Pular para o conteúdo

17/08/2018

Porto Alegre, 17 de agosto de 2018                                              Ano 12 - N° 2.802

EUA: exportações de lácteos serão cruciais na próxima década

"Exportar o excedente dos produtos lácteos dos EUA é essencial para os preços do leite", afirmou Marin Bozik a um grupo de 250 produtores de leite e agricultores do Meio-Oeste. Mas ele reconheceu que lidar com as consequências de uma guerra comercial não é fácil. "Quando você vai para uma briga, você sabe que haverá baixas. Nós somos as vítimas. É muito corajoso entrar em uma guerra comercial em um ano eleitoral", continuou.

Bozik, professor associado de economia de marketing de produtos lácteos da Universidade de Minnesota, falou no Dairy Experience Forum, no dia  26 de julho em Bloomington, Minnesota, sobre o comércio de lácteos, questões políticas e oportunidades de demanda. Além de ser diretor associado do Midwest Dairy Foods Research Center, Bozik é um dos oito membros do corpo docente do Programa Nacional de Mercados e Política de Lácteos.

Bozik disse ao público que os concorrentes comerciais dos EUA estão lutando agressivamente por participação de mercado. "Nós não estamos. Estamos renegociando acordos de livre comércio com o México, o Canadá e a Coreia do Sul e travando uma guerra comercial. Nossos concorrentes estão assinando acordos de livre comércio, e nós não". 

Bozik reconheceu que as exportações são arriscadas, porém eles não possuem um programa de gerenciamento de fornecimento de leite, por isso, não há outra alternativa. O economista disse que as exportações são críticas para os preços do leite nos EUA. "Em 2009, estávamos exportando 16% de nosso leite e, até o final de 2009, as exportações caíram para apenas 11% - e todos sabemos o que aconteceu com os preços do leite".

Pelos números
Na última década, as exportações absorveram a maior parte do crescimento da produção de leite dos EUA. De 2007 a 2014, os EUA exportaram 79% do aumento doméstico de lácteos. O que as exportações de produtos lácteos significam para os produtores dos EUA nos próximos 10 anos?

De acordo com Bozik, as exportações de lácteos dos EUA totalizam US$ 5 bilhões por ano, o que representa cerca de 15% da produção de leite dos EUA. "As exportações de lácteos representam uma queda proverbial em comparação com o total das exportações de produtos agrícolas", explicou ele. "As exportações totais agrícolas dos EUA totalizam US$ 161 bilhões por ano. Enquanto as importações agrícolas também estão crescendo, exportamos muito mais produtos do agro do que importamos".  Então, quanto os produtores de leite dos EUA precisam exportar nos próximos 10 anos?

Bozik calcula que existam 9,4 milhões de vacas nos EUA, que permanecem praticamente iguais desde 2000. A vaca média dos EUA produz 23.000 libras (10.400 litros) de leite. Ele projeta que, com vacas produzindo em média 1,2% a mais de leite do que no ano anterior, o rebanho leiteiro dos EUA produzirá 979,75 milhões de quilos a mais de leite este ano do que no ano passado. Em 2016, cada pessoa nos EUA consumiu 250 quilos de equivalentes de leite fluido.

"Não há tendência de aumento no consumo de leite", observou ele. "Enquanto consumimos mais queijo, o consumo de leite fluido está diminuindo. Eu vou assumir que a demanda por leite vai se manter estável nos EUA para a próxima década". Mas as notícias não são todas ruins. Bozik disse que o consumo de gordura está aumentando nos EUA.

"O consumo de gordura do leite foi crescente nos últimos anos", disse ele. "As pessoas estão bebendo leite integral e comendo manteiga e iogurte integral. A pessoa média consome 290 quilos de gordura de leite por ano. Nós realmente não temos que exportar qualquer manteiga. Podemos vender tudo internamente".

No geral, Bozik calcula que os EUA precisarão exportar 6 bilhões de quilos de leite, ou 44% do aumento nacional de lácteos, em cada um dos próximos 10 anos. "É uma quantia considerável", defendeu.

Como resultado, Bozik acredita que haverá muita pressão sobre as fazendas leiteiras de tamanho médio na próxima década. "A lei agrícola de 2018 oferecerá proteção substancial para os produtores de leite que ordenham 300 vacas ou menos", disse ele. "Mas as fazendas de tamanho médio, que possuem entre 500 e 2.000 vacas, estarão sob considerável pressão. Grandes fazendas com 2.000 vacas ou mais ficarão bem devido às vantagens de tamanho e escala". (As informações são do portal American Agriculturist, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint)

Veja como o Brasil aprendeu a produzir mais leite com um rebanho menor

Produção - Mesmo com a redução de animais ordenhados de 12 milhões para 11 milhões na última década, a produção brasileira de leite saltou de 20,567 bilhões de litros em 2006 para 30,114 bilhões no último ano, de acordo com o Censo Agropecuário 2017. De acordo com a pesquisa, conduzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de leite quase dobrou no Rio Grande do Sul, um dos principais estados produtores. O investimento no rebanho foi essencial para essa evolução. Em 2006, os produtores gaúchos declararam produtividade média de 2.500 litros de leite por animal. Onze anos depois, o rendimento quase dobrou, passando para 4.301 litros por vaca. Lideranças do setor acreditam que a demanda da indústria tem papel importante no fomento da produção.

"Dobrar a produção em dez anos é um peso muito forte, tem que ter uma qualidade definida que atenda o mercado, se não nós estaríamos aí com leite sobrando. Eu acho que hoje, se houver uma demanda maior da indústria, o produtor tem condições de atender", afirma o presidente da Comissão de Leite da Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Jorge Rodrigues. Em Estrela, município no vale do Taquari, a produtividade cresceu 62%. Na propriedade onde Anderson Wermeier mantêm um pequeno rebanho de gado holandês, o desempenho duplicou, segundo ele, como resultado do melhoramento genético. O produtor conta que foram descartados muitos animais com baixa produtividade e o dinheiro obtido foi investido em exemplares de melhor genética.

A dieta do rebanho também sofreu alterações. Os animais agora dispõem de pastagem melhorada e também recebem, segundo Wermeier, milho, silagem, farelo de soja, sal mineral, bicarbonato, gordura protegida, calcário calcítico. "Teve animal que aumentou em 30% a produtividade", diz. O médico-veterinário Martin Schmachtenberg, que atua como assistente técnico regional da Emater, lembra que cada vaca tem uma necessidade nutricional própria. Observar essa particularidade, acredita, ajuda a garantir o sucesso da produção leiteira. O veterinário afirma que muitos produtores mal sabem quanto cada uma de suas matrizes está produzindo. "Ali nós podemos ter vaca de 30 litros de leite (por dia), podemos ter vacas de 10 litros de leite. Se nós tratarmos as duas vacas pensando que elas são iguais, provavelmente a de 30 litros não vai dar essa litragem e aquela que está produzindo 10 litros tem tendência a engordar e não vai aumentar (a produção)", afirma Schmachtenberg. Vídeo (Canal Rural)

Com apoio da Faep, Nova Zelândia promoverá evento sobre leite no PR

Leite/PR - A Nova Zelândia lidera com folga o mercado internacional de leite. Em 2017, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), o país movimentou US$ 5,6 bilhões, o equivalente a 20,4% de todo o volume mundial. Mesmo somadas, Alemanha (US$ 3 bilhões) e Holanda (US$ 2,5 bilhão), que ocupam as posições seguintes no ranking mundial, não conseguem alcançar os neozelandeses. A nação da Oceania é uma potência global. É nessa esfera internacional de comercialização que a região Sul do Brasil, maior produtor de leite nacional, quer entrar nos próximos anos. A tendência é natural, já que nos últimos 15 anos os bovinocultores de leite paranaenses mais que dobraram sua produção. E o ritmo de crescimento segue acelerado. A partir desse cenário, a Embaixada da Nova Zelândia no Brasil irá promover um workshop para 150 pessoas em Curitiba, em novembro deste ano. O objetivo é compartilhar com lideranças paranaenses como o país da Oceania conseguiu atingir esse patamar de destaque mundial na cadeia de lácteos. Na programação estarão o embaixador da Nova Zelândia, Chris Langley, e integrantes de empresas de processamento de lácteos do país, além de pesquisadores do setor. A data prevista para o evento é 21 de novembro.

