Pular para o conteúdo

13/08/2015

         

 

Porto Alegre, 13 de agosto de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.084

 

   Indicadores de preços do leite e custos de produção do IFCN
 
Dados do IFCN - International Farm Comparison Network

O Índice IFCN do preço do leite no mês de julho ficou em US$ 23,2/100 kg, nível só verificando em 2009, e menos da metade do valor obtido em fevereiro de 2014, US$ 56,00/100kg, quando as commodities lácteas obtiveram cotações recordes.

O preço dos insumos para ração, por outro lado, fechou com aumento, US$ 24,40/100 kg. Embora tenha variado dentro da faixa de valor verificada nos últimos doze meses, mostra tendência de alta.

E por apresentaram movimentos opostos, a relação entre os Índices IFCN do preço do leite/custo da ração, no mês de julho, ficou abaixo de 1, indicando, que a produção do leite entrou no vermelho. Isso ocorreu entre janeiro de julho de 2009, e retornou por três meses entre julho e setembro de 2012.

Levando em consideração que as projeções para recuperação das cotações das commodities lácteas só deverá ocorrer no início do ano que vem, e que os preços do farelo de soja e do milho encontram-se em níveis, historicamente baixos, e que devem oscilar nessa faixa de preço até o final de 2015, é de se esperar, que os produtores de leite estarão trabalhando no vermelho nesse segundo semestre.

A consequência a médio prazo, dessa volatilidade extrema, onde a atividade deixa de ser remunerada, será a queda na produção. Não deverá ocorrer em todas as regiões, simultaneamente, mas ela já está desestabilizando o setor lácteo da Nova Zelândia, e outros países que produzem para exportação, como Uruguai e Argentina.


 
O Índice IFCN dos preços do leite, é uma combinação dos preços médios de uma cesta de commodities lácteas negociadas no mercado mundial.

O indicador de preços do IFCN sinaliza o nível de preços do mercado mundial do leite. Representa o quanto uma indústria poderia, teoricamente, remunerar seus produtores, se seus produtos forem vendidos no mercado nas cotações vigentes no período. Existe uma ampla faixa entre o indicador IFCN e indicadores de preços mundiais elaborados por analistas do setor lácteo, demonstrando o stress econômico da atividade, quando o principal produto é negociado no limite inferior do intervalo.

O indicador IFCN é elaborado da seguinte forma: 1 - Leite em pó desnatado & Manteiga (35%); 2 - Queijos e Soros de leite (45%); e 3 - Leite em pó integral (20%).

O Índice IFCN dos custos da alimentação representa o nível dos preços no mercado mundial de insumos para ração, farelo de soja e milho.

A relação entre o preço do leite e a cotação da ração, indica a lucratividade. De uma forma simplificada, mostra quantos quilos de ração o produtor pode comprar com a venda de um quilo de leite. Uma relação leite/ração maior que 1,5 é considerada favorável. Se o aumento da produção se dá via utilização de concentrados, e a razão continua subindo, o sistema é recomendável.

Por outro lado, se a razão for caindo em direção a 1, ou menos, o concentrado pode significar aumento do prejuízo. (Terraviva)
 
Indústria pede grupo para debater balança comercial do setor lácteo
 

(Foto: Carlos Silva/MAPA)

Reunidos com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, por mais de uma hora na tarde desta quarta-feira (12/8), representantes do setor lácteo cobraram políticas públicas que ajudem o setor a estabilizar o déficit da balança comercial. Durante o encontro, agendado pelo deputado federal Alceu Moreira, o Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) sugeriu a criação de um grupo de trabalho para debater as distorções de mercado que vêm reduzindo as exportações e elevando as importações de produtos lácteos. Durante o encontro, Kátia Abreu ainda anunciou a habilitação da planta da Dália Alimentos, de Arroio do Meio, para exportação para a Rússia.

"A ministra foi bastante receptiva aos pleitos e mostrou disposição em auxiliar o setor", pontuou o 1º vice-presidente do Sindilat, Guilherme Portella, ao sair do encontro, que contou com representantes nacional da cadeia produtiva. A intenção é que o governo federal possa adotar alguma ferramenta que equipare o preço dos produtos que ingressam no Brasil ao valor padrão auditados pelo Conseleite/RS. Um exemplo preocupante é o leite em pó. Enquanto o quilo do produto nacional apurado pelo Conselho é de R$ 11,10 o quilo, o similar importado chega ao mercado brasileiro por R$ 6,09, uma diferença de R$ 5,01 por quilo.

No entanto, a maior preocupação dos laticínios é fomentar as exportações. Para isso é preciso apoio do governo para que as empresas brasileiras tornem-se competitivas no mercado externo. Apenas no Rio Grande do Sul há mais de 105 mil famílias de produtores de leite (1,05 milhão no país).

Dados recentes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior mostram que o Brasil importou 51,65 milhões de quilos de leite em pó (integral e desnatado) nos primeiros sete meses de 2015, contra 27,47 milhões de quilos no mesmo período do ano anterior (aumento de 88,02%, representando 24,18 milhões de quilos).

Já as exportações de leite em pó do Brasil para o mercado externo foram bem menores e decrescentes. Nos primeiros sete meses de 2015, o país exportou 17,37 milhões de quilos, contra 23,33 milhões de quilos no mesmo período do ano anterior (queda de 25,55%, equivalendo a 5,96 milhões de quilos). (Assessoria de Imprensa Sindilat)

Produtores do Alto Jacuí discutem desafios do setor lácteo

Mais de 200 produtores, técnicos e autoridades da região do Alto Jacuí, no interior gaúcho, discutiram nesta quinta-feira (13/08) os desafios do setor lácteo no Rio Grande do Sul. No evento, que foi promovido pela Cooperativa Tritícola de Espumoso (Cotriel) e ocorreu no município de Campos Borges, o público acompanhou a apresentação do presidente do Sindicato da Indústria dos Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Alexandre Guerra, sobre as perspectivas do segmento neste segundo semestre do ano no Estado.  

Guerra também demonstrou preocupação com o projeto de Lei do governo do Estado (PL 214), que irá impactar diretamente as indústrias e produtores gaúchos. Isso porque, se aprovado, representará redução de 30% nos créditos presumidos de ICMS. Na prática, avalia Guerra, a medida compromete a competitividade das empresas gaúchas, além de ser um desestímulo à produção. Em função do regime de urgência, a proposta deverá ser votada até o dia 8 de setembro na Assembleia Legislativa.

Durante sua palestra, Guerra ressaltou a importância do papel do produtor diante do atual contexto do setor, em especial, no que se refere à qualidade do leite e à prática de medidas e procedimentos que garantam competitividade no panorama internacional.  (Assessoria de Imprensa Sindilat)

Desvalorização da moeda chinesa pode causar mais problemas ao mercado lácteo internacional

Nessa semana, o Banco Central chinês surpreendeu os mercados do mundo todo ao desvalorizar a moeda chinesa, o Yuan, em 3,5% frente ao dólar em apenas dois dias. A China pratica um regime de câmbio relativamente estável e tal movimento reflete uma perspectiva de mudança nos níveis de equilíbrio de preços de diversos produtos na economia mundial.

Enfraquecimento da Economia chinesa

O governo da China divulgou recentemente que as exportações de julho foram 8,3% menores que as do mesmo período em 2014. Além disso, vem tendo uma desaceleração nas suas taxas de crescimento do PIB: segundo dados do Banco Mundial, até 2014, a média anual de crescimento chinês foi de 9,8% ao ano, para 2015, as projeções giram em torno de 7%. Ainda é muito quando comparado ao resto da economia global, mas é uma retração expressiva nas taxas de crescimento. 

A atuação do BC chinês visa trazer maior competitividade à indústria local para aumentar as exportações. Com um Yuan desvalorizado, o custo dos produtos chineses fica mais barato. Por outro lado, os produtos importados ficam relativamente mais caros, o que deve afetar a demanda da China por diversas commodities. Apesar dessa mudança de 3,5% não ser tão expressiva, é preciso ver até onde vai tal movimento de desvalorização do Yuan e, também, como irão reagir os Bancos Centrais de diversos países.

Mercado lácteo também deve ser afetado

A partir da metade dos anos 2000, a China apresentou protagonismo no mercado de lácteos, tornando-se o maior importador de leite em pó do mundo. O gráfico abaixo apresenta o crescimento da importância chinesa no mercado internacional de leite em pó, com o país saltando de pouco mais de 15% das importações de leite em pó integral em 2007 para mais de 60% em 2014.

No entanto, a partir da metade de 2014, a demanda chinesa por lácteos vem desacelerando expressivamente, o que já gerou enormes quedas no mercado, com o leite em pó integral comercializado no leilão Global Dairy Trade caindo de mais de US$5.000/ton para US$1.580/ton no último leilão, realizado no início de agosto.

Gráfico 1 - Preços de leite em pó integral no Leilão GDT (US$/ton)

 

Com o movimento do BC Chinês, as importações podem continuar a retroceder, fazendo com que o movimento de queda nos preços internacionais de lácteos persista. (Equipe MilkPoint)

 
Leite: Menor demanda e aumento da oferta derruba os preços no mercado internacional
O mercado mundial de leite, vem enfrentando algumas questões que influenciam significativamente seus preços. Os destaques foram a diminuição das compras chinesas no fim do ano, devido aos altos estoques desse país, e a proibição da Rússia da entrada de produtos lácteos de países da União Europeia, EUA e Austrália.
Somado a isso teve-se um aumento da produção em tradicionais países produtores de leite, o que levaram a um excedente de produtos no mercado internacional e a um elevado volume disponível para exportação. Assim, segundo a FAO, os preços internacionais dos produtos lácteos devem permanecer em patamares historicamente baixos. Esse cenário também afeta o setor lácteo brasileiro e mato-grossense, com mais um agravante, que é a queda na demanda interna. Assim, um olhar mais atento para a produção dentro da porteira é essencial para os produtores conseguirem passar por este momento crítico da atividade. (Fonte: Imea)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *