrado em setembro de 2018, e 3,7% menor que agosto de 2019, de acordo com o Departamento de Agricultura (USDA). A produção de queijo italiano subiu 4% em relação ao último ano, enquanto o queijo americano caiu 1,4%.
A manteiga um pouco mais estável em setembro, subiu 1,2%. Mas, leite em pó e produtos de soro de leite ressurgem com força, e cresceram: leite seco desengordurado (7,9%); leite em pó desnatado (4,6%); soro de leite em pó (31,5%) e lactose (5,3%).
A organização Dairy Management Inc (DMI) reafirma que o setor lácteo dos Estados Unidos é forte e diversificado, e lembrou o crescimento consistente do consumo per capita no varejo por 25 anos. As vendas domésticas de lácteos subiram 2,5% em agosto de 2019, queijo e manteiga estão com o consumo elevado.
“O leite fluido continua sendo um item básico para 94% das famílias dos EUA e alguns segmentos apresentam forte crescimento no varejo, em uma categoria de US$ 13,4 bilhões. Só o segmento de leite integral apresentou alguns bilhões de dólares de aumento nos últimos três anos. Vemos taxas positivas em produtos sem lactose, destinados a consumidores preocupados com o sistema digestivo. O leite saborizado cresce com inovação e a prova científica de que o leite com chocolate é a bebida perfeita de recuperação pós-exercício”, disse o DMI.
Manter a competitividade em tempos de crise
Apesar dos números positivos da produção, a indústria continua percebendo como negativo o desempenho do leite fluido, que vem enfrentando avaliações minuciosas acerca das boas práticas agrícolas e do tratamento dos animais, além da concorrência com as bebidas de origem vegetal. As indústrias alertaram os produtores sobre um grupo de defesa dos animais, que ameaça a agricultura e a inovação.
A Dean Foods também causou uma onda de preocupação no setor ao pedir falência. A empresa produz várias marcas conhecidas de leite, queijo, manteiga e sorvete, e é a maior cliente da Dairy Farmers of America (DFA).
Também na semana passada, a Associated Milk Producers Inc (AMPI), com sede em Minnesota, anunciou o fechamento de duas fábricas – a de leite em pó desnatado de Arlington, Iowa, e a fábrica de queijos em Rochester, Minn.
A cooperativa responsabilizou “o declínio contínuo de fazendas leiteiras e da produção de leite na região”. A crise dos lácteos em Minnesota registrou perda de 40% das fazendas leiteiras do estado desde 2008, e Iowa perdeu 50% no mesmo período. Todos os empregos das duas fábricas foram cortados: 49 em Arlington e 75 em Rochester. (Terra Viva) 
 
 
Leite/Oceania
A produção de leite da Austrália no mês de setembro foi 4,5% menor do que a registrada no ano passado, de acordo com a Dairy Australia. No acumulado de julho a setembro, está 6% inferior ao volume verificado no mesmo período de 2018.
 
Em setembro de 2019 na Nova Zelândia a produção de leite foi de 2.664 milhões de toneladas, 0,7% menos do que em setembro de 2018. Na mesma comparação os sólidos totais superaram em 0,7%. Como o pico sazonal ocorre, normalmente, em outubro, os dados são aguardados com muita expectativa. Isso ajudará a projetar a produção de leite na temporada completa. Com o declínio da produção de leite na Austrália, será necessário um desempenho excepcional da Nova Zelândia para manter a região com volumes similares aos do ano passado. Preços mais elevados neste período são reflexos das incertezas em relação aos resultados oficiais de outubro. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)
 
 
 
 
 
Reforma tributária 
O ministro Paulo Guedes estabeleceu a diretriz de que as reformas, na estrutura de tributos, não poderão gerar nenhum aumento de carga tributária global. Isso vai constar explicitamente no texto da reforma a ser enviado ao Congresso. De acordo com o Secretário do Ministério da Economia, José Barroso Tostes Neto, a reforma terá quatro fases e que será mantida a carga tributária atual na faixa de 35% do PIB (Produto Interno Bruto). Será proposto também um sistema automático de calibragem para impedir variações na carga tributária. Veja a matéria sobre a Reforma Tributária clicando aqui. (Terra Viva)
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *