Pular para o conteúdo

11/09/2015

 

 


 

Porto Alegre, 11 de setembro de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.104

 

  FAO: preço dos alimentos tem maior queda desde 2008

 
O Índice de Preços dos Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) ficou em média em 155,7 pontos em agosto, 8,5 pontos (5,2%) a menos que em julho e a maior queda mensal desde dezembro de 2008. Além das amplas ofertas, uma série de outros fatores contribuiu para a queda, incluindo a crise nos preços da energia e as preocupações com a desaceleração econômica da China e suas consequências negativas na economia global e nos mercados financeiros. O declínio afetou todos os itens avaliados pelo índice, exceto carnes, que permaneceram com os preços estáveis de forma geral.
 
 
O Índice de Preços dos Lácteos ficou em média em 135,5 pontos em agosto, 13,6 pontos (9,1%) a menos que em julho. Como nos três meses anteriores, os leites em pó foram os mais afetados, apesar de os preços do queijo e da manteiga também terem caído substancialmente. A demanda de importação limitada da China, Oriente Próximo e Norte da África continuaram a pesar sobre os mercados internacionais de lácteos, especialmente à medida que as disponibilidades de produtos para exportação permaneceram geralmente amplas. À medida que a produção estacional de leite muda do hemisfério norte ao sul, a atenção está sendo direcionada aos desenvolvimentos do ano produtivo recém iniciado na Oceania. (As informações são da FAO)

 
 
 
Fórum Tecnológico debate produção em Teutônia

No Dia Estadual do Leite, Teutônia será palco do 9º Fórum Tecnológico do Leite. O evento, que ocorrerá no auditório central do Colégio Teutônia na quarta-feira (16/9), às 19h, debaterá os "Possíveis Cenários na Produção Leiteira" e contará com a presença do presidente do Sindilat, Alexandre Guerra. Segundo o coordenador do 9º Fórum Tecnológico do Leite, Márcio Mügge, o objetivo é mostrar o que está sendo feito no Rio Grande do Sul para garantir a qualidade da produção. "Esperamos a presença de mais de 300 pessoas, entre elas estudantes, professores produtores" enfatiza. Também devem participa do evento representantes da Cooperativa Languiru, da Secretaria do Desenvolvimento Rural e Cooperativismo do RS (SDR), da Secretaria da Agricultura e Pecuária do RS (SEAPA), IGL e AGL. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
Linha Zero Lactose Santa Clara mais completa
 
A Santa Clara conta com novidades para os intolerantes à lactose.  A Linha Zero Lactose agora conta com Doce de Leite e Nata, sem lactose, mas cheio de sabor para quem não quer abrir mão dos benefícios dos laticínios.
Em potes de 400g, o Doce de Leite 0% Lactose mantém o sabor e a cremosidade do doce de leite tradicional, em versão especial para quem não pode consumir lactose. Já a Nata 0% Lactose vem em versão de 200g, também mantendo o sabor e cremosidade do produto original. O Doce de Leite a Nata 0% Lactose são perfeitos para o café da manhã ou lanche e para utilizar nas mais diversas receitas.
 
Os novos produtos complementam a Linha 0% Lactose, que conta com os queijos Minas Frescal e Mussarela e Leite 0% Lactose. O Doce de Leite 0% Lactose já pode ser encontrado nos mercados da região Sul e a Nata 0% Lactose poderá ser encontrada nos próximos dias.
 
O leite e os produtos lácteos são fontes importantes de muitos nutrientes, como proteínas, cálcio e riboflavina e a má digestão da lactose é um conhecido fator de risco para a fragilidade dos ossos, o que pode eventualmente levar à osteoporose. (Assessoria de Imprensa Santa Clara)
 
 
Custos industriais crescem 3,2% no segundo trimestre
 
O indicador de custos industriais aumentou 3,2% no segundo trimestre deste ano na comparação com os primeiros três meses do ano, na série livre de influências sazonais. A pesquisa foi divulgada nesta quinta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a qual destaca que a alta é superior ao aumento dos preços dos produtos industriais, o que reduziu o lucro das empresas. Esse aumento dos custos industriais foi influenciado pela elevação de 4% nos custos de produção no mesmo período.
 
De acordo com a pesquisa, os componentes dos custos de produção que mais aumentaram no trimestre foram a energia, que teve alta de 12,4%, e os insumos importados, com elevação de 9,1%, causada pela valorização do dólar frente ao real. "O custo com bens intermediários nacionais registrou aumento de 3,2%, o maior desde o terceiro trimestre de 2013", destaca a CNI.
 
Além disso, os custos com pessoal subiram 2,2%; o custo tributário teve aumento de 0,4% e com capital de giro a alta foi de 2,6% no mesmo período de comparação. Se comparados com o segundo trimestre do ano passado, os custos industriais registraram crescimento de 7%. No mesmo período, a alta dos custos de produção foi de 9,3%. De acordo com a pesquisa, o custo com bens intermediários importados, que teve aumento de 32,3%, especialmente por causa da valorização do dólar frente ao real, foi o componente que mais influenciou o aumento do custo de produção. Além disso, o custo com energia subiu 49,4% na mesma base de comparação. Esse aumento, segundo a pesquisa, foi resultado da expansão de 58% no custo com energia elétrica e de 2,6% no custo com óleo combustível.
 
Com relação ao custo com pessoal, a entidade ressalta que, apesar das demissões que ocorreram como consequência da crise econômica, o componente continuou crescendo: 8,8% em relação ao segundo trimestre do ano passado.
 
A CNI destaca que a valorização do dólar melhorou a competitividade dos produtos brasileiros. No mercado interno, os preços dos manufaturados importados em reais aumentou 7,8% no segundo trimestre deste ano, mais do que a elevação de 3,2% nos custos da produção nacional. (Jornal do comércio)
 
 
Reino Unido: pesquisa aponta que o leite pode ter benefícios positivos para os sistemas metabólico e cardiovascular
 
O leite pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares e reduzir a pressão sanguínea, de acordo com o estudo chamado "Impacto do Consumo de Bebidas na Saúde Metabólica e Cardiovascular", realizado por professores da Escola de Ciências da Vida da Faculdade de Medicina da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.
 
Os pesquisadores avaliaram o efeito do leite, bem como de outras bebidas, como chá, cacau, suco de laranja, bebidas alcoólicas e bebidas com açúcar. A equipe, que avaliou vários estudos referentes ao leite e outras bebidas, descobriu que o leite está associado com um menor risco de doenças cardiovasculares, especialmente as relacionadas à pressão sanguínea. Certos tripeptídeos do leite também podem assistir na redução da ação da angiotensina, mostraram os autores.
 
A pesquisa avaliou muitos estudos que pesquisaram o que o leite faz como um todo para a saúde, enquanto outros avaliaram peptídeos isolados e tripeptídeos do leite e pesquisaram quais efeitos eles tiveram. Os estudos avaliados nessa pesquisa descobriram que:
 
- O maior consumo de leite está associado com menor pressão sanguínea, com estudos controlados aleatórios mostrando redução da pressão sanguínea com tripeptídeos do leite.
 
- O leite pode reduzir a pressão sistólica sanguínea naqueles que são pré-hipertensivos ou hipertensivos em 4,0.
 
- O maior consumo de leite foi associado com uma queda de 13% na pressão sanguínea.
 
- O leite esteve associado com menor risco de doença cardíaca isquêmica.
 
"Com relação aos possíveis mecanismos, sugeriu-se que cálcio, potássio e magnésio, que são conhecidos por serem requeridos para o controle da pressão sanguínea, são fornecidos em um equilíbrio único no leite. O consumo desses minerais no leite pode ser uma forma mais eficaz de reduzir a pressão sanguínea do que quando são dados na forma de suplementos". Os pesquisadores notaram que todos os estudos usados eram do Japão e da Finlândia, de forma que não se sabe se os mesmos efeitos ocorreriam em todas as culturas.
 
O vice-presidente de pesquisa em nutrição do Conselho Nacional de Lácteos dos Estados Unidos, Mickey Rubin, disse que a informação desse estudo certamente está de acordo com um crescente número de pesquisas sobre o leite. "O Guia Dietético para Americanos de 2010 notou que evidências moderadas indicam que o consumo de leite e produtos derivados está associado com menor risco de doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2 e com menor pressão sanguínea em adultos. As pesquisas publicadas desde a divulgação desse guia de 2010 estão consistentes com as evidências de que os alimentos lácteos estão associados com a saúde dos ossos, menor pressão sanguínea em adultos e menor risco de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, incluindo doenças cardíacas".
 
Apesar de isso apontar para algumas excelentes conclusões sobre o consumo de leite, os autores disseram que é necessário fazer mais trabalhos para avaliar se a ausência de benefícios nos produtos lácteos integrais é devido ao teor de gordura ou à falta de absorção de minerais, como cálcio e magnésio. "Estudos sobre o impacto do teor de gordura do leite e a demonstração de que qualquer efeito benéfico é independente do teor de gordura são essenciais".
 
Os consumidores americanos estão bebendo menos leite do que nunca. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) reportou que entre 1977-78 e 2007-09, a porcentagem de adolescentes e adultos americanos que não bebiam leite fluido em um dado dia aumentou de 41% para 54%. O número de pessoas que bebiam leite três ou mais vezes por dia caiu de 13% para 4%. (A reportagem é do Dairy Reporter, traduzida pela Equipe MilkPoint)

 

Queda no preço do leite spot indica mudança de cenário no mercado do leite
No mercado spot, ou seja, o leite comercializado entre as indústrias, os preços estão em queda desde a segunda quinzena de junho. Cabe destacar que na segunda quinzena de agosto as quedas foram mais comedidas, em relação à primeira metade do mês, mas reforçam o cenário de virada de preços (queda) em curto prazo.
Os preços médios recuaram 0,3% em São Paulo, 0,4% em Minas e ficaram estáveis em Goiás, na comparação quinzenal.
Segundo levantamento da Scot Consultoria, em Minas Gerais, o preço médio ficou em R$1,141 por litro no fechamento de agosto. Em São Paulo, os negócios ocorreram, em média, em R$1,187 por litro, posto na indústria.
Para setembro, a expectativa é de manutenção a queda nos preços do leite no mercado spot. (Scot Consultoria)

 

 

    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *