Pular para o conteúdo

04/09/2019

Porto Alegre, 04 de setembro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.059

  Sindilat participa do XIII Congresso Brasileiro de Buiatria

O Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) marca presença no XIII Congresso Brasileiro de Buiatria que, nesta edição, ocorre na cidade de Passo Fundo, de 10 a 12 de setembro. O evento será realizado no Centro de Eventos da Universidade de Passo Fundo (UPF), localizado na BR 285 s/n, bairro São José.

A programação do encontro inclui a palestra do secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, que falará sobre a importância da sanidade animal na comercialização do leite e seus derivados. De acordo com Palharini, é fundamental que o tema seja debatido abertamente. "As discussões visam, antes de qualquer coisa, o tratamento e a prevenção das enfermidades que acometem os bovinos", ressalta.

Os interessados em participar do evento podem conferir a programação completa e realizar a inscrição através do site do  XIII Congresso Brasileiro de Buiatria. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 

Novas diretrizes do programa de combate à febre aftosa passarão por consulta pública em outubro

Novas diretrizes do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) passarão por consulta pública a partir de outubro. O objetivo é atualizar a legislação em relação às mudanças do Código de Animais Terrestres da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e adequá-la ao processo de retirada gradual da vacinação contra a doença no Brasil.

Entre as normas que entrarão em consulta pública, estão controle sobre os produtos de origem animal e as restrições à movimentação dos rebanhos entre as áreas livres com e sem vacinação. Também deverão ser inseridos novos conceitos presentes no código da OIE, como a zona de contenção, que permite ao país, caso ocorra um foco da doença, isolar a área afetada mantendo a condição sanitária, a comercialização e a movimentação dos rebanhos no restante do país.

A última revisão da legislação sobre febre aftosa ocorreu em 2007. Segundo o chefe da Divisão de Febre Aftosa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Diego Viali, a revisão da legislação nacional "é uma das 16 operações previstas no Plano Estratégico 2017-2026”.

Na última sexta-feira (30), no primeiro fórum do PNEFA, realizado na Expointer, em Esteio (RS), foi encerrado o primeiro ciclo do Plano Estratégico, iniciado em 2017. Diego Vali informou que o Ministério debateu a importância da participação efetiva da iniciativa privada no processo de ampliação de áreas sem vacinação, devido o papel fundamental que os produtores rurais assumirão na vigilância da febre aftosa.

“A eficiência da vigilância pecuária estará intimamente ligada à notificação oportuna do produtor. No caso do reingresso da doença, o criador, que diariamente está em contato com seus animais, será o primeiro a visualizar os sintomas da doença em seus animais, já que sem a vacina, os sinais clínicos ficarão muito mais visíveis, e o produtor deverá ter conhecimento sobre esses sintomas e notificar imediatamente o serviço veterinário oficial”, explica o chefe da Difa.

A situação dos fundos de indenização dos produtores - mantidos para cobrir perdas em caso de sacrifício de animais com aftosa – também foi discutida no fórum. “Temos fundos estaduais que estão bem robustos e outros estados que estão com o fundo ainda incipiente, mas estamos trabalhando para ter essa reserva de recursos. Temos exemplos positivos de fundos, como o de Goiás, do Rio Grande do Sul e do Paraná. Alguns fundos estão com mais de R$ 100 milhões em caixa, o que dá uma garantia ao produtor em um eventual reingresso da doença, para que ele tenha indenização dos animais sacrificados ou acometidos pela doença”, diz.

O pleito do Paraná para antecipar o calendário de retirada da vacinação contra aftosa está em análise, além disso o estado terá que concluir a instalação de um posto fixo de fiscalização agropecuária na divisa com São Paulo e contratar 80 servidores (30 veterinários e 50 técnicos) para reforço na fiscalização.

Este mês, o Ministério, com base nas evidências apresentadas pelo estado, deverá decidir se o Paraná não irá vacinar em novembro. Quanto ao Rio Grande do Sul, que também quer antecipar a retirada da vacinação, desde segunda (2) o Mapa faz auditoria no serviço veterinário oficial estadual para verificar a viabilidade do pleito. (As informações são do Mapa)

Santa Clara amplia linhas de laticínios e food service

Chegam em breve às gôndolas dos supermercados os novos produtos Santa Clara. As novidades foram apresentadas ao público durante a 38ª Expoagas, realizada de 20 a 22 de agosto, no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre. 

Com o objetivo de ampliar o leque de opções ao consumidor, um dos destaques são os novos sabores de Temper Cheese, de Parmesão e Pesto, disponíveis em embalagens de 150g.

Na linha de food service, a novidade é o Creme Confeiteiro Sabor Baunilha, Recheio e Cobertura Sabor Chocolate Meio Amargo e Recheio Sabor Leite Condensado, todos com 1,01 kg. Os três sabores são forneáveis e podem ser usados em receitas de congelados e coberturas. (Assessoria de Imprensa Santa Clara)

 

Preços/UR 

A Conaprole definiu que irá aumentar em 5% o preço do leite ao produtor para a captação de agosto. Um diretor da cooperativa confirmou a informação à Conexión Agropecuaria.

O preço médio pelo litro de leite com 3,8% de matéria gorda e 3,45% de proteína será de UY$ 11,03 [R$ 1,26/litro]. Preenchendo todos os requisitos da composição e 19% da qualidade o valor chegará a UY$ 11,19 o litro, [R$ 1,28/litro], (ambos os valores incluem a bonificação do leite tabelado).

A notícia foi recebida como um sinal positivo para os produtores, como confirmaram alguns dirigentes de entidades setoriais. Os detalhes sobre o preço de agosto serão oficializados nesta terça-feira pela manhã, em uma reunião que será realizada entre a Associação Nacional dos Produtores de Leite (ANPL) e a diretoria da Conaprole.

Em princípio, o encontro teria como objetivo central a reivindicação pela ANPL de aumento do preço do leite ao produtor. O argumento seria a estabilidade nos preços internacionais e o fortalecimento do dólar, lembrou o vice-presidente da ANPL, Eduardo Viera.

Viera destacou o retrocesso que está ocorrendo no poder de compra do leite, que de acordo com os dados do Instituto Nacional do Leite (INALE), caiu 2% em julho em relação ao mês anterior, resultado da queda no preço do leite (-1%), acompanhado da elevação dos custos em 1,1%.

Em comparação com junho de 2018, o poder de compra melhorou 0,4%, com os preços 4,2% superiores e um índice custos que aumentou 3,8%.

Nesta terça-feira será realizada o primeiro leilão de setembro da plataforma eletrônica da Fonterra, o Global Dairy Trade, marcando novas referências de preços para o mercado. (Blasina y Asociados – Tradução livre: Terra Viva)

 
Expointer 2019 | TVE - Boletim 13:45 - 26/08/19
Simone Feltes entrevista José Arthur Martins (subsecretário do Parque de Exposições Assis Brasil) e Darlan Palharini, secretário executivo do Sindilat). Reportagens sobre a visita do governador Eduardo Leite visita à Casa da TVE, na Expointer e sobre a história da Expointer. CLIQUE AQUI para assistir ao programa. (TVE/Youtube)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *