Pular para o conteúdo

21/08/2019

Porto Alegre, 21 de agosto de 2019                                              Ano 13 - N° 3.049

   Conseleite/PR

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 20 de Agosto de 2019 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Julho de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Agosto de 2019, calculados por metodologia definida pelo ConseleiteParaná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.

 

Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada “Leite Padrão”, se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Agosto de 2019 é de R$ 2,4278/litro. 

Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)

 

Exportações/UR

O diretor do Departamento de Planejamento e Orçamento (OPP), Álvaro García, disse que o que está ocorrendo com a carne Uruguai que é vendida em grandes quantidades para atender o consumo chinês, também ocorrerá com lácteos e queijos. Explicou que os chineses descobriram a pizza, o que assegura a compra de mussarela. 

Por outro lado, um boletim da Associação Internacional de Alimentos Lácteos ressaltou que a exportação de lácteos estadunidenses para a China caiu quase 50%.

O diretor da OPP, Álvaro García disse que “o Uruguai está vendo o êxito da carne na China a partir de políticas persistentes”, por parte do governo. “Estamos vendendo recordes de carne e teremos até dificuldades para abastecer”, comentou.

Em relação a leite e queijo, García assegurou que ocorrerá algo similar. “Estive na China, e venho de uma missão oficial estabelecida pelo presidente Tabaré Vázquez e os chineses estão começando comer pizza, e terá grande impulso a mussarela”, disse García. (TodoElCampo – Tradução livre: Terra Viva)

Produção/AR 

Até o mês de julho, a produção de leite acumulou queda de 4,8% em relação a 2018. A situação começaria a reverter-se a partir de agosto. Segundo o boletim do Observatório da Cadeia Láctea Argentina (Ocla), a produção acumulada nos 7 meses de 2019 mostra queda de 4,8% quando comparada com 2018, e a média móvel dos últimos 12 meses registra decréscimo interanual de 2,1%.

No mês de julho de 2019 a produção foi de 897,4 milhões de litros de leite, valor que representa elevação de 11,1% em relação ao mês anterior (+7,6% se comparado com a média diária) e volume praticamente igual ao do ano anterior (897 milhões de litros em julho de 2018).  

 

 
A produção que habitualmente tem seu pico de mínima no mês de abril, em 2019 ocorreu no mês de fevereiro, inclusive com baixa mais pronunciada em relação à média histórica e começou em março o processo de crescimento, que normalmente se mantém até outubro, quando ocorre o pico máximo de produção. O boletim afirma que se em termos gerais não houver modificação significativa nos padrões meteorológicos e não houver modificação substancial na relação faturamento/custo (cenário complexo de prever diante da situação atual), é provável que a menor produção dos primeiros seis meses do ano, que foi neutralizada em julho, comece crescer em agosto, acima dos números do ano anterior, conseguindo, segundo estimativas atuais, uma produção similar ao ano anterior (até agora entre -1% e -2%).
 
Por último destacou o boletim do Ocla, que no mês de outubro seriam produzidos 4,3 milhões de litros de leite a mais por dia do que julho. (CampoLitoral – Tradução livre: Terra Viva) 
Leite e derivados
Após seis meses de valorizações, o preço do leite ao produtor registrou a primeira queda em 2019. Em julho, o valor bruto foi de R$1,51, na média nacional, o que representou uma redução de 7,67% sobre o mês anterior. CLIQUE AQUI e confira a análise completa no Boletim indicadores leite e derivados. (Embrapa)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *