Pular para o conteúdo

16/05/2022

Newsletter Sindilat_RS

Porto Alegre, 16 de maio de 2022                                                           Ano 16 - N° 3.661


Nota de conjuntura Emater/RS

As pastagens anuais de inverno estão em condições de pastoreio em diversas áreas. Também é considerado bom o desenvolvimento das lavouras de milho safrinha para a silagem, criando uma expectativa favorável aos produtores de leite, que necessitam refazer os estoques utilizados durante a estiagem. Já a prática de fenação está sendo prejudicada pela frequente ocorrência de chuvas.
 
No geral, as condições sanitárias dos animais são satisfatórias. Segue a realização do controle do carrapato e da mosca, assim como as vacinações obrigatórias. No aspecto reprodutivo, a maior parte dos rebanhos leiteiros está em fase final de lactação.
 
As chuvas intensas causaram a formação de barro e consequentemente trouxeram problemas nos locais de aglomeração dos animais, como nos locais de espera antes da ordenha e de alimentação e na própria sala de ordenha, exigindo maiores esforços para a manutenção da limpeza e, assim, aumentando as chances de contaminação do leite e de casos de mastite.
 
Em diversos locais, foi registrado o aumento do preço do litro do leite pago ao produtor, tornando a atividade mais rentável.
 
Na regional da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, houve melhora na produção diária de leite, reflexo do retorno de oferta de forragem, que se beneficiou com as chuvas.
 
Já na regional de Bagé, à medida que o período de vazio forrageiro se intensifica, a produção de leite reduz.
 
O mesmo ocorre na regional de Soledade, onde a ocorrência excessiva de chuvas, a alta umidade e a baixa incidência de radiação solar vêm causando uma grande redução no desenvolvimento das forrageiras, principalmente na região do Alto da Serra do Botucaraí, impactando de forma negativa a produtividade leiteira.
 
Na regional de Erechim, também foi relatada uma pequena queda na produção em razão da baixa qualidade das pastagens. O manejo dos rebanhos ficou prejudicado devido à formação de lama nos corredores e nos arredores das instalações.
 
Na regional de Pelotas, está praticamente finalizada a colheita das lavouras de milho cultivadas para a produção de grãos que, devido à baixa qualidade, estão sendo utilizados para a confecção de silagem. (As informações são da Emater-RS, adaptadas pela equipe MilkPoint)

Conseleite/MT: alta de 11,93% no preço do leite a ser pago em maio
 
A diretoria do Conseleite – Mato Grosso atendendo os dispositivos do seu Estatuto, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima, referente ao leite entregue no mês de Março de 2022 a ser pago em Abril de 2022 e para o leite entregue no mês de Abril de 2022 a ser pago em Maio de 2022.
 
Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão levando em conta o volume médio mensal de leite entregue pelo produtor.
 
Os valores de referência da tabela são para a matéria-prima leite “posto propriedade”, o que significa que o frete não deve ser descontado do produtor rural. Nos valores de referência está incluso Funrural de 1,5% a ser descontado do produtor rural.



As informações são do Conseleite-MT



Perspectivas do USDA sobre o mercado lácteo da América do Sul – Relatório 19 
Leite/América do Sul – A produção de leite na Argentina melhorou. No entanto, relatórios uruguaios e chilenos mostram queda na produção total de leite.
 
Existem fatores em comum a todos os produtos do Cone Sul da região, custos crescentes de ração e fertilizantes e expectativas de colheita questionáveis. O fenômeno La Niña afeta as plantações de milho da região, e as condições de seca persistem, principalmente no Brasil. Os contatos esperam que os relatórios globais de milho, alguns dos quais serão divulgados em breve, apresentem rendimentos mais baixos com base nos trechos secos mencionados acima e aumento dos custos de fertilizantes regional e globalmente.



Fonte: Usda – Tradução Livre: Terra Viva 

Jogo Rápido 

Fraca demanda chinesa por lácteos é preocupante, diz economista
Um economista de lácteos diz que os últimos números de importação de lácteos da China podem ser preocupantes para os preços. Nate Donnay, da StoneX, disse à Brownfield como o maior importador de produtos lácteos do mundo, um declínio de quase 30% nas importações de março pela China pode ser devastador para os preços se a tendência se mantiver. “Eles são enormes”, diz ele. “Cada mudança de 1% nas importações da China anualmente representa um impacto de cerca de 1% nos preços globais de lácteos”. Felizmente, ele diz que os números de março refletem os lockdowns por causa do COVID e não um novo desenvolvimento na demanda geral. “Mas esses problemas logísticos não melhoraram em abril e no início de maio eles ainda estão conosco, e as pessoas me dizem que ficarão conosco por alguns meses”, diz ele. Como resultado, ele diz que os preços globais dos lácteos caíram significativamente no curto prazo, mas se isso se espalhar pelos preços dos EUA, os produtores de leite podem ter margens ainda mais apertadas. (As informações são do Brownfield, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint)

 
 
 
 
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *