Pular para o conteúdo

19/09/2019

Porto Alegre, 19 de setembro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.070

  Produção/AR 

Como antecedentes podemos mencionar que a produção total de leite alcançou 10.527 milhões de litros no ano de 2018, o que representou crescimento de 4,2% em relação a 2017.

No mês de agosto de 2019 a produção foi de 967,1 milhões de litros de leite, e este valor representa elevação de 7,8% em relação ao mês anterior, e de 2,1% quando comparado com agosto de 2018. No acumulado de janeiro a agosto de 2019 há uma queda de 3,9% em relação ao mesmo período de 2018. A média móvel dos últimos 12 meses também mostra decréscimo de 2,2% na comparação interanual.

 

A produção que habitualmente tem seu pico de mínima no mês de abril, em 2019 ela ocorreu em fevereiro, inclusive com uma baixa mais pronunciada em relação à média histórica e começou desde março um processo de recuperação, um crescimento que normalmente se mantém até outubro, quando ocorre o pico de máxima produção. As projeções disponíveis, avaliaram que o crescimento seria até mais acentuado este ano, em comparação com os anteriores.

Se observarmos o gráfico abaixo, podemos ver que a variação interanual acumulada, à medida que transcorrem os meses seguintes a fevereiro apresentam queda menor. Se em termos gerais não existe alteração significativa nas questões meteorológicas e a relação faturamento/custos não se modificar substancialmente (cenário complexo de prever diante da situação atual), é alta a probabilidade de que a menor produção dos primeiros seis meses do ano, que foi neutralizada em julho, e começou a crescer acima dos valores do ano anterior a partir de agosto, resulte, segundo as estimativas atuais em uma produção para 2019, muito similar à do ano anterior.


 
O próximo gráfico mostra a sazonalidade diária da produção de leite e a média dos picos de mínima e de máxima durante o ano. Entre o último mês (agosto) e o provável pico máximo (outubro) existe uma diferença de 6,4%, ou seja, em outubro haverá a produção de 2 milhões de litros de leite a mais do que agosto último. (OCLA - Tradução livre: Terra Viva)

Rebanho/China

Nos primeiros meses de 2020 serão enviadas 5.000 novilhas holandesas para a China. O setor entende que a venda é positiva porque oferece a possibilidade de exportar uma categoria de produto que tem preços muito baixos no mercado interno.

O mercado de raças leiteiras será reativado com o envio de 5.000 novilhas para a China. É um "recomeço", disse Federico Di Santi fazendo referência às transações que foram suspensas há alguns anos. Acrescentou que serão animais com peso superior a 200 quilos e em boas condições sanitárias (animais sadios, sem leucose, brucelose, etc).

As condições para a compra não foram estabelecidas ainda, mas, assegurou que os produtores receberão um valor melhor do que o comercializado no mercado interno.

A notícia é muito boa já que se trata de uma categoria que hoje está com valores muito baixos. (TodoElCampo - Tradução livre: Terra Viva)

Desigualdade digital separa campo da cidade

Ao longo dos últimos 11 anos, entre 2008 e 2018, o acesso à internet aumentou significativamente tanto no meio rural como nas áreas urbanas do Brasil, mas a desigualdade entre campo e cidade se ampliou neste aspecto. Ao fim do ano passado, 44 em cada cem domicílios rurais no país estavam conectados à web - 11 vezes mais do que em 2008, quando apenas 4% dos lares dispunham desse tipo de acesso. No ambiente urbano, a velocidade de expansão do serviço também foi expressiva, embora menor em termos relativos. O percentual de residências conectadas passou de 20% para 70% no mesmo intervalo de tempo. 


"A tecnologia avançou muito nos últimos anos, mas sem romper uma lógica de desigualdade", afirma Winston Oyadomari, coordenador da TIC Domicílios, levantamento anual realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). Comparados, os percentuais urbanos e rurais medidos pela pesquisa mostram um aumento da distância entre o campo e a cidade em termos de conectividade. Se em 2008 essa lacuna era de 16 pontos percentuais (20% versus 4%), no ano passado a diferença saltou para 26 pontos (70% contra 44%).

Ao todo, dos 70 milhões de domicílios existentes no Brasil, 14% estão situados em áreas rurais. Mesmo com a expansão da oferta de banda larga fixa pelos pequenos e médios provedores regionais, a conexão à internet via celular (3G e 4G) ainda predomina no campo. Levando em consideração os dispositivos utilizados para acesso individual à web, no campo 77% dos usuários de internet têm o telefone móvel como único canal de conexão à rede mundial de computadores. Na cidade, esse percentual é de 54%.

Um especialista que há décadas acompanha a evolução do mercado brasileiro de telecomunicações avalia que - no quadro regulatório atual - a desigualdade entre campo e cidade em termos de conectividade não será zerada unicamente pela ampliação do alcance das redes 3G e 4G existentes.

Pela regulamentação vigente, a cobertura celular é obrigatória em apenas 80% da área geográfica do distrito-sede de um município, afirma a fonte, que pediu para não ter seu nome citado. Outros distritos dentro de um mesmo município não precisam contar necessariamente com o serviço móvel. Nessas localidades, fica a critério das operadoras de telecomunicações implementá-lo ou não, de acordo com o potencial de mercado, acrescenta o especialista.

"Cinco milhões e duzentos mil pessoas nas áreas rurais do Brasil não têm acesso à internet. Esse contingente está muito espalhado", afirma Oyadomari, responsável pela pesquisa do Cetic.br. "A lógica do provimento de serviço é atender regiões em que a população esteja mais concentrada."

A densidade populacional mais alta nas áreas urbanas ajuda a explicar o maior número de conexões via cabo ou fibra nas cidades. No grupo de domicílios urbanos conectados à internet, 41% são atendidos por meio de uma dessas duas tecnologias, enquanto no campo esse percentual cai pela metade (20%).

"Em todos os grandes países com territórios vastos, levar o acesso de banda larga à internet a áreas rurais é um grande desafio. Esse é um problema nos Estados Unidos, na China, na Índia, na Austrália, na União Europeia, bem como no Brasil", afirma Ricardo Tavares, presidente executivo da consultoria TechPolis.
Uma alternativa que começa a ser utilizada na Europa é o compartilhamento de redes em áreas rurais, lembra ele. "[É algo] que já existe no Brasil, mas de maneira tímida. Pode ser ampliado e já tem o aval da Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações]", acrescenta.

Outra opção seria atrelar o leilão das faixas de frequência que serão usadas na telefonia móvel de quinta geração (5G) a metas de cobertura 4G, diz Eduardo Tude, diretor-presidente da consultoria Teleco. Isso implicaria em realizar uma licitação de espectro sem viés arrecadatório, voltada principalmente para o aumento da oferta de serviços em regiões menos atrativas do ponto de vista do retorno sobre o investimento.

Apontada como substituta para a banda larga fixa, a tecnologia 5G - por si só - não diminuiria a lacuna digital entre áreas urbanas e rurais, afirma Tavares, da TechPolis. "O 5G não vai afetar a cobertura rural nos primeiros sete anos da tecnologia, entre 2020 e 2026. 

As bandas utilizadas são bandas altas, pouco eficientes para cobertura rural, como 3,5 gigahertz (GHz) e 26 GHz que a Anatel pretende leiloar no ano que vem. O 5G deve começar no Brasil em hotspots [pontos específicos], com baixa cobertura", afirma.

Para além da divisão geográfica entre campo e cidade, o levantamento do Cetic.br espelha também desigualdades de renda e conhecimento. A TIC Domicílios estimou em aproximadamente 16 milhões o número de brasileiros com renda até um salário mínimo que nunca usaram a internet. "Nas classes D e E, por exemplo, 31% não têm celular", diz Oyadomari.

O levantamento indica que um terço dos lares no Brasil seguem desconectados. E, dentro desse universo específico, em 14 milhões de domicílios (61%) os respondentes informaram que não dispõem do serviço de acesso à web por causa do preço. A insuficiência de renda, no entanto, está longe de ser o único empecilho no caminho em direção à popularização da internet no mercado brasileiro.

Além do preço e da disponibilidade dos serviços, a falta de familiaridade com a tecnologia é um dos maiores obstáculos no acesso à web. Em 2018, 11,32 milhões de brasileiros declararam falta de interesse em se conectar à internet. O total representa 27% dos indivíduos que afirmam nunca ter se conectado à rede mundial de computadores. Em 2017, na edição anterior da pesquisa, o percentual estava no patamar de 29% (13,48 milhões de pessoas). A TIC Domicílios foi realizada a partir de uma amostra de 23.508 residências localizadas em 350 municípios. (As informações são do jornal Valor Econômico)

 
    
Abertura de mercado 
O governo do Egito anunciou no sábado, 14, que vai abrir mercado para produtos lácteos do Brasil, informou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Para o chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, a estabilidade fundamental para a atividade deve ser gerada pela exportação, pois os preços externos não variam tanto quanto os internos. Além disso, segundo o especialista, os embarques devem aumentar ainda este ano, já que as vendas começam em outubro. CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo. (Canal Rural)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *