Pular para o conteúdo

27/07/2020

Porto Alegre, 27 de julho de 2020                                              Ano 14 - N° 3.271

 Embaixada: Brasil e China devem considerar livre comércio
“O mercado chinês vai crescer ainda muito nos próximos anos, e com uma urbanização cada vez intensa – é a maior classe média do mundo, com 400 milhões de pessoas. A política chinesa tem sido a autossuficiência em cereais e alimentos básicos, mas a abertura para importação de outros produtos. E os estudos apontam que a China vai dobrar a demanda por alimentos até 2050”. A afirmação foi feita pelo Ministro Conselheiro da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui.
Ele participou da edição dessa semana do Webinar CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China). Com o tema “Agricultura e Inovação: Um olhar estratégico para as relações entre Brasil e China”, o encontro virtual reuniu membros dos governos brasileiro e chinês e do empresariado, incluindo a presença de Embaixador Orlando Leite Ribeiro, que é Secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Rodrigo Santos, Head da Bayer Crop Science LATAM e Carolina Tascon, Diretora Comercial da COFCO International. A moderação do evento ficou a cargo do Embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, presidente do CEBC. 
“Acredito que os dois governos, tanto o brasileiro como o chinês, devem estreitar cada vez mais a comunicação entre si para disponibilizar os mecanismos para trabalhar no mercado chinês. Temos que pensar no tema de livre comércio, que é sensível, mas o comércio deve ocorrer deve acontecer de forma aberta. Outros países já fizeram e estão colocando muitos produtos na China”, afirmou Qu Yuhui. 
Além disso, de acordo com o Conselheiro da Embaixada da China no Brasil, os empresários brasileiros devem ser mais “‘agressivos’ no mercado chinês, evitar o imediatismo, pensar em longo prazo, investir mais no marketing, entender o consumidor e fortalecer as cadeias para acessar essa demanda”.  
O Embaixador Orlando Leite Ribeiro, por sua vez, afirmou no evento que “há uma grande concentração em uma única commodity e um único país, China, que detém 40% das compras do agronegócio brasileiro, o que representa algo em torno de US$ 5 bilhões. Essa é uma forma de ver as coisas. A outra é que a cada Dólar exportado para os Estados Unidos, o Brasil vende sete Dólares em produtos do agronegócio para a China”. 
Segundo ele, a Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, tem como prioridade a diversificação de produtos e mercados. “E temos tido sucesso nisso, pois já abrimos 85 novos mercados desde o início do governo. Mesmo para a China, já conseguimos a liberação de diversos produtos”, concluiu. (As informações são do Agrolink)
 
              

Arrecadação cai 30% em junho e tem o pior resultado para o mês desde 2004

Para governo, dados de julho indicam retomada e perspectivas positivas
 

Impactada pela pandemia, a arrecadação federal registrou queda real de 29,59% em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado e ficou em R$ 86,3 bilhões. Foi o pior resultado para o mês desde 2004, segundo dados da Receita Federal. Apesar do resultado, o governo defende que as perspectivas para julho são positivas e os dados indicam retomada.

O resultado da arrecadação no mês passado reflete a queda no ritmo da atividade econômica observada nos últimos meses, explicou o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias. Mas, além disso, também foi impactado pelas medidas colocadas em prática pelo governo para fazer frente aos efeitos da pandemia, como o diferimento de impostos.

A postergação de pagamentos, como de PIS/Cofins, Contribuição Previdenciária e Simples Nacional, gerou uma perda de receitas de R$ 20,4 bilhões no mês. A redução a zero da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) Crédito, por sua vez, teve impacto de R$ 2,3 bilhões. Já as compensações tributárias somaram R$ 6,8 bilhões.

Mesmo desconsiderando esses efeitos, chamados de não recorrentes, no entanto, as receitas administradas ainda apresentariam uma queda de 9,32% no mês passado. Com esses efeitos no cálculo, a queda foi de 29,32%. Já no caso das receitas não administradas, onde estão os royalties de petróleo, por exemplo, a queda em junho foi ainda maior, de 39,41%.

Com o desempenho do mês, o recolhimento no semestre atingiu a marca de R$ 666 bilhões, uma baixa real de 14,71% sobre o mesmo período de 2019. Foi o pior resultado para o período desde 2009.

Apesar dos números, os representantes do governo expressaram otimismo com os rumos da economia. “A impressão que temos hoje do resultado da arrecadação é extremamente positiva”, disse Malaquias, acrescentando que boa parte do resultado do mês é explicada por medidas de diferimento, não de desoneração, e que esses valores podem ser recuperados até o final do ano.

Segundo ele, a arrecadação é concentrada no final do mês, por isso é preciso esperar o encerramento de julho, mas já “há sinal de melhora”.

O subsecretário de Política Fiscal da Secretaria de Política Econômica (SPE), Erik Figueiredo, enfatizou que os indicadores indicam recuperação, citando, por exemplo, consumo de energia e vendas no cartão de crédito. “Há vários indicadores mostrando que essa recuperação se iniciou no final de maio e vem ganhando tração ao longo dos meses”, disse pontuando que o ritmo de retomada depende também do nível de retorno às atividades no Estados.

Questionado sobre a possibilidade de nova postergação do pagamento de tributos, Malaquias disse que todas as áreas do governo estão preocupadas com o desempenho da atividade e procurando ir na direção das necessidades das empresas, mas que por enquanto não estão sendo feitos estudos nesse sentido.

O governo deixou de arrecadar R$ 55,9 bilhões no primeiro semestre devido a desonerações tributárias. Em 2019, abriu mão de R$ 48,2 bilhões no mesmo período. Apenas em junho, as desonerações somaram R$ 10,6 bilhões. (Valor Econômico)

Importadores de lácteos

O desempenho da atividade leiteira mundial foi afetado pela pandemia, mas em diferentes momentos e intensidades. Aparentemente não houve ruptura na produção nem no processamento. Os preços permanecem estáveis, mas houve pequena retração do consumo.

A condição de cada país, em termos de autossuficiência em lácteos também é um determinante na avaliação dos impactos do Covid-19. Notadamente países historicamente importadores, no geral, já vinham convivendo com preços mais altos ao consumidor. Diante de um cenário com demanda interna enfraquecida e taxas de câmbios menos favoráveis vêm apresentando tendências de redução nas importações, abrindo-se a possibilidade de alcançarem autossuficiência em lácteos.

2019 – Antes da pandemia
A China é o maior importador de lácteos do mundo. Em 2019, o consumo de lácteos no País foi de 44,8 milhões de toneladas em leite equivalente. O consumo per capita de lácteos é baixo, com volume equivalente a 100 gramas de leite por habitante/dia. Mas, cresce 6% ao ano em média.

Apesar de altos preços ao produtor, a oferta interna de leite não acompanha o crescimento da demanda. A importação representa 25% da disponibilidade e cresce em média 6,5% ao ano. No ano passado, a importação representou 9 milhões de toneladas em equivalente leite. Em produto foram 2 milhões de toneladas de leite em pó e 1 milhão de toneladas de leite fluido. Cerca de 45% é importado da Nova Zelândia e o restante de outros cinco países: Estados Unidos, Austrália, Alemanha, França e Holanda.

O preço ao produtor foi US$ 0,56/kg; e o custo médio de produção de US$ 0,48 por kg. A produção de leite cresceu 4,1%, fechando em 32 milhões de toneladas dos quais 25,4 milhões como leite fluido. O consumidor pagou o equivalente a US$ 1,53 por kg.
 


2020 – Primeiro semestre
Entre janeiro e março – atribui-se à pandemia – um crescimento atípico de 8% no preço do leite ao produtor. A quantidade processada caiu 17% e do volume processado, houve uma destinação de 20% a mais para leite em pó. Para a indústria houve redução de 6% nas receitas; de 53% nos lucros e de 30% nas vendas.

O volume de vendas online de lácteos fluidos mais do que dobrou no período. A venda de leite em pó cresceu 40%. A importação de queijos cresceu 15% e do leite fluido 20%.

Apesar do país estar com retorno das atividades econômicas desde maio, uma política governamental de emergência está em curso. Para a indústria, um subsídio equivalente a US$ 0,03 por kg de leite. Para o produtor: US$ 700 por novilha importada; US$ 11 por uma inseminação; e US$ 7 por tonelada silagem utilizada.

Previsão para 2020: usar 17% da produção, originalmente em leite fluido, para processamento em leite em pó. Sem muita expectativa de mudanças no câmbio, renda real ou ritmo de importações.

A Rússia é o segundo maior importador de lácteos do mundo. Importa 20% do consumo, o equivalente a 4,0 milhões de toneladas em leite equivalente por ano.

Apesar de altos preços ao produtor, a produção de leite se manteve estagnada nos últimos 20 anos. A partir de 2013 os preços ao produtor caíram 25%. Atualmente, o produtor recebe o equivalente a US$ 0,45 por kg, um pouco mais alinhado ao patamar de preços internacionais.
 


2020 – Expectativa de reverter importações
As mudanças recentes nas taxas câmbio neste primeiro trimestre de 2020 tornaram a produção doméstica de leite na Rússia 20% mais competitiva e, atualmente com crescimento de 8% ao ano.

A indústria poderá ter a escolha de compra de leite cru no mercado doméstico para agregação de valor a produtos lácteos atualmente comprados da Bielo Rússia ou Nova Zelândia. O desenvolvimento da indústria de queijos está possibilitando com que o país venha a se tornar também exportador de soro.

Em continuar um ritmo de crescimento maior do que o crescimento da demanda e desvalorização do rublo frente ao dólar podem tornar a Rússia autossuficiente em lácteos até o final deste ano. Para um mercado que é do tamanho de 20% da produção atual da Nova Zelândia, pode sobrar leite no mercado internacional. Tudo leva a crer que a Ucrânia poderá vir a ser a segunda melhor alternativa para a exportação da Bielo Rússia. (Embrapa/CILeite)
                

 
Modelo virtual suprirá ausência da Expointer
O principal espaço de negócios rurais do Rio Grande do Sul, a Expointer, em Esteio, deixará uma lacuna neste ano nas atividades comerciais de fabricantes de máquinas, animais e na agroindústria familiar gaúcha. Com a maior feira do agronegócio gaúcho suspensa pela pandemia, diferentes entidades promotoras do evento se organizam para preencher esse vácuo que ficará no caixa das empresas e no bolso dos produtores familiares. As cifras movimentadas no Parque Assis Brasil são expressivas e farão falta para diferentes setores, que agora se organizam para minimizar os danos de alguma forma. Em 2019 a feira de Esteio movimentou R$ 2,6 bilhões em negócios. É uma parte desse valor que montadoras de máquinas agrícolas, pequenos produtores e pecuaristas, por exemplo, tentarão recuperar com eventos virtuais. Uma feira digital, integrando os principais setores de negócios tradicionais da Expointer está no horizonte. De acordo com o secretário de Agricultura, Covatti Filho, o governo está conversando com as entidades e analisa o formato ideal para fazer uma grande exposição virtual. “Existem diversas possibilidades de contar com a tecnologia a nosso favor. Estamos vivenciando uma pandemia sem precedentes, e é preciso se reinventar. O parque merece ter essa data celebrada”, ressalta Covatti Filho. (Jornal do Comércio) 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *