Pular para o conteúdo

21/07/2015

         

 

Porto Alegre, 21 de julho de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.086

 

 Preço de referência do leite padrão se mantém estável em julho
Conseleite alerta que chuva deverá prejudicar produção e aumentar custo no próximo mês
 
A projeção do preço de referência do leite padrão em julho ficou em R$ 0,8602, uma retração de - 0,30% em relação ao mês anterior. O valor foi divulgado na reunião mensal do Conseleite/RS (Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado do RS), realizada nesta terça-feira (dia 21), na sede do Sindilat/RS em Porto Alegre, conforme estudo apresentado pela Universidade de Passo Fundo (UPF).  O encontro, com representantes de entidades do setor, apontou para o aumento do custo de produção no próximo mês, consequência das chuvas registradas no Estado nas últimas semanas. 
 Em junho, o preço de referência foi de R$ 0,8628, contra a projeção que fora feita anteriormente, de R$ 0,8588, o que representou uma diferença final de R$ 0,0040. Nos últimos três meses (maio, junho e julho) os preços de referência do leite padrão apresentaram uma elevação de 3,40%, levando em conta que o valor de julho é projetado.
 O presidente do Conseleite, Jorge Rodrigues, alerta que o preço tem se mantido estável nos últimos dois meses, mas as chuvas registradas nas últimas semanas devem prejudicar a produção e aumentar o custo no próximo mês. "Já estamos verificando uma redução de 8% a 10%, reflexo dos temporais dos últimos dias. Para continuar produzindo. Assim, precisamos compensar no custo", alerta o dirigente. 
O presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, também aponta para uma queda no volume de produção em função das grandes precipitações. "A chuva prejudica as pastagens, a alimentação do gado, o que não permitirá que tenhamos um crescimento da produção como em anos anteriores", observa Guerra.  
O Conseleite reúne representantes da indústria láctea e produtores para estabelecer mensalmente o preço de referência leite padrão pago ao produtor. Esse sistema de valoração do produto, baseado em estudo técnico da Universidade Federal de Passo Fundo (UPF), premia, com melhor remuneração, a qualidade e a produtividade oferecida pelos produtores, que recebem da indústria valores com variação de 10% como preço mínimo e 15% para bonificação de leite acima do padrão. (.DOC Assessoria de Comunicação - Assessoria de Imprensa do SINDILAT/RS)
 
 
 
TARIFAÇO
A possibilidade de aumento de impostos no Estado preocupa empresários e representantes de setores que podem ser afetados pela medida. As consequências, segundo eles, terão efeitos colaterais desastrosos.
Presidente da Federação das Associações Comerciais e de Serviços (Federasul), Ricardo Russowsky está entre os críticos. Para ele, a iniciativa provocará mais problemas do que soluções: 
- Isso vai agravar a situação do Estado. Vamos dar um remédio amargo demais, que talvez até mate o paciente.
Para Frank Woodhead, um dos vice-presidentes do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística (Setcergs), as medidas podem afetar a competitividade do Estado. 
- É fácil propor isso quando não se faz o dever de casa. O que o Estado precisa é reduzir despesas, o que vale também para os demais poderes, inclusive o Judiciário - afirma Woodhead.

Entidade estima uma competitividade menor

A proposta de criação de um fundo de combate à pobreza com a cobrança adicional de dois pontos percentuais sobre produtos como o fumo desagradou ao Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco). Por meio de nota, o presidente da entidade, Iro Schünke, afirmou que a elevação tornará "ainda menos competitivo o produto legal", ampliando o contrabando de cigarros. Conforme Schünke, "já tivemos exemplos no passado em que o aumento de tributos diminuiu a venda do produto legal, ocasionando menor receita e arrecadação". A evasão fiscal aumentou 22% no Estado entre 2012 e 2014 e estima-se que, em 2015, mais R$ 200 milhões serão perdidos com o contrabando.

Procurada por ZH, a Federação das Indústrias (Fiergs) informou que só se manifestará sobre o tema quando o plano for apresentado pelo governo. (Zero Hora)

 
 
 
Ministra Kátia Abreu remarca entrevista coletiva para quinta-feira (23), às 10h
 
A ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) remarcou para quinta-feira (23), às 10h, no auditório da sobreloja do Mapa, a entrevista que estava prevista para esta terça-feira. Kátia Abreu fará uma prestação de contas à sociedade sobre ações desenvolvidas pelo Mapa no período de janeiro a junho e falará sobre as expectativas e projeções para este segundo semestre. Entre os temas que serão abordados pela ministra e secretários, estão a defesa agropecuária, a ampliação de mercados para os produtos do agronegócio brasileiro e a restruturação do Ministério da Agricultura.

Os temas serão apresentados pela ministra Kátia Abreu, pela secretária executiva do Mapa, Maria Emília Jaber; pela secretária da Relações Internacionais, Tatiana Palermo, e pelos secretários de Defesa Agropecuária, Décio Coutinho; de Política Agrícola; André Nassar; e de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, Caio Rocha.

Ao final da apresentação, a ministra e os secretários vão responder às perguntas dos jornalistas. (MAPA)

 
 
 
Jovens querem produzir mais
Multiplicam-se ações dirigidas para a formação dos jovens no campo 
 
 
As gerações se sucedem na pecuária leiteira, assim como em outras atividades produtivas que têm a gestão familiar como base. E na passagem do bastão os ajustes são sempre necessários, até porque os tempos mudam e as inovações se mostram cada vez mais rápidas e constantes. Com isso, tirar proveito apenas da experiência acumulada já não basta para se manter competitivo. É preciso complementar conhecimentos e implementar novas rotas para administrar o negócio, principalmente para atender os anseios próprios de um novo comando, jovem e renovado. 
É nesse cenário que se multiplicam as iniciativas voltadas para jovens no campo. À frente delas, indústrias e cooperativas de laticínios, entidades de pesquisa e de formação profissional. Uma ação nesse sentido está programada para o segundo semestre, entre os dias 15 e 17 de setembro, em Juiz de Fora-MG. Trata-se do II Encontro Pan-americano de Jovens Produtores de Leite, promovido pela Fepale-Federação Panamericana de Leiterias, com apoio da Embrapa Gado de Leite e OCB-Organização das Cooperativas Brasileiras. 

A proposta, segundo o analista da OCB, Pedro Rodrigues Silveira, é reunir cerca de 250 representantes da nova geração envolvida com a pecuária leiteira no Brasil e nos países vizinhos. "Queremos promover a troca de experiências e de conhecimentos entre eles. Só assim poderemos traçar um diagnóstico das práticas e das expectativas que devem nortear o futuro da atividade", cita. De antemão, adianta que há sinais claros de que novas ferramentas de gestão vêm sendo incorporadas, principalmente em relação ao uso de controles informatizados. 

No primeiro encontro de jovens produtores, realizado no Uruguai há dois anos, também ficou evidenciado que são muitos os que estão ficando no campo, dispostos a dar continuidade ao trabalho executado pela família. "Ora compartilhando das funções com os pais, ora assumindo a direção do negócio, nota-se um compromisso muito bem planejado", conta Silveira. Do evento brasileiro constam quatro temas: liderança dos jovens e participação na organização, sucessão familiar, inovação tecnológica e sustentabilidade e futuro do mercado de lácteos. (Balde Branco)
 
Calor afeta produção em parte da Europa
Margarida bebe cerca de 150 litros de água por dia. E quando ela tem sede, produz menos leite. A onda de calor que atinge a Suíça, no centro da Europa, está causando quase um colapso na produção de leite no país, principalmente nos Alpes. E a solução encontrada pelo governo suíço para atenuar o sofrimento de vacas como Margarida foi mobilizar, desde ontem, o Exército.
Um batalhão foi despachado para instalar nas duas extremidades do Lago de Joux equipamentos que funcionam como estações de água para pecuaristas e agricultores e abastecerem gratuitamente. Além disso, três helicópteros vão bombear água do lago para irrigar diretamente algumas áreas nas montanhas. Mesmo a chuva do sábado passado foi insuficiente para atenuar a onda de calor, que chegou a 39,7 graus em Genebra, um recorde comparável às máximas do estado do Piauí.
Pesquisa realizada em sete países europeus mostrou que a perda de rendimento na pecuária leiteira por causa das elevadas temperaturas chega a alcançar 5,5 litros de leite por animal por dia. No Cantão (Estado) de Vaud, que tem Lausanne como capital, foi deflagrada inclusive uma "Operação Catástrofe" para socorrer o setor agropecuário.

Há muito tempo a Europa não enfrentava um verão tão violento, como destaca diariamente a mídia suíça e de outro países do continente. Na França, os produtores de leite e de trigo estão entre os principais ameaçados pela atual onda de calor. Os campos de trigo "quebram na fumaça", e os agricultores que investem na cultura aproveitam para pedir mais subsídios ao governo.

Produtores franceses, que esperavam uma colheita recorde de 38 milhões de toneladas de cereais em geral, reclamam que a estimativa já é 1,5 milhão de toneladas menor.
De acordo com alguns analistas, o que acontece hoje na Europa mostra que o impacto da mudança climática está chegando mais cedo do que se previa. A grande onda de calor no verão de 2010 na Rússia, de uma amplitude nunca vista em cinco séculos, destruiu colheitas e florestas. A expectativa é que em certas regiões da Europa a produção de trigo poderá recuar 20% até 2030 se não houver programas de adaptação. (Valor Econômico)

 

 

Wagner deve ir para a Casa Civil
A presidente Dilma Rousseff deve iniciar nos próximos dias a troca do comando de alguns ministérios. O atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), deverá ocupar a Casa Civil. Para o seu lugar deve ir Aloizio Mercadante, que deixa a Casa Civil. Além disso, Eliseu Padilha (PMDB) deve deixar a Secretaria da Aviação Civil e assumir a Pasta de relações Institucionais de forma definitiva. (Correio do Povo)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *