Pular para o conteúdo

22 de junho de 2015

         

 

Porto Alegre, 22 de junho de 2015                                                 Ano 9 - N° 2.065

 

 Indústria láctea gaúcha é ética e séria, afirma Guerra 
Depois de oito etapas da Operação Leite Compensado nos últimos dois anos, a semana passada marcou a chegada, também, dos derivados lácteos às fraudes descobertas na cadeia láctea gaúcha. O esquema de adulteração e sonegação fiscal na produção de queijos pela Laticínios Progresso, de Três de Maio, desmantelado na última terça-feira, 16, pelo Ministério Público (MP) e que se soma ao cenário de desconfiança dos consumidores com o segmento, também repercute mal, evidentemente, com os representantes do setor.
Para o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, a indústria gaúcha segue princípios éticos, investe em tecnologia para barrar falhas e teria, hoje, um dos melhores índices de conformidade do País. "São fatos isolados e que devem ser tratados, também, de maneira isolada, sem generalizar", argumenta o dirigente da entidade que responde, por meio das médias e grandes indústrias, a quase 90% da produção de laticínios do Estado. 
 
Para ler na íntegra a entrevista do presidente ao Jornal do Comércio, clique aqui.
 
 
 
Sindilat-RS e Embrapa discutem parceria para viabilizar Vitrine do Leite no RS
Projeto voltado ao público infantil já é desenvolvido pela Embrapa em Juiz de Fora (MG)
 
Representantes do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat-RS) e do Núcleo Sul da Embrapa Gado de Leite discutiram nesta segunda-feira parceria para viabilizar o projeto da Vitrine do Leite no RS. A iniciativa já implantada pela Embrapa em Juiz de Fora (MG) foi apresentada pelo responsável do Núcleo, Rogério Dereti, e tem como foco o público infantil até 9-10 anos. "É uma forma de as crianças entenderem como funciona todo o processo, desde o campo até a sua chegada à mesa das famílias", destaca Dereti.
 A proposta é que a Vitrine do Leite seja um projeto de apoio didático itinerante e esteja presente nas principais feiras do setor, a começar pela Expointer 2015. "A criança é formadora de opinião e acaba levando toda essa informação para seus pais e parentes", destaca o secretário executivo do Sindilat-RS, Darlan Palharini. A ideia é que o convênio envolva não apenas o trabalho junto ao público infantil, mas também junto aos produtores, através de ações como qualificação profissional. "Precisamos resgatar a importância do produtor de leite, a pessoa que está por trás desse processo", acrescenta Palharini.
A discussão fez parte da reunião do Comitê Técnico Operacional da Pecuária Leiteira, ocorrida na sede do Sindilat-RS, em Porto Alegre, e contou com representantes da Farsul (Federação da Agricultura do RS), Fetag  (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RS), Secretaria da Agricultura e Pecuária e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nos próximos dias, representantes do comitê deverão ir a Juiz de Fora conhecer in loco a Vitrine do Leite desenvolvida pela Embrapa. (.DOC Assessoria de Comunicação - Assessoria de Imprensa do SINDILAT/RS)
 
 
 
Sem medo dos grandes
 
Uma cooperativa de Nova Petrópolis, na serra gaúcha, deixa para trás gigantes como Nestlé, Danone e JBS (Vigor). Líder de mercado nos segmentos de produtos fermentados e bebidas lácteas, a Piá faturou R$ 663 milhões em 2014 e projeta crescer ao menos 15% neste ano marcado pela crise. É um desafio, admite o presidente da cooperativa, Gilberto Kny. Pondera que não se trata de ignorar o cenário difícil, mas de não se retrair frente ao quadro:

- Em época de fragilização da economia, em vez de recuar, precisamos progredir ainda com mais força, criando oportunidades.

LOGÍSTICA COMPLEXA

Uma das estratégias da Piá para crescer é aumentar sua presença em São Paulo. A marca estreou nesse mercado no ano passado e quer mais. Como vende produtos que exigem refrigeração, tem uma dificuldade logística extra.

- Da produção até o cliente, não pode passar mais de cinco dias, são produtos com vida útil de 45 a 70 dias. Nos últimos anos, investimos muito em câmaras frias - relata Kny.

TECNOLOGIA À MESA

Uma das apostas recentes da Piá são produtos sem lactose, para pessoas com intolerância. Kny explica que nada é retirado do leite. A tecnologia permite fazer, na indústria, o que um organismo saudável faria: separar a glicose da galactose e mantê-las, desdobradas, no produto.

- Isso dá um novo alento ao consumidor de laticínios. Vamos oferecer uma linha completa, de leite pasteurizado, iogurte e até nata até o final do ano.

A OUTRA CRISE

A projeção de forte crescimento é um desafio extra para quem tem outra crise para administrar, além da econômica. Há mais de um ano marcado por operações que expuseram fraudes no mercado de lácteos, garantir qualidade é crucial para manter o mercado. Segundo Kny, ajuda o fato de os produtores associados serem os donos da Piá.

- Fazemos 100 mil exames de laboratório por mês antes de todas as atividades industriais.

NOVIDADES DE ROTINA

O segmento de iogurtes e bebidas lácteas é conhecido por ser o que mais lança produtos no mundo, observa Tiago Haugg, gerente de marketing da Piá. No ano passado, foram 30 produtos novos. Neste, serão mais 22.

- Fazemos gestão do mix. Às vezes substituímos produtos, mas o consumidor espera novidades, e temos de atender a essa expectativa - explica Tiago.

 
 
 
 
Entidades preparam cobranças a ministra 

Kátia Abreu estará na Capital hoje para detalhar o Plano Safra 2015/2016

Representantes do setor agropecuário pretendem aproveitar a vinda da ministra da Agricultura, Kátia Abreu, a Porto Alegre, hoje, para reforçar pleitos antigos. As principais reivindicações estão relacionadas ao Plano Safra 2015/2016, tema que Kátia irá abordar durante audiência da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, com início às 15h no teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa. 

A Fecoagro, conforme o presidente Paulo Pires, quer aproveitar a oportunidade para reforçar a pressão para que os recursos previstos no Plano Safra cheguem aos produtores. Também é intenção da federação obter esclarecimentos sobre os mecanismos de comercialização. Entre esses mecanismos está o Programa de Garantia do Preço Mínimo (PGPM), "que não está claro no plano", segundo Pires, que também cobra melhorias no seguro agrícola, em que ele relata não ter havido evolução, e no Proagro. 

O Simers pedirá, novamente, agilidade na liberação de verbas dos bancos "porque sempre que é lançado o Plano Safra demora em torno de um mês e meio para liberação dos recursos", explica o presidente Cláudio  Bier. De acordo com ele, o pedido de agilização se deve às dificuldades enfrentadas pelo setor. 

Conforme o diretor da Farsul Francisco Schardong, a entidade quer ouvir o que a ministra tem a dizer. Como Kátia Abreu já tem as reivindicações do setor arrozeiro, Schardong acredita que ela deverá anunciar o custo de produção e o preço mínimo do arroz, calculados pela Conab. Conforme a senadora Ana Amélia Lemos, que preside a Comissão de Agricultura do Senado, a ministra abordará os recursos para custeio e investimentos previstos no Plano Safra e os produtores rurais poderão aproveitar para expor os problemas que estão enfrentando e falar da defasagem entre custo de produção das lavouras de arroz e o preço mínimo. O Plano Safra 2015/2016 foi lançado no dia 2 de junho pelo governo federal, com um volume total de recursos de R$ 187,7 e taxas de juros entre 7% e 8,75%. 

Após a audiência, Kátia Abreu vai acompanhar a assinatura do decreto com as regras relativas ao Bioma Pampa, às 17h30min, no Palácio Piratini. O texto visa a eliminar dificuldades encontradas por produtores no preenchimento do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

 
 
 
O Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 será lançado hoje, às 10h, no Palácio do Planalto, em Brasília. O montante de recursos destinado ao setor já foi confirmado pela presidente Dilma Rousseff, e deverá ficar em torno de 20%. Na ocasião, serão conhecidos também os novos critérios dos Seguros da Agricultura Familiar (Seaf) e do Programa Garantia-Safra. Há a expectativa de que seja oficializada a criação da Anater e que seja anunciada medida de apoio ao preenchimento do CAR. 
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *