Pular para o conteúdo

22/10/2019

Porto Alegre, 22 de outubro de 2019                                              Ano 13 - N° 3.092

Valor de referência do leite cai no Rio Grande do Sul 


Crédito: Carolina Jardine
 
O valor de referência do leite no Rio Grande do Sul estimado para o mês de outubro é de R$ 1,0609, 3,47% abaixo do consolidado de setembro (R$ 1,0991). Segundo dados divulgados nesta terça-feira (22/10) pelo Conseleite, a tendência reflete o período de safra, mas está mais amena em 2019 em relação a anos anteriores. A redução pontual da pesquisa de outubro foi puxada pela diminuição do leite UHT, carro chefe do mix do Estado, mas teve compensação parcial com a alta do leite em pó. 
 
A tendência de mercado é de estabilidade, uma vez que o volume de captação começa a reduzir com a diminuição da produção no campo nas próximas semanas. “Em 2019, o UHT apresentou estabilidade. Diferentemente de outros anos quando se registrou variações bruscas no preço, a curva do ano indica quedas e elevações suaves no preço do UHT”, disse o professor da UPF e responsável pelo estudo Eduardo Finamore. A reunião do Conseleite foi realizada na sede da Farsul, em Porto Alegre.  
 
Segundo o presidente do Conseleite e do Sindilat, Alexandre Guerra, os números refletem uma mudança nos hábitos de consumo do brasileiro em um ano de crise e falta de recursos na economia. “As famílias estão buscando preço porque a crise impactou em cheio o poder de consumo”. Além disso, justificou ele, o que se viu em 2019 foi um aumento das vendas no atacado em detrimento do varejo, principalmente entre as classes A e B, que também estão buscando adquirir leite e outros alimentos básicos a preços mais competitivos. “Isso impacta o comércio e traz reflexo direto no setor industrial e no produtor porque estamos em um mesmo mercado. Os movimentos do consumidor interferem em todos os elos”.

IN 76 e 77
Durante a reunião, as entidades que integram o Conseleite ainda debateram o impacto das Instruções Normativas 76 e 77 no campo, principalmente com os resultados de médias geométricas de CBT, que já limitam a captação do leite de alguns produtores gaúchos. O colegiado entende que é preciso realizar alguns ajustes de metodologia que estimulem os produtores a seguir melhorando. “Em alguns casos, não valoriza o esforço que vem sendo feito no campo”, pontuou o gerente técnico adjunto da Emater/RS-Ascar, Jaime Ries, que apresentou casos concretos de distorções que vêm ocorrendo.  


 
Crédito: Carolina Jardine
 
 
 
Tabela 1: Valores Finais da Matéria-Prima (Leite) de Referência1, em R$ – Setembro de 2019.


(1)    Valor para o leite “posto na propriedade” o que significa que o frete não deve ser descontado do produtor rural. Nos valores de referência IN 76/77 está incluso Funrural de 1,5% a ser descontado do produtor rural

Tabela 2: Valores Projetados da Matéria-Prima (Leite) de Referência1 IN 76/77, em R$ – Outubro de 2019.


* Previsão

Sindilat debate INs 76 e 77      
 
     
Reunidos na sede do Sindilat na tarde desta terça-feira (22/10), representantes dos laticínios associados debateram a situação de adaptação às Instruções Normativas (INs) 76 e 77 no Rio Grande do Sul. Na ocasião, avaliaram as melhorias visíveis a campo e possíveis ajustes na metodologia que evitem a exclusão dos produtores que estão avançando em seus escores de CBT. As empresas ainda visualizaram os dados divulgados pelo Conseleite referentes ao mês de outubro e discutiram encaminhamentos de questões tributárias e planos de melhoria. Durante a reunião, também foi apresentado balancete do terceiro trimestre do Sindilat.
 
 

Conseleite/Paraná

Atenção: Na reunião do mês de outubro/2019, o Conselho aprovou os resultados dos estudos da Câmara Técnica relativos aos custos de produção de produtores e indústrias que resultam em novos valores de referência para os derivados lácteos considerados no modelo. A diretoria do Conseleite-Paraná alerta que não há comparabilidade com os valores divulgados anteriormente. Serão divulgados valores de referência com e sem revisão até o mês de dezembro e a partir de janeiro de 2.020, apenas valores com revisão.

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 22 de Outubro de 2019 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Setembro de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Outubro de 2019, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada "Leite Padrão", se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/mi e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana.

Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Outubro de 2019 é de R$ 2,4136/litro. Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima lei conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)
 
Nestlé
A Nestlé foi escolhida pelo consumidor brasileiro como a marca mais amada do país, de acordo com pesquisa desenvolvida pelo Centro de Inteligência Padrão em parceria com a ECGlobal. O levantamento apontou as marcas mais queridas em nove categorias, que englobam mais de 30 segmentos de mercado. Além da Nestlé, a Chocolates Garoto ficou na 7ª colocação entre as top 10. O resultado reitera a confiança dos consumidores na qualidade dos produtos da companhia, que está presente em 99% dos lares dos brasileiros, segundo o Kantar Worldpanel. Fundada há mais de 150 anos, com sede na Suíça, a Nestlé tem hoje presença em 190 países e conta com 308 mil colaboradores. Chegou ao Brasil há 98 anos, com a primeira fábrica de MilkMaid (que depois se tornou Leite Moça), instalada na cidade paulista de Araras. Para realizar o levantamento, foram ouvidas mais de 1.700 pessoas, entre homens e mulheres, de 18 a 54 anos, das classes A, B e C, em todo o país. Os consumidores avaliaram de quatro a cinco categorias das nove incluídas no estudo. (Newtrade)
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *