Pular para o conteúdo

O deputado federal Sérgio Souza (MDB-PR) vai presidir a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) na gestão 2021/2022. Atual vice-presidente do colegiado, que reúne mais de 200 deputados e senadores, Souza substituirá o gaúcho Alceu Moreira (MDB-RS), que ocupa a presidência há quase dois anos. O parlamentar paranaense foi escolhido durante eleição realizada nesta terça-feira (1/12).

Sérgio Souza vai coordenar a articulação para aprovação de projetos e de propostas de interesse do setor agropecuário na Câmara dos Deputados e no Senado. Garantir segurança jurídica ao homem do campo e à ampla cadeia industrial do setor é uma das pautas que serão trabalhadas em sua gestão em conjunto com todas as instâncias do Poder Judiciário. “Queremos desmistificar que o campo faz mal à natureza e à saúde do ser humano como tem sido pregado por alguns grupos", afirmou. Para ele, esse será um dos grandes desafios de sua gestão, que será focada na harmonização e no diálogo do Legislativo com todos os Poderes.

O presidente eleito da FPA tem amplo trânsito nas duas Casas do Congresso Nacional, o que deve facilitar essa atuação na presidência da FPA. Advogado com especialização em Direito Eleitoral, Sérgio Souza é natural de Ivaiporã (PR). A ligação com o setor rural faz parte de sua trajetória. Na Câmara dos Deputados, presidiu a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

Foto em destaque: Reprodução YouTube 

GDT – Global Dairy Trade | Cooperativa e Secretaria de Estado investem na capacitação de jovens para o empreendedorismo | Vencedor do Ideas For Milk será revelado dia 10/12

Clique aqui para acessar as notícias na íntegra.

O presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Alexandre Guerra e o secretário-executivo, Darlan Palharini, além de outros associados do Sindicato estiveram presentes representando a entidade no 10º Simpósio da Associação Brasileira das Indústrias de Queijo (Abiq), que ocorreu na tarde de quinta-feira (26/11), de maneira virtual. Com cerca de 170 participantes, o evento teve como objetivo entender o panorama da produção e do consumo durante a pandemia de Covid-19, além de trazer novas estratégias para a indústria brasileira de queijos e iogurtes, expectativas e balanço do setor em 2020.

Com uma ampla apresentação de dados, Raquel Pereira, diretora da Kantar, empresa de consultoria e pesquisa, expôs o bom período que o setor queijeiro vive, mesmo em um ano de crise. O motivo do crescimento, afirmou ela, foi a permanência dos consumidores dentro de suas residências, o que proporcionou um aumento de 27% nos momentos de consumo, como os cafés da manhã e lanches durante o dia. "O que está por trás desse movimento é o prazer e a praticidade. Esses atributos estiveram mais conectados a esses momentos", pontuou. Durante a pandemia, de janeiro a setembro, os queijos estiveram presentes em mais de 4 milhões de novos domicílios brasileiros.

Mussarela, prato, coalho e minas frescal foram os tipos de queijo com maior alta no consumo. Esse último demonstra, segundo Raquel, um apelo aos alimentos saudáveis, outra tendência que deve ser observada pelas indústrias para o próximo ano. A diretora aconselhou, para 2021, que as empresas estejam atentas aos preços dos seus produtos, aumentem as regiões onde estão localizados e adentrem novos canais de compra, visto que o delivery também é uma crescente observada no período. "Marcas que entendem a fundo o consumidor conseguem crescer mesmo no cenário desafiador", destacou. O presidente da Abiq, Fábio Scarcelli, que conduziu o evento, afirmou que as indústrias devem manter o nível que está sendo trabalhado tanto do preço do leite ao produtor, quanto dos produtos. Ele destacou o aumento do consumo: "Isso foi muito bom, espero que venha pra ficar", celebrou.

A gravação completa do Simpósio será disponibilizada no a partir do dia 30/11 no site da Abiq: https://www.abiq.com.br/index.asp

O 3 ° Fórum Internacional do Agronegócio, evento promovido de forma online pela Câmara Brasil – Alemanha nesta quinta-feira (26/11,) teve suas atenções voltadas ao segmento lácteo nesta edição. Representantes de entidades do setor, do sistema financeiro, laticínios e empresas de tecnologia estiveram presentes no debate.

O secretário-executivo do Sindicato da indústria de Lácteos e Derivados do RS (Sindilat), Darlan Palharini, participou do fórum e apresentou um balanço e perspectivas para a cadeia produtiva em 2020 e 2021. “Este ano foi desafiador, e o agronegócio saiu fortalecido pela sua importância econômica e social”, afirmou Para 2021, o dirigente prevê que o setor enfrentará mais um desafio, este já conhecido dos gaúchos; a estiagem, fenômeno climático que se repete no Estado com uma frequência de cinco episódios a cada 10 anos. De acordo com Palharini, é preciso uma política de Estado para garantir acesso de agricultores à irrigação. Para isso, o Sindilat, em conjunto com outras entidades do setor e representantes do meio empresarial vem discutindo a construção de uma proposta permanente para fazer frentes às frequentes estiagens.

Outro grande desafio em curso é a Reforma Tributária, em que o setor está mobilizado para tentar garantir a manutenção dos créditos presumidos que tanto tem fomentado a atividade e contribuído para amenizar a guerra fiscal entre os demais estados produtores de leite e derivados. O alerta, segundo Darlan, vem também para impedir que o êxodo na atividade se repita. “Nos últimos anos foram mais de 35 mil produtores de leite que saíram da atividade no Rio Grande do Sul. Esta é uma questão social importante que precisa de atenção”, pontuou.

Darlan Palharini ainda apresentou estatísticas da produção nacional e da atividade leiteira. O país tem cinco grandes estados que concentram a maior parte da produção leiteira nacional, sendo o RS o terceiro em volume, com uma captação de 4,2 bilhões de litros computados em 2019. A Região Sul por sua vez, detém a maior fatia dessa produção, uma vez que os três estados figuram no ranking dos 5 maiores. O líder, Minas Gerais, apresentou no ano passado um volume de 9,4 bilhões de litros. “No nosso Estado, a cadeia láctea representa 2,81% do PIB gaúcho. São 242 empresas considerando todos os níveis de inspeções e 150 mil produtores”, elencou.

O presidente da Cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, comentou sobre importante investimento da agroindústria, com sede em Teutônia (RS), com a aquisição de maquinários de grande porte em parceria com a alemã Claas, ação que acaba por beneficiar todo o contingente de associados. No entanto, o maior investimento da cooperativa nos últimos anos foi o sistema de rastreabilidade digital da produção, algo considerado inédito que coloca a cooperativa como case internacional nesta área.

O processo foi realizado junto com a SIG Combibloc, umas maiores fabricantes mundiais de sistemas de envase e embalagens cartonadas assépticas. A tecnologia empregada permite que consumidores conheçam mais sobre a qualidade do leite e a rastreabilidade a partir do processo de industrialização. A solução digital desenvolvida pela SIG Brasil utiliza um QR Code exclusivo por embalagem e outro por caixa, além de um código de barra por pallet, todos impressos durante a fabricação dos produtos lácteos na Languiru. Esses códigos garantem a rastreabilidade a partir da industrialização do leite até o ponto de venda, além de trazer informações sobre a qualidade da matéria-prima no seu processo de produção. Segundo a PhD em Engenharia de Alimentos Katherine de Matos, pesquisa recente mostrou que 65% dos consumidores querem saber a história do produto e a origem dos ingredientes utilizados em processos de fabricação. “Hoje, a ausência de rastreabilidade traz consequências graves aos processos produtivos”, afirmou, mostrando preocupação com os números de denúncias que chegam à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom). “São 7,3 milhões de recalls no setor de alimentos e bebidas, com um índice de produtos recolhidos de apenas 14,5%’, pontuou. Segundo ela, a pandemia elevou ainda mais a importância de processos de qualidade que têm na rastreabilidade um de seus pilares.

O Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) participou nesta quarta-feira (25/11) da reunião virtual do Conselho Nacional Agroindustrial (Conagro), que reuniu representantes de variadas entidades do agronegócio gaúcho. O encontro debateu o aumento do percentual da área irrigada de milho no Rio Grande do Sul. O presidente do Sindilat e coordenador da Conagro, Alexandre Guerra, considera necessário o diálogo com produtores, representantes do governo e de entidades para a expansão da área irrigada no RS. “Precisamos trabalhar estes dois projetos debatidos na reunião pois são importantíssimos pro desenvolvimento do setor, tanto irrigação quando o da logística, que se floram ainda mais nestes momentos de estiagem e aumento de custo de produção que afetam de forma direta na competitividade das nossas indústrias ligado ao setor Agro", destaca.

Hoje, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentados pelo presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do RS (FecoAgro/RS), Paulo Pires, apenas 10,07% da área total plantada com o grão no Estado é irrigada. O que faz com que as perdas em anos de estiagem, como foi 2020, sejam bastante significativas. A estimativa, de acordo com Pires, é que a safra de milho de 2020/2021 no Estado feche em cerca de 3,5 milhões de toneladas, em função da falta de chuva, o que representa um encolhimento bastante expressivo. Regiões representativas para a produção como Noroeste, Alto Uruguai e Missões foram bastante afetadas, contribuindo para essa projeção. “Quando a seca é atípica, isto é, quando não está chovendo nas épocas em que mais choveria, como em setembro e outubro, não tínhamos um histórico tão grande na quebra de milho. Esse ano, pela época da seca, achamos que vamos ter uma quebra muito significativa no milho”, afirma.

Otimista quanto à utilização dos sistemas de irrigação para driblar os efeitos da estiagem, Pires trouxe aos representantes o exemplo prático de São Luiz Gonzaga, no Noroeste do Estado. Em julho de 2012, quando na época atuava na Coopatrigo, o dirigente realizou um encontro com 26 produtores da região, onde mostrou que o sistema não estava fora do alcance de suas propriedades. “Depois dessa reunião, houve uma evolução na área irrigada em São Luiz”, declarou. Expansão que hoje é constatada por dados. Conforme levantamento do IBGE, 81,6% da área total de produção de milho no município é de lavoura irrigada. Para que o Estado apresente crescimento semelhante, o presidente defende que é necessário que se tenha uma visão estratégica de que a irrigação é de interesse social e público, além de ser preciso ter financiamento específico e incentivos. “Temos que criar um ambiente em que o produtor se sinta seguro em fazer um investimento desses”.

Para o secretário-executivo do sindicato, Darlan Palharini, é importante desenvolver políticas públicas e de planejamento do Estado neste sentido. Na ocasião, também foi apresentada proposta de implantação da "Ferrovia da Integração".

Duas empresas associadas ao Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do RS (Sindilat) serão agraciadas com o troféu Carrinho Agas 2020, premiação concedida pela Associação Gaúcha de Supermercados que destaca produtos nas gôndolas dos supermercados gaúchos a partir de avaliação de diversos critérios. As marcas do setor lácteo que figuram no ranking deste ano são Cooperativa Santa Clara, premiada como Melhor Fornecedora de Queijos e Elegê/Lactalis, como Melhor Fornecedor de Leites.

A escolha dos agraciados – 26 marcas entre todos os segmentos – ocorreu através de votação direta por parte dos 200 maiores supermercados do Rio Grande do Sul, que levaram em conta critérios como responsabilidade social na pandemia, share de mercado, qualidade dos produtos ou serviços, relacionamento com o varejo, índices de ruptura, capacidade de inovação e cumprimento de prazos de entrega. A maioria dos agraciados (61%) é formada por empresas gaúchas.

O recebimento simbólico dos troféus pelos agraciados será realizado por vídeo, no dia 30/11, no canal do Youtube da Agas (www.youtube.com/AGASPOARS), com a presença da diretoria da entidade.

As inscrições para participar do 6º Prêmio Sindilat de Jornalismo foram encerradas nesta segunda-feira (23/11). Ao todo, 32 trabalhos publicados entre 26/10/2019 e 23/11/2020 concorrem nas categorias impresso, eletrônico e online. O mérito, concedido anualmente pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), visa reconhecer a atuação da imprensa na cobertura do setor, premiando matérias divulgadas em veículos nacionais e que abordem a produção de lácteos e derivados da bacia leiteira do Rio Grande do Sul. Os nomes dos finalistas serão conhecidos nos próximos dias, e o anúncio final dos vencedores será feito em live realizada pelas redes sociais do Sindilat na primeira quinzena do próximo mês.

A comissão julgadora deste ano será formada por representantes do Sindicato dos Jornalistas do RS (Sindjors), da Associação Rio-grandense de Imprensa (ARI), da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag) e do Sindilat. Os primeiros colocados nas três categorias do 6º Prêmio Sindilat de Jornalismo receberão um troféu e um iPhone. Os segundos e terceiros premiados receberão um troféu.

O valor de referência estimado para o leite no Rio Grande do Sul em novembro é de R$ 1,4834, 1,89% abaixo do consolidado em outubro (R$ 1,5119). A projeção foi divulgada durante reunião virtual do Conseleite realizada nesta terça-feira (24/11). Apesar da leve queda, os preços estão acima dos patamares de 2019. Considerando a variação da inflação (IPCA), o valor de referência do leite no ano (janeiro-novembro) é de R$ 1,3992, 19,45% acima do índice do mesmo período de 2019. Contudo, alerta o professor da UPF Eduardo Finamore, o custo operacional do leite subiu mais do que o índice inflacionário em 2020. “Isso mostra um forte aumento dos custos de produção do setor lácteo em função das commodities dolarizadas”, ressaltou. 

O presidente do Conseleite, Rodrigo Rizzo, indicou que o setor lácteo viu subir a régua de preços em função do aumento de custos e do consumo das famílias em 2020. A grande dúvida, agora, é sobre a tendência nos próximos meses uma vez que a captação no campo está em queda na casa de 10% . O professor da UPF Marco Antonio Montoya indicou que o mercado deve passar por ajustes nos próximos meses, mas não há indicação de voltar aos patamares de 2019. “O que vai acontecer com o leite é um cenário que vamos ter que avaliar nos próximos meses”, ponderou confiante em um repique de desenvolvimento do PIB mundial.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, prevê um cenário de equilíbrio no final do ano, principalmente no leite UHT. E alertou: a certeza para 2021 é aumento de custos. “O milho e o farelo subiram, mas as embalagens também tiveram reajuste expressivo. Precisamos seguir produzindo e fazer as coisas girarem. Vamos viver cada mês de uma vez”, ponderou.

O secretário do Conseleite, Tarcísio Minetto, completou que, além dos custos, a seca nos campos gaúchos sinaliza para um verão de gastos adicionais com a nutrição das vacas. “Do ponto de vista da produção, é preocupante. Esperamos que a situação de clima se reverta”.  Um alerta é para a baixa qualidade da silagem que está estocada nas propriedades, o que exige investimento adicional em grãos e vem, inclusive, causando o descarte de animais.

Nesta terça-feira (24/11), o Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) realiza eleição para a escolha da nova diretoria, que assumirá a gestão 2021/2023. Concorre à presidência da entidade em chapa única o atual 1° vice-presidente, Guilherme Portella. A eleição ocorre das 12h às 20h durante reunião de associados que será realizada, extraordinariamente, no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre, em respeito às regras de distanciamento social impostas pela pandemia.

Portella é diretor de Comunicação Externa da Lactalis do Brasil desde 2015 e substituirá Alexandre Guerra, que, por duas gestões, comandou as atividades no Sindilat. Graduado em Direito pela Pucrs e com especialização em Direito Empresarial, Portella atua no setor lácteo desde 2008, quando ingressou na Elegê Alimentos. Guerra, que integra a diretoria da Cooperativa Santa Clara, permanecerá na diretoria no cargo de 1° vice-presidente. A 2ª vice-presidência será ocupada por Jéferson Adonias Smaniotto (Cooperativa Piá). A diretoria executiva ainda será composta por Caio Cézar Fernandez Vianna (CCGL) e Angelo Paulo Sartor (Rasip).

O pleito também definirá a composição dos nomes para o Conselho Fiscal, Suplentes e Delegados Representantes junto à Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

O Sindilat foi fundado em 1969 e reúne representantes de 27 indústrias de laticínios de todo o Estado, com o objetivo de unir as demandas do setor lácteo.

COMPOSIÇÃO GESTÃO 2021/2023

DIRETORIA

Presidente: Guilherme Portella 
1º Vice-Presidente:  Alexandre Guerra
2º Vice-Presidente: Jéferson Adonias Smaniotto
Diretor-Secretário:  Caio Cézar Fernandez Vianna
Diretor-Tesoureiro:  Angelo Paulo Sartor

Suplentes  

Alexandre dos Santos
Jaime Rückert
Márcio André Lehnen

CONSELHO FISCAL

Titulares

Adalberto Martins de Freitas
José Baldoíno França
Ricardo Augusto Stefanello

Suplentes              
Rodrigo Puhl
Ronis Carlos Frizzo
Ideno Paulo Pietrobelli

Delegados Representantes junto à FIERGS

Titulares
Guilherme Portella 
Alexandre Guerra

Suplentes
Ângelo Paulo Sartor
Jéferson Adonias Smaniotto

 

As inscrições para participar do 6º Prêmio Sindilat de Jornalismo terminam nesta segunda-feira (23/11), às 24h. Os profissionais interessados podem submeter seus trabalhos nas categorias impresso, eletrônico e on-line. O mérito, concedido anualmente pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), visa reconhecer a atuação da imprensa que acompanha o setor, especialmente em um ano de dificuldades e pandemia, onde os jornalistas se mantiveram ativos abordando os dilemas e inovações do agronegócio. As inscrições não serão prorrogadas.

Podem se inscrever profissionais com trabalhos publicados entre 26/10/2019 e 23/11/2020 em veículos nacionais e que abordem a produção de lácteos e derivados na bacia leiteira do Rio Grande do Sul. Para participar, é necessário preencher a ficha de inscrição e remeter documentação e cópia do trabalho para o e-mail imprensasindilat@gmail.com. Mais detalhes sobre o processo podem ser conferidos no regulamento.

Os finalistas devem ser divulgados no dia 4 de dezembro e o anúncio final dos vencedores será feito em live realizada pelas redes sociais do Sindilat na primeira quinzena de dezembro. As matérias serão avaliadas por uma Comissão Julgadora formada por profissionais de instituições de imprensa e de entidades ligadas ao setor lácteo.

Os primeiros colocados nas três categorias do 6º Prêmio Sindilat de Jornalismo receberão um troféu e um iPhone. Os segundos e terceiros premiados receberão um troféu.