A programação e a data foram definidas em uma reunião promovida na sede da FAEP, em Curitiba, no 15 de agosto. Estiveram presentes no encontro, além de membros da FAEP e da embaixada neozelandesa, representantes da Superintendência Federal de Agricultura (SFA) do Paraná do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), do Sindicato das Indústrias de Leite (Sindileite) do Paraná, Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Sistema Ocepar, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab). Na ocasião, a delegação da Nova Zelândia acompanhou uma apresentação do agronegócio paranaense, realizada pelo Departamento Técnico Econômico (Detec) do Sistema FAEP/SENAR-PR. Após a exposição, o embaixador avaliou que há desafios a serem vencidos pela cadeia, mas enxerga um grande potencial para melhorar a produção, tanto em qualidade quanto em quantidade (confira entrevista do embaixador ao lado).

O presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, Ágide Meneguette, lembrou que o trabalho da entidade nas últimas décadas contribuiu para colocar o Estado em um nível diferenciado na produção brasileira de leite. Isso faz com que a capital nacional do leite, Castro, nos Campos Gerais, esteja no Paraná, além de produtores de nível internacional espalhados em todo o território estadual. "Tenho certeza que esse trabalho de promover um intercâmbio será de grande valor para melhorar ainda mais a qualidade dos produtos lácteos e nos elevar à condição de exportador de lácteos", disse Meneguette. Leia entrevista com o embaixador no Boletim Informativo. (Agronovas) 

Panamá investe em raça leiteira do Brasil
Investimento - Os produtores de leite do Panamá estão investindo na raça brasileira Girolando para melhorar a produção leiteira do país. Por apresentar boa produtividade mesmo em regiões de clima mais quente, como é o caso do Panamá, o Girolando já domina grande parte dos rebanhos panamenhos. O país acaba de sediar o XXIII Congresso Nacional Leiteiro - Produzindo em tempos difíceis, ocorrido nos dias 9 e 10 de agosto, na cidade de David, que contou com palestras técnicas sobre a internacionalização da raça e ferramentas de seleção. "Houve um interesse muito grande dos participantes em relação ao programa de melhoramento genético do Girolando e ao sistema de seleção do Brasil. O Panamá é um mercado com grande potencial e tem importado bastante sêmen de touros Girolando", esclarece o coordenador Operacional do PMGG (Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando), Marcello Cembranelli. Durante o XXIII Congresso Nacional Leiteiro, ele ministrou duas palestras. Na primeira delas, o tema abordado foi sobre o contexto do Girolando no Brasil e a internacionalização da raça. Atualmente, o Girolando é a raça leiteira nacional que mais vende sêmen no Brasil e já conta com um rebanho de animais registrados de quase 1,7 milhão. A Associação Brasileira dos Criadores de Girolando conta com termos de cooperação técnica na área de melhoramento genético com vários países da América Latina. O Panamá em breve assinará o acordo, passando a receber orientação técnica da associação para a seleção do rebanho Girolando. Cembranelli ministrou uma segunda palestra no evento, desta vez o tema foi o uso do controle leiteiro como ferramenta de seleção do rebanho. Os dados coletados pelo serviço de Controle Leiteiro são utilizados na geração das avaliações genéticas dos animais. Segundo dados da Embrapa Gado de Leite, houve um crescente aumento na produção de leite das vacas Girolando nos últimos anos. Enquanto em 2000, a produção era 3.599 kg em até 305 dias no ano (considerando as três primeiras lactações), em 2016, esta produção passou a ser de 5.445 kg no mesmo período, o que representa um incremento de 51,29%, na produção leiteira. Para o coordenador do PMGG, o Panamá já conta com bons exemplares da raça e tem condições de evoluir ainda mais com a adoção de ferramentas de seleção já utilizadas no Brasil. "O Girolando tem muito a contribuir com a pecuária leiteira panamenha, pois é uma raça rústica, bem adaptada aos Trópicos, de menor custo já que não apresenta tantos problemas sanitários como outras raças", diz Cembranelli. O XXIII Congresso Nacional Leiteiro foi promovido pela Associação dos Produtores de Gado Leiteiro do Panamá (Aprogalpa) e teve palestras de especialistas do Chile, Colômbia, Cuba, México e Panamá, além do Brasil. (Compre Rural)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *