Pular para o conteúdo

Porto Alegre, 19 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.759

   Mão de obra é tema do 6º Fórum Itinerante do Leite

O 6º Fórum Itinerante do Leite, que será realizado nos dias 25 e 26 de junho, em Santa Rosa (RS), no Instituto Federal Farroupilha, reunirá representantes da cadeia leiteira para debater os desafios da mão de obra no setor. Na noite da próxima segunda-feira, lideranças da região vão apresentar as políticas municipais para a produção de leite. A abertura oficial do evento, promovido pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), ocorrerá no dia 26 de junho, às 8h30min, quando estão previstos painéis e oficinas para discutir as dificuldades das equipes que atuam nos tambos. 
 
De acordo com o secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini, o Fórum Itinerante do Leite é uma oportunidade de compartilhar informações para construir o futuro da cadeira leiteira gaúcha. "Diante do atual cenário, é essencial discutir os pontos que nos preocupam no setor. A escassez da mão de obra para a atividade é uma das dificuldades enfrentadas pelos produtores", pontou. A manhã do dia 26 de junho será marcada por painéis técnicos. Na tarde, serão realizadas quatro oficinas: A atividade leiteira sob o olhar das mulheres; Produção orgânica de leite e laticínios; O clima e o bem-estar das vacas leiteiras; e Técnica sobre tuberculose e brucelose. O 6º Fórum Itinerante do Leite conta com o apoio do Ministério da Agricultura (Mapa), prefeituras e diversas outras entidades do setor primário do Estado. (Jornal do Comércio)
 
Preços no Leilão GDT  
 
Realizado no dia 19/06/2018, o 214º leilão GDT (Global Dairy Trade) marcou um recuo de 1,2% em seu índice de preços, chegando ao valor médio de US$3.481/tonelada. (GDT)
 

Conseleite/PR

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 19 de Junho de 2018 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matériaprima leite realizados em Maio de 2018 e a projeção dos valores de referência para o mês de Junho 2018, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Junho de 2018 é de R$ 2,4423/litro. Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)

Produção/AR

“Se os custos locais não estiverem sob controle, será muito difícil para a Argentina ser rentável, inclusive com um tipo de câmbio em torno de AR$25/US$”, estima o Rabobank. O informe, traduzido e publicado pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA) destacou que a seca no começo do ano teve um impacto significativo no desenvolvimento das plantações de grãos, e , como o clima mudou rapidamente para chuva forte, a qualidade da colheita de soja e milho se deteriorou ainda mais. O resultado é que os custos para os agricultores aumentaram significativamente, afetamento a rentabilidade. O Rabobank projeta queda na produção de leite em torno de 1% no 3º e no 4º trimestre de 2018, depois de um forte crescimento no 1º semestre de 2018. Com o peso argentino depreciando-se ainda mais, a pressão sobre os preços do grão nacional seria significativo para o resto do ano, já que os preços em dólares se manterão em níveis elevados.

“A inflação continua sendo obstinadamente alta apesar das contínuas elevações dos juros, e o governo encontra dificuldades para manter os preços moderados. Isto pressiona o poder aquisitivo do consumidor”, mostra o Rabobank, e como resultado, que a demanda cresça somente 1% no 2º semestre de 2018.

Em termos de intercâmbio, assinalam que é provável que o país aumente as exportações nos próximos meses, - já que está criando estoques de leite em pó – e uma economia mais desvalorizada tornará ainda mais interessante a exportação. (CampoLitoral – Tradução livre: www.terraviva.com.br)  

Vacina chega a 94% do rebanho
A primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul, encerrada na sexta-feira, dia 15, imunizou pelo menos 94% das 13,4 milhões de cabeças do rebanho bovino do Estado. Segundo a veterinária do Programa de Combate à Febre Aftosa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), Lucila Carboneiro dos Santos, a contagem ainda é parcial, pois os registros de vacinação podem ser digitados pelos criadores até o dia 29 deste mês. O resultado final deve ser divulgado no início de julho. Desde ontem, a Seapi trabalha para identificar quais os produtores que não aplicaram a vacina dentro do prazo. O inadimplente está sujeito a uma multa geral inicial de 60 UPFs (R$ 1.128) e mais uma UPF (R$ 18,80) por animal não imunizado. (Correio do Povo)
 

O 6º Fórum Itinerante do Leite, que será realizado nos dias 25 e 26 de junho, em Santa Rosa (RS), no Instituto Federal Farroupilha, reunirá representantes da cadeia leiteira para debater os desafios da mão de obra no setor. Na noite de segunda-feira (25/6), lideranças da região vão apresentar as políticas municipais para a produção de leite. A abertura oficial do evento, promovido pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), ocorrerá às 8h30min no dia 26 de junho, quando estão previstos painéis e oficinas para discutir as dificuldades das equipes que atuam nos tambos.

De acordo com o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, o Fórum Itinerante do Leite é uma oportunidade de compartilhar informações para construir o futuro da cadeira leiteira gaúcha. "Diante do atual cenário, é essencial discutir os pontos que nos preocupam no setor. A escassez da mão de obra para a atividade é uma das dificuldades enfrentadas pelos produtores", pontou.

A manhã do dia 26 de junho será marcada por painéis técnicos. A tarde serão realizadas quatro oficinas: A atividade leiteira sob o olhar das mulheres; Produção orgânica de leite e laticínios; O clima e o bem-estar das vacas leiteiras; Técnica sobre tuberculose e brucelose.

O 6º Fórum Itinerante do Leite conta com o apoio do Ministério da Agricultura (Mapa), Emater, Secretaria da Agricultura (Seapi), Prefeitura de Santa Rosa, Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), Setrem e Sistema Farsul. Também apoiam a iniciativa Senai, Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag), APL Leite da Fronteira Noroeste e Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs). O evento será transmitido ao vivo pelo Canal Rural.

Foto: Carolina Jardine

Porto Alegre, 18 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.758

 

   Conseleite/MS

A diretoria do Conseleite - Mato Grosso do Sul reunida no dia 15 de junho de 2018, atendendo os dispositivos do seu Estatuto, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima, referente ao leite entregue no mês de maio de 2018 e a projeção dos valores de referência para leite a ser entregue no mês de junho de 2018.  Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão levando em conta o volume médio mensal de leite entregue pelo produtor.  (Famasul)
 
 
 
Campo Responde - Por que a indústria cobra tão caro o creme de leite, uma caixa tão pequenina? Elci Ilário Potter, de Porto Alegre

Resposta: Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat)

O creme de leite é um produto de alto valor nutricional, rico em gordura láctea, um composto natural capaz de conferir sabor diferenciado aos alimentos. Sua composição é basicamente a soma de gordura e leite. É empregado em diversos pratos da culinária brasileira, como molhos brancos, no tradicional estrogonofe e na receita de sobremesas. Para entender a formação de preço, é preciso avaliar sua composição.

Em cada caixinha de 200g do produto há aproximadamente 40 gramas de gordura. Um litro de leite UHT, por exemplo, tem 30 gramas de gordura. Desta forma, se considerarmos que um litro de leite custa R$ 2,80 e que para produzir 200g de creme de leite é necessário o equivalente a R$ 1,33 litro, qualquer produto adquirido próximo ao valor de R$ 3,70 estaria dentro do valor de mercado.

É importante avaliar a composição do produto para mensurar seu preço. Os cremes de leite oscilam entre R$ 2,80 e R$ 3,00, bem abaixo do valor referencial de composição de gordura se usarmos o leite UHT. Além disso, é um produto de uso eventual na culinária, diferentemente do leite, que está diariamente na mesa dos brasileiros. (Zero Hora)

Impasse no transporte gera novas incertezas

O impasse sobre a adoção da tabela de preços mínimos para o transporte rodoviário de cargas traz novas nuvens de incertezas para o agronegócio, que já estava impactado com os 11 dias de greve dos caminhoneiros. A interferência do governo Michel Temer, que adotou a medida para encerrar a paralisação dos caminhoneiros enfureceu o setor produtivo do país, da agricultura, passando por serviços e até a indústria.

- É uma afronta para a livre negociação. Estão tentando extinguir a lei da oferta e da procura. E não funciona, na questão do frete, há muitos caminhões para pouca carga. É preciso adequar a oferta à demanda - diz Nestor Freiberger, presidente da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav).

Os segmentos que dependem de novos carregamentos - incluindo o mercado de grãos - simplesmente paralisaram. Em outras categorias, compras e entregas de produtos, como insumos, foram afetadas. Apenas quem possui frota própria ou já tinha acordos acertados anteriormente está conseguindo passar ileso.

Novos carregamentos estão comprometidos
A atual situação atinge diretamente a atividade de empresários ligados à Associação das Empresas Cerealistas do Rio Grande do Sul (Acergs).

- Há dificuldade enorme. Teremos problemas para garantir o fertilizante, que é o que volta do porto. E estamos há um mês sem transportar soja, arroz, milho e trigo - alerta Vicente Barbiero, presidente da Acergs.

Na produção de leite, as entregas não cessaram, mas há dificuldade com novos contratos, relata Alexandre Guerra, presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat).

- O acerto com o transportador é mensal e estamos tentando administrar - detalha o dirigente.
Com o impasse, a indicação é não contratar frete pelos valores definidos pela medida provisória.

- Estamos orientando os associados a não aceitarem a tabela pela dificuldade em repassar aumento de preços - ressalta o presidente da Asgav.

Sem uma solução, as entidades aguardam a Justiça, onde o número de ações se multiplica de Norte a Sul, incluindo a da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), que alega interferência na livre negociação, mesma justificativa usada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Na quarta-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux havia dado prazo de 48 horas para o governo se manifestar sobre o tema. Na quinta-feira, Fux havia suspendido todas as ações que contestavam a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). (Zero Hora)

Preços/AR

O Departamento de Laticínios do Ministério da Agroindústria divulgou o relatório mensal com os dados correspondentes à produção de leite em maio. O quadro foi bom: aumento de 3% em relação a abril de 2% em comparação com o mesmo mês do ano passado, acumulando crescimento de 7,8% nos primeiros 5 meses de 2018.
Ainda assim são muitas vozes que advertem sobre um cenário crítico para a atividade e os números mostram que é um dos setores com maior dificuldade para acompanhar a inflação e a desvalorização cambial. 

Dados
De acordo com o boletim do Observatório da Cadeia Láctea Argentina (Ocla), entre maio de 2014 e o último mês, o preço do leite pago ao produtor aumentou 115,6%, quando a inflação foi de 179,8%, e o dólar subiu 194,3%. Isto quer dizer que, em quatro anos, o custo de vida aumentou 55,5% a mais e que o dólar subiu 68% acima do valor recebido pelo produtor.

Os produtores são os mais prejudicados dentro da cadeia láctea, que, em geral, fica sempre atrás dos preços e do dólar: os lácteos subiram 168,4% no período mencionado, enquanto que o valor do Litro Equivalente Leite(faturamento total ao consumidor final no mercado interno, dividido pelo total de litros de leite cru utilizado para elaborar esses produtos) cresceu 136,5%. “A defasagem fica mais evidente para o setor primário já que o leite teve, para maio um preço de 6,41 pesos ou US$ 0,271/litro. Em maio de 2014 esses valores foram (em termos reais) 8,32 pesos por litro e US$ 0,37/litro, respectivamente”, concluiu o Ocla. (Agrovoz – Tradução livre: Terra Viva)

 

Após greve, oferta de leite no Brasil deve recuar 9%, diz Rabobank
A oferta de leite no Brasil deve recuar 9% no segundo trimestre de 2018, ante igual período de 2017, como consequência da greve dos caminhoneiros de maio, afirma o Rabobank, em relatório sobre o setor divulgado na última sexta-feira, dia 15. O banco estima que a captação tenha encolhido 20% apenas em maio durante a paralisação dos motoristas. "A produção vai levar um tempo para se recuperar e provavelmente vai cair 6% no terceiro trimestre, na comparação anual". A avaliação é de que preços do leite pagos ao produtor deverão ter um pico no terceiro trimestre de 2018. "Tanto os agricultores quanto os processadores terão de absorver perdas de uma redução na renda durante maio e será difícil para o setor, já que ele vem de um período de 12 meses de baixa rentabilidade", diz. Em relação às importações, o Rabobank afirma que as compras diminuíram 35% em volume, de janeiro a abril, porque os preços internos foram menores do que no ano passado. Além disso, a demanda doméstica continua fraca e deverá permanecer assim até o terceiro trimestre de 2018, diz o banco, devido à estagnação da economia e consumidores cautelosos antes das eleições presidenciais em outubro. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)
 

Porto Alegre, 15 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.757

 

   IBGE: Sul do país segue sustentando o crescimento da produção de leite

Nesta quinta-feira (14/06) o IBGE divulgou os dados de captação formal de leite para o 1º trimestre de 2018. Nessa pesquisa, o instituto apontou volume aproximado de 6 bilhões de litros adquiridos pela indústria no período, 2,4% superior ao 1º trimestre de 2017. Apesar dessa recuperação, nota-se que o ritmo de retomada da produção vem diminuindo desde o 2º semestre do ano passado (vide gráfico 1), ainda refletindo as quedas nos preços do leite a partir de meados de 2017 e o forte aumento nos custos do concentrado.  

Gráfico 1. Captação formal de leite: variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados do IBGE. 
 
 

Nessa recuperação apresentada no início de 2018, o destaque fica por conta da Região Sul, que apresentou alta de 6,2% na captação em relação ao 1º trimestre de 2017; a Região Sudeste registrou aumento de 0,8% no mesmo período e o Centro-Oeste foi na “contramão” dessa movimentação, tendo queda de 2% na captação de leite. 

Detalhando a análise (e como mostra o gráfico 2), 90% do crescimento verificado no volume de captação de leite no país teve origem nos três estados da Região Sul. No Paraná, onde foi verificado o maior crescimento em relação ao primeiro trimestre de 2017, de 55 milhões de litros; a captação cresceu 50 milhões de litros em Santa Catarina e 22 milhões de litros no Rio Grande do Sul. Somadas, as captações de leite em Goiás e São Paulo perderam cerca de 14 milhões de litros no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2017.

Gráfico 2. Variação do volume de leite 1º trimestre (2018 vs. 2017). Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado, com base em dados do IBGE. 
 

 
Agora, a valorização nos preços ao produtor vista ao longo de 2018, os preços de concentrado e os impactos da paralisação dos caminhoneiros em maio devem ser determinantes para o ritmo na recuperação da captação formal de leite ao longo do restante de 2018. (Milpoint)
 
 
Preços/Espanha

A entidade que representa os produtores rurais da Espanha, Unión de Uniones de Agricultores y Ganaderos, depois de analisarem o preço do leite ao produtor, o Índice de Preços do leite e dos Produtos Lácteos aos Consumidores, e os valores na Europa, denunciam mais uma vez a situação de desequilíbrio que ocorre na Espanha e pede ao novo ministro que encontre um mecanismo para solucionar o problema do produtor de leite.

A Unión de Uniones, que já denunciara em distintas ocasiões a crise setorial, destaca que foram fechadas 900 fazendas de produção de leite no último ano, conforme dados do mês de abril de 2018 levantados pela Federação Espanhola Agrária (FEGA), o que mostra que está havendo concentração em grandes propriedades e afastando os modelos sustentáveis e socialmente justos que a União Europeia diz defender.

 
 
A Unión de Uniones insiste que se não forem tomadas medidas que equilibrem a cadeia, as pequenas propriedades continuarão perdendo rentabilidade e os agricultores, consequentemente, abandonarão sua atividade, com a consequente destruição de empregos e riqueza no meio rural; além disso os consumidores pagarão cada vez mais caro os produtos lácteos.

A Unión de Uniones lembra também que o preço na origem caiu 13,82% em relação a quatro anos atrás, quando era em torno de 0,369 €/litro, um valor que não faz sentido em um país que é deficitário na produção de leite, como a Espanha; já que tanto o preço ao consumidor do leite como o de produtos lácteos é mantido com muito maior estabilidade.

Destaca que o mercado lácteo tem um comportamento anormal, diante de regras de oferta e demanda. Comparando os preços aos produtores nos países europeus, a Espanha se situa também entre os países com os menores valores, 30,87 €/100 kg e abaixo da média do bloco europeu que em abril de 2018 era de 32,44 €/100 kg, segundo  Observatório do Mercado Lácteo da União Europeia. Mesmo em países com excedentes de leite pagam melhor que a Espanha, onde existe a necessidade de importar para cobrir o consumo.

Essa situação sugere que deveria ser reeditada a mesma medida de tempos atrás, quando as autoridades espanholas multaram as indústrias de laticínios por violarem as normas de uma boa concorrência. “Ainda que as multas impostas tenham sido pequenas em comparação com o lucro das indústrias, e seus impactos, a organização considera que esta é uma situação que mereceria investigação por parte dos órgãos de controle da Concorrência”, afirmam os membros da Unión de Uniones.

A organização ressalta que o novo ministro deve revisar o regulamento da cadeia alimentar e introduzir mecanismos eficazes que evitem a posição dominante que as indústrias exercem sobre os produtores, o elo mais fraco da cadeia de valor e que atualmente vende sua produção abaixo do preço de custo. “Esta situação de crise já dura há quatro anos, desde o fim das quotas de leite e a solução está longe de ser resolvida, porque falta vontade política” – diz a Unión de Uniones.

A organização insiste que este desequilíbrio é o reflexo do que existe em toda a cadeia alimentar, mas, mais acentuado em alguns segmentos, como a do leite, do azeite ou frutas, e confia que o novo ministro irá revisar o quanto antes a Ley de Melhora da Cadeia Alimentar e estabeleça bases para seu correto funcionamento. (Agrodigital – Tradução livre: www.terraviva.com.br)

CNA e Embrapa avaliam parceria a fim de impulsionar a exportação de lácteos

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, se reuniu com o chefe-geral da Embrapa Gado de leite, Paulo do Carmo Martins, para discutir possibilidades de parcerias técnicas entre as duas entidades. O encontro aconteceu nesta quarta-feira (13), na sede da CNA, em Brasília. O leite é uma das prioridades da gestão atual da CNA, que pretende transformar o Brasil em um grande exportador de produtos lácteos nos próximos anos. Segundo João Martins, a ideia é iniciar um projeto piloto na região Sul do País e depois expandir para os demais estados. 

“Vamos pegar uma parte do Brasil onde a pecuária de leite apresenta os maiores indicadores de crescimento e expandir para o resto do País, trabalhando com o foco na exportação. Inicialmente queremos exportar 5% da produção brasileira para equilibrar o mercado interno”, disse João Martins.

A CNA pretende construir um Projeto que contemple aspectos importantes para desenvolver a cadeia produtiva, passando pela produção, processamento, marcos legais e abertura de novos mercados. O grupo também deverá contar com a participação de representantes da produção, indústria e Governo.

Na opinião do chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, a instituição pode contribuir muito com o objetivo da CNA. Ele citou o sistema de monitoramento de qualidade do leite desenvolvido pela Embrapa e os cursos de capacitação para técnicos que a entidade já promove em Juiz de Fora (MG). “Hoje nós temos condições de, com inteligência, discutir qualidade do leite e não estamos fazendo isso a contento. Sabemos da decisão da CNA de priorizar o leite e atuar em termos de exportação, então temos algumas ações que poderemos trabalhar juntos”, afirmou Paulo Martins.

A reunião também contou com a presença dos vice-presidentes da CNA Júlio da Silva Rocha e Mário Borba, do diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, e do superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi. (As informações são da CNA)

Produção/Uruguai 

A produção de leite continua subindo e refletiu no salto de 17% na captação da Conaprole em maio, quando quando comparada com o mesmo mês do ano passado. Nos primeiros cinco meses do a captação subiu 12% em relação ao mesmo período de 2017. Nos doze meses encerrados em maio o incremento foi de 6,4%, em relação ao período anterior idêntico, destacou à Conexión Agropecuaria Alejandro Pérez Viazzi, vice-presidente da Conaprole. Nos primeiros 10 de junho a produção foi 12% maior em relação ao mesmo período do ano passado, ainda que tenha apresentado uma queda que foi associada ao volume de chuvas. Mais na frente “o crescimento poderá ser significativo porque o gado está bem, assim como as pastagens”, acrescentou Pérez Viazzi. O que ocorre com o clima mais na frente será fundamental. Se o clima acompanhar, é possível que a produção seja superior a 2016, e bem próxima à de 2015. (Blasina y Asociados – Tradução livre: www.terraviva.com.br)

Setor leiteiro mostra sinais de recuperação na Argentina

O setor leiteiro da Argentina mostrou sinais de recuperação nos primeiros quatro meses do ano crescendo em produção, exportações e consumo, segundo dados oficiais que foram analisados pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA). A produção de leite teve um auge de 9,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, alcançando os 3,21 bilhões de litros. "A princípios de 2017, vale lembrar que houveram fortes chuvas nas principais bacias leiteiras que trouxeram complicações para o produtor. Neste ano, contudo, as condições climáticas foram mais favoráveis, apesar da seca", destacou Jorge Giraudo, diretor geral da OCLA, ao Clarín Rural. Além disso, houve um aumento no final do ano passado no preço da matéria prima para os produtores de leite, principalmente na soja e no milho, componentes estratégicos para a dieta dos animais, que, a partir de agora, serão sentidos de maneira forte.

Durante o primeiro quadrimestre, foram registrados negócios de 524 milhões de litros exportados, 21,9% a mais do que no ano anterior. Este número representa 16,3% da produção total de leite. O Brasil continua sendo o principal comprador, recebendo 50% do total que o país exporta. (Fonte: Clarín/Tradução: Izadora Pimenta)

Especialistas debatem estratégias para ampliar exportação do agronegócio

Até 2022, a meta é conquistar a fatia de 10% do mercado mundial do agronegócio estimado hoje em 1 trilhão e 460 bilhões de dólares, o que representa o incremento de 146 bilhões de dólares para a balança comercial brasileira. No cronograma de trabalhos para alcançar esse resultado, instalou-se em Brasília nesta quarta-feira (13) a Comissão de Especialistas de Estratégias do Agro, liderada por Odilson Ribeiro e Silva, secretário de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O planejamento estratégico da ampliação e abertura de mercados para o agronegócio foi estabelecido na portaria 1564 do Ministério da Agricultura publicada no Diário Oficial da União em junho de 2017. Representantes dos ministérios da Agricultura, Relações Exteriores e Fazenda, da Embrapa e Conab participaram da primeira versão do documento preparada pela Secretaria de Relações Internacionais contendo listas de produtos, séries históricas, projeções de exportação e oportunidades de mercado.

“É a metodologia de trabalho que estamos propondo na instalação desta comissão de especialistas”, explicou o secretário de Relações Internacionais. “Estamos abertos a sugestões. Uma vez consolidado o planejamento estratégico com a meta para 2022, vamos apresentá-lo a todo o setor privado do agronegócio". A partir das primeiras contribuições coletadas nesta primeira reunião da comissão, o Secretário Ribeiro e Silva apresentará o documento na Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP) nesta sexta-feira (15). (As informações são do Mapa)
 

Projeto na Unijuí pesquisa composição do leite no Rio Grande do Sul
A Unijuí desenvolve projeto de pesquisa para estudar e caracterizar a composição do leite no Estado. A iniciativa é intitulada “Composição do leite de vacas de tanques de resfriamento em diferentes estações do ano”, sendo desenvolvida pelo Departamento de Estudos Agrários. O projeto vai até 2019. A pesquisa pretende contribuir para esclarecer a influência da dieta dos animais sobre a composição do produto na região noroeste, além de inovar na apresentação de dados, que validem os parâmetros de cobrança pela legislação. (As informações são da Rádio Progresso de Ijuí)
 
 

Porto Alegre, 14 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.756

 

   Sem acordo no frete, não há negócio no agro

Enquanto segue o impasse da tabela de preços mínimos de frete no país, que paralisou o mercado de grãos e afetou o transporte de diversos produtos, líderes do agronegócio orientam indústrias e produtores a não fecharem novos contratos.  

– É uma afronta para a livre negociação. Estão tentando extinguir a lei de oferta e da procura, isso não existe no mercado – argumenta Nestor Freiberger, presidente da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav). 

No setor de aves, por enquanto a maior parte das entregasestá mantida em razão de contratos antigos e por empresas que têm frota própria. O mesmo ocorre nas indústrias de laticínios, que têm conseguido fazer as coletas diárias nas propriedades. Em relação a novas contratações de frete, o entendimento dos dirigentes é de que não existe espaço para repassar o aumento de custos ao consumidor.

– Não há como absorver um preço mínimo do frete. Se for assim, vamos pedir que o governo regule o preço de outros produtos também – diz Alexandre Guerra, presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat). 

No mercado de grãos, parado há quase um mês, desde o início da greve dos caminhoneiros, a direção também é para que não se feche novos contratos com a tabela publicada no dia 30 de maio – uma das medidas que colocou fim à paralisação dos caminhoneiros no país.

– Se vendermos o grão ao preço atual do frete teremos prejuízo – garante Vicente Barbiero, presidente da Associação de Empresas Cerealistas do Estado (Acergs).

O dirigente exemplifica que o valor da tonelada de soja transportada do norte do Estado ao porto de Rio Grande aumentou cerca de 40% com a nova tabela. No caso dos fertilizantes, que aproveitam o frete de retorno dos caminhões, a alta é de 90%.

Nesta quarta-feira (13), o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 48 horas para que o governo se manifeste sobre a medida provisória que estabeleceu o preço mínimo dos fretes no país. (Zero Hora)
 
 
Uruguai: "parar de vacinar contra a febre aftosa requer o compromisso de todos"
 
Uma posição firme foi expressa pelo presidente do Centro Médico Veterinário de Paysandú, Lauro Artia Almirón, durante a inauguração da 46ª Conferência Uruguaia de Buiatria que ocorreu recentemente. Lauro expôs que - sem o compromisso de todas as partes envolvidas - é arriscado comprometer o plano de luta contra a febre aftosa.

Ele disse estar convencido de que para uma campanha de saúde funcionar bem, além dos aspectos técnicos, é necessário o compromisso e a participação dos produtores, médicos veterinários, indústria e autoridades sanitárias. Também, destacou que - neste caso da campanha da febre aftosa - tanto a nível nacional como a nível de países vizinhos, “há várias opiniões contrárias para a retirada da vacina, em nome de importantes representantes e de diferentes setores".

“Atualmente, o mercado japonês para a nossa carne está prestes a abrir, um dos mercados com maior poder de compra, graças ao fato de que conseguimos manter um status sanitário privilegiado, com o esforço de todos os envolvidos na cadeia”, acrescentou o profissional. Esse status foi revalidado recentemente na 86ª sessão da OIE, onde o Uruguai ratificou a condição de Risco Insignificante para Encefalopatia Espongiforme Bovina, Livre de Febre Aftosa com Vacinação de peste bovina e equina e se declarou pela primeira vez livre da peste nos pequenos ruminantes.

Por outro lado, Artia destacou como um desenvolvimento positivo a criação de um grupo de trabalho para redefinir objetivos e estratégias dentro da Direção Geral de Serviços de Pecuária (DGSG), que articulará as atividades das divisões de Saúde Animal (DSA), Indústria Animal (DIA) e Laboratórios Veterinários (Dilave) nas campanhas de brucelose e tuberculose. O profissional disse ainda que um aspecto importante a melhorar são as dificuldades administrativas para a execução dos pagamentos de indenização do Fundo para Doenças Prevalentes, aspecto fundamental da campanha, que também deve ser articulado. (As informações são do El Observador, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

Manteiga 

A demanda por manteiga de leite continuará crescendo e a produção não poderá acompanhar. Esta foi a mensagem principal de Christophe Lafougère, Diretor da consultoria GIRA na conferência da Eucolait (Associação Europeia dos Comerciantes de Lácteos) que foi realizada no início de junho. 

Segundo a GIRA, a produção de matéria gorda do leite aumentou em média 1,94% ao ano, entre 2006 e 2016. A partir dessa data, a produção continuou aumentando, mas, de forma mais moderada. Espera-se que os aumentos sejam de 1,53% ao ano, entre 2017 e 2022. A GIRA analisou as tendências de consumo nos principais países do mundo, incluindo a China, Rússia, Estados Unidos e a própria União Europeia (UE). A demanda dessas regiões deve crescer 1,8%, deixando o resto do mundo lutando por um aumento mais modesto, de 1% ao ano. Na UE, o uso da matéria gorda extra (339.000 toneladas entre 2017 e 2022) irá para o maior consumo de manteiga (42%), creme (21%), e queijo (32%). Nos últimos 10 anos o resto do mundo precisou de 2,4% de matéria gorda adicional por ano para satisfazer a demanda. Como resultado, é improvável que o 1% disponível satisfaça as necessidades, mantendo uma pressão de alta sobre os preços da matéria gorda.

Também é esperado que cresça a demanda por proteínas, principalmente através do crescimento do consumo de leite em pó desnatado. No entanto, a oferta deverá ser capaz de atender o aumento da demanda. (Agrodigital – Tradução livre: www.terraviva.com.br)

China busca fortalecer a sua produção própria de lácteos

Embora as exportações para a China pareçam ser o grande prêmio para muitas empresas de lácteos ocidentais, o caminho pode ficar um pouco mais difícil à medida que o país busca fortalecer sua própria produção de lácteos. O governo chinês diz que para revitalizar a indústria nacional de leite e melhorar a qualidade de seus próprios produtos lácteos, o Conselho de Estado lançou uma circular para orientar o desenvolvimento do setor.

O governo espera que a indústria aumente sua capacidade de produção por meio de inovação tecnológica, reforma do sistema em gestão e redução de custos, enquanto aumenta a eficiência. O desenvolvimento da indústria também deve ser coordenado com o desenvolvimento ecológico.

Indústria modernizada
O documento diz que até 2020, o progresso deve ser feito na construção de uma indústria de leite modernizada, com mais de 99% dos produtos se qualificando e a taxa de reutilização de resíduos na pecuária atingindo mais de 75%. A indústria de leite integral deve ser revitalizada até 2025, disse, "com bases de fontes de leite, processamento de produtos, qualidade e indústria atingindo os níveis mais altos do mundo".

Para melhorar as bases de fontes de leite, o governo está pedindo esforços para consolidar as bases atuais no norte, enquanto expande novas áreas no sul. O governo visa o desenvolvimento de métodos de criação de gado padronizados, melhorando a qualidade das vacas de leite por meio de plataformas de dados e de avaliação online, e produzindo forragem de alta qualidade para ashttp://www.trofeuagroleite.com.br/indicacao vacas.

De acordo com a circular, o Conselho de Estado incentiva a integração de empresas de lácteos, empresas de promoção e varejistas de e-commerce, a fim de reduzir custos e aumentar a eficiência para aumentar a competitividade das empresas de lácteos.

Supervisão aumentada
Regulamentos e regras sobre produtos lácteos também serão melhorados, com supervisão reforçada através de todo o processo de produção de produtos lácteos. Serão tomadas medidas mais rigorosas para garantir a qualidade do leite em pó para lactentes e ações ilegais como: misturar ingredientes não comestíveis e o uso excessivo de aditivos alimentares será estritamente proibido. (As informações são do Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint)

Produção Trimestral/IBGE 

O abate de bovinos teve aumento de 4,4%, o de suínos teve alta de 2,3% e o de frangos teve queda de 1,2% no 1º trimestre de 2018 frente ao 1º trimestre de 2017. Na comparação entre o 1º tri de 2018 e o 4º trimestre de 2017, o abate de bovinos caiu 4,2%, e o de suínos 3,1%, enquanto que o de frangos cresceu 3,5%, chegando a 1,48 bilhão de cabeças. A aquisição de leite atingiu 6,0 bilhões de litros, primeiro aumento, entre os primeiros trimestres, depois de três anos de quedas consecutivas. Houve alta de 2,4% em relação ao 1º tri de 2017 e redução de 8,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior. A aquisição de peças de couro cresceu 2,7% frente ao 1º tri de 2017 e recuou 2,0% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Já a produção de ovos subiu 7,1% comparado ao 1º tri de 2017, totalizando 846,75 milhões de dúzias, e recuou 1,3% em relação ao trimestre anterior. (IBGE/Terra Viva)

 
 

Soro do leite 
A falta de regulamentação para o comércio do soro do leite pode estar escondendo um rentável mercado para o produtor brasileiro. No Rio Grande do Sul, pelo menos um milhão de litros de soro são descartados diariamente e, por isso, o setor pede ao estado uma regulamentação específica sobre isso. Para assistir ao vídeo, CLIQUE AQUI. (Canal Rural)
 
 

Porto Alegre, 13 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.755

 

  Leite/América do Sul 

A produção de leite ao nível das fazendas continua melhorando na argentina, com as temperaturas amenas, que aumentam o conforto animal. No entanto o clima está úmido ultimamente nas principais bacias leiteiras, afetando apenas, marginalmente a produção de leite. No entanto, fortes chuvas causaram interrupção nos trabalhos de campo com o milho.

Conforme relatos setoriais, os componentes do leite - matéria gorda e proteína - estão próximos aos maiores níveis do ano. Consequentemente, o volume de creme ofertado ao mercado tem sido substancial, em comparação com alguns meses atrás. O preço do leite pago aos produtores está relativamente elevado, incentivando os agricultores a produzirem mais. De acordo com relatos das indústrias, grandes produtores de leite com capacidade de economia de escala, continuam adquirindo pequenas e médias operações. Enquanto isso, ao nível industrial, a produção de queijo, leite engarrafado, iogurte e leite condensado continua muito ativa em todo o país.

As fortes chuvas no Uruguai, particularmente ao Sul de Rio Negro, estão afetando a produção de leite em muitas fazendas. O excesso de chuva e a lama complicam a saúde do rebanho leiteiro, e muitos produtores relatam inúmeros casos de mastites. Enquanto isso, os produtores de leite continuam esperando a liberação do Fundo de Garanti de Dívidas, para aliviar o endividamento do setor.

A produção de leite no Brasil, de um modo geral continua baixa. A oferta de leite e creme não atende as necessidades de processamento, exceto para o leite engarrafado, leite UHT e queijo. Dada a baixa produção, os preços do leite ao produtor estão relativamente elevados, com o aumento dos custos das indústrias. A demanda por lácteos está boa em todo o país. Assim sendo, é esperado que as importações de lácteos procedentes de países vizinhos sejam firmes, e devem continuar por todo o outono/inverno. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)
 
 
 
Ritmo de retomada do varejo está mais forte

Após avançarem 1,1% no mês de março, as vendas do varejo voltaram a crescer 1% em abril, de acordo com dados do IBGE. Para Isabella Nunes, gerente de coordenação de serviços e comércio do instituto, os resultados mostram melhora no ritmo de retomada do varejo e um desempenho menos errático do setor. "Tínhamos meses de alta do varejo seguidos de meses de queda ou pouco crescimento. Era um dado mais volátil. Foi o primeiro par de meses que o varejo se mantém em um ritmo de recuperação", avalia Isabella.

As perdas acumuladas em 2015 e 2016, no entanto, não foram totalmente recuperadas. "O varejo ainda está 6% abaixo do ponto mais alto da série histórica, de outubro de 2014. Mas essa distância está diminuindo e no caminho para eliminar as perdas passadas", completa. Na avaliação do IBGE, o desempenho positivo em março e abril tem relação com o comportamento benigno da inflação e o crédito mais barato. 

Para entender quais foram os impactos da greve dos caminhoneiros no desempenho geral do setor varejista, será preciso aguardar a divulgação pelo IBGE dos resultados de maio. (As informações são do jornal Valor Econômico)

Euromonitor: consumo de alimentos sem glúten e lactose cresce no Brasil

O brasileiro está cada vez mais interessado em produtos sem glúten e lactose. Essa é a principal tendência identificada pela Euromonitor em um estudo sobre alimentação saudável apresentado na feira de produtos orgânicos Bio Brazil Fair, realizada no dia 8 de junho. Entre todas as categorias de alimentos funcionais, naturais ou de perfil saudável, como os orgânicos, diet e light, os produtos sem glúten têm a maior previsão de crescimento no país até 2022, com aumento nas vendas estimado entre 35% e 40% ao ano.

Hoje, o consumo anual de pães sem glúten está em pouco mais de US$ 1 dólar per capita no Brasil. Já bolos e massas sem o componente têm o consumo ainda abaixo de US$ 0,50 per capita. Outra tendência de aumento do consumo no país é o leite sem lactose, com alta anual estimada entre 10% e 15% nos próximos cinco anos. O produto mantém uma alta taxa de crescimento, mesmo já tendo um consumo significativo no Brasil — as vendas superam os US$ 300 milhões e US$ 2 per capita anuais.

De forma geral, os alimentos industrializados “livres de”, em que o fabricante tira de sua composição algum dos nutrientes que podem causar mal-estar ao consumidor, cresceram a um ritmo de 8% ao ano entre 2012 e 2017 na América Latina, aponta a Euromonitor.

Uma mudança de hábito contribui para esse cenário, segundo Maria Mascaraque, consultora de alimentos e nutrição da Euromonitor: buscar produtos totalmente naturais é a principal tendência na compra de alimentos saudáveis tanto no Brasil quanto globalmente. “Ser natural é a prioridade número um dos consumidores, o que ajuda a explicar porque os alimentos industrializados ‘free from’ e os orgânicos continuam a liderar o segmento de produtos saudáveis. Os consumidores buscam funcionalidade nos alimentos que consomem, mas somente se forem obtidos por meio de ingredientes naturais”, diz.

Soja em queda
Por outro lado, as bebidas à base de soja estão em queda no mercado brasileiro. Leite e suco que utilizam o grão devem ter o consumo reduzido em 10% ao ano até 2022, aponta o levantamento. Outros tipos de leites “alternativos” sem lactose, como o de coco e amêndoa, aparecem como uma opção crescente às bebidas com soja. Embora ainda representem menos da metade do valor de mercado destas, deverão ter um avanço anual próximo de 25% nos próximos cinco anos, segundo os autores da pesquisa. (As informações são da Época Negócios)

Leite em pó/AR 

Boa notícia: a partir deste mês de junho estão liberadas completamente as exportações de leite em pó da Argentina com destino ao Brasil. Não tão boa notícia: as vendas da commodity caíram em decorrência da crise política e econômica que está atravessando o principal sócio do MERCOSUL.

No dia 14 de agosto de 2017 representantes do Centro da Indústria Leiteira (CIL) da Argentina, ao terminar a cota de 51.600 toneladas correspondente ao ciclo comercial 2016/17, renegociaram em Brasília a prorrogação do mesmo até maio de 2018, com volumes mensais máximo de 5.000 toneladas. E obtiveram o compromisso, por parte do governo brasileiro, de que a partir de junho deste ano a restrição seria suspensa. Mas o novo cenário liberado não tem (e provavelmente não terá) efeito algum sobre a cadeia de valor dos lácteos da Argentina devido a queda da demanda brasileira. Nos primeiros quatro meses de 2018, segundo dados da alfândega do Brasil, as importações de leite em pó totalizaram 23.226 toneladas pelo valor total de US$ 67,7 milhões. No mesmo período de 2017 haviam sido 44.435 toneladas, ao custo de US$ 143 milhões.

No que se refere às vendas argentinas, entre janeiro e maio deste ano foram enviadas para o Brasil 11.603 toneladas pelo valor médio de US$ 2.911 a tonelada, enquanto no mesmo período de 2017 foram exportadas 16.582 toneladas, com o preço médio de US$ 3.255 a tonelada.

O Uruguai teve pior sorte: nos primeiros quatro meses deste ano enviaram 8.312 toneladas de leite em pó integral para o Brasil ao preço médio de US$ 3.054 a tonelada, quando no ano passado foram embarcadas 23.666 toneladas pela cotação média de US$ 3.255 a tonelada.

Como a cota de leite em pó violava as normas estabelecidas pelo MERCOSUL, o acordo se apresentava como um “acordo privado de auto-regulamentação” gerenciado pelo CIL e pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). (valorsoja - Tradução Livre: www.terraviva.com.br)
 

Mapa é autorizado a contratar 300 médicos veterinários concursados
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) já pode contratar 300 médicos veterinários aprovados em concurso público para desempenhar a função de auditores fiscais federais agropecuários (AFFA). Nesta segunda-feira (11), o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPOG) aprovou as contratações (Portaria nº 155). As nomeações serão realizadas a partir de julho. O salário inicial destes servidores será de R$ 14.584,71 e, a jornada de trabalho, de 40 horas semanais flexíveis, conforme a necessidade do cargo. Entre as atribuições estão a inspeção e a fiscalização dos produtos de origem vegetal e animal. Das 300 vagas, 285 serão ocupadas por livre concorrência e 15 destinadas a pessoas com deficiência (PCD). Os municípios que oferecem maior número de vagas são Itapiranga e Videira, em Santa Catarina, com quatro vagas cada. Entre as PCDs, Brasília fará o maior número de contratações: cinco pessoas. O Mapa solicitou ao Ministério do Planejamento a possibilidade de serem chamadas mais 150 profissionais aprovados no mesmo concurso. Segundo o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luis Rangel, a contratação resulta do esforço do ministro Blairo Maggi para reforçar a defesa agropecuária, reafirmando o compromisso internacional de garantir produtos com segurança alimentar. (As informações são do Mapa)
 

 
 

Porto Alegre, 12 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.754

 

  Leite/Europa 

Recente relatório da União Europeia (UE) mostrou dados do aumento da produção de leite pelo menos até março. A oferta de queijo e manteiga está apertada. As indústrias europeias agradecem o leite extra. No entanto, isto é apenas parte da verdade. Existem limites em termos de capacidade em várias fábricas, dependendo do país, ou mesmo em regiões de cada país.

O leite fluido pode transitar livremente pelos países da UE, no entanto, por questões de economia, tempo, custos de transporte e outros fatores podem resultar em algumas fábricas tendo muito, ou às vezes pouco leite. Assim, o crescimento mencionado, não é uniforme e nem o processamento, para utilizar todo o leite disponível. Às vezes pode ser, mas, nem sempre. A UE se esforça para cumprir as obrigações assumidas com as exportações e nova capacidade de produção é um trabalho para ajudar a manter dominância nas exportações. O certo é que no caso dos queijos isto é verdade. Em prol da produção e venda de queijos, um esforço está sendo realizado na Holanda para produzir mais leite nos padrões alemães para obter um certificado de leite produzido por vacas que se alimentam de grãos livres de modificações genéticas, e pastagens. Isto é vital para produzir não apenas mais queijos holandeses para o mercado alemão, mas também para consumidores do mercado mundial preocupados com este tipo de certificação.

As exportações de queijo comunitárias de janeiro a março de 2018 aumentaram 1,3% em relação ao mesmo período de 2017. Os três maiores compradores de 2018 em percentuais, em relação a 2017 são: Estados Unidos (-11,29%); Japão (-6,53%), e Suíça (+5,35%). Os dados são do site CLAL.

A Comissão Europeia divulgou no dia 1º de junho a proposta de revisão da Política Agrícola Comum (PAC). A proposta limitaria o pagamento em € 100.000 por fazenda. Isto é um aumento em relação ao limite anteriormente sugerido de € 60.000 por fazenda. Mesmo com uma proposta maior, vozes das grandes fazendas se opõem. Os apoiadores da proposta lembram que o orçamento para o exercício financeiro plurianual (MFF) de 2021-2017, que financia o PAC, será melhor depois do Brexit. Há também a preocupação de alguns membros de que a flexibilidade excessiva concedidas aos Estados Membros pode levar a resultados não satisfatórios para todos. Surgem tensões Leste-Oeste. Alguns agricultores que são beneficiários tradicionais, como França e Dinamarca, expressaram preocupações de que a nova estrutura estaria deslocando recursos para fazendas da Polônia e países Bálticos. As discussões devem perdurar por algum tempo ainda, pois serão dois anos de prazo, até que a decisão final seja tomada.

Representantes do governo da Bielorrússia se encontram com seus homólogos da Mongólia com o objetivo de estabelecer um cluster lácteo na Mongólia. A Bielorrússia propõe compartilhar modernas tecnologias de armazenamento, processamento e produção agrícola com a Mongólia. A Bielorrússia acredita que este é um passo no desenvolvimento de relações comerciais com outros países da região Ásia-Pacífico. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)
 
 
 
Leite/Oceania

Este é período do ano em que a produção de leite na Austrália está no menor patamar. É uma oportunidade para fazer manutenção das fábricas sem a interferência do fluxo de leite. O inverno vem chegando, e trouxe chuvas substanciais para o Sudeste da Austrália e que são muito bem vindas

Mesmo que as chuvas sejam bem vindas por trazerem umidade para o solo seco, a persistência delas atualmente traz preocupações em relação ao mofo e fungos que podem atingir os fardos de feno armazenados. A demanda por feno é forte na região, e a ameaça de perda foi tão preocupante a ponto de esgotar os estoques rapidamente. O norte da Austrália também enfrenta escassez na oferta de feno. Alguns analistas acreditam que a demanda irá superar a oferta nos próximos meses. Na Austrália Ocidental existe um intenso comércio de exportação de feno. Este negócio tende a impactar no preço doméstico do feno de qualidade. A meta para agora é a estreia de um índice de preços do leite elaborado pelo governo australiano. Este foi um debate eleitoral. O índice pretende informar os produtores sobre o mercado, indexando as cotações das commodities lácteas, projetando expectativas de preços no ano, identificando preços regionais do leite ao produtor, e fazendo análises diversas.

Nova Zelândia
Historicamente, a temporada começa no dia 1º de junho na Nova Zelândia, e esse dia é chamado do dia em movimento. Tipicamente, em grande velocidade, vacas de leite e famílias mudam de pastagens e de casas. Houve alguns debates sobre a necessidade de cancelar o dia em movimento deste ano em decorrência das preocupações com o mycoplasma bovis (m.bovis). A Nova Zelândia começa o processo de sacrificar vacas de rebanhos afetados. Fazendas contaminadas com m.bovis não poderão movimentar seu rebanho no dia 1º de junho, ou mesmo nunca, a não ser para abate.

No entanto, foi decidido que, para as fazendas e rebanhos não afetados, o movimento das vacas poderá ser realizado com rastreamento, para evitar a propagação de m.bovis. O cancelamento da movimentação tradicional seria inaceitável, especialmente porque o rastreamento é suficiente para prevenir a disseminação de doenças. Outros fatores também estão associados ao movimento dos animais, incluindo o bem-estar animal, uma vez que poderão faltar alimentos em determinados lugares, enquanto haverá degradação de pastagens em outros, durante o inverno.  

Fazendas que perderam seus rebanhos de leite em decorrência da M.Bovis deverão ficar um tempo sem retornar a produção. Depois da remoção das vacas haverá um período inicial de 60 dias. Esse intervalo de tempo será utilizado para limpar e desinfetar a propriedade. Formar um novo rebanho levará um tempo, e observadores consideram que reconstruir a partir do zero é um processo complicado. Um banco acredita que essa reposição levará a um processo inflacionário regional. Os produtores afetados perderão seus programas de melhoramento genético. Portanto, além de perderem em número, também perderão em qualidade. Já o impacto na produção de leite da Nova Zelândia será apenas marginal. Mas, em algumas regiões localizadas o impacto será substancial e difícil. Para os produtores altamente endividados haverá um estresse adicional. Haverá uma competição visível entre os processadores. Acredita-se que a grande cooperativa da Nova Zelândia esteja procurando fornecedores entre os produtores contratados por indústrias concorrentes. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva)

 


 
Exportações/Uruguai 

Nos primeiros cinco meses do ano o valor das exportações do setor lácteo foi 7% superior ao verificado no mesmo período de 2017, totalizando US$ 245,7 milhões, informou o Instituto Nacional do Leite (Inale).

Os principais aumentos ocorreram nas vendas de leite em pó integral e de manteiga. O Brasil é o principal destino (30% do total exportado), seguido pela Argélia (20%), China e Cuba (8%, cada) e México (7%). O Inale informou que no acumulado até maio, os produtos que aumentaram seu faturamento foram a manteiga US$ 26 milhões (38% mais que no mesmo período de 2017), e o leite em pó integral, com US$ 147 milhões (16% a mais). No mesmo período caiu o leite em pó desnatado e o queijo.
 
 

Ao comparar os preços médios dos produtos exportados, observa-se um incremento de 17% na manteiga e de 5% nos queijos, enquanto caem os preços de leite em pó, tanto desnatado como integral. Em maio os preços dos queijos exportados pelo Uruguai se mantiveram em relação a abril e foram negociados com a média de US$ 4.206 por tonelada, acrescenta o Inale. Melhoraram as remessas de leite em pó integral (+26%), atingindo 47.901 toneladas, e manteiga, (+18%), 4.888 toneladas.

Os principais destinos
Por produto, a Argélia é o principal destino do leite em pó integral, (34%) e em segundo lugar se encontra o Brasil (31%). O leite em pó desnatado vai preferencialmente para o Brasil (58%), seguido pelo México (11%). Os queijos, o primeiro lugar é para o Brasil (31%), depois México (22%). E, por último a manteiga vai em primeiro lugar para a Rússia (33%), e em segundo lugar para o Irã (18%). (TodoElCampo - Tradução Livre: www.terraviva.com.br)

 

Censo Agropecuário terá primeiros resultados divulgados em julho, diz IBGE
 O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará no fim de julho os primeiros dados do Censo Agropecuário. Os 26 mil recenseadores contratados para o levantamento coletaram informações de 5,3 milhões de estabelecimentos, em 7 milhões de visitas a endereços espalhados por todo o País. Alguns estabelecimentos precisarão ser visitados novamente para verificação de dados, mas os resultados da primeira divulgação não serão afetados, disse Roberto Olinto, presidente do IBGE. “A taxa de resposta foi muito alta. O rescaldo foi pequeno, muito localizado, mas tem que fazer. Tanto que não afeta dados da divulgação preliminar”, explicou Olinto. Os dados que necessitam de tabulação mais elaborada, que dão panorama sobre a agricultura familiar, por exemplo, serão divulgados adiante, com outros desdobramentos da pesquisa, contou Olinto. O último Censo Agropecuário foi realizado em 2006/2007. O levantamento deveria ocorrer a cada cinco anos, mas o IBGE não conseguiu o orçamento necessário. O Censo realizado agora tinha orçamento previsto de 1,6 bilhão, com a contratação de 80 mil profissionais, mas teve que ser reduzido para caber na verba aprovada de R$ 550 milhões e contratação de 29 mil funcionários temporários. “Esse censo foi reprogramado com orçamento muito menor”, reconheceu Olinto. “Diminuir projeto é diminuir propaganda e publicidade, não é cortar medições técnicas”, defendeu. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)
 

 
 

Porto Alegre, 11 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.753

 

  Leite/Uruguai
Ao processo de intensificação da produção de leite – que explica o incremento da produtividade nos últimos 30 anos – foram se acumulando problemas, tanto na produção e colheita de forragem, como na baixa lotação. Estes fatores limitam a produtividade – ou seja, litros de leite por hectare – que é baixo quando comparado com os principais países exportadores do mundo. Isto foi destacado por técnicos no último Fórum do Instituto Nacional do Leite (Inale), realizado na semana passada, por ocasião das comemorações dos 10 anos do Instituto.

O setor lácteo uruguaio cresceu quase que ininterruptamente desde o começo do século passado. Nos primeiros anos isto se deu pelo aumento da área ocupada. Nos últimos 30 anos a expansão foi realizada pela maior intensificação da produção, impulsionada pela dinâmica exportadora.

Em 2018 o setor lácteo continua recebendo sinais positivos, com um nível de captação surpreendendo favoravelmente, como em abril. O clima tem sido favorável proporcionando pastos verdes e volumosos de boa qualidade que se traduzem em maior produção. A captação de leite alcançou um recorde de 146,3 milhões de litros em abril, 11% a mais em relação ao mesmo mês do ano passado, e 10% superior à captação de março, que foi de 133 milhões de litros.

No Fórum do Inale de 2018, o professor da Faculdade de Agronomia e integrante do Conselho Interino da Universidade Tecnológica (UTEC), Pablo Chilibroste, explicou que o atual modelo de intensificação, no entanto, não fez nada para aumentar a competitividade das propriedades produtoras do Uruguai
 

Duas questões
Qual é o limite da estratégia da intensificação? Quais são as restrições para continuar crescendo com esse modelo?

Ainda que os resultados sejam positivos, o trabalho de hoje passar por melhorar a infraestrutura que é o limitante da competitividade do setor. “Por mais que nossa genética ou nossas terras nos permitam um maior desempenho, é impossível pensarmos que o sistema continuará funcionando com tanta eficiência com mais animais. Se queremos ter um crescimento em vacas, com hectares limitados, teremos que melhorar a infraestrutura”, comentou o diretor do Programa Nacional de Pesquisa em Produção de Leite do Instituto Nacional de Pesquisa Agropecuária, Santiago Fariña.

Essa infraestrutura refere-se à consolidação da fazenda, melhorando vias, salas de ordenha, currais de espera, sombras e distribuição de água. “Porque, definitivamente, o que afeta a produção das vacas é o que afeta o negócio. Não existe futuro se não investirmos em infraestrutura e para isso falta financiamento”, destacou.

E também é necessário, disse, uma “infraestrutura de mão de obra e capacitação de recursos humanos que possam ficar disponíveis paras as fazendas.

Quão competitivo é o Uruguai em relação ao resto do mundo? Ou melhor, Quão capazes somos de produzir mais leite do que o mercado interno precisa e poder vender esse excedente a um preço competitivo com os concorrentes do mercado mundial?

O setor lácteos uruguaio se encontra dentro dos sete países mais competitivos do mundo. Os baixos custos de produção e o moderado nível de endividamento em comparação com países da Oceania, Europa e América do Norte é o que faz o Uruguai competitivo.

Mas, no setor lácteo é importante alcançar bons níveis de competitividade, com boa produtividade.

O país está perdendo em matéria de produtividade, colheita de forragens (eficiência da terra), carga animal e produtividade as pessoas em relação aos concorrentes do item lácteo.

Uma vantagem competitiva
O baixo nível de endividamento dos produtos uruguaios em comparação com os demais países é uma vantagem competitiva. Se bem que existam produtores locais que estejam muito endividados, com obrigações financeiras que foram aumento ao longo dos anos, este trabalho analisa o panorama global e em comparação com o mundo.

Em um nível não tão preocupante, mas, que precisa ser observado, estão outros indicadores como produção individual, eficiência de conversão no uso de forragens, rentabilidade e exposição ao risco.

Os indicadores que posicionam o Uruguai como bem pouco competitivo são: forragem consumida por hectare, produção de leite por hectare (que tem relação direta com o consumo de forragens), carga animal que é o fator limitado pelos dois anteriores (produção e forragem consumida) e, por último a eficiência da produção de leite por pessoa.

Se bem que os ambientes dos países que competem com o Uruguai sejam distintos, pode-se comparar com regiões de condições climáticas e sistemas de produção muito similares, como a Nova Zelândia.    

No Uruguai se produz em média 4.000 quilos de matéria seca por hectare e com baixa carga animal, menos da metade de forragem consumida por hectare em comparação com o maior exportador mundial de lácteos.

A produtividade (litros de leite por hectare) da Holanda, Nova Zelândia e Austrália é de aproximadamente 14.000 litros por hectare, enquanto que no Uruguai é cerca de 3.000 litros por hectare.

A produtividade das pessoas é muito baixa no Uruguai. Nesse sentido, não se avalia a qualidade do trabalho individual, mas, as condições em que são desempenhadas as tarefas.
No Uruguai se produzem menos de 100 quilos de leite por hora de trabalho, enquanto que em países como Estados Unidos e Nova Zelândia, o indicador fica acima de 300 quilos de leite.

 

Menos área, mais produção
A partir da segunda metade da década de 80 a superfície destinada à produção de leite caiu 36%. Passou de 1,2 milhões de hectares para menos de 800.000. Foram perdidas 45% das fazendas. Havia mais de 7.000, e hoje são menos de 4.000 e os fornecedores baixaram 62%.
Esta queda de produtores nos últimos anos, fornecedores e de área destinada à produção de leite significou a intensificação, já que o tamanho média das fazendas foi aumentando e os litros captados por produtor também.

Todo o crescimento na produção de leite dos últimos 30 anos foi no incremento sistemático da produtividade, que se multiplicou por 4,5. Passou de 700 litros por hectare para mais de 3.000, em um processo ininterrupto.

A produtividade (medida em litros por hectare) até os anos 80 foi muito baixa, dando-se incrementos fundamentais na produção por vaca. Mas, nos últimos 30 anos o crescimento foi maior com taxas de 3,5% anual, coincidindo com a fase exportadora do setor.

A dinâmica de crescimento das fazendas uruguaias nos últimos cinco anos foi moderada, com a média de 3,6% por ano. A avaliação das terras feitas pelo Projeto Produção Competitiva mostrou que 37% das fazendas teve crescimento médio de 2,2%, mas, em 27% deles o desempenho foi negativo (-3,3%). Por outro lado 22% das propriedades teve crescimento de quase 7% ao ano, e as 14% restantes cresceram 16%.

Com estes resultados pode-se avaliar se as fazendas que tiveram melhor desempenho perderam competitividade nos últimos cinco anos. Os resultados indicam que os produtores que aumentaram em produtividade têm fazendas que foram mais competitivas durante este período e que superaram melhor os anos de crise leiteira.

Pablo Chilibroste explicou que as estratégias de crescimento dominantes foram o aumento da carga sem comprometer a produção individual, demonstrando ser eficiente no aspecto produtivo e econômico. O grupo que mais cresceu aumentou sua carga em 40%, informou. (El Observador – Tradução livre: www.terraviva.com.br)

 
 
 
China lidera importações de lácteos mundiais
A China continua liderando as importações da maioria dos produtos lácteos fabricados no mundo. Os volumes importados de leite em pó integral aumentaram 10% no primeiro trimestre do ano, para 215.525 toneladas, de acordo com as informações elaboradas pelo Instituto Nacional do Leite (Inale), com base em dados do Observatório de Leite da Comissão Europeia.

Argélia e Brasil seguiram em importância, mas ambos reduziram o volume de suas importações, -11% e -63% respectivamente (para 77.508 e 9.566 toneladas, respectivamente).

Importações de leite em pó integral de janeiro a março, em toneladas
 
 
A China também lidera as importações de leite em pó desnatado com um aumento de 11% (primeiro trimestre 82.480 toneladas). Segue-se o México e a Argélia, com um aumento das importações, + 9% e 32%, respectivamente (para 51.457 e 55.125 toneladas, respectivamente).

Importações de leite em pó desnatado de janeiro a março, em toneladas
 

 
O Japão lidera as importações de queijo com um aumento de 5% no primeiro trimestre (para 67.942 toneladas). Segue-se os EUA e a Rússia (com dados até fevereiro), com quedas de -9% e -10% (primeiro trimestre 38.292 e 30.471 toneladas, respectivamente).

A China substituiu a Rússia no ranking das importações de manteiga neste primeiro trimestre do ano com um aumento de 30% (31.180 toneladas), enquanto a Rússia (com dados até fevereiro) aparece em segundo lugar, com uma queda de -50% trimestre (8.681 toneladas). (As informações são do El Observador, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

Credenciamento

A EPAMIG Instituto de Laticínios Cândido Tostes abriu processo para credenciamento de 21 bolsistas (7 graduados, 7 mestres e 7 doutores) para atuar em projetos de pesquisa e ministrar disciplinas no curso técnico em leite e derivados e em outros cursos oferecidos pela instituição. 

O processo tem financiamento do governo do estado, por meio da Sedectes/Fapemig, com duração de dois anos. A gestão caberá à Fundação Arthur Bernardes (Funarbe).

O credenciamento já pode ser feito em www.candidotostes.com.br ou de forma presencial na secretaria do Instituto de Laticínios Cândido Tostes. O prazo para as inscrições vai até 28 de junho. O interessado passará por análises de ficha de inscrição e de currículo, prova prática (apresentação de seminário com duração de 30 minutos), entrevista, redação em uma das 21 áreas de pesquisa descritas no edital e deverá comprovar experiência na área de interesse.
A avaliação dos candidatos será feita por uma comissão composta por três membros indicados pela EPAMIG ILCT, entre especialistas com formação em cada área de pesquisa prevista no edital. A divulgação do resultado está prevista para 31 de julho no site www.candidotostes.com.br.

Segundo o chefe geral do ILCT, Cláudio Furtado Soares, a conquista beneficia diretamente as atividades desenvolvidas pelo Instituto, que ganha ainda mais capacidade em ciência e tecnologia em leite e derivados. "A chegada dos bolsistas será a soma de competências e valores acumulados internamente pelos professores, pesquisadores e técnicos, com as trazidas por esses novos profissionais", afirma. (Epamig)

 

ANTT revoga formalmente tabela de fretes contestada pelo setor produtivo
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (11/06) uma resolução que formaliza a anulação da tabela com preços mínimos do frete rodoviário editada na última quinta-feira (07/06) com revisões em relação à primeira, do dia 30 de maio. A tabela foi revisada pelo governo depois de grande pressão do setor produtivo, que alegou que a primeira versão da tabela gerou aumentos de até 150% nos preços do frete e ameaçou até ir à Justiça para barrar o tabelamento. A segunda tabela procurou aliviar o custo ao agronegócio e à indústria, mas contrariou os caminhoneiros, por trazer um corte médio de 20% nos preços. O impasse obrigou o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, a revogar a segunda tabela no mesmo dia, poucas horas depois de ter sido divulgada na noite da quinta-feira. Porém, o ato que anula oficialmente os efeitos da tabela revisada só foi publicado nesta segunda-feira (11).  Uma terceira versão dos preços está em discussão desde a semana passada e pode ser elaborada em substituição à primeira, que segue em vigor. Representantes de caminhoneiros e a ANTT marcaram para logo mais, às 9h, uma nova reunião, de caráter técnico, para tratar do assunto. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)
 

 
 

Porto Alegre, 08 de junho de 2018                                              Ano 12 - N° 2.752

 

  Melhoram os sinais, confirmando a tendência de alta no preço do leite

De acordo com a CNIEL “a conjuntura atual mostra sinais de melhora em relação à situação dos últimos meses. Uma tendência à alta no preço do leite ao produtor no segundo semestre constintui um cenário realista” explica o Centro Nacional Interprofissional de Economia Leiteiria (CNIEL), em sua análise mensal sobre a conjuntura do momento.

“A produção de leite em grandes bacias exportadoras se mostra menos dinâmica que o previsto. Nos quatro primeiros meses de 2018, a produção chegou a diminuir 1,8% na Nova Zelândia”.

“A Nova zelândia passou por um período de seca intensa que durou de dezembro à metade do mês de fevereiro”, disse Benoît Rouyer, diretor de economia do CNIEL. “Tendo em vista que as condições meteorológicas atrasaram significativamente o crescimento de pastagens, houve um impacto na produção de leite do país”, explicou.

“Na Europa, a captação de leite foi dinâmica até fevereiro, mas, o clima adverso em inúmeras regiões provocou queda importante no crescimento da produção, que ficou limitado a 0,4% no mês de março”.

Leve recuperação do leite em pó desnatado
O habitual pico de captação na França foi bem menos acentuado do que em 2016 e 2017. Entre a segunda quinzena de março e o fim de abril, a coleta de leite foi inferior à observadas nos últimos dois anos. Desde o início de maio a coleta semanal de leite “mantém a mesma queda registrada em 2017”, continua Benoît Rouyer, economista da Cniel.

 
 
“A queda na produção sustenta a tendência de alta no preço da manteiga. No que se refere ao leite em pó desnatado, os níveis de preços continuam atualmente muito baixos, menor do que os valores de intervenção, mas, mostram pequenas recuperações nas últimas semanas”.
 

“O dinamismo da demanda internacional e a venda recente de 66.000 toneladas do leite em pó dos estoques de intervenção nos meses de abril e de maio deverão manter essa tendência de alta moderada nos próximo meses”, resume o especialista.

“Em março de 2018, o preço padrão do leite de vaca convencional era de € 311/1.000 litros”. É preciso lembrar que a pesquisa mensal do leite da Franceagrimer foi alterada recentemente com dados novos, incluindo uma série específica para o leite de vaca convencional. Até agora, a Franceagrimer fornecia a série de dados históricos do preço do leite padrão englobando todos os tipos e qualidades. Mas, o preço do leite convencional se situa €14 abaixo do preço padrão do leite de vaca em geral, o que engloba não somente o leite convencional, mas também o leite orgânico e o leite destinado à fabricação de produtos de Origem Protegida”. (Web-Agri – Tradução livre: www.terraviva.com.br)
 
 
 
 
FAO: preços dos alimentos registram maior nível desde outubro de 2017

O índice de preços mundiais dos alimentos, medido pela Agência de Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO), subiu 2,2% em maio na comparação com abril e atingiu 176,2 pontos, o maior número desde outubro de 2017. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a elevação é de 1,2%. Conforme a FAO, houve aumento significativo nos preços do lácteos e, em menor intensidade, nos cereais, que não compensaram a redução nos óleos vegetais e no açúcar.

O indicador para lácteos subiu pelo quarto mês consecutivo e ficou em 215,2 pontos, com alta de 5,5% em comparação a abril. Houve elevação nos valores do leite desnatado, queijo e manteiga. Os preços dos cereais tiveram alta média de 2,4%, com o indicador a 172,9 pontos. A FAO explica que a trajetória é ascendente desde começo do ano, com destaque para o trigo, devido à perspectiva de queda na produção mundial. Menor estimativa de colheita de milho no Brasil e Argentina também foram considerados e impulsionaram os valores.

As carnes caíram menos de 1 ponto percentual na comparação mensal, para 169,6 pontos em maio, refletindo o alívio nos preços da carne suína e ovina, enquanto a carne de frango aumentou ligeiramente. “Embora os preços de aves tenham subido, este mercado foi difícil de monitorar nas últimas semanas devido à incerteza em torno da situação no Brasil, o maior exportador de carne de frango do mundo, onde milhões de aves foram abatidas após uma prolongada greve dos caminhoneiros em maio”, diz o texto de divulgação da FAO. Os preços da carne bovina permaneceram estáveis.

Em queda ficaram os indicadores de óleos vegetais e açúcar. O primeiro recuou 2,6% na comparação mensal, para 150,6 pontos, marcando a quarta queda consecutiva. O índice para açúcar chegou a 175,3 pontos, 0,5% menos que em abril, com sexto mês de declínio. (As informações são do jornal Valor Econômico)

Empresas lácteas se juntam na luta contra o lixo plástico na Nova Zelândia

Em um evento em Auckland, Nova Zelândia, 12 empresas locais e internacionais assinaram uma declaração para lidar com o lixo plástico, anunciou a ministra do Meio Ambiente Associada, Eugenie Sage. As empresas, inclusive a Danone e outras com interesses lácteos, como PepsiCo, The Coca-Cola, Unilever e Nestlé, escolheram o Dia Mundial do Meio Ambiente, com o tema “Beat Plastic Pollution”.  Elas se comprometerem a usar 100% de embalagens reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis em suas operações na Nova Zelândia até 2025 ou antes.

Algumas empresas com sede na Nova Zelândia que assinaram a Declaração de Embalagens Plásticas da Nova Zelândia são: Foodstuffs, Countdown, New Zealand Post e Frucor Suntory. Outras empresas incluem as multinacionais Amcor, L'Oréal e Mars, que ao assinarem a declaração da Nova Zelândia, reafirmaram uma promessa feita no início deste ano como parte da iniciativa da Nova Economia de Plásticos da Fundação Ellen MacArthur. "Essas empresas estão prometendo fazer a sua parte para conter a maré de resíduos de plástico e poluição devido ao material", disse Sage.

Economia circular
Outras empresas podem se inscrever entrando em contato com o Ministério do Meio Ambiente. Elas devem demonstrar que podem relatar o progresso anualmente. “Precisamos de ação agora. Os cientistas estimam que existam mais de 150 milhões de toneladas de plástico no oceano”, acrescentou Sage.

Sage também anunciou NZ$ 2,7 milhões (US$ 1,9 milhão) em financiamento para a organização local Sustainable Coastlines a fim de desenvolver um programa de educação e banco de dados nacional de lixo. O programa treinará "cientistas cidadãos" em todo o país para inserir seus próprios dados usando uma metodologia padrão. Os educadores serão treinados em todo o país com recursos e ferramentas de avaliação para oferecer uma educação eficaz que reduza o lixo.
Em 07/06/18 – 1 Dólar Neozelandês = US$   0,70258                         
1,42333  Dólar Neozelandês = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)
(As informações são do Dairy Reporter, resumidas e traduzidas pela Equipe MilkPoint)

 
 
Com alta da gasolina e da conta de luz, inflação acelera para 0,40% em maio

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou maio com alta de 0,40%, ante um avanço de 0,22% em abril, informou nesta sexta-feira, 8, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Alta de preços no mês foi impactada principalmente por reajustes na energia elétrica, gasolina e óleo diesel. 

A taxa acumulada pela inflação no ano foi de 1,33%, o menor nível para os 4 primeiros meses do ano desde a implantação do Plano Real, em 1994. Em 12 meses, o IPCA acumulou alta de 2,86%, dentro das projeções dos analistas, que iam de 2,64% a 3,10%, e novamente acima da mediana (2,75%).

Os principais impactos no mês, segundo o IBGE, foram os reajustes na energia elétrica, gasolina e óleo diesel. No caso da energia elétrica, a alta foi de 3,53%, após a entrada em vigência da bandeira amarela e os reajustes em sete capitais, chegando a 18,53% em Belo Horizonte e a 16,95% em Salvador.

Os maiores impactos individuais foram registrados na gasolina (alta de 3,34%) e nas passagens (-14,71%). O óleo diesel apresentou alta de 6,16% e, junto com a gasolina, reflete os aumentos de preços na refinaria. Entretanto, com a greve dos caminhoneiros e o desconto de 10% no preço do diesel a partir do dia 24 de maio, o último período da coleta registrou preços menores. O etanol manteve a queda de abril (-2,73%), com os preços em média 2,80% mais baratos.

O grupo Habitação apresentou a maior variação dentre os grupos de produtos e serviços pesquisados (0,83%) e deu a maior contribuição (0,13 p.p.) para o IPCA. O destaque foi a energia elétrica que, após a alta de 0,99% registrada em abril, subiu 3,53% em maio, correspondendo a 0,12 p.p. no índice do mês. Desde 1º de maio vigora a bandeira tarifária amarela, adicionando a cobrança de R$0,01 a cada kwh consumido. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)

 
 

Israel tem a maior produtividade do mundo
No terceiro episódio da série Conexão Israel, você vai conhecer os segredos do país que tem a maior produtividade de leite do mundo. Aqui no Brasil, empresas líderes na produção leiteira estão atentas às tecnologias praticadas por lá e interessadas em colocar em prática o que há de mais moderno no mercado. CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo. (Canal Rural)
 

Em caráter de urgência, entidades gaúchas da cadeia produtiva de proteína animal formalizaram documento com solicitações referentes à recuperação financeira do setor após a paralisação nacional dos caminhoneiros. Os pedidos serão entregues pelo secretário da Agricultura do Rio Grande do Sul, Odacir Klein, ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e ao governador do Estado, José Ivo Sartori, em reunião prevista para esta sexta-feira (08/6). Os pedidos precisam do respaldo do governo estadual, da União e do sistema financeiro nacional.

De acordo com o secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Darlan Palharini, no âmbito do Estado a proposta é que os vencimentos de ICMS referente aos meses de maio, junho e julho sejam prorrogados por 30 dias ou, em outro caso, que o governo apresente um plano de parcelamento do tributo. Palharini destaca a importância do pleito para o setor, uma vez que atrasos no pagamento do ICMS resultam na perda de crédito presumidos. Já em âmbito federal, está sendo encaminhado pedido para uma autorização momentânea de compensação do PIS/Cofins no INSS. Por último, o setor representado por indústrias e produtores pede a prorrogação dos financiamentos vincendos nos próximos 180 dias ou a apresentação de uma proposta de negociação. Além desses pleitos, as indústrias solicitam a liberação de linhas de crédito para capital de giro.

A decisão de formular o documento foi debatida na manhã desta quinta-feira (07/6), em Porto Alegre (RS), em reunião do Grupo de Proteína Animal, com a presença das entidades ligadas ao setor produtivo, lideranças do governo e representantes de instituições bancárias. O Sindilat foi representado no encontro por Palharini e pelo presidente do sindicato, Alexandre Guerra.

Como estratégia de minimizar os impactos da paralisação dos caminhoneiros, Guerra reforçou a importância da compensação do INSS com PIS e Cofins, pauta que teve negativa recente do governo federal. “O setor vem trabalhando no vermelho há muito tempo, onde nesses cinco primeiros meses do ano comercializamos produtos com valores menores em relação ao mesmo período do ano passado", afirmou .

Para mediar a conversa entre lideranças federais e estaduais, o secretário Odacir Klein se colocou como o “advogado” da cadeia produtiva, e elogiou a união do setor durante o “tsunami”, como se referiu aos dias de paralisação dos caminhoneiros. “A organização do setor foi fundamental. Trabalhamos com responsabilidade como Secretaria da Agricultura, mas o setor foi muito ágil”, disse.

O documento é composto por pedidos do setor representados por Sindilat, o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Rio Grande do Sul (Sicadergs), a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), o Sindicato das Indústrias de Produtores de Suínos (Sips), a Federação da Agricultura do Estado (Farsul) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag).

Crédito: Eduardo Oliveira/Seapi