Pular para o conteúdo

05/07/2018

 

Porto Alegre, 05 de julho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.771

Projeto de lei que limita importações de leite é aprovado por Comissão

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) aprovou, nesta quarta, dia 4, o Projeto de Lei 9044 de 2017, que obriga a adoção de medidas de restrição às importações de leite in natura, leite em pó e soro do leite em pó. O relator, deputado federal Celso Maldaner (MDB-SC), afirmou que 2017 o Brasil importou 1.257 milhões de litros, um volume menor do que as excepcionais importações de 2016, de 1.845 milhões de litros. 

Entretanto, segundo Maldaner, 2017 registrou a segunda maior compra de lácteos, desde o ano de 2001, com o volume importado equivalente a 5,2% do leite adquirido pelas indústrias naquele ano. O produto mais importado foi o leite em pó (61%), seguido pelos queijos (26%), com maior concentração na Argentina e Uruguai. "Sendo assim, é fundamental a aprovação deste projeto, visando além da proteção do meio ambiente, um equilíbrio do comércio internacional de produtos lácteos" explicou o deputado.

Sobre a lei
A proposta é de autoria do deputado Evair de Melo (PV-ES) e autoriza a Câmara de Comércio Exterior (Camex) a adotar medidas de restrição às importações de bens de origem agropecuária ou florestal produzidos em países que não observem normas e padrões de proteção do meio ambiente, compatíveis com as estabelecidas pela legislação brasileira. O PL tem co-autoria dos deputados Sérgio Souza (PMDB-PR) e Zé Silva (SD-MG).

"A legislação brasileira é complexa e rigorosa no que tange à proteção do meio ambiente. Mas, ao mesmo tempo, reforça que essas mesmas regras submetem os produtores à condições que podem ser desvantajosas frente aos concorrentes estrangeiros, em termos de custo de produção e competitividade brasileiros", defende o deputado Evair. 

Na apresentação do PL, no ano passado, Melo afirmou que as commodities agrícolas têm papel de destaque nas exportações do País, mas, com frequência, o produtor brasileiro fica em condição desigual em relação àqueles que têm seus empreendimentos sediados em países que estabelecem menores exigências. 

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e já foi aprovada pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços e de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; faltando apenas de Constituição e Justiça e de Cidadania. (Canal Rural)   

Quarta edição do Seminário Regional do Leite é realizada em Ronda Alta

Seminário do Leite/RS - Para fomentar e qualificar a cadeia produtiva do leite na região, a Emater/RS-Ascar, a Prefeitura de Ronda Alta e a Câmara Setorial Regional do Leite promoveram, na terça-feira (03/07), a quarta edição do Seminário Regional do Leite. O município de Ronda Alta sediou o evento e recebeu cerca de 300 participantes no Salão do Esporte Clube Brasil, entre produtores, autoridades e lideranças envolvidas no setor dos 42 municípios das regiões Médio Alto Uruguai e Rio da Várzea.

Nesses 42 municípios da região, a atividade leiteira envolve mais de sete mil famílias de agricultores e desempenha importante papel no desenvolvimento econômico e social das famílias rurais. Por essa razão, o objetivo do Seminário foi proporcionar um espaço para discussão de temas relacionados à atividade leiteira, tanto no aspecto técnico, que envolve a produção de alimento e bem-estar animal, quanto em relação à legislação e ao cenário da atividade, no que diz respeito ao preço e à comercialização. A busca de melhores resultados na produção de leite a partir da intensificação de pastagens foi tema do primeiro painel apresentado no Seminário. O assunto foi ministrado pelo pesquisador da Embrapa Trigo de Passo Fundo, Renato Fontaneli, que apresentou possibilidades de forrageiras, variedades consorciadas e exemplos que podem ser alternativas para os produtores nos períodos de vazios, para manter a produção e a oferta de alimento aos animais.

De acordo com Fontanelli, a produção média de leite produzida na região ainda é muito baixa. Segundo ele, é possível alcançar produtividade maior, a partir do planejamento forrageiro, e do manejo adequado de cada variedade, por meio da intensificação do uso das pastagens de forma sustentável. Com Assistência Técnica é possível manter boas pastagens durante o ano todo. Quanto mais forrageiras de boa qualidade na dieta, menor será o custo de produção. Não existe receita, o planejamento varia de propriedade para propriedade, em função dos recursos humanos e materiais, afirmou o pesquisador.

Outra temática que contribuiu com a programação destacou o conforto e o bem-estar animal através da implantação de sombra nos piquetes, manejadas por meio do Sistema Silvipastoril, e os benefícios que geram. Segundo o pesquisador da Embrapa Florestas, Vanderley Porfírio da Silva, alguns aspectos estão relacionados ao bem-estar animal, como a água, alimento, a proteção, o movimento, os tratos sociais saudáveis, piso confortável e o conforto térmico. Considerando apenas um desses aspectos, o conforto térmico, o pesquisador trouxe o Sistema Silvipastoril como uma possibilidade de produção que contribui para o bem-estar dos animais e agrega novas oportunidades ao produtor. O Sistema Silvipastoril é uma opção tecnológica para a produção animal e madeireira. Consiste da combinação intencional de árvores, pastagens e gado, numa mesma área e ao mesmo tempo. O sistema requer menos energia para a manutenção dos animais, não reduz a ingestão diária dos alimentos e tem maior eficiência na conversão de alimentos. Além disso, a produção de madeira proveniente desse sistema gera renda ao produtor e é um mercado com potencial de expansão a ser explorado, comentou Porfirio.

Dois painéis foram apresentados durante a tarde. A médica veterinária da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), Luana D´Avila, tratou sobre o controle da brucelose e tuberculose, destacando o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose, e sobre as vacinas obrigatórias que os produtores devem realizar, entre outros cuidados com essas zoonoses. Na sequência, o zootecnista da CCGL, André Hubert, falou da Instrução Normativa nº62/2011 e a última revisão pela qual passou a IN 62, especialmente das Portarias 38 e 39 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que referem-se ao regulamento técnico de identidade e qualidade do leite cru refrigerado. Por fim, uma explanação coletiva envolvendo representantes da CCGL, da Fetraf, da Coopac e da Emater/RS-Ascar fez referência ao cenário e às perspectivas da cadeia produtiva do leite. Autoridades e lideranças participaram do Seminário Regional do Leite, entre elas o prefeito de Ronda Alta, Miguel Gasparetto, o gerente Regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Clairto Dal Forno, o assistente técnico estadual de Leite, Jaime Ries, o assistente técnico regional de Sistemas de Produção Animal, Valdir Sangaletti, extensionistas rurais da Emater/RS-Ascar dos 42 municípios da região e demais representantes de entidades ligadas à cadeia produtiva do leite. (Emater/RS)

 

Comissão do Congresso aprova parecer de relator da MP do frete

Em menos de cinco minutos, a comissão mista do Congresso que discute a Medida Provisória 832, que estabelece um preço mínimo para frete rodoviário, aprovou ontem o parecer do deputado Osmar Terra (MDB-RS), que é favorável ao tabelamento, mas com modificações. O texto seguirá para votação no plenário da Câmara. Vice-presidente da comissão, o deputado Darcísio Perondi (MDB-RS) aproveitou que a sessão de terça-feira tinha sido apenas suspensa, após um pedido de vista do parecer feito pelo deputado Evandro Gussi (PV-SP), e reabriu a reunião ontem, mesmo com o plenário esvaziado. A aprovação ocorreu rapidamente, sem discussão do texto. A intenção dos parlamentares era tentar votar a MP na Câmara ainda ontem, mas esse cenário era visto como improvável: outras três medidas provisórias tinham preferência na pauta e o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretendia aprovar antes projetos que considera prioritários. A sessão ainda não tinha acabado até o fechamento desta edição, mas o mais provável é que a votação fique para a próxima semana. O prazo preocupa aliados do governo. O Congresso entra em recesso na próxima semana, que já pode ser encurtada, caso o Brasil passe para a semifinal da Copa do Mundo - o jogo seria na terça-feira. A MP ainda precisa passar pelo aval do Senado. 

O Legislativo só retoma os trabalhos em agosto (quando ainda são incertas as votações por causa da eleição) e a tabela tem causado problemas para os fretes. Pela proposta de Terra, a tabela não será um valor mínimo do frete (que, em tese, incorporaria um valor referente ao lucro do caminhoneiro), mas um custo mínimo, que englobaria os gastos como combustível, desgaste do veículo e pedágios. Os valores serão definidos pela ANTT após consulta aos caminhoneiros autônomos, transportadoras e contratantes do serviço a cada seis meses. Quando o óleo diesel tiver variação superior a 10%, a planilha será ajustada. A indústria e o agronegócio, contudo, estão contra esse tabelamento, dizendo que isso fere a livre iniciativa e a lei da oferta e da demanda. Representantes desses setores já entraram com ações judiciais contra a MP e tentam impedir a aprovação pelo Congresso Nacional. Já os caminhoneiros ameaçam uma nova paralisação, se a proposta não for aprovada. (Valor Econômico) 

RS: em Carlos Barbosa, FestiQueijo 2018 apresenta o 4º Concurso Estadual de Queijos
FestiQueijo - Buscando resgatar a riqueza gastronômica, histórica e cultural do Rio Grande do Sul, além de incentivar o consumo de queijo, a Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do RS (Apil/RS) e Associação Gaúcha de Laticinistas (AGL) realizam o 4º Concurso Estadual de Queijos, na cidade de Carlos Barbosa (RS). O evento, agendado para o dia 6 de julho, acontece dentro da programação do FestiQueijo, festival tradicional da serra gaúcha que se estende de 29 de junho até 29 de julho. O FestiQueijo chega a sua 29ª edição como um dos principais eventos gastronômicos do Rio Grande do Sul, trazendo as riquezas produzidas pelas empresas locais. Além do Concurso, acontece também o Curso de Juízes de Queijos. O evento, promovido pela Apil/RS e AGL acontece no Auditório da Tramontina, no centro da cidade. A comissão julgadora será composta, além de especialistas brasileiros, por técnicos internacionais. Farão parte da mesa o coordenador do júri Sergio Borbonet (ex Conaprole, Latu) e Álvaro Urrutia (ex Conaprole), ambos do Uruguai; os argentinos Marcelo Lioi (Ministério da Agricultura da Argentina) e Oscar Piñeyro (ex La Serenissima); vindo do Chile, o consultor internacional Fernando Mayora e o equatoriano Ernesto Toalombo, que é consultor internacional na área de queijos. Representando o Brasil no corpo de jurados, Fábio Scarcelli, presidente da Abiq (Associação Brasileira das Indústrias de Queijo), Luiz Girao, presidente do grupo Betânia Lácteos; Alexandre Leal, Ministério da Agricultura/RS e a Prof. Dra. Neila Richards, da Universidade Federal de Santa Maria. O concurso ainda tem por objetivo continuar incentivando o caminho da integração do setor público e privado, na inovação da avaliação sensorial dos queijos, e desta forma a melhorar continuamente os processos de produção dos mais variados queijos, de variados sabores e formas. Os interessados em participar do concurso, podem entrar em contato com a AGL pelo telefone 54 3227 8645 ou pelo e-mail agl.poa.rs@gmail.com (Página Rural)
 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *