Pular para o conteúdo

15/05/2019

Porto Alegre, 15 de maio de 2019                                              Ano 13 - N° 2.979

   Fenasul é aberta com clamor por apoio ao setor leiteiro
Foi em tom de cobrança de apoio ao setor leiteiro, que a Fenasul 2019 abriu sua programação nesta quarta-feira (15/05), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Reunidos na Pista do Gado Leiteiro, lideranças do Poder Executivo, Legislativo e representantes dos produtores e indústrias manifestaram seus pleitos. “O Mercosul tem judiado principalmente da cadeia do leite. É impossível que cada vez que buscamos uma solução para o leite, o arroz e o trigo o governo federal sempre venha dizer que o superávit da balança comercial é favorável aos ônibus, aos automóveis e à linha branca”, reclamou o diretor da Farsul, Francisco Schardong. Em tom de alerta, sinalizou que o pequeno produtor de leite não existe mais. “Leiteiro não nasce mais. O governo que trate de conservar os que tem”. O pronunciamento ganhou eco na fala do secretário da Agricultura, Covatti Filho, que defendeu eventos nos moldes da Fenasul como palco para as demandas do setor produtivo. “Estamos fazendo pedido para que o Banrisul e o governador Eduardo Leite olhem mais para o agronegócio do nosso Estado. O Banrisul precisa de uma diretoria focada em investimentos e para parcerias com o produtor gaúcho. Já que a sociedade está pedindo o fortalecimento desse banco, temos que olhar para a agricultura”. 
Para enfrentar as adversidades que tanto caracterizam o “ser produtor rural”, as autoridades conclamaram por união entre entidades e lideranças para promover uma grande exposição e o desenvolvimento do setor. Presente ao ato, o secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticinínios (Sindilat), Darlan Palharini, lembrou que as indústrias estão representadas no parque por seus produtores e pelo projeto PUB do Queijo, espaço para degustação de queijos localizado junto à exposição de artesanato e cervejas no Pavilhão Internacional. Lá, o visitante poderá degustar espetinhos de queijo coalho ao valor de R$ 7,00 e mix de queijos (Colonial, Brie, Gouda e Parmesão) a R$ 20,00 a porção de 250 gramas, além de comprar diversos tipos e marcas de queijo produzidos pelas indústrias associadas ao Sindilat. “Esse projeto é mais do que um ponto de consumo, é uma ação de divulgação da diversidade de nossa produção e das potencialidades de mercado que o setor lácteo tem para expandir sua presença na mesa do brasileiro”, frisou Palharini.
O presidente da Gadolando, Marcos Tang, enalteceu a ação dos criadores de todas as raças que acreditaram na Fenasul e das entidades que se uniram à Gadolando para fazer da Fenasul uma realidade. “A feira é para os produtores e para mostrarmos a agropecuária do estado. Temos que ter orgulho dessa nação”.  Lembrou do esforço dos criadores em participar da exposição, principalmente pela dificuldade de mão de obra para manter o tambo e deslocar equipe para atender à demanda da feira.  O presidente da Febrac, Leonardo Lamachia, pontuou a união para organização da mostra. Representando o Legislativo, o deputado Ernani Polo, lembrou dos avanços qualitativos obtidos pelo setor leiteiro nos últimos anos e melhorias conquistadas para o bem-estar animal no Parque de Exposições Assis Brasil. (Assessoria de Imprensa Sindilat)
 
Crédito: Carolina Jardine
               
 
Entidades debatem sobre a inspeção de produtos lácteos na Fenasul

Nesta quinta-feira (16/05), entidades reúnem-se para debater sobre a inspeção de produtos lácteos na Fenasul. O encontro, promovido pelo Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Rio Grande do Sul (Simvet), acontece às 11h, no auditório do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). A reunião tem o objetivo de discutir com a cadeia produtiva do leite a adequação às Instruções Normativas (INs) 76 e 77, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que alteram a forma de produção, coleta e armazenagem do leite cru.

O debate terá a participação de representantes do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Ministério da Agricultura, Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, Associação dos Criadores de Gado Holandês do RS (Gadolando) e Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS). 

De acordo com a presidente do Simvet/RS, Angélica Zollin, as INs 76 e 77, que passam a vigorar a partir de 30 de maio, servem para aperfeiçoar a qualidade do leite gaúcho. "O evento visa esclarecer dúvidas de produtores e de veterinários que trabalham com leite para que sigam as novas orientações corretamente".

Segundo o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, o encontro na Fenasul é mais uma oportunidade para debater a adequação às normas, visto que o prazo para a implementação está se aproximando. Para a médica veterinária da Secretaria da Agricultura Karla Pivato, a reunião proporciona, além do debate, a proximidade entre o poder público, entidades e produtores do setor. "Depois de participar das reuniões sobre as normativas do leite, as pessoas conseguem desmistificar o tema e enxergar que as mudanças não são inatingíveis", afirma. (Assessoria de Imprensa Sindilat)


Pista Aberta

Com a abertura hoje dos portões do parque Assis Brasil, em Esteio, para a 42ª Expoleite e a 15ª Fenasul tem início também a disputa de mais uma classificatória do Freio de Ouro. Nessa etapa, entram em pista 94 conjuntos. Eles buscam uma das 16 vagas para a final da competição, organizada pela Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Crioulos e que ocorre na Expointer. 

A seletiva é uma das atividades que integram a programação das feiras, que conta ainda com provas do cavalo árabe, rodeio e multifeira, com direito a cerveja artesanal e Pub do Queijo. A ideia é “chamar” o público urbano para participar dos eventos que começaram como vitrine da produção de leite do Estado.

Da disputa do cavalo crioulo, a quarta classificatória do atual ciclo, participam animais estreantes ou que já tenham participado de outras seletivas. A expectativa é de que, além da qualidade dos conjuntos que entrarão em pista, o tempo também contribua.

- Esperamos que as condições climáticas não atrapalhem e ajudem a termos um evento brilhante – projeta Mateus Gularte Silveira, vice-presidente de Eventos da ABCCC. 

Vale lembrar que a entrada no parque em Esteio é gratuita e a programação dos eventos segue até o domingo, dia 19. (Zero Hora)


Sanidade é assunto central

A sanidade animal é um dos assuntos centrais das palestras e seminários que ocorrem durante a Expoleite/Fenasul. Nesta quinta-feira, pesquisadores do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF) irão abordar temas como a coleta de amostras laboratoriais de gado leiteiro, diagnóstico diferencial de raiva e a situação da brucelose no Rio Grande do Sul. As palestras têm início às 9h, na Casa do Veterinário do Parque Assis Brasil. 

Segundo o veterinário Maurício Gautério Dasso, pesquisador do Laboratório de Brucelose do IPVDF, a prevalência da doença encontra-se estabilizada no Rio Grande do Sul, enquanto o número de testes vem aumentando em função do maior número de propriedades certificadas. “Temos recebido uma amostragem maior, pois as indústrias de laticínios têm exigido dos produtores de leite a sanidade do rebanho”, observa o especialista. 

De acordo com ele, esse aumento no número de amostras tem sido verificado principalmente nos últimos dois anos. A brucelose no rebanho bovino tem ocorrido em 1,47% das propriedades e 0,42% dos animais, enquanto a tuberculose tem sido registrada em 1,6% das propriedades e 0,7% dos animais do Estado. De janeiro a março deste ano foram identificados 57 focos novos de tuberculose (cinco a mais em relação a igual período de 2018), envolvendo 485 animais. No caso da brucelose, foram 41 focos novos (quatro a mais que 2018), com 163 animais. O total de propriedades testadas neste ano foi de 3,5 mil para tuberculose e 2,7 mil para brucelose.  O Rio Grande do Sul conta com 2 mil propriedades certificadas como livres das duas doenças. 

A programação técnica da Expoleite/Fenasul tem início hoje, às 9h30min, com palestra sobre a relação entre qualidade do leite e nutrição, com a veterinária Angelica Petersen Dias, promovida pela Sovergs. Às 10h45min haverá palestra sobre queijos coloniais, com a veterinária Cristina Zaffari Grecelle. (Correio do Povo)
 
Preço dos derivados
Com a valorização do leite no campo e estoques reduzidos, as cotações dos derivados lácteos registraram leve alta nos últimos dias. Entre 6 e 10 de maio, o preço do leite UHT subiu 0,45% frente ao da semana anterior, fechando o período com média de R$ 2,6117/litro. Para o queijo muçarela, o aumento foi menor, de 0,4% no mesmo período para a média de R$ 17,6367/kg. (Cepea)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *