Pular para o conteúdo

23/04/2019

Porto Alegre, 23 de abril de 2019                                              Ano 13 - N° 2.964

    Alexandre Guerra assume presidência do Conseleite

O presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, assumiu, nesta terça-feira (23/4), a presidência do Conseleite em substituição a Pedrinho Signori (Fetag), que passa a responder pela vice-presidência. A alternância de cargos entre indústria e produtores está prevista no regimento do conselho. Segundo Guerra, o essencial agora é dar seguimento ao trabalho coletivo que vem sendo feito pelo desenvolvimento do setor. “Importante é atuarmos juntos pelo bem da produção de leite no Rio Grande do Sul, um setor rico e cheio de potencial, mas que precisa de união e muito apoio”, ressaltou.

Durante da reunião, o Conseleite divulgou o valor de referência previsto para o leite no Rio Grande do Sul para o mês de abril, que ficou em R$ 1,1259 o litro, 2,66% abaixo do consolidado de março (R$ 1,1567). O presidente do Conseleite pontuou que a oscilação indica tendência de estabilidade do mercado. “Estamos há seis meses com preços do leite praticamente estabilizados no Rio Grande do Sul. Esperamos que o segundo semestre se mantenha nos padrões que estamos verificando”. E alertou para os impactos no setor produtivo da redução de consumo confirmada em recente pesquisa do Grupo Kantar. “O setor leiteiro precisa da recuperação do mercado e da economia para ter retomada de demanda. Com a chegada do frio, esperamos que o consumo volte a aumentar no Brasil e, com isso, os preços se mantenham”.

Os dados foram detalhados pelo professor da UPF Eduardo Finamore, responsável pela pesquisa. De acordo com o economista, os números indicam que a maioria dos produtos do mix está acima dos valores praticados na média de 2018. Contudo, explica ele, se confrontarmos os meses de abril de 2019 com abril de 2018, o leite UHT – carro chefe da produção gaúcha – está 3,51% abaixo do padrão do mesmo mês do ano anterior. “No geral, os valores estão mantendo-se em patamar mais elevado em relação ao ano anterior”, frisa Finamore, lembrando da expansão do mercado de queijos e iogurtes. (Assessoria de Imprensa Sindilat)



Alexandre Guerra, presidente do Sindilat e Conseleite
Crédito: Carolina Jardine
 
                 
 

Carta a produtores alinha mudanças nas INs 76 e 77

Entidades ligadas ao setor leiteiro redigiram conjuntamente um documento chamado de “Carta de Cientização” que está sendo remetido aos produtores de leite de todo o Rio Grande do Sul. A ideia é repassar informações essenciais sobre as novas regras de qualidade previstas nas INs 76 e 77, que entram em vigor em junho deste ano. 

No texto, subscrito por representantes do governo estadual e federal, entidades representativas das indústrias e produtores, estão listadas mudanças essenciais a serem realizadas. Segundo o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, o objetivo é dar ciência aos produtores sobre as novas regras tendo em vista as eventuais necessidades de possíveis ajustes nos sistemas de produção nas propriedades. “Queremos que todos os agentes da cadeia produtiva estejam conscientes que precisaremos trabalhar juntos para elevar os padrões conforme pede o Ministério da Agricultura”, frisou. 

O documento, que foi validado na manhã desta terça-feira (23/04) pelo Conseleite, é assinado por Sindilat, Apil, Famurs, Fetag, Emater, Embrapa, Fecoagro, Sistema Farsul, Sistema Ocergs, Gadolando, Associação dos Criadores de Jersey do RS, governo do Estado do RS e Ministério da Agricultura.  O texto também recebeu aprovação das indústrias associadas ao Sindilat em reunião realizada pela tarde na sede do Sindicato.

O Ministério da Agricultura confirmou a reunião no auditório da superintendência, em Porto Alegre, no dia 03 de maio. A ideia é que as empresas associadas ao Sindilat, e entidades acima descritas, possam tirar dúvidas com a área técnica do Ministério da Agricultura para a aplicabilidade das INs 76 e 77. (Assessoria de Imprensa Sindilat)


Crédito: Stéphany Franco
 
 

Entidades debatem sobre a aplicação dos recursos do Fundoleite

Em reunião com o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, Covatti Filho, entidades ligadas ao setor lácteo gaúcho debateram, nesta segunda-feira (22), sobre a finalidade dos recursos captados pelo Fundo de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Leite (Fundoleite). 

Atualmente, o projeto de lei (PL) 287/2017, que altera a forma de distribuição dos recursos, está arquivado. O PL do Fundoleite prevê o desembolso na seguinte proporção: 10% destinado ao custeio administrativo do Instituto Gaúcho do Leite (IGL), 20% para projetos relativos ao desenvolvimento e apoio à cadeia produtiva do leite e 70% para assistência técnica dos produtores de leite.

Segundo o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat), Alexandre Guerra, esta modificação proporciona condições de todas as entidades do setor acessarem os recursos do fundo. "É de suma importância a aplicabilidade de 70%, no mínimo, para a assistência técnica e fomento dos produtores”, ressaltou Guerra, acreditando que sem assistência o produtor não consegue exercer a sua atividade.

Na ocasião, também estavam presentes representantes da Fetag, Farsul, Famurs e Embrapa, além de deputados e associações. Ao final da reunião, Covatti Filho sugeriu que fosse criado um Grupo de Trabalho para estudar a aplicação dos recursos do Fundoleite. “Precisamos entrar em um consenso porque esse fundo é um braço que o produtor precisa”, afirmou o secretário da Agricultura do Estado. (Assessoria de Imprensa Sindilat)
 
Crédito: Stéphany Franco  

Conseleite/PR

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 22 de Abril de 2019 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matériaprima leite realizados em Março de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Abril de 2019, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes. 
 
Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Abril de 2019 é de R$ 2,3765/litro. Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)

 
Uruguai: abate de vacas leiteiras foi o mais alto no 1º trimestre desde 2010
As 20.466 vacas leiteiras abatidas no primeiro trimestre neste ano no Uruguai constituíram um novo recorde para esse período desde que os registros começaram a ser feitos em 2010, de acordo com dados do Instituto Nacional de Carnes. O número representa um salto de 16,5% em relação a janeiro-março de 2018, registrando o terceiro ano consecutivo de crescimento no primeiro trimestre. Os dados de março praticamente não apresentaram variação em relação ao mesmo mês do ano anterior, com 7.097 cabeças contra 7.115 de 2018. Em doze meses, o abate de vacas leiteiras atingiu 82.950 cabeças, 10% a mais do que no mesmo período anterior. O aumento de vacas leiteiras enviadas para frigoríficos no Uruguai ocorre em um cenário de maior abate de bovinos leiteiros em geral. Em março, registrou-se o maior volume enviado para abate desde dezembro de 2017, com 12.264 cabeças. (As informações são do Blasinayasociados.com, traduzidas e resumidas pela Equipe MilkPoint)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *