Pular para o conteúdo

20/11/2019

 

 

Porto Alegre, 20 de novembro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.112

Dairy Vision 2019 debate a inovação no mercado lácteo

Fazer com que os participantes saiam da rotina e olhem para as oportunidades de maneira otimista, é assim que o fundador e CEO da AgriPoint, Marcelo De Carvalho, definiu o objetivo do principal encontro dos líderes da cadeia láctea da América Latina, o Dairy Vision, que está na sua 5ª edição. Promovido pela AgriPoint e Zenith, o evento será nos dias 26 e 27 de novembro, a partir das 8h, na Expo Dom Pedro, em Campinas (SP). O encontro, que discutirá temas como inovação, consumo, qualidade, nichos de mercado e oportunidades para o setor, terá a presença da diretoria do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat).

Na pauta do fórum também está a discussão acerca do presente e do futuro da cadeia láctea em âmbito mundial. “Não existe setor seguro, precisamos sempre nos reinventar e estar atentos às mudanças no mercado para buscar novos negócios”, afirma Carvalho, ressaltando que o evento contará com representantes de várias empresas importantes do setor no Brasil e no mundo, como a Amul, cooperativa de laticínios indiana, que já confirmou presença. “Eles contam com mais de três milhões de produtores de leite e, com certeza, têm muito conhecimento sobre o setor para compartilhar”.

De acordo com o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, o evento é de suma importância para o setor, ainda mais em tempos de mudanças, com abertura de novos mercados para exportação e importação. “As oportunidades estão aí e é necessário que o setor lácteo se adapte para conseguir produzir mais e com diversidade de derivados, visando à exportação para outros países, mas, sobretudo, tendo como principal foco o mercado interno”, destaca. Palharini acredita que os mais de 200 milhões de consumidores de lácteos no Brasil gera o interesse de outros países e, por isso, é imprescindível que a cadeia tenha como objetivo, também, a importação desses produtos.

Interessados podem se inscrever através do site do evento, clicando aqui.

CONSELEITE–PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 10/2019 

A T E N Ç Ã O 
Na reunião do mês de outubro/2019, o Conselho aprovou os resultados dos estudos da Câmara Técnica relativos aos custos de produção de produtores e indústrias que resultam em novos valores de referência para os derivados lácteos considerados no modelo. A diretoria do Conseleite-Paraná alerta que não há comparabilidade com os valores divulgados anteriormente. Serão divulgados valores de referência com e sem revisão até o mês de dezembro e a partir de janeiro de 2.020, apenas valores com revisão. 

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 19 de Novembro de 2019 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Outubro de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Novembro de 2019, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. 

Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Novembro de 2019 é de R$ 2,3897/litro.

Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)

Devido à valorização da maioria dos derivados negociados, preço médio do GDT cresce 1,7%
Nesta terça-feira (19/11), o leilão da plataforma GDT apresentou valorização de 1,7% em relação ao evento anterior e um preço médio negociado de US$ 3.481/tonelada. Confira, no gráfico 1, a evolução dos preços médios realizados no leilão e sua variação.

Gráfico 1. Preço médio leilão GDT x GDT Price Index; elaborado pela equipe MilkPoint Mercado com dados do Global Dairy Trade.

 
Esta alta veio em um cenário de redução do volume negociado, já que as 37.968 toneladas negociadas neste evento foram 1,8% inferiores à quantidade vendida no último leilão, este, que registrou uma movimentação de 38.681 toneladas. Esta é a quinta alta consecutiva registrada nos leilões GDT. 
O resultado positivo desta edição se deu por conta da valorização da maioria dos derivados negociados, com exceção da manteiga, que apresentou uma redução de -1,3% (preço médio US$4.061/ton) e da gordura anidra, que reduziu -1,5% (preço médio US$5,108/ton). A caseína apresentou o maior aumento do leilão, +5,6% (preço médio US$7.668/ton), seguida pelo leite em pó desnatado, cujo incremento foi de +3,3% (preço médio US$3.017/ton). O queijo teve um aumento de +2,5% (preço médio US$3.701/ton) e o leite em pó integral, +2,2%, (preço médio US$3.321/ton).
Para os contratos futuros com vencimento nos próximos meses, nota-se que as negociações da NZX indicam preços ligeiramente mais altos no leite em pó integral em comparação com o GDT, entretanto é possível notar uma tendência de manutenção dos patamares atuais de preço (observar Gráfico 2).
Gráfico 2. Evolução da quantidade negociada no leilão GDT; elaborado pela equipe MilkPoint Mercado com dados do Global Dairy Trade. (Milkpoint)
 
 
Preços/AR
O valor pago ao produtor superou os AR$ 16. Em um ano, quase foi duplicado. No entanto, o valor está abaixo do considerado ideal, em dólares. O preço pago aos produtores de leite subiu 2,5% em outubro, segundo o boletim elaborado pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (Ocla), com base nos dados do Sistema Integrado de Gestão Leiteira da Argentina (Siglea). Em média, a indústria pagou AR$ 16,11 por litro, o que significa 91% de aumento interanual. Este valor supera largamente a inflação e também a desvalorização cambial. Em dólares, no entanto, o preço é de US$ 0,275/litro. Historicamente, o setor considera US$ 0,30/litro, o valor base para cobrir os custos e ter uma rentabilidade mínima.(Portalechero/Tradução Terra Viva)
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *