Pular para o conteúdo

18/04/2017

 

Porto Alegre, 18 de abril de 2017.                                               Ano 11- N° 2.482

 

  Preço do leite tem leve recuperação

O valor de referência do leite indica leve elevação para este mês de abril. Segundo dados divulgados pelo Conseleite em reunião nesta terça-feira (18/4), na sede da Fecoagro, em Porto Alegre, o litro está previsto em R$ 1,0411, 0,76% acima do resultado final de março (R$ 1,0332). Segundo o presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, isso indica estabilidade dos preços no Rio Grande Sul. "Os números mostram que o valor médio dos produtos está cima do obtido em 2016, mas o mercado trabalha com um cenário de estabilidade", pontuou o dirigente, que também é presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat/RS).

Ele indicou que já há sinais de melhora no consumo das famílias em relação aos primeiros meses ano, o que permite sinalizar manutenção do leite em patamares mais elevados. Além disso, o cenário evidencia a tradicional redução de produção na estressafra, uma vez que abril é a época de menor captação do ano. Guerra ainda argumentou que algumas empresas de fora do Rio Grande do Sul têm vindo buscar leite no Estado e acabam pagando mais pelo litro para abrir mercado.

Durante reunião, as lideranças do setor laticinista ainda criticaram a elevação das importações de produtos lácteos pelo Brasil. Guerra pontuou que, apesar de o setor pleitear freio para as aquisições de leite por parte do governo federal, é preciso ser mais competitivo. "Há a questão do Custo-Brasil, mas as empresas brasileiras precisam ser mais eficientes", argumentou, lembrando que a questão cambial também vem favorecendo as importações. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
 
Foto: Carolina Jardine
 
 
Conseleite/PR

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 18 de Abril de 2017 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Março de 2017 e a projeção dos valores de referência para o mês de Abril 2017, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada "Leite Padrão", se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 400 mil células somáticas /ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Abril de 2017 é de R$ 2,3485/litro. Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)
 
 
Sindilat pedirá ao Mapa esclarecimentos sobre o novo Riispoa

O novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa) foi um dos temas da reunião dos associados ao Sindilat, realizada na tarde desta terça-feira (18/4), em Porto Alegre. A ideia é agendar uma reunião com técnicos do Ministério da Agricultura (Mapa) para sanar as principais dúvidas dos laticínios.

"Estamos chamando o Mapa para uma reunião específica para tratar do novo Riispoa, onde poderemos esclarecer pontos controversos e fazer o entendimento das novas regras", comenta o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra.

Para o vice-presidente da entidade, Guilherme Portella, a nova legislação trouxe modificações importantes para o setor lácteo. Uma das mudanças é que não há mais a padronização do tamanho, formato e peso dos queijos, regra que permite à indústria inovar mais. O dirigente também destacou a regionalização dos padrões do leite produzido em diferentes locais, que permitirá ao Rio Grande do Sul fazer estudo que poderá demonstrar que a variação dos parâmetros ocorre devido à mudança de clima e pastagem, por exemplo.

A temperatura de conservação do leite cru, que reduziu de 5 para 4 graus no trajeto do posto de resfriamento até a indústria, é uma das alterações apresentadas pelo novo Riispoa. 
 
Senai apresenta Programa Brasil Mais Produtivo
Durante a reunião dos associados, representantes do Instituto de Tecnologia Senai - Alimentos e Bebidas apresentaram algumas iniciativas, entre elas o Programa Brasil Mais Produtivo, que tem como objetivo contribuir para que as indústrias se desenvolvam por meio de consultoria. As ações incluem avaliação dos desperdícios e dos estoques, estudo dos gargalos, balanceamento da produção, otimização dos recursos e uso racional da mão de obra. 

"O objetivo é ter aumento de pelo menos 20% na produtividade por meio de ações que não demandam investimentos em infraestrutura", relata Lisiane Rodrigues, consultora do Programa Brasil Mais Produtivo. O projeto é uma iniciativa do governo federal. O diagnóstico dos processos da empresa é feito gratuitamente pelo Senai.

O PAS Leite - Programa Alimento Seguro também foi abordado durante a apresentação. Desde 2014, o Senai já formou 2427 transportadores e 174 técnicos multiplicadores de boas práticas nas indústrias. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
 
 
Sindilat participa de fórum sobre relações do trabalho na Fiergs

Considerada uma das principais pautas que tramitam no Legislativo, a Reforma Trabalhista foi tema do 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, na manhã desta segunda-feira (17/04), na Fiergs, em Porto Alegre. Para os representantes das indústrias, as mudanças previstas pelo Projeto de Lei (PL) 6.787/2016 deverão ter impacto direto no planejamento das empresas brasileiras. O presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, que esteve presente no debate, acredita que a reforma irá assegurar garantias às indústrias, sem tirar os direitos dos trabalhadores. "A reforma irá ampliar a segurança jurídica das empresas", opina.

Na ocasião, também foi discutido que, para aprimorar a competitividade e aumentar as vagas de emprego, é necessário que as empresas debatam as necessidades de cada setor com o Legislativo. Durante o fórum, os presidentes das Federações das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), de Santa Catarina (Fiesc) e do Paraná (Fiep) assinaram documento para reforçar a posição dos empresários a respeito do que está sendo proposto pelo governo como reforma de leis trabalhistas. A Carta de Porto Alegre foi entregue pessoalmente ao presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. No texto, está descrita como urgente "a modernização das leis e regramentos que impedem a manutenção e a geração de empregos formais na economia nacional". 

O 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho reuniu juízes do trabalho, senadores, deputados federais e empresários para debater as mudanças nas relações de trabalho previstas pela Reforma Trabalhista. (Assessoria de Imprensa Sindilat, com informações da Fiergs)

 
 
Fotos: Dudu Leal 
 
 
Leilão GDT: preços internacionais apresentam aumento

O segundo leilão GDT de abril, divulgado nessa terça-feira (18/04), apresentou novo movimento de alta. O preço médio dos lácteos fechou em US$3.139/tonelada, valor 3,1% superior em comparação ao anterior.

Dentre os principais produtos comercializados, todos apresentaram alta. Para o preço do leite em pó integral, a alta foi de 3,5%, com média de US$2.998/tonelada. Já para o leite em pó desnatado, que ficou relativamente estável no último leilão, o aumento observado foi de 7,1%, chegando a US$2.044/tonelada. 

A manteiga e o queijo cheddar também acompanharam o movimento de alta, com variações positivas de 2,9% e 6%, respectivamente, fechando a US$4.892/tonelada e US$3.462/tonelada. As cotações futuras do leite em pó integral indicam que a tendência de alta deve permanecer até setembro de 2017. (Milkpoint/GDT)

 

 
Custos de produção 
Em fevereiro, os custos de produção da pecuária leiteira caíram, seguindo o movimento de desvalorização do concentrado. Já o preço do leite pago ao produtor, que acumulava cinco meses de queda após o recorde alcançado em agosto/16, teve sua primeira recuperação no ano.  Como resultado, o poder de compra do pecuarista aumentou. O custo operacional efetivo (COE), que considera os gastos correntes da propriedade na "média Brasil" (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP), caiu 0,43% e o custo operacional total (COT), que engloba pró-labore e depreciações, 0,36% em fevereiro, em relação ao mês anterior. A pressão nos custos veio principalmente do grupo de concentrados, que se desvalorizou 0,9% de janeiro para fevereiro, refletindo especialmente a baixa do milho. A queda só não foi maior devido à valorização do grupo de forrageiras anuais (insumos + mão de obra contratada), de 1,7%, e dos materiais de ordenha, de 1,3%. (Cepea)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *