Pular para o conteúdo

21/11/2019

 

Porto Alegre, 21 de novembro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.113

Conhecidos os finalistas do Prêmio Sindilat de Jornalismo

O 5º Prêmio Sindilat de Jornalismo já tem seus finalistas. Os nomes foram anunciados na tarde desta quarta-feira (20/11), após reunião da Comissão Julgadora realizada na sede do Sindilat, em Porto Alegre. Presidindo os trabalhos, o jornalista e diretor Cultural da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), Antônio Goulart, destacou a grande participação dos veículos do interior do Rio Grande do Sul. "Neste ano, a grande disputa foi verificada nas categorias Impresso e Eletrônico", constatou. Ao todo, 51 trabalhos foram inscritos para a 5ª edição do prêmio, com participação de reportagens de veículos de diversas regiões do Brasil. "É um prêmio que valoriza o trabalho de profissionais que se dedicam à área dos laticínios e contribuem na abordagem de um setor importantíssimo para a economia do Rio Grande do Sul", completou Goulart.
A Comissão Julgadora do 5º Prêmio Sindilat de Jornalismo foi composta pelos jornalistas Rubem Pires Junior (Sindicato dos Jornalistas do RS), Antônio Goulart (ARI), Itamar Aguiar (Arfoc), Gerson Raugust (Farsul), Eduardo Oliveira (Fetag) e Carolina Jardine (Sindilat).

Segundo o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, realizar o Prêmio Sindilat de Jornalismo é um privilégio porque permite que, em dezembro, façamos uma retrospectiva de todos os fatos marcantes ocorridos ao longo do ano.  "Essa história é construída no dia a dia, ao lado de jornalistas que trabalham com a gente pelo desenvolvimento e para levar informação ao consumidor e ao setor produtivo".

Os grandes vencedores do Prêmio Sindilat de Jornalismo serão conhecidos em um jantar de fim de ano do Sindilat, que será realizado no dia 5 de dezembro no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre. Além dos troféus, o primeiro colocado de cada categoria receberá um IPhone.

Finalistas do 5º Prêmio Sindilat de Jornalismo
 
IMPRESSO
Cristiano Vieira / Revista Press Agrobusiness - Reportagem: "Com saúde e sabor: os caminhos do leite"
Fernanda Mallmann / Informativo do Vale - Reportagem: "A colônia é High Tech"
Juliana Bevilaqua dos Santos/ Pioneiro- Reportagem: "Um milhão de quilos de queijo"
 
ELETRÔNICO
Bruno Pinheiro Faustino / TV Cultura - Reportagem: "Leite: uma vocação gaúcha"
Ellen Bonow Bösel / Emater/RS  - Reportagem:  "Agroindústria Estrelat produz leite tipo A"
Gabriel Garcia / RBS TV- Reportagem: "Tecnologia no campo melhora o bem estar animal"
 
ONLINE
Joana Colussi /Zero Hora- Reportagem: "Bolsas estimulam educação em cooperativa agroindustrial"
Joana Colussi / Zero Hora - Reportagem: "Os motivos que fazem os jovens ficarem ou deixarem o campo no RS"
Juliana Bevilaqua dos Santos/ Site Pioneiro - Reportagem: "Um milhão de quilos de queijo"
 
FOTO
Antônio Valiente Samalea / Jornal Pioneiro
Lidiane Mallmann / O Informativo do Vale
Marcelo Casagrande / Jornal Pioneiro

Conseleite/SC
A diretoria do Conseleite Santa Catarina reunida no dia 21 de Novembro de 2019 na cidade de Chapecó, atendendo os dispositivos disciplinados no artigo 15 do seu Estatuto, inciso I, aprova e divulga os valores de referência da matéria-prima leite, realizados no mês de Outubro de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Novembro de 2019. Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão, bem como o maior e menor valor de referência, de acordo com os parâmetros de ágio e deságio em relação ao Leite Padrão, calculados segundo metodologia definida pelo Conseleite-Santa Catarina.

1 - Valor, em R$/litro, para o leite posto propriedade com Funrural incluso.

Períodos de apuração
Mês de Setembro/2019: De 02/09/2019 a 29/09/2019
Mês de Outubro/2019: De 30/09/2019 a 27/10/2019
Decêndio de Novembro/2019: De 27/10/2019 a 17/11/2019

O leite padrão é aquele que contém entre 3,50 e 3,59% de gordura, entre 3,11 e 3,15% de proteína, entre 450 e 499 mil células somáticas/ml e 251 a 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana e volume individual entregue de até 50 litros/dia. O Conseleite Santa Catarina não precifica leites com qualidades inferiores ao leite abaixo do padrão. (Conseleite/SC)

 
 
 
Uruguai: valor das exportações de lácteos cai 7% este ano
No acumulado dos dez primeiros meses de 2019, o faturamento das exportações de lácteos do Uruguai foi menor do que no mesmo período de 2018, determinado por uma queda nos volumes da maioria dos produtos principais e, em alguns, devido a preços mais baixos, conforme relatado pelo Instituto Nacional do Leite (Inale).
De janeiro a outubro de 2019, as exportações de lácteos do Uruguai somaram US$ 512 milhões - após negócios de US$ 50,9 milhões em outubro - representando uma queda de 7% em comparação ao mesmo período do ano passado.
Comparando os primeiros dez meses de 2019 aos de 2018, o leite em pó integral teve queda de 6% no faturamento (US$ 325,3 milhões) e 6% em volume (106.585 toneladas), com preço médio de US$ 3.010 por tonelada nas negociações de outubro deste ano (9% a mais que em dezembro de 2018 e 1% a mais comparando os primeiros dez meses deste ano com os primeiros dez meses de 2018).
No caso do leite em pó desnatado, o faturamento foi semelhante (US$ 28 milhões) e houve uma queda de 8% no volume (12.269 toneladas), com preço médio de US$ 2.575 por tonelada em outubro (28% a mais que em dezembro de 2018 e 8% a mais, comparando os primeiros dez meses deste ano com os primeiros dez meses de 2018).
O queijo teve uma queda de faturamento de 13% (US$ 88,1 milhões) e de 12% no volume (21.022 toneladas), com preço médio em outubro de US$ 4.010 por tonelada (9% a menos que em dezembro de 2018 e 1% a menos comparando os primeiros dez meses deste ano com os primeiros dez meses de 2018).
Finalmente, a manteiga apresentou uma queda de 5% no volume de negócios (US$ 48,7 milhões) e aumento de 2% no volume (10.070 toneladas), com preço médio em outubro de US$ 4.867 por tonelada (8% a mais que em dezembro de 2018 e 7% a menos na comparação dos dez primeiros meses deste ano com os dez primeiros meses de 2018).
Os registros derivam de uma análise realizada pelos técnicos da Inale com base em dados do Serviço Nacional de Alfândegas. (El Observador traduzido por MilkPoint)
 
 
 
Leite no Rio Grande do Sul
O estado contemplado pela Série Terra Viva Dados Estaduais, hoje, é o Rio Grande do Sul. Produzindo 4.242.293 mil litros está em terceiro lugar no ranking brasileiro de 2018 com 12,5% da produção de leite nacional. Possui uma taxa de informalidade de 20%, enquanto a do Brasil é de 28%. Até o momento, de todos os estados da nossa série, o Rio Grande do Sul apresentou a maior produtividade. Será que vamos ter outro estado para superá-lo? Acesse aqui o Panorama completo do Leite no Rio Grande do Sul. (Terra Viva) 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *