Pular para o conteúdo

08/06/2018

 
 

Porto Alegre, 08 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.752

 

  Melhoram os sinais, confirmando a tendência de alta no preço do leite

De acordo com a CNIEL “a conjuntura atual mostra sinais de melhora em relação à situação dos últimos meses. Uma tendência à alta no preço do leite ao produtor no segundo semestre constintui um cenário realista” explica o Centro Nacional Interprofissional de Economia Leiteiria (CNIEL), em sua análise mensal sobre a conjuntura do momento.

“A produção de leite em grandes bacias exportadoras se mostra menos dinâmica que o previsto. Nos quatro primeiros meses de 2018, a produção chegou a diminuir 1,8% na Nova Zelândia”.

“A Nova zelândia passou por um período de seca intensa que durou de dezembro à metade do mês de fevereiro”, disse Benoît Rouyer, diretor de economia do CNIEL. “Tendo em vista que as condições meteorológicas atrasaram significativamente o crescimento de pastagens, houve um impacto na produção de leite do país”, explicou.

“Na Europa, a captação de leite foi dinâmica até fevereiro, mas, o clima adverso em inúmeras regiões provocou queda importante no crescimento da produção, que ficou limitado a 0,4% no mês de março”.

Leve recuperação do leite em pó desnatado
O habitual pico de captação na França foi bem menos acentuado do que em 2016 e 2017. Entre a segunda quinzena de março e o fim de abril, a coleta de leite foi inferior à observadas nos últimos dois anos. Desde o início de maio a coleta semanal de leite “mantém a mesma queda registrada em 2017”, continua Benoît Rouyer, economista da Cniel.

 
 
“A queda na produção sustenta a tendência de alta no preço da manteiga. No que se refere ao leite em pó desnatado, os níveis de preços continuam atualmente muito baixos, menor do que os valores de intervenção, mas, mostram pequenas recuperações nas últimas semanas”.
 

“O dinamismo da demanda internacional e a venda recente de 66.000 toneladas do leite em pó dos estoques de intervenção nos meses de abril e de maio deverão manter essa tendência de alta moderada nos próximo meses”, resume o especialista.

“Em março de 2018, o preço padrão do leite de vaca convencional era de € 311/1.000 litros”. É preciso lembrar que a pesquisa mensal do leite da Franceagrimer foi alterada recentemente com dados novos, incluindo uma série específica para o leite de vaca convencional. Até agora, a Franceagrimer fornecia a série de dados históricos do preço do leite padrão englobando todos os tipos e qualidades. Mas, o preço do leite convencional se situa €14 abaixo do preço padrão do leite de vaca em geral, o que engloba não somente o leite convencional, mas também o leite orgânico e o leite destinado à fabricação de produtos de Origem Protegida”. (Web-Agri – Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 
 
 
 
FAO: preços dos alimentos registram maior nível desde outubro de 2017

O índice de preços mundiais dos alimentos, medido pela Agência de Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO), subiu 2,2% em maio na comparação com abril e atingiu 176,2 pontos, o maior número desde outubro de 2017. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a elevação é de 1,2%. Conforme a FAO, houve aumento significativo nos preços do lácteos e, em menor intensidade, nos cereais, que não compensaram a redução nos óleos vegetais e no açúcar.

O indicador para lácteos subiu pelo quarto mês consecutivo e ficou em 215,2 pontos, com alta de 5,5% em comparação a abril. Houve elevação nos valores do leite desnatado, queijo e manteiga. Os preços dos cereais tiveram alta média de 2,4%, com o indicador a 172,9 pontos. A FAO explica que a trajetória é ascendente desde começo do ano, com destaque para o trigo, devido à perspectiva de queda na produção mundial. Menor estimativa de colheita de milho no Brasil e Argentina também foram considerados e impulsionaram os valores.

As carnes caíram menos de 1 ponto percentual na comparação mensal, para 169,6 pontos em maio, refletindo o alívio nos preços da carne suína e ovina, enquanto a carne de frango aumentou ligeiramente. “Embora os preços de aves tenham subido, este mercado foi difícil de monitorar nas últimas semanas devido à incerteza em torno da situação no Brasil, o maior exportador de carne de frango do mundo, onde milhões de aves foram abatidas após uma prolongada greve dos caminhoneiros em maio”, diz o texto de divulgação da FAO. Os preços da carne bovina permaneceram estáveis.

Em queda ficaram os indicadores de óleos vegetais e açúcar. O primeiro recuou 2,6% na comparação mensal, para 150,6 pontos, marcando a quarta queda consecutiva. O índice para açúcar chegou a 175,3 pontos, 0,5% menos que em abril, com sexto mês de declínio. (As informações são do jornal Valor Econômico)

Empresas lácteas se juntam na luta contra o lixo plástico na Nova Zelândia

Em um evento em Auckland, Nova Zelândia, 12 empresas locais e internacionais assinaram uma declaração para lidar com o lixo plástico, anunciou a ministra do Meio Ambiente Associada, Eugenie Sage. As empresas, inclusive a Danone e outras com interesses lácteos, como PepsiCo, The Coca-Cola, Unilever e Nestlé, escolheram o Dia Mundial do Meio Ambiente, com o tema “Beat Plastic Pollution”.  Elas se comprometerem a usar 100% de embalagens reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis em suas operações na Nova Zelândia até 2025 ou antes.

Algumas empresas com sede na Nova Zelândia que assinaram a Declaração de Embalagens Plásticas da Nova Zelândia são: Foodstuffs, Countdown, New Zealand Post e Frucor Suntory. Outras empresas incluem as multinacionais Amcor, L'Oréal e Mars, que ao assinarem a declaração da Nova Zelândia, reafirmaram uma promessa feita no início deste ano como parte da iniciativa da Nova Economia de Plásticos da Fundação Ellen MacArthur. "Essas empresas estão prometendo fazer a sua parte para conter a maré de resíduos de plástico e poluição devido ao material", disse Sage.

Economia circular
Outras empresas podem se inscrever entrando em contato com o Ministério do Meio Ambiente. Elas devem demonstrar que podem relatar o progresso anualmente. “Precisamos de ação agora. Os cientistas estimam que existam mais de 150 milhões de toneladas de plástico no oceano”, acrescentou Sage.

Sage também anunciou NZ$ 2,7 milhões (US$ 1,9 milhão) em financiamento para a organização local Sustainable Coastlines a fim de desenvolver um programa de educação e banco de dados nacional de lixo. O programa treinará "cientistas cidadãos" em todo o país para inserir seus próprios dados usando uma metodologia padrão. Os educadores serão treinados em todo o país com recursos e ferramentas de avaliação para oferecer uma educação eficaz que reduza o lixo.
Em 07/06/18 – 1 Dólar Neozelandês = US$   0,70258                         
1,42333  Dólar Neozelandês = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)
(As informações são do Dairy Reporter, resumidas e traduzidas pela Equipe MilkPoint)

 
 
Com alta da gasolina e da conta de luz, inflação acelera para 0,40% em maio

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou maio com alta de 0,40%, ante um avanço de 0,22% em abril, informou nesta sexta-feira, 8, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Alta de preços no mês foi impactada principalmente por reajustes na energia elétrica, gasolina e óleo diesel. 

A taxa acumulada pela inflação no ano foi de 1,33%, o menor nível para os 4 primeiros meses do ano desde a implantação do Plano Real, em 1994. Em 12 meses, o IPCA acumulou alta de 2,86%, dentro das projeções dos analistas, que iam de 2,64% a 3,10%, e novamente acima da mediana (2,75%).

Os principais impactos no mês, segundo o IBGE, foram os reajustes na energia elétrica, gasolina e óleo diesel. No caso da energia elétrica, a alta foi de 3,53%, após a entrada em vigência da bandeira amarela e os reajustes em sete capitais, chegando a 18,53% em Belo Horizonte e a 16,95% em Salvador.

Os maiores impactos individuais foram registrados na gasolina (alta de 3,34%) e nas passagens (-14,71%). O óleo diesel apresentou alta de 6,16% e, junto com a gasolina, reflete os aumentos de preços na refinaria. Entretanto, com a greve dos caminhoneiros e o desconto de 10% no preço do diesel a partir do dia 24 de maio, o último período da coleta registrou preços menores. O etanol manteve a queda de abril (-2,73%), com os preços em média 2,80% mais baratos.

O grupo Habitação apresentou a maior variação dentre os grupos de produtos e serviços pesquisados (0,83%) e deu a maior contribuição (0,13 p.p.) para o IPCA. O destaque foi a energia elétrica que, após a alta de 0,99% registrada em abril, subiu 3,53% em maio, correspondendo a 0,12 p.p. no índice do mês. Desde 1º de maio vigora a bandeira tarifária amarela, adicionando a cobrança de R$0,01 a cada kwh consumido. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)

 
 

Israel tem a maior produtividade do mundo
No terceiro episódio da série Conexão Israel, você vai conhecer os segredos do país que tem a maior produtividade de leite do mundo. Aqui no Brasil, empresas líderes na produção leiteira estão atentas às tecnologias praticadas por lá e interessadas em colocar em prática o que há de mais moderno no mercado. CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo. (Canal Rural)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *