Pular para o conteúdo

23 DE JUNHO DE 2015

         

 


 

Porto Alegre, 23 de junho de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.066

 

  Competitividade em discussão

Começa hoje, no Parque da Accie, em Erechim, o Simpósio do Leite. A programação segue até amanhã. Cerca de 1,2 mil pessoas são aguardadas para o evento, que é promovido pela Associação dos Médicos Veterinários do Alto Uruguai (Amevau). O primeiro dia da programação será dedicado à 4ª Mostra de Trabalhos Científicos e ao 6˚ Fórum Nacional de lácteos, que ocorrem paralelamente. O fórum, que se inicia às 13h30min, irá contar com um debate sobre a competitividade do leite no Brasil.

Amanhã serão abordados estratégias de tratamento a zoonoses e o planejamento da atividade leiteira, entre outros temas. O evento é voltado a produtores, técnicos, estudantes e demais pessoas ligadas à bovinocultura de leite. Inscrições podem ser feitas no local do simpósio. (Correio do Povo)

 
 
FAO diz que Brasil cumpriu metas de combate à fome e, ao final de 2015, subnutrição será de apenas 5% da população 

O Brasil cumpriu todas as metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) no programa de combate à fome no país. De acordo com o documento "O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo" (SOFI), o país possuía no ano 2000, no início do século XXI, 11,2% de sua população subnutrida. Já as projeções para 2015 mudam completamente o quadro: a expectativa é que ao final deste ano esse percentual caia para um índice inferior a 5% da população total, mostrando a redução da fome no país nos últimos 15 anos.

Os dados da FAO estão na edição deste mês do Boletim do Agronegócio Internacional, elaborado pela Superintendência de Relações Internacionais (SRI) da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). De acordo com o documento, um dos motivos da redução no número de pessoas que passam fome no Brasil foi "o aumento da participação das mulheres na força de trabalho", contribuindo para a melhoria da renda das famílias, especialmente no Nordeste brasileiro.

O documento da FAO avalia os progressos ocorridos no combate à fome para cada região do País e no mundo, desde 1990. A conclusão foi que o compromisso de reduzir pela metade o número de pessoas afetadas pela fome foi atingido pela maioria dos países analisados. Assim, é que a fome, sempre segundo o estudo, foi reduzida de forma significativa na Ásia Central, Oriental e no Sudeste Asiático, assim como na América Latina, onde o Brasil foi destaque. (Terra Viva)

 
 
EUA: aumenta consumo de manteiga e diminui o consumo de gordura trans
 
O americano médio consumiu 2,49 quilos de manteiga em 2013. Isso é 22,2% maior do que o consumo de manteiga per capita no começo do século, de acordo com dados do Serviço de Pesquisas Econômicas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (ERA/USDA). O USDA ainda não publicou estimativas de consumo desde 2013, mas esse deve ter permanecido forte. A combinação do crescimento populacional e o aumento do consumo per capita resultou em um aumento anual na demanda doméstica de manteiga de 2,5%, em média, de 2000 a 2013.
O crescimento no consumo acelerou nos últimos anos à medida que a manteiga ganhou popularidade como uma gordura mais natural. Anteriormente vista como uma fonte mais barata e mais saudável de gordura do que a manteiga, a gordura trans, derivada de óleos parcialmente hidrogenados, perdeu popularidade. O Instituto de Medicina dos Estados Unidos descobriu em 2002 que "não há nível saudável de ácidos graxos trans e que as pessoas deveriam comer o mínimo possível desse alimento".
A Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) estima que o consumo de gorduras trans caiu em quase 80% entre 2003 e 2012. Desde 2006, o FDA solicitou que as companhias de alimentos reportassem o teor de gordura trans nos rótulos dos alimentos. Na semana passada, o FDA deu mais um passo, tirando das gorduras trans seu status de "reconhecida como segura de forma geral" e, dando às companhias, três anos para remover os óleos parcialmente hidrogenados dos alimentos.
O consumo per capita de manteiga ficou em seu maior nível em 40 anos. À medida que a indústria de alimentos remove gradativamente os óleos parcialmente hidrogenados e os americanos continuam a evitar a margarina, a demanda por manteiga deverá continuar aumentando. Com a alternativa mais barata fora da mesa, as companhias de alimentos terão menos oportunidades para alterar suas receitas para evitar manteigas e outras gorduras naturais, como canola e óleo de oliva. Isso sugere que a demanda por manteiga será mais inelástica, ou menos provável de declinar à medida que os preços aumentem. O potencial para uma demanda mais forte e menos elasticidade pode significar preços da manteiga maiores do que sua norma histórica.
 
  
Hoje, o Rio Grande do Sul tem o leite mais fiscalizado e de melhor qualidade do país. Esperamos que o consumidor considere isso. Quem quer se consolidar atua com seriedade e não se importa que sejam feitas fiscalizações. (Alexandre Guerra - Presidente SINDILAT/RS - Para Zero Hora)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *