Pular para o conteúdo

15/08/2019

Porto Alegre, 15 de agosto de 2019                                              Ano 13 - N° 3.045

   Ministério da Agricultura projeta valor da produção no campo em R$ 603 bi

A melhora das perspectivas no mercado de milho levou o Ministério da Agricultura a elevar levemente sua estimativa para o valor bruto da produção (VBP) agropecuária do país em 2019. Segundo levantamento divulgado ontem, (13), a Pasta passou a prever o VBP total em R$ 603,4 bilhões, cerca de R$ 600 milhões a mais que o projetado em julho e montante 1,2% superior ao de 2018.

 

Para os 21 produtos agrícolas que fazem parte da pesquisa, o VBP foi ajustado pelo ministério para R$ 399 bilhões, mesmo patamar previsto em julho e com queda de 0,4% em relação ao ano passado. Essa queda virá sobretudo da piora apontada para a soja, carro-chefe do agronegócio brasileiro. Segundo o ministério, o VBP do grão deverá atingir R$ 128,8 bilhões neste ano, 13,4% menos que o recorde histórico de 2018. Influenciam essa redução a queda da colheita nesta safra 2018/19 e a tendência de retração de preços, em parte derivada da menor demanda.

Para o VBP do milho, cuja safrinha bateu novo recorde, a projeção do ministério voltou a melhorar. Passou a ser de R$ 60,5 bilhões, 22,9% superior ao montante de 2018. No caso da cana, a Pasta ajustou sua estimativa para R$ 58,3 bilhões em 2019, 8,4% menos que no ano passado. Vale destacar, ainda, as altas na comparação com 2018 de algodão (16,6%, para R$ 41,4 bilhões), laranja (8,1%, para R$ 14 bilhões), banana (20,5%, para R$ 12,8 bilhões) e trigo (8,2%, para R$ 5 bilhões), além da baixa projetada para o café (24,7%, para R$ 19,6 bilhões).

Para o VBP conjunto das cinco principais cadeias da pecuária, o ministério ajustou sua estimativa para R$ 204,4 bilhões, 4,5% mais que em 2018. Pesam para esse aumento os reflexos positivos da epidemia de peste suína na China para demanda e preços no mercado global de carnes em geral e sobre as exportações brasileiras em particular. Para o frango, a previsão de VBP do ministério foi mantida em R$ 62,9 bilhões, 13,4% mais que em 2018. Também há aumentos projetados para os bovinos (1,3%, para R$ 81,4 bilhões) e para os suínos (9,3%, para R$ 15,9 bilhões). E há quedas calculadas para o leite (1,6%, para R$ 33 bilhões) e para os ovos (4%, para R$ 11 bilhões). (As informações são do jornal Valor Econômico)

 

Italac recebe troféu Agroleite na categoria laticínios 

Concorrendo com outras duas marcas de laticínios, a Italac venceu, pelo terceiro ano consecutivo, a disputa da categoria no Prêmio Troféu Agroleite, promovido pela Castrolanda. A cerimônia ocorreu na noite desta quarta-feira (14/8), no Memorial da Imigração Holandesa, localizado na cidade de Castro, Paraná.

Neste ano, completando 18 anos de premiação, o Oscar do Leite, como é conhecido, apresentou um novo regulamento que contou com 11 categorias distintas, cuja votação foi realizada pela internet.  São elas: Genética, Nutrição, Medicamentos, Bem-Estar, Sementes, Ordenha e Refrigeração, Máquinas e Equipamentos, Produtor de Leite, Agente Financeiro, Laticínios e Embalagens.

Disputando com a Italac na categoria laticínios estavam as marcas Nestlé e Xandô. Para o presidente da Italac, Cláudio Teixeira, é uma honra para a empresa participar da cerimônia.  "Se Deus quiser ano que vem estaremos aqui recebendo, mais uma vez, esse importante prêmio para nós", declarou, parabenizando a cooperativa pelo trabalho e sucesso que tem conquistado. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 
 

UE pressiona Austrália pela proteção de nomes de produtos lácteos no acordo de livre comércio

Enquanto a União Europeia (UE) e a Austrália negociam um acordo de livre comércio, a UE deu à Austrália uma lista de mais de 400 produtos que deseja proteger como parte de qualquer acordo, com muitos termos de laticínios incluídos.

O Ministro de Comércio, Turismo e Investimento da Austrália, Simon Birmingham, disse que o processo de consulta pública sobre Indicações Geográficas (IG) oferecerá à indústria um período de três meses para comentários. 

A designação IG é pretendida pela UE para proteger produtos tradicionais e localizados e, assim, garantir uma qualidade padrão. Em resposta, o governo australiano está à procura de comentários públicos sobre os planos, com a Federação Nacional de Agricultores do país (NFF) já afirmando que não está impressionada com a perspectiva. “Os australianos podem ter certeza de que faremos uma barganha muito difícil - como sempre fazemos - para conseguir um acordo geral que ofereça mais oportunidades para os agricultores e empresas do nosso país. Em última análise, só faremos este acordo se, no geral, for do interesse da Austrália fazê-lo”, disse Simon.

Definir demandas
A UE é o segundo maior parceiro comercial da Austrália e, em 2008, a Austrália concordou com um acordo de comércio de vinhos que cobria algumas restrições da UE às IGs. As exigências da UE incluem qualquer uso comercial direto ou indireto de um nome de IG para produtos comparáveis, o que significa que um produtor australiano não poderia comercializar um queijo 'estilo feta' ou um produto 'semelhante ao camembert'.

Enquanto muitos dos queijos não possuem nomes conhecidos, outros são, como camembert de Normandie, feta, brie, stilton branco e azul, mussarela, provolone, gorgonzola, parmiggiano reggiano e gruyère. No total, existem 56 queijos na lista, além de duas manteigas e um produto cremoso.

NFF (Federação Nacional de Agricultores) preocupada
A NFF disse que está desgostosa que o governo australiano tenha dado o próximo passo para proibir o uso de nomes comuns de alimentos na Austrália, como feta, brie e camembert. "Os agricultores australianos ficarão em uma situação pior se o governo concordar com as exigências da UE de que nós estendamos proteção para as indicações geográficas (IGs) para alimentos e outros vinhos e bebidas alcoólicas", disse o presidente-executivo da NFF, Tony Mahar.

"As negociações do acordo devem abrir mercados e liberar o comércio entre parceiros de livre comércio. Tudo o que ouvimos da UE desde o início das negociações foi que a agricultura era um setor ‘sensível’ para a UE e a Austrália precisaria concordar em estender a proteção às IGs da UE se quiséssemos um acordo de livre comércio”.  

Mahar disse que, se o governo "ficasse fraco" nas IGs, seria um golpe duplo para os agricultores. "Não só nos foi dito que o novo acesso para produtos agrícolas ‘sensíveis’ será difícil, e que não obteremos nenhum novo acesso para açúcar, laticínios, pequenos produtos e outros produtos, mas também, teremos que abrir mão de nomes de alimentos comuns e as vendas que os acompanham?"

A NFF comentou que, durante anos, os agricultores australianos sofreram com políticas protecionistas da UE, incluindo sua política de IGs. O acordo de livre comércio apresenta uma oportunidade crítica para nivelar o ‘campo de jogo’.

Mahar acrescentou: "o sistema de proteção de marcas da Austrália pode fornecer a mesma proteção, se não melhor, para produtos especializados. Não precisamos de um sistema novo, separado e financiado pelos contribuintes para proteger os nomes de produtos europeus. O governo australiano não deve considerar qualquer extensão da proteção das IG sem um compromisso garantido da UE de acesso excepcional ao mercado para todos os produtos agrícolas australianos sem nenhuma exclusão. Se a UE realmente acreditar em sua retórica sobre o livre comércio, esse resultado beneficiará os agricultores e consumidores europeus tanto quanto os agricultores australianos".

No entanto, o ministro Birmingham disse: “há enormes oportunidades para os agricultores e empresas australianos se pudermos melhorar seu acesso aos mercados em toda a UE. A UE possui mais de 500 milhões de consumidores e, mesmo com as restrições comerciais existentes, já é o terceiro maior mercado de exportação da Austrália. Embora compreendamos a importância que a UE atribui às indicações geográficas, a nossa prioridade é garantir que os nossos agricultores e empresas possam obter um melhor acesso ao mercado e serem mais competitivos na UE. Esse processo de consulta nos ajudará a entender melhor as visões da indústria australiana, o que nos ajudará em nossas discussões contínuas com a UE sobre o porque a proteção solicitada de certos termos não será aceitável em alguns casos”. Os comentários públicos podem ser feitos até 13 de novembro. (As informações são do Dairy Reporter, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

PIB do agronegócio calculado por Cepea e CNA cresceu 0,65% em maio
 O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro cresceu 0,65% em maio, de acordo com cálculos conjuntos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Com isso, informou o Cepea, de janeiro a maio o PIB do setor passou a apresentar alta de 0,68%. Entre os ramos que compõem o agronegócio, o agrícola registrou aumento de 0,13% em maio, mas nos primeiros cinco meses do ano a variação ainda ficou negativa (0,39%). No pecuário houve avanço de 2,06% em maio e, nos primeiros cinco meses, de 3,63%. (As informações são do jornal Valor Econômico)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *