Pular para o conteúdo

28/07/2020

Porto Alegre, 28 de julho de 2020                                              Ano 14 - N° 3.272

 Preço do leite se mantém no RS

A projeção para o valor de referência do leite no Rio Grande do Sul em julho é de R$ 1,4244, alta de 1,82% em relação ao consolidado de junho (R$ 1,3989). A estimativa foi apresentada na reunião virtual do Conseleite/RS nesta terça-feira (28/07) e indica estabilidade de mercado, com recomposição do preço dos queijos. O professor da UPF Marco Antônio Montoya pontuou que, com a concentração do consumo dentro das residências em função quarentena, o que se vê é uma valorização dos alimentos. Segundo o levantamento do Conseleite, a maioria dos derivados lácteos no primeiro semestre de 2020 está acima dos valores praticados no mesmo período de 2019. Contudo, com o avanço da safra e o típico aumento de produção no segundo semestre do ano, a tendência é que os preços se mantenham nesse patamar. 

O presidente do Conseleite, Rodrigo Rizzo, reforçou que a estabilidade do leite no Rio Grande do Sul segue tendência também verificada em outros itens da cesta básica, mas alertou que o momento é de cautela. “A variação cambial tem ajudado. Estamos vivendo um bom momento, mas é preciso atenção com investimentos”, alertou. 

A posição foi reforçada pelo vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, que informou que o câmbio no atual patamar deixou o leite importado pouco competitivo no mercado nacional, favorecendo a produção local. De acordo com Guerra, a estabilidade do mercado nos meses de junho e julho traz alento a um setor que enfrentou muita pressão ao longo dos últimos anos. “Deixamos para trás a volatilidade registrada em março e abril e entramos em um cenário de estabilidade em junho e julho, um patamar necessário para o setor se manter”, completou.

Outro fator citado pelo Conseleite para fomento ao consumo de alimentos foi o auxílio emergencial concedido pelo governo federal às famílias de baixa renda. “Esse valor de R$ 600,00 tem sido revertido para consumo de alimentos em casa”, destacou Rizzo.

O Conseleite também debateu a Reforma Tributária proposta pelos governos estadual e federal. As entidades ligadas ao Conseleite estão estudando o tema e as possíveis contribuições. (Assessoria de imprensa Sindilat/RS)

 
              

Países em desenvolvimento impulsionarão produção de leite mundial na próxima década
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) publicaram seu relatório de previsões para o mercado mundial agrícola – World Agricultural Outlook para 2020-2029.

Na próxima década (2020-2029), a produção mundial de leite deverá aumentar 1,6% ao ano. Espera-se que esse crescimento venha da combinação de um rebanho leiteiro maior (0,8%/ano) e melhorias contínuas nos rendimentos (0,7% ao ano).

Em particular, prevê-se que as nações emergentes no mercado global de laticínios contribuam mais para esse crescimento da produção. Somente a Índia e o Paquistão respondem por quase um terço do crescimento previsto nos próximos dez anos. Enquanto isso, espera-se que o crescimento de países mais estabelecidos, como a União Europeia (UE) e os EUA, seja mais silencioso devido a restrições ambientais e crescimento limitado da demanda doméstica.

Também é esperado que a produção dos principais produtos lácteos aumente. Prevê-se que a produção de manteiga, leite em pó desnatado e integral aumente cerca de 1,6% ao ano. No entanto, é provável que o crescimento da produção de queijos seja mais suave, devido a um aumento mais lento do consumo nos mercados mais desenvolvidos.

Prevê-se que o consumo de produtos lácteos cresça de 1,2 a 1,9% ao ano na próxima década. Espera-se que a maior parte desse crescimento venha dos países em desenvolvimento, pois o consumo está positivamente correlacionado com níveis mais altos de urbanização e renda familiar.

Nos países desenvolvidos, esse aumento do consumo ocorre a uma taxa muito mais lenta. O consumo de laticínios frescos tem sido estável ou em diminuído nessas regiões, embora tenha havido uma mudança notável em direção ao maior uso de gordura láctea.

Quais são os principais riscos?
Um dos principais riscos previstos são as mudanças comportamentais de longo prazo no hábito de compra do consumidor devido à Covid-19. O setor de serviços de alimentação é um canal essencial para laticínios e a quase paralisação desse setor afetará os níveis de consumo. Se essas medidas permanecerem em vigor por um período prolongado, poderá haver mudanças mais duradouras nos hábitos dos consumidores. Além disso, a desaceleração econômica será um fator-chave que afetará os níveis de consumo, principalmente de produtos de maior valor, como queijo e manteiga.

O aumento da pressão sobre os sistemas de laticínios para avançar continuamente em direção a práticas sustentáveis, particularmente nos países desenvolvidos, será um importante catalisador para a transição na próxima década. Já vimos algumas nações, como a Holanda, adotarem legislação ambiental que teve efeitos indiretos na produção.

Finalmente, futuros acordos comerciais podem ter impactos importantes no movimento de laticínios. Um ponto de observação importante será a Rússia, já que o embargo a produtos lácteos das principais regiões exportadoras deve terminar este ano. Será interessante ver se as importações voltarão aos níveis de pré-proibição. (As informações são do Agriculture and Horticulture Development Board (AHDB), traduzidas pela Equipe MilkPoint)

 

Uruguai: produção de leite aumentou em junho
O Instituto Nacional do Leite (Inale) informou que em junho deste ano a produção de leite foi superior ao mesmo mês de 2019; em termos de valor, houve uma queda devido ao menor teor de sólidos em relação a maio e ao preço dos sólidos com um leve aumento, explicou.

Em junho de 2020, a produção foi de 166 milhões de litros, 5,6% a mais do que em junho de 2019.

No acumulado de 2020, a produção foi de 889 milhões de litros, 4,9% a mais que no mesmo período de 2019.
E no período de junho de 2019 a maio 2020 foram produzidos 2,012 bilhões de litros, 0,8% a mais que no mesmo período anterior (junho 2018/maio de 2019).

 
Preço: Em relação ao preço ao produtor, em junho foi menor por litro, devido ao menor teor de sólidos em relação a maio e ao preço dos sólidos com um leve aumento, explicou o Inale.

Em junho, o preço do leite ao produtor caiu 3,2%, para 12,25 pesos por litro. Medido em dólares, a queda foi de 1,2%, situando-se em US $ 0,29.

Finalmente, o valor por quilo de sólidos aumentou ligeiramente em 0,2%, para 166,5 pesos (US$ 3,91). (As informações são do Todo El Campo, traduzidas pela Equipe MilkPoint)
                

 
Produção de leite dos EUA aumenta 0,5% em junho
O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos informou nesta semana que a produção de leite em junho subiu apenas 0,5%, com 23.000 cabeças a mais em relação ao ano anterior. A produção de leite no segundo trimestre aumentou 0,4%, uma grande redução após o aumento de 3,1% no primeiro trimestre. O número de vacas está diminuindo mês a mês, no entanto. O USDA estima que existam 9,35 milhões de vacas nas fazendas leiteiras dos EUA em junho. Isso é 10.000 cabeças menos que maio e 35.000 cabeças menos que março, quando o número atingiu o pico. A produção de leite por estado é variada, embora a maioria dos principais estados leiteiros do Ocidente continue produzindo mais leite. A Califórnia teve aumento de 1%; Texas, + 4,4%; Colorado, + 5,5% e Idaho, + 3,5%. O Novo México caiu 6,2%, embora o número de vacas tenha subido em 3.000 cabeças Os estados do Centro-Oeste caíram de forma geral, embora Dakota do Sul tenha tido a maior explosão de leite em relação a qualquer estado, um aumento de 9,5%. O número de vacas em Dakota do Sul subiu 12.000 cabeças, um aumento de quase 10%. Mas esse número foi compensado ??por Wisconsin, com menos 11.000 cabeças. A produção de leite em junho no Wisconsin caiu 1,4%, em Michigan caiu 0,6% e Minnesota, 1,4%. No leste, Nova York subiu 0,3% e a Pensilvânia, 1,5%. (As informações são do  Farm Journal & MILK Magazine, traduzidas pela Equipe MilkPoint)
 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